Skip to content

S. O. S.

5 Abril, 2011

A solução do nosso problema – FMI
Venha alguém de fora que nos salve destes loucos e incompetentes. Venha o FMI e depressa.
Ontem, na Rádio Renascença.

About these ads
13 Comentários leave one →
  1. Arlindo da Costa permalink
    5 Abril, 2011 01:28

    Sócrates, juros até 15% a gente suporta!
    Aguenta firme!
    Segundo o meu tio Malaquias, há uma figura grada do Estado, que tem conta no Facebook.
    Ele que mande vir o FMI por essa via…

  2. 5 Abril, 2011 02:57

    Áté o presidente do BCP—figura próxima de guterres e do Sókas e do Vara (colaborou no assalto ao BCP a partir da CGD e do largo do rato…) já afirmou a necessidade de ajuda intercalar antes das eleições.
    SILVA LOPES—mais do que insuspeito de ser de Direita……já teve a frontalidade de dizer que o FMI já devia ter vindo há muito tempo………….tal as asneiradas do Sókas.
    Esta teimosia arrogante e criminosa só pode ter um fim:
    JULGAMENTO-CRIME E CONDENAÇÃO.
    As próximas gerações não têm futuro…

  3. 5 Abril, 2011 04:30

    Um insulto à JUSTIÇA , `a verdade, aos Magistrados honestos, à dignidade:

    Lopes da Mota colocado no Tribunal da Relação de Lisboa:

    http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/exclusivo-cm/lopes-da-mota-na-relacao-de-lisboa013015263

  4. balde-de-cal permalink
    5 Abril, 2011 07:12

    maluquinho à solta. fugiu de rilhafoles.
    sem medicação por falta de médico de família e falência do sns.
    vistam-lhe camisa de forças

  5. lucklucky permalink
    5 Abril, 2011 07:14

    “Bancos portugueses deixam de dar crédito ao Estado”

    http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=477601

    Vigarizados pelos Soci@listas sucessivamente acordam agora…também terão o que merecem.

  6. Sérgio permalink
    5 Abril, 2011 07:28

    Quando o Estado deu garantias aos bancos e distribuiu o nosso dinheiro pela corja do BPN nenhum dos bancos se queixava…

  7. lucklucky permalink
    5 Abril, 2011 07:48

    “Quando o Estado deu garantias aos bancos”
    O Estado fingiu que deu garantias, não as tinha, como aliás pode ver com o caso do BPN um banco menor. Foi tudo show off como os stress tests .

    “distribuiu o nosso dinheiro pela corja do BPN”
    O Governo Soci@lista que foi votado por uma boa parte dos Portugueses é que decidiu meter o dinheiro num banco que deveria ter falido.

  8. lucklucky permalink
    5 Abril, 2011 07:49

    O curioso é que você e muitos outros estão mais chateado com os tipos do BPN que não tinham dinheiro seu do que com o Governo que o tem.

  9. JCA permalink
    5 Abril, 2011 09:45

    .
    “Sócrates, juros até 15% a gente suporta!”
    .
    Já está quase. Só falta mais um empurrãozinho da escola histórica do ‘orgulhosamente sós’ para o sonho ser satisfeito: ‘aprés-moi le deluge’ (depois de mi o diluvio, o sacrificio ritualista do ‘sangue, suor e lagrimas’). Quando já se imitam os inimigos de outrora …….
    .
    -La deuda de Portugal sufre tras otro recorte de su nota de solvencia
    El interés de sus bonos a cinco años supera el nivel psicológico del 10% después de que Moody’s haya vuelto a rebajar su nota de solvencia.- Grendes bancos del país lanzan un ultimátum al Gobierno

    http://www.elpais.com/articulo/economia/deuda/Portugal/sufre/recorte/nota/solvencia/elpepueco/20110405elpepueco_5/Tes

    .
    Externamente está tudo a ser escrutinado:
    .
    Num primeiro arco fundamental:
    o funcionamento Português no Legislativo, no Executivo e no Judicial. Desta amalgama é parida a primeira imagem externa de respeitabilidade provocando a confiança em Portugal.
    .
    Num segundo arco fundamental:
    a solidez do País, a capacidade de criar riqueza para pagar o que deve, como as governanças Portuguesas vão fazer, ou se querem fazer, para reacender já a Economia
    .
    O secundário é a liquidez que tanto aflige os governantes e a elite ora transitoriamente em Poder. Mas não é arco fundamental dos credores e dos mercados externos. Resolverão despejar mais dinheiro (liquidez) em função dos dois arcos fundamentais supra.
    .
    Reduzir isto a interesses legitimos eleitoralistas direcções partidárias ou traduzir para imediatismos das direcções partidárias não resolve nada. O ‘cancro’ está mais além e mais fundo, é estrutural e estruturante do todo nacional. Neste Tempo, momento histótico de fecho de ciclo, ou é atacado ou de facto entraremos em ‘Default’ e ‘Lixo’ .
    .
    Não releva desta REALIDADE incontornavel qualquer ataque a pessoas, caras, direcções partidárias ou partidos. O essencial incontornável é outro completamente diferente de questiunculas pessoais ou talibanismos emotivos partidários. Só fazem perder mais Tempo e mais Dinheiro.
    .
    Continuar a olhar para o lado ou esconder a cabeça debaixo da areia como a avestruz,
    .
    deu mas já não dá.
    .

