Skip to content

O jornal do Incrível

28 Julho, 2012

Força, força companheiro Vasco… nós na Impresa seremos a muralha d’aço mesmo que isso implique escrever patetices como esta sobre os funcionários públicos. Aliás os trabalhadores da Impresa têm um regime laboral igualzinho  ao dos funcionários públicos e por isso é que NUNCA são despedidos.

About these ads
73 Comentários leave one →
  1. 28 Julho, 2012 11:44

    é alguma mentira ? patética é voce todos os dias

  2. Flic Flac permalink
    28 Julho, 2012 11:54

    Está enganada sobre os salários. Qualquer um com as mesmas responsabilidades que eu tenho, ganha mais do dobro no sector privado e não trabalha mais porque, por respeito pelos contribuintes, trabalho mais 2/3 horas diárias, sem receber o que quer que seja. Mais, ocupando um cargo de chefia, o Estado unilateralmente, ao arrepio da lei, do meu Estatuto e da tabela salarial por si estipulada, decidiu que serei obrigado a assumir as funções, mesmo que as não queira, sob pena de processos disciplinar (há disso na função pública), e decidiu não me pagar por tal. É o Estado de Direito. Façam isso nos privados e o Tribunal de Trabalho vai explicar como se deve interpretar a lei. Gostava de conhecer alguém do sector privado que, tendo um horário de trabalho, trabalhando, para lá dele, gratuitamente, e só este ano já estando contabilizadas cerca de 3 semanas, tivesse tido cortes salariais, cortes nos subsídios, decréscimo do nível de vida, empobrecimento ao ponto de gastar mais do que ganha, atentos os encargos assumidos em função dos rendimentos, fosse o bode expiatório da despesa nacional e aceitasse pacificamente tudo isto porque houve para aí uns mentirosos políticos, eleitos também pelo sector privado, que acharam que a coisa pública era deles. Gostaria que a Helena Matos, cujos escritos ou comentários televisivos até aprecio, mas nos quais faz sempre juízos precipitados sobre a função pública, como se os “nomeados políticos” ali entrassem por concurso público e os restantes fossem culpados de tal e, pior, fossem “empregados” em vez de “trabalhadores”, fizesse o exercício de viver com mil euros. Conte depois aos leitores a experiência. Há muito por onde cortar: cortar salários é soviético e, mostram-no as contas públicas, pouco eficaz, contribuindo mesmo para a contracção do mercado. Se é socialismo que querem, estão no bom caminho.
    (Obviamente, nada tenho a ver com o camarada Vasco e respectivo séquito; sou dos antípodas)

  3. helenafmatos permalink
    28 Julho, 2012 12:02

    Eu não escrevi sobre os salários mas sim sobre os despedimentos. Aliás os salários na função pública por comparação com o sector privado serão mais baixos para os mais qualificados e mais altos para os menos qualificados.

    Muitos trabalhadores do sector privado estão a sofrer cortes e despedimentos desde 2008. Recordo que em 2009 a função pública foi aumentada. Podemos também falar do regime de férias e reforma. Da ADSE.

    Não acho que os regimes tenham de ser iguais. Em muitas coisas são favoráveis aos trabalhadores da função pública. Noutras não.

  4. Observador permalink
    28 Julho, 2012 12:08

    A visão curta que a HFM tem da Admnistração Pública só pode resultar do que experienciou. Daí ser curta e reducionista. Antes de falar do que não sabe era bom que se informasse (aquela coisa chata do jornalismo de investigação caía aqui bem) em vez de se tornar mais um arauto do ACHISMO nacional. É que, por acaso, eu tb ACHO que o trabalho na “privada” tb deixa muito a desejar (exemplos? basta pensar nas a´rea das telecomunicações e no comércio em geral a que podemos juntas as fabriquetas de treta e o empresários habilidosos de abre e fecha unidade fabril que temos). E se formos falar de retribuições, lembro apenas que no “privado” qq bicho careta, que não seja um desgraçado agarrado à linha de produção, aquilo a que se chama agora os “comerciais” tem telemóvel, gasolina e carro pago pela empresa, sem que isso venha a ser tributado e além dos falsos recibos verdes temos uma LEGIÃO de precários pagos em dinheiro sem recibos nem descontos para a Seg Social. E agora vou-me embora almoçar que à tarde, este “funcionário público” tem uma mesa de processos para analisar e despachar que segunda feira tb é dia e quem nos demanda não pode esperar.

  5. Observador permalink
    28 Julho, 2012 12:10

    Flic Flac: como eu o percebo.

