Saltar para o conteúdo

Como plantar rabanetes no Rossio

15 Setembro, 2019

Como está toda a gente à espera da mui liberalíssima unanimidade de opinião acerca do partido Iniciativa Liberal, como quem não professa da fé pelo culto é só um “trolls das redes sociais” e como “por muito que [os trolls das redes sociais] digam que nunca quiseram fazer, isso não é verdade” é o mesmo que chamar-me mentiroso, usando o que César Monteiro respondia ao guarda prisional que lhe mandava desligar o rádio porque “não estamos aqui para chatear ninguém”, voltarei ao Blasfémias só depois da cessação desta febre debilitante que, ironicamente, tal como nos grupelhos marxistas, lida mal com dissentes, caso alguma vez passe. Entretanto, os resultados do exercício de ontem já estão disponíveis.

Anúncios

Pan.eleirices

15 Setembro, 2019

Até há muito pouco tempo o PAN foi encarado pelas restantes forças políticas com muita bonomia, simpatia e até tido como exemplo a seguir no modo de fazer política de forma mais moderna e apelativa ao eleitorado.

Aliás, no seguimento dos resultados das recentes eleições europeias, os restantes partidos procuraram adaptar o seu discurso e as suas prioridades às “causas” do PAN numa tentativa de não perderem votos entre as suas fileiras para a agremiação do deputado “biodanzarino“.

Até agora a peculiar Direita que temos fazia vista grossa ao neo-fascismo e totalitarismo do PAN porque entendia ser isso necessário a dar um ar moderno, urbano e virtuoso.

Nem o facto de este partido parecer posicionar-se como a possível bengala de ouro de António Costa em caso de necessidade de formação de uma maioria parlamentar alterou a postura.

CDS e PSD disputam entre si qual deles sinaliza junto do eleitorado estar mais preocupado com as alterações climáticas, a sueca Greta, o gás metano bovino ou o seitan escolar. Até a Iniciativa Liberal deu honras de primeiro capítulo do seu programa eleitoral ao tema “Sustentabilidade” conforme pdf online.

Sem desmerecer a gostosa tareia que ontem Assunção Cristas deu a André Silva no debate da RTP3, temo que o “click” para a atenção à verdadeira natureza distópica do PAN surgiu quando este cometeu a imprudência de propôr como regra que todas as refeições nos eventos promovidos pela administração directa e indirecta do Estado fossem vegetarianas.

Aqui, meus amigos, alto e para o baile! (ou biodanza).

A oligarquia não dispensa um bom bife.

Maduro_rest-Ok

A concorrência é fodidinha

15 Setembro, 2019

Não posso deixar de me surpreender com os ataques sistemáticos à Iniciativa Liberal vindos da direita e de alguns liberais. Os ataques e as falsidades vindos do BE, como se viu esta semana com a acusação de que a IL teria feito circular sondagens falsas, não me espantam.

Já os ataques vindos duma certa direita liberal, causam grande espanto. Curiosamente, esses ataques tendem a ter como origem o mesmo tipo de pessoa, facilmente dividido em duas categorias principais:

  1. Cronistas que há muito acreditam estarem subvalorizados. A genialidade das suas crónicas semanais já deveria ter bastado para que estivessem neste momento no conselho de administração de qualquer coisa… mas não estão! É também evidente a sua frustração por não terem sido convidados para nada por parte da IL, facto que estranham pois consideram que foram eles (e elas) a colocar o liberalismo no mapa mediático.
  2. Trolls das redes sociais. Esta gente viveu nos últimos anos uma grande ilusão: pensavam, coitados, que 300 atrasados mentais a fazerem likes diários nos seus tweets era de alguma forma representativo de fama e mérito… tal como o cronista (e a cronista) de direita liberal ressabiada, estas pseudo-vedetas das redes sociais julgam que fizeram mais pelo liberalismo tuga do que tudo o que é tuga vivo, morto e por nascer… não perdoam à IL não os ter convidado para nada: nenhum deles é cabeça de lista, figura nos eventos da IL, etc…

 

O grande mérito da IL foi ter mostrado ao país que havia liberalismo para lá dos lunáticos que pululam nos jornais e nas redes sociais – um grupo alargado de liberais desconhecidos juntou-se em torno do Carlos Guimarães Pinto e fez pelo liberalismo o que os ressabiados não conseguiram fazer em 10 anos a largar veneno… é isso que lhes doi! É isso que não perdoam ao Carlos Guimarães Pinto e à IL! E é por isso que não largam o Carlos nem a IL: tudo o que dizem, fazem, não dizem ou não fazem é alvo de crítica diária, análise à lupa e comentário parvo…

O Carlos Guimarães Pinto e a IL fazem bem em não dar a esta gente a importância que não têm, mas que acreditavam ter… Ao Carlos e à IL, obrigado e força! Têm feito um excelente trabalho! Aos outros e outras, fica isto: vocês poderiam ter feito o mesmo que o Carlos e a IL fizeram, mas optaram por não fazer… e por muito que digam que nunca quiseram fazer, isso não é verdade. Quem acompanha as merdas que vocês escrevem há muito tempo sabe que vocês nunca fizeram porque nunca acreditaram que fosse possível fazer… mas o Carlos acreditou, está quase, quase a conseguir eleger um deputado, e vocês não lhe perdoam isso…

A concorrência é fodidinha, não é?

para memória futura

15 Setembro, 2019
by

10343564Parece que o PS está à beira da maioria absoluta e que isso se deve à transferência do voto da direita para esse partido, satisfeita que está com a estabilidade das contas públicas e também para evitar que a extrema-esquerda se mantenha influente na governação. António Costa corresponde, com pragmatismo, a esse apetecível eleitorado, assegurando-lhe que não formará coligações governativas com PCP e Bloco (não deve ter apreciado as companhias), e até com volúpia, propondo alianças etéreas aos empresários indígenas. Mas isto significa, sobretudo, que as eleições são ganhas por quem consegue estabilizar a economia com valores de direita, como o controlo do défice e da despesa pública, o que sucedeu, por duas vezes, com Pedro Passos Coelho e agora, pela primeira vez, com uma provável maioria absoluta (ou muito perto disso) de António Costa. E quer dizer, também, que aqueles que, no PSD, fugiram dessa herança “maldita” de Passos, como Manuela Ferreira Leite, Pacheco Pereira, Morais Sarmento e o próprio Rui Rio, estavam completamente enganados. De resto, serão eles os culpados por manter o PS no poder e por transformar o maior partido português num partido “piqueno”. O PSD que se não esqueça disto.

O lugar do morto

15 Setembro, 2019

Uma campa rasa no cemitério da sua terra – esta terá sido a única disposição de Salazar sobre o seu funeral. E com esta decisão criou um monumento fúnebre impressionante, com uma leitura política não só óbvia mas constante através dos tempos. Como logo repetiram os jornais portugueses aquando da sua morte, era o pobre filhos de pobres que regressava à sua terra.
Face à mensagem política gerada pelo despojamento daquela campa não deixa de ser curiosa a polémica em torno da construção de um museu dedicado a Salazar, em Santa Comba, sendo que afinal o museu não se pode chamar museu mas sim “Centro de Interpretação” e apesar de ser ali construído por causa de Salazar ali ter nascido, também não se pode dizer ser sobre Salazar mas sim sobre o Estado Novo.

O milagre socialista

15 Setembro, 2019

Hospital Garcia de Orta apresentou escala de cirurgia sem cirurgiões

Havia apenas um anestesista de serviço das urgências da Maternidade Alfredo da Costa. Expresso diz que o serviço deixou de receber novas grávidas este domingo. Urgências já reabriram entretanto.

O racismo é o que o LIVRE quiser

14 Setembro, 2019

Na sua Proposta 2.6 o LIVRE propõe-se combater “o racismo estrutural e a xenofobia, criminalizando o racismo” mas logo abaixo na Proposta 2.7 O LIVRE defende a “introdução de quotas étnico-raciais” que como o próprio LIVRE indica são uma forma dE discriminação com base nas etnias/raças. Portanto o LIVRE vai processar-se a si mesmo?