Skip to content

Jantar privado

26 Abril, 2018

Tertulia 5 - Poster

No âmbito desta tertúlia está a ser organizado um jantar privado com os convidados (Zita Seabra, Paulo Tunhas e Michael Seufert ) que antecederá o evento.

Quatro lugares ainda disponíveis para comunidade leitora do Blasfémias.
Se quiser receber convite, enviar email para: tertulialiberal@gmail.com

 

(mais info aqui.)

Anúncios

Chegou o momento do trabalhador em regime forçado – vulgo contribuinte – exigir o direito a baixa, objecção de consciência…

26 Abril, 2018

Taxa de absentismo de enfermeiros atinge valor “histórico e elevadíssimo”

Quantos professores estão de baixa? Governo não sabe

Descida/Subida da Avenida

26 Abril, 2018

30167485_922764001230536_9064459291354920979_o

Estou convencido da boa intenção dos seus promotores, aprecio o factor inovador e o potencial simbólico de a Iniciativa Liberal se ter juntado aos inimigos da Liberdade nas comemorações do 25 de Abril.

Mas se é de simbolismos que se trata, não posso deixar de registar que o presidente deste novo partido tenha pedido autorização à Associação 25 de Abril para o fazer.

*

 

 

Liberdade? Democracia? Onde?

25 Abril, 2018

Mais um ano, mais um festejo de uma suposta liberdade e democracia com a revolução de  Abril de 74. Mas a verdade não é essa. Nunca foi. O 25 de Abril não foi uma revolução do povo, mas sim, dos militares insatisfeitos com Salazar que lhes congelara os direitos e que os partidos reaccionários de ideologia marxista (alguns por entre os militares), souberam bem aproveitar. Perguntem a Otelo Saraiva de Carvalho (veja aqui) Ele explica melhor que eu. Se temos hoje LIBERDADE e DEMOCRACIA devemo-la somente aos corajosos comandos liderados por Jaime Neves que em 25 Novembro de 75, que  correram com os comunistas já alapados no Governo em marcha com o PREC para tornar o país numa ditadura à semelhança de Cuba, Venezuela ou Coreia do Norte. Esta é a verdade inegável que nenhum branqueamento da História de Portugal conseguirá jamais apagar. Está escrito.

Tivesse o tão festejado 25 Abril vingado e teríamos hoje um país completamente diferente. As expropriações, a colectivização das propriedades agrícolas privadas, a estatização dos meios de comunicação e consequente controlo da liberdade de expressão,  bens e serviços, e mercado controlado pelo Estado,  estaríamos hoje ao nível de Cuba, isolados a um canto da Europa com uma moeda fraca, todos iguais na profunda pobreza.

Quis o destino e ainda bem, que desse tempo ficasse apenas uma Constituição comunista obsoleta, que para mal dos nossos pecados ainda não foi toda revertida e adaptada ao nível de um país evoluído e verdadeiramente democrático europeu. Mas pergunto: volvidos mais de 40 anos, somos mesmo livres?

Como podemos ser verdadeiramente livres se votamos numa coligação partidária que ganhou quase a maioria absoluta nas eleições de 2015, mas são três derrotados que governam? Como podemos ser livres se  as ideologias divergentes do poder actual são bloqueadas, manipuladas, apagadas, perseguidas e rotuladas de fascistas, xenófobos, racistas, neo-liberalistas e mais outro tanto vocabulário inventado para calar e rebaixar violentamente opositores? Quantos de nós não conhece bem essa realidade da censura moderna nas redes que com mudanças imperceptíveis de algoritmos, bloqueiam a informação indesejada do “establishment”?

Mas há mais. Que liberdade é esta que cria leis que autorizam a ocupação à força de casas privadas ou terrenos?   Que permite que se façam alianças com comunistas –  essas criaturas que deram os parabéns ao novo líder cubano que venceu – sem eleições livres – exactamente os mesmos que num passado recente quiseram impor o PREC e tomar dos privados, toda a propriedade e economia? Que liberdade é esta que acumulou dívidas estonteantes fruto de muito descontrolo e roubalheira descarada de políticos, empresários e banqueiros, cuja  factura chegou aos portugueses,  em forma de aumentos grotescos de impostos  e austeridade, pagos com sofrimento laboral, cortes na saúde, na educação, na segurança, aprisionando-os por décadas sem fim? Que permite que os maiores corruptos de que há memória em Portugal não estejam ainda todos presos mas sim, a pavonearem-se por aí, livres como passarinhos com tempo suficiente  para vender bens, esconder mais dinheiro sujo e ainda dar conferências pelo país numa propaganda desenfreada de lavagem da verdade? Que permite empregar toda a família dos políticos no Estado, receber de viagens não gozadas (entre outros) e ainda declarar estes comportamentos como legais marimbando-se para a ética? Que se une – fazendo desaparecer prova, substituindo procuradores do MP –  sempre que é necessário safar políticos de crimes de pedofilia, corrupção ou branqueamento de capitais – mas organiza-se ferozmente para atacar pequenos comerciantes que fogem ao IVA e que, ao serem apanhados com meia dúzia de infracções, de valor irrisório, o fisco confisca imediatamente os bens e os senta sem demoras, na barra dos tribunais aplicando pena de prisão? Que castiga funcionários que investigaram Manuel Pinho, outra “vítima” apanhada com mão no dinheiro público? Que permite ainda para cúmulo dos cúmulos,  que  um derrotado nas eleições, com outro que nunca foi eleito,  fazerem acordos sobre destinos da Nação que não foram escrutinados? Algum de nós votou nisto?! Votou?!! Então não me falem em democracia em Portugal! Isto é ditadura convenientemente camuflada pós 25 Abril. Vão gozar com outros.

Se há “liberdade a celebrar” é a que foi conquistada pelos políticos. Isso sim! Grande golpe! Engordaram contas bancárias e passaram a dominar através do sistema partidário  montado, fechado, um povo inteiro que mantiveram refém com discursos faustosos,  mentirosos e ilusórios  para viverem  confortavelmente à sua conta!  Até hoje.

É a festa da  liberdade deles – políticos – que conquistaram com esta revolução a liberdade  de “roubar legalmente” e continuarem livres mesmo depois de condenados.

 

 

Regulações há muitas

25 Abril, 2018

Nos anos 60 o consumo de leite – sim aquele que agora faz mal – tornou-se sinónimo de saúde e crscimento saudável. Mas o leite escasseava e muito era vendido avulso à porta. Vai daí a CML e o governo de então resolveram salvar os lisboetas dos leiteiros-mixordeiros e da especulação. Como ? Criando umas lojas que vendiam leite: os postos UCAL e subsidiando o leite.
Entretanto nasciam supermercados onde o leite era vendido engarrafado mas por largos anos o dinheiro dos contribuintes serviu para manter abertos os postos da UCAL.

leite pasteurizado publicidade antiga_thumb[2]

Vamos lá ver

25 Abril, 2018

As pessoas que consideram uma degradação do jornalismo a divulgação das imagens com os interrogatŕios a José Sócrates  que adjectivos usam para o livro Fire and Fury sobre Trump?

O cheque bebé cresceu e agora chama-se Nova Geração de Políticas de Habitação

24 Abril, 2018

A propósito deste arrazoado de medidas cujo impacto no mercado de arrendamento será desastroso para quem quiser alugar uma casa convém recordar o entusiasmo que foi no país com o cheque-bebé: o estilo épico-xaroposo das notícias é o mesmo; os amanhãs que cantam cantam ainda mais porque agora o pêcê tb canta, a incapacida da oposição para desmontar esta falácia mantém-se… Vista de 2018 a prosa que segue abaixo é ridícula, não é? Como s e pode ter acreditado naquilo e naquelas personagens? Pois é, o cheque bebé cresceu e agora chama-se Nova Geração de Políticas de Habitação

Sócrates celebra hoje 100 dias de Governo
O primeiro-ministro, José Sócrates, preside hoje a um Conselho de Ministros extraordinário, após o qual os membros do Governo irão reunir-se com diversas personalidades para um balanço dos primeiros 100 dias da legislatura. O Conselho de Ministros tem início marcado para as 10:00, no Centro Cultural de Belém. Na agenda está a regulamentação do chamado cheque bebé .
O Conselho de Ministros extraordinário tem início marcado para as 10:00, no Centro Cultural de Belém. Na agenda está a regulamentação do chamado “cheque bebé”. Por cada nova criança nascida em Portugal, o Estado abrirá uma conta-poupança com um valor inicial de 200 euros, que poderá ser reforçada pelos pais que, para tal, poderão beneficiar dos mesmos benefícios fiscais atribuídos aos PPR – Planos Poupança Reforma.

O Conselho de Ministro deverá prolongar-se por apenas 45 minutos, estando, para depois, marcada uma reunião entre José Sócrates, os ministros e várias personalidades “que representem um país dinâmico, positivo e que ajudem a apontar caminhos e medidas futuras”, segundo fonte governamental divulgou à Lusa.

Esta reunião, com a qual se pretende fazer um balanço dos primeiros 100 dias de Governo, conta com a participação, entre outros, do reitor da Universidade Nova de Lisboa, António Rendas, do presidente da AEP, José António Barros, do ex-secretário de Estado, João Nuno Mendes, do investigador Alexandre Quintanilha e do docente universitário e politólogo, Pedro Adão e Silva.

A área cultural será representada, neste encontro ministerial, por nomes como a da pintora Graça Morais, a artista plástica Joana Vasconcelos, a cantora Ana Free, o arquitecto Carrilho da Graça e a coreógrafa e bailarina Olga Roriz. O desporto está também presente na reunião – fechada à comunicação social – , com Nuno Barreto, medalha olímpica de vela e Presidente da Comissão de Atletas Olímpicos.