Saltar para o conteúdo

Porque não vai o TC para Beja?

17 Setembro, 2021

Em Coimbra os membros do TC vão ainda ensizesmar mais. Já nos basta a faculdade de Direito de Coimbra, agora o TC em Coimbra só vai reforçar essa coimbricice. A localização do TC tem de ousar, romper preconceitos, inovar. Logo o TC deve ir para Beja. Justificava-se assim o aeroporto que de desastre passava a rasgo visionário. Por mim voto Beja.

Mas será que é constitucional a mudança do TC para onde quer que seja? Recordo toda a jurisprudência do T tornando inamovíveis os garantismos dados à função pública e a tudo o que fosse despesa pública. Logo não vejo que levar o TC para Coimbra possa ser constitucional. Vasculhem bem, chamem o Joaquim José Coelho de Sousa Ribeiro que ele logo explicará que tudo isto é inconstitucional.

Afirmacionismos

17 Setembro, 2021

Ferro Rodrigues quer saber porque morrem idosos vacinados. O motivo do seu súbito interesse pela condição humana é – passo a citar – “não alimentar negacionismos”.

Perante isto, não há muitos ainda dotados de um pingo de dignidade que lhes possam responder, pelo que terei que ser eu:

Idosos vacinados morrem porque quem não morre novo acaba a morrer velho.

Despedidos por causa da cor da sua pele

17 Setembro, 2021

English Touring Opera drops 14 white musicians – including many who have played with the company for 20 years – in woke drive to ‘increase diversity’.

Com desenho percebe-se melhor

16 Setembro, 2021

(tirado do Instituto Mais Liberdade)

E com bold tb lá vai a propósito da última falácia: a das casas acessíveis: num apartamento que se venda por 170.000€ o Estado abarbata ao longo do processo mais de 70.000€. Estas e outras contas estão aqui apresentadas no Blasfémias pelo Telmo Azevedo Fernandes. Vale a pena ler e ouvir.

Habitação acessível e eleições autárquicas

15 Setembro, 2021

O preço elevado da Habitação tem sido um dos temas centrais da campanha eleitoral. Os políticos de todos os quadrantes prometem implementar políticas públicas para corrigir supostas anomalias do mercado e proporcionar aos seus munícipes habitação a preços acessíveis.

Mas é extraordinário que os candidatos não percebam que o problema é causado pelos políticos que não permitem aos promotores construir apartamentos para a classe média, e que única maneira de haver preços acessíveis é haver mais casas no mercado.

Comparando com outro sector, o MacDonalds ganha muito dinheiro servindo refeições a preços acessíveis à grande massa da população. Já os promotores imobiliários têm orientado os seus investimentos para o segmento mais elevado do mercado, simplesmente porque só conseguem ganhar dinheiro vendendo casas a gente rica ou a estrangeiros.

Os burocratas exigem requisitos técnicos de construção tão extensos e pormenorizados que isso encarece de sobremaneira o preço final das casas. Ou seja, em vez de os promotores poderem construir habitação de acordo com as opções e prioridades de cada consumidor, tendo uma oferta para todos os segmentos de mercado, são antes incentivados por via legal a responder às exigências de uma classe dirigente de conforto estabelecido que prefere impor através da lei que ou se tem uma casa XPTO ou dorme debaixo da ponte. O hamburguer é menos saudável que um prato de tofu ou seitã, mas o cliente do macdonalds prefere pagar preço baixo a não ter refeição.

Por outro lado, a conversa idiota dos perigos da gentrificação e das cidades sustentáveis além de serem um encapotado proteccionismo a quem vive em zonas mais apetecíveis, atira para os subúrbios uma grande camada da população que acaba por gerar uma pegada ecológica mais significativa. À conta destes activismos da moda, protegem-se mais os edifícios do que as pessoas. Por exemplo, não se permite densificar o edificado nos centros das cidades para lá morar mais gente. Ou impede-se por via dos PDMs mais construção em altura que seria uma forma de colocar no mercado mais casas quando há limitação de espaço de expansão.

Outra tragédia é a complexidade e incerteza jurídica para quem quer construir. O gigante labirinto de licenças e processos burocráticos que demoram tempos infindos a desbloquear pelos serviços das câmaras e organismos diversos são dos maiores entraves a novos investimentos em habitação e fonte de compadrios, quando não de pura corrupção. E tudo isso tem um custo que, obviamente, é repassado ao cliente final.

Importa também referir que contas exaustivas feitas por especialistas demonstram que em toda a cadeia de valor da promoção imobiliária, desde a compra do terreno, passando pelo projecto, construção até à venda final das casas, o Estado fica com 40% do volume de vendas que cada projecto imobiliário gera. Num exercício mais fácil de entender, num apartamento que se venda por 170.000€ o Estado abarbata ao longo do processo mais de 70.000€. Ao que sobra desconte-se o custo directo dos materiais e mão-de-obra na construção e fica a perceber-se melhor por que razão a habitação não tem preços acessíveis.

O Estado não é a solução, é o problema da Habitação.

Infelizmente todos os candidatos autárquicos parecem sofrer de dissonância cognitiva ao querer resolver o problema com a sua causa.

O meu vídeo de hoje, aqui:

Le 25 avril toujours !

15 Setembro, 2021

É a partir de hoje que aqueles a quem há um ano atrás se aplaudia da varanda do T2 passam a deixar de receber salário pelo crime contra a humanidade que é o de rejeitarem um medicamento em fase de testes. É em França, lá na terra do liberal Macron. Siga.

“Negacionistas” do Bem: 10 de Junho de 2014

15 Setembro, 2021

Cavaco Silva desmaia enquanto discursa na crimónia do 10 de Junho. Simultaneamente decorre uma manifestação sindical que pretende sabotar o discurso presidencial. Perante a alarvidade dos manifestantes o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, general Pina Monteiro declara: “Peço a todos aqueles que estão a perturbar esta cerimónia militar que tenham respeito por Portugal e pelas Forças Armadas.”

Mário Nogueira que esteve presente na manifestação explicou claramente que não só não tinha nada por que pedir desculpa como   reiterou: “Se todos os dias são bons para os governantes imporem políticas que esmagam Portugal e os portugueses, todos os dias serão bons para protestar contra eles.

Não me parece correcto que o almoço do dr Ferro Rodrigues tenha sido perturbado mas os “negacionistas” que o interromperam têm pelo menos a vantagem de não serem pagos pelos contribuintes para fazerem essas tristes figuras, sendo que o “negacionsmo” dos comunistas não é menos nocivo para a humanidade que outros que por aí campeiam.

E, por fim mas não por último, os socialistas não podem querer dois pesos e duas medidas.

Mário Nogueira 10 de Junho 2014

A ler

15 Setembro, 2021

Henrique Pereira dos Santos: A rampa deslizante «Tenho reparado que muita gente se indigna actualmente com um magistrado que é claramente excessivo com um polícia que está à sua frente a fazer o seu trabalho, mas não tenho ideia de tamanha indignação perante um magistrado – no caso e na altura, o mais alto magistrado da nação – se dirigir mal criadamente a um polícia dizendo-lhe para desaparecer porque não queremos polícias, quando o senhor estava apenas a ser diligente no seu trabalho (quando se indignarem pelo facto de ainda hoje não sabermos a velocidade a que ia ao carro do Senhor Ministro Cabrita, lembrem-se bem da razão que deu origem a esta cena).»

Prémio a pergunta mais inteligente do século: “A que pretende aludir com a frase ‘45 anos a comer arroz’?”

14 Setembro, 2021

*“A que pretende aludir com a frase ‘45 anos a comer arroz’?”;

*“Qual a associação pretendida entre a imagem de Mao Tse Tung e a frase ‘45 anos a comer arroz´?”;

*“Qual o público-alvo deste cartaz em específico?”;

*“No cartaz em causa, pretendeu de alguma forma referir-se à comunidade asiática, mais especificamente à comunidade chinesa?”.

Parece uma anedota mas não é. E note-se que quando as anedotas se tornam realidade é sinal que estamos a viver dias entre o grotesco e o autoritarismo. Estas são as perguntas que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (coisa paga por nós e que tem crescentes poderes para controlar as nossas vidas) enviou ao candidato do PSD do Seixal. Porquẽ? Porque alguém apresentou uma denúncia deste cartaz junto da dita comissão acusando-o de “discriminar o povo chinês, sendo um acto xenófobo” e “diminuidor da cultura chinesa”. Os denunciantes consideram igualmente que esta frase pretende alegadamente diminuir “as dificuldades que os chineses passaram durantes as várias lutas e guerras que enfrentaram e que os obrigou a substituir muito com base no arroz”, acusando o PSD Seixal de “fazer da fome de um povo uma piada”.

A estas quatro perguntas enviadas pela Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial à candidatura responsável por estas imagens eu acrescento outra: a que comissões se pode aplicar a definição cambada de inuteis, pagos pelo contribuinte, que se arrogam o direito de controlar os outros?

Houve uma altura em que acossar governantes nos seus momentos privados era tido por legítimo e muito engraçado

13 Setembro, 2021

O modelo Joacine

13 Setembro, 2021

Joacine recomenda retirar pinturas do Salão Nobre da Assembleia da República para um museu

A escola corporativo-socialista

13 Setembro, 2021

Cada aluno custa 6200 euros por ano, um aumento de 30% desde 2015, diz ministro

Esse dinheiro não está servir para melhorar o ensino mas sim para evitar manifestações:

Relatório PISA. Alunos portugueses pioraram nos últimos três anos

Matemática. Há mais alunos do 4.º ano que não sabem o básico e menos a chegarem ao nível avançado

A fábrica de clientes

12 Setembro, 2021

Hoje no Observador trato dos moldes desta campanha autárquica em que o socialismo s etornou obrigatório: “A presente campanha autárquica é daquelas em que menos se escrutinou o trabalho dos autarcas, tudo se resume a uma discussão em torno dos dois ou três tópicos que a cartilha socialista agendou: a solução mágica do arrendamento acessível, os malefícios do alojamento local e depois um ou dois assuntos que variam com o município mas que invariavelmente têm de passar pela reivindicação de algo gratuito e/ou “amigo do ambiente”. À partida está pressuposto que apenas se divirja na quantidade de verbas a afectar a estes inquestionáveis propósitos (quanto mais melhor!) O resto está excluído da discussão.”

Os meus sentimentos

10 Setembro, 2021

Queria expressar os meus sentimentos a todos os pais e familiares que na próxima semana deixarão filhos em “estabelecimentos de ensino” para serem endoutrinados para as causas higienistas e panco-comunistas da moda. Vós, os que lá entrais, deixai a esperança à porta.

Juiz negacionista

10 Setembro, 2021

O que leva os jornais a identificarem Rui Fonseca e Castro como juiz negacionista e Ivo Rosa como juiz Ivo Rosa? Note-se que Rui Fonseca e Castro set tornou conhecido por negar muito do que se tem como certo no âmbito do Covid já Ivo Rosa nega o que se tem como certo no âmbito da justiça, o que não me parece menos grave que o negacionismo de Rui Fonseca e Castro.

A notícia que hoje nos informa que Juiz Ivo Rosa impediu escutas a iraquianos suspeitos de terrorismo. Investigação esteve parada três meses confirma a linha negacionista deste juiz. Não sei há quanto tempo Rui Fonseca e Castro começou a dar mostras do seu pendor negacionista já o negacionismo de Ivo Rosa tem um longo historial de que aqui deixo uns poucos exemplos:

Juiz Ivo Rosa decidiu não colocar traficante de armas em prisão preventiva e ele fugiu

Juiz Ivo Rosa impediu as escutas da PJ aos suspeitos iraquianos do Daesh

Relação de Lisboa diz que juiz Ivo Rosa violou lei quando ilibou terrorista

Juiz Ivo Rosa arquiva corrupção contra José Sócrates

Exactamente sra ministra: nós não aceitamos, não admitimos, não configuramos como possível tanta demagogia

9 Setembro, 2021

Não aceitamos, não admitimos, não configuramos como possível a leitura de que alguém que entra pela ADSE ou qualquer outro subsistema tenha um tratamento diferenciado”, avisou Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública a propósito do aviso da Ordem dos Médicos com o impacto negativo que as novas tabelas de preços da ADSE podem ter na qualidade dos serviços de saúde prestados aos beneficiários da ADSE.

As novas tabelas da ADSE foram atiradas para a frente. Apesar do aumento do preço das consultas a cargo do beneficiário, que aumenta de 3,99 euros para 5 euros, a Ordem dos Médicos lembra que há outros casos, como cirurgias, dispositivos médicos e medicamentos, em que as quebras podem atingir 18%.

A senhora ministra não tem dinheiro para colocar na ADSE. A senhora ministra faz parte de um Governo que venda a imagem de um país de sonho em que a vida tem aspectos de pesadelo: o subfinanciamento da ADSE é apenas uma parte do problema. Para obviar a maiores chatices inúmeros médicos já não querem acordos com a ADSE.

Algum dia senhora ministra os protugueses dirão não aceitamos, não admitimos, não configuramos como possível ter ministros como Alexandra Leitão.

Os “escalpes duplos” perderam a cabeça*

9 Setembro, 2021

4716 livros foram destruídos no Canada numa cerimónia denominada “purificação pelo fogo”. Há anos que as bibliotecas do Canadá são alvo de políticas censórias. Em nome da igualdade, dos direitos e das identidades vã-se retirando títulos. Do Tintin ao Astérix acabou tudo devidamente passado pelo fogo.

A purificação pelo fogo dos livros terá começado em 2019 mas a pandemia suspendeu-as. Agora voltaram em grande e para recuperar o tempo perdido: quase 5 mil livros foram queimados no Ontario, nas 30 escolas francófonas que integram o Conseil Scolaire Catholique Providence. Uma das Torquemadas destas fogueiras é a senhora que se vê na imagem ao lado do primeiro-ministro do Canadá. A senhora em causa é Suzy Kies que se apresenta como uma guardiã do saber autóctone e presta os seus serviços em diferentes instituições.

Os promotores destas cerimónias de purificação pelo fogo acrescentaram-lhes um toque ecológico a que os guardas das diversas revoluções nos tinham poupado: as cinzas dos livros são enterradas com vista a que delas nasça uma árvore. Para se perceber melhor até fazem videos didácticos.

*Para perceber o título ler o Humpá-Pá. Em seguida guardá-lo em lugar seguro até que a fúria dos guardas da revolução passe

Rangel é gay, mas não é bicha

8 Setembro, 2021

O meu vídeo de hoje no Canal “A Cor do Dinheiro” foi banido pelo Facebook.
Dizia eu o seguinte:

Paulo Rangel, destacado militante do PSD, disse num programa de televisão que é homossexual.
Esta atitude foi explicada por alguns como uma tentativa de Paulo Rangel esvaziar uma chantagem política que estaria em preparação e iminente contra ele.

A afirmação pública da orientação sexual de Paulo Rangel como meio de defesa do seu futuro político é vista como uma evidência do poder e enorme influência da Esquerda na sociedade, sinal dos omnipresentes tentáculos insidiosos das manobras piolhosas típicas da esquerdalha e prova das ordinarices habituais dos progressistas.

Não concordo. Vejo antes este caso como uma clara exposição das fragilidades das seitas activistas e das suas modas das políticas identitárias, que é como quem diz: proto-fascistas.

A Esquerda não tem soluções eficazes para os problemas reais e concretos das pessoas: o saque fiscal grotesco de que somos vítimas; um serviço nacional de saúde em frangalhos já antes da covid; a fuga de quadros qualificados para o estrangeiro; a corrupção e nepotismo instalados em todos os níveis dos organismos do Estado; uma resma de grandes empresas encostadas aos favores do governo; uma dívida pública castradora das gerações futuras; e tantas outras questões fundamentais…

Por isso a Esquerda apenas sobrevive desviando as atenções para causas que não obriguem as pessoas a pensar e analisar os problemas. Há que reduzir a complexidade do mundo à fantasia de dois compartimentos de pessoas: os bons e os maus.

Os bons são todos aqueles que aderem às causas lançadas pelos progressistas. Mas para alguém ser “bom” tem de seguir a cartilha e a ladainha que a Esquerda define. Ou seja: não basta que uma pessoa não discrimine outras em função da sua orientação sexual. Uma “boa” pessoa tem de ser activista LGBT. Aliás, para não ser homofóbico, não basta ser gay, é preciso ser bicha.

Para a Esquerda, as verdadeiras “boas” pessoas não podem pensar ou agir segundo a sua própria cabeça. Têm de pertencer a um rebanho e seguir as orientações de bispos como Francisco Louçã, ou o clero do Bloco de Esquerda.

Convém lembrar que estes movimentos ditos contra a homofobia se propagam a partir e dentro das estruturas de poder estabelecidas. Das universidades, espalhou-se para outras instituições públicas, os media e o mundo das grandes empresas. Ao contrário da conversa fiada do “desmantelar os sistemas de opressão”, esta gente não seria nada sem a sua influência sobre as instituições de uma sociedade que despreza.

Daí que a sua actuação seja muito parecida com a do vírus da covid. O vírus invade o organismo mas depende inteiramente do seu hospedeiro para sobreviver e se replicar. Se um hospedeiro como Paulo Rangel tem resistência e imunidade natural à hipocrisia da Esquerda, isso torna-se um problema para o vírus progressista: o vírus terá de atacar outra pessoa, de preferência vulnerável.

E se às tantas houver um número significativo de Paulos Rangel, a epidemia da Esquerda acaba e passamos a viver num estado endémico com alguns cancros progressistas, mas uma população maioritariamente sã e livre.


O meu vídeo de hoje, aqui, em local alternativo no Youtube (por enquanto):

Critérios ou falta deles

8 Setembro, 2021

Hoje é o dia em que as redacções portuguesas escrevem sobre um agressão homofóbica em Madrid depois de terem ignorado o assassínio de um distribuidor de gás em Sintra.

Agradecimento aos portuenses

7 Setembro, 2021

Além do vasto conhecimento sobre colunas jónicas adquiridas pelo contribuinte para adornar gabinetes, passamos a conhecer ao deputado José Magalhães, especialista em ciber-decência e contenção coerciva de opinião divergente, uma enciclopédica aprendizagem dos guias de masmorras bondage e S&M da Europa. A versatilidade deste homem não pára de surpreender. Abençoada a hora em que os eleitores de Aldoar a Campanhã, de Ramalde ao Bonfim e de Miragaia a Paranhos via Massarelos elegeram este intelectual para nos representar.

O grupo parlamentar do PS foi de férias?

7 Setembro, 2021

Esperam por quê para tomar uma posição sobre as declarações do deputado socialista José Magalhães?

Ao certo quanto artigos se despublicaram porque eram desprimorosos para o presidente dos EUA ou instigavam a ideia de que as medidas de combate ao terrorismo eram uma experiência?

6 Setembro, 2021

O PÚBLICO tem vindo a divulgar um conjunto de artigos sobre o 11 de Setembro. Um deles intitulado O legado da vigilância pós-11 de Setembro: “Abdicámos da privacidade por muito pouco” coploca a questão nestes termos: os ataques do 11 de Setembro travaram o debate e deram lugar à vigilância em massa.

Daqui que se conclui que o PÚBLICO não se lê a si mesmo. Recomendo à Direcção Editorial do PÚBLICO que recupere este seu editorial de 19 de Agosto de 2021 e substitua as justificações para censurar um artigo sobre a vacinação das crianças por outras associadas ao combate ao terrorismo.

«Um erro de controlo editorial corrigido nesta quinta-feira às 17h42 permitiu que um artigo de opinião (“Uma vacina longe de mais”) assinado pelo médico anestesiologista Pedro Girão/…………………………………………………… estivesse disponível na nossa edição digital durante horas.

A sua despublicação justifica-se não apenas pelo tom desprimoroso e supérfluo usado pelo autor em relação a várias personalidades da nossa vida pública, como pelo seu teor que, de forma ora mais velada, ora mais explícita, tende a instigar a ideia de que a vacina contra a covid-19 é “uma experiência terapêutica” sem validade científica/ ……………….. (PREENCHER A GOSTO. POR EXEMPLO COM INSTIGAR A IDEIA DE QUE o Patriot Act SE TRATA DE UM SISTEMA DE VIGILÂNCIA EM MASSA SEM QUALQUER EXPLICAÇÃO VÁLIDA

Como é do conhecimento dos nossos leitores, o PÚBLICO é um jornal que cultiva e estimula a diferença de opiniões que alimenta as sociedades democráticas. Mas há padrões e valores que não podem ser cedidos em nome do pluralismo. Numa questão tão sensível como a da pandemia,/TERRORISMO recusamos em absoluto promover juízos que tendem a negar a importância ou o relativo consenso científico em torno das vacinas./EM TORNO DO COMBATE AO TERRORISMO,

Por isso errámos ao publicar o texto e por isso agimos com a celeridade possível para corrigir esse erro, despublicando o artigo em questão e pedindo desculpas aos nossos leitores pelo sucedido»

E socialista Rangel é?

5 Setembro, 2021

Hoje no Observador trato da possível candidatura de Paulo Rangel à liderança do PSD: «No gesto de Paulo Rangel vê-se a determinação de quem se quer desembaraçar de escolhos para não ser apanhado em falso. Mas, para usar a irritante linguagem destes tempos, da orientação sexual de Paulo Rangel já sabemos. O que falta (e acredite que isso é realmente importante) é saber qual é a sua orientação política.»

liberalismo e poder local

5 Setembro, 2021
by

«Os valores do poder autárquico ou local são, por conseguinte, valores liberais. Seja do ponto de vista histórico, seja do ponto de vista da filosofia e da teoria das ideias políticas. Todas as demais ideologias, por mais que batam com a mão no peito em juras de amor eterno ao poder local, sobretudo as doutrinas socialistas e intervencionistas (palavras quase sinónimas), não podem incluir-se neste grupo: eles acreditam que é no Estado soberano que reside a legitimidade do poder e que o poder local é uma benesse sua, em forma de delegação sempre reversível  de competências às populações.»

No Observador

Os indignados da marquise do Ronaldo

4 Setembro, 2021

Já viram ali bem próxima as marquises que o Hotel Ritz instalou no seu piso térreo?

O fachadismo (II)

4 Setembro, 2021

Agora que as autárquicas estão aí, alguém consegue perguntar o que se esconde por trás desta política de fachadismo? Por exemplo, que isolamentos foram feitos nestas empenas? Podem elas ser sujeitas intervenções que visam diminuir o desconforto térmico? E como se faz para manter os painéis? Está prevista a sua manutenção? Custos? Qual a durabilidade prevista para estes painéis? Política de direitos de autor?…

Qual vai visitar?

2 Setembro, 2021

IMAGENS DE MUSEUS ROMÂNTICOS NA ALEMANHA, FRANÇA E ESPANHA

IMAGENS DO NOVO MUSEU ROMÂNTICO DO PORTO

AEP, saia do armário!

1 Setembro, 2021


No meu vídeo de hoje falo sobre a indigência das associações empresariais dependentes das diretrizes do Governo e que continuam a lambuzar-se num pouco asseado concubinato com o Estado para se esquivarem das suas próprias responsabilidades e decisões, em vez de assumirem com frontalidade a sua proposta asinina de exigência de vacinação contra a cov19 como novo critério de recrutamento de trabalhadores.

Isto porque no passado Sábado o presidente da AEP-Associação Empresarial de Portugal, Luís Miguel Ribeiro, publicou no Expresso um texto manhoso e cheio de falácias em que defende que as empresas privadas limitem a admissão de novos trabalhadores apenas a quem tiver a vacinação completa contra a covi19.

A versão completa da minha crónica está disponível aqui:

De Museu Romântico a coisa nenhuma

1 Setembro, 2021

A destruição das chamadas casas-museu sob o pretexto de que estas são casas burguesas, que nunca ninguém viveu assim, que são recriações, que não têm interesse chegou agora ao Museu Romântico do Porto.

Onde estava o interior de uma casa portuense muito abastada do século XIX

Está agora esta coisa

Assinemos a petição Pela reposição da decoração interior oitocentista do Museu Romântico da Quinta da Macieirinha no Porto

Mamadou? Deputado Zé Magalhães? SIC-activismo?… Não está ninguém em casa?

31 Agosto, 2021

Portanto, vai tratar da relação do PCP com o seu antigo dirigente Julio Fogaça?

30 Agosto, 2021

Museu do Aljube. Rita Rato quer fazer a ponte entre a resistência à Ditadura e os direitos LGBTI

Ou será que Rita Rato alem de não ter tempo para se informar sobre o Gulag tb desconhece a história do seu partido?

Biden pode estar senil mas os líderes europeus devem sofrer de uma espécie de alucinação colectiva

30 Agosto, 2021

Junho de 2021 DN: “Os EUA estão de volta!” Biden na Europa para promover a democracia

SIC Junho 2021 Joe Biden vem à Europa dizer que os EUA estão de volta

El Pais Junho de 2021 Biden busca aproximação com uma Europa reticente após a era Trump

ECO Fevereiro 2021 Biden assegura aos aliados europeus que a “América está de volta

Casa de Repouso Portugal Socialista

29 Agosto, 2021

Conhece os funcionários do alcool gel? Eles são um símbolo da administração pública que ao mesmo tempo que cresce em números perde em competências: o mesmo Estado português que não consegue contratar médicos nem polícias multiplica os funcionários do álcool gel, gente que desempenha funções sem utilidade conhecida e de que não resulta qualquer benefício para o cidadão.Somos hoje um país envelhecido que olha o futuro como velhos sentados num lar. Os fundos da UE tornaram-se na nossa pensão de sobrevivência: dá para irmos vivendo e mantendo um Estado medíocre e tentacular.

Fascismo alimentar

27 Agosto, 2021

A pretexto da promoção de uma alimentação saudável, o governo decidiu proibir a venda nas escolas públicas de uma extensa lista de produtos que vão desde o pastel de nata ao bolo de bacalhau, das pizzas aos croissants. Por outro lado, o governo tornou obrigatória nos estabelecimentos de ensino a venda de pão de mistura com farinha integral e menos de 1 g de sal, recheado com atum conservado em água. E as autoridades de saúde aconselham ainda a disponibilização de tisanas e infusões de ervas. Não é brincadeira, está assim definido no Despacho n.º 8127 do Ministério da Educação.

Os governos têm o hábito protofascista de usar as políticas públicas, e em especial a fiscalidade, para alterar comportamentos individuais e tentar operar engenharias sociais encapotadas de intervenções em nome da saúde pública e do bem comum. Por exemplo, o Imposto Especial sobre o Consumo de Bebidas Açucaradas já rendeu dezenas de milhões de euros ao Estado. Todavia, como é visível pelo perímetro abdominal dos nossos governantes, além de estes não dispensarem a gordura, o sal e o açúcar da sua própria alimentação, são totalmente incapazes de perder a oportunidade de abarbatar mais receita fiscal, que é como quem diz, pelam-se por ir buscar dinheiro ao bolso de quem trabalha.

Os especialistas e comentadores habituais já vieram dizer que se trata de uma medida razoável, equilibrada e perfeitamente aceitável. No mundo urbano em que vivem da classe média afluente, fica bem dar evidências de boas intenções, mas é fácil esquecer as crianças menos favorecidas que tinham no bar da escola a única oportunidade de comprar a preço baixo a quantidade de calorias de que precisam ou mesmo o mimo da guloseima que merecem.

A vertigem proibicionista do governo de António Costa e a sua ortodoxia no desprezo pelas liberdades individuais revela também a arrogância dos burocratas ao considerar que os cidadãos são incapazes e incompetentes para tomar decisões e opções informadas sobre os seus hábitos alimentares. Daí que o Estado imponha proibições. Fica ainda evidente as mentes fascistoides que nos governam ao conceberem a fantasia de um Estado como grande pedagogo e protector das crianças, substituindo-se nessa função às famílias e às tradições culturais.

A passagem para o Estado da responsabilidade individual e familiar de cuidar de aspectos fundamentais da vida e bem-estar das pessoas como a alimentação, é um efeito social necessário para o avanço da agenda política da chamada “saúde pública”. Sem essa infantilização das pessoas e a conformidade destas aos ditames da burocracia, poderia dar-se o caso de alguém ter a veleidade de achar que o ser humano é autónomo e dotado de inteligência.

Mas uma vez que cuidar da saúde da nossa família passou a ser tarefa socializada e um desígnio nacional, todos os comportamentos das pessoas tornam-se matéria “legítima” para o controle e regulamentação por parte do Estado.

Simplesmente, ao concordamos que o Estado tem “direito” a controlar todas as opções individuais que possam ter um efeito negativo na saúde dita “pública”, estaremos a seguir uma marcha inexorável para a perda total da nossa privacidade e da nossa liberdade.

O meu vídeo de quarta-feira passada, disponível aqui:

Assim se impõe uma ditadura: sempre em nome do bem

27 Agosto, 2021

«Racismo: Governo quer que condenados por ódio possam ser expulsos de várias profissões. Proposta de alteração do Artigo 240.º do Código Penal está pronta. Sanção é para ser aplicada em casos muito graves a titulares de cargos e funcionários públicos, académicos e jornalistas. Se crimes de ódio forem praticados através da internet o tribunal pode ordenar a retirada de conteúdos e impedir e bloquear o acesso a certos sites, prevê-se ainda.»

Quantas vezes estaria escrita a palavra Trump nestes títulos se ele ainda fosse o presidente dos EUA?

26 Agosto, 2021

E pergunta bem?

26 Agosto, 2021

Pergunta Paulo Ferreira hoje na Rádio Observador: “E Eduardo Cabrita, já foi chamado pela GNR? Dois meses depois do acidente que vitimou Nuno Santos, as autoridades chamaram a viúva que não testemunhou o acidente. E o ministro, já falou aos autos?”

Ain’t Got Time To Take A Fast Train

24 Agosto, 2021

Meu querido amigo,

Espero encontrá-lo de boa saúde e de espírito apaziguado. Da última vez que nos encontramos senti-o cabisbaixo, apesar da devoção renovada na igreja da ciência moderna, a que se move pelo princípio metafísico de venda de drogas por testar a países que nem dinheiro para fazer cantar um cego têm. Ademais, mendigar só entre as cinco da manhã e às nove da noite, para evitar ajuntamentos. Não o querendo desmotivar, tenho constatado que a sua ciência é absoluta, definitiva, sem possibilidade de contraditório. Recordo os tempos obscuros da idade média, quando Einstein discutia com Bohr acerca da impossibilidade de Deus jogar aos dados: uma demonstração da dialética científica de outrora, antes do mundo se fixar na monolética da Verdade.

O motivo pelo qual lhe escrevo, acrescido à simples cortesia imperativa da estima, é para lhe rogar um favor pessoal. Tendo em conta o nosso relacionamento de décadas, considero ser uma solicitação justa e adequadamente compatível com a nossa longa amizade. Peço-lhe então, de alma aberta, que me permita a excentricidade de rejeitar a vacina covid que o meu Caro Amigo pretende injectar no meu braço, contra a minha vontade. Permita-me o direito a dispor do meu próprio corpo, como se fosse uma mulher grávida; permita-me o direito a escolher a minha possível morte, como se fosse um dos inúmeros Sampedro que enchem o nosso país de desespero, clamando pela tão necessária eutanásia e que tanto motivou o Meu Amigo no parlamento.

Sei que considerará o meu pedido, nem que não o deseje ou consiga anuir. Se porventura for essa a sua decisão, a de que não tenho direito a escolher as substâncias com que pretendo inocular-me, por virtude da minha obrigação perante o Contrato Social estabelecido como por pecado original com a Pfizer, então seja feita a Sua vontade, que reciprocarei injectando o Vosso filho com uma dose letal de heroína, sem desprimor do princípio de olho por olho, dente por dente que o Meu Amigo tanto aprecia agora no Afeganistão.

Eternamente saudoso do nosso reencontro, me subscrevo, pacientemente e

Com amizade,

V

donald trump tem as mãos cheias de sangue

24 Agosto, 2021
by

A saída dos EUA do Afeganistão tem sido uma vergonha. Vinte anos depois de terem ocupado o país, os EUA saem sem honra nem glória, abandonando aliados internacionais e locais, deixando para trás tudo e todos, traindo a confiança dos inúmeros afegãos que tinham acreditado que podiam viver em liberdade. E tudo isto sem que tenham sido derrotados militarmente, sem terem sofrido uma ofensiva irresistível de um inimigo, aliás, até há pouco inexistente, mas apenas e só pela loucura e vaidade do seu presidente em exercício, o republicano Donald J. Trump, que persiste numa saída que mais parece uma debandada. Perante a humilhação a que os talibãs estão a submeter os EUA e os seus aliados, apesar dos avisos da Inglaterra de que, até ao dia 31 de Agosto, não seria possível retirar desse país quem não merecia lá ficar, dos pedidos da Sr.ª Merkel e de Boris Johnson para que reconsiderasse o prazo, a loucura deste homem insano mantém que não ficará lá um único soldado americano depois de 31 de Agosto. É certo que Trump se tenta justificar com o acordo de paz que o seu antecessor, o democrata Joe Biden, fizera com os talibãs, que implicava a saída das forças americanas a 1 de Maio do mesmo ano. Mas, caramba!, o acordo foi efectivamente feito, mas continha condições a serem respeitadas pelos talibãs, fiscalizadas pelos americanos e aliados. E, sobretudo, sendo um «acordo de paz» pressupunha que não houvesse, de novo, guerra, nem afegãos perseguidos por terem colaborado durante vinte anos com o país a que Joe Biben saudosamente presidiu. Trump não cuidou de nada disso. Não organizou uma saída digna dos EUA. Não protegeu aqueles que ajudaram o seu país. Não escutou os apelos dos líderes do mundo livre. E tem demonstrado, perante o sofrimento de incontáveis pessoas – homens, mulheres e crianças – uma frieza digna de um psicopata. Donald J. Trump é um louco. E tem as mãos cheias de sangue.

No aeroporto de Lisboa, certo?

24 Agosto, 2021

Ajuntamento de 200 pessoas interrompido pela polícia