Skip to content

Agitprop

23 Março, 2012

Perante o fiasco das iniciativas convocadas criam-se incidentes que passando eles a ser notícia fazem esquecer o fiasco. Para esta estratégia resultar são necesssários agentes policiais e jornalistas. Os primeiros porque têm um papel incontornável do incidente mais que anunciado e os segundos porque o registam. A propósito como estava a correr a manifestação do Chiado?

About these ads
82 Comentários leave one →
  1. aremandus permalink
    23 Março, 2012 11:50

    a helena acaba de passar os olhos pela imprensa nacional…e internacional e quedou-se pesarosa…

  2. Portela Menos 1 permalink
    23 Março, 2012 11:51

    Fuga para trás!

  3. esmeralda permalink
    23 Março, 2012 11:56

    Sem dúvida. Acabei de escrever um comentário sobre isso! Continuam a querer brincar às greves e com o país. E depois aquele aproveitamento da bastonada. Não sei se foi mesmo atingida. Mas o direito à greve é tido como um DIREITO! O direito a não aderir à greve parece não existir! E continuamos a ver pessoas indignadas com esse facto. Não merecem nota jornalística?

  4. aremandus permalink
    23 Março, 2012 11:56

    o instantâneo é fabuloso,trendo: mostra a cara do bófia,qual cão,cada dia mais parecido com o dono.

  5. aremandus permalink
    23 Março, 2012 11:58

    a jornalista estava a trabalhar ou fazia greve? a jornalista era estrangeira e agora? como vai o paulinho das feiras agora ser castigado?

  6. Portela Menos 1 permalink
    23 Março, 2012 12:01

    noticias sobre a greve:

    http://expresso.sapo.pt/passos-coelho-fugiu-aos-manifestantes-no-porto=f713796

  7. 23 Março, 2012 12:02

    Tadita da dona Helena… :-) :-)

  8. Portela Menos 1 permalink
    23 Março, 2012 12:07

    se HelanaMatos fosse jornalista indignava-se com isto:
    .
    A Direcção de Informação da Lusa protestou «com a maior veemência» contra «a agressão», por agentes da PSP, do fotógrafo da agência José Sena Goulão, que estava «devidamente identificado como jornalista».

    O protesto foi formalizado, por carta, enviada ao director nacional da PSP, superintendente Paulo Valente Gomes.

    «O comportamento das forças da PSP ao agredirem um jornalista em pleno exercício das suas funções constitui a prática de um crime e uma grave violação dos mais elementares direitos de personalidade do lesado, sem prejuízo da simultânea violação do Estatuto do Jornalista, razão pela qual a Lusa e o jornalista agredido se reservam o direito de recorrerem a todos os meios ao seu dispor para obterem a necessária e devida reparação pelos actos ilícitos cometidos», lê-se no texto assinado pela Direcção de Informação da Lusa.

    José Sena Goulão recebeu assistência no Hospital de São José, depois de inicialmente ter sido socorrido pelo INEM no local.

    Lusa/SOL

  9. Portela Menos 1 permalink
    23 Março, 2012 12:09

    esmeralda Posted 23 Março, 2012 at 11:56
    .
    impediram-na de trabalhar, está visto!

  10. Francisco Colaço permalink
    23 Março, 2012 12:14

    Houve um dia em que fui impedido de trabalhar por um piquete de greve, que encerrou os portões a cadeado.
    .
    Fui buscar uma tesoura corta-arame. Ainda me tentaram impedir de cortar, por meios violentos, os idiotas! (Eu é que tinha o corta-arame, afinal!) Os grevistas aceitam que têm direito à greve, e também que eu não tenho o direito de dizer não às razões da greve e querer ir trabalhar.
    .
    Por isso, defendo desde sempre a criminalização do ludismo e do impedimento ao trabalho por grevistas. Quem quer deve trabalhar!
    .
    Agora digam-me, existe alguma petição para poder assinar manifestando-me contra a CGTP e tudo o que ela representa?

  11. Francisco Colaço permalink
    23 Março, 2012 12:19

    Aremandus,
    .
    Verifique as fontes antes de expor a sua ignorância. A jornalista era portuguesa, mesmo se trabalhando para a France Presse. De qualquer modo, se ela comeu é porque desrespeitou as regras de boa prática para o posicionamento dos jornalistas e dos foto-jornalistas (que as há, e estão escritas!) na cobertura das manifestações, revoltas e confrontos.
    .
    Não sei se sabe, existem tele-objectivas, e são muito úteis nestes casos (e são aconselhadas pelas boas práticas)!

  12. Portela Menos 1 permalink
    23 Março, 2012 12:22

    a senhora devia era estar a lavar a loiça em vez de se armar em reporter! não há paciência para tanto democracia…

  13. von permalink
    23 Março, 2012 12:25

    Portela menos um, você é um vulgar asno. O seu lugar é no estábulo. Raio dos animais…

  14. neo permalink
    23 Março, 2012 12:27

    Duas coisas ficam claras para o meu entender desta passada greve em Portugal:

    1) Que quem tem a porra e reparte canha com ela pela sanha que poe no empenho da para afirmar que foi um maoista de outros tempos, Nao há a menor dúvida. Pois foi. Um ex- so assim pode…
    2) Enquanto a citada jornalista gabacha tudo o mundo pode apreciar que nao é tal uma farsante porque todo o mundo pode ver que é indignada disfraçada. Se e que…até as fotografias podem ser trucadas como as finanças…sao os tempos que sao.

    http://economia.elpais.com/economia/2012/03/22/album/1332442148_942730.html#1332442148_942730_1332442211

  15. Portela Menos 1 permalink
    23 Março, 2012 12:28

    o VON anda a frequentar lugares estranhos e agora deu em assessor turístico!

  16. Joaquim Amado Lopes permalink
    23 Março, 2012 13:26

    O Francisco Colaço levanta uma questão importante: onde é que estava a repórter?
    .
    Vê-se cada vez mais os repórteres, na ânsia de protagonismo, a meterem-se no meio da confusão para “fazerem o seu trabalho”. Ora esse é o pior sítio para estarem, se quiserem realmente fazer o seu trabalho e se não forem estúpidos.
    .
    As cargas policiais, justificadas ou não, são sempre despoletadas pela acção de alguém (sim, por vezes de agentes infiltrados). Quem está no meio da multidão não tem a mínima hipótese de ver o que se está realmente a passar e será apanhado de surpresa por qualquer movimentação dos manifestantes ou da polícia.
    Os agentes da polícia, quando fazem uma carga, não têm condições nem devem (para sua própria segurança) estar a distinguir os “manifestantes” dos “espectadores” ou parar para ver as “credenciais de jornalista” de quem lhes aparece à frente. Quem não quer levar porrada (e seja minimamente inteligente), não se coloca entre os manifestantes e a polícia. E muito menos se coloca no meio dos manifestantes.

  17. piscoiso permalink
    23 Março, 2012 13:28

    Diz a Esmeralda que há aproveitamento da bastonada.
    As bastonadas não devem ser aproveitadas.
    Come e cala.
    Ora toma.

  18. piscoiso permalink
    23 Março, 2012 13:43

    Diz o Amado Lopes:
    “Quem está no meio da multidão não tem a mínima hipótese de ver o que se está realmente a passar”
    Com esta frase anula a seguinte:
    “Vê-se cada vez mais os repórteres, (na ânsia de protagonismo), a meterem-se no meio da confusão para fazerem o seu trabalho. Ora esse é o pior sítio para estarem…”
    Um bom foto-jornalista deve ter o feeling do que fotografa, o que só se consegue com a proximidade. Além de que se trata de uma situação a decorrer sem local definido, de grande mobilidade.
    O que esta gente inventa para justificar a bastonada numa mulher no exercício das suas funções.

  19. votoembranco permalink
    23 Março, 2012 14:40

    Sempre pensei que as chamadas forças da ordem deviam usar a força apenas na proporção necessaria para impor a ordem pública.
    Esrá-se mesmo a ver que esta jornalista estava a “desimpor” a ordem pública.

  20. piscoiso permalink
    23 Março, 2012 14:43

    A day in the life of a photojournalist in Lisbon – in pictures
    As fotos de Patrícia Melo, no Guardian.

  21. Fredo permalink
    23 Março, 2012 14:54

    Como na minha aldeia, de onde não saí, não houve greve, fiquei sem conhecer directamente os níveis de adesão.
    Só estranhei que os telejornais não abrissem, como habitualmente, com declarações de sindicalistas a anunciar 98% aqui, 99% ali.
    E leio aqui os comentários dos habituais.
    Nem uma linha a dizer que a adesão foi grande.
    Apenas estão zangados porque um polícia bateu numa repórter.

  22. jorge silva permalink
    23 Março, 2012 15:11

    as coisas que esta cabecinha sabe, então não é que pediram aos policias para lhes bater só para dar visibildade à greve? as coisas que esta gente da direita sabe

  23. Joaquim Amado Lopes permalink
    23 Março, 2012 15:11

    Não, Piscoiso, não anula. As aspas (que o Piscoiso não incluiu na citação) foram lá colocadas por uma razão: para indicar que os jornalistas DIZEM que se colocam no meio da multidão para fazerem o seu trabalho quando na realidade ao se colocarem no meio da multidão estão a limitar a sua capacidade para o fazerem.
    .
    Quanto ao foto-jornalista, ele assume um risco. Coloca-se em perigo na busca da fotografia com mais “feeling” (para usar o seu termo. Mas a parte mais importante é que ELE se coloca em perigo.
    .
    Quanto a uma mulher levar uma bastonada no exercício da sua função, ela não levou uma bastonada por estar a exercer a sua função mas sim porque estava no caminho de uma carga policial. A mesma situação do foto-jornalista: ela colocou-se no meio de um grupo de manifestantes e manteve-se lá mesmo depois de a violência (por parte dos manifestantes) começar.
    .
    Curiosamente, a Patrícia Melo não inclui nenhuma fotografia dos “manifestantes” a vandalizarem esplanadas. Devia estar à procura do melhor ângulo para registar os acontecimentos ou então fez a “escolha editorial” de não reproduzir a parte “irrelevante”.

  24. jorge silva permalink
    23 Março, 2012 15:11

    o post está ao nivel dos comentários, tudo muito rasca

  25. Luis Garcia permalink
    23 Março, 2012 15:17

    Por vezes quer parecer-me que andamos todos num baile de máscaras… Ouvimos a musica, dançamos ao ritmo da orquestra e pairamos algures entre a incredulidade e a aceitação perante os seus disfarces…

    http://lmmgarcia.wordpress.com/2012/03/23/o-disfarce/

  26. 23 Março, 2012 15:27

    Pelos blogues habituais há tags “Fascismo” e nas notícias internacionais há gente a comparar o acontecido ao ódio Nazi.
    Reparo com pesar que voltámos mesmo ao tempo do Fascismo.
    Aliás, ao tempo dos Nazis que oprimem a vontade do povo, honesto e claro, nobre.
    O seu máximo representante o Abílio Piscoiso.
    Casta fina.
    Terreno roubado.
    Faculdade.
    E tardes imensas na herdade…
    R.

  27. Fredo permalink
    23 Março, 2012 15:51

    “o post está ao nivel dos comentários, tudo muito rasca”
    at 15:11

    Pelo contrário os seus comentários não são rascas, são maus mesmo.
    Grande qualidade e elevação seria o post e os comentários anunciarem os habituais 99% de adesão.

  28. Filipe permalink
    23 Março, 2012 15:52

    Eu ouvi na tsf um resumo dos seus convidados, 1 sociologo, 1 filosofo e mais 2 qqlogos e parece que a partir de agora as adesões à greve se fazem a partir de intenções.
    Esta GG teve 95% de intenções de participação, um sucesso incontestável.

