Skip to content

Como estão as contas públicas?

20 Janeiro, 2013
by

DespDéficeEstão seguramente péssimas, que o défice continua colossal. E este recente objectivo que o governo se auto-impôs em cortar 4 bi na despesa de 2014 (ou já em 2013 se os juízes do TC voltarem a decidir em causa própria) peca por brando. Com o défice previsto para 2013 (se o Orçamento se cumprir) a rondar os 7,5 bi e a necessidade de reduzir o volume da dívida pública que no final do ano ultrapassará largamente os 120% do PIB, o objectivo para os cortes estruturais deveria ser o triplo. Curiosamente (ou talvez não) o limite máximo dos cortes sugeridos pelo FMI no seu tão diabolizado Relatório ronda os 12 bi.

Mas se as contas ainda estão más, a tendência é nitidamente virtuosa. Nunca nenhum governo fez tanto em tão pouco tempo e pela via mais saudável e estruturante, a redução da despesa. Em menos de 2 anos, operou uma redução de 15,3 bi na despesa primária, metade dos 30.000 milhões que me parecem ser o objectivo de médio prazo que o governo deveria ter formulado no dia da sua tomada de posse.

Ah e tal, mas essa redução deve-se ao corte dos subsídios na função pública! – tal é a réplica asinina e ignorante quando se fala no relativo sucesso no corte da despesa (digo relativo, porque muitos cortes não são estruturantes). Acontece que o corte dos subsídios em pouco ultrapassou os 2 bi, menos de 20% do corte total já realizado, que foi transversal, atingindo todas as rubricas da despesa. Mas deve referir-se, já agora, que o móbil do corte dos subsídios foi precisamente a redução da despesa…

É curioso que quando a imprensa e comentadores do regime repetem até à náusea os erros das previsões do Gaspar, procuram transmitir a ideia de uma completa derrapagem orçamental, nunca se apontando os números do défice nem que ele baixou em 2012, não obstante a queda das receitas fiscais. A tal ponto, que se vêem nas redes sociais responsáveis políticos a denotarem uma total ignorância (ou má fé?) quanto a números e a total convicção de que o défice subiu. Na realidade, em 2012 o défice terá baixado cerca de 4 bi. (note-se que os valores subjacentes ao gráfico acima apresentam os “défices reais” sem a recorrente maquilhagem contabilística das receitas extraordinárias, designadamente a “nacionalização” de fundos de pensões ocorridas em 2003, 2004, 2010 e 2011 e a projectada receita de 1,2 bi em 2012 com a concessão da ANA).

Mas o problema de fundo não estará tanto na dimensão dos cortes, que agitam sobretudo os interesses instalados, que têm sempre os media disponíveis para lhes amplificarem os protestos. A questão verdadeiramente estruturante está na Constituição que temos e respectivos “guardiões” do TC, as novas “forças de bloqueio” que inviabilizam qualquer saída da crise. A subida da despesa prevista para este ano, fundamentalmente pela reposição de um dos subsídios, já é o resultado desse “impasse constitucional”. Passos Coelho terá antecipado esse risco, mas amedrontou-se com a histeria mediática que então provocou. 

About these ads
83 Comentários leave one →
  1. Grunho permalink
    20 Janeiro, 2013 19:18

    Conclusão:
    O roubo puro e simples dos salários de quem trabalha e a destruição de emprego, de actividade produtiva e do comércio é a solução para a saída da crise.

  2. El Der permalink
    20 Janeiro, 2013 19:37

    Grunho: é isso mesmo.
    Imaginando que o país era, por exemplo, um banco: Pega-se na massa dos depósitos, e paga-se a dívida com ela.
    E seria de grande mérito e uma excelente gestão: a principal despesa, o pagamento aos depositantes é 75% da despesa, começa-se por aí. Depois corta-se a despesa nos clips e esferográficas, salário dos funcionários menores.
    Deste banco também se poderia dizer: está no bom caminho, qual era a alternativa?

  3. Expatriado permalink
    20 Janeiro, 2013 19:52

    Pronto, apareceram dois mas o grande exercito marciano vem a caminho…..
    .
    Este post do LR vai dar muita agua….

  4. 20 Janeiro, 2013 20:07

    …”As contas públicas” estão bem, obrigado, embora engripadas.
    A partir de finais “de 2013 será a retoma”, o “regresso aos mercados”, a “recessão reduzida”, etc & tal.
    “A coisa vai” — haja fézada, bejecas e tremoços, a eliminação de 90% dos funcionários públicos, sexo, música pimba, o ensino entregue à “iniciativa privada”, futebolada, galas e concursos, a banca novamente com a teta na boca, telenovelas e… a extinção das fundações, todas elas (!!) malvadas destruidoras do “tecido económico” e do país…
    Eu, começava por extinguir a secretaria de estado ou ministério da cultura : quanto não se pouparia ?? O património que se auto-sustentasse, os eventos que se phodessem, etc.

  5. Luís Marques permalink
    20 Janeiro, 2013 20:23

    Chegou o terceiro

  6. 20 Janeiro, 2013 20:26

    E a dinâmica de crescimento económico está imparável: http://lishbuna.blogspot.pt/2013/01/blog-post_7569.html

  7. murphy permalink
    20 Janeiro, 2013 20:30

    A pergunta que falta um jornalista fazer a AJ Seguro: “Dr. Seguro, qual era em 1995 a despesa anual com juros de Portugal e quanto é actualmente? E, atendendo ao facto de o PS ter governado quase ininterruptamente (com apenas 2 anos de intervalo de Barroso / S. Lopes) entre 1995 e 2011, qual é a responsabilidade dos socialistas na situação actual do País?”

    http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/01/titulos-vs-corpo-de-noticia-um-tratado.html

  8. lucklucky permalink
    20 Janeiro, 2013 20:38

    “O roubo puro e simples dos salários de quem trabalha e a destruição de emprego, de actividade produtiva e do comércio é a solução para a saída da crise.”
    .
    Julgas que o crédito que pagava 3 meses de salários da FP e Pensões e despesas de Ministérios continuava para sempre?
    Habituaste-te a viver drogado e agora não queres outra coisa.
    Sabes o que quer dizer aquele número de 2010: 11,29% de défice?
    Quer dizer que uns 22-23% do que o Estado gastou foi pedido emprestado.
    ……..
    Extraordinário como com défice o Governo quer aumentar gastos em 2013…
    ……..
    “E a dinâmica de crescimento económico”
    Porque é que haveria de existir crescimento económico quando todos os partidos do PCP ao CDS estão contra o crescimento económico.

  9. 20 Janeiro, 2013 21:02

    ….E anda a maioria dos tugas(!) indefesos, trabalhadores exemplares, cumpridores na tributação, A ALMOFADAR por exemplo os peculatos (“roubo” é palavra que só se aplica abaixo de 500 Euros/mês) e despesismos dos Jardins, mais os “esquecimentos” (8 milhões, coisa pouca daí o “esquecimento”) duma ténia de regimes vários que manda na banca…

  10. El Der permalink
    20 Janeiro, 2013 22:01

    Quanto ao Ricardo, temos de ser compreensivos:
    Quem ainda não se tenha esquecido de declarar 8,5 milhões de IRS que atire a primeira pedra!

  11. Duarte permalink
    20 Janeiro, 2013 22:28

    A irresponsabilidade fanática levada à insanidade mental .

  12. Buiça permalink
    20 Janeiro, 2013 22:35

    Bom resumo.
    Nos próximos 2 anos veremos o efeito de voltarmos a ter alguma independência financeira, com o regresso de “mercados” dispostos a financiarem-nos a taxas razoáveis, e o regresso a algum “crescimento”, nem que seja o 0% que toda a Europa “cresce”.
    Veremos se com a gradual menor influência dos tutores externos esta malta se safa ou se veremos à solta o Relvas que há em cada governante.
    E tudo isto previsivelmente ameaçados pelos ciclos eleitorais que se avizinham.
    A esmagadora maioria dos “desmamados” do OE que berram todos os dias são também eleitores. E como é impossível chegar de uma situação de bancarrota a uma posição confortável em poucos anos, eles aí estarão para se vingar.
    Mas nada de extremismos, seja o Tó Zé ou o Costa, o sistema não permite propriamente que apareça mais alguém e sobretudo só depois de entrevista prévia com os credores.
    A chave, a meu ver, será o desemprego.
    Ou o país começa a receber fortes investimentos, de preferência nos sectores primário e secundário exportadores, reduzindo drasticamente o desemprego, ou não haverá como convencer o eleitorado de que alguma coisa tenha valido a pena.
    E aí estarão de volta os que decretam crescimento e nos “surpreendem” com empregos a la minuta inscritos directamente no OE.
    Não percam os próximo episódios…
    Cumps
    Buiça

  13. Portela Menos 1 permalink
    20 Janeiro, 2013 22:53

    as “forças de bloqueio” gostam muito de fazer análise sem se referirem aos JUROS da dívida…€30.000.000.000 (trinta mil milhões) que se vão pagar no fim da festa.

  14. 20 Janeiro, 2013 22:57

    Portela,
    .
    Você por acaso já pediu um crédito à habitação e fez as contas do que pagou ou irá pagar de juros? Quantas vezes preciso de lhe dizer que, apesar de falidos, estamos a pagar a taxa mais baixa de sempre?

  15. 20 Janeiro, 2013 23:00

    Portela,
    .
    E já me referi aqui aos juros, quantificando devidamente.

  16. blitzkrieg permalink
    20 Janeiro, 2013 23:18

    Com tanto suposto corte, estamos apenas de volta ao nível de despesa de 2008 em termos de 0rçamento de Estado, antes da loucura despesista do idiota do Sócrates, que pensava que era boa ideia despejar dinheiro na rua para recuperar a economia na fase da crise do subprime. Foi um esbanjar em 2009 e o regabofe geral em 2010. Os supostos grandes cortes no défice pela mão da dupla Gaspar/Coelho não aconteceram realmente, exceptuando o cortes nos salários dos funcionários públicos e esses foram modestos. Por isso é que agora que se quer cortar 4 bi fica toda a gente nervosa. Falta realmente cortar mais 15 bi, e terá de ser em tudo – educação, saúde, reformas, forças armadas, transportes, administração local, etc. Contudo, não haverá coragem. Precisamos muitíssimo de um FMI forte, e de mercados muito desconfiados. Venham eles que eu estou farto de pagar tantos impostos para ver tanto desperdício.

  17. jOSÉ MANUEL BARBUDO permalink
    20 Janeiro, 2013 23:19

    «A subida da despesa prevista para este ano, fundamentalmente pela reposição de um dos subsídios, já é o resultado desse “impasse constitucional”. »

    Convinha acrescentar, em abono da verdade, que o subsídio reposto foi imediatamente retirado através do aumento do IRS. Ou seja, não teve consequências em termos orçamentais.
    Pena que isso seja escamoteado no post.

  18. Portela Menos 1 permalink
    20 Janeiro, 2013 23:37

    Caro Luis Rocha, o sr e os seus amigos vivem num mundo à parte. Continuam a falar sobre a redução da despesa mas, azar dos Távoras, estamos com cerca de 1 milhão de desempregados que são considerados efeitos colaterais, para além de não atingirem os metas do déficit.
    A questão dos juros (30Mil Milhões) não pode se desligada da Dívida.
    Esta Dívida é ilegítima porque resulta de decisões públicas coniventes com interesses privados e perdas privadas tornadas públicas e que, por isso, não deve ser paga (vidé caso da PPP e do BPN)
    “A renegociação da dívida chegará mais cedo ou mais tarde, até pelo interesse dos credores que se vão aperceber de que a recessão tem como consequência a incapacidade de pagar a dívida.” JoséCarlosCaldas in Público

  19. 20 Janeiro, 2013 23:41

    Quando a sociedade tuga (economia, finanças, comércio, indústria, ensino, saúde, cultura, justiça, política, etc) bater no fundo ; quando os jovens continuarem a engrossar as já centenas de milhar emigrados ; quando o “tecido social” estiver irreversivelmente envelhecido ; quando a javardice insultar publicamente a competência; quando a “recuperação” fôr (afinal) inexistente ou parca, preparem-se para nova e hiper-duríssima intervenção do FMI — a pedido, claro, de tantos génios tugas que pululam na política e na economia…
    (Oxalá eu esteja absolutamente enganado !)

  20. 20 Janeiro, 2013 23:43

    Portela, não diga asneiras. Todos aqueles défices que apresento no gráfico desde 95, você acha que se transformam em quê? Esfumam-se? Ou será que houve um BPN por ano? E tb não me lembro de o ver contestar as PPP quando elas foram lançadas. Na altura era o sacrossanto investimento público?

  21. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 00:16

    asneiras? ai digo, digo; LR é que parece que nunca diz asneiras, é só certezas :-)

  22. 21 Janeiro, 2013 00:35

    Concluindo : quem phodeu o país foram, grosso modo, 99% dos seus habitantes. Que confiaram no Estado, que contribuiram para o Estado, que não roubaram o Estado. Os restantes (1%) são todos veneráveis e inculpáveis políticos, banqueiros, juízes, empresários, etc&tal.

  23. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 00:48

    uma última nota para LR e amigos…vocês têm que deixar esse estereotipo de que quem não está de acordo convosco dorme todas as noites com o PS :-)

  24. lucklucky permalink
    21 Janeiro, 2013 01:08

    “as “forças de bloqueio” gostam muito de fazer análise sem se referirem aos JUROS da dívida…€30.000.000.000 (trinta mil milhões) que se vão pagar no fim da festa.”
    .
    Estou de acordo Portela. Nada cá de Troika. O corte de 3 salários/pensões logo quando se bateu na parede e os mercados deixaram de emprestar para pagar o Estado Social Corporativo.
    O Estado pedia emprestado mais de 20% do que gasta) deveria ter sido automático para zero.
    Nada cá desta agonia lenta até se fazer o que deve ser feito.
    .
    É mesmo assim que pensas Portela ou tens opinião sem fazeres as contas?

  25. Expatriado permalink
    21 Janeiro, 2013 03:42

    Eu sabia que a artilharia pesada marciana iria aparecer e que os “juniores” ficavam a “aprender”….. Qualquer coisa como “On the Job Training”…..
    .
    Estes marcianos nao brincam em serviço.

  26. JCA permalink
    21 Janeiro, 2013 05:02

    .
    Curiosidades, para relax:
    .
    Amazing, Magnificent Music Box

    .
    Será verdade ?
    =German cars ‘among worst for engine failures’

    http://www.autoexpress.co.uk/car-news/consumer-news/62383/german-cars-among-worst-engine-failures

    .

  27. JCA permalink
    21 Janeiro, 2013 05:12

    .
    A proposito de Marte:
    .
    =Curiosity Finds Calcium-Rich Deposits On Mars

    http://www.nasa.gov/multimedia/videogallery/index.html?collection_id=14483&media_id=158615081&module=homepage

    .
    E a proposito de ‘Marcianos':
    .
    ScienceCasts: Dark Lightning

    .
    =Rock solid proof of alien life? Scientists claim fossilized algae inside meteorite

    http://rt.com/news/meteorite-life-report-mars-310/

    .

  28. Tiro ao Alvo permalink
    21 Janeiro, 2013 09:48

    Não liguem ao Portela que é maluco, coitado. Para ele, o milhão (?) de desempregados que diz existir em Portugal (onde ele deve meter muitos bébés), deviam ser todos admitidos na função pública, a abrir e a tapar buracos. Para este tonto o dinheiro cai do céu e todos os outros, que não os que lêem pela sua cartilha, são parvos.

  29. murphy permalink
    21 Janeiro, 2013 10:25

    Caro LR,

    Gostaria de deixar uma questão: aparentemente a seguir a 2005, tivemos 2 anos de desacelaração no crescimento da despesa primária. Essa evolução não está relacionada com algumas operações de desorçamentação como, por ex., a criação das Estradas de Portugal? Obrigado.

  30. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 11:06

    Tiro ao Alvo, Posted 21 Janeiro, 2013 at 09:48
    .
    quanto mais ignorante mais insulto;
    para tua informação os desempregados são da ordem do 1.300.000, que incluem, para tua (in)formação, os que já deixaram de procurar emprego.
    mas para que estou eu a gastar cera com estes cadáveres, tipo Tiro ao lado?

  31. A C da Silveira permalink
    21 Janeiro, 2013 12:39

    Mais uma vez, os socialistas é que têm razão: o Seguro quer ir buscar dinheiro de onde ele não pode vir (BEI), e andam uns intelectuais a falar nas tvs , como p. ex. o economista Luís Nazaré, ou o Magnifico Reitor da Universidade de Lisboa Professor Sampaio da Nóvoa, propondo que a maralha cá defina que estado social é que quer, e depois vá pedir a solidariedade à Europa para o pagar. Ouvimos e nem acreditamos: estes tipos dizem sem se rir, que os outros é que têm de pagar a nossa vidinha. Já o especialista em CRP, prof Gomes Canotilho, afirma que se está na Constituição é para se cumprir, mesmo que não haja dinheiro para pagar. Mas estará tudo maluco?

  32. 21 Janeiro, 2013 12:48

    Murphy,
    .
    A Estradas de Portugal terá contribuído para a desorçamentação – que todos os governos foram fazendo em maior ou menor escala – mas, na era Sócrates, haverá que lhe adicionar as Fundações públicas e as PPP. Tudo junto, terá representado algumas dezenas de milhões que, naturalmente, não estão expressos no gráfico.

  33. pedro permalink
    21 Janeiro, 2013 13:14

    L.R.: concordo com os números e finalmente começo a vêr a situação devidamente tratada.Não concordo com o obstáculo da constituição,enquanto o governo não der exemplos e explicar numa comunicação ao país a situação. Basta uma folha A4 e se não são capazes peçam a ajuda a si. O governo deve começar pela sua frota de carros ,pelos vencimentos dos “especialistas” e na comunição ao país deve dizer :somos pobres e começámos por nós .Depois pode começar pelas associações que são milhares a receber dinheiro por causas inócuas ,e por aí adiante , em vez de matar a ecomomia real com esta carga fiscal. Quando a população constatar que os cortes no desperdício não chegam estarão criadas as condições para alterar a constituição.

  34. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 13:35

    A destruição do país continua em bom ritmo

    Quase 28 mil empresas fecharam em 2012 e a criação de negócios caiu 11,6%
    RAQUEL ALMEIDA CORREIA 21/01/2013 – 13:14

  35. pedro permalink
    21 Janeiro, 2013 13:43

    Duarte :pois lá o resto da notícia : no período foram criadas …. empresas.

  36. Tiro ao Alvo permalink
    21 Janeiro, 2013 13:59

    O Portela já elevou o número desempregados para 1.300.000 e jura que é ele que está certo. Por ele, fechava-se o INE e dispensava-se a pordata. Que lhe havemos de fazer? ignorá-lo, claro.

  37. A C da Silveira permalink
    21 Janeiro, 2013 14:41

    Por falar em desempregados: alguém sabe, incluindo o sempre bem informado Portela, que tipo de empresas é que faliram, a que actividade se dedicavam, e que actividades é que têm alimentado o crescente numero de desempregados? Eu não sei, mas tenho um palpite: principalmente restauração e cafetarias, e construção civil.

  38. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 15:14

    Em contrapartida na área da inovação e tecnologia Portugal fervilha

  39. Francisco Colaço permalink
    21 Janeiro, 2013 17:53

    LR,
    .
    O dito Estado Social é insustentável, muito porque as pessoas que dele usufruem (e que não querem abdicar dele) não tiveram filhos suficientes para manter as suas pensões. Tenho três filhos, e sou considerado família numerosa. Quando um número modesto como três filhos é considerado numeroso (apenas 1 em cada vinte e cinco famílias têm três ou mais filhos no momento presente), não há como manter este estado de coisas. O Estado deveria valer neste momento um terço do que vale. E olhe que ficávamos todos, no cômputo geral, bem mais servidos que com esta pandilha de funcionários que não funcionam e políticos che non sono politi e empresários que só emperram e chupistas que não fazem mais do que o nome dessa classe diz.
    .
    Saber isto também também parece, no fim de contas, exigir capacidades matemáticas elementares e alguma desenvolutura cerebral. Vistas as coisas, Portugal é, com poucas excepções, um caso dúbio de existência de vida inteligente no planeta azul. E pelas citações descontextualizadas que por aqui se fazem, ou alguns comentadores mais sinistros não sabem ler, ou se o sabem não têm honra e coluna vertebral.

  40. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 17:54

    A comunista Fitch afirma

    A agência de notação financeira Fitch afirma que as reformas aplicada no sistema de previdência em Portugal neutralizaram o impacto de longo prazo na despesa pública do envelhecimento da população.

    Num relatório especial em que analisa os custos do envelhecimento e os seus impactos na notação financeira que atribui aos países, a agência de ‘rating’ identifica Portugal, Itália e Grécia como países que conseguiram neutralizar os custos do envelhecimento da população no longo prazo.

    No caso de Portugal, a Fitch afirma que o crescimento da despesa derivado do envelhecimento da população estimado para o período entre 2010 e 2050 era de 9,7% do Produto Interno Bruto em 2003, mas as estimativas mais recentes reduzem este valor para os 0,2% do PIB.

    A agência coloca ainda Portugal como o país melhor colocado entre o grupo em análise (que consiste principalmente em países membros da União Europeia e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) em termos de impacto no ‘rating’ que teria o aumento da despesa, surgindo mesmo com em terreno positivo em mais de um nível, sendo que só a Itália acompanha Portugal em terreno positivo neste domínio.

  41. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 18:09

    A “banha da cobra” neo liberal sobre o Estado Gr ande nao resiste a uma analise independente e minimamente honesta intelectualmente da realidade e da sia comparação com os restantes paises da Europa. Esta ladainha neofascista pretende apenas, porque ha muito capital disponível pela especulação financeira, privatizar a saude, a educacao e o sistema de seguranca social. Pretende apenas dar aos privados com capital sectores monopolistas , rentistas e sem concorrência para o seu processo de acumulação de capital . Investimento de risco em bens transaccionáveis esta quieto. Esta burguesia portuguesa é de facto parasitaria.

  42. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 18:48

    Peço desculpa ao Tiro ao Alvo; no 3º trimestre 2012 o desemprego real era só 1.114.000 e não inclui bebés …
    fonte INE
    .
    Principais indicadores da população desempregada e inativa
    Portugal Valor trimestral Variação
    3ºT-2011 2ºT-2012 3ºT-2012 Homóloga Trimestral
    Milhares de indivíduos %
    .
    População desempregada 689.6 826.9 870.9 26.3 5.3
    Homens 355.0 438.1 468.5 32.0 6.9
    Mulheres 334.7 388.8 402.5 20.3 3.5
    Dos 15 aos 24 anos 138.3 149.7 175.1 26.6 17.0
    Dos 25 aos 34 anos 181.3 234.9 237.1 30.8 0.9
    Dos 35 aos 44 anos 156.7 180.5 198.5 26.7 10.0
    Com 45 e mais anos 213.3 261.8 260.2 22.0 -0.6
    Inativos à procura de emprego mas não disponíveis 36.8 37.7 24.0 -34.8 -36.3
    Inativos disponíveis mas que não procuram emprego 193.4 217.4 249.2 28.9 14.6
    .
    Desemprego real 1 144 000
    População activa 5 500 000
    taxa desemprego 21%

  43. 21 Janeiro, 2013 18:52

    Duarte,
    .
    Pode p.f. indicar o link dessa notícia da Fitch?

  44. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 18:54

    Esta no site do i on line, salvo erro.

  45. Tiro ao Alvo permalink
    21 Janeiro, 2013 19:32

    Prontos, Portela, eu já estou satisfeito. Não se mace mais.
    Não encontrei os valores que refere no INE, mas não faz mal.

  46. 21 Janeiro, 2013 19:38

    Duarte,
    .
    Notícia da Lusa, o que me deixa logo de pé atrás. Vou ver se encontro esse estudo da Fitch.

  47. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 19:53

    http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes&PUBLICACOESpub_boui=143643851&PUBLICACOESmodo=2

    .
    dois ficheiros excel e um pdf: vê lá se precisas de ajuda …

  48. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 19:57

    Tiro,
    se precisares de ajuda com o excel liga ao teu primo Gaspar…

  49. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 21:37

    LR

    Agradecer tambem é de bom tom, o que me deixa logo de pé atras.

    Mas é alguma novidade ??

  50. Francisco Colaço permalink
    21 Janeiro, 2013 21:38

    Duarte,
    .
    O estudo da Fitch vale menos que um pronunciamento do PCP sobre criação de riqueza. O Estado Social presente está condenado. Simplesmente não pode pagar apenas 36% para a segurança social quando 14 anos depois da vida ativa a pensão provinda da contribuição individual está esgotada. As pessoas vivem HOJE mais de 16 anos para além da idade da reforma, em média. E isso vai aumentando. Pior, a máquina da segurança social reserva 25% das contribuições para ela própria (a gulosa!) pelo que o equilíbrio é já hoje impensável.
    .
    Como imagino que o Duarte tem um problema a criticar números (deve ser daqueles que são desconfortáveis con contas e que foram para «humanidades» por ser a única cois que pode fazer para o definir humano consciente e sapiente) vai valer-se de citar estudo sobre estudo até à derrota final. Lembra-me a saudosa URSS, que subiu o produto desde 1970 até 1989 para depois afinal se verificar que todo esse crescimento era uma mentira (e lá desceram para 500 mil milhões de dólares até que, no penúltimo ano do Ieltsin, voltou a crescer, desta vez com números reais).
    .
    Sem comunismo, e mesmo com capitalismo mercedista e putinismo amiguista, a Rússia já têm o produto real acima do fictício da URSS de 1989, mesmo após a recessão de 2010.
    .
    E não foram precisos estudos para tanto.

  51. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 21:53

    nós, os liberais e adeptos do Estado mínimo, não somos preconceituosos:
    “Notícia da Lusa, o que me deixa logo de pé atrás”

  52. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 21:59

    Francisco Colaço

    Claro, Claro!…

  53. economista permalink
    21 Janeiro, 2013 22:05

    Para MEMÓRIA futura
    Apocalypse ???
    … fugir a tempo à Espiral Recessiva
    # A REFORMA do ESTADO só pode ser feita segundo determinados princípios , incluindo o da Moral (non omne quod licet honestum est ) e como tal não pode ser realizada
    por agentes sem qualquer respeito pela Moral v.g. o pseudo dr. Relvas que abandona a familia para uma “legitima” promiscuidade matrimonial com a “secretária” do seu amigo e senhor Primeiro Ministro !… Só falta dormirem os quatro na mesma cama …
    # E naquela Reforma não pode faltar a criminalização dos pretensos actos governativos desconformes com a Lei e a Moral
    Não sendo resolúvel em Democracia , segundo algumas Teorias das Escolhas Publicas , arriscamos , a solução da Quadratura da “Tragédia Lusa” , passa pela seguinte TRILOGIA :
    I
    Descida significativa dos impostos a par de uma Planificação e Racionalização da Despesa Publica , sem despedimentos mas com uma provisória descida de salários da f.p. sob a forma de empréstimo forçado .
    Moralidade e Estabilidade num Sistema Universal de Reformas
    (pensão minima ou apenas de acordo com as contribuições empregador/trabalhador)
    II
    Dinamização da Oferta e da Procura . Crédito às PME. Crédito ao Consumo .
    2 Bancos de Fomento Nacional + 2 Sociedades de Seguro de Crédito .
    Binário : INVESTIMENTO EMPREGO
    “CONDITIO SINE QUA NON” para o INVESTIMENTO :
    ESTABILIDADE e EFICIÊNCIA adequada nos
    SISTEMAS de JUSTIÇA , FISCAL e POLITICO
    a par de um feroz combate ao crime de corrupção e enriquecimento ilicito com inversão do ónus da prova ,
    relativamente à sanção patrimonial e com a nulidade de todas
    as transferências ocorridas posteriormente ao crime ou com ele conexas (mais ambicioso , alteração constitucional para ter efeito retroactivo…)

    III

    “Se o dinheiro for a sua esperança de independência, você jamais a terá. A única segurança verdadeira consiste numa reserva de sabedoria, de experiência e de competência.” – Henry Ford
    “NÃO TEMOS MEDO DOS MERCADOS , ELES QUE PAGUEM A CRISE”
    “E ninguém há-de morrer de fome num País com mais ovelhas que Gente e mais canas de pesca que telemóveis” (OLAFUR GRIMSSON – Presidente da ISLÂNDIA)
    E deixa o aviso :
    Não será encerrada nenhuma Escola , um Infantário ou um Hospital para pagamento das “aventuras e cowboiadas” da Banca e da Bolsa .
    O resultado é 4 anos após a crise é o País que mais está a crescer na Europa , tendo o Desemprego caido de 14% para 7% e a Divida Externa desceu apenas para 30% do PIB !…
    Concluindo ,
    Abandono da reincidente “socrática versus petrus obecessão pela ida aos mercados” .
    Assumir a enorme Divida Publica actual ,
    mas
    Reestruturação da Divida Publica e dos Juros
    Ambos indexados ao crescimento do Rendimento Nacional .

    BANDARRA

  54. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 22:44

    Afinal a LUSA essa perigosa Agencia comunista fala verdade

    Fitch Ratings-London-21 January 2013: Fitch Ratings says whilst a successful resolution of the current fiscal crisis remains the most important driver for many advanced-economy ratings, without further reform to address the impact of long-term ageing these economies face a second, longer-term fiscal shock.
    Without the implementation of mitigating reforms the median country analysed in our new report today is projected to see its budget worsen by 0.6% of GDP by 2020 and 4.9% of GDP by 2050. Consequently, many of these countries would experience escalating government debt-to-GDP ratios, with the average EU27 debt-to-GDP projected by Fitch to rise by 6.9% by 2020 and 119.4% by 2050. Without reforms to boost labour productivity and/or participation rates in many other advanced economies, population ageing will cause potential GDP growth to decline over the long-term, exacerbating the fiscal challenge.

    Few countries face an imminent problem. However, without major pension reforms Fitch would expect to take negative rating actions over the next decade on the countries facing the most pressing ageing pressures.

    For illustration, under a no policy response scenario, Fitch’s Sovereign Rating Model (SRM) -predicts a 1.5-notch downgrade by 2030 for countries with the worst ageing problem, and a five-notch downgrade for them by 2050. According to the model, Japan, Ireland and Cyprus face the largest jump in ageing costs over the next decade, while Luxembourg, Belgium, Malta and Slovenia face the most severe impact over the very long term. In particular, the setback to pension reform was a key contributory factor to the downgrade of Slovenia’s ratings in 2011.

    Despite the fiscal challenge currently facing some periphery eurozone countries, their recent experience also shows the power of reforms in transforming long-term projections. Recent reforms in Portugal, Italy and Greece have effectively neutralised the long-term impact of ageing on public finances in those countries.

    Today’s report focuses mainly on EU and OECD countries which face the most severe ageing populations and related fiscal costs. It also presents some data and preliminary analysis of the challenge facing emerging markets, for which data is generally less readily available.

    ‘Ageing Costs: The Second Fiscal Crisis’ is available at http://www.fitchratings.com

    Contact:

    Eugene Chiam
    Research Analyst
    +44 20 3530 1512
    Fitch Ratings Limited
    30 North Colonnade
    London E14 5GN

    Douglas Renwick
    Senior Director
    +44 20 3530 1045

    Ed Parker
    Managing Director
    +44 20 3530 1176

  55. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 23:00

    peso dos salários da FP no PIB: uma VERDADE inconveniente, ou como o contrabando ideológico teria feito caminho no Blasfémias, não se desse o caso de os factos serem … uma chatice:
    .

    http://sol.sapo.pt/inicio/Economia/Interior.aspx?content_id=54488

  56. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 23:07

    (…) Por seu turno, entre 2011 e 2012, os salários reais em Portugal deverão apresentar uma quebra de 12,3 por cento em termos acumulados, representando a segunda descida «mais significativa» de entre os 27 países-membros da União Europeia, a seguir à Grécia com uma descida de 14,7 por cento.

    O estudo do STE diz ainda que a despesa com salários da Administração Pública vai reduzir-se em 22,3 por cento em termos acumulados em Portugal entre 2011 e 2013, o que constitui a descida «mais pronunciada» da UE-27. (…)

  57. Francisco Colaço permalink
    21 Janeiro, 2013 23:10

    Portela,
    .
    O Portela lê o que citou simplesmente não percebe que a massa salarial da função pública NÃO É em excesso de 100 mil milhões de euros? E que massa salarial não é massa salarial na função pública?
    .
    Será que vós, os escarralhados, foram todos para desumanidades?

  58. Francisco Colaço permalink
    21 Janeiro, 2013 23:12

    Duarte,
    .
    Se lesse o que citasse perceberia que nem o Duarte nem as aventesmas da Lusa sabem ler. Talvez, digo eu, tenham sido colegas em inglês técnico do tipo que fazia as cadeiras por FAX.

  59. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 23:17

    wow Colaço! conseguiu fazer um comentário sem falar na urss e na coreia do norte :-)
    era mesmo em tipos como o engenheiro que eu estava a pensar quando escrevi “contrabando ideológico ” !

  60. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 23:22

    Francisco Colaço

    Of course, of course!
    Right! Right!

  61. Francisco Colaço permalink
    21 Janeiro, 2013 23:31

    Economista,
    .
    Não pode ter sol na eira e chuva no nabal.
    .
    Não pode descer impostos e diminuir a despesa sem despedir funcionários públicos, ou em alternativa pagar-lhes uma verdadeira miséria franciscana. Ou isso ou pede que estes levem as canetas e o papel higiénico de casa, poupando ainda mais nos fornecedores. As contas são simples.
    .
    Sabe, nestas coisas há que fazer contas ou, caso contrário, arrisca-se a mandar bolas de barro esperando que colem na parede. Raramente colam.
    .
    Anda a pagar 20.000 milhões de euros (um pouco menos agora) anualmente de pilim aos diversos desfuncionais. Afora isso há as «rendas» aos institutos fora do perímetro do Estado, que andam pelos 2 mil milhões de euros. Imaginando que 25% dessas rendas é para pagar salários, os custos das bestas de quatro olhos do Estado andam pelos 20.000 milhões de euros, ou 20 bi, como o LR gosta de tratar esse número, ou EUR 2×10^10, como eu o descrevo. 1/4 da despesa do Estado é para pagar a função pública mais ineficiente do mundo civilizado, no que nos vemos gregos (comparação intencional!)
    .
    Qualquer redução das despesas do Estado tem de passar por este crivo. Tem de despedir ou deixar de pagar. O que teria acontecido se os mercados, os tão propalados mercados, tivessem mandado Portugal às malvas e a Troika não tivesse vindo em nosso socorro.
    .
    Se quer pagar menos impostos, faça redimensionar o Estado. Se despedir hoje mesmo 400.000 funcionários públicos, pode crer que o Estado continuaria a fazer o mesmo que faz hoje. Mas muito menos oneroso para os acangalhados cidadãos, ironicamente apelidados contribuintes.
    .
    Sim, para que não pense que douro a pílula, estou a dizer que 400.000 funcionários públicos só lá estão para manter o cartão de membro do Clube do Dia 22. Afirmo que se estivessem simultaneamente acossados de uma gripe, a máquina rodaria ainda melhor, porque menos atrapalham.

  62. Francisco Colaço permalink
    21 Janeiro, 2013 23:33

    Portela Menos Um,
    .
    Então, leu o que citou ou, meu caro, a veracidade e a pertinência da citação que fez são-lhe secundárias?
    .
    Talvez o Portela saiba escrever, mas não ler, como diz aquela fantástica anedota soviética. ;-)

  63. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 23:37

    Anda a propósito de ignorância

    Dhttp://www.eugeniorosa.com/Sites/eugeniorosa.com/Documentos/2012/5-2013-A-ignorancia-chefe-FMI.pdf

  64. Duarte permalink
    21 Janeiro, 2013 23:39

    Francisco Colaço

    Pelas minhas contas sao 399.998 funcionarios que estão a mais.

  65. Francisco Colaço permalink
    21 Janeiro, 2013 23:42

    Duarte,
    .
    Procure o rácio de filhos por mulher em Portugal. Aplique a fórmula de Malthus, um simples exponencial, e tome a população em 2050: c. 7,5 milhões de pessoas. Tome a percentagem de idosos em 2050 (c. 65 anos): c. 45% da população e de população activa (40% da população). Nestes tempos a esperança de vida ao nascer deverá ser 85 anos para as mulheres e 83 para os homens (dois anos acima do que é hoje, e aqui estou a tomar a perspectiva mais conservadora).
    .
    Diga-me quanto terá um activo de descontar durante uma vida activa de 40 anos para sustentar uma reforma de um idoso que dure mais de 20 anos reformado, assumindo que a gulosa máquina retém 25% do valor expolia… contribuído.
    .
    — Fundiu um fusível, de certeza –

    • economista permalink
      22 Janeiro, 2013 15:37

      FRANCISCO COLAÇO
      cumprimentos
      A Cegueira Intelectual não abona qualquer Mortal … O Cego do vosso PM já vê uma luz ao fundo do túnel !…
      Não pretendo fazer o papel de semelhante Cego … O FC lembra-me o empresário – e isto acontece com frequência – onde diminuem as vendas , tem prejuízo e vende a empresa . O comprador a única solução que hedonisticamente encontra é despedir pessoal . Já com lucro fica assim a rir do vendedor . Mas quem se lixa é o trabalhador … Não haveria outro quadro empresarial que evitasse os despedimentos ? Para quem conhece a Economia da Empresa , sabe que existe uma infinidade de hipóteses .Por exemplo , numa organização deficitária com 3 elementos e com um modelo organizacional X , uma analise diagnostico revela que aquelas funções do modelo X podem ser realizadas num outro modelo Y apenas com 1 elemento , mas este modelo Y
      necessita de mais 2 elementos , obtendo-se assim o pleno emprego . O modelo Y tem elevada produtividade ,
      eficiência e rentabilidade .
      Mas isto por tão simples que nos pareça será possível na vossa Democracia Constitucional ? Onde aquilo que “de jure” se defende , “de facto” se condena !…
      E continuo a afirmar solenemente que existe pelo menos uma hipótese de se evitar os onerosos despedimentos (seria pior a emenda do que o soneto…). Apenas baixa de salários na forma sugerida . Mas lamento . Sabendo ler , parece que o FC não leu tudo !…Leia tudo e melhor , s.v.p. Então , se não entender , o que não creio , eu volto para explicar melhor . Mas leia tudo. Toda a trilogia . E não esqueça os pressupostos .
      Verdade . Existe 1 milhão de desempregados no sector privado . Mas já reparou que estas bestas ao fim de dois anos ainda não conseguiram resolver o problema do indispensável financiamento da economia real ?!… Nem a altura do “banha de cobra” , nem o “rocket académico” nem o meia leca de rato de biblioteca , têm estaleca para resolver a quadratura da tragédia lusitana …
      E não queira V. deixar transparecer também o humanismo de Cavaco Silva quando em 2o02 este disse que o melhor era deixá-los morrer …. e desempregados …
      E não queira também lançar para cima da f.p. a bílis que não tem coragem para atirar para cima de quem elegeram e vos desgovernam.
      dixit
      (para memória futura)

  66. Portela Menos 1 permalink
    21 Janeiro, 2013 23:51

    “Peso dos salários do sector público no PIB inferior à média na zona euro”
    .
    qual foi, então, a parte que não gostou?
    de facto, os engenheiros não são conhecidos pela sua habilidade com as palavras…

  67. Francisco Colaço permalink
    21 Janeiro, 2013 23:55

    Duarte,
    .
    Pelas suas contas, o salário do funcionário público e a pensão do reformado é perfeitamente sustentável se a deixarmos de pagar, que é o que acontecerá no momento em que negar a dívida e desprezar os mercados.
    .
    Se quer discutir, muna-se de números e discuta. Tenho uma vantagem sobre si: consigo ir buscá-los à fonte, já que fiz da minha própria formação pessoal falar mandarim e russo e espanhol (para contentar o Portela).
    .
    Mais, meu caro!, estou bem ciente de que fingir sapiência de segunda mão ao ir buscar dados na Wikipedia é vão; para mim a capacidade analítica é tudo. Citações duvidosas e ademais mal citadas são como as teorias do Trofim Lisenko (veja quem é, se acha que a Wikipedia lhe dá todas as respostas): bonitas no papel, mas desastre anunciado quando postas em prática.

  68. Francisco Colaço permalink
    21 Janeiro, 2013 23:58

    Portela,
    .
    Releia o artigo. Está lá a razão pela qual citá-lo foi um verdadeiro tiro no pé.
    .
    Comunistas nunca foram conhecidos pelas suas capacidades cerebrais (e os que o eram ou fugiam para o Ocidente ou iam para um campo de férias forçadas no Oriente).

  69. Duarte permalink
    22 Janeiro, 2013 00:00

    Francisco Colaço

    Esqueceu-se de um pormenor insignificante, mas às vezes o diabo está nos pormenores.
    Sabe quanto é que a riqueza produzida por trabalhar activo cresceu em Portugal de 1974 ate aos dias hoje? 47 vezes
    Pois é . Agora aplique o mesmo ratio para 2050 e seja conservador.

    Digo e volto a dizer nao existe um problema com o Estado em pOrtugal, tirando este governo, nem com a escola publica , nem com a saude, nem com a sustentabilidade da seguranca social . Essa é a narrativa que parece mais banha da cobra da direita liberal . O que existe é um programa ideológico, para privatizações desses sectores e uma politica fanática de baixar os salários. O resto é falácia .

  70. Duarte permalink
    22 Janeiro, 2013 00:13

    Olha! mais tempo para pagar. Este Gaspar tambem me saiu um valente comunista.

    EM ACTUALIZAÇÃO: Vítor Gaspar pediu mais tempo para pagar os empréstimos de Portugal e diz que recebeu “afirmações de apoio e suporte” dos parceiros.

  71. Expatriado permalink
    22 Janeiro, 2013 00:40

    Os marcianos andaram hoje aqui com motores de plasma cosmico. Os funcionarios do CC(CP) andaram as aranhas para encontrar numeros que coincidissem com as directrizes do discurso politico, velho de 100 anos.
    .
    Oh, como a vida e’ facil em Marte……

  72. Portela Menos 1 permalink
    22 Janeiro, 2013 01:27

    Francisco Colaço, Posted 21 Janeiro, 2013 at 23:58
    se eu fosse comunista não estava aqui a aturar fascistas…

  73. Francisco Colaço permalink
    22 Janeiro, 2013 09:46

    Duarte,
    .
    Desconte inflação. Faça contas, homem!

  74. Francisco Colaço permalink
    22 Janeiro, 2013 09:50

    Portela,
    .
    Quem desconta e justifica déspotas é o Portela. O fascista (nacional-socialista) não poderei ser eu,. que abomino todas as ditaduras, quaisquer que sejam as suas alianças.
    .
    Quem escreveu uma vez que o Partido Comunista era estrutural para a democracia portuguesa foi o Portela. Faça a apologia de ditadores e será, meu caro, um que gostaria de o ter sido, mas não o foi, apenas porque não o conseguiu ser.

  75. Francisco Colaço permalink
    22 Janeiro, 2013 09:53

    Expatriado,
    .
    O Expatriado malha forte e feio nos marcianos vermilhóides e caviar, mas olhe que a vida não era nada fácil em Marte. Haviam uns campos da Gulag, a justiça era bastante arbitrária.
    .
    Já agora, o artigo 57 da constituição russa é para cumprir? Já transita da antiga URSA (grafia intencional!) e se for cumprido manda o Estado Russo para a falência.

  76. Francisco Colaço permalink
    22 Janeiro, 2013 09:57

    Duarte,
    .
    Diz-se rácio, não ratio. Ou não fez o sexto ano?
    .
    São rácios, são itens (não ai-te-me-es), são rendibilidades (não rentabilidades), são climáticas (não clomatológicas). Estas últimas duas não são especialmente para si.
    .
    Ver um vermilhóide armado em sabedeiro anglicista é de ir às lágrimas.

  77. Portela Menos 1 permalink
    22 Janeiro, 2013 10:11

    quando a argumentação é o insulto e a mentira a direita, reaccionária, portuguesa está bem servida…
    Colaço vai colocar aqui a minha afirmação e, se a escrevi, citar o seu contexto; fica já a saber que se não encontrar a minha afirmação eu posso dizer já, aqui e agora, que, não sendo comunista nem do PCP, considero -0 “estrutural para a democracia portuguesa”.
    Aproveite e repita aqui – o que tem defendido – que o 25abril74 foi a pior coisa que lhe aconteceu na vida, que odeia o funcionalismo público e que se pudesse voltaria voltaria ao Estado Novo.

  78. Duarte permalink
    22 Janeiro, 2013 10:41

    Francisco Colaco

    Você nao acerta uma. Qual anglicismo ? latim homem.

    ratio
    (palavra latina que significa “conta, cálculo”)
    s. m.
    O mesmo que rácio.

  79. Duarte permalink
    22 Janeiro, 2013 10:55

    Inflação? você dispara para todo o lado mas so da tiros no pé
    Se eu desconto a inflação para uma variável, tambem tenho de descontar para as responsabilidades futuras. Nesse caso como as responsabilidades futuras nesta caso cresçam com a inflação , a capacidade de criar riqueza é obviamente muito superior descontando este factor, pois tem a ver com os ganhos obtidos com a inovação tecnológica e cientifica que é claramente superior ao facto inflacionário.

    Aqui vai um conselho:

    ” e se não receio o erro é porque estou sempre pronto a corrigi-lo” – Bento de Jesus Caraça

  80. JCA permalink
    22 Janeiro, 2013 12:06

    .
    Preparem-se, sugere baralhar o jogo todo a nivel mundial,
    .
    tudo sugere um novo Grande Boom Americano e na esteira da Europa até com Direitos Civilizacionais Irreversives (impropriamente reescritos sob a designação arrivista ‘Estado Social’):
    .
    =INSIDE: The Secret Plan to Retain Power Through 2020

    http://pro.stansberryresearch.com/1210THIRDLIA/EPSIP135

    .
    (Obama o mais poderoso Presidente dos tempos modernos, supõe-se)
    .

  81. Expatriado permalink
    22 Janeiro, 2013 21:01

    Em Marte, os marcianos nao tinham dividas, tinham pleno emprego, habitaçao e as malgas tinham sempre qualquer coisa para mastigar. Tambem nao haviam dividas privadas nem de cartoes de credito.
    .
    O CC(CP) tomava conta de tudo!!!! Os marcianos eram parte do “aparelho productivo” que, na China de chama de “Dan Wèi”.

  82. Viriato permalink
    1 Fevereiro, 2013 12:22

    Caro LR,
    Note que o eixo vertical secundário do seu interessante gráfico de síntese tem a escala desalinhada.

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 34.890 outros seguidores

%d bloggers like this: