Saltar para o conteúdo

Veja “Águas do Minho: isto é um “roubo”!” no YouTube

10 Abril, 2020

Pelo país fora estão a “nascer” novas empresas de gestão de águas. O problema é que com estas novas concessões, inexplicavelmente, os preços dispararam provocando um aumento exponencial da factura da água.  Além disso, detectei que estão a cobrar ilegalmente saneamento a quem não o tem. 

Por esse motivo urge informar as pessoas de todo o país dos seus direitos e exigir a reposição da legalidade a quem, de forma abusiva, sistematicamente atropela a lei para servir lobbys. 

Há ainda uma petição que entretanto a sociedade civil unida fez circular com o seguinte objectivo: ” (…)  pedir a revogação de contrato, passando de novo para as autarquias e com isso regressando aos valores facturados antes desta concessão. Neste sentido, o objectivo é que deixe de ser das Águas de Portugal/águas de alto Minho (ADAM) para voltar a ser dos respectivos municípios. Contesta-se assim o aumento exponencial dos valores ora facturados, nomeadamente no que se refere às taxas fixas, periodicidade das mesmas, transmissão de dados (que não cumpriram as normativas da lei de protecção dados), da criação, por parte da ADAM, de débitos directos nas nossas contas sem consentimento escrito para o efeito, entre outras irregularidades logísticas e processuais.”

Mesmo que não resida no distrito de Viana do Castelo  peço para que assinem todos, porque ajudar hoje este distrito é colaborar para que outras regiões com os mesmos problemas ganhem força para também possam lutar pelos seus direitos. 

Junte-se a nós! Leia e por favor assine: 

https://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT96631&fbclid=IwAR37SepYzHFmTLUvcVZI9xPD0q-4CGVzVk_cwUr8clNcKVSA0lKaO2aunlQ

 

 

29 comentários leave one →
  1. Weltenbummler permalink
    10 Abril, 2020 11:39

    com kosta o rectângulo mete água por todos os lados

    Gostar

  2. 10 Abril, 2020 11:58

    Done

    Gostar

  3. Vasco Silveira permalink
    10 Abril, 2020 12:37

    Cara Senhora
    Bravo: fez a descoberta inédita que as empresas públicas ( ou municipais, é a mesma coisa ou pior) são mais eficientes.
    Porventura poderão, a curto prazo, ter Preços mais baixos, mas que serão subsidiados pelo dinheiro dos contribuintes, dado que os CUSTOS serão naturalmente mais altos.

    se quisermos entrar naquela demagogia bonita que faz as delícias dos telejornais ( Julgo eu; não os vejo- são estupidificantes)podemos dizer que a água é um bem público, como o ar, e deveria ser gratuita; a saúde não tem preso, e assim por diante. Sóq ue isso acaba quando se acaba o dinheiro dos contribuintes…!

    Cumprimentos

    Vasco Silveira

    Liked by 1 person

    • 10 Abril, 2020 13:09

      Está definitivamente a confundir a nuvem com Juno…
      A questão não é de eficiência (NÃO é eficiência “cobrar ilegalmente saneamento a quem não o tem”) – mas de Lobbies (característico do Capitalismo de Compadrio do Estado com a Plutocracia).
      Os intervencionistas hão-de dizer que a culpa é dos capitalistas – quando estão em mancomunação intervencionista rendosa com a Plutocracia…
      Redunda sempre o socialismo:
      ~  na mancomunação do compadrio da ‘Nomenklatura’ ou ‘Vanguarda do Povo’ com os Plutocratas.
      Só os nomes variam para o povo ficar vário…
      Só os nomes variam para o povo ficar vário… (Chávez/Maduro, Lula, Sócrates, ‘Nomenklatura da URSS, etc.)

      Gostar

    • Filipe Bastos permalink
      10 Abril, 2020 14:38

      “Lobbies (característico do Capitalismo de Compadrio do Estado com a Plutocracia) … Redunda sempre o socialismo”

      Ó Kubo, não percebi: então é capitalismo ou socialismo?