  6. carlos moreira permalink
    28 Julho, 2012 12:14

    Dona Helena o Corporações reabriu como a Sra, disse eles tinham fechado por já não lhes pagavam(o dinheiro vinha todo para aqui).
    Quem pagará agora? Virá de França o dinheiro?

  7. Observador permalink
    28 Julho, 2012 12:14

    Maisn uma pequena coisa: O arqgumento “Aliás os salários na função pública por comparação com o sector privado serão mais baixos para os mais qualificados e mais altos para os menos qualificados” foi tirado agora da cartola, apenas para compensar a análise demagógica e retorcida que a governança e o coro de badulaques que andam à volta (à espera de uma assessoria, só pode ser, com direito a subsídios) do famoso relatório do Banco de Portugal. Agora (porque há muito menino apoiante da governança na AP que se sentia tocado) o discurso é premiar uns para correr com os outros, pois assume-se que os trabaladores da AP não constituem base de apoio da “situação”. Enfim, todo historietas de merda mal contadas.

  8. fredo permalink
    28 Julho, 2012 12:33

    Problema, problema, não é o que se escreve.
    É termos um governo que opta pela facilidade.
    E fácil é assaltar a carteira dos que estão mais à mão e mais desprotegidos e desarmados, como é o caso gritante dos reformados.
    Pelo mesmo princípio, porque não assaltam os depósitos a prazo e seguros? pela simples razão de estes terem armas para se defenderem!

  9. fredo permalink
    28 Julho, 2012 12:39

    Eu não escrevi sobre os salários mas sim sobre os despedimentos

    Por esse princípio, poderíamos fazer uma análise sobre as empresas do privado que não despedem ninguém (e muitas há que nunca despediram ninguém durante décadas), e taxá-las mais… À custa de se esgrimirem argumentos, já ninguém repara no ridículo?

  10. javitudo permalink
    28 Julho, 2012 12:55

    Felicitemos os saudosos do camarada. Há os velhos desdentados apoiados na bengala, os que beberam enquanto puderam, células cinzentas destruídas, os destituídos de qualquer senso que só privam com más companhias e um grupo de jovens à espera do lugar no partido no dia longínquo em que os dinossauros abandonem. A televisão costuma filmá-los em primeiro plano na festa do ávante para nos fazer querer que são muitos. Todos contaminados pela inveja.

  11. asCético permalink
    28 Julho, 2012 12:56

    A Helena Matos é desonesta. Tenho mais queixas de serviços privados que de serviços públicos, e incluo aqui a Educação e a Saúde.

  12. javitudo permalink
    28 Julho, 2012 13:35

    Ó ascético, já ouviste falar em estatística. Tu és um entre milhões.
    Estatisticamente vales menos que a tia do picoiso que é uma senhora séria.

  13. orabolas permalink
    28 Julho, 2012 13:38

    Isto está a ficar cheio de trabalhadores da publica a demitirem-se para vir para a privada…

  14. Fincapé permalink
    28 Julho, 2012 14:22

    Ah! Helena,
    A sua tendência para uma sociedade mais igualitária comove-me. Andava eu aqui a pensar que defendia sociedades ultraliberalizadas, injustas e desiguais, e afinal defende a igualdade plena. Designadamente entre juízes, generais, PSP e GNR, funcionários de finanças, médicos e professores, todos do público, e calceteiros e serventes de pedreiro do privado. E jornalistas, claro!
    Nem necessitava de ir tão longe, camarada!

  15. José Manuel permalink
    28 Julho, 2012 14:36

    “Recordo que em 2009 a função pública foi aumentada” Helena Matos dixit. Mas já não se recorda (mui convenientemente) que em 2010 foram reduzidos entre 3,5% a 10% e que essa redução se manteve em 2011 e 2012, atirando os vencimentos para níveis de 2007. Isto para além do congelamento de carreiras,
    Mais rigor s.f.f.

  16. Não Interessa permalink
    28 Julho, 2012 15:39

    É preciso ser já uns furos para lá do desonesto para lembrar o aumento de 2009 e fazer de conta que não se passou nada no ano imediatamente a seguir. Para continuar a dizer que “não há despedimentos na função pública” já só é preciso ser-se pouco inteligente.

  17. JDGF permalink
    28 Julho, 2012 15:50

    Não é perceptível a razão da evocação de Vasco Gonçalves. Dizia respeito ao Governo, para o Expresso ou para o jornalista? Ou servia para inquinar ab initio a opinião que se pretende fazer passar?
    Até quando vamos ter de assistir ao constante ‘remoer’ do acórdão do Tribunal Constitucional?
    Provavelmente até a uma nova ‘inconstitucionalidade’ que não andará longe da rebuscada leitura sobre equidade que está a ser ‘construída’ pela maioria governamental?
    O próximo slogan poderá ser: ‘Que se lixem os FP’s, os aposentados e os pensionistas’. O que interessa é o País. A Bem da Nação!
    Aparecerá sempre alguém a bater palmas e/ou a escrevinhar reverenciais post’s …

  18. Fred mich fix permalink
    28 Julho, 2012 16:22

    Oh mocinha há que tratar bem os funcionários públicos. Porque muitos gostam de ler o jornal.
    Apesar de que, como este sai ao sábado não dá para ler no emprego porque na segunda as notícias já não estão frescas.
    De qualquer forma podemos afirmar que os funcionários públicos têm sido ao longo de gerações o sustentáculo da imprensa portuguesa.
    Mas a imprensa tem os dias contados com isto da net três ou quatro escribas substituem um jornal postando um blog.
    Pior ainda existem agora corporações de funcionários públicos que já não lêem jornais. Consultam os blogs de três ou quatro escribas que os lêem por eles.
    Mas a imprensa é uma actividade que deve acabar: Não contribui para as exportações e distraí os trabalhadores do seu trabalho acirrando-os muitas vezes contra a entidade patronal.
    Por isso os jornais deviam fechar todos e os jornalistas emigrar para ver se contribuam para o PIB enviando umas massas para Portugal.

  19. neotonto permalink
    28 Julho, 2012 17:51

    É que, por acaso, eu tb ACHO que o trabalho na “privada” tb deixa muito a desejar (exemplos? basta pensar nas a´rea das telecomunicações e no comércio em geral a que podemos juntas as fabriquetas de treta e o empresários habilidosos de abre e fecha unidade fabril que temos)-

    E eu, que ACHO que a empresa “privada” em Portugal vive também “encostada” no Estado.
    Imagina entao por um momento que especie de neoliberais pode dar Portugal para o mundo…
    Anda imaginar como por um momentinho que poes a “competir” (ja anao empresas) senao um neoliberal portugués (neox) com um neoliberal americano… Idem uma jornalista neox com uma neoliberal jornalista inglish qualquer.
    Nao há cor. Som assim. Nada pois a fazer ou desfazer com estes elementos “individuais” excepcionais.

  20. JCardoso permalink
    28 Julho, 2012 18:02

    A Helena tenha cuidado, leva com o lóbi do politicamente correcto, da função pública instalada em segurança, do jornalismo idiota e ainda do lóbi gay.

  21. simil permalink
    28 Julho, 2012 19:03

    olha, o pintelhos ganha muito mais na privado que um gajo a trabalhar na pública, muito mais,
    e a cardona ganha mais na privada que a helena a doer-se do relvas e batalhar contra os públicos, todos dias,
    como o antónio leites, morcão, aquele hipócrita, ganha mais na privada, dezassete privadas, por onde passa, movido de cagan… que um público a trabalhar dia e noite inteira;
    o mesmo relvas faz mais cursos numa hora com o maçon da lusófona privada que qualquer aluno distinto em qualquer pública onde se estude…
    e assim por í adiante, acontece que os portas e os coelhos e gasparotos já sabem que desta se vão trabalhar para uma qualquer privada-pública e então, desonestos, qual helena, só estão a preparar já a cadeira …

  22. simil permalink
    28 Julho, 2012 19:16

    isto é incrível

    http://5dias.net/2012/07/27/licenciatura-nao-existia-o-dr-relvas-devia-abandonar-o-governo-e-daqui-a-uns-anos-pedia-equivalencia-ao-que-o-passos-coelho-aguentar-do-resto-da-legislatura/

    a licenciatura do relvas foi tão rápida, tão rápida, que sua excelência a conseguiu ainda antes de qualquer aluno a haver começado .

  23. 28 Julho, 2012 19:21

    Comecei a descontar para a SS aos 24 anos, estive duas vezes de baixa, uma de parto e outra por doença reumática. Reformei-me aos 65 anos, sendo o valor da respectiva reforma calculado pela media do meu vencimento dos ultimos 10 anos. Agora querem-me equiparar aos pensionistas que se reformaram com 60 anos e com a pensão igual ao ultimo vencimento, sendo que é sabido que esse ultimo vencimento era sempre substancialmente aumentado no ultimo ano de serviço. ESTOU CONTRA AO CORTE DE SUBSIDIOS! MEUS E DOS OUTROS porque as reformas ou pensões são dividas do Estado que devem ser honradas, COMO AS OUTRAS . Mas não comparem o que não é comparavel.

  24. Oscar Maximo permalink
    28 Julho, 2012 19:49

    No publico devia ser como já é no privado: qiuando o patrão é rico pode pagar bem quando está falido ou paga mal ou despede. Em vez de compararem trabalhadores, comparem os patrões.

  25. Fincapé permalink
    28 Julho, 2012 20:22

    Como diz o simil, a licenciatura do Relvas foi concluída um ou dois anos antes de existir (trabalho da Visão). A iniciativa privada sempre na vanguarda.
    Para o empregador Estado passar à frente do privado deveria despedir ainda antes de assinar contrato com os seus trabalhadores. Assim é que era!
    E eu, como aprendiz de ultraliberal, exijo que os gestores das empresas públicas de igual nível ganhem tanto como os das privadas.
    E, também como aprendiz de ultraliberal, exijo que nas empresas privadas com boas práticas e que tratam bem os seus trabalhadores os ponham a pão e água como o Estado está a fazer a muitos dos seus com dezenas de anos de serviço.
    Está a faltar-me a coragem para ser aprendiz de ultraliberal. Se calhar, desisto!

  26. aremandus permalink
    28 Julho, 2012 20:40

    a iniciativa privada sempre na vanguarda.
    um exemplo: no Estado da Luisiana as prisões privadas(geridas por privados,tipo os nossos hospitais-empresa) são um sucesso: antes dos presos sairem são postos a pão e água, os cleanss; os junckies, são chutados fora no auge dea ressaca.
    para gáudio de tão bons gestores clientes não faltam, até o cangalheiro(privado,pois claro) entrar em acção!

  27. aremandus permalink
    28 Julho, 2012 20:42

    Louisiana,claro

  28. Bovinos Fascistas permalink
    28 Julho, 2012 21:17

    • José Pacheco Pereira, Encostados a um canto [hoje no Público]:
    ‘É na pedrada na rua que se vê a raiva? Não, não é. Não olhem para a raiva de baixo, olham para a raiva de cima. É que não são só os de baixo que percebem que estão a ficar encostados a um canto, são também os de cima. Os de cima já perceberam que os melhores tempos já estão no passado, que o Governo já está mais estragado e hesitante do que o que eles desejavam, que já não está intacto e forte, mas que uma mistura de Relvas, mais o défice incontrolado, mais, espantem-se, a proximidade de eleições, está a dar second thoughts àqueles que queriam apenas como “bons alunos” e executores. O magma da “política”, que os de cima tanto desprezam, começa a vir à superfície e será o “ruído” que não desejam. Ou, como diz o FMI de forma certeira, há “fadiga do ajustamento”. E os de cima pensam que ainda está muita coisa para fazer, para agora já lhes começarem a dizer que se chegou ao limite. Começam a ter a sensação de que foi uma oportunidade única, ainda é uma oportunidade única, mas que está a acabar, começa a faltar o espaço. O canto começa a ficar apertado. Daí a raiva crescente.

    É quando Pedro Ferraz da Costa diz, com aquele ar perpetuamente zangado e enjoado com o mundo, que é preciso acabar com 100.000 ou 200.000 empregos na função pública, sem problema nenhum, porque o Estado vai continuar a funcionar na mesma. É que não é análise, é desejo. É quando se defende um mundo que funcione para as “empresas” – uma abstracção funcional porque o que eles querem dizer é outra coisa – sem ter que emperrar porque há leis, direito e direitos, instituições e eleições, interesses outros que não os das classes “certas”. Quando esse discurso, bruto e sem ambiguidades, veio ao de cima com a decisão do Tribunal Constitucional, percebemos bem a raiva.

    No meio disto tudo, Passos Coelho fornece outro produto, mais à sua dimensão de executante, mas que também transporta alguma desta raiva. É quando Passos Coelho diz que “não estamos a exigir de mais”, como se fosse pouco o que se está a “exigir” e ainda não levaram em cima com a dose toda. É quando avança com mais uma comparação moral que mostra o imaginário onde estamos metidos; não podemos correr o risco de nos cruzar com os nossos credores “nos bons restaurantes e boas lojas”. É mesmo isso que os portugueses andaram a fazer nos últimos anos, a comprar malas Vuitton e sapatos Jimmy Choo!

    Passos dizia que as pessoas “simples” percebiam isto, porque de facto para ele as coisas são assim simples. Então como é que nos devemos “cruzar com os nossos credores”? De alpergatas, vestidos de chita, trabalhando dez horas por um salário de miséria? É que não é preciso andar muito tempo para trás para ter sido assim. Ainda há quem se lembre. Deve ser por isso que é preciso “ajustar”.

    O papel destas ideias, elas sim “simples” no sentido bíblico, é que são aquilo que está metido dentro da cabeça do discurso do poder actual, mais por parte dos executantes do que dos mandantes. O teatro do poder actual é composto por poucas personagens a preto e branco: os credores, os devedores, os empreendedores, os “não competitivos”, os que “vivem acima das suas posses” e os “ajustados”, os “alavancados” e os “desalavancados”, os “piegas” preguiçosos e os bons alunos que fazem o “trabalho de casa” e não querem ter direitos, os “pacientes” e as “baratas tontas”. Não é um mundo muito complicado, é até assustadoramente simples, mas assusta saber que é este teatro de sombras que move o discurso do primeiro-ministro. Nele não há pessoas e quando as há estão do lado do mal, são “ruído”, são não-económicas na sua essência.

    Para alguns, falar dos de cima e dos de baixo, é marxismo. Coitados, sabem bem pouco o que é o marxismo, para sequer perceberem que Marx escreveu toda a sua obra para explicar que não era “científico” falar assim dos conflitos sociais. Não, não é marxismo, nem pcpismo, nem bloquismo, é apenas repetir a mais velha percepção de que os conflitos sociais de sempre se fazem entre quem ganha e quem perde, quem é mandado e quem manda, entre quem tem e quem não tem. Vem em Aristóteles e vem em Aristófanes, a sério e a gozar.

  29. Edgar permalink
    28 Julho, 2012 21:55

    Perdeu-se o meu comentário mas eu repito.
    Esta verdadeira agressão contra os trabalhadores e o povo, a economia a a soberania nacional tem sido acompanhada de intensa campanha ideológica para desviar as atenções e amortecer os protestos. Da teoria da inevitabilidade à falta de alternativa, e da culpa é de todos, porque todos vivemos acima das nossas possibilidades, às tentativas para dividir trabalhadores entre classes profissionais e entre os sectores públicos e privados, já ouvimos de tudo. Mentem com os dentes todos!
    E se quem mente é mentiroso, quem participa nesta campanha é cúmplice.

  30. 28 Julho, 2012 22:28

    Onde é a revolução???????
    hum? ah! já foi…..
    sei….a troika….
    Tinha que ser….
    OK!!!!

  31. Eleutério Viegas permalink
    28 Julho, 2012 22:43

    Este pasquim que já foi mais “espesso” do que é já não o compro desde a palhaçada à volta do Santana Lopes e do endeusamento do palhaço socas, logo a seguir. Recentemente, deixei de olhar para a versão online, porque lhes dá “clicks” e, portanto, audiências. Por mim, a Impresa pode ir ao charco e o Balsemão pode ir para a Mitra, se é que isso ainda existe…

  32. Eleutério Viegas permalink
    28 Julho, 2012 22:44

    Parece que o seboso e ressabiado Pacheco Pereira diz que, coitadinhos, os “de cima” se sentem a um canto… Tadinhos!

  33. Bovinos Fascistas permalink
    28 Julho, 2012 22:50

    Já têm?! Dá um jeitão!

    http://videos.sapo.pt/t98GAMCBCPRSIlizbjdl

  34. Portela Menos 1 permalink
    28 Julho, 2012 23:19

    a tralha direitista é mais tipo “Diabo” e “Correio da Manhã”.
    sobre o ex-primeiro ministro Vasco Gonçalves a ideia que fica é que helenafmatos continua a sua luta para “matar o pai” mas as raízes são o que são!

  35. Portela Menos 1 permalink
    28 Julho, 2012 23:39

    sabemos que Blasfémias tem uma agenda; mas por que não pega nestas merdas?:

    http://www.ionline.pt/portugal/presidente-santo-tirso-acusa-luis-filipe-menezes-marco-antonio-costa-promiscuidade

  36. neotonto permalink
    29 Julho, 2012 08:31

    “seboso e ressabiado Pacheco Pereira”.

    A coisa publica vem a estar em horas baixas como a politica privada. Ja nao há teta dando leite para tanto comichao. O que foi e o que é…Que será?.Suspense.

  37. 29 Julho, 2012 10:31

    Ascético: «Tenho mais queixas de serviços privados que de serviços públicos,»
    E isto quer dizer concretamente o quê?!
    O cavalheiro já viu se toda a análise fosse baseada neste princípio?
    “tenho mais queixas de…” ?
    Já utilizei o serviço público e tive boas experiências. Já utilizei o serviço privado e tive más experiências.
    A questão passa pela LIBERDADE de escolha em alguns serviços e pela racionalização dos serviços necessários.
    O que não se pode fazer é continuar a criar buracos “orçamentais”.
    Cumprimentos,
    R.

  38. Tiradentes permalink
    29 Julho, 2012 11:17

    Igualdades por igualdades:
    E quando é que passam a descontar a TSU previamente descontada nos salários oferecidos no privado?
    E quando a SS terá o mesmo nível de comparticipação que as ADSE ADM fora os sistemas paralelos e complementares?
    E quando é que passarão a calcular a reforma a partir do total da vida contributiva e não do último salário?
    Igualdades dão nisto.São igualdades socialistas.

  39. Portela Menos 1 permalink
    29 Julho, 2012 11:25

    também devem ser igualdades socialistas as que cortaram reformas tanto na cga (público) como no regime geral (privados).

  40. 29 Julho, 2012 12:26

    Portela, na TAP não existiu corte nem estava contemplado o corte. Como na ANA e como na CGD.
    E era para pensões acima dos 1000€.
    Vá dar banho ao cão.
    Eu recebo 950€ e já passo o 3º escalão. 300€ são para o bolso do Estado.
    Subsídio de férias não tive em 2012. Férias por gozar de 2011, fui roubado.
    Contrato precário.
    Isto é igualdade?
    R.

  41. aremandus permalink
    29 Julho, 2012 12:52

    pois…a bovinidade dá-se mal com o pensamento livre e inteligente do J Pacheco Pereira…
    os neurónios não estão liberalmente distribuídos, falhando aí uma liberdade de oportunidades para os imbecis neotontos!

  42. Fincapé permalink
    29 Julho, 2012 13:04

    Rogério,
    você acha que 300 euros é muito para tudo o que o Estado lhe oferece?
    Então, experimente fazer o seguinte negócio com o Estado: deixa de pagar os 300 euros por mês e passa a pagar o uso das estradas, o acesso ao SNS (incluindo as possibilidades de intervenções cirúrgicas, transplantes, etc.), o acesso à justiça, segurança, educação, a sua futura reforma, o seu subsídio de desemprego, a resposta a uma desgraça que possa ter com o RSI, tudo isto para si e família, etc.
    O Estado faz muito mal em não negociar com pessoas como você.

  43. simil permalink
    29 Julho, 2012 14:25

    seboso e ressabiado
    neotonto, tal uma chapa evidente !

  44. simil permalink
    29 Julho, 2012 14:27

    e eu li mal, é claro, na pressa,
    se o seboso e ressabiado já é alguém atrás,
    dos termos em sublinhado, me
    desculpe, neotonto,
    please .

  45. simil permalink
    29 Julho, 2012 14:35

    isto, sim,
    eu também quero,
    dá um jeitão,

    http://videos.sapo.pt/t98GAMCBCPRSIlizbjdl

  46. 29 Julho, 2012 15:21

    Como diz Fincapé?!
    ‘Plo amor do Nosso Senhor Jesus Cristo. Já dei moedinha para esse peditório.
    Seja homenzinho e pára de escrever isto: «o que o Estado lhe oferece».
    E pare de fomentar a ortodoxia. Colocar em questão os serviços do Estado é colocar TODOS os serviços do Estado em questão?
    Ou estou consigo, ou estou contra si. É isso?
    R.

  47. Portela Menos 1 permalink
    29 Julho, 2012 15:42

    Rogerio
    Eu vou explicar devagar.
    O seu amigo PPortas, desde a decisao do TC, passou a defender a “equidade e igualdade” nos cortes. O que digo é que os reformados do sistema geral que trabalharam no PRIVADO já estao a ser sujeitos a essa pretensa igualdade. E nao foi o PREC que decidiu…

  48. javitudo permalink
    29 Julho, 2012 15:52


    O incrível acontece.

  49. simil permalink
    29 Julho, 2012 16:24

    O incrível?
    E eu segundo a pergunta,
    Why porn is banned in Youtube and murders are not?
    por que é que o porn é proibido e o assassínio e prepotência, com
    tortura à evidência, se dá para espetáculo ?

  50. Nuno permalink
    29 Julho, 2012 17:07

    .
    A maralha escreve, escreve mas sem pôr uma direita e sem sequer se aperceber que só estão a perder tempo: os problemas de fundo são outros e bem diferentes não apresentando nunca uma solução exequível — o que é gravíssimo e revela toda a dimensão da degradação a que esse país chegou.
    Está bem à vista que muito poucos sabem o que querem — ou deviam saber… — mas esses estão impossibilitados de fazerem valer os seus direitos. O próprio governo, para se abrir e comunicar com o povo, se o quiser fazer, não consegue chegar às cabecinhas ocas de quem supostamente governa, desdo o topo até, mais grave ainda, aos mais atingidos — que são os pobres.
    A perspectiva dos tempos que se avizinham é sombria pois de um momento para o outro o povo que dizem sereno pode transformar o jardim à beira mar plantado numa selva brutal onde ninguém pode viver — aliás, já assim é.
    .

  51. 29 Julho, 2012 17:45

    Rogério: – A ANA cotou os subsidios!

  52. javitudo permalink
    29 Julho, 2012 19:31

    Nuno, as suas observações são por demais pertinentes. A maior parte dos cromos nem se apercebe da realidade.
    A imbecilização em curso desde a escola primária consegue este resultado apavorante.
    Os mídia estão na primeira linha do processo. É difícil explicar como ainda há que ligue para a SIC, por exemplo.
    Vamos ser o que os outros quiserem, mas nem sequer os conhecemos.
    Na Antiguidade o escravo sabia quem era o seu senhor, actualmente não faz a mais pequena ideia.
    A História tem enormes alçapões onde se chafurda e nós já estamos lá dentro. Não estamos sós.

  53. Fincapé permalink
    29 Julho, 2012 19:33

    “Seja homenzinho e pára de escrever isto: «o que o Estado lhe oferece».”
    Calma, Rogério.
    Eu vou corrigir para que não fique apoplético. “Os serviços e as estruturas que o Estado tem ao dispor dos cidadãos, pagos com impostos.” Está bem assim?
    E quando acabar de rezar (‘Plo amor do Nosso Senhor Jesus Cristo.) “tire o véu” e diga lá quais são os serviços de que não gosta e que podem ser encerrados. Mas antes de os encerrar, teremos de perguntar aos outros portugueses. Concorda?

  54. tric permalink
    29 Julho, 2012 19:45

    Os Judeus, aliaram-se à Al-Qaeda para atacarem a Siria…impressionante!!! é impressionante que a DIPLOMACIA PORTUGUESA esteja actualmente entregue à Sinagoga do Caldas…Paulo Portas, não envergonhes a História de Portugal…ao subjugar os interesses diplomaticos do Portugal Cristão ao dos Judeus…este Regime Judaico-Maçónico…a comunicação social portuguesa é uma autentica…
    .
    “(…)Defender a Síria perante as arremetidas do salafismo apoiado pela mesma gente que destruiu o Iraque e a Líbia, estriba-se na adesão a um conjunto elementar de princípios que regem as relações internacionais, tais como o respeito pela soberania dos estados, a não ingerência, a cooperação e diálogo conducente à paz, mas mais importante que isso, a defesa da mais antiga cristandade do planeta. Os cristão árabes estão em risco de desaparição. Foram expulsos da Turquia de Mustafá Kemal, fugiram de Israel e do Líbano. Desde a queda de Saddam Hussein, os cristãos iraquianos têm sido alvo prioritário do terrorismo islâmico, tendo-se deslocado muitas dezenas de milhares para a Síria de Assad. Na Síria, os cristão têm sido protegidos e compõem um dos grupos mais dinâmicos de uma sociedade onde ocupam relevantes postos no aparelho do Estado, na vida empresarial, na vida cultural e no sistema educativo.
    Nesta batalha de vida e morte pela sua identidade, têm-se batido na primeira linha contra a imposição da sharia e de um regime teocrático. Se a perderem, acaba-se o núcleo fundador do cristianismo no Médio Oriente. Compreende-se, assim, a posição do Vaticano em contrariar a grosseira propaganda de americanos e seus aliados sauditas na abordagem ao problema sírio.”-
    .

    http://combustoes.blogspot.pt/

    .

  55. aremandus permalink
    29 Julho, 2012 20:38

    “Não se pode dizer que estamos a tomar demasiado remédio para a febre e ao mesmo tempo que a febre sobe mais do que é suposto com o remédio. Alguma coisa aqui não bate certo.”
    depois desta frase profunda, de um alcance filosófico. pedro passos coelho sentou-se, ajeitou a os cabelos rarefeitos e foi acometido por um esgotamento nervoso…

  56. licas permalink
    29 Julho, 2012 21:16

    . . . tais como o respeito pela soberania dos estados, a não ingerência, a cooperação e diálogo conducente à paz,
    __________

    QUE NOJEIRA, armandus, que nojeira defender
    o Açougueiro da Síria . . .
    Que mais presenciarei ???