  10. MJP permalink
    5 Abril, 2011 10:03

    E de Espanha nem um pio, no entanto, são os que mais dívida têm de entre os estrangeiros.
    Parece que estão combinados porque a queda de Portugal só é grave se arrastar a Espanha. O braço de ferro deverá ser ganho pela UE porque Portugal só mostra a ponta do iceberg. Se apostarem em condições especiais, como Sócrates espera, vão surpreender-se com o lixo que está escondido.

  11. JCA permalink
    5 Abril, 2011 11:11

    .
    Dados no plano geopolitico global da àrea União Europeia,
    com gráfico dos maiores Empréstimos do FMI de sempre, area da UE em 1º lugar com 240 bls SDR, seguido do México com cerca de 30 bls SDR’s.
    .
    IMF is propping up the EU stabilization fund under the assumption that they will implement a tough austerity program, the idea of which Germany vehemently opposes. Greece in particular has agreed to slash public spending and cut its budget deficit to less than 3 percent of GDP by 2014.
    If this EU loan is maximized it will total approximately 194.2 billion, or more SDRs than the IMF’s ten biggest loans in history combined. An SDR, or Special Drawing Right, is the IMF’s unit of account that represents a claim on foreign currencies exchangeable in times of need.
    .
    But the nature of the euro is that one country’s economic problem is everyone’s economic problem, and an IMF bailout will detrimentally impact all of the other euro zone players—most notably Ireland, Portugal, and Spain, who are already struggling to keep their heads above water.
    .
    Ireland was awarded a bailout of 85 billion euros, which made European stocks and the euro plummet and the cost of insuring the debt of Spain and Portugal against default soar to a record high.
    .
    Spain continues to hike taxes and slash government spending, which is not faring well with the people and is politically costing those in power. However, as economist Rafael Pampillon concedes: “If they don’t do this, then borrowing costs will rise and Spain would be forced into accepting a bailout like Ireland. I don’t know what’s worse for a government’s prestige: changing policy under pressure, or having the EU and IMF intervene directly and take over.”
    .
    -Can the IMF Save the European Union

    http://oilprice.com/Geo-Politics/Europe/Can-the-IMF-Save-the-European-Union.html

    .
    sobre Espanha, Portugal, Grecia e no fim dalinha donde vem o dinheiro:
    .

    http://gonzalolira.blogspot.com/2010/11/for-europes-future-spain-is-all-that.html

    http://fistfulofeuros.net/afoe/economics-and-demography/how-many-times-can-one-driver-fall-asleep-at-the-same-wheel-and-live/

  12. JCA permalink
    5 Abril, 2011 11:33

    Empobrecimento, Miséria, Subida de Impostos, Desemprego, Aumento Idade de Reforma, Reduções Salariais, Encerramento de Empresas, Recessão, Jovens sem Emprego, Pensões dos que hoje descontam, PEC’s etc na Discussão OE 2010
    .
    Orçamento do Estado alimenta 14 mil entidades públicas
    .
    Entre elas estão 340 fundações de mão-pública, 379 institutos públicos, 537 empresas municipais e mil sociedades empresariais do Estado
    .
    “Mas para além dos problemas, o estudo também aponta soluções. Desde logo a eliminação urgente de cinco mil organismos públicos (fundações, institutos, empresas municipais, sociedades empresariais do Estado e as parcerias público-privadas). Depois, a redução do número de ministérios e secretários de Estado e cortes orçamentais na despesa corrente, seja nas viaturas, nas viagens, nas refeições ou nas festas públicas.
    .
    A ANPME, adiantou ao i que “muitas destas organizações de mão-pública vivem e sobrevivem à custa de subsídios públicos. Não dão lucro nenhum, mas servem para a impermeabilidade política”, disse, sustentando ainda tratar-se de organizações que, a maior parte das vezes, acabam “dirigidas por políticos que muitas vezes saem do Governo com o salário de secretário de Estado ou de ministro e que depois são direccionados para gerir estas instituições públicas”. Quem vai acabar com isso, parece ser a pergunta imediata.”
    .

    http://www.ionline.pt/conteudo/83817-orcamento-do-estado-alimenta-14-mil-entidades-publicas

    .
    Em 2010 os ‘deuses’ telefonaram a Socrates: “Meu filho não pecs mais’. De seguida a PPC e CS. Já haverá arrependimentos dos pecs em 2011 ?
    .

  13. Eumesma permalink
    5 Abril, 2011 14:45

    Venha o FMI e já. De facto, a casmurice do Sócrates é um mistério. Pelo menos para mim. Alguém me esclarece: o FMI não vem porquê?

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 34.850 outros seguidores

%d bloggers like this: