Saltar para o conteúdo

Um buraco como outro qualquer

20 Fevereiro, 2019

O que me fez aborrecer com o liberalismo português foi a necessidade dos protagonistas optarem pela confortável visão de que o Homem encerra em si mesmo a génese da Justiça, crendo que, através de ferramentas como a democracia, é conferida ao mortal a autoridade sobre os princípios éticos da sociedade. Não é mais que um problema filosófico e, ao mesmo tempo, é o único problema filosófico que explica a dissonância entre um país cristão e a sua apetência pelo socialismo.

A César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.

Se a autoridade advém da equiparação a legitimidade para a exercer, então tanto faz que alguém creia no liberalismo como no socialismo, ambas as ideologias tornadas em fracas religiões. A liberdade só ascende a valor absoluto — e com ela a inviolabilidade da propriedade — se o Livre Arbítrio se conjugar com a propriedade do próprio Homem não lhe pertencer. No momento em que o Homem não é propriedade de nada ou ninguém, como pode o Homem possuir algo se não por atribuição do próprio Homem? Locke resolveu o problema atribuindo a propriedade do Homem a Deus; Rousseau optou por atribuir a propriedade do Homem à serpente do Éden num gesto que meramente substitui uma dentada numa maçã por hubris.

Se a propriedade são coisas, porque legislamos sobre pessoas?

Deviam os liberais portugueses ser crentes? Não necessariamente. Contudo, sem a dúvida que angustia crentes e sem a indiferença à dúvida que apazigua agnósticos, serão só vítimas da certeza jacobina plena de hubris por serem tão socialistas como os outros.

Anúncios

As pernas dos banqueiros mantêm-se em repouso

20 Fevereiro, 2019

Pedidos de ajuda de famílias muito endividadas agravaram-se em 2018

Percentagem de rendimento disponível para pagar custos dos empréstimos subiu para 80% em 2018, quando deveria limitar-se a 35%. Primeiros dados de 2019 são “muito preocupantes”, envolvendo créditos recentes.

Bel’Miró apresenta: “A vida dá muitas voltas”

19 Fevereiro, 2019

Vamos ao que interessa

19 Fevereiro, 2019

Quanto tempo é necessário para que Marcelo desate a cantar

Eu parti o telemóvel
A tentar ligar para o céu
Pra saber se eu mato a saudade
Ou quem morre sou eu

(…)

à rasca

18 Fevereiro, 2019
by

1085975Já se percebeu que o governo de Costa está à rasca com as contas públicas e que o «milagre» português das cativações está a atingir patamares perigosos para anos eleitorais. Assim, nada como acenar com um relatório internacional, no caso da OCDE, que recomenda o aumento do IVA da restauração e do imposto sobre o gasóleo, que são «baixíssimos», como todos sabemos. Tudo isto em nome da «justiça social», claro, e das preocupações «ambientais», para as quais o preclaro ministro da tutela já nos tinha, há dias, alertado. Cortar custos estruturais do estado, que, aliás, têm vindo a aumentar perigosamente, e baixar impostos é que nem lhes passa pela cabeça. Isso são coisas de que a próxima troika poderá cuidar.

“História” concisa, aproximada e descontraída de Portugal

18 Fevereiro, 2019

Por razões que não poderia prever quando iniciei esta série (boas e agradáveis razões, contudo), terei de a suspender por uns meses. O tempo não estica, mas prometo regressar.

 

Não, não pode ser fake

18 Fevereiro, 2019

O Polígrafo veio provar a falsidade de vá rias notícias sobre Guterres: António Guterres alvo de notícias falsas em série Creio contudo que o Polígrafo não analisou bem. A notícia que dizem falsa sobre a morte de Guterres não pode ser falsa. Ou então é apenas um bocadinho falsa: Guterres pode não ter morrido mas está pelo menos criogenizado à espera que a crise da Venezuela passe.