  57. javitudo permalink
    29 Julho, 2012 21:29

    Sim Tric a realidade é complexa, por isso eu escrevia “A História tem enormes alçapões onde se chafurda e nós já estamos lá dentro. Não estamos sós”. Em apoio à sua posição pode ler-se de um jornal independente o seguinte:

    http://www.sunday-guardian.com/analysis/christians-big-losers-in-the-syrian-uprising

    Nós por cá pensamos que andamos longe das carnificinas. De facto os tugas em geral rejeitam a violência. No entanto os católicos sírios ainda a rejeitam mais e nem por isso escapam. A nós, mais tarde ou mais cedo não estamos livres de nos acontecer o mesmo em termos de vida miserável que muitos já vão experimentando.
    Por muito que tenhamos festejado Abril, a verdade é que desembocamos num açude. Haverá bóias para nos salvar?
    Pode estar em curso desde 2006 (Ottawa) um projecto ambicioso de criação de moeda única, neutralização de estados e eliminação de largos segmentos da população. Há informações nesse sentido. Por agora tudo parece uma cabala.
    “It is all part of a grand design to establish a world government under the UN. As NAFTA expands through out the Western Hemisphere as the FTAA it is to evolve into the “American Union” and “dollarization” is to be come the common currency, as the euro is in Europe. Bilderberg luminaries have directly acknowledged this to an American Free Press reporter”.
    A questão é a seguinte: a maioria dos inocentes andam a votar em partidos enquanto um grupo de muito poderosos escolhe secretamente as pessoas em que nós vamos votar. Há provas, há registos, há convergências.
    Se quiserem entrar a sério no assunto à laia de introdução, ouçam com os ouvidos limpos:

  58. andresilva permalink
    29 Julho, 2012 21:37

    Quem nos dera, mas na falta dele tb pode vir Salazar ou outro ditador qualquer. Como diz o outro prefiro uma “boa ditadura a uma má democracia”.

  59. andresilva permalink
    29 Julho, 2012 21:41

    Gostaria que falassse sobre a corrupção da A. da R., isso sim seria interessante. Claro, que a pseudo-direita, demo-liberais, não gosta de falar disso, prefer falar dos miseráveis funcionários do Estado.

  60. asCético permalink
    29 Julho, 2012 21:45

    É interessante ver que as pessoas que defendem o privado, não criticam o estado mas os funcionários públicos, porque há muitos privados a viver à custa do estado, e que acham que têm direito àquilo que o estado gasta com os seus funcionários.

  61. tric permalink
    29 Julho, 2012 21:46

  62. tric permalink
    29 Julho, 2012 21:58

  63. tric permalink
    29 Julho, 2012 22:07

  64. licas permalink
    29 Julho, 2012 22:50

    Desenha-se com mais visibilidade o eixo
    Síria (Assad) – Irão .
    Para quando a generalização da Sharia?

  65. javitudo permalink
    29 Julho, 2012 22:57

    Tric, obrigado, ainda não andamos todos céguinhos.

  66. Nuno permalink
    30 Julho, 2012 00:58

    *
    javitudo
    Posted 29 Julho, 2012 at 19:31
    .
    A ausência de comentários — contra ou a favor — ao que ambos escrevemos deixa bem clara a situação de ignorância geral que, como eu digo e repito, não tem cura nem salvação possível.
    É uma desgraça…
    .

  67. simil permalink
    30 Julho, 2012 01:13

    muito bom, sim, mas maioria quer ver sangue até ao fim, com os usa e a otan a demonstrar que a guerra é que dá negócio e dinheiro a ganhar, sobre isso de civilização .

  68. licas permalink
    30 Julho, 2012 07:31

    Deixai os ditadores sanguinários matar indiscriminadamente
    para não *interferir nos assuntos internos das nações*
    PELA MESMA LÓGICA a reiterada condenação na ONU de Portugal
    Colonialista teria sido ilegítima . . . NÃO É ASSIM?
    (A cegueira contra a OTAN , que vem dos Stalinistas/PCP, produz
    disto: simios)

  69. aremandus permalink
    30 Julho, 2012 08:34

    o incrível acontece: desde que os professores-doutores estarolas tomaram posse,por artes mágicas em angola passou a existir democracia e logo fomos cu-lonizados economicamente pelos angolanos:

    http://makaangola.org/

  70. licas permalink
    30 Julho, 2012 14:50

    É a teoria Salazarista, agora muito difundida,
    de que os *pretos* são incapazes de aceder à democracia.
    (a não ser que sejam formatados à Marx).

  71. aremandus permalink
    30 Julho, 2012 15:08

    o montez,genro do presidente, vai comprar umas rádios angolanas e umas estações de tv instaladas em musseques de luanda,por uma questão de reciprocidade.

  72. licas permalink
    30 Julho, 2012 18:54

    O racismo, doença endémica . . .

Trackbacks

  1. Expresso, o jornal do Incrível « O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 34.875 outros seguidores

%d bloggers like this: