Skip to content

Sobre a “morte assistida” ou mais precisamente sobre ma fraude deliberada de linguagem.

31 Janeiro, 2017

José Ribeiro e Castro: Isto da “morte assistida” é uma hipocrisia e uma mentira pegada. Uma fraude deliberada de linguagem. Morte assistida é o que se passa todos os dias nos hospitais, com os doentes que são cuidados clinicamente até ao último momento. Morte assistida é o que se passa naquelas famílias que assistem e acompanham, com carinho, os seus familiares nos últimos dias e momentos de vida. O meu irmão morreu, há pouco, assistido, no hospital. A minha avó paterna morreu, assistida, em casa, quando eu era criança. É a primeira morte de que me lembro. O meu avô materno morreu, assistido, no hospital. O meu avô paterno morreu, assistido e acarinhado, em casa de meus pais. A minha mãe, a minha avó materna e o meu pai morreram todos subitamente, pelo que não foram assistidos. O médico e a família apenas puderam constatar os óbitos.
Não se pode despenalizar a morte assistida, porque a morte assistida não está penalizada. A assistência na morte é um dever de todos os próximos dos moribundos: médicos, familiares, outros profissionais de saúde, cuidadores em geral. Não só é legal, como é devida.
Este debate não é sobre morte assistida. Este debate é sobre eutanásia, isto é, sobre morte provocada.
Também eu, se não morrer de morte súbita, ou violenta, ou de acidente, terei certamente uma morte assistida: ou em estabelecimento de saúde ou social, ou em minha casa com a família. Não temos que nos preocupar com isso. Já é assim

Advertisements
19 comentários leave one →
  1. 31 Janeiro, 2017 23:35

    Já é assim é andar o Ministério da Saúde a enviar mails às pessoas para fazerem Testaemnto Vital.

    Isso é que já é assim. E na Associação Alzheimer vendem o mesmo

    Liked by 1 person

  2. Pedro Oliveira permalink
    31 Janeiro, 2017 23:35

    Mas a CRP não proíbe o assassínio?

    Liked by 1 person

    • 31 Janeiro, 2017 23:36

      Se proibisse não tinham obrigado os médicos a praticarem aborto.

      Agora é só mais um passo nos “direitos de saída”. É o multitasking: num momento estão a tratar, no outro a matar.

      Gostar

  3. Pedro Oliveira permalink
    31 Janeiro, 2017 23:42

    Eutanásia… A causa fraturante do momento. A próxima deve ser a … Eugenia.

    Liked by 2 people

  4. sam permalink
    1 Fevereiro, 2017 00:15

    A verdade é que as pessoas estão mesmo a precisar de ajuda para matar-se.
    Isto de estarem sempre a saltar para a frente dos comboios tem de acabar.
    Já estou farto dos atrasos.

    Gostar

  5. 1 Fevereiro, 2017 00:28

    Estamos em 2017 a viver em pleno num Regime Marcelista. E não é por causa do nome do Presidente da República.
    O anterior Regime Marcelista que vivemos(os que o viveram), surgiu na sequência da Ditadura Salazarista. Foi também uma geringonça desajeitada, mas que, por força de assentar no Regime Salazarista, que fora forte e bem organizado, ainda se aguentou meia dúzia de anos.
    Este que estamos agora a viver vem na sequência de um Regime Democrático que degradou toda a sociedade portuguesa e que depois de desbaratar o que de bom vinha ainda do Regime Salazarista, passou a viver de “balões de oxigénio”. Apertos após bancarrotas, e muitos fundos comunitários mal aplicados porque caíram nas mãos dos mesmos que provocaram as bancarrotas.
    Este Regime Marcelista, na minha perspectiva, já não vai durar 6 anos. Porque o Mundo está a mudar e a mudança acaba por chegar a Portugal. Mais depressa do que noutros tempos.
    Creio que não sou o único a ver a política portuguesa assim.
    Acrescento apenas o seguinte. Para mim estão errados os que dizem que neste tempo de crise não aparecem estadistas. Prefiro referir que as crises é que fazem aparecer os estadistas, os tais que ficam na História. E em Portugal, acredito que alguém já estará no terreno a posicionar-se para protagonizar a mudança que o país precisa, a bem dos portugueses. Ou da Nação, como se dizia antigamente.
    Portugal agradece. A escumalha nacional de sempre vai fazer tudo para impedir a mudança que lhe vai retirar privilégios não merecidos.

    Liked by 2 people

  6. javitudo permalink
    1 Fevereiro, 2017 00:32

    A escumalha nacional é vasta e recomenda-se enquanto não soprar o vento.

    Gostar

  7. 1 Fevereiro, 2017 00:36

    Defender a morte em nome da qualidade de vida. O quê?

    “Direito de morrer”? A morte não é uma opção, é um facto biológico. Logo, não há direito, há um dever a morrer.

    “Suicídio assistido” ou “homicídio assistido”?

    Morte digna? Se se preocupassem em criar condições para uma vida digna desde a concepção até à morte natural.

    Eutanásia para poupar dinheiro nos cuidados paliativos!

    Fazer a eutanásia nos hospitais e acabar com o abate de animais nos canis – lógica de penico.

    Vamos lá, pela VIDA:

    http://o-povo.blogspot.pt/2017/01/1-fev-manifestacao-stop-eutanasia.html

    Liked by 1 person

  8. JCA permalink
    1 Fevereiro, 2017 11:46

    E sob a forma de ‘reality show’ em direto e ao vivo mais sofisticada que as matancas em curso em especial no Medio Oriente,
    .
    onde nao ha Constituicao para defender a Vida dos cidadaos contra a morte, miseria e demais direitos civilizacionais
    .
    transversais a todos os espetros partidarios excetuando os totalitarismos, fanatismos ou extremistas qe os ha dum lado ou do outro ou dalgum centro:
    .
    .
    (Don’t panic – there’s no evidence nuclear war is on the horizon)

    WATCH: How far away would you need to be to survive a nuclear blast?
    It’s not just the radiation you’d need to worry about.
    .
    http://www.sciencealert.com/watch-how-far-away-would-you-need-to-be-to-survive-a-nuclear-blast
    .
    E pouco mais ha a dizer salvo se pretendermos filosofar com eugenias como por exemplo de deficientes substituidos pelos velhos, tudo descartavel segundoimandariam uns afinal deuses que se arrogam a defender a Vida ou a Morte dos iguais a eles.E tudo em versao de veludo em vez de fornos crematorios.
    .
    Naturalmente cada um temperara qb e degustara conforme lhe apetecer ou convier.a preceito pessoal
    .

    .

    Gostar

  9. 1 Fevereiro, 2017 13:01

    Quando é que o povo acorda e detém os ideólogos da batata podre cujo avanço civilizacional é baseado no aborto, na eutanásia, na homossexualidade, na mudança de sexo, na falta de respeito e na pouca vergonha?
    Esses ideólogos andam a pedir um Trump nas trombas!

    Gostar

  10. Arlindo da Costa permalink
    1 Fevereiro, 2017 20:05

    relativismos bobos. tenham juízo!

    Gostar

  11. 2 Fevereiro, 2017 00:42

    Eu sou a favor do suicidio, e do suicidio “assistido”. Compreendo os dilemas juridicos e mesmo malignos que podem surgir daí, provenientes dos “humanistas”. Para mim não se trata da treta rectórica vazia e pseudo-moralista da “dignidade humana”. Para mim é uma questão de acabar com agonia do meu sofrimento físico no fim da minha vida. Não preciso de nenhum assistente dêem-me só para as mãos o material para o fazer, no momento em que já não aguentar mais e eu o requisitar voluntariamente.
    E para todos aqueles que acham que agonia do sofrimento tem de ser sofrida até ao fim. Aposto que nunca tomaram um comprimido para as dores, ou quando vão ao dentista ou fazem um procedimento cirurgico, fazem questão de não tomar anestesia. Porque vos digo se acham que os cuidados paleativos ou a medicina está tão avançada que as drogas conseguem evitar a agonia inimaginavel de muitos doentes em fim de vida, então talvez nunca viram sofrer, nem nunca sofreram nada.

    Gostar

    • JCA permalink
      2 Fevereiro, 2017 14:28

      .
      Com o devido respito,
      .
      “Para mim não se trata da treta rectórica vazia e pseudo-moralista da “dignidade humana”. Para mim é uma questão de acabar com agonia do meu sofrimento físico no fim da minha vida. “.
      .
      Acaba quando quiser “com agonia do meu sofrimento físico”, nunca foram precissas leis ou precisa de leis para legitimar o apenas seu ou dalgum consentimento de terceiros ?
      .
      Desde mais recente, os nazis e o cianeto ate aos no Imperio Romano passando pela pre-historia foram precisas algumas leis para banalizarem a coisa ?
      .
      Obvio triste para quem defende que Vida luta sempre por vida contra a morte. Especialmente triste para quem ja teve a vivencia dos apanhar aos bocaditos paa um saco de plastico onde surge em todo o esplendor a explicacao de Vida. Fico feliz por a Vida o ter protegido do que realmente eh Vida nua e crua e o dexar flutuar no sonho que eh tao bom e tao leve quica mesmo a felicidade da teoria. Como estar a olhar em sossego absoluto para o mar vasto sentado numa rocha, sozinho, so com o proprio e a vestidao. Mas a tal Vida nua e crua eh outra coisa. Quica infelizmente, mas eh assim.
      .
      Contudo respeito a sua narrativa. Desde que seja feliz pensando-a nao tenho o direito de o atrapalhar ou abater esse seu momento Apenas seu.
      .

      Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: