Saltar para o conteúdo

Quem são os verdadeiros chalupas?

24 Setembro, 2021

As armas de persuasão

Robert Cialdini, no seu livro Psychology of Persuasion, explica que há seis princípios essenciais que sustentam a arte da persuasão: o princípio da reciprocidade resulta da nossa tendência para retribuir uma oferta, o que implica uma maior disponibilidade para fazer negócio com alguém que nos oferece algo a priori; o princípio da consistência significa que as pessoas procuram ser coerentes com o que disseram no passado, principalmente se o fizeram em público ou por escrito; o princípio da empatia significa que tendemos a fazer as vontades a alguém que conhecemos ou/e com quem há interesses mútuos; o princípio da escassez significa que valorizamos o que não podemos ter ou alcançar ou que estamos na iminência de perder; o princípio da autoridade significa que as pessoas procuram interpretar a miríade de informações recorrendo à autoridade de especialistas a quem reconhecem autoridade na matéria; o princípio da prova social diz-nos que as pessoas tendem a fazer aquilo que é socialmente aceite.

Estes princípios têm muita utilidade como técnicas de vendas e marketing das empresas, mas também podem ser olhados como contexto para a adoção de políticas e promoção das mesmas na opinião pública.

O princípio da autoridade e suas consequências

Talvez o episódio mais impressionante sobre o poder de influência do princípio da autoridade esteja no Velho Testamento, quando Abraão, em cumprimento das ordens de Deus, se dispôs a executar filicídio, o que acabou por não acontecer porque Deus cancelou a ordem no último momento. Seja ou não factualmente verdadeiro, o episódio ilustra bem a tendência humana para confiar no juízo da autoridade. No seu livro, Cialdini dá um exemplo de uma experiência em que dois atores, que se faziam passar por cientista e cobaia voluntária, pediam a um terceiro elemento (o verdadeiro objeto da experiência) que colaborasse numa rotina “científica” que visava, supostamente, testar os efeitos da punição na aprendizagem e memória (na verdade a experiência visava perceber quanta dor as pessoas são capazes de provocar num inocente, no âmbito de uma tarefa ou trabalho). O “falso cientista” fazia perguntas à “falsa cobaia” e sempre que esta errava o primeiro ordenava ao terceiro elemento que carregasse num botão que produzia um choque elétrico (obviamente o terceiro elemento não sabia que o choque era fictício). A experiência foi-se desenrolando e os choques aumentavam de intensidade, assim como os gritos das “cobaias”, à medida que as respostas erradas se sucediam. O mais impressionante é que dois terços das pessoas continuaram a carregar no botão, apesar de estarem a assistir àquele espetáculo atroz, mas nenhum o fez quando numa experiência similar em que quem dava a ordem não era cientista. Conclusão: é muito importante que a autoridade não seja beliscada para que possa ter o poder de influenciar decisivamente as pessoas.

Uma autoridade em vacinas mRNA esteve em Portugal

Esteve em Portugal Robert Malone, pioneiro na técnica mRNA que levou à produção de algumas vacinas contra a Covid-19. Surpreendentemente, ou talvez não, nenhum órgão de comunicação social mainstream entrevistou Malone. Podem ter tentado, mas não creio que tenha sido o caso. Para ouvi-lo é preciso consultar as malditas redes sociais, as Tertúlias da Junqueira ou as Notícias Viriato. Mas porquê esta omissão? Parece-me evidente que, para a narrativa oficial, o facto de Malone ter pedido, com boas razões para tal, cautelas na vacinação de crianças e de ter alertado para a pressão política sobre a FDA, entre outras reflexões inquietantes, o qualificam não como uma autoridade científica, mas sim como um “perigoso chalupa”.

E o que é um chalupa?

Devo começar por afirmar que a lista quase não tem fim, pelo que faço apenas um pequeno resumo. Um chalupa é: alguém que anda sozinho de carro com a máscara posta; alguém que usa duas máscaras; alguém que destrói a epiderme abusando de produtos de limpeza das mãos à base de álcool; é alguém que se cruza na rua com outra pessoa e foge assustado; são grupos de pessoas que, apesar da vacinação, mantiveram ou agravaram as medidas sanitárias nas escolas; por último, chalupa é o médico veterinário do Zoo de Lisboa que diz que vacinar os animais “faz todo o sentido”. Isto sim, são pessoas com deficits de vária ordem ou então estão encurraladas pela narrativa do medo. Claro que também há, embora num grau muitíssimo menor, pessoas que dizem que não se passa nada e que o vírus não existe, mas a proporção entre o primeiro grupo de chalupas e estes últimos é de 1000 para 1, ou algo do género.    

A seleção de chalupas a abater

Para os prosélitos da narrativa oficial, o mais incomodativo no processo de persuasão das massas não é o chalupa que nega o vírus, mas sim os malditos cépticos. Os cépticos são alguém que faz perguntas, que sugere alternativas e, sobretudo, alguém que não admite que se justifiquem as facadas nos direitos das pessoas que ocorreram nestes tempos de vírus. Numa sociedade civil livre, com uma imprensa livre, o céptico faria sempre parte da formação da opinião pública. Numa pequena proporção foi isso que aconteceu, embora com limitações e condicionamentos de forma a não beliscar a integridade da narrativa oficial e um consenso social visto como absolutamente necessário. Mais recentemente, deu-se um truque adicional que consistiu em aproveitar fenómenos soltos como os insultos ao Presidente da Assembleia da República para qualificar como chalupas a abater todos os que se insurgem contra as medidas e contra a falta de transparência do processo de vacinação das crianças. Isto apesar de, numa ilha de liberdade de expressão, uma reportagem de Ana Leal ter exposto de forma tão evidente a Ordem dos Médicos, que escondeu na gaveta um parecer que recomendava prudência na vacinação das crianças. Prudência essa que foi durante bastante tempo a palavra de ordem nesta matéria, até que, de repente, a DGS recomendou a vacinação de crianças dos 12 aos 15 e todos os dissidentes passaram a ser tratados como chalupas. O que fazer com eles? Mafalda Anjos respondeu assim no final do seu editorial infame na Visão: “…É, pois, preciso consequências, imediatas, rápidas e duras, tal como estipula a lei. Encolher os ombros não é mais solução.” Uma fascista, portanto.

Um mundo nada admirável

No artigo O Admirável Mundo Novo em 2020 chamei a atenção de que a submissão das massas seria mais eficaz e duradoura numa sociedade anestesiada e condicionada no pensamento livre, tal como descreve o livro Brave New World de Huxley, do que através de métodos totalitários mais diretos. Para que tal aconteça é preciso dominar os princípios da persuasão, em especial a força do princípio da autoridade e do princípio da prova social. É o que está a acontecer em larga escala.

A reação a este estado de coisas é a insubmissão através de todas as ferramentas ainda existentes que permitam travar o caminho em direção a uma sociedade de servos. O admirável mundo novo não tem nada de admirável.

Nota: artigo publicado no Observador.

10 comentários leave one →
  1. lucklucky permalink
    24 Setembro, 2021 15:47

    Bom post.
    Um ponto que faltou no entanto é referir como a táctica de instilar culpa é eficaz para acabar com a resistência.
    Uma pessoa que se sente culpada não resiste.

    Autoridade
    Medo
    Culpa
    Sedução/Recompensa

    Gostar

  2. sam permalink
    24 Setembro, 2021 17:04

    Mais um artigo que ajuda a concluir que chalupas, há-os dos dois lados.
    Uns que aturem os outros.

    Liked by 1 person

  3. sam permalink
    24 Setembro, 2021 17:09

    Alguém conhece o autor daquele livro “A fase infantil do não, e como ela perdura em muitos adultos”?

    Liked by 1 person

  4. 24 Setembro, 2021 18:27

    Texto da série; “Depois não digam que não avisei”

    Gostar

  5. castanheira permalink
    24 Setembro, 2021 18:58

    “O mêdo colectivo estimula o instinto de manada e tende a produzir ferocidade contra aqueles que são olhados como não pertencentes aquela.”
    Bertrand Russel

    Gostar

    • 25 Setembro, 2021 12:16

      Exatamente. É o medo da Doença e a confiança nas autoridades de Saúde Pública que faz as pessoas aderirem de uma maneira geral ao Plano de Vacinação, nos países desenvolvidos.

      Já nos países com sistemas Saúde Pública muito fracos ou inexistentes, continua a reinar o respeito pela bruxaria ou por outros sistemas irracionais de combate à Doença. Mesinhas e Curandeiros!

      Gostar

  6. chipamanine permalink
    26 Setembro, 2021 07:59

    O vacinador-mor almirante disse referindo-se à 3ª dose que era contra os lobies das farmacêuticas. O aldrabão-mor Kosta já prepara a 3ª dose para todos com mais de 65 anos.
    Chama-se a isto sistema de saúde pública de países desenvolvidos.
    Isto resulta da taxa de mortalidade dos vacinados que anda na casa dos 1.1% sendo que a média sem vacina seria (nivel mundial) de 2.5% .
    Entretanto os tais desenvolvidos são muito solidários. Gabam-se de ter taxas de quase 85% como se fosse uma medalha de honra …..enquanto bem mais de 5 biliões no planeta não viram nem de binóculos a primeira dose.
    Entretanto a Astrazeneca tão repudiada pela UE (desenvolvidos) fez esta mesmo meter o rabo entre as pernas e desistir da suposta guerra que iria perder em tribunal por troca de milhões de doses só este ano, aquelas mesmo que não forneceu no ano passado. Vai sobrar astrazeneca por todo o lado. Há que as injjectar em quem quer que apareça. Chama-se a isto também solidariedade.

    Gostar

  7. Carlos Santos permalink
    26 Setembro, 2021 17:00

    A experiência de Stanley Milgram está completamente mal explicada (e, pior ainda, a conclusão está errada). 2. O Robert Malone é um chalupa que vem falar do diálogo Norte-Sul tipo Boaventura Sousa Santos. 3. É apresentado como o inventor da vacina mRNA, quando ela próprio já disse que isso é falso. 4. Fala num painel onde está o Manuel Pinto Coelho que descredibiliza qualquer pessoa que se sente ao seu lado. 5. Fala num painel onde o Médico Tiago Marques que contradiz imediatamente o que diz Pinto coelho. Etc. 6. Este artigo é realmente chalupa e é incompreensível que o Observador o publique e é absurdo que haja tantas pessoas a aplaudir uma cosia que nem na matéria de facto (uma experiência científica) está certo.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: