Saltar para o conteúdo

Guterres pela Verdade

2 Dezembro, 2020

António Guterres recrutou, através das Nações Unidas, 110.000 “influencers” para espalhar nas redes sociais aquilo que considera ser a sua verdade sobre a Covid19.

Há gente que não lida maravilhosamente com a Liberdade de expressão nem com os Direitos Humanos.
Com ou sem teorias da conspiração, os tiranetes vão surgindo e são reais.

Explico porquê no meu video de hoje:

A fonte da história está disponível no website do Fórum Económico Mundial, a agência de comunicação referida é esta e o respectivo dono é este.

Deixem-se de gritarias eco-betas contra os eucaliptos e…

29 Novembro, 2020

ajudem a MONTIS a anagariar os 2650 euros que lhes faltam para reconverter numa mata biodiversa uns eucaliptais sem préstimo na Pampilhosa da Serra. É só clicar aqui A campanha só dura mais uma semana.

PS. Digamos que só faltam duas camisolas e uns trocos das da mulher do Paddy Cosgrave.

A demagogia em torno da violência policial

29 Novembro, 2020

No mundo-bolha dos jornalistas, políticos e activistas (esse mundo-bolha em que se desliza por ciclovias e não em comboios apinhados, esse mundo-bolha em que só se ouvem as músicas do mundo e não o inquietante ruído de passos num corredor do metro, esse mundo-bolha em que se fazem compras em lojas tradicionais e não em supermercados de baixo preço em cujo interior os seguranças, quase sempre negros, parecem cada vez mais altos) nesse mundo-bolha, repito, os polícias só são notícia quando erram, como aconteceu na esquadra de Alfragide. Caso contrário, por exemplo quando são atraídos a emboscadas, resta-lhes o Correio da Manhã e umas notícias breves para que os fact check possam garantir que se abordou o assunto.

Realmente a vida está difícil

28 Novembro, 2020

Que o diga o senhor Paddy Cosgrave com aquele ar de adulto podre de rico que quer parecer jovem universitário progressista a viver de uma bolsa enquanto nos explica que nos faz um favor em só nos cobrar 11 milhões de euros por uma conferência virtual.

Para rentabilizar o momento o senhor Paddy Cosgrave surge na foto com a nova versão da camisola da empresa da sua mulher. O tricozinho custa a módica quantia de 900 euros (a do ano apassado andava pelos 800 mas era um pouco mais feiosa).

De facto o melhor é senhor Cosgrave concretizar a sua ameaça e ir com a sua summit para a Ásia (quanto às camisolinhas da esposa talvez as acabe a trocar muito convenientemente por um casaco made in China )

Negociar com a “extrema direita fascista”

28 Novembro, 2020

António Costa não tem negociações com o Chega. Mandou três secretários de estado implorar o “voto certo” de André Ventura, à vista de todos e em directo na tv:

Viram algum rasgar de vestes nas hostes socialistas?

Os jornalistas denunciaram o perigo da junção entre nacionalistas e socialistas?

Carta aberta à TVI sobre reportagem “Grupo polémico que contesta os perigos da C0v1D”

27 Novembro, 2020

Não é a primeira vez que André Carvalho Ramos “jornalista” da TVI (está entre aspas porque de jornalista só tem a carteira) manipula, mente, trunca, enviesa com base em meias verdades temas que contrariam as narrativas oficializadas. Eu denunciei isso por 2 vezes aqui e aqui. Nesta reportagem a Dra. Margarida tem a entrevista truncada sistematicamente sem que pudéssemos ouvir um raciocínio completo dando a entender que ela não sabe o que diz. Vergonha.

O que é irónico é ver gente que não tem carteira de jornalista a ser mais honesto, isento e mais investigador que os que se autodenominam como tal como é o caso de Sérgio Tavares ex-correspondente da Rádio Renascença cujo o exemplo é inspirador na busca da verdade.

Analisando a porcaria (sim porcaria!) de reportagem que ousaram colocar no ar, irei um a um demonstrar COM FACTOS CIENTÍFICOS o que os mass media dizem não existir e assim, DESCONSTRUIR a vossa narrativa propagandista do medo: Ler mais…

Nostalgia

27 Novembro, 2020

De manhã abre-se os jornais, ouvem-se as rádios e há aquela falta. Um vazio. Aquele obrigatório que se sumiu… Falo das duas notícias obrigatórias sobre o Trump: uma invariavelmente a dar conta da sua maldade, outra, em estilo anedota, a ilustrar a sua estupidez. Agora os autores desses tópicos obrigatórios à obtenção do cartão de bom cidadão andam perdidos. Buscam um novo Trump. Vá lá não desesperem… Novos dias virão.

26 de Novembro de 1975: o dia em que Jaime Neves salvou as Forças Armadas Portuguesas do ódio e da vergonha

26 Novembro, 2020

8h da manhã – Jaime Neves à frente dos comandos começa a subir a Calçada da Ajuda onde ficavam os quartéis de Cavalaria 7 e da Polícia Militar.

Na rua já só está a extrema-esquerda. Ainda o dia 25 não chegara ao fim e já o PCP tinha mandado recuar os seus militantes. Horas depois Melo Antunes declarava que o Partido Comunista é indispensável à democracia.

Na manhã desse dia 26 de Novembro, em Lisboa, aos radicais só restam os quartéis de Cavalaria 7 e da Polícia Militar na Calçada de Ajuda. Durante a noite, com manifesta falta de prática, tentam cavar barricadas. Mas o amanhecer traz o inevitável: às 8h da manhã do dia 26 de Novembro Jaime Neves à frente dos comandos começa a subir a Calçada da Ajuda.

Jaime Neves tem garantias de que os militares dos quartéis de Cavalaria 7 e da Polícia Militar se vão render.

Mas quando os comandos esperavam que a Polícia Militar se rendesse foram atacados à traição. Dois comandos, o tenente Coimbra e o furriel Pires, caem mortos.

Dir-se-á mais tarde que foram disparos de civis, a quem tinham chegado as tais armas que Otelo dizia estarem em boas mãos. Mas no quartel da PM muitos militares vestiam à civil e os civis vestiam à militar! E é então que Jaime Neves mostra porque lhe deve ser prestada homenagem pois portou-se como militar e não como o chefe de uma milícia de tropa falperra: o portão da Polícia Militar foi forçado com um chaimite, os comandos treparam pelos muros do quartel e tomaram conta da situação. Há mais um morto, o aspirante da PM José Bagagem, morto por estilhaços de granada.

Não há tiroteios nem retaliações. Repito, não há tiroteios nem retaliações. Jaime Neves consegue controlar os seus homens que se consideram traídos naquele que define como um dos momentos mais difíceis da sua vida.

(26 de Novembro de 1975.  Chaimite de Jaime Neves. A acção na Calçada da Ajuda chegara ao fim. Foto retirada do livro “Memórias da Revolução” de Manuel Amaro Bernardo)

Ainda não tinha chegado ao fim o dia 26 de Novembro e já os soldados da PM deixavam o quartel e vão para casa. De licença. Mais estranho foi o que se encontrou dentro do quartel da PM: civis detidos, alguns deles menores de 16 anos, ali mantidos sem qualquer mandato, espancados, humilhados…

O comando do Regimento de Polícia Militar foi detido: majores Campos Andrade, Tomé e Cuco Rosa. Logo associações várias portuguesas e estrangeiras se preocuparam com a sua situação. Vigílias e artigos compungidos vão dar conta do seu dia a dia em Custóias e Caxias. O costume.

Jaime Neves merece sem dúvida ser recordado pelo que fez a 25 de Novembro de 1975. Mas pelo que conseguiu fazer a 26 de Novembro merece muito mais.

A nova religião oficial

26 Novembro, 2020

As explicações devidas por António Costa

25 Novembro, 2020

António Costa deve explicações sobre por que razão Portugal terá no final deste ano um excesso de mortalidade geral bastante mais significativo do que a Suécia, país onde não houve encerramento compulsivo de actividades, sem obrigatoriedade do uso de máscaras e apenas com recomendações sanitárias básicas.

E, ao contrário da Suécia que tem uma dívida pública de 40% do PIB, Portugal com mais de 135% de dívida foi dos países europeus que mais aumentou o que se traduzirá em carga fiscal acrescida nos próximos anos.

Estas e outras considerações no meu video de hoje:

45 anos depois os imprestáveis das picaretas mandam em Portugal

25 Novembro, 2020

Esta fotografia foi feita na noite de 25 para 26 de Novembro de 1975 quando militantes da extrema esquerda se concentram na Calçada de Ajuda e cavam barricadas para desse modo impedirem a passagem dos carros dos comandos em direcção aos quartéis de Cavalaria 7 e da Polícia Militar.

Esta fotografia é um símbolo da extrema esquerda, da sua incapacidade para fazer qualquer obra (não devem ter conseguido cavar mais que uns centímetros de profundidade!); da sua falta de realismo (a sério que acreditavam que os comandos não passariam por causa do alcatrão esburacado?), da sua irresponsabilidade (alguns destes militantes estavam armados e são eles com fundamento ou sem ele que os militares de esquerda revolucionária vão acusar de ter morto dois comandos na calçada da Ajuda). Mas há mais nesta foto: a luta pelo poder para lá dos votos. Em 1975 usavam as picaretas. Em 2015, a aritmética colocou-os no poder. Já antes disso, muito antes até, tinham-se deixado de picaretas e armas, e usavam as causas fracturantes para impor o modelo de sociedade que nunca conseguiram sufragar.

Não sabiam cavar barricadas, não sabiam sequer pegar numa enxada ou numa picareta mas sabiam muito bem que a sua vocação era mandar. Agora mandam.

O governo mais incompetente que já tivemos na democracia

25 Novembro, 2020

Como é possível o falhanço e o caos que se instalaram este ano na campanha de vacinação contra a gripe?

Há anos e anos que têm lugar em Portugal campanhas de vacinação contra a gripe. Nunca aconteceu nada de semelhante.

Mordomias socialistas

25 Novembro, 2020

Socialistas de todos os quadrantes políticos sofrem da vertigem de gastar o dinheiro dos contribuintes em mordomias para uns poucos.

Se não fosse triste, era ridículo.

No entretanto, distorce-se o mercado com concorrência desleal para todos aqueles que têm no serviço de estafeta uma fonte de rendimento que lhes permite sobreviver, enquanto se acarinha com o dinheiro de outros um sector protegido como o dos táxis.

“Se o SNS funcionasse como os nossos tribunais administrativos já estaríamos todos mortos”

23 Novembro, 2020

José Manuel Oliveira Antunes: «É absolutamente normal, dentro da anormalidade em que tudo isto acontece, que uma decisão transitada em julgado na jurisdição administrativa, que condene por exemplo  um determinado Municipio a indemnizar um particular que com ele contratou, seja produzida tão tarde, que só virá a ser cumprida dois ou três mandatos depois daquela presidência da câmara que esteve na origem dessa contingência e desse prejuízo para o orçamento da autarquia. Ou seja, o prevaricador, já há muito tempo que está imune a qualquer sanção eleitoral pelos erros que cometeu.  É a irresponsabilidade total. Por seu turno, com decisões tomadas a esta distância dos factos, o particular lesado e agora com o  seu direito reconhecido, já faliu, já emigrou, já fechou ou já morreu.»

A ler. O último parágrafo é indispensável

23 Novembro, 2020

(imagem tirada daqui da Porta da Loja)

A normalização do PS

22 Novembro, 2020

Os socialistas precisam que nos indignemos com o que definem como normalização do Chega para que ninguém os confronte com aquilo que eles normalizaram: os abuso do poder de Sócrates. A mediocridade dos governos de António Costa. Agora o PS precisa de normalizar o espantalho do Chega para que não se lhes pergunte: como foi possível prometer tanto e realizar tão pouco?

sobre o manifesto dos 54

21 Novembro, 2020
by

Deveriam ter sido 55.

No Observador: O manifesto pré-eleitoral do Dr. Paulo Portas.

Há aqui um problema de aritmética ou de megalomania

20 Novembro, 2020

Adolfo Mesquita Nunes «Ao Chega, a direita precisava apenas de perguntar: quer chumbar o governo da esquerda ou o da direita? A mesma pergunta lhe poderia ser feita pelo Representante da República. » E já agora, o Chega aceitava que apenas se lhe perguntasse isso? Com a pergunta nesses termos o Chega provavelmente responderia que chumbava os dois governos, o de esquerda e o de direita. Era mesmo isso que o Adolfo Mesquta Nunes queria?

Quanto tempo precisa o PS para reciclar um perigoso ultra de direita numa figura consensual?

19 Novembro, 2020

Aconselho vivamente os possuídos pelo perigo representado por André Ventura a atentarem no percurso de Baśilio Horta, o Ventura dos anos 90. Ou de como de ogre da direita se acaba autarca apoiado pelo PS e não só.

Ai Chega, chega…

19 Novembro, 2020

Ainda a propósito do manifesto que saiu no Público, faço abaixo um registo dos sete artigos escritos individualmente no próprio dia 10 de Novembro e que a Oficina da Liberdade fez publicar no Observador nos sete dias seguintes:

Direita Caviar, por José Meireles Graça
Tu ne cede malis sed contra audentior ito, por Hélder Ferreira
Um tiro no pé, por Alexandre Mota
Alto lá que eu sou muito sério!, por Manuel Pinheiro
A direita do bem e dos bovinos, por José Bento da Silva
Direita Frágil, por Telmo Azevedo Fernandes
O camelo, por Ricardo Dias de Sousa

Este conjunto de artigos não é propriamente sobre o acordo dos Açores, nem sobre o Chega, mas sim sobre a húbris de quem pretende seccionar e colocar em gavetas herméticas diversas sensibilidades da Direita e distrinçar, qual juiz da Verdade, quem é pecador de quem é santo.

Chega de virtudes públicas.

Sobre a opacidade

18 Novembro, 2020

Maria João Avillez «Mais estranho ainda – as últimas estranhezas serão as primeiras – é a não indigitação de Vasco Cordeiro pelo Ministro da República: porquê? Não venceu ele a corrida? Não manda a Constituição que os que ganham sejam indigitados, formem governo e o levem ao parlamento? Então? Vasco Cordeiro não conseguiu formar governo? Não quis? Ou trocou o que acha ser um futuro político certo por um presente que seria obviamente incerto porque obrigado a uma coligação indesejada? Ou Lisboa… não deixou? E qual o papel de Marcelo nisto tudo? Que conversas tiveram e que combinações fizeram os que mandam no continente e nas ilhas? Em resumo: que se passou de tão subitamente diferente por aquele oceano e à revelia da Constituição? Desculpe o leitor tanta pergunta, mas mais opaco que isto não há. E no entanto… que eu saiba ou tenha visto alguém se ocupou da estranheza? E porquê? Ah, porque havia agenda mais premente e era aí que eu queria chegar hoje. A esse premente – deprimente: há quantas semanas nos bombardeiam, sarrazinam, atordoam e maçam com o Chega? Sem alcançar que ele agradece e talvez até se comova (ou mesmo contrate quem assim lhe dá votos de borla)»

Todos os negócios são essenciais para alguém

18 Novembro, 2020

Negar a uma pessoa o seu modo de subsistência é um desrespeito de um direito humano básico.

Os confinamentos e os estados de emergência estão também a colocar em sério risco económico os jovens.

O meu video de hoje:

Direita Frágil

17 Novembro, 2020

Ainda a propósito do pântano de ideias publicado no esquerda.net de papel, concluo acerca da falta de respeito pelos eleitores e da jactância em protegê-los das más opções políticas.

Faço uma alusão à chamada Lei Arroja que nos diz que a concorrência é boa e desejável excepto, neste contexto, no campo da Direita.

O meu texto no Observador de hoje está disponível aqui.

Não há é abaixo-assinados que cheguem

16 Novembro, 2020

Algumas pessoas que seguem sobretudo as redomas das redes sociais poderão ter notado um certo desaguisado à direita a propósito de um abaixo-assinado subscrito por 52 personalidades e publicado no jornal Público com título “A Clareza que Defendemos”.

Parece-me um erro considerar que um simples abaixo-assinado possa ser a fonte de celeuma. No mundo em que ainda penso viver – ou talvez seja apenas uma ilusão -, umas pessoas abaixam-assinam coisas, outras abaixo-assinam coisas diferentes. Para mim está tudo bem desde que cada um ache que o que deve dizer é o que realmente abaixo-assina. Tenho a certeza que foi o caso, pelo menos sobre as que conheço da lista de 52 pessoas.

É perfeitamente indiferente se eu concordo com o abaixo-assinado, se discordo dele ou se não me aquece nem me arrefece. Conhecendo algumas pessoas, poderei dizer-lhes o que penso, mas não me sinto com vontade, ímpeto ou qualquer motivação para discordar de tal forma a abaixo-assinar algo em contrário. Não que a minha assinatura sirva particularmente para alguma coisa, mas deixem-me imaginar que há um único átomo no mundo que vai reagir ao que eu penso ou ao que eu não penso. Porém, se alguém sente que deve manifestar o seu desacordo, abaixo-assine-se o que for necessário.

O que me parece ser a origem do abaixo-assinado não é se este ou aquele partido representa valores que se rejeitam e sim ter sido criada, com a Geringonça, a necessidade para que algumas pessoas clarifiquem não estarem dispostas a cooperar com toda e qualquer força da convencionada direita. Isso não me parece nada mal: parece-me até uma consequência lógica do acordo contra-natura do PS com os bloquistas e comunistas. É sempre bom lembrar o evento aberrante que inicia estas coisas.

Que as pessoas se zanguem por coisas destas é que me ultrapassa. Perante um panorama de haver eleições nos próximos seis meses, o resultado para governo está mais do que traçado e não passa por qualquer força a que se tenha convencionado chamar direita, por muito que a própria direita se pegue com o termo. No máximo, um titulozinho de vice-PM para o doutor Rio e já se pode afirmar que uns 7 em cada 10 eleitores gostam é disto assim.

Publiquem abaixo-assinados. Publiquem contra-abaixo-assinados. Publiquem opinião e publiquem contra-opinião. Bolas, publique-se tudo e um par de botas. Se há algo que falta na opinião publicada é um valente bardamerda dirigida ao outro que anteriormente publicou. Pelo menos, é assim que as pessoas aqui dos subúrbios resolvem as suas questões. Está bem que não é através de publicações, mas que se ouvem bem as declarações, isso ouve-se. E graças a Deus que assim é.

Ajudas na crise? O Estado Social foi ali comprar uns votos

16 Novembro, 2020

Helena Garrido: « é compreensível a irritação dos restaurantes quando o Governo promete compensar o encerramento nos fins-de-semana tendo como referência a facturação de 2020. Valia mais dar menos de 20% e usar como referência a facturação de 2019. (…) Enquanto continuarmos a premiar governantes que fazem uma gestão de curto prazo do dinheiro dos contribuintes, usando-o para comprar votos, garantir o seu mercado eleitoral, estaremos condenados a não ter o Estado quando precisamos dele ou a ter de pedir ajuda quando, repentinamente, ficamos sem quem nos empreste dinheiro. A era da troika foi uma óptima oportunidade perdida para percebermos a importância de poupar nos tempos de prosperidade. Mas o governo de António Costa preferiu não o fazer.»

Começou a Grande Fome nos Açores

16 Novembro, 2020

Durante anos e anos, os Açores foram um oásis de paz e prosperidade, apenas perturbado por umas inoportunas e injustas notícias sobre a ocupação de cargos públicos por parte da família César. Mas eis que agora chega a Crisálida. A Crisálida informa o PÚBLICO «tem 21 anos, é casada e tem dois filhos: um rapaz com três anos e uma bebé de um ano. É o Rendimento Social de Inserção (RSI) que lhe ajuda a alimentar os filhos. “Se não fosse o rendimento, como é que era? Eu ia pedir esmola para a cidade. O abono não dá para um mês”. Recebe um apoio de 430 euros, um valor para quatro pessoas e que aumentou 80 euros no último ano, devido ao nascimento do segundo filho. Continua a ser insuficiente: “o fiado ajuda a viver”.

Realmente não se entende por onde terá andado a Crisálida nos anos mediaticamente benditos da governação socialista cesariana. Este sumiço da Criśalida é tão mais estranho quanto se fica a saber que «Crisálida foi uma das 15.109 pessoas que receberam o RSI nos Açores durante o mês de Agosto. O rendimento mínimo, com ainda é popularmente chamado, tem sido a arma de arremesso política mais mediática dos últimos tempos. Sobretudo nos Açores: a região do país com o maior número de beneficiários do RSI quanto à sua população residente. Em Agosto, 6,1% da população açoriana (243 mil residentes) recebeu o RSI, enquanto a média nacional foi de 2,0%.»

Podem as Crisálidas açorianas ficar descansadas: de agora em diante todos os dias a sua vida será objecto das mais variadas reportagens. Padres, jornalistas, ONG… rumarão aos Açores para dar conta dos dramas da vida da Crisálida.

O camarada Xi Jinping que se cuide porque a política do diálogo vai chegar à Casa Branca

16 Novembro, 2020

Equipa dirigida por Nobel da Paz e integrada pelo líder de que agora se anunciam extraordinários feitos no domínio do diálogo com a China assistindo à muito pacífica, consensual e dialogante passagem deste mundo terreno para o além do senhor Bin Laden.

A direita quer ser poder ou um clube de gente gira?

15 Novembro, 2020

Os socialistas foram os grandes beneficiários da liderança de Rui Rio à frente do PSD não apenas pelo apoio que o líder dos sociais-democratas deu a António Costa mas muito particularmente por Rio ter entendido o PSD como a sua facção e não como um partido: em vez de agregar, Rio transformou o PSD num corredor só com porta de saída. Obviamente aconteceu o inevitável mesmo que o inevitável pareça uma piada de mau gosto: Rui Rio acaba em 2020 a demarcar-se dos socialistas porque aceita negociar com o mesmo André Ventura que deixou sair do PSD em 2018. Só que em 2020, Ventura já não é um vereador mais ou menos tonitruante do PSD mas sim o líder de um partido que não só não tem nada a perder como disputa com o BE o lugar de terceira força política!

A Direita “Biden”

13 Novembro, 2020

A Direita “Biden” não quer saber se o candidato que defende é criminoso, se o FBI tem na sua posse mails que provam que se vendeu à Ucrânia, à China e à  Rússia; se tem milhares de fotos no portátil que o ligam à pedofilia e ao tráfico humano.  

A Direita “Biden” está-se pouco lixando se o candidato democrata dá sinais de problemas graves de saúde mental que comprometem a sua eventual continuidade na presidência obrigando a colocar no seu lugar, a vice Kamala, ainda mais radical nas agendas progressistas que quer conduzir e com um passado polémico como procuradora-geral da Califónia com condenações de inocentes a pena de morte e prisão perpétua.

A Direita “Biden” pouco se importa se o candidato democrata defende a agenda globalista progressista marxista que ela (a “Turma Bidon”) “diz” combater em Portugal.

A Direita “Biden” está confortável e até bate palmas aos resultados das eleições que revelam práticas de crimes federais ao mais alto nível com defuntos a votarem por correspondência.

A Direita “Biden” não quer escrutínio das eleições americanas porque tem a certeza que os média dos EUA são isentos, que os software são invioláveis, os cidadãos lesados são mentirosos e os “fact-checkers” são fiáveis, ao contrário daquilo que eles próprios  denunciavam por cá, com os  “Ivos Rosas”, Polígrafos da SIC, António Costa e por aí fora.

A Direita “Biden” combate quem exige transparência no processo eleitoral da América conotando-os de “negacionistas” e “teóricos da conspiração” porque, dizem eles,  é uma “democracia madura” (tão madura que está a cair de podre). Mas juram a pés juntos que os  “irmãos” de cá na ideologia e defesa de agendas, são corruptos, mentirosos e vendidos aos grupos de interesses económicos.

A Direita “Biden” não sente desconforto por ver os mass media em peso a fazerem propaganda eleitoral pelo Biden nem por censurar  todas as notícias menos abonatórias de factos que o incriminam. 

A Direita “Biden” não se choca com o facto de pela 1ª vez na América ter sido os media a dar “posse” ao novo presidente e não o Colégio Eleitoral como é de lei, quando é factual que em 2000, Al Gore só reconheceu a derrota na véspera da reunião do Colégio Eleitoral, 37 dias depois das eleições, sem que ninguém chamasse a G.W. Bush de presidente eleito.

A Direita “Biden” chama idiota ao candidato  republicano mas anda ao colo com o democrata que prometeu aumentar impostos, promete voltar a encher a OMS (que se ajoelha perante a China) e o Irão (que não cumpre acordos nucleares) com milhões de dólares dos contribuintes, afirma que a China é fofinha e não é uma ameaça global. 

A Direita “Biden” não desconfia sequer que Hillary se tivesse tido a razão do lado dela em 2016, e com iguais indícios fortes de fraude, teria arrasado Trump e ainda mostrado ad nauseam as provas.

A direita “Biden” manipula publicamente as narrativas quando oculta das suas intervenções, tudo o que a administração Trump fez de positivo para aos EUA e o Mundo,  para destacar APENAS características pessoais que nada influenciam o seu desempenho. Ninguém procura num presidente um companheiro de vida ou uma figura paterna mas sim um bom líder com capacidade negocial, visão estratégica e pulso firme para não se deixar dominar pelos lobbies.

Sem espinhas podia ter dito aos seus leitores/ouvintes que Trump:

  • Não pertence ao clube Bildeberg nem é maçon;
  •  É multimilionário logo não precisou nem precisa da política para enriquecer na vida;
  • Combateu expôs a corrupção política no FBI, CIA, NSA e partidos Republicano e Democrata, enfrentando o “Deep State”;
  • Obrigou a OTAN a pagar suas dívidas;
  • Abomina a doutrinação nas escolas e comunicação social; 
  •  Defende os valores ocidentais;
  • Defende o cristianismo;
  • Defende imigração controlada;
  • Combateu como ninguém  o DAESH;
  • Celebrou acordos de paz no Médio Oriente (algo nunca conseguido em 71 anos), reuniu as Coreias e pôs o “Rocketman” da Coreia do Norte no lugar;
  • Não fomentou nenhuma guerra nem iniciou a tal 3ª guerra mundial e ainda retirou tropas americanas de vários teatros de conflitos criados pelas presidências anteriores, enfrentando corajosamente a indústria do armamento americana;
  • Combateu o globalismo (trata-se de um arranjo que só existe por causa de políticos e burocratas) que foi a responsável  pelo empobrecimento e a desindustrialização do Ocidente; 
  • Combateu o domínio da China sobre o ocidente que avança silenciosamente pela mão dos governos corruptos comprando todas as empresas estratégicas;
  • Fez crescer significativamente a economia nos EUA, baixou o desemprego  para uns históricos 3,6%, a mais baixa de sempre antes do novo corona e melhorou a qualidade de vida de todas as minorias reduzindo o desemprego para a população negra e latina como nunca se observou até aqui;
  • Baixou os impostos directos sobre a classe média e as empresas;
  • Combateu ferozmente os lobbies dos grandes multimilionários, das organizações mundiais de pseudo saúde como a OMS e a ONU entre  outras;
  • Denunciou e PROVOU que os média não passam de influenciadores de opinião PAGOS para manipular, inventar, censurar factos em pleno atropelo pela liberdade de expressão tendo levado CEO da Big Tech a sentarem-se no banco do Senado;
  • Foi o primeiro presidente no Ocidente a tomar uma atitude restritiva de contenção ao vírus  fechando imediatamente as fronteiras  à China em Fevereiro, à Europa em Março, Brasil em Maio, e a disponibilizar navios hospital que não foram usados;
  • Não se deixa manipular por nenhum dos grupos de grandes interesses económicos que pretendem aproveitar a Pandemia para fazer o great reset e criar uma nova ordem mundial;
  • Combateu o tráfico sexual mundial de menores e tráfico humano;
  • Que quer acabar com indústria do aborto da Planned Parenthood;
  • Que as gaiolas dos migrantes já vinham da administração de Obama com número record de detenções e o muro fora construído por Bill Clinton;
  • Que acelerou o desenvolvimento da vacina contra a C0v1d anunciada esta semana.

Mas… não conseguem porque teriam de dizer que a dupla Biden e Harris são nos EUA o que Costa e Catarina Martins, são por cá. E isso exige ser honesto para com o público.

A direita Biden é mais perigosa que a esquerda que é fiel à sua ideologia. Camuflados num discurso que agrada ora a gregos ora a troianos, trai sem quaisquer escrúpulos os seus princípios e valores (para os que os tem) para defender o indefensável só porque, é “bonito”, é “correcto”, nos corredores do  politicamente correcto  onde eles se movimentam e a troco de duas moedas.  Mostram uma imagem pública que julgam ser a que “vende melhor” com meias verdades que não são verdades para não desiludir os seus patronos. Enquanto isso a esquerda rejubila-se como este apoio e ainda goza com a cara deles.

Quem quer agradar a todos não agrada a ninguém e por isso, estão condenados ao descrédito pela opinião pública por serem os “idiotas úteis” da esquerda. Certinho, direitinho.

a parteira da história

13 Novembro, 2020
by

Embora o possa sugerir, o artigo não é sobre ginecologia política. No Observador.

Multas há muitas

13 Novembro, 2020

Gostaria de esclarecer os entusiastas pátrios com as multas de 6 mil euros aplicadas por Espanha a quem entra no seu território sem teste negativo ao COVID que na verdade essa legislação consagra excepções, uma delas são os milhares de pessoas que estão a chegar às Canárias em embarcações provenientes de Marrocos. Primeiro as mafias aproveitaram a identificação entre refugiados e migrantes e agora aproveitam os alçapões da legislação da pandemia para encherem barcos e barcos com migrantes , pois não há expulsões, não há controlo de identidades… O paradoxo é que quem vem clandestinamente de Marrocos ao chegar às Canárias não só não tem multa alguma como é alojado gratuitamente num equipamento hoteleiro. Até quando? Não se sabe. Aos outros espera-os uma legislação dura e ameaças de multa. E assim vamos.

Mais uma comunicação do PM e os donos dos restaurantes ainda acabam a ter de indemnizar o Governo por lucros milionários

13 Novembro, 2020

PÚBLICO: Os donos de restaurantes, cafetarias e afins terão de comunicar, a partir do dia 25 no Balcão 2020 e “sob o seu compromisso de honra”, qual foi a receita que arrecadaram nos próximos dois fins-de-semana em que há regras de circulação mais apertadas associadas ao recolher obrigatório a partir das 13h. Depois, irão receber um apoio monetário equivalente a 20% da perda da receita em comparação com a média da receita obtida nos 44 fins-de-semana que decorreram entre Janeiro e o final de Outubro.

Portanto os cálculos vão ser feitos em função de um período no qual os restaurantes estiveram praticamente encerrados e depois a trabalhar parcialmente. Destes 44 fins-de-semana apenas uns dez – Janeiro, Fevereiro e início de Março – correspondem a um funcionamento normal. Mais uma comunicação do PM e os donos dos restaurantes ainda acabam a ter de indemnizar o Governo por lucros milionários

Um país de que não se fala

12 Novembro, 2020

PSP preocupada. Concurso com mil vagas teve 793 candidatos

Realmente deve ser difícil convencer alguém a candidatar-se a saco de pancada:

19 de Outubro de 2020: A polícia foi recebida com tiros, pedras e garrafas na Cova da Moura na noite de domingo. A intervenção da PSP ocorreu por haver informação de um ajuntamento na via pública que “incluía álcool e música alta”. Um dos agentes ficou ferido.

6 de Outubro de 2020: Vários agentes da PSP tiveram de se esconder, no domingo à noite, atrás de bancos, postes de iluminação e outros locais na Cova da Moura, depois de terem sido disparados cerca de 15 tiros, alegadamente por moradores do bairro.

10 de Outubro de 2020: Polícias agredidos por quatro jovens na Amadora

2 de Julho de 2020: Conduzem sem carta, chocam com autocarro e agridem PSP na Amadora.

27 de JUnho de 2020:Ação de fiscalização no Prior Velho resultou em dois detidos. Agentes foram “injuriados, ameaçados e agredidos” Três agentes da PSP agredidos em Loures enquanto dispersavam grupo de pessoas

26 de Fevereiro de 2020: Motards perseguem polícia e encostam-no contra carro patrulha durante funeral das vítimas da Segunda Circular

Gonçalo Ribeiro Telles

11 Novembro, 2020

Muito há para recordar de Gonçalo Ribeiro Telles mas no meio desse muito fiquei com a memória da paciência infinita (ou saber de quem já tinha visto muito) que mostrava perante as perguntas dos jornalistas e daqueles que vindos das associações de ambiente o procuravam: “a hera cobre tudo” – respondia, creio hoje que com alguma ironia, às minhas exasperações com algumas construções humanas que eu achava desfearem a paisagem. E assim que podia levava a conversa dos esgotos, etares, poluições… que preenchiam o nosso discurso, para aquilo que o interessava – os jardins.

Tinha razão mesmo quando não a tinha: a hera cobre tudo.

Portas giratórias e subsídios europeus

11 Novembro, 2020

Na crónica de hoje falo acerca de os socialistas e os grandes negócios parasitários do Estado se habituarem a viver bem com o dinheiro dos outros.

Dou o exemplo do ministro salta-pocinhas Nelson de Souza que tem alternado entre posições de decisor sobre quanto e a quem atribuir subsídios e de dirigente das entidades beneficiárias desses fundos.

O video está disponível aqui:

Mortes que não interessam

11 Novembro, 2020

“Martírio” em Cabo Delgado sem fim à vista: 50 decapitados em campo de futebol

As mortes em Moçambique só interessaram e comoveram até que 25 de Junho de 1975, data da independência. Na verdade, ainda as bandeiras não tinham sido hasteadas e já os sofredores dos males praticados pelo homem branco tinham virado as suas atenções para outras paragens, o que lhes trouxe a acrescida vantagem de não serem obrigados a confrontar-se com a barbárie demencial em que as nações que eles diziam libertadas se estavam a transformar. Obviamente muitos dos activistas da libertação tb optaram por viver na Europa colonial, capitalista e imperialista de que continuaram sempre a denunciar os crimes. Agora os activistas repetem aqui a receita que usaram em África nos anos 60, e como sempre eles serão os primeiros a demandar outras paragens quando a “libertação” for consumada. Entretanto África paga o preço dos maniqueísmos dessa fraude chamada anti-colonialismo.

Vírus: a geografia também conta

11 Novembro, 2020

Map of the COVID-19 verified number of infected per capita as of 10 November 2020.

A boa opinião

10 Novembro, 2020

Este livro, publicado em Maio/2019, parece que seria hoje cancelado pela boa opinião.

Por enquanto, ainda está à venda.

O cisco no olho dos americanos e a trave no nosso

10 Novembro, 2020

José Diogo Quintela: No auge da primeira vaga da pandemia, enquanto os americanos tentam habituar-se às regras muito restritivas com que têm de viver, o presidente Trump é filmado a brindar e a beber cerveja com um grupo de motards. Embora lhe chamem a atenção para o facto de estar a transgredir, Trump desvaloriza com indiferença. Mais tarde, questionado por jornalistas sobre as restrições impostas nas idas à praia, o presidente Trump diz que já tem “um esquema” para furar as regras;

(…)

Dias depois dos incêndios de Big Rock, no Kentucky, estando o povo americano ainda em choque perante uma das maiores tragédias recentes nos EUA, Donald Trump vai de férias

(…)

Sem razão aparente e invocando uma regra de limitação de mandatos que não existe na Constituição, Trump substitui a Procuradora-Geral da República, que tinha o péssimo hábito de investigar membros do círculo privado do presidente;

A Louis Vuitton pode desentaipar… por uns tempos

9 Novembro, 2020

Durante dias fomos informados que os comerciantes norte-americanos estavam a entaipar as suas lojas com medo dos distúrbios pós-eleitorais. A expressão “distúrbios pós-eleitorais” era o eufemismos para os protestos dos grupos como os Black Lives Mater e outros ainda mais radicais a quem se reconhece o direito de descarregar na propriedade alheia a sua fúria e que se esperava expressassem desse modo o seu mal estar caso Trump vencesse. Mas Trump perdeu e o único distúrbio pós-eleitoral registado é o atraso de Trump em reconhecer a vitória de Biden. O comércio pode retirar os tapumes . Por enquanto.