      Socialismo não parece; não se vê onde está a redistribuição, ou a gestão colectiva dos meios de produção. Mas vê-se concentração da riqueza e uns poucos a mamar. Logo, parece capitalismo, não é?

      Então e o tal “compadrio do Estado com a Plutocracia”: afinal quem são os plutocratas… não são capitalistas?

      E esse tal compadrio, acha que há algum capitalismo onde isso não acontece? Onde quem tem muito dinheiro não controla o Estado, as leis e tudo o resto? Acredita nisso?

      E… os socialistas é que são utópicos?

      Gostar

      • 10 Abril, 2020 17:27

        «Socialismo não parece; não se vê onde está a redistribuição, ou a gestão colectiva dos meios de produção.»
        Vejo que acredita na Retórica socialista; conceitos com ‘Estórias p/ Totós’ p/ iludir Totós (Como habitual os incautos caem na esparrela: “com papas e bolos se enganam os tolos”…). Veja o que se passou na URSS, onde a redistribuição e a gestão (colectiva? Não porque o ‘Colectivo’ é definido pela ‘Vanguarda da Classe Operária’ porque muito Douta; nunca pelo Colectivo…) era feita pela ‘Nomenklatura’ – p/ a ‘Nomenklatura’!… Aprofunde o que se passou/passa no país modelo do ‘Socialismo do Séc. XXI’: Venezuela…
        «Mas vê-se concentração da riqueza e uns poucos a mamar. Logo, parece capitalismo, não é?»
        É notório que o conceito que tem de Capitalismo é o que assumiu como verdadeiro pelos Catedráticos de Catedratices dominantes – que p/ eles tudo é válido é a vacuidade socialista p/ iludir Totós c/ as suas adoradas ‘Estórias p/ Totós’!
        . “O Capitalismo de Compadrio/Capitalismo de Estado/Socialismo é a Plutocracia irmanada – sempre – com a Nomenklatura estatista.
        A Plutocracia conviveu sempre bem com o Socialismo – não tivessem eles em comum a mama do Estado… O Capitalismo de Estado é incentivado pela Plutocracia, pois esta sabe que os Socialistas do Estado, como ela, adoram fazer negócios com o dinheiro dos outros – que mais não são que os contribuintes.
        A Elefantíase do Estado é o distintivo da relação, sempre incestuosa, do Socialismo e da sua indissociável Plutocracia.”
        . «Para tanto o plutocrata age no meio económico e no meio político sempre pelo mesmo processo – corrompendo. Porque estes indivíduos, a quem alguns também chamam grandes homens de negócios, vivem precisamente de três condições dos nossos dias: a instabilidade das condições económicas; a falta de organização da economia nacional; a corrupção política.»
        . Como escreveu um Estadista (que não Estradista de suculentas PPP’s…): > “o plutocrata age no meio económico e no meio político sempre pelo mesmo processo – corrompendo. Porque estes indivíduos, a quem alguns também chamam grandes homens de negócios, vivem precisamente de três condições dos nossos dias: a instabilidade das condições económicas; a falta de organização da economia nacional; a corrupção política”.
        ~ «Toda a livre iniciativa é privada, mas nem toda a iniciativa privada opera em ambiente de livre iniciativa» – o que implica que muitos Privados preferem o Compadrio das Vantagens ao Livre Mercado, com preferência para possuirem Monopólio/Oligopólio suculentos.

        Ludwig von Mises: «Monopólios da indústria e do comércio devem suas origens não a uma tendência eminente da economia capitalista, mas a políticas intervencionistas estatais contra o livre-comércio e o laissez faire.» – Porque pensa que o Socialismo/Capitalismo de Compadrio do Estado detestam a Concorrência e adoram e arregimentam a formação de Monopólios/Oligopólios?: conforme escreveu Orwell: “Todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais do que outros”… Daí a sempre adorada ‘Nomenklatura’ que são mais iguais do que outros”…

        «Os socialistas, como outros adeptos do monopólio, desejam fazer da lei seu próprio instrumento», Frédéric Bastiat (1850).

        Gostar

    • Cristina Miranda permalink
      10 Abril, 2020 15:19

      As empresas públicas não têm fins lucrativos mas isso não significa q não os devam ter. Muito pelo contrário: o objectivo é gerir eficazmente um recurso e os lucros gerados têm de reverter a favor do consumidor no melhoramento dos serviços e preços baixando-os. Isto é o conceito. Aprende-se na escola. O q acontece NA PRÁTICA é q os ladrões do costume APROPRIAM-SE das empresas públicas para se servirem e engordarem as contas bancárias enquanto empobrecem o contribuinte. Se houvesse uma gestão CORRECTA E SÉRIA com o Estado a fiscalizar cada movimento e pôr no olho da rua qualquer indivíduo q prevaricasse, não teríamos a corrupção a q assistimos em Portugal. E por ser assim em Portugal desde 74, é claro q você e outros não fazem ideia de q é possível gerir a coisa pública de forma a ser amplamente vantajosa para todos os contribuintes.

      Liked by 2 people

  4. Procópio permalink
    10 Abril, 2020 12:42

    O saque é a marca da geringonça. Tiram o que podem à sorrelfa, e muito, para devolver migalhas que a sua gente aprecia. A impunidade é o seu sombrero.

    Liked by 1 person

  5. 10 Abril, 2020 12:46

    Ou de como os municípios estão a preparar a privatização do abastecimento de água potável e águas residuais… não serão os primeiros…

    Iniciativa Público –> Privada…

    Gostar

  6. Pedro Pacheco permalink
    10 Abril, 2020 13:51

    Cara Cristina, parabéns pelas seus artigos. Sempre muito pertinentes.

    Liked by 2 people

  7. Pedro Pacheco permalink
    10 Abril, 2020 13:52

    *Digo, pelos.

    Liked by 1 person

  8. Albano Silva permalink
    10 Abril, 2020 14:59

    Ora, eu não vejo as coisas dessa forma. Entendo que o dinheiro dos contribuintes é mais usado em favor do consumidor quando um sector de fornecimento público se faz sob administração pública, como é o caso dos transportes, por exemplo. Quando um serviço, como o das águas passa para administração privada, sem subsídios, paga-se o valor real do fornecimento mais uma verba para manutenção das estruturas, mais uma margem de lucro. Ou seja, sem encargos encapotados adicionais para o contribuinte. Isto não valida lucros excessivos. Estes têm de ser acordados com a concessionária.
    Sobre a facturação de serviços não existentes, como esgotos onde eles não existem, aconteceu comigo. Porém, após um mail a chamar a atenção para essa “anomalia”, o assunto foi de imediato resolvido na facturação.
    Para que conste, não sou adepto de monopólios ou lucros excessivos.

    Gostar

    • Cristina Miranda permalink
      10 Abril, 2020 15:09

      A câmara municipal de paredes de Coura recebe uma percentagem do q é cobrado pela nova empresa. O mesmo estará a acontecer com os restantes municípios q aderiram. Não. Não são só “custos” operacionais. Há muito mais por detrás q a sociedade civil está a desmascarar.

      Gostar

      • Albano Silva permalink
        10 Abril, 2020 17:07

        Cristina: concordo que haja “… muito mais por detrás q a sociedade civil está a desmascarar” e sempre aplaudirei e suportarei esse desmascaramento. E no meu entender isso passa, essencialmente, por desmascarar e reprovar alguns métodos autárquicos. Como sabe, muitos deles, como a criação de empresas municipais, para camuflar despesas e sacar mais aos munícipes sob o manto de “empresas privadas”.
        Mas também é sob este manto que conseguem fornecer àqueles os serviços mais consonantes com o seu custo. E não afecta tanto os votos. Percebe-se.
        Portanto, trata-se. no fundo, de um fornecimento público com a “mão atrás do arbusto” e não de gestão privada; a que parece ser criticada.

        Gostar

  9. Filipe Bastos permalink
    10 Abril, 2020 15:20

    “Quando um serviço, como o das águas passa para administração privada, sem subsídios, paga-se o valor real do fornecimento mais uma verba para manutenção das estruturas, mais uma margem de lucro.”

    Como é óbvio, Albano. Só fanáticos da igreja chamada ‘mercado’ não o vêem.
    São tão otários, tão lorpas, que acreditam piamente numa suposta ‘eficiência’ mágica dos privados que permite o triplo milagre de melhor serviço, menor preço, e ainda ter lucros fantásticos.

    Como se o privado, mesmo que seja mais eficiente, não aumentasse o preço até ao máximo possível que consiga espremer do cliente.

    Como se a concorrência e a famosa ‘mão invisível’ das fantasias direitalhas não tendesse sempre para cartel, oligopólio ou monopólio. Como se os privados fossem cegos, ou não falassem entre si para mamarem todos o mais possível.

    Os fiéis direitalhas acreditam mesmo em milagres. O engraçado é que acham que só os esquerdalhas são utópicos.

    Gostar

    • 10 Abril, 2020 15:37

      “Como se a concorrência e a famosa ‘mão invisível’ das fantasias direitalhas não tendesse sempre para cartel, oligopólio ou monopólio. Como se os privados fossem cegos, ou não falassem entre si para mamarem todos o mais possível.”

      Essa é a função do estado regulador. E é isso que claramente não temos neste caso e por exemplo na energia.

      Liked by 1 person

    • Filipe Bastos permalink
      10 Abril, 2020 15:52

      Ah sim, o mítico ‘Estado regulador’.

      Quando confrontada com o seu delírio de um mercado livre e perfeito, a direita lá concede um Estadozito – mas atenção, só para regular!

      E quando inevitavelmente a regulação e os pulhíticos se tornam fantoches de mamões, de quem é a culpa? Do Estado, claro. Até há quem diga, como se vê por aqui, que é do ‘socialismo’.

      Nunca do capitalismo chulo e mamão que tudo compra, tudo corrompe; nunca dum modelo que privilegia o capital sobre o trabalho, a ganância sobre o bem comum. Nah, isso nunca.

      Gostar

    • Albano Silva permalink
      10 Abril, 2020 21:20

      Sr. Bastos: o que escrevo, pode parecer, mas não deriva de qualquer inclinação ideológica. Trata-se somente de defender o que é justo. É meu timbre seja no que for.

      Gostar

  10. Expatriado permalink
    10 Abril, 2020 16:09

    E o “Samba de uma nota só” continua. Ai balha-me São Cristóvão…

    Gostar

  11. George Young permalink
    10 Abril, 2020 17:19

    O povo é sereno.
    Mas não é manso
    Apertou o cinto com Centeno
    Está farto de bancar o tanso

    Liked by 1 person

    • Filipe Bastos permalink
      10 Abril, 2020 17:45

      É sereno, é manso, é corno, é carneiro.

      Se o não fosse, há muito que a classe pulhítica e banqueira não poderia sair à rua. Há muito que as sedes do PS, PSD e restante esgoto partidário estariam destruídas à pedrada.

      Em vez disso, é vê-los impunes. Todos eles. É ver o Bosta, o Trafulha 44, o Pinho da EDP, o Campos das PPP, o Relvas, o Coelhone, o Loureiro, a Dona Portas e um longo etc. a gozar a riqueza chulada e roubada.

      É ver o Mamão Mexia a saquear tranquilamente o país. É ver o Mamão Salgado tranquilamente na sua mansão. É ver o Oliveira e Costa a morrer tranquilamente de velhice em casa, não na cadeia, como todos os outros farão.

      É isto Portugal. Mama tranquila, impunidade garantida. Um país de carneiros serenos e cornos mansos.

      Liked by 1 person

  12. Desalinhado permalink
    10 Abril, 2020 18:25

    Já percebi: mandam-nos lavar e desinfectar com frequência as mãos e depois aproveitam para aumentar o preço da água ao consumidor.
    Quanto mais lavas as mãos mais desinfectado ficas, mas não te livras do vírus no facturamento da água.
    Lá está, é tudo uma questão de gestão de recursos que certos espertos aproveitam em benefício próprio.
    Já na factura da luz somos obrigados a pagar a RTP, que de serviço público não tem nada, e temos por lá fantoches, como o Jorge Gabriel, a sacar 21 mil euros por mês, a morcona da Sónia Araújo a levar 18 mil euros para casa ou a Catarina Furtado a engrossar a conta bancária com 30 mil euros mensais, ou sustentar o lobby gay com os Carlos Malatos e a Filomenas Cautelas, ou ainda a insistência da porcaria de um programa como Joker, em horário nobre, conduzido por um parvalhão como o Vasco Palmeirim.
    Realmente este país está a precisar de alguém que meta esta escumalha na ordem.

    Liked by 1 person

  13. EMS permalink
    10 Abril, 2020 21:19

    Até acho graça ler um post destes num blog onde noutros tempos até se defendia a privatização de rios.

    Gostar

    • Cristina Miranda permalink
      11 Abril, 2020 10:29

      Há gente aqui q não distingue o rabo, das calças. Esta nova empresa não é privada. Enfim.

      Gostar

      • EMS permalink
        12 Abril, 2020 18:25

        É uma empresa com accionistas. Nada me espanta que os accionistas apesar de por agora serem entidade publicas não se comportem como os accionistas privados.
        Ou seja, o que os move não é necessariamente a prestação de um serviço mas sim a obtenção de lucro. Acho que estamos de acordo quanto a isso.

        Gostar

  14. 11 Abril, 2020 08:37

    Todo o pensamento do “hominídius socialisticus” , todas as suas atitudes e comportamentos são as de um “mamão dialectico” em que vê o seu reflexo , da ganância e da inveja, nos outros. E não vale a pena considerar que na fachada dele faça de conta que politicamente é contrário, pois isso também faz parte da sua dialéctica. Ou seja, além da ganância e inveja que autoriza o roubo é um mentiroso compulsivo sem ter consciência daquilo que é e fazer tudo por tudo para não a ter.

    Liked by 1 person

  15. 11 Abril, 2020 09:06

    O comentário anterior quer apenas dizer que a maior parte das “empresas capitalistas mamonas” nesta e noutras áreas municipais e estatais são apenas empresas públicas (basta ver a estrutura accionista delas) geridas por mamões socialistas travestidos de privados e supostamente capitalistas

    Liked by 1 person

  16. Velho do Restelo permalink
    12 Abril, 2020 11:03

    Cristina, este seu artigo assume características bem diferentes dos habituais.
    Foca um problema demasiado regional, ou mesmo local, e as evidências são escassas.
    Dei-me ao trabalho de comparar o tarifário da ADAM com da SMAS (Sintra), e simulei mesmo uma factura com ambos e a diferença
    encontrada foi duns cêntimos.
    Acredito que alguns consumidores do Minho tenham visto as suas facturas aumentadas com a adopção dum novo tarifário, mas isso não é um aumento exponencial, pode eventualmente ser um aumento exorbitante mas pontual.
    Pode mesmo haver aí um processo de equalização de tarifários a nível nacional, que pode ser discutível!
    Quanto “aos atropelos à lei”, convinha identificar as leis atropeladas.
    Além disso, o site da ADAM dispõe dum livro de reclamações electrónico onde essas questões deveriam ser expostas numa 1ª fase.
    Não podemos acusar as empresas públicas de absorverem os nossos impostos com os seus prejuízos às 3ªs e 5ªs feiras, e às 2ªs, 4ªs e 6ªs acusá-las de obterem lucros!
    Se há situações de má gestão, ou aproveitamento ilícito, então devem ser denunciados!
    A Sandra Felgueiras é dessa zona, pode dar uma ajuda!
    Pedir a reversão dum processo desses só porque “não gostamos”, não me parece realista, mas boa sorte para a petição.
    Se o meu banco me fizer um débito directo sem meu consentimento, eu vou queixar-me 1º no meu banco e depois no Banco de Portugal e não à empresa que fez a cobrança !
    Atenção que anda por aí muita gente distraída que assina papeis sem ler, e depois vai à DECO queixar-se !

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: