Saltar para o conteúdo

Que Deus vos perdoe, porque a nós não compete

22 Junho, 2021

Não se pode. Há requisitos para opinarmos: temos que cumprir os desígnios superiores que nos integram no nicho correcto.

Pode-se lançar uma acção em tribunal acusando a vacina de uma farmacêutica que tomamos há 30 anos de ser responsável pelo nascimento de um bebé autista, mas não se pode referir números absolutos de mortes atribuídas a vacinas. Pode-se referir números absolutos diários de mortes decisivamente por covid sem discriminar se são por covid, com covid ou com cheirinho de covid, mas de vacinas, não.

Importante é a percentagem, o número por 100.000 vacinados. É como aquele número de 8 milhões de judeus no holocausto: uma ignomínia. Na realidade foram só cerca de 350 por 100.000 terráqueos. Vá lá, não digam que o holocausto não valeu a pena: se há coisa que não se poderia acusar os nazis era a de lançarem vacinas mRNA sem testes exaustivos em coisas com semelhança suficiente a humanos.

Amén, biodanza, biociência e bioeconometria.

Portugal, o pedinte-pândego

20 Junho, 2021

O país viveu e vive a deliquescência da Presidência da República. O abandalhamento frívolo das instituições é um dos legados de Marcelo senão o seu principal legado. Marcelo, como todos os narcisos mais a mais se gostarem de se divertir como é o seu caso, sobrevalorizou a sua capacidade táctica. Agora acabou isolado e a discutir poderes com o primeiro-ministro. Pelo meio sopra a quem o quer ouvir que não há alternativa ao PS. Claro que não existe alternativa mas não existe em boa parte porque foi isso mesmo que ele Marcelo desejou e para o qual usou toda a sua influência mal chegou a Belém

Meros casos colaterais sem qualquer interesse perante a ignomínia de uma Palestina ocupada

20 Junho, 2021

Transcrição da comunicação presidencial

18 Junho, 2021

Portugueses,

Eu disse que não voltaríamos atrás no confinamento. O governo, aproveitando a oportunidade para me enrabar, usou os lisboetas como lubrificante. Isto não é assim, pelo que anuncio hoje que o governo está demitido. Pouco me importa se voltam a ganhar eleições: se tal acontecer, limpai as mãos à parede. Portanto, como o governo vai com as couves, podeis circular normalmente em todo o lado. Informo também que concederei indulto presidencial a qualquer português com multas associadas à fantochada covid que prove com fotografia ter espirrado na cara da Mariana Vieira da Silva.

Sem outro assunto, desejo a todos um excelente fim-de-semana.

Fechem tudo! Tudo! Nem evacuem! Tudo fechado!

17 Junho, 2021

Parece inevitável encerrar Lisboa. Não faz nenhum sentido, não há qualquer argumento para o fazer, não há um único benefício que se obtenha com o estrondoso sacrifício, daí ser inevitável.

O governo vai obter o dinheiro que precisa da UE para queimar, as pessoas vão continuar a ser vacinadas como se daqui a uns meses não estivessem a ouvir que a vacina terá que ser anual para ser eficaz (e depois bianual, e depois uma por cada pequeno-almoço), o presidente está farto disto… Só vantagens para fechar tudo.

A turba hipocondríaca considera enfiar a terceira máscara na cara e a quarta na patareca, tudo está bem, para quê voltarmos à incerteza que era a condição humana até 2019?

Os padrecos das UCI, lá nas suas capelinhas, pedem mais, mais, mais, e mais ainda, não se sabe bem o quê, mas mais, como se antes de 2020 tivessem as unidades vazias. Não estavam, estavam cheias, só não tinham o glamour covid, logo eram dispensáveis, meros descamisados, uns velhos caquéticos.

Os pundits (em português, “as putas”) alertam para alertas e culpam os irresponsáveis que vão a baptizados em vez de estarem quietinhos a pagar o Adão e Silva para fazer o que quer que o Adão e Silva vai fazer (pista: nada, não faz nada).

Está tudo bem e vai tudo ficar ainda melhor. Fechem tudo.

Dois milhões, sem espinhas

16 Junho, 2021

Uma câmara municipal, contentores de lixo com acesso através de cartão electrónico personalizado e dois milhões de euros com o objectivo de separar espinhas de peixe com mais de 15 cm das espinhas com menos de 15 cm.

A história é contada no meu vídeo de hoje:

E Marrocos estuda sozinho?

16 Junho, 2021

Algumas horas depois de o termos referido aqui no Blasfémias começa a ser noticiada a Operação Marhaba, ou seja a abertura de uma rota marítima com Marrocos, para já durante o Verão. A Espanha e Marrocos estão envolvidos numa tremenda crise diplomática que levou a que nos portos espanhóis não esteja prevista acontecer este ano a chamada Operación Paso del Estrecho que anualmente é montada para que os milhares de marroquinos que vivem em Espanha vão de férias ao seu país.

O que ganha Portugal com esta transferência para Portimão da Operación Paso del Estrecho? Há anos que se detectatam tentativas de criar rotas de migração clandestina de Marrocos para Portugal. Assumirmos o papel de Espanha na chamada Operação Marhaba – e note-se que aqui se está perante migração legal – não é uma decisão inócua e vai aumentar a pressão marroquina sobre a migração para Portugal. É isso que queremos? Como e quem vai fazer o controlo fronteiriço em Portimão?

Não fossem os jornais espanhóis e nem sabíamos do assunto. Agora a avaliar pela noticia do PÚBLICO tudo nos vai chegar envolto num palavrado de cruzeiro de férias: «Marrocos tenciona ampliar o seu número de rotas marítimas para a Europa e o porto de Portimão consta nos planos, escreve o El Mundo esta quarta-feira. A rota ligará Tanger ao Algarve e servirá como uma alternativa mais em conta para a viagem de emigrantes marroquinos»

A abertura de uma rota marítima com Marrocos é um assunto muito sério, com implicações sobre a imigração que não se podem escamotear.

Parece que importante é mesmo o futebol, não é?

Operação Marhaba: ouviu falar? Os marroquinos sim. Para nós é um assunto administrativo

16 Junho, 2021

Opération Marhaba 2021 : le Maroc cherche à inclure le port de Portimao au Portugal

Opération Marhaba : le Maroc négocie avec le Portugal pour ouvrir une ligne maritime

Portanto no momento em que Portugal tem o controlo de fronteitas de pantanas prepara-se para abrir uma ligação marítima com Marrocos como se tratasse de uma ligação banal. Tipo Lisboa-Funchal. Quem acompanha com regularidade a imprensa espanhola sabe as exigências colocadas por este tipo de ligação. Aqui nem uma palavra. Os jornais de Marrocos e de Espanha falam do assunto, dão-lhe destaque . Em Portugal o PR comenta futebol.

O que se sabe sobre isto em Portugal?

16 Junho, 2021

Marruecos quiere llevarse la Operación Paso del Estrecho a Portugal

El Ministerio de Fomento marroquí negocia con el Gobierno portugués utilizar el puerto de Portimao para los súbditos que residen en España

Os jornais espanhóis informam-nos da possibilidade desta operação que implica a passagem de milhares de cidadãos marroquinos via maritima até agora para Espanha. Não só quase nada sabemos sobre estas negociações como elas acontecem numa fase em que o SEF esta a dezfazer-se. O que dizem os partidos a isto? Vamos continuar a ser informados pelos jornais espanhóis?

O compromisso de Medina é com Medina comentador não com os munícipes de Lisboa

14 Junho, 2021

Hoje na rádio Observador, Júlio Magalhães chamou a atenção para algo que de tão banalizado já passa por normal mas de facto não é: “convidei vários presidentes de câmara para serem comentadores em televisão e a grande maioria diziam-me que não tinham tempo, que não podiam ter um compromisso de estar na televisão todas as semanas com horário fixo. Não tinham tempo para isso. (…) Parece que é muito mais fácil ser presidente de câmara em Lisboa e no Porto porque estes conseguem estar na televisão, tẽm tempo para isso.”

Na guerra sacrificamos vidas individuais para salvar a nossa liberdade coletiva…

14 Junho, 2021

… mas a pretexto da Covid19 “sacrificamos a nossa liberdade coletiva para salvar vidas individuais“.

Escreve Miriam Cates, deputada britânica e o seu artigo completo pode ser lido aqui.

E a propósito do súbito mas generalizado medo de viver fica outra passagem para reflexão:

Não vivemos apenas para evitar a morte. O sentido das nossas vidas não vem principalmente da sua extensão, mas dos nossos relacionamentos, das nossas responsabilidades, dos nossos sucessos e fracassos. A morte, especialmente na velhice, é uma parte normal da vida e, embora obviamente toda morte seja uma tristeza, isso não significa que devamos sacrificar as coisas que fazem a vida valer a pena em prol de um curto aumento na longevidade.

A única coisa que há para saber: Fernando Medina vai ou não incluir o mandato de António Costa na auditoria ou não?

14 Junho, 2021

CML/Rússia: Medina pediu auditoria sobre realização de outras manifestações em LisboaO presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, anunciou hoje que pediu uma auditoria sobre a realização de manifestações no município nos últimos anos, no seguimento da partilha indevida de dados de ativistas russos.

As novas conquistas irreversíveis de Abril e o seu comissário

14 Junho, 2021

Tal como aconteceu com as do PCP, também estas conquistas irreversíveis garantirão ao PS uma influência e um poder imunes aos resultados eleitorais. A nomeação de Pedro Adão e Silva não foi um engano, não duvido que a polémica era esperada quer por ele quer pelo PM, o seu vencimento não resultou de uma distração e obviamente a sua equipa não está sobredimensionada para aquilo que dela se espera: Pedro Adão e Silva vai dirigir um ministério da Propaganda, que procurará fazer dos objectivos do PS as novas conquistas irreversíveis.  O que o PS espera de Pedro Adão e Silva é que ele transforme o discurso do PS no discurso do país e que transforme em irreversível o que tem de ser debatido.

É à luz desta ocupação do Estado pelo PS, do sentimento de impunidade que cresce dia a dia entre os seus dirigentes, da ausência de oposição e do apoio militante dos comunicadores do regime, que o PS se prepara para a fase seguinte, aquela em que vai lançar a regionalização. Ou mais precisamente apresentá-la como o objectivo de Abril que falta cumprir.

Vamos ao que interessa: o Medina comentador político vai pedir a demissão do Medina presidente da CML? Ou vice versa?

11 Junho, 2021

«Medina considera “delírio desesperado” e “aproveitamento político” pedido de demissão de Moedas. Medina afirmou que viu este pedido de demissão como “uma tentativa de aproveitamento político absolutamente evidente”

Portanto o dr Medina que vive de aproveitar politicamente tudo o que pode, considera-se agora objecto de uma “tentativa de aproveitamente político”. Vá lá, repita estas frases lindinhas que espalhou por Lisboa aquando da “Web Summit” de 2016, (época em que não havia medinazinha neste mundo que não se achasse na necessidade de criticar o muro que o Trump ia construir na fronteira com o México que por sinal até já estava construído.)

Isto só se resolve assim: não pagamos IMI e dizemos que se tratou de um erro lamentável

11 Junho, 2021

Fernando Medina pede desculpa pela partilha de dados de manifestantes com a Rússia. Autarca lisboeta diz que o erro foi “lamentável” e que “não podia ter acontecido”.

A farsa do IVAucher

10 Junho, 2021

O programa IVAucher lançado por António Costa e que decorre até ao final deste Verão é uma farsa.

Depois de o Governo ter dizimado os sectores da restauração, turismo e cultura com restrições absurdas a pretexto da covid19, vem agora dizer que quer apoiar os negócios que deixou em crise com as suas próprias políticas. É o equivalente a confiar ao ladrão a tarefa de restituir o produto do seu próprio roubo.

A propaganda oficial é que o governo está disposto a abdicar de 200 milhões de receita do IVA para que os consumidores gastem esse dinheiro em restaurantes, hotéis ou espectáculos culturais. Simplesmente, à boa maneira socialista, criou-se um mecanismo complexo de apuramento, validação e reembolso do IVA que nem comerciantes nem consumidores conhecem ou entendem bem como funciona.

Se fosse mesmo para ajudar os sectores de actividade mais afectados, bastaria ao Estado deixar temporariamente de cobrar IVA. Mas, o objectivo não é esse e muito menos há intenção de aliviar os portugueses da carga fiscal. Pelo contrário, conforme se diz no preambulo deste programa, o Estado tem em vista é criar incentivos à emissão de faturas e dificultar a evasão fiscal e, na práctica, obriga à utilização de meios eletrónicos de pagamento.

Ao concurso público para implementação deste programa concorreu apenas uma única empresa privada, a quem o Governo se dispõe a pagar até 6 milhões de euros de honorários.

O concurso público lançado pelo Governo para a aquisição de serviços de processamento de comparticipação de pagamentos eletrónicos com cartões bancários é surreal. Desde logo porque houve apenas dois operadores privados candidatos. Ou melhor, apenas um, porque os dois candidatos pertencem a um mesmo e único grupo empresarial de Fintech, com accionistas Brasileiros bilionários.

O Estado compromete-se a pagar a esta empresa a que foi adjudicado o contrato um montante de até quase 6 milhões de euros de honorários. Ou seja, o Estado tira 6 milhões de euros aos portugueses em impostos, para depois lhes dar subsídios. A habitual pescadinha de rabo na boca.

Mas a propaganda política em torno do IVAUcher é ainda mais enganadora. O IVA dos sectores seleccionados pelo governo não é de 23%: tem taxas reduzidas entre 6% e 13%. E de acordo com as regras do IVAucher, se até ao final do programa um consumidor gastar 10€ todos os dias num restaurante, acumulará um saldo de IVA de 85€. No entanto, para gastar esse dinheiro em refeições futuras do mesmo valor de 10€ por dia no mesmo restaurante o consumidor teria de voltar mais 17 vezes ao estabelecimento entre Outubro e Dezembro para gastar todo o seu saldo disponível.

Por outro lado, claramente não são os Portugueses mais pobres que beneficiam do IVAucher. Como é fácil de perceber, só as famílias economicamente mais desafogadas têm capacidade de gastar dinheiro em restaurantes, hóteis ou concertos.

O que é certo é que o montante de IVA usado pelo consumidor no âmbito deste programa será subtraído à dedução à colecta em sede de IRS. Lá está: o Estado dá por um lado para tirar do outro.

Para aderir ao programa tanto os comerciantes como os consumidores terão obrigatoriamente de associar ao portal das Finanças, não só os seus números de contribuinte, como os números de cartões multibanco ou pagamento electrónico que estão, por sua vez, associados a contas bancárias.

Claro que o governo já veio dizer que ninguém terá acesso às contas bancárias dos contribuintes e que não haverá cruzamento de dados. No entanto, sendo a Autoridade Tributária, a Direção-Geral de Finanças e a Agência de Gestão da Dívida Pública as três as entidades do Estado responsáveis pelo IVAucher, por elementar prudência vou guardar bem a carteira e estar bem atento a que ninguém tente meter a mão no meu bolso. Ou seja: não contem comigo para aderir à farsa.

O meu vídeo de ontem sobre este tema pode ser visualizado aqui:

Camaradas

9 Junho, 2021

Câmara de Lisboa entrega dados de manifestantes anti-Putin aos Negócios Estrangeiros russos

Sinais

9 Junho, 2021

Estado de necessidade

8 Junho, 2021

AVANTE: «A farsa de Tiananmen. O suposto massacre na Praça Tiananmen, em 1989, nunca ocorreu, confirmam documentos secretos da embaixada dos EUA em Pequim, divulgados pelo Wikileaks. »

A ver e ouvir

8 Junho, 2021

Para o ano, outro qualquer irá para a berlinda no encontro do MEL.

Lembram-se da última “pandemia” do “perigoso” vírus da gripe suína?

7 Junho, 2021

Provavelmente já não se lembra do pânico gerado pelo “mortífero” vírus da gripe suína. É normal. Infelizmente o Homem tem memória curta. Mas eu vou lhe recordar aqui como tudo aconteceu, nesta reportagem, e depois, veja as semelhanças com a actual do novo corona. E não, qualquer semelhança não é mera coincidência. Você, de facto, está a ser manipulado.

Ler mais…

Evidentemente

7 Junho, 2021

Henrique Pereira dos Santos: «se queremos discutir o respeito pela natureza intrínseca dos animais, tenham paciência, é muito mais lógico defender a proibição de detenção de animais domésticos com excepções bem definidas, que proibir touradas: a falta de respeito pela natureza intrínseca dos animais é incomparavelmente maior na generalidade dos cães e gatos urbanos que em todo o ciclo de vida associado às touradas.»

Presos por tempo indeterminado, sem direito a visitas nem informações

7 Junho, 2021

É esta a situação dos internados hospitalares em Portugal.

Visitas não há. Telemóvel pode ter-se mas nem todos os doentes os conseguem usar. Se for esse o caso não há qualquer comunicação.

Resta o telefonema para saber alguma coisa, telefonema atendido por favor e com a indicação: não vale a pena telefonar, se houver novidade nós avisamos.

Aos sábados, domingos e feriados não há informações.

Nos outros dias, com sorte consegue falar-se “com alguém”.

Isto vai durar até quando? E de caminho para quando a criação de canais de comunicação com as famílias que não sejam apenas o ir à sorte, a ver se se consegue obter uma informação?

Passamos a vida a ouvir histórias de famílias que abanadonam os familiares nos hospitais. Curiosamente os mesmos hospitais tratam os pacientes como se eles não tivessem famílias: altas, transferências, mudanças de serviços… tudo é comunicado como facto consumado.

Sinais de vida

6 Junho, 2021

Em directo de Liubliana, o repórter da RTP antecipa o jogo da selecção nacional tendo como fundo uma praça onde o tocador de acordeão sem máscara recebe moedas de transeuntes igualmente livres de obrigações de indumentária que os assemelhem a princesas árabes das 1001 noites.

Agora acho que é para legalizar canábis. Não sei se para fumar com máscara. Nunca fui a Liubliana, não faço ideia se fumam muito lá, mas sei que fiquei com vontade. Ainda dizem que a RTP não faz serviço público.

Paulatinamente a vida familiar vai entrando no âmbito estatal

6 Junho, 2021

Expresso: « Na pandemia, as mulheres dedicaram 31 horas por semana às tarefas domésticas. São quatro dias de trabalho não pago»

São os filhos, sobrinhos, netos que tratam dos seus familares e se vẽem atirados para a categoria de “cuidador informal” por mais que expliquem que são filhos, sobrinhos, netos. Agora temos este chavão do “trabalho não pago” que invade tudo. Todos os aspectos da nossa vida acabarão estatizados.

Portanto os lugarzinhos no parlamento vão ficar para as lagostas?

4 Junho, 2021

“MOÇÃO APRESENTADA NO CONGRESSO DO PAN: Precisamos de transitar para um novo modelo de Ser Humano: um modelo que nos faça descer do pedestal em que nos colocámos e nos devolva ao lugar de onde nunca deveríamos ter saído: sermos uma entre muitas espécies existentes num planeta vivo”

Acho muito bem! Com os humanos devidamente descidos do pedestal, as cadeiras no parlamento devem ir para os bichos e como tb não vamos colocar os bichos num pedestal e devemos promover a igualdade entre os bichos deve ir a bichararada toda. Adaptando-se o parlamento ás necessidades de cada espécie: fazem-se aquários para os peixes, colocam-se ramos para as aves… enfim vamos é descer do pedestal!

Na sequência das propostas dos gatos vegetarianos agora apresentada no congresso do PAN defendo até que se candidatem os bichos aos pares em nome da tolerância, da inclusão e da mudança de mentalidades , tipo lobo-veado; águia-coelho; tubarão-humano…

Não duvido que a bicheza na hora de ser muleta do PS sera mais razoável.

Podem enxofrar-se à vontade

3 Junho, 2021

Aos enxofrados com a Junta de Freguesia da Azambuja por esta ter declarado “que em todo e qualquer espetáculo que eventualmente venha ainda a realizar-se este executivo terá em consideração na escolha dos artistas o facto de os mesmos se terem ou não manifestado contra as nossas tradições!” venho recordar que esta é a prática consensual nas contratações dos poderes municipais.

Há décadas que ums corte de artistas vários são contratados pelas autarquias e juntas por serem da cor política certa. A Azanbuja assumiu em relação às touradas aquilo que os demais praticam por razões políticas.

A vida para lá da bonecada progre das empenas

3 Junho, 2021

Homem morto a tiro e três pessoas esfaqueadas em rixa entre moradores de prédio: Portugal é hoje simbolizado por essas empenas cobertas por murais progressistas em prédios onde a degradação avança. Tudo paisagem para ver ao longe. Ao pé nada faz sentido.

A ver e a ouvir

3 Junho, 2021

A infecciosidade da cloaca da classe dirigente

2 Junho, 2021

PSP, 23 de Maio: “As pessoas já não têm tanto medo do vírus e, portanto, o vírus já não está a favor da polícia“.

António Costa, hoje: “Em particular à população mais jovem: procurem proteger-se realizando os testes sempre que vão ter com amigos“.

Estas e outras vomitivas boutades são mote para o meu video de hoje onde defendo que não existe qualquer razão, nem nenhuma circunstância que justifique a manutenção de restrições ou regras especiais a pretexto da covid19.

Visualizar clicando aqui:

Excepção para os ingleses, regras duras para os adeptos Torreense

1 Junho, 2021

João Miguel Tavares: o Reino Unido recusou que a Final da Liga dos Campeões se realizasse em Wembley, mesmo com dois clubes ingleses na final, por não ceder às isenções de quarentena exigidas pela UEFA. Essa é a diferença entre um país que cumpre as regras e trata os seus cidadãos por igual, e um país que torce as regras consoante lhe dá jeito.

O emplastro socialista

31 Maio, 2021

Secretário de Estado diz que Champions foi um “sucesso desportivo” e económico. Final da Champions não preocupa “minimamente” o secretário de Estado do Desporto. “As pessoas percebem que são testes”, disse, admitindo público nos estádios na próxima época desportiva.

João Paulo Rebelo, secretário de Estado do Desporto, é o protótipo do emplastro socialista: oscila entre o discurso do sucesso e do eu não tenho qualquer responsabilidade nisso como aconteceu com as celebrações do Sporting que a 1 de Maio anunciava estarem a ser preparadas e a 12 já não tinham nada a ver com a sua pessoa.

Hoje, 31 de Maio, declara que a “Champions foi um sucesso desportivo” e que “as pessoas percebem que são testes”. Este homem é uma anedota.

A máscara do hipocondríaco militante

31 Maio, 2021

Abaixo uma galeria de imagens do hipocondríaco militante, apenas deste mês de Maio.

A incongruência do protocolo de uso de máscara não é para ter lógica. Serve apenas para vincar a liberdade de que goza a oligarquia e a obediência que é exigida por esta à generalidade da população.

Quem pode, faz como entende. Sobre os que não podem, lança-se o estigma do mau cidadão.

VAI PARA A TUA TERRA: DESCUBRA AS DIFERENÇAS

31 Maio, 2021

VAI PARA A TUA TERRA NA VERSÃO DO BEM:

Salvini, torna alla tua terra”. Coimbra antifascista voltou a sair à rua. Centenas de pessoas percorreram as ruas da cidade em protesto contra a ascensão da extrema-direita.

VAI PARA A TUA TERRA NA VERSÃO DO MAL:

André Ventura “propõe” que Joacine “seja devolvida ao seu país de origem”. Livre acusa-o de racismo. Bloco quer que AR condene declaração

Aguardam-se explicações

31 Maio, 2021

Ou esta imagem é falsa. Ou a partir de hoje terminaram em Portugal a obrigatoriedade do uso de máscara e as proibições para ajuntamentos.

Manchester City v Chelsea FC - UEFA Champions League Final

Vós que tremeis com a marquise do Ronaldo instalada no canto de um terraço de um 14º andar olhai para o que espetaram diante de um dos mais antigos chafarizes de Lisboa

30 Maio, 2021

A juntar ao parque de estacionamento que o rodeia, ao barraco de uma obra que não se percebe quando sairá de lá, à penumbra resultante da falta de iluminação e ao sequeiro a que o chafariz está condenado (ao contrário do que acontece no resto do mundo, em Lisboa o local mais improvável para encontrar água são as fontes e chafarizes), os poderes municipais acharam por bem colocar depósitos para lixo. Sim, diante do chafariz do Largo do Andaluz, um dos mais antigos chafarizes da cidade de Lisboa, estão estes depósitos para lixo!

Portugal um país trancado na marquise do socialismo…

30 Maio, 2021

Escolha o leitor a sua marquise: a de Ronaldo. A dos adeptos. A das notícias inconvenientes. Há uma marquise para cada um de nós. Ou não fosse Portugal um país trancado na marquise do socialismo…

Trancados na marquise socialista. 20 de Maio: greve na função pública. 25 de Maio: greve no Metropolitano de Lisboa. 27 de Maio: greve na CP… Portugal está trancado na marquise socialista: somos obrigados a manter monopólios estatais e serviços públicos que prestam serviços cada vez piores. Depois de décadas a obedientemente discutirmos o slogan socialista daquilo que o Estado dá, temos de rapidamente começar a perguntar para onde vai o que nós damos ao Estado. Nunca destrancaremos os fechos da marquise socialista em que estamos encerrados se não o fizermos.

Janelas partidas e tal

28 Maio, 2021

Os liberais caem diversas vezes na armadilha da revolução. De tão focados que ficam com a expectativa de resultados, esquecem que qualquer mudança só se consolida sem acções abruptas. Dificilmente encontramos, no presente, alguém que se oponha à reunificação alemã. Porém, no início dos anos 90, após as exultações de liberdade, muitos trabalhadores do leste deram consigo sem emprego, sem perspectivas e, sobretudo, sem um enquadramento social para um mundo desconhecido. Sim, podiam passar a beber Coca-Cola, mas não creio que bebidas adocicadas fossem suficientes para acalmar a angústia pelo desconhecido. No final, pode afirmar-se que ficaram melhor que antes. Não coloco isso em questão. Contudo, não é por o resultado ser globalmente positivo que devemos esquecer que houve um processo, com vítimas, suicídios, desgraças individuais até se chegar ao desfecho.

Propor privatização disto, daquilo, do raio que parta, é algo que vejo com bons olhos. Contudo, não se esqueçam que há pessoas ao barulho, pessoas com vidas estabelecidas, tal como havia antes da loucura “fecha-tudo” do Covid. Para serem levados a sério terão que abdicar das soluções fast-food da eutanásia, quotas para mulheres ou coolness LGBT/gays pela Palestina. Façam propostas que tenham em conta que há sempre o outro lado da moeda. Acomodem a transição nas propostas. Enquanto não o fizerem pouco interessa a designação que adoptam: estão limitados a brincar às casinhas com as vidas de pessoas e isso exige a máxima seriedade.

Palavras que chegam de um mundo que não tem espaço no discurso político

28 Maio, 2021

A ler. Aqui

Vá de férias, para seu bem

27 Maio, 2021

Que caraças estava Passos Coelho a fazer na convenção do MEL? Está bom tempo, uma pessoa pode ir até uma esplanada beber uns finos e comiserar-se por viver numa espécie de país que visto pelo telejornal parece um pocilga, visto da rua tem as pessoas mais bonitas da Europa, vai meter-se numa convenção de pessoas em bicos de pés para se afirmarem “não de direita”? Não me refiro aos palestrantes, claro, que são pessoas convidadas para exercerem uma função: refiro-me muito especificamente ao público. Vou presumir que, coitado, não quis dizer que não a quem o convidou e lá foi, abdicar da sua vida por dois dias para fazer o frete.

No entanto, os jornais presumiram que se tratava do regresso de D. Sebastião. Entendo que meia IL, depois de reduzirem o CDS a escombros, possa até achar que pode usar o ex-primeiro-ministro para catapultar a sua limitada base de apoio urbana para a parte do país que ainda é bonita, mas isso, a acontecer, seria desperdiçar todo o capital acumulado de Passos Coelho à espera que Rio desistisse do seu projecto, aquele que levará a bom porto.

Para quem quis ouvir, Rio foi claro: há-de ser necessário estar no sítio certo à hora certa. Ventura está, Rio também está, e Costa nunca chegou atrasado a algo que o salve. Quem não está a tempo são os outros, mas isso é problema deles. Só não arrastem o único primeiro-ministro dos tempos recentes que ainda se parece um ser humano de carne e osso para esse lamaçal, pois ele não o merece.