Skip to content

Ditadura fiscal

13 Fevereiro, 2013

Consumidores que não exigirem factura arriscam multa

About these ads
49 Comentários leave one →
  1. PiErre permalink
    13 Fevereiro, 2013 09:30

    Quem não arrisca, não petisca.

  2. 13 Fevereiro, 2013 09:35

    E o salário de fiscal das Finanças, quem mo paga?

  3. André permalink
    13 Fevereiro, 2013 09:38

    UAU! Isso é uma ditadura fiscal!? Já pensou que o país não deve viver só de cortes? Ás vezes, quando se tem um Estado Social, convem pagá-lo. Mais do que diminui-lo numa operação de direita e depois deixar os portugueses sem serviços, convem convencer as pessoas a pagar. Se não gostam, não acho que se deva aplicar multas, quem não paga, não recebe. Se a senhora não pagar os seus impostos, não deve pagar uma multa, deve ficar sem acesso a todo e qualquer serviço público enquanto não pagar os impostos mais juros. Isso sim, seria um paraíso. É claro que se fosse assaltada não poderia pedir nada à polícia, ou aos tribunais, mas não teria de pagar os impostos. Se tivesse a casa a arder, pegasse num balde a apagasse as chamas. Se estivesse doente e só houvesse o centro de saúde (porque as empresas privadas acham que na sua área de residência as pessoas não adoecem), a senhora bem podia morrer, que não faz falta nenhuma ao Estado. Se precisasse de usar uma estrada, use um caminho num terreno privado, que as estradas pagam-se com os impostos. Se quisesse comprar uma casa, tudo bem, mas lembre-se que nunca será legal, porque você renuncia aos seus deveres, logo, presume-se que também não gostará dos direitos. Isso sim, seria uma ditadura fiscal (e muito bem aplicada, tendo em conta que os portugueses não gostam de pagar impostos, mas adoram usar hospitais e escolas públicas, enquanto criticam quem lá trabalha porque, veja-se, ganham demais, enquanto eles não pagam os impostos).
    .
    PS: A última situação que usei foi generalizada, grande parte dos portugueses paga impostos e muitos não reclamam com os serviços públicos, mas há que reconhecer que Helena Matos prefere não pagar impostos a ter qualquer serviço público. Um dia tenho de lhe mostrar uma refutação que li sobre a obra de Nozick, onde se explicava por que razão o Estado Ultramínimo tende a criar a médio prazo novos estados sociais. É muito interessante. Foi escrita por um professor norte-americano pertencente ao Partido Republicano (às vezes, há membros desse partido que pensam, coisa que a Helena podia fazer mais vezes). Já agora, a Helena não está preocupada com possíveis multas, pois não? Ficava mal à moralizadora-mor pagar uma multa ao Estado por não pagar impostos.

  4. helenafmatos permalink
    13 Fevereiro, 2013 09:43

    A má fé transtorna o raciocínio.

  5. PiErre permalink
    13 Fevereiro, 2013 10:15

    Este André é um grande anjinho.
    Tem uns antolhos, só vê o Estado, o paizinho que lhe dá tudo e o protege, sem o qual o André não consegue viver. Ainda é muito infantil, não está preparado para enfrentar a vida por si próprio.

  6. Portela Menos 1 permalink
    13 Fevereiro, 2013 10:41

    Só os otários pagam impostos. Pergunte lá ao tipo do BES como faz.

  7. Trinta e três permalink
    13 Fevereiro, 2013 11:04

    André:
    Apesar de estar de acordo com o ponto de partida do seu raciocínio, não me parece que esta medida seja um bom exemplo para se criar uma sociedade onde todos devem pagar os seus impostos e exigir contas pelo modo como são investidos. Esta medida é patética e hipócrita. Patética, porque impossível de controlar (e “eles” sabem-no). Hipócrita, porque tenta esconder que se ataca o pequeno contribuinte devido à incapacidade de beliscar o grande. A grande fuga aos impostos já se deu e, a continuarem as coisas por este caminho (cá e na Europa), é irrversível. Tentar transformar o cidadão num fiscal das Finanças, à força, é um abuso contra todos os cidadãos e, sobretudo, os cumpridores.

  8. alberto permalink
    13 Fevereiro, 2013 11:32

    Os “Andrés Baptista da Silva”

    Este “André” é filho do Estado-bio, herdeiro do estado providência. Os “Andrés” consideram que a entrega de um envelope de 50 g é coisa só possível, graças ao Estado, enquanto algo complexo como a obtenção e distribuição de combustível é coisa simplória para privados. Do nascimento à morte, o cidadão dependerá do Estado, incluindo a queca original, imposta por despacho governamental.

    Esta ditadura fiscal, recorda-me Itália por volta dos anos 70, em que o consumidor era punido se não portasse a factura. Não resultou emtermos de receitas, mas resultou na percepção pública de tolerância zero (com apelo à inveja social) à fuga ao fisco. Tal percepção serviu de “cortina” à corrupção Estatal/partidária, não esquecendo que se considerava mito urbano a existência da mafia e suas ramificações em grupos de interesses. Algo similar ao que se passa em Portugal, onde a máfia se pode substituir por ordens maçónicas.

    E se mais italianos passaram a pagar, os italianos não passaram a pagar menos, mas o Estado a gastar mais… com o “monstro”. E não nos “serviços” falados pelos “Andrés”.

    A implantação de tal sistema, terá influência no pequeno negócio familiar, cujos ganhos e “fugas fiscais” possíveis, não dão para pagar a refeição de um assessor de Gabinete.

    Primeiro, seria mais eficaz “cortar” com os “almoços”. Mas para “keynesianos-graças-a-deus” e imbecis afins como José Gomes ferreira da SIC, em que declara que antes de discutir o que se gasta, temos todos que pagar. Esquecendo que o aumento de receita, permite ao político aumentar o poder. Algo a que nunhum resiste. Basta recordar que, apesar da situação, a ministra Cristas não exitou em “inaugurar” uma secreteriazinha de estado.

    E chamar a este governo neoliberal – termo que não quer dizer nada -, ou melhor, “amigo” do livre mercado, é algo que a realidade desmente.

  9. Paulo permalink
    13 Fevereiro, 2013 11:45

    Pois
    Quando se instituiu a obrigatoriedade uso de cinto de segurança também apareceram muitos preocupados com a liberdade de poder morrer com a cara enfiada no volante.
    .
    O que temos é:
    Objetivo central, reduzir a fuga aos impostos
    Medidas:
    Obrigatoriedade de passar recibo
    Obrigatoriedade de pedir recibo
    Controlo:
    Verificar os fluxos e comparar com histórico
    Medida correctiva (esta já estou a presumir, considerando que apesar da lei ainda existe muito mercado paralelo):
    Multar quem não cumpre.
    .
    O que é que tem de estranho?
    Alguém duvida que para o português habitual se existir uma proibição mas não se multar a infracção a maioria está-se a borrifar?

  10. Fala Barato permalink
    13 Fevereiro, 2013 11:48

    Não faz mal… se a aldrabice for muito grande o Estado deixa entrar o dinheiro sem pagar nada. Mas depois volta para a Suiça.

  11. Portuga permalink
    13 Fevereiro, 2013 12:02

    quando não há criminosos suficientes há que fazê-los

    http://oinsurgente.org/2013/02/13/um-pais-de-malfeitores/

  12. Marquês II permalink
    13 Fevereiro, 2013 12:06

    Os comerciantes que não passem factura, tudo bem, mas então que não metam o IVA ao bolso … pois estão a roubar todos os portugueses, em especial os trabalhadores por conta de outrém!Depois riem-se com as suas piscinas, vivendas, grandes bólides!Além de que quem paga para a cig@nada, chineses e comerciantes desonestos, somos todos nós que não podemos fugir …E ainda querem ter saúde e educação de borla pois coitadinhos, não têm rendimentos!

  13. André permalink
    13 Fevereiro, 2013 13:18

    Alberto (perdoe-me a maiuscula, mas não havia como escapar). Sim, sou filho do Estado Social, nasci nos anos 90. Obviamente que as pessoas não conseguem viver sem Estado (veja-se teóricos desde Hobbes até Lock, passando por Mill, Keynes, Rawls, até mesmo Nozick, que considera o ultramínimo uma utopia). O tamanho do Estado, acho que deve ser grande, assegurar todos os serviços. As secretarias, se não forem estritamente necessárias, acabe-se com elas. Realmente acho que se pode cortar nos almoços, nos carros de serviço, em tudo isso, mas isso não vai acabar com o défice. Curiosamente, segundo uns estudos já com uns aninhos, se toda a economia paralela pagasse impostos, o Estado não aumentaria o défice. Sim, reitero que TODOS devem pagar impostos. Se o senhor acha que se desenvencilha no mundo moderno sem o Estado, tudo bem, a doença mental é sua. Lembre-se que o Estado Natural (baseado nos direitos naturais e essas tretas todas) é apenas algo ficcional, tal como o véu da ignorância de Rawls. O que eu estou a tentar dizer é que nós não devemos fugir ao fisco e se for preciso deixar quem o faz morrer para que mais ninguém fuja ao fisco, então deixemo-los morrer, matá-los, nunca, isso seria rebaixarmo-nos.

  14. Anti-gatunagem permalink
    13 Fevereiro, 2013 13:48

    Este otário comuna e preguiçoso (desculpe-se a dupla redundância) não lê o que escreve?

  15. 13 Fevereiro, 2013 15:03

    Toma Proença…que já almoçaste:

    http://desporto.sapo.pt/futebol/primeira_liga/artigo/2013/02/13/fc_porto_absolvido_cardozo_e_ma.html

    recordando os FRETES que este gajo tem feito à DITADURA DO FUTEBOL
    precisamente
    a máfia olivedesportos-FCP-GARRIDO
    a decisão do CD da FPF é um murro no estômago da máfia
    Proença ENGANA-SE SEMPRE A FAVOR DO FCP
    ENGANA-SE SEMPRE CONTRA O SLB
    como prémio, o GARRIDO promove-o na UEFA
    onde faz os fretes aos donos da UEFA
    por alguma razão o Pinto da Costa dizia q a UEFA anda distraída…no jogo da Luz
    pois
    o k ele queria era ver o Proença a expulsar jogadores do SLB
    e validar golos em fora de jogo ao FCP
    repare-se nos últimos 2 jogos do Proença…para não recuarmos a épocas anteriores….a roubalheira foi sempre a mesma
    em setúbal, EXPULSA 2 do vitória no jogo com o FCP
    na madeira, EXPULSA 2 do SLB…….no pressuposto k o FCP ganha ao olhanense e fica isolado
    ahhhhh GANDA PROENÇA
    maior lacaio da máfia do k tu não há

  16. 13 Fevereiro, 2013 15:06

    já é tempo do SLB…..e mais quem é roubado
    intentarem ações em TRIBUNAL contra os Proenças lacaios da máfia
    exigindo indemnizações por perdas e danos
    quando isso acontecer, veremos se a máfia paga aos lacaios o suficiente para superar as indemnizações

  17. alberto permalink
    13 Fevereiro, 2013 15:28

    Caro André, labora num erro: pode-se viver sem Estado, não se pode é viver sem governo.
    Um governo deve ter a função de arbitrar ou limitar os interesses privados, em critérios pré-determinados: a lei
    Você nasceu nos anos 90. Pois bem: as minhas desculpas. Encontrou a geração que obteve mais benefícios com o mínimo de custos, deixando como herança – para si, também – elevados custos, com diminuta previsibilidade de benefícios.
    E sabe quem promoveu tal situação? O Estado. O Estado que deixou de ser paternal, para passar a ser maternal.
    Não foi o “neoliberalismo” que encheu a bolha imobiliária americana. Foi um estado cheio de boas intenções que alterou as regras do mercado.
    Não há estado micro ou macro. Há estado intrusivo, ou não. A sua “dependência” perante o Estado, é um estado de alma místico.
    Você aguarda e aceita as decisões do Estado. Mas quem as toma? Divindades? Seres Superiores? Como cidadão, menoriza-se, ao abdicar do livre arbítrio, ao não se responsabilizar pelo seu futuro. Os êxitos ou fracassos, serão coisa estatal.
    Esta conversa nada tem com o pagar ou não os impostos, e sim com o “percurso”, com o método.
    No seu “suporte” bibliográfico, aponta-me Thomas Hobbes que, desconfio, deu um apoio aos fundamentos do fascismo. Mas também não gosta dele, pois citou John Locke, defensor de teses contrárias. Seguindo-se, sem perda de tempo, a “proposta” de uma coligação entre o Passos e o Louçã, citando John Rawls. E eis que culmina com o principal crítico de Rawls, Robert Nozick.
    A minha dúvida é se você se inspira mesmo em tal “salganhada”, ou se as citações se destinavam a deixar-me boquiaberto?
    Deixei Keynes para o fim, pois gosto do tipo. Convencer-nos que gastar é bom, poupar é mau, tornou-o no guru da minha juventude.
    A ele pode agradecer a dívida que lhe deixamos para você, André, pagar.
    cpts

  18. Fernando Rodrigues permalink
    13 Fevereiro, 2013 15:36

    Bem hajam os comentadores Alberto e Trinta e Três por tão lúcidos comentários. Estado só qb curto e eficáz o resto é só bom pra os mamateiros de sempre. Boas energias pra os de bem que fiquem bem.

  19. neotonto permalink
    13 Fevereiro, 2013 16:04

    Caro André, labora num erro: pode-se viver sem Estado, não se pode é viver sem governo.
    .
    Andre:Nao faz muito caso a este tal de alberto.
    Ele deve ser um palestino qualquer disfracado por isso do Carnaval…

  20. Duarte permalink
    13 Fevereiro, 2013 16:08

    Isto so serve para o Governo dizer que combate a evasão fiscal.
    Falácias. Perguntem ao BES como se faz e vejam as SGPS e a sede em paraísos fiscais

    Este pais ao contraio do que a Bloguista pensa é. Um paraíso fiscal para alguns, os poderosos.

  21. Duarte permalink
    13 Fevereiro, 2013 16:19

    Ha por aqui muitos comunistas sem saberem que defendem a abolição do Estado.
    Julgava que este blogue era da direita protoliberal , anarcofascista (que me desculpem os anarquistas), neoignorante.

  22. Duarte permalink
    13 Fevereiro, 2013 17:07

    Relativamente a esta lei parida por esta quadrilha que chegou ao poder so ha uma resposta

    Desobediência civil

  23. Portela Menos 1 permalink
    13 Fevereiro, 2013 17:18

    Futebol (em Portugal) é isto!
    “O Porto fica na Taça da Liga; Cardozo é suspenso um jogo. Assim ninguém se queixa.”

  24. 13 Fevereiro, 2013 17:40

    Já em tempos se podia ler, nos consultórios médicos, uns papéis a dizer que os doentes eram obrigados a exigir recibo. Depois isso desapareceu – e bem.
    É que obrigatoriedade de exigir factura (melhor seria dizer ‘recibo’) é o mundo de pernas para o ar:
    O comprador tem o DIREITO de pedir esses documento, enquanto o vendedor tem a OBRIGAÇÃO de o fornecer.
    A confusão ente uma coisa e outra é, além de inadmissível, perfeitamente idiota:
    Imagine-se um comerciante que atende 500 pessoas por dia e pretende escapar ao fisco.
    O Estado, em vez de colocar a tónica da fiscalização numa única pessoa (o comerciante), ameaça 500 outras (os clientes).
    A ideia de que somos governados por garotos (“fracos com os fortes e fortes com os fracos”) é cada vez menos discutível.

  25. André permalink
    13 Fevereiro, 2013 17:41

    Caro alberto, Hobbes não deu fundamentos ao fascismo mas à monarquia absoluta. Não, não era o meu objetivo deixá-lo boqueaberto com os nomes (não acho que estaja a lidar com um ignorante), nem sequer queria lançar confusão através desses nomes, no entanto, todos eles têm algo em comum: pressopõe a existência de um governo, com leis, que se sobrepõe aos interesses privados para bem de um coletivo, vulgarmente chamado de Estado, apesar de isso ser um pedaço de terreno e não o governo (o que significa que para existir um governo deve existir um Estado-Nação, ou pelo menos um Estado). No entanto, o senhor acusa também o Estado Social de ser o causador de todos os problemas, bem, lamento informá-lo, mas grande parte dos problemas existem desde a era Reagan e Tatcher, ambos muito longe do conceito de Estado Social. Para mais, países com o Estado Social bem firmado nem sequer têm agora ressentimentos com a crise, veja-se a Noruega (eles têm limites à quantidade de dinheiro de petróleo que pode ser usado para colmatar a dívida pública, por isso não venha com a treta do petróleo). Esses países souberam assegurar um clima de estabilidade que assegura a prosperidade económica, assegurando o desenvolvimento das empresas privadas, ao mesmo tempo que também desenvolviam o setor público (no nosso país isso é impensável, visto não haver interesse; temos uma esquerda moralizadora quando está na oposição e uma direita centrista quando está no governo).
    Sim, concordo que quando se alterou as regras bancárias em Basileia se permitiu aos bancos deixar de negociar dinheiro para passarem a negociar dívidas, mas isso só foi feito porque os bancos quiseram. Infelizmente não houve um poder capaz de manter os bancos no sitio correto.
    Quanto à tomada de decisões num Estado, elas são indiretamente tomadas por todos os eleitores (votem ou não). Existe uma relação de representação e consentimento. Se pensar em vir com aquela de que os políticos são todos mentirosos, pense que a única solução para o país seria ter novos políticos, e que as pessoas votassem neles em vez das velhas carcaças. Em democracia não existem entidades superiores. Existe uma entidade constituida por representantes dos cidadãos, que deve exercer e fazer cumprir a lei, mesmo que isso implique multar os cidadãos quando eles não o fazem. Simplesmente, ninguém deveria ser capaz de fugir à lei, como fazem todos os ricos e poderosos nesta democracia oligárquica.

  26. gastão permalink
    13 Fevereiro, 2013 19:02

    O que diferencia o neoliberalismo do comunismo? Nada! Criam pobres e perseguidos.

  27. Monti permalink
    13 Fevereiro, 2013 19:18

    Almocei ontem com a família no restaurante de um antigo combatente.
    No final, ofereceu-me um saco com um almoço, pão e fruta.
    Para um dos nossos, no caso um sem abrigo.
    Devia ter pedido duas facturas?

  28. Tiro ao Alvo permalink
    13 Fevereiro, 2013 19:28

    André, esteja descansado que isso um dia passa-lhe.
    Já não me lembro quem foi que disse que, quando se é jovem jovem, ou se é da extrema esquerda, ou se é da extrema direita ou se é parvo.
    Ora, como o André ainda é muito jovem e não parece parvo, com o tempo vai ao sítio. E, talvez, vá mais depressa do que os demais, porque, como lhe disseram acima, vai ser a sua geração quem mais vai pagar a factura por este forrobodó. Por este e pelo que vivemos durante a sua vida, ou seja, nas últimas duas dezenas de anos.

  29. salino permalink
    13 Fevereiro, 2013 21:07

    E mais não estamos na América,
    onde é pior, onde o obama escuro, só de ouvir,
    pode ordenar a tua morte preventiva, só de ouvir que és dos outros .

  30. Paulo permalink
    13 Fevereiro, 2013 22:28

    Bom mesmo é ser maquinista da CP, 18 subsídios!
    Se aquilo desse lucro ganhavam todos mais que o Ronaldo

  31. alberto permalink
    13 Fevereiro, 2013 22:37

    Caro André,
    sem qualquer intenção provocatória, penso que a coisa anda confusa… por essa cabeça. Para acabar com citações que acabam sempre por descambar em pretensiosismo, só lhe chamo a atenção que Hobbes viveu no século XVI, umas centenas de anos depois das primeiras monarquias absolutistas.
    Na Idade Média havia governos sem estado. Nas Cortes, por exemplo, era o monarca que se deslocava para onde elas se realizavam. O princípio, à época, era a “lei faz o Rei”. Posteriormente, com o absolutismo, a coisa virou para “o Rei faz a lei”. Passando a haver uma moral pública e uma moral privada.
    Indiferentemente da responsabilidade, o Estado Social para contribuir com a solução tem que se adaptar à capacidade económica resultante da crise.
    Não, não foram Margaret Thatcher ou Reagan os maus da fita. As políticas são os políticos e as circunstâncias. Reagan tinha o confronto com a URSS (e possibilitou o boom de 90) e Thatcher o confronto com o Reino Unido da economia de rastos. O governo Trabalhista que a antecedeu, praticou as políticas distributivas até deixar de haver para distribuir. Não havia empresa pública que não estivesse falida – faz lembrar qualquer coisa…
    Nunca se perguntou sobre a razão da falência da URSS? Pela conversa do PCP (e não só), basta investir. E rublos era coisa que não faltava. E se faltassem era só “pintar” mais papel.
    Sobre a conversa da treta do petróleo, não entendi, pois não me referi a tal nojento líquido. A Noruega, com um Fundo Soberano superior ao PIB, não serve de exemplo para nada. Lá, o petróleo é equívoco. Houve engano: um país sem corrupção, em que o pessoal se distrai a pedalar, sem TGV no horizonte e pacatas auto-estradinhas, para que raio quer o petróleo. Estão é a precisar de um bom Sócrates.
    Sobre os bancos não devia haver interferência, só fiscalização que mantivesse os depositantes informados. Garantia de depósito obtida com fundos dos bancos. Zero garantias estatais. O depositante faria o depósito em quem lhe oferecesse melhores garantias.
    É de loucos, não é? A contrapartida é a de todos nós pagarmos o dinheiro perdido de alguns. E de os bancos se sentirem livres para continuarem jogadas de risco. Se ganharem é deles, se perderem, paga o “Zé”.
    Exagerei no tamanho desta coisa…
    cpts

  32. Rui permalink
    13 Fevereiro, 2013 23:08

    alguem me sabe explicar porque é que os fundos imobiliarios nao pagam imi?

  33. 13 Fevereiro, 2013 23:24

    ditadura económica é lixado não é ? um estado que impede os cidadãos de sobreviverem ,que se está cagando para que pessoas tenham de encerrar os seus postos de trabalho por não poderem satisfazer as exigêncfias do gaspar em termos de equipamentos e obrigações fiscais faz parcecer a ditadura política brincadeira de crianças , né ?
    volta , Salazar , estás perdoado. se os tinhas açaimados lá sabias porque.. a gente soube agora. burros.

  34. Fincapé permalink
    13 Fevereiro, 2013 23:40

    Claro, André.
    “…mas grande parte dos problemas existem desde a era Reagan e Tatcher, ambos muito longe do conceito de Estado Social”.
    Os ultraliberais tentam endeusá-los, mas dificilmente conseguirão. A concentração da riqueza em cada vez menos pessoas destruiu a economia, tendo o capitalismo financeiro passado à jogatana em vez se se preocupar com o tecido produtivo. Eles até apostam na baixa de produção. Foi um brutal saque à classe média (aquela que dispunha de alguma capacidade financeira) diminuindo-lhe de forma bárbara o poder aquisitivo.
    Hoje, o capitalismo financeiro é um cancro que urge curar. E há cada vez menos tempo.

  35. JDGF permalink
    13 Fevereiro, 2013 23:43

    Alguém tem a noção do que será um ‘Estado mínimo’ vigiado por um exército de funcionários do fisco?

  36. 14 Fevereiro, 2013 00:49

    se houvesse Homens , o exercito do fiscco não metia medo a ninguém… assim que o 1º soldado do fisco aparecesse matado. mas claro , robin dos bosques modernos ? não há , o hombrelhirio está muito ocupados a decidir se vai meter botox ou restilaine ou se depila as costas ou só o bigode.

  37. André permalink
    14 Fevereiro, 2013 08:03

    alberto, quanto a Hobbes, ele viveu no século XVI, apanhou o pior período da História Britânica. Numa época em que muitos se esforçavam para instaurar algo parlamentar (e dar poder ao Parlamento), Hobbes tentou encontrar uma justificação para o absolutismo, que vai encontrar no que ele acreditava ser o Estado Natural. Apesar de não fundar o absolutismo, é ele, em grande parte, que o justifica.
    A URSS poderia realmente imprimir mais rublos (demais, como os EUA fazem com os dólares), mas a causa primária da falência do regime é a corrupção existente na era Brejnev, a somar à fraca produtividade dessa era (apesar das anteriores e extintas reformas de Krutchev), do elevado número de borucracia, da economia dirigida para a guerra (também da era Brejnev, apesar das extintas reformas de Krutchev) e também da fraca produtividade de grandes extensões do país como a Sibéria. Problemas, todos eles, com que qualquer Estado atual, de esquerda ou de direita, em maior ou menor número, ainda hoje enfrenta. Bush enfrentou a corrupção (Obama também, mas só para não vir com a lenga lenga de que o Obama é de esquerda, e ambos sabemos que não é). Bush também enfrentou a economia para a guerra (depois da queda da URSS, sem sítios para lutar, conseguiu invadir o Iraque). A borucracia é enfrentada por qualquer serviço público atual, mas resolvia-se se os Estados estivessem interessados em fazê-lo. A planificação na minha opinião não conduziu à estagnação, pessoalmente acho que se devia ter sempre tentado ultrapassar largamente toda e qualquer meta, servindo aquelas cotas para valores mínimos.
    Quanto à era Reagan/Tatcher, para além de ser terem aproveitado da era Brejnev, evoluindo também a economia bélica, os dois conseguiram instaurar guerras de classes nos seus países, o maior exemplo foi o dos mineiros na Grã-Bretanha (não me diga que eles viviam bem e que foram maus, as fotografias estão disponíveis para todos). A Tatcher quis fechar as minas em vez de as modernizar, lançou milhares no desemprego e quando eles reclamaram fez uma campanha de opinião pública contra eles enquanto mandava batalhões intereiros da polícia para os combater (o mais irónico foi que as minas que não produziam nada, passaram a ser necessárias ao país quando entraram em greve). Nem falo dos apoios que eles deram ao Pinochet, que isso pouco interessa para economia, só interessa para os que morreram no Chile nas mãos de um ditador.

  38. neotonto permalink
    14 Fevereiro, 2013 08:33

    Gastao.
    Cambie o seu nome para um adequado a circunstancia de uma frase tao explicita como verdadeira para a posteridade deste blog:

    O que diferencia o neoliberalismo do comunismo? Parecemse em que Criam pobres e perseguidos.
    .
    O que diferencia o neoliberalismo do comunismo? Nada! Criam pobres e perseguidos.
    .
    O que diferencia o neoliberalismo do comunismo? Nada! Criam pobres e perseguidos.
    .
    O que diferencia o neoliberalismo do comunismo? Nada! Criam pobres e perseguidos.
    .
    O que diferencia o neoliberalismo do comunismo? Nada! Criam pobres e perseguidos.

    .

  39. Conde Venceslau Joaq permalink
    14 Fevereiro, 2013 09:38

    Negoceiem o preço… Sem factura não paga IVA !!! É tão simples como isso !! O dinheiro fica na economia real e não vai parar ao bulho do monstro estalinista que nos desgoverna e que de outro modo não emagrece… Está nas nossas mãos por ordem nisto.. Indignem-se… protestem… E a melhor forma de protesto é onde lhes dói mais, no bolso !!! Por principio nunca peçam factura… Exijam aliás o vosso direito inalienável de não querer factura. Não sejam é otários e exijam o tal descontito de 20%… Assim o vendedor também fica a ganhar… É ilegal, concerteza que sim ! mas também é ilegal andar a roubar, a aldrabar e a roubar o dinheiro do contribuinte, e ninguém ainda foi preso por isso !! Os exemplos, esses vêm sempre de cima…

  40. Eleutério Viegas permalink
    14 Fevereiro, 2013 11:19

    LOL!… Só vou pedir quando precisar dela… E se me sugerirem uma poupança de IVA imediata e directa, nem vou hesitar!… Estado guloso e ladrão!

  41. Eleutério Viegas permalink
    14 Fevereiro, 2013 11:27

    LOL outra vez. Não consigo para. Isto vai ser como atravessar as ruas fora das “passadeiras” para peões ou com o “vermelho” para peões. Farto-me de fazer isso. Se não vem trânsito de veículos, não espero.

  42. Eleutério Viegas permalink
    14 Fevereiro, 2013 11:27

    LOL… Não consigo parar!!!

  43. honi soit qui mal y pense permalink
    14 Fevereiro, 2013 11:30

    Surreal esta medida.

    Orienanburg está próximo .

    “Reeducar os contribuintes “

  44. Duarte permalink
    14 Fevereiro, 2013 13:14

    Esta medida so pode vir do desespero neoliberal em procurar encontrar receitas fiscais com a economia perto do holocausto. Este bando de aves de rapina nao olha a meios para destruir Portugal.

  45. Portela Menos 1 permalink
    14 Fevereiro, 2013 14:09

    http://www.dinheirovivo.pt/Economia/Artigo/CIECO100831.html

    Miguel Relvas “respeita” o “tomar no cu” de José Viegas

  46. JCA permalink
    14 Fevereiro, 2013 14:28

    .
    E a fatura aos corruptos passivos ? Os que chamam os ‘malandros’ sob a designação de corruptos ativos para safar os coitadinhos dos passivos, não têm direito a fatura ? É que são muitos mil milhões anuais supostamente de fuga ao fisco.
    .
    Nem IVA, nem IRC, nem IRS, nem S Social, nem ADSE. Nada ZERO. Cheque em branco absoluto. ISENÇÂO TOTAL e LEGAL. Porque o enrascado corruptor ativo vitima dos que ‘criam dificulades legais para vender facilidades’ não bufa para ainda por cima não ser criminalizado. O Passivo, o coitadinho, o que vende as facilidades fica sempre PROTEGIDO por este mecanismo da Lei que ele proprio criou.
    .
    Dasse ao menos qualquer coisita de IRS, ou IVA, ou contribuição para a ADSE que anda à rasca.
    .
    Das 3 Economias, a da Corrupçaõ, é bem pior que a Paralela, porque apenas vendem treta sem investirem sequer em qualquer infra-estrutura fisica. O investimento do corrupto passivo é só esferografica, lapis e caneta. Ambas, a Corrupção e a Paralela, gozam de grande com os otários da Economia Regular e com essa tnaga, segundo eles, da Democracia, do Socialismo, da Liberdade, da Direita etc
    .
    Pois depois há a esquizofrenia politica dos fiscais à porta do café naquela cadê a faturade 50 centimos do café que bebeu ? Outro mecanismo para a Paralela e a da Corrupção continuarem impunes, 100% isentas de Impostos.
    .
    Inconstitucional embora nenhum Partido não a tivesse mandado para o Tribunal Constitucional
    .
    Diga-se de passagem que pessoalmente nada tenho contra nenhuma destas 3 Economias em curso devidamente governadas pela Governança em Poder, Oposição ou Situação. Nem me aquece nem me arrefece. Mas não me deem é musica. Toquem melhor que a pauta não é para aprendizes.
    .
    Obvio vai dar merda como aquelas do ‘muito dramatico mas dentro das previsões”. E está certo. Corre bem.
    .

  47. Duarte permalink
    14 Fevereiro, 2013 14:45

    Bicas, perdão, dicas para fugir à multa
    por FERREIRA FERNANDESHoje67 comentários

    Quando saí do café, o homem, engravatado e educado, abordou-me: “Boa tarde, sou da AT, Autoridade Tributária e Aduaneira…” Eu, que nisto de diálogos com as autoridades tenho muito ano, desviei a conversa: “O senhor desculpe-me, mas como é que AT quer dizer Autoridade Tributária e Aduaneira?” Mas ele, também com muito ano, não atou nem desatou: “Mostre-me a fatura, por favor.” E eu: “Fatura, não tenho.” Ele: “Mas tem de ter, tomou café.” Eu: “Não tomei, não.” Ele, que a sabe toda: “O senhor entrou no café e como consumidor final tem de pedir fatura.” Eu: “Mas qual consumidor? E final? De onde é que me conhece para me chamar consumidor final?! Entrei no café para aquecer.” Ele: “O senhor está a obtemperar…” Eu sabia, ponham uma autoridade tributária a fazer de gnr e ele fica logo a falar como um gnr… Fugi para a frente: “Exijo uma lavagem ao estômago para ver se há cafeína.” Olhei para o interior do café e vi as saquetas de publicidade: “E tem de ser Delta! Porque ainda devo ter resíduos do Nespresso que tomei em casa…” O tributário hesitou, guardou o papelinho da contraordenação (é o que eu dizia, é assim que eles chamam à multa) e mandou-me seguir. Fiquei a vê-lo a caçar outro cliente. Este estava tramado, ainda mastigava o croissant… Dali até à esquina, fui pelo passeio sempre a fazer sinais de luzes aos consumidores finais que iam em sentido contrário.

  48. alberto permalink
    14 Fevereiro, 2013 16:28

    Caro André,

    assim não. Você dá pontapés em pedras, na busca incessante do que estará em baixo. Se convém, apanha.
    De onde raio veio o Chile? Ah, é para falar em mortes. Azar, André. Se é para falar em mortes, vamos pensar em grande e só contam a partir dos, por exemplo, 10 milhões. Ou se achar pouco: 20 milhões.
    Aí, vamos para outras zonas do globo e para outros ideais. Ponto final na mortandade.
    Urgentemente tem que “arrumar” as ideias e dar uma “vassourada” nos preconceitos. Evitar as teses que confirmem os seus conceitos.
    Vade retro com os axiomas
    Um tal Bastial, já escrevia que “a fé nos governos provoca vislumbres de utopias realizáveis“.
    Existe um preconceito (para mim, mais inveja que outra coisa. Se reparar, o pensamento de “esquerda” de muitos, não passa de inveja social) para com a América. deixo-lhe uma definição do historiador James Adams

    “… o Sonho Americano, é aquele sonho de uma terra em que a vida deve ser melhor e mais rica e mais plena para todos os homens, com oportunidade para cada um segundo sua capacidade ou realização. É um sonho difícil para as classes superiores europeias interpretarem adequadamente e, muitos de nós, também desconfiamos dele. Não é um sonho de automóveis e altos salários apenas, mas um sonho de uma ordem social em que cada homem e cada mulher devem ser capazes de atingir a maior estatura da qual eles são naturalmente capazes; serem reconhecidos pelos outros pelo que eles são, independentemente das circunstâncias fortuitas de nascimento ou posição.

    Bom, considero o assunto esgotado e tive todo o prazer no diálogo.

    cpts

    PS. agradeço que pense no seguinte: o dinheiro não “nasce” sem dor. Há sempre alguém que o irá pagar.

  49. André permalink
    14 Fevereiro, 2013 17:48

    Não falei no Chile por causa das mortes, mas por causa das ligações desses grandes padrinhos da liberdade, que afinal, permitiram a um general derrubar um governo democraticamente eleito e alterar por completo a economia desse país, sendo que as suas políticas económicas fracassaram em meados dos anos 80. Infelizmente é verdade que quem o criticou também morreu com a economia, falamos tanto de socialistas como de proprietários de terras.
    A URSS provocou realmente a morte de muitas pessoas, mas quantas dessas foram durante a guerra civil e segunda guerra mundial? Afinal esses também são gente, incluindo os soldados estrangeiros do exército branco ou do exército nazi. Sim, morreram alguns judeus e alguns ciganos, mas isso só se deve ao Estalinismo, algo vil e estúpido, que só um doido não condenaria por crimes contra a humanidade.

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 34.880 outros seguidores

%d bloggers like this: