Saltar para o conteúdo

Nada disto é ilegal. É apenas Portugal.

6 Fevereiro, 2021

João Miguel Tavares: «são sempre os mesmos nomes, em todo o lado. Francisco George na DGS e na Cruz Vermelha. Francisco Ramos na Cruz Vermelha e na task force da vacinação. Graça Freitas entre um e outro. O PS em todo o lado. E, por fim, Marta Temido, de quem Francisco Ramos foi secretário de Estado, e que ao assumir a pasta de ministra da Saúde, em 2018, teve de renunciar a dois cargos. Um deles foi este: presidente não executiva do conselho de administração do Hospital da Cruz Vermelha.»

Como empobrecer um país

5 Fevereiro, 2021

Realmente já nos tinha parecido que na cabeça do PM nada tem a ver com o que quer qua seja

4 Fevereiro, 2021

«O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que a demissão de Francisco Ramos de coordenador do plano de vacinação contra a covid-19 nada teve a ver com o trabalho no âmbito deste programa, cuja operação está a decorrer “com sucesso”

Alguém sabe explicar o que planeiam estas duas pessoas?

4 Fevereiro, 2021

O país rejubila porque se foi buscar um militar especialista em planeamento para ver se ainda somos capazes de levar o plano de vacinação por diante. Aos distraídos recordo que Portugal tem um ministério do planeamento, ministro do planeamento, secretário de estado do planeamento, eles mesmos especialistas em planeamento. Já sei que o planeamento do ministério não é bem a mesma coisa que fazer um plano de vacinação mas por isso mesmo pergunto: Alguém sabe explicar o que planeiam estas duas pessoas?

Portugal, a nova velha RDA

3 Fevereiro, 2021

Os portugueses estão proibidos de se deslocarem ao estrangeiro.
No meu vídeo de hoje explico por que razão esta limitação exorbita manifestamente o quadro do decreto presidencial de estado de emergência, sendo que a norma do governo está assim claramente ferida de inconstitucionalidade.

António Costa transforma Portugal numa nova velha RDA em que o carcereiro sadicamente proíbe a fuga e a salvação do prisioneiro para lhe aplicar no aljube nacional as mais grotescas sevícias.

E mais é dito no vídeo que está disponível aqui.

Acham que os médicos alemães se interessam por murais?

3 Fevereiro, 2021

É o ministro Pedro Nuno Santos que os vai receber não é?

3 Fevereiro, 2021

Portugal. Médicos alemães chegam quarta-feira para ajudar a combater covid-19. São 26 profissionais de saúde, 150 camas hospitalares e 50 ventiladores que a Alemanha envia para os hospitais portugueses, já lotados e sem meios.

Isto é o que se chama governo com as pernas a tremer.

A Alemanha está honrada com a distinção que o nosso PM lhes deu

2 Fevereiro, 2021

Espanha e Comissão Europeia aguardam pedido oficial de Portugal para avançar com apoio na luta contra a Covid-19

Ora francamente É ABSOLUTAMENTE outro como escreve o PÚBLICO “Costa aceita ajuda internacional. Alemães são os primeiros”

Os espanhóis que se ponham na fila à espera que Costa aceite o seu apoio a Portugal. Os alemães a esta hora estão a celebrar e a dizer: Vejam lá que o Costa aceitou a nossa ajuda. Há dias em que ler o PÚBLICO e consumir enlatados vai dar ao mesmo.

Vai tudo ficar bem

2 Fevereiro, 2021

Urgente campanha nacional antiracista

2 Fevereiro, 2021

O Parlamento e o Presidente da Assembleia da República, enquanto esperam que lhes seja atribuida uma vacina, continuam imunizados à realidade de um país a cair aceleradamente para o precipício económico e moral, criando e promovendo agendas e causas artificiais que instigam o tribalismo e têm como consequência o inverso dos seus propósitos.

Desta vez recomenda-se ao Governo levar a cabo, com urgência, uma campanha nacional antirracista. Serão envolvidos certamente os habituais activistas da ala mais radical do já extremista Bloco de Esquerda, confortáveis burgueses que se sentam à mesa de grupos de trabalho criados pelo Governo, defensores do fascismo do bem, gente pacífica certamente, e que apesar de nem a oligarquia lhes reconhecer utilidade pública por falta de transparência nas contas e falhas de reporte legal, e do seu dirigente constar da lista de devedores ao Fisco são sempre chamados para a linha da frente pela classe dirigente quando é necessário folclore.

Proponho que Catarina Martins e os dirigentes do Bloco só se vacinem com vacinas criadas em laboratórios estatais de preferência de países socialistas

2 Fevereiro, 2021

Patentes e lucros das farmacêuticas não podem valer mais que o direito à saúde”, alerta Catarina Martins

Liberalismo como peúgas

1 Fevereiro, 2021

Nos últimos anos, multiplicaram-se as iniciativas de diferentes grupos liberais portugueses. Uns são mais directamente ligados ao partido Iniciativa Liberal, outros mais para outras bandas, mas, na essência, as mesmas pessoas que andam nisto há muito tempo e que agora estão sujeitas à natural fragmentação decorrente de diferentes quintinhas onde as pessoas “conspiram” para o que se pode designar, sem grande ofensa, “um Portugal melhor”. Novos vieram, claro, com o entusiasmo que a juventude e a ausência de filhos para vestir originam. Outros já se foram.

Vou sendo convidado, não sabendo bem porquê, mas, ao longo do tempo, adquiri uma fadiga com tudo isto por um motivo: o liberalismo em Portugal é para ser visto como um exercício intelectual, uma coisa sem grande aplicação directa à realidade do país – um pequeno acidente histórico e geográfico -, e que não tem em linha de conta a especificidade latina. Isto é um país católico muito antes de ser um país socialista ou liberal. O que quer que seja a designação do regime é irrelevante, porque colada a cuspo como mera vestimenta sobre a psique católica do povo. O Partido Socialista sabe isto melhor que ninguém. A fadiga vem porque ao longo dos anos fui percebendo que, mais que exercitar os neurónios sem qualquer tipo de pretensão nestas reuniões, o que a maior parte das pessoas destes nichos quer é mesmo mudar o país, educar “as gentes”, disponibilizar-lhes as ferramentas para que tenham a epifania de que sempre estiveram erradas, agradecendo aos pastores que os levaram aos prados verdejantes. O erro foi meu, claro: uma pessoa vai atrás da patuscada e só depois percebe que é suposto desempenhar um papel na evangelização de inocentes.

Atribui-se a Einstein a frase espirituosa “atingi a idade em que, se alguém me diz para usar meias, eu não tenho que o fazer”. Assim, meus amigos, digo-vos, é graças à vossa influência então que não uso meias.

Não tenho nada a oferecer a ninguém além de umas palavras sobre várias coisas que aqui vou escrevendo. Nem o Dylan quis ser cantor de protesto, haveria eu de o fazer porquê? And when we meet again, introduced as friends, please don’t let on that you knew me when I was hungry and it was your world.

O regular funcionamento das instituições no cacico-socialismo

1 Fevereiro, 2021

Tribunal de Contas quer vacinar todos os juízes

A corja

1 Fevereiro, 2021

*A presidente da câmara de Portimão, a socialista Isilda Gomes, já recebeu as duas doses de vacina contra o SARS-CoV-2, apesar de os autarcas não estarem no primeiro grupo de prioritários.

* 126 funcionários da Segurança Social de Setúbal terão sido vacinados contra a Covid-19, integrando uma lista que deveria ser exclusiva para idosos e trabalhadores de lares. A própria diretora do Centro Distrital da Segurança Social de Setúbal, a socialista Natividade Coelho, tomou a vacina. A lista foi redigida pela instituição e inclui outros diretores de unidades e diretores de núcleos da Segurança Social.

*José Calixto, presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, não pertence a nenhum dos grupos prioritários da primeira fase de vacinação, mas já recebeu a primeira dose da vacina da Pfizer. De acordo com o Expresso, o autarca do PS conseguiu a vacina primeiro, por ser o presidente da fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva, que gere o lar com o mesmo nome — que registou um surto de Covid-19 no mês de agosto, do qual resultaram 18 mortes.

Sempre a causar a melhor das impressões

1 Fevereiro, 2021
in ABC, 1 de Fevereiro de 2021

Para memória futura

1 Fevereiro, 2021

Já não se pode confiar no povo

31 Janeiro, 2021

Sousa Tavares alerta para riscos dos emigrantes que “votam muito mais à direita”. Francisco Ramos a despropósito das vacinas ataca os “11% ou 12%” que votaram Ventura. Já não se pode confiar no povo. Gostaria também de recordar à direita portuguesa que tão entretida anda nos seus jogos florais entre o Adolfo, o Carlos, o Francisco, o Nuno… que as sondagens em França começam a apresentar como possível a vitória de Marine Le Pen na segunda volta das presidenciais que vão ter lugar em 2022. Sim, estão a perceber bem, Marine Le Pen aquela com quem a direita não negociava, não reunia, não falava… pode ganhar as próximas presidenciais francesas. Agora é ela que não precisa dos gaullistas, dos conservadores, dos centristas.

Percebem ou é preciso fazer um desenho?

Ouvido no elevador: “vai tudo correr bem”

30 Janeiro, 2021

Esta foi uma semana notável. Morreram milhares de pessoas, algumas das quais até com Covid; houve falta de oxigénio num hospital, não por falta de provimento e sim por excesso de doentes — cambada de incompetentes, estes doentes —, como nos explicaram; vacinas deterioraram-se — e, mesmo assim, algumas foram administradas —, o estado comprou — a julgar pelo preço — várias dezenas de milhão de ratos e teclados porque o JP lá do sítio não tem vendido impressoras suficientes; pessoas que importam já foram vacinadas assim como todos os idosos com mais de 80.000 anos; o senhor presidente foi adiantando que barbeiros só voltam a abrir lá para Julho, mantendo, contudo, a obrigação de rendas dos estabelecimentos, que isto não se faz para prejudicar alguém; ninguém pode sair do país enquanto decorre a construção do muro na fronteira com Espanha (o muro que eles vão pagar), mas — Aleluia! — já é possível pedir ao governo o papel que autoriza um funcionário do estado a dar-lhe cabo do toutiço (esta expressão é completamente literal). A polícia vai-se entretendo a perseguir surfistas, os teletrabalhadores a denunciarem gente na rua de trela sem cão e o ministro Tiago lá autorizou os colégios a terem aulas online enquanto as escolas públicas se mantêm a coçar os tomates fingindo que estão mesmo só a coçar os tomates.

Para aliviar de boas notícias, foi tornado público pela imprensa cor de rosa que @ partid@ Iniciativa Liberal tem novo namorado, desta vez o ex-secretário de estado do turismo, Adolfo Mesquita Nunes. O casamento será marcado para breve e contará com a celebração do bispo André Ventura e terá António Costa e Catarina Martins como padrinhos.

Os cheganos não são todos iguais?

29 Janeiro, 2021

Mas porque raio um votante do Chega, só porque reside no interior alentejano, em Bragança ou em Castelo Branco não pode ser um extremista de direita, um racista como qualquer outro chegano residente nas freguesias mais costeiras ou em Mem Martins? Então agora decretam, certamente sob análise sociológica supervisionada pelo Iscte, que esses meros 10% do eleitorado de Ventura, só porque residem no interior «ah e tal, foi voto de protesto». Protesto coisa nenhuma! «Estavam abandonados, os coitados». Isso é mesmo uma visão típica de elites que não saem da toca lisboeta. Em que é que um tipo de extrema-direita, um adepto das soluções salvíficas do Ventura como o confinamento forçado por raças e etnias, de amputação das mãos para os criminosos, de mandar os pretos e demais minorias «para a terra deles» e outras javardices saídas da bocarra do ventura se distinguem entre si por morarem no litoral ou no interior? Ai coitadinhos, são do interior portanto não lêem livros, não podem ser fascistas. Desde quando para se ser fascista é preciso ler livros? Não me parece que a intelectualidade tenha sido a marca forte dos anos dourados desse movimento, e não será certamente por essa via que terá algum ressurgimento. Um gajo de Borba será tão autêntico na sua vontade de andar com o bracinho esticado, como um qualquer outro chegano mais urbano. Querer reduzir os extremistas e racistas do interior a meros velhinhos que votaram no Ventura como forma de protesto por terem encerrado o balcão dos CTT lá na vila, parece-me, sei lá, um paternalismo bacoco, a roçar o racismo. Olha, se calhar é por isso mesmo.

De José Sócrates a Matos Fernandes

29 Janeiro, 2021

O meu vídeo de quarta-feira passada onde falo do estado contra as pessoas e do socialismo contra a liberdade já está disponível no youtube.
De Viana do Castelo surge a luta inspiradora de uns poucos resistentes pela sua dignidade e propriedade privada.

Vergonha de estar a viver isto

29 Janeiro, 2021

A ler

29 Janeiro, 2021

José Mendonça da Cruz: Temos que vacinar a nossa gente

Calma aí com as acusações, pá

29 Janeiro, 2021

Dou de barato que o presidente ache que o país pode parar até ao início da Primavera. Também daria de barato que o presidente parasse, ele próprio, até à Primavera, apesar de saber que isso não vai acontecer. Até consigo perceber a ideia de fechar o país ao estrangeiro, por mais que não seja para poupar estrangeiros ao circo. O que não se consegue compreender é que o presidente eleito “de todos nós” decida tratar toda e qualquer pessoa que não vive de um salário público como “negacionista”.

Bem vistas as coisas, negacionista é o senhor presidente, que não faz a mínima ideia do que é a vida dos súbditos. Que comam brioches, não é?

A propósito da TAP

28 Janeiro, 2021

Tribunal do Trabalho da Maia declara ilícito despedimento de nove tripulantes da Ryanair

Vou ali à estante buscar “O triunfo dos porcos”

27 Janeiro, 2021

Os membros do Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), que funciona junto do Tribunal de Contas (TdC) para “prevenir e detetar riscos de corrupção”, estão dispensados de apresentar declaração de rendimentos, património, interesses, incompatibilidades e impedimentos, considera o Tribunal Constitucional (TC).

Se se deixassem de frioleiras sobre congressos, quem fala com quem e fossem ao que interessa?

27 Janeiro, 2021

Não sei se os liberais, os socias-democratas, a direita dos portugueses de bem, os do centros, os assim assim a que se junta agora a direita saladinha de rucula deram por isso mas a rede de oxigénio falhou no Hospital Amadora Sintra. Sim naquele mesmo hospital que deixou de ter gestão privada porque como escrevia o Esquerda.net essa gestão “desastrosa foi exclusivamente orientada por resultados financeiros em detrimento dos resultados clínicos.”

Não houve artigo com citações do pai, tio e primo do SNS (os mesmo que depois setratam nos hospitais privados) que não desse conta do seu júbilo quando acabou a gestão privada do Hospital Amadora Sintra.

Portanto está na hora de se perguntar porque falhou o Amadora-Sintra? Já sei que também podia ter falhado se a gestão fosse privada. Mas também sei o que hoje ia de acusações de assassínio caso isso tivesse acontecido com o Amadora_Sintra a ser gerido pelos privados. Portanto agradeço encarecidamente aos liberais, aos sociais-democratas, à direita dos portugueses de bem (e, aos do de mal que tabém são gente) aos de centros, aos assim assim a que se junta agora a direita saladinha de rucula.. a todos eles quero pedir que saiam da sua bolhinha e peçam explicações sobre o que aconteceu no Amadora-Sintra e denunciem a demagogia populista em torno do papel dos privados no SNS.

Claramente, um problema recorrente

27 Janeiro, 2021

Enquanto vamos vivendo a era mais iliberal do país, incluindo a primeira república e o extermínio de jovens portugueses nas Grande Guerra, a malta da IL acredita numa “onda liberal” que vai transformar o país. Há algum delírio entusiasmado e aceitável oriundo de resultados modestos em eleições, mas alguém devia meter juízo aos urbanos das cliques que olham para o galho e ignoram a floresta.

Todas as movimentações na direita em torno da IL são incomodativas, uma espécie de épater les bourgeois que passa ao lado dos portugueses confrontados com duas opções nas presidenciais: a manutenção de Marcelo Rebelo de Sousa ou o voto de protesto em Ana Gomes – sem apoio do PS – ou em André Ventura. Qualquer um dos outros candidatos é incompreensível além de um jogo partidário que só interessa a meia-dúzia de pessoas fora dos partidos e que não arranjaram um hobby decente, como tricot.

Depois de despacharem Assunção Cristas rumo a um “Portugal mais liberal”, apoiando Francisco Rodrigues dos Santos – um perfeito desconhecido ainda hoje em dia -, para passarem um ano inteiro a denunciar a escolha por Rodrigues dos Santos não namorar com o delírio do “Portugal mais liberal” num Portugal cada vez mais iliberal, o mote continua vivo, agora na tentativa de Adolfo Mesquita Nunes convocar um congresso electivo sem que se antevejam candidatos. De facto, considerando a hipótese não avançada de Mesquita Nunes se candidatar à liderança, e apesar da óptima prestação como secretário de estado, já ninguém se lembra do trabalho parlamentar exercido por Mesquita Nunes durante 19 meses. Contudo, outro ex-secretário de estado do turismo de que os portugueses se lembram, com trabalho parlamentar consistente desde 2009 e que não assinou o abaixo-assinado anti-amálgama rejeitado liminarmente este Domingo pelos portugueses, é Cecília Meireles. Consigo antever que esta parlamentar interessaria menos a “um Portugal mais liberal”, mas garantidamente interessaria mais a um CDS com identidade própria e, diga-se de passagem, mais ancorado na cultura portuguesa do que nas interpretações jacobinas do liberalismo que ocasionalmente brotam em Portugal nos circuitos dos angry young men*.

Tiago Mayan disse, na noite das eleições, que é um humanista. Disso não temos qualquer dúvida: por isso é lhe demos apenas 3,22% dos votos.

Os heróis do Coutinho

26 Janeiro, 2021

Com sua tristemente habitual bazófia e a arrogância grosseira típica de gente que manda mas que não tem categoria para o cargo que ocupa, o ministro do ambiente Matos Fernandes afirmou hoje esperar que os moradores do prédio Coutinho em Viana do Castelo saiam depressa do edifício. E ainda fez troça dos proprietários dizendo que vai aguardar umas semanas para lançar o concurso público internacional para demolição do prédio não vá surgir alguém que interponha uma nova acção em tribunal.

Se o leitor se recorda da história, o prédio Coutinho foi construído em Viana em meados da década de 70 cumprindo todas as regras e requisitos legais, tendo todas as aprovações e licenças necessárias emitidas e pagas. Posteriormente os apartamentos foram comprados de boa fé e sem qualquer obstáculo por inúmeras famílias.

No entanto, no início do ano 2000, o suprassumo da engenharia técnica, José Sócrates, conhecido pelos seus aprimorados e esteticamente perfeitos desenhos de projectos habitacionais, entendeu que o prédio Coutinho era feio e enquanto ministro do ambiente à época decidiu que deveria ser demolido e substituído por um mercado municipal.

Desde essa altura que os moradores do Coutinho iniciaram uma batalha judicial para travar o processo de demolição dos apartamentos que haviam comprado com o esforço das suas poupanças de vida. O dinossauro autárquico socialista Defensor Moura sempre defendeu os caprichos de Sócrates contra os seus munícipes e mais recentemente Matos Fernandes tornou-se ministro do Ambiente e passou a dar a cara pelo Estado contra os cidadãos proprietários.

Matos Fernandes foi adjunto e chefe de gabinete de Ricardo Magalhães, ex-administrador da Vianapolis uma empresa municipal de Viana do Castelo que suja as mãos pelo presidente da Câmara que se resguarda no conforto do seu gabinete. O antigo chefe de Matos Fernandes foi por sua vez secretário de estado de Elisa Ferreira, também ela própria ex-ministra do ambiente. Com o governo Sócrates, Matos Fernandes vai para a empresa que elaborou o projecto Polis de alteração da zona do prédio Coutinho. Em 2016 o marido de Elisa Ferreira, assume presidência da Comissão de Coordenação que superintende tudo isto e escolhe o ex-chefe de Matos Fernandes para vice-presidente da instituição. Por seu turno o administrador-executivo da Vianapolis, a empresa municipal, é irmão de outro cavalheiro que foi secretário de estado da Habitação de Matos Fernandes.

A esta altura o leitor já perdeu o fio à meada, mas terá ficado com a ideia acertada de que há um círculo muito fechado de conhecimentos e relações pessoais envolvendo tudo isto que podendo não se traduzir em nenhuma ilegalidade ou procedimento não conforme os regulamentos deixam perplexidades sociológicas sobre quão exíguo é aparentemente o universo de pessoas no país capazes de desempenhar funções destas responsabilidades.

O prédio foi, entretanto, esvaziando-se de moradores e desde 2019 que resta um pequeno grupo de resistentes que luta pela defesa da sua propriedade e do seu direito à habitação. Estas pessoas, algumas delas de idade muito avançada, foram alvo de todo o tipo de ameaças e atentados à sua dignidade por parte dos poderes públicos, câmara e governo de António Costa. Cortaram-lhes ilegalmente o fornecimento de electricidade, impediram os moradores de comprar alimentos, foram privados de água canalizada, cercados policialmente, receberam ameaças de processos judiciais e pedidos de indeminizações milionárias a favor do Estado. Chegou-se ao ponto de realizar demolições de paredes com moradores dentro das suas habitações.

Durante essas semanas mais tensas a comunicação social deu atenção ao assunto e a opinião pública ficou a conhecer um caso bem ilustrativo do poder político contra os cidadãos ao invés de lhes dar protecção. Muitos se sentiram próximos e solidários com a resistência de uns poucos cidadãos perante a desumanização e abuso de poder pelo Estado, e todos testemunharam o uso da força e coerção sobre pessoas frágeis em defesa daquilo que é seu por trabalho e direito.

Em 2019 o presidente da República era Marcelo Rebelo de Sousa e nada disse em protecção do direito à propriedade privada ou dos mais que justos pedidos de ajuda dos moradores do prédio Coutinho. Fingiu não conhecer o dossier.

Esta semana os moradores receberam a notícia de que um tribunal julgou improcedente as suas razões e por isso serão mesmo obrigados a abandonar a casa das suas vidas.

Esta semana também o país elegeu para um segundo mandato o mesmo Presidente da República, numa nada surpreendente escolha de um hipocondríaco para supostamente “combater” a epidemia…

Tanto no caso do prédio Coutinho como no caso da gestão da epidemia é evidente que o Estado, que detém a força, acaba por impôr a sua vontade, fazendo tábula rasa dos direitos de propriedade, menosprezando as liberdades individuais e transformando as pessoas em meros obedientes peões dos interesses da oligarquia.

Ora, mesmo que a luta possa estar condenada ao fracasso, a dignidade de cada pessoa exige que se resista e continue a resistir ao abandono dos valores e princípios mais fundamentais que dão sentido ao ser humano e à sua singular autonomia.

Alguma coisa teremos a aprender com os heróis do prédio Coutinho.

O mundo do lado de fora da bolha da gente bonita

26 Janeiro, 2021

Vila Velha de Ródão: GNR avalia transferência de militares após ruína de telhado do quartel

Vão bugiar mais o fascismo

26 Janeiro, 2021

Durante décadas no Alentejo votou-se num partido estalinista e isso era poético.

Durante décadas o PSD teve figuras como Alberto João Jardim e chamou-lhe carismático.

Durante anos e anos o PS justificou tudo e o seu contrário a José Sócrates.

… E agora vêm dizer que o Ventura é um problema?

Vão bugiar mais o fascismo.

A derrota da realidade virtual

25 Janeiro, 2021

A minha análise destas eleições para o Observador:« Desde já declaro que concordo com todas as análises que garantem uma coisa e o seu contrário sobre a reconfiguração da direita; o sucesso ou o insucesso da candidatura de Pedro Nuno Santos à liderança do PS à luz do fraco resultado de Ana Gomes; o norte ou desnorte da candidatura de Marisa Matias que passou a campanha a propor a ilegalização de um partido cujo candidato conseguiu nestas eleições o triplo de votos que ela, Marisa, obteve. Tudo me parece possível mas o que me interessa é o país invisível que votou André Ventura. Um país que não se vê. Um país que foi destratado nesta campanha.

A fazer fé naquilo que jornais, rádios e televisões nos garantem há semanas, Beja, Castelo Branco, Viseu, Guarda, Santarém, Vila Real, Bragança e Madeira estão a abarrotar de fascistas. Legiões deles. Extremistas.

Não conhecem estes fascistas? São gente que vive com baixos rendimentos. Lêem poucos livros e certamente nenhum que tenha a ver com o fascismo.

Tudo o que fazem e dizem parece mal ao país que se acha certo e cheio de razão. E que diz que eles são fascistas. De extrema-direita. Que são um problema.

Coitados destes perigosos extremistas. Para irem ao médico, à escola, às compras… precisam de ter carro mas agora explicam-lhes que as suas viaturas em segunda, terceira e sabe-se lá que mão não são amigas do ambiente.

Matavam um porco mas agora dizem-lhes que o país sustentável é vegetariano.

Roubaram-lhes os dispositivos de rega que tinham instalado num terreno mas nem vale a pena apresentarem queixa. Aliás, isso de chamar a polícia que em muitos destes locais que abarrotam de fascistas é a GNR é uma força de expressão: os postos da guarda fecham à noite, as viaturas não andam e os agentes volta e meia declaram que não têm meios para intervir. (Sabem, nesse país que fica longe a noite é mesmo noite, o isolamento é mesmo isolamento e quando a GNR declara que não tem meios para intervir, optar por pintar os lábios de vermelho e vir fazer carantonhas para as redes sociais não funciona). Estas pessoas não vêem as suas vidas nas notícias. Só servem para fazer de povo nos programas de entretenimento.

Hoje votaram no Ventura? Sim, mas tal como lhe deram o voto tiram-lho. Mas há que os ouvir.»

Podem deixar-se as crianças em São Bento?

25 Janeiro, 2021

Houve um tempo em que tudo tinha graça, tanta graça que António Costa ofertava tolerâncias deponto e abria as portas de São Bento aos filhos dos colunistas que o criticavam

Agora que a graça passou a desgraça o mesmo António Costa decide que os pais em teletrabalho vão continuar sem apoio por suspensão de aulas. Ou seja estes pais estão tramados pois com as crianças a cargo não conseguem trabalhar (experimentem trabalhar com uma criança de um ano à vossa volta!!!) e o patronato que os pôs em teletrabalho espera que eles trabalhem.

Perante o fastio

25 Janeiro, 2021

com aquele povo que não percebeu que devia aderir ao movimento vermelho em Belém proponho que se torne a Visão de leitura obrigatória em São Lourenço de Mamporcão, uma terra que tem 28,8 de fascistas. O primeiro a ser reeducado é aquele que é 0,8 fascista. Ainda há esperança para ele. Mas acreditem em mim a culpa de tanto fascismo deve ser das migas e das açordas.

em dia de eleições

24 Janeiro, 2021
by

O Colapso do Estatismo, no Observador:

“Fruto dessa cegueira ideológica, António Costa convenceu-se de que, juntamente com o seu governo de competências e ilustres sábios, seria capaz de “controlar a pandemia” a golpes de vontade e com decretos do Conselho de Ministros. Já não lhe bastava planear a economia e a política do país, tinha também de dar ordens a um vírus. Um vírus que não se vê, de que não se sabe ainda muito e sobre o qual quase todos os dias nos surgem «cisnes negros». Desse modo, em vez de fazer o que poderia ser feito por qualquer governo – preparar, a montante, reforçando os meios e protegendo aqueles que já se sabia serem mais vulneráveis -, resolveu aguardar o que viria a jusante, para atuar nesse momento e, de novo, deslumbrar os crentes. Os resultados estão à vista de todos.”

Livro de estilo da Lusa para obituários

24 Janeiro, 2021

Foi terrorista? Dedicou-se a actividades questionáveis em geografias políticas nada recomendáveis?… Descanse em paz que no seu obituário apenas consta que foi anti-salazarista e por acréscimo anti-fascista. Para a Lusa e para as publicações que repetem acriticamente o que esta lhes envia há uma grupo de pessoas em Portugal cuja vida se resume a terem sido anti-salazaristas. Nem Salazar teria esperado tanto e note-se que o seu orgulho era imenso.

Incompetência sistémica

24 Janeiro, 2021

Nunca, e neste nunca estou a incluir o desnorte da corte portuguesa aquando da invasão francesa liderada por Junot e a incompetência que levou ao chamado desastre de La Lys, nunca, repito, Portugal em momentos de grande exigência esteve entregue a uma tal agremiação de despreparados. Mas o governo de António Costa não é irresponsável por acaso. É, como agora soe dizer-se, sistemicamente irresponsável. Não podia nem pode ser doutro modo. Afinal toda esta plêiade foi seleccionada não pela sua competência mas sim pela sua capacidade em não assumir responsabilidade alguma

O que se esconde atrás dos comboios de ambulâncias

23 Janeiro, 2021

Ninguém pensou que os doentes podiam ser mais que dois ou três de cada vez. No Santa Maria o pavilhão para onde são levados os doentes para avaliar se têm ou não Covid não tem espaços para manter esses doentes isolados no seu interior. Habitualmente estes chegavam pelos seus meios e eram mandados aguardar na rua. Se vinham de ambulância estas ficavam à espera mas como estas eram poucas não davam nas vistas. Agora tornou-se evidente que o sistema foi montado do ponto de vista de quem atende e não de quem é atendido. As fotografias incomodam os políticos que só vivem para a fotografia mas o pior é que enquanto os doentes ficam cá fora nas ambulâncias à espera, as ambulâncias estão cativas. Recordo que inúmeras pessoas precisam de ser regularmente transportadas para fazerem tratamentos e que em Portugal se tem dificultado o transporte dos chamados doentes não urgentes em táxis adptados para o efeito como forma de protecção às associações que detêm o monopólio das ambulâncias. Os comboios de ambulâncias merecem mais investigação e revelam muito mais que Covid.

O falhanço estrondoso

22 Janeiro, 2021

Dizia Costa em Abril passado: “Aconteça o que acontecer”, no próximo ano lectivo vai estar “assegurada a universalidade do acesso às plataformas digitais para todos os alunos do ensino básico e secundário”(…) “É muito mais do que ter um computador ou um tablet. É ter isso e possuir acesso garantido à rede em condições de igualdade em todo o território nacional e em todos os contextos familiares, assim como as ferramentas pedagógicas adequadas”, disse.

«….garantir a necessidade de que, aconteça o que aconteça do ponto de vista sanitário durante o próximo ano lectivo, não se assistirá a situações de disrupção, porque houve outra face da moeda que esta crise demonstrou”.*

Curiosamente, todas as escolas foram obrigadas a ter, no início do ano escolar, um plano de contingência para ensino misto e ensino apenas à distancia. Mas governo optou por férias forçadas, porque falhou completamente.

 

Amanhãs que já cantam

22 Janeiro, 2021

PSP interrompe exame em escola privada de Cascais. A PSP interrompeu esta sexta-feira um exame, com 43 alunos, que decorria numa escola privada de Cascais, para fazer cumprir as medidas de confinamento decretadas devido à pandemia de Covid-19,

O meu grande bem-haja

22 Janeiro, 2021

Aos manifestantes que ontem atiraram uma caixa de pastilhas a André Ventura (recomendo a este título este artigo da Visão que explica muito bem que a responsabilidade do atirar da caixa de pastilhas se deve a um gesto imprudente do candidato e à falta de competência dos seguranças do mesmo Ventura.) Mas voltando ao meu bem-haja quero frisar que nunca ficaremos devidamente agradecidos aos manifestantes por terem escolhido a caravana do Ventura. Já imaginaram o que ia hoje por aí de gente com pastilhas coladas na cabeça em solidariedade com Marisa Matias caso os manifestantes tivessem atirado pastilhas a essa candidata? Isto para não falar das cabeças entrapadas ao virar de cada esquina caso os visados pelas pedradas fossem integrantes da comitiva de Ana Gomes. Felizmente que os manifestantes escolheram o Ventura. Assim a coisa ficou reduzida a um atirar de confettis e fomos poupados ao espectáculo de um carnaval antes da data.