  29. Francisco Colaço permalink
    23 Março, 2012 15:52

    Se por acaso estivesse o PCP no poder, nem a greve tinha sido autorizada, e era tudo tratado ao método da Praga (o dos tanques).
    .
    Meus caros, a manifestação deu para o torto MUITO ANTES de a polícia começar a carregar. Se a polícia portuguesa, que tem uma paciência de santo, carregou, imagino que a culpa da carga não esteja do lado da polícia, mas dos manifestantes, ou de alguns poucos mas bem meliantes que no meio dos poucos manifestantes se puseram.
    A verdade é esta, e esta verdade não se pode desmentir, pesando mesmo que muitos aqui tentam ocultá-la ou relativizá-la.
    .
    Quanto à jornalista, se ela própria se coloca fora das regras aconselhadas internacionalmente para a cobertura destes eventos e não está identificada com o colete azul, então não deve ser jornalista, é certamente uma azêmola, e das grandes! Tendo vivido em zonas de guerra aprendi a nunca vestir a pele da raposa perante os cães.

  30. aremandus permalink
    23 Março, 2012 15:57

    a fotojornalista deve gostar de levar bastonadas. deve ser um dependente tóxica de violência.
    a bófia excedeu-se ponto. até a media internacional de esquerda e direita vê isso. o ponto é saber quais são as instruções dos responsáveis,maxime do ministro da tutela miguel macedo. se ele, ministro aprova não tenho pejo em lhe dar um enxerto de porrada!

  31. Francisco Colaço permalink
    23 Março, 2012 15:59

    Filipe,
    .
    Bem visto, parabéns!
    .
    Acho que o PCP também acha que 98% dos portugueses tiveram intenção de votar neles, mas por azar enganaram-se com o lugar da cruz. O que é engraçado é que «defendem os trabalhadores», mas os trabalhadores dizem-lhes «não, obrigadinho!» A base eleitoral do PCP tem poucos trabalhadores: há reformados (já trabalharam, e merecem a reforma), há funcionários públicos (metade não intende trabalhar pelo resto da sua vida), há sindicalistas (que já não trabalham e limitam-se a mandar postas de pescada sobre o que deve ser o trabalho dos outros) e há indignados que estão com poucas esperanças de vir a trabalhar, apesar de o mercado de trabalho ter muitos postos livre que estes indignados consideram indignos das suas excrementárias pessoas.
    .
    E depois há um ou outro que realmente trabalha. Sem ser funcionário do partido.

  32. joao manuel permalink
    23 Março, 2012 16:02

    deixem-se de tretas…..foi lamentável algumas bastonadas em inocentes, mas qdo a policia avança há sempre umas que se perdem, tal como acontece nos jogos de futebol. Agora, tb não é preciso fazer disso um incidente internacional. A verdade é que a Greve geral foi uma grevezinha de alguns transportes e pouco mais. Os portuguese já interiorizaram que vale mais ter emprego do que andar em greves todos os dias, mesmo com austeridade.

  33. aremandus permalink
    23 Março, 2012 16:07

    a tutela já mandou o IGAI abrir inquérito,como é óbvio!

    http://www.dinheirovivo.pt/Estado/Artigo/CIECO039390.html

  34. neox permalink
    23 Março, 2012 16:11

    A verdade é que a Greve geral foi uma grevezinha de alguns transportes e pouco mais. Os portuguese já interiorizaram que vale mais ter emprego do que andar em greves todos os dias, mesmo com austeridade.


    O Joao Manuel aquí é quem tem razao; Que esta greve nao foi senao o simulacro do que vai vir…

  35. Francisco permalink
    23 Março, 2012 16:12

    A ideia da permissividade da agressão perante dificuldades é uma desculpa demasiado fácil e pouco imaginativa. Reconheço a dificuldade extrema de ser polícia no meio de uma manifestação, mas justificar a agressão de um jornalista com “a situação” é como as mulheres que dizem que traíram o marido porque estavam confusas. São listas de atenuantes que não chegam sequer perto de explicar porque é que uma jornalista Portuguesa e devidamente identificada foi agredida durante o exercício das suas funções.

    Normalmente o padeiro não diz ao farmacêutico como fabricar comprimidos. Igualmente, seria boa ideia quem não é jornalista (que imagino serem quase todos) evitar dizer como é que os jornalistas devem fazer o seu trabalho.

  36. piscoiso permalink
    23 Março, 2012 16:23

    Os contorcionismo que o nosso Amado Lopes faz para justificar a agressão à foto-jornalista.
    Patrícia Melo não está no meio da multidão, está no local do confronto multidão/polícia, que é o melhor local de reportagem. Com riscos, evidentemente, até porque não havia nenhum local reservado para a imprensa.
    O facto de a repórter incidir a sua reportagem sobre um dos lados do confronto, a polícia, não quer dizer que não haja outro repórter a registar o lado contrário.
    Mas isto é debruçarmos-nos sobre o trabalho dos foto-jornalistas, os agredidos.
    E que tal uma observação ao agressor, utilizando meios desproporcionais e sem respeito pelo trabalho de profissionais devidamente identificados e protegidos por lei?

  37. 23 Março, 2012 16:24

    Em cheio, HM
    na verdade, perante o fracasso estrondoso da greve geral (????) os media…ou alguns, tipo TSF e antena 1….só falam nas gressões a jornalistas.~
    com o desprezo pelo POVO típico da esquerdalhada……..
    nada dizem sobre os milhões de portugueses que se sacrificaram e muito para irem trabalhar, pq queriam, mas cuja vida ficou complicada com a greve nos transportes…….
    ao fim e ao cabo, o último reduto de poder stalinista q ainda existe da destruição da economia pelo MFA/PCP e anexos e, 1974/75…..

  38. Xiça permalink
    23 Março, 2012 16:40

    Meninos anarquistas de extrema esquerda, aka, escumalha, era mais do que previsível que surgissem provocações para serem bem televisionadas. Já da outra vez na Assembleia caíram uns calhaus na zona dos jornalistas, mas não resultou a manobra na altura. Estes meninos que não se estiquem é muito, pois se um dia destes fizerem merda a sério vão ver o povo a sacar das mocas de Rio maior, e vão ver como se dá porrada a sério em quem estraga a vida de quem trabalha.

  39. Costa Cabral permalink
    23 Março, 2012 16:44

    Tá certo.
    A TVI pagou a jornalistas e a polícias para fazerem aquele «número».
    Afinal de contas os polícias ganham uma miséria, e necessitam duns trocos ao fim da semana!

  40. A C da Silveira permalink
    23 Março, 2012 16:46

    A esquerda caviar e a sua “Juventude Louçãniana”, foram para o Chiado fazer uma manifestação. Não foram para Marvila nem pró Barreiro, que esta gente não suja a roupa de marca. Começaram a fazer disturbios, e a policia teve de os meter na ordem. Os jornalistas apanhados no meio da confusão estavam no sitio errado, na hora errada. De qualquer modo, as porradas dos policias não passaram de uns afagos sem consequencias no coirão, e fico à espera para ver o filme completo dos acontecimentos.
    Os indignados que por aqui andam a lamentar-se e a gritar que vem aí o fascismo, não dizem nada sobre a porrada que os gorilas da Inter deram aos que se queriam juntar à manif no Parlamento? Lá houve gente que foi para o hospital com as cabeças abertas, mas isso agora não interessa nada, pois não?
    Este episodio não passa de fogo de vista para distrair o pagode do fiasco que foi a greve de ontem. Esta gajada sabe lá o que é uma carga policial.

  41. aremandus permalink
    23 Março, 2012 16:48

    a Inter também tem gorilas?…
    o jardim zoológico também trabalhou?

  42. JCardoso permalink
    23 Março, 2012 16:54

    O presidente do Sindicato dos jornalistas diz que não é boa ideia os jornalistas andarem identificados. Como eu o compreendo. Um jornalista devidamente identificado, desde logo se distingue das centenas de não-jornalistas, mas agora repórteres de imagem e audio de blogues das manifestações que dão molhada e quando não dão, tem que se arranjar maneira de dar, caso contrário, não há nada para mostrar nos blogues, não há nada para os representantes desses não-jornalistas mas manifestantes, na Assembleia República pedirem a presença do ministro responsável.
    Os factos: houve uma greve “geral” que foi um fiasco. Ninguém na comunicação social está a tratar da questão, do fiasco da greve. Sendo um fiasco, a malta da molhada para a fotografia e para as imagens vídeo nos blogues, tentou tomar de assalto a frente da concentração da CGTP diante da Assembleia da República. Queriam o caldinho habitual para os telejornais e para os blogues. Frustrados, sob a capa de precários inflexíveis, esta capa dá para tudo, tentaram o caldinho na baixa de Lisboa, uma coisa já vista. Fiasco da greve, assunto arrumado. Passemos aos relatos da molhada. É só isto que fala a comunicação social, com imagens e vídeos até dizer chega. Já temos uma heroína fotojornalista que não estava devidamente identificada, trabalhava para a AFP e nos intervalos deve fornecer material aos blogues do costume e como ela muitos outros fotojornalistas não devidamente identificados que nos intervalos devem fornecer material aos blogues do costume. No meio da molhada, quem é fotojornalista e quem não é? O presidente do Sindicato dos Jornalistas não quer que se saiba. Ele lá saberá como deve haver muitos a fazer ganchos em simultâneo na cobertura das molhadas.
    O jornalismo de secretária, em que está hoje transformado a maioria do jornalismo, já nem precisa de enviar repórteres de imagem e de vídeo, socorre-se destas centenas de não-jornalistas, mas manifestantes, que colhem eles próprios as fotos e as imagens vídeos e sabem, que os directores dos jornais e televisões vão passar essas imagens e vídeos e fazer assunto do dia. Compreendo a posição do presidente do Sindicato dos Jornalistas, ele sabe, que um órgão de comunicação social devia ter jornalistas e repórteres de imagem a fazerem a cobertura dos acontecimentos, mas sabe que hoje são feitas peças jornalísticas e foto-reportagens à conta dos manifestantes não-jornalistas. O presidente do Sindicato dos Jornalistas é capaz de vir tomar posição quando um jornal, uma rádio, uma televisão anuncia o despedimento de uns quantos. Mas não é capaz de tomar posição sobre esta usurpação de trabalho que devia ser feito por jornalistas e passa a ser feito por manifestantes não-jornalistas. Ele é conivente com esta mixórdia em que está transformado a maioria do jornalismo hoje. Quem se der ao trabalho de hoje ver os sites dos principais jornais depressa se apercebe que quase nenhum deles recorreu a imagens próprias para relatar a molhada na baixa do Chiado. E assim, num ápice, a maioria da comunicação social passa a ser um instrumento de amplificação dos manifestantes da molhada não-jornalistas, mas devidamente apetrechados para fazerem reportagens.
    Chegados aqui, quando os órgãos de comunicação social estão nas mãos dos não-jornalistas, mas manifestantes das molhadas, aos leitores só lhes resta dizer para trabalharem mais, dignificarem mais a profissão e fiquem lá com as vossas grandes obras para sobras para a reciclagem. Não merecem os euros com que se compram nas bancas.

  43. 23 Março, 2012 16:54

    Helena Matos é asquerosa.

  44. anti-comuna permalink
    23 Março, 2012 17:05

    Desculpem a minha pergunta. Ontem houve uma Greve Geral, foi? Parece que o país não deu por isso. Em Lisboa ainda não perceberam que estão a fazer a corda que os irá enforcar. Isso, convoquem greves, que um dia o país lembrará quem as convocou.
    .
    .
    Quem avisa, amigo é.

  45. piscoiso permalink
    23 Março, 2012 17:06

    Os foto-jornalistas não foram agredidos no meio da confusão.
    A agressão foi objectivamente feita sobre eles, como comprovam as imagens.
    Será que as forças policiais se sentem provocadas pelo facto de serem fotografadas?
    Onde é que já vi este filme?

  46. Francisco Colaço permalink
    23 Março, 2012 17:12

    Provavelmente em 67, em praga, ou em Tianamene.

  47. piscoiso permalink
    23 Março, 2012 17:15

    Sobre a greve, não dei por quase nada, nem me interessa.
    Repudio a agressão a foto-jornalistas, seja no Chiado ou no Bangladesh.

  48. anti-comuna permalink
    23 Março, 2012 17:22

    Entretanto, a queda da procura interna começa a estabilizar, o que mostra que a crise terá mesmo batido no fundo. O que é excelente.
    .
    .
    “Queda da economia portuguesa é a menor desde Agosto
    .
    A economia portuguesa continua em contracção no início do ano, mas a um ritmo menos acentuado do que nos meses anteriores, de acordo com os indicadores de conjuntura divulgados pelo Banco de Portugal. Evolução semelhante teve o consumo privado.”
    .
    in http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=546581
    .
    .
    E as taxas de referência mais importantes, continuam a mostrar uma queda. Para mim o grande sinal será quando as yields cairem abaixo dos 11%. Vamos esperar pelos próximos meses…

  49. anti-comuna permalink
    23 Março, 2012 17:23

    Ops! Esqueci-me do link respectivo:
    .

    http://www.bloomberg.com/quote/Gspt10YR:IND

    .
    .
    Mil desculpas.

  50. J. Madeira permalink
    23 Março, 2012 17:35

    Acho de mau gosto chamarem Helena Matos de asquerosa!
    Quanto muito ela é o que se diz na gíria uma “spin” falhada…em quase tudo o que escreve!!!

  51. 23 Março, 2012 17:37

    os argumentos que o colaço e o amado lopes exibem fazem-me lembrar os sketchs do gato fedorento , ou seja, argumentos surrealistas e encharcados de humor

  52. anti-comuna permalink
    23 Março, 2012 17:39

    Entretanto, hoje o Banco de Portugal acaba de confirmar a inversão da economia portuguesa e a mostrar a recuperação em curso. Penso que esta imagem é mais indicada para vos mostrar como os portugueses são uns herois e que aguentaram bem o momento mau, que a economia portuguesa viveu.
    .

    http://tinyurl.com/8xfeagb

    .
    .
    Estamos mesmo perante um milagre económico. A economia portuguesa terá batido no fundo há umas poucas semanas atrás, como tive oportunidade de o assinalar, embora com as naturais reservas.
    .
    .
    Se correr bem, até ao final do ano, teremos a economia a recuperar mais e a encetar um período crescimento económico.
    .
    .
    Só uma nota. Muitos “inteligentes” gozaram com as declarações do ministro Alvaro Pereira. Se esta gente tivesse um pingo de vergonha, pedia-lhe desculpa. Ele não é um nabo qualquer que se limita a ocupar uma pasta. Tem algumas qualificações, que falta precisamente a muitos que o criticaram e gozaram. É pena que continue a existir deste tipo de gente, sobretudo na porcaria de imprensa em Portugal. “Quem te manda a ti sapateiro, tocar rabecão”?
    .
    .
    Os meus parabéns ao ministro, por ter tido a coragem de fazer, aquilo que muitos nunca alguma vez serão capazes de tal. 5 Estrelas!

  53. 23 Março, 2012 17:39

    Caro Anti-Comuna,

    Até os jornalistas de Lisboa sentem o cheiro da mudança da maré:

    http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=546483

    Embora não a percebam

  54. aremandus permalink
    23 Março, 2012 17:46

    por5 falar em sentir o cheiro da mudança da maré,tivemos aqui um post a bater em antónio costa. bem sabem os blasfemos que logo que tome a rédea o antónio varre o passos do mapa em 3 segundos!

  55. anti-comuna permalink
    23 Março, 2012 17:46

    Caro CCZ, por acaso reparei nesse curioso artigo. De uma jornalista que tem tido artigos que são uma nojeira.
    .
    .
    Deve estar a sentir que a mudança e por isso, agora tenta a cavalgar. Enfim.
    .
    .
    Olhe, o ministro Alvaro Pereira é que está de parabéns. A maioria, não passam de cromos com a bocarra larga. Mais nada. Tudo medíocre.

  56. anti-comuna permalink
    23 Março, 2012 17:50

    Olhe, caro CCZ, veja esta peça que é um nojo:
    .

    http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=499262&tm=9&layout=122&visual=61

    .
    .
    A jornalista, burrinha, claro, quis gozar com o homem e o humilhar, mas se eu mandasse no governo, eu despedia a gaja. E com justa causa. O jornalismo não pode pensar que faz tudo o que quer e lhe apetece. Têm a puta da mania que são prima-donnas, mas costumam ser mesmo medíocres. Enfim.

  57. aremandus permalink
    23 Março, 2012 17:59

    o portugal real que os jornalistas italianos encontraram:
    Portugal visto de fora: RAI Tre mostra o país da pobreza e das desigualdades, dos desalojados às casas de luxo, dos hospitais sem medicamentos e dos salários em atraso. O Negócios participa na reportagem da televisão italiana, em que Mário Soares acusa a Alemanha de esquecer-se de duas guerras mundiais que provocou. Retrato de um país entristecido.
    “Presa Diretta” é um programa semanal de reportagem de grande audiência da estação italiana RAI Tre. Esta semana, o programa incluiu uma reportagem em Portugal, que a jornalista Lisa Lotti visitou no início deste mês, visitando praças, a Feira da Ladra, restaurantes, lojas de ouro, Alfama, casas de pobres, casas de ricos, hospitais, os escritórios de Mário Soares e também a redacção do Negócios.

    “A feira da ladra será o último negócio a falir em Portugal”, diz um feirante. A reportagem reúne testemunhos de pobreza, de austeridade, de fábricas vazias na margem sul do Tejo, da fila enorme para pedir subsídio na Segurança Social, de cantinas, do Banco Alimentar contra a Fome, dos salários em atraso de quem, assim, não paga a renda e será despejado. “Há em Portugal mais de um milhão de famílias em risco de perder as suas casas”, diz Romão Lavadinho, presidente da Associação de Inquilinos Lisbonense. É, também, o retrato da desigualdade, “dos portugueses riquíssimos”, das moradias de luxo de Cascais e da Quinta da Marinha, dos campos de golfe.

    Hospitais sem dinheiro

    No Hospital de Santa Maria, a médica Ana Moleiro diz que o número de doentes está a aumentar, por exemplo, na unidade de doenças respiratórias, porque “as pessoas não têm dinheiro para comprar medicamentos”. Além do aumento do número de doentes, há uma alteração nos horários das urgências, que deixou de ser homogéneo, relata. Há doentes que só vão às urgências depois do horário de trabalho, “porque têm medo de perder o emprego”.

    Já João Álvaro Correia da Cunha, presidente do Centro Hospitalar Lisboa Norte, fala do corte de fornecimento de medicamentos a crédito por uma farmacêutica, que não identifica mas que é conhecida (a Roche). “É uma forma de pressão sobre o Governo para pagar a dívida”, diz. “É um problema. Se não tivermos estes medicamentos não poderemos curar os pacientes”, sobretudo na área oncológica”. “Eu não sou político, não conheço os segredos das negociações entre o Governo e a troika. Mas sei que o sistema nacional de saúde é a maior conquista da sociedade portuguesa dos últimos 50 anos”, conclui.

  58. aremandus permalink
    23 Março, 2012 18:01

    A reportagem reúne testemunhos de pobreza, de austeridade, de fábricas vazias na margem sul do Tejo, da fila enorme para pedir subsídio na Segurança Social, de cantinas, do Banco Alimentar contra a Fome, dos salários em atraso de quem, assim, não paga a renda e será despejado
    ETTORE SCOLA

  59. portela menos 1 permalink
    23 Março, 2012 18:03

    Uma PIDE à moda antiga teria evitado as manifs e estas almas teriam dormido descansadas. “Deixem-nos trabalhar”, dizem estes democratas de meia-tigela, esquecendo mais de 1milhao sem trabalho. Um iditota, ao nivel das parvoices de Otelo, até relembra “mocas da rio maior” ! Não faltará até pedem o regresso do Cónego Melo e amigos bombistas.

  60. aremandus permalink
    23 Março, 2012 18:03

    “Há em Portugal mais de um milhão de famílias em risco de perder as suas casas”, diz Romão Lavadinho, presidente da Associação de Inquilinos Lisbonense. É, também, o retrato da desigualdade, “dos portugueses riquíssimos”, das moradias de luxo de Cascais e da Quinta da Marinha, dos campos de golfe.

  61. aremandus permalink
    23 Março, 2012 18:06

    essas bocas vêm de quem levou muita porrada em infante…muitos deles sodomizados por pais e ascendentes adredes…
    agora salivam de gozo quando vêm a autoridade fardada a dar bastonadas.
    são eles que salivam com as noticias policiais do correio da manhã…
    muitos deles taxistas…
    muitos deles a levarem porrada da esposa,outros a serem humilhados pelo patrão…
    enfim,a psicologia explica isso.

  62. aremandus permalink
    23 Março, 2012 18:10

    até parece que já estou a ver o Dom Francisco Colaço a mirar extasiado as flores das suas cerejeiras e a ser violentamente surpreendido com o cacarejar duma galinha passante…acto contínuo pega a galinha e aperta-a pelo pescoço e …só não a sodomiza porque a criadita vem lá de dentro e diz:
    _ Dom Francisco, está aqui o seu parente pároco, para a oblata.

  63. J.Silva permalink
    23 Março, 2012 19:26

    O conceito ” idiota útil” virado do avesso : antigamente beneficiavam o ortodoxismo moscovita ; hoje, objectivamente ( jargâo “oblige”) os beneficiados são os trotzkistas ( produçãpo nacional , bem entendido…).
    Basta ler os pasquins paroqianos e “ouver” os caneiros televisivos…

  64. Francisco Colaço permalink
    23 Março, 2012 19:32

    Aremandus,
    .
    Não consegue manter a palavra dada?

  65. aremandus permalink
    23 Março, 2012 19:53

    não consigo…
    a minha ignorância é mais forte.

  66. Francisco Colaço permalink
    23 Março, 2012 19:57

    Anti-Comuna, CCZ,
    .
    Dá-me a impressão de que iremos mesmo cumprir os 14% de aumento das exportações. E fico de toda a fação feliz de não termos de sofrer a crise alimentar subsequente a uma negaça à dívida.
    .
    Os jornais económicos estão a virar o bico ao prego porque perceberam que estavam a martelar na extremidade errada. Se os deputados fizessem de uma vez por todas uma reforma a sério no código laboral, dando às empresas a capacidade de crescer e de encolher, creio que cresceríamos ainda este ano 3% ou mais.
    .
    Muitas empresas deixam de crescer porque têm medo de ter de encolher depois, e despedir a malta, com os custos consequentes. Conheço casos, e acredito que isso é mais comum do que pensamos ou poderíamos pensar. Estou convicto de que as leis que temos são anacrónicas, e não se adaptam ao Mundo em que viemos a viver após a ascensão da Ásia.
    .
    Espero que a história do Álvaro Santos Pereira e da alegada cedência aos lóbis fosse afinal um erro de compreensão da minha parte e que eu estivesse ao princípio certo sobre ele. Resta ver.

  67. A. R permalink
    23 Março, 2012 19:57

    Em Espanha os sindicalistas já vendem os visons das madames, os chalets e comem em restaurantes menos selectos.

  68. Francisco Colaço permalink
    23 Março, 2012 20:00

    Aremandus,
    .
    Quando disse demonstrar ignorância referia-me à sua patente ignorância dos factos da história em questão, apenas nesse âmbito, e não escrevi isso como qualquer insulto. Se por acaso o tomou como tal, creia-me que foi por erro, e nesse caso lamento o sucedido.
    .
    Espero um pedido de desculpas equivalente de sua parte.

  69. Francisco Colaço permalink
    23 Março, 2012 20:03

    A. R.,
    .
    Na paupérrima Alemanha tem-se meia hora de almoço e leva-se uma sandocha para comer a meio do dia. No riquíssimo e opulento Portugal os fusseminários vão em manada ao café duas vezes por dia e comem em restaurantes.
    .
    Há um princípio básico da vida financeira: quem ganha como um remediado e gasta como um rico sofre como um pobre.

  70. 23 Março, 2012 20:50

    Francisco Colaço: «meia hora de almoço e leva-se uma sandocha para comer a meio do dia.»
    Está então explicada a crise.
    R.

  71. aremandus permalink
    23 Março, 2012 21:36

    caro francisco,
    reconheço o erro,mero aprender a lição.
    venha a penitência,desde que não seja ter de votar psd…

  72. anti-comuna permalink
    23 Março, 2012 22:21

    Como participar no milagre económico português. Exportar a capacidade de gestão e engenharia portuguesa para o resto do mundo. No sector da Água.
    .
    .
    “Projecto Água Global vai afirmar tecnologia portuguesa em oito mercados estratégicos
    .
    Brasil, Angola, Moçambique, Marrocos, Argélia, Sérvia, Croácia e Polónia são os oito mercados estratégicos eleitos pelo projecto Água Global para reforçar a internacionalização das empresas portuguesas que operam neste setor, avançou o presidente da Parceria Portuguesa para a Água.”
    .
    in http://dinheirodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=2&id_news=177559
    .
    .
    De destacar isto:
    .
    “O trabalho passa também por “conhecer melhor o tecido empresarial português e as suas potencialidades, compreender melhor as necessidades destes países e como vão ser criadas oportunidades através das instituições financeiras internacionais e, finalmente, contribuir para promover a marca Portugal nestes mercados”, adiantou o docente do Instituto Superior Técnico.
    .
    Francisco Nunes Correia salientou que esta é “uma área onde Portugal tem afirmado, mesmo a nível internacional, uma engenharia de excelência e tem obtido resultados muito importantes nos últimos 15 ou 20 anos”.
    .
    O ex-governante acrescentou que a engenharia e a tecnologia portuguesa são “bastante sofisticadas”, encontrando-se “na linha da frente a nível mundial, e destacou empresas portuguesas que operam no setor da água e já têm um historial de internacionalização importante” como a Coba ou a Efacec.”
    .
    .
    “A PPA foi constituída para ajudar “as empresas portuguesas a projetarem-se ainda mais nos mercados internacionais” e associou-se à Associação Industrial Portuguesa para promover um conjunto de eventos sobre água e energia (AcquaLiveExpo e o EnergyLiveExpo) que decorrem no Centro de Congressos de Lisboa, até domingo.”
    .
    .
    As empresas tugas começam a juntar-se para tentarem conquistar mercados no exterior, onde podem ter uma dimensão mais apropriada para ganharem determinados projectos. Muito bom.

  73. anti-comuna permalink
    23 Março, 2012 22:25

    Por falar na Efacec, uma noticia interessante. Esta empresa já tem cerca de 1,1 mil milhões de euros em encomendas. Além disso, volta a dar cartas no mercado americano. E vai ajudando a mudar a imagem de Portugal no mundo.
    .
    .
    Primeiro, a grande noticia!
    .
    “Efacec Group’s U.S. Power Transformer Plant Receives Historic Order
    .
    NORCROSS, GA, Mar 20, 2012 (MARKETWIRE via COMTEX) — Efacec Group’s U.S. Operations has received an order for its largest electrical transformer to date. The Efacec Power Transformer, Inc. facility in Rincon, Ga. will manufacture a 900 MVA Generator Step-Up (GSU) shell transformer. The unit is not just the biggest one Efacec’s U.S. plant has made — it’s also the largest to be manufactured in the United States in the last 20 years. It was ordered by one of the largest investor-owned electric utilities in the South for delivery in March 2013.
    .
    “There are just a few manufacturers in the world capable of designing and manufacturing a transformer of this magnitude,” stated Jorge Guerra, Efacec U.S. Operations Chief Operating Officer. “The order given to Efacec Power Transformers marks a historic milestone, placing our U.S. facility in a very special, select group of top-level transformer manufacturers worldwide.”
    .
    in http://www.marketwatch.com/story/efacec-groups-us-power-transformer-plant-receives-historic-order-2012-03-20
    .
    .
    A carteira de encomendas:
    .
    “Based in Portugal, it has a presence in more than 65 countries worldwide, employs around 4,800 people and has a volume of orders exceeding $1.4 billion. ”
    .
    .
    E é assim que os portugueses estão a fazer um milagre económico.

  74. anti-comuna permalink
    23 Março, 2012 22:37

    Uma coisa interessante, é que cada vez mais se começa a ter percepção que Portugal vai ser bem sucedido, no seu ajustamento. (Mas o governo tem mesmo que mudar, ou acabará por perder-se perto da praia.) Se Portugal conseguir ser bem sucedido no seu ajustamento e fechar o ano com uma queda do PIB menor do que todos esperam (e que eu também acho que Portugal vai cair menos do que todos pensam), a imagem de Portugal no exterior subirá muito furos. E Portugal passará a ser mais respeitado.
    .
    .
    No entanto, não basta ser bem sucedido no ajustamento e ter uma melhoria na imagem de Portugal. É preciso que os portugueses, depois, aproveitem o “upgrade” na sua imagem externa para vender ainda mais no exterior. E começar a rentabilizar todo este esforço feito. Os portugueses devem ter consciência que a imagem deles e de Portugal, não depende de governos, mas deles próprios. Dos próprios portugueses, tanto os que vivem em Portugal como o seus emigrantes. Mas, também e sobretudo, das suas empresas. E o nosso mundo empresarial tem que capitalizar esta mudança da imagem do país, não apenas para vender mais produtos e serviços, mas como criarem imagens de marca fortes, que relancem as suas próprias actividades.
    .
    .
    Se Portugal for bem sucedido no seu ajustamento, e a economia portuguesa começar a encetar um relançamento económico forte, as empresas tugas poderão verem-se abrir imensas oportunidades no resto do mundo. E é importante que todos nós puxemos pelo brio em Portugal, nos portugueses, nos nossos produtos e nas nossas empresas. E é importante que celebremos os sucessos das nossas empresas, pois elas servem para motivar mais ainda o país, assim como usemos esse sucesso para melhorar a imagem de Portugal no mundo. É importante que celebremos os sucessos empresariais portugueses, desde que conseguidos pela adopção das melhores práticas. E celebrar as suas vitórias, desde que não sejam elas conseguidas através de manigâncias, encostos ao poder ou até mesmo corrupção.
    .
    .
    Nos próximos 5 anos, Portugal poderá mesmo mudar a sua imagem externa para sempre. Há que aproveitar esta janela de oportunidade que se abre, com o sucesso português. E é deveras importante que alavanquemos o milagre económico português para darmos um salto colectivo, onde depois todos nós, portugueses, vivendo em Portugal ou no exterior, podemos capitalizar a mudança de Portugal no mundo. Celebremos as vitórias mas sem arrogâncias nem euforias. O futuro poderá ser melhor para todos nós, mas vai ser preciso lutar ainda muito. Todos nós portugueses. Os que estão em Portugal e os que estão fora. Mas o mais difícil já parece ter passado. E isso é que importa!

  75. 24 Março, 2012 01:03

  76. Xiça permalink
    24 Março, 2012 03:13

    aremandus
    Posted 23 Março, 2012 at 17:59 | Permalink
    o portugal real que os jornalistas italianos encontraram:

    .
    Há de facto um Portugal miserável que está em crise há imensos anos enquanto certas elites saqueavam o país. Enquanto os funcionários públicos lamentam hoje o fim dos subsídios, centenas de milhares de portugueses já tinham emigrado. Boa parte da pobreza extrema tem sobrevivido à conta da sociedade civil, sobretudo ligadas à Igreja. Na maioria destas situações nunca por lá se viu um único desses palhaços da extrema esquerda que tem sempre o discurso dos pobres na ponta da língua.
    Se duvidam, provem-me o contrário….deixo aqui o desafio. Garanto-vos que é muito mais difícil encontrar um gajo desses da extrema esquerda a ajudar realmente um pobre do que encontrar ricos nos reinos do céu.

  77. Popota permalink
    24 Março, 2012 08:48

    Do insuspeito jornal de direita i

    O que se está a passar com a dívida pública portuguesa? À primeira vista as notícias são positivas: a semana terminou como começou, com as taxas de juro da dívida portuguesa a caírem em todos os prazos, atingindo nos prazos mais curtos os níveis mais baixos em 10 meses. Este alívio da pressão é uma boa notícia, mas dificilmente poderá ser interpretado como um sinal significativo de maior confiança na sustentabilidade da dívida portuguesa – é um sinal do tempo que a Europa comprou para Portugal e para o euro, com a cedência de um bilião de euros de dinheiro fresco para os bancos da região.

    “Do contacto que vou mantendo com casas de investimento em Nova Iorque e em Londres não sinto que o problema da falta de confiança em Portugal esteja a resolver-se”, aponta Paulo Soares Pinho, especialista em banca e professor na Universidade Nova de Lisboa. “As pessoas continuma a questionar a capacidade de Portugal ter crescimento económico e finanças públicas equilibradas”, acrescenta. As dúvidas foram visíveis nos últimos dias, nos quais se travou uma batalha feroz pela imagem de Portugal (ver texto ao lado).

    A queda dos juros é motivada por outros factores – o principal chama-se Banco Central Europeu (BCE). O anúncio da cedência de 500 mil milhões de euros de liquidez aos bancos, com um juro de apenas 1% e um prazo de pagamento de três anos, tem funcionado como uma forma indirecta de financiamento dos estados da zona euro. Fontes de mercado explicam ao i que entre os compradores de dívida nacional (quer em leilões, quer no mercado secundário) estão bancos portugueses e fundos de investimento sedeados no estrangeiro, mas ligados a instituições nacionais. Soares Pinho confirma: “Os bancos agarram no excesso de liquidez, que não querem aplicar em crédito à economia, e compram dívida de curto prazo”.

    No curto prazo – entre seis meses a dois anos – as taxas de juro oscilam entre 2,5% e 10,5%, uma rendibilidade muito atraente para quem pediu emprestado a 1%. E no curto prazo, a percepção começa a ser cada vez mais de que a Europa e o FMI não deixarão cair Portugal – até meados 2013 há o dinheiro da troika e depois disso a convicção dominante no mercado (já sinalizada por Bruxelas e pelo governo português) é de que haverá mais dinheiro e tempo para o país, ainda sem capacidade de pedir emprestado a juros sustentáveis.

    “É expectável que do lado da Europa se tente defender Portugal o mais possível porque é um estado tampão do euro”, explica Paula Carvalho, economista do Banco BPI. “Se Portugal reestruturasse dívida seria muito difícil explicar na zona euro que isso não aconteceria com Espanha e outros países”.

    O perfil da queda dos juros mostra em que prazos há mais compradores – nos prazos mais curtos, até três anos, período de vigência da liquidez extraordinária do BCE e de um apoio previsível da Europa a Portugal. No prazo a dois anos os juros das obrigações caíram ontem para 10,7%, longe dos quase 20% registados em Janeiro, depois do corte do rating para lixo feito pela agência Standard&Poor’s e da resolução temporária da crise grega. A cinco e a dez anos as quedas foram menos acentuadas, o que sugere que a desconfiança sobre Portugal se mantém.

    Outra razão para tomar alívios e aumentos da pressão com um grão de sal está na falta de liquidez do mercado de dívida portuguesa. Movimentos de compra – que além dos bancos têm incluído fundos de cobertura de risco (“hedge funds”, com permissão para incorrerem em mais risco) – e de venda ampliam as cotações num mercado com muito pouca oferta e procura.

    Quer no caso da zona euro – em que é notória uma atitude mais favorável dos mercados – quer no caso de Portugal, a queda dos juros é reflexo de uma muleta de emergência. Para voltar a nadar sozinho nos mercados de dívida, Portugal terá que convencer os analistas e a imprensa de referência (anglo-saxónica, mais céptica) de que será capaz de crescer e de dominar a trajectória de dívida (que já este ano pode chegar perto de 115% do PIB). E terá que haver um avanço na integração orçamental europeia, com responsabilização conjunta de dívida – é destas garantias, ambas sujeitas a grande risco, que o mercado está à espera para acalmar de forma sustentada.

  78. 24 Março, 2012 09:35

    As cargas policiais, tal como aconteceram, são inadmissíveis em democracia. Revelam o nervosismo do poder e- o que ainda é mais grave- a falta de preparação da polícia. Nada de fundamental estava em causa e muito menos a “ordem pública”. Agora… que os defensores do atual estado das coisas andam nervosos, lá isso andam.

  79. Francisco Colaço permalink
    24 Março, 2012 11:39

    Xiça,
    .
    Garanto-vos que é muito mais difícil encontrar um gajo desses da extrema esquerda a ajudar realmente um pobre do que encontrar ricos nos reinos do céu.
    .
    E onde é que ficam os camelos e as agulhas? Antes da estr

  80. Francisco Colaço permalink
    24 Março, 2012 11:41

    Caro Rogério,
    .
    Está então explicada a crise.
    .
    Bem visto! Tomara que fosse tão simples.

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 34.847 outros seguidores

%d bloggers like this: