Skip to content

Short

25 Setembro, 2008
by

O primeiro-ministro ficou muito indignado quando soube que existia um mecanismo chamado ‘short-selling’, isto é, a possibilidade de alguém vender na bolsa aquilo que ainda não é seu. Mas se o primeiro-ministro se quer indignar com práticas correntes, não é preciso ir à bolsa. Pode indignar-se com o mercado imobiliário, por exemplo. Vejam bem que é possível comprar uma casa que ainda não foi construída. Só que não lhe chamamos short-selling. Chamamos-lhe contrato-promessa. Tanto no mercado de capitais como no mercado imobiliário, esperamos que os vendedores honrem o compromisso e tanto num mercado como noutro, se os vendedores forem à falência, os compradores terão que correr atrás do prejuízo. Outro exemplo de short-selling é a FNAC que tem por hábitos vender jogos que ainda não estão no mercado. Aqui está um exemplo.

Claro que o senhor primeiro-ministro deveria saber que corre muito mais riscos quando assina um contrato-promessa de compra e venda de uma casa que ainda está apenas no papel do que quando compra ou vende títulos a descoberto nos mercados de capitais. Mas isso são coisas muito complicadas de explicar e compreendê-las até pode tirar votos. Imagine-se o que seria dizer em público que os produtos derivados fazem falta. Que escândalo, o PM a defender a ‘economia de casino’.

Também ainda não percebi se o primeiro-ministro se indigna com os mercados de futuros. Provavelmente, se lhe explicarem para que servem tão bem como lhe explicaram o short-selling, dá dois gritos e exige medidas.

Mas o principal actor nesta história de exigir o que ainda não existe é o governo. Por exemplo, o Pagamento Especial por Conta. As empresas estão obrigadas a pagar impostos por conta de lucros que ainda não obtiveram e até podem nunca vir a obter. Sócrates devia indignar-se com isto. Devia mesmo proibir tal prática. No IVA também. O IVA é pago pela factura, muitas vezes antes de se saber se o cliente paga. Quando o cliente é o estado, o fornecedor, primeiro vende o produto, depois entrega ao estado o IVA que ainda não recebeu. Semanas, meses ou anos depois, o estado paga-lhe o produto e devolve-lhe o IVA. Podemos dizer que durante este tempo, o fornecedor ficou short no IVA e o estado ficou long no abarbatanço do dinheiro do fornecedor. Sócrates devia estar piurso com isto. Alguém que lhe explique.

Advertisements
96 comentários leave one →
  1. helenafmatos permalink
    25 Setembro, 2008 13:35

    Na mouche!

    Gostar

  2. 25 Setembro, 2008 13:44

    Sócrates deveria era ficar indignado consigo próprio. Andou a vender, em campanha, um governo que não existia, e quando lho compraram provou que nem sequer tentaria fazer existir.
    Mas acho que isto não é short selling, é fraude mesmo.

    Gostar

  3. Anonimo permalink
    25 Setembro, 2008 13:55

    .
    Eu não gosto de analisar a politica partidária porque é Poder sem Saber, e saber não é da Escola, é muito mais.
    .
    Mas francamente se não sabe o que é isso, menos sabe o que são Mercados de Derivados e Futuros, menos sabe que essa das “bubles da compra de casa e blá-blá” é marketing da treta para “toinos”.
    .
    E no lugar dele, se estivesse a falar com verdade, o Ministro das Finanças e da Economia estar-me-iam a traír, os “especialistas” nestas coisa mas curtos.
    .
    Lógica: “Ora como não demite nem um nem outro, mentiu”. Ou “se de facto esses 2 Ministros também não sabem”, então seria a inimputabilidade total. Então a demissão ou a volta total no Governo seriam as unicas saídas. Mas na demissão, os alternativos também andam a apanhar bonés. Isto dentro do quadro institucional. Porque há mais gente por aí que por acso nem lhe interessa o Poder mas que vai ser chamada para safar a bronca.
    .

    Gostar

  4. 25 Setembro, 2008 13:57

    o sócrates é só “engenheiro”…
    não entende estes ‘preciosismos’…

    Gostar

  5. 25 Setembro, 2008 13:58

    nacked short selling.

    V.s nem a terminologia sabem. Fónix. Bem que já o tinha notado há anos…

    E comparam comprar bens com vender dinheiro. Naa, por aqui só se desaprende.

    Gostar

  6. Anonimo permalink
    25 Setembro, 2008 14:00

    Adenda:
    .
    “acotovelem-se e ponham-se na bicha, o primeiro milho é para os pardais”
    .
    Os que sabem mandam-vos dar uma volta

    Gostar

  7. El Terrible permalink
    25 Setembro, 2008 14:07

    a Zazie também podia, por exemplo, ir aprender a escrever naked…

    Gostar

  8. 25 Setembro, 2008 14:08

    Pois, mas tu sabes a diferença, ou só serves de corrector?

    Explica lá porque é que são coisas diferentes. Força.

    Gostar

  9. 25 Setembro, 2008 14:08

    Explica lá porque é que este post do jaquinzinho também é mais uma jaquinzada que não diz nada e ainda troca o sentido às coisas.

    Gostar

  10. Anónimo permalink
    25 Setembro, 2008 14:10

    Não entendo a comparação com contratos promessa, não tem nexo nenhum. O short-selling é você emprestar uma casa a alguém para esse alguém andar a transaccionar no mercado uma coisa que nem é dele jogando apenas com expectativas. Puro jogo, chamado de especulação. Não produz nada. Funciona lindamente quando tudo corre bem, para quem anda puramente a especular com a sua casa e para você que ganha comissões por emprestar a casa para os outros especularem. Funciona muito melhor quando em vez de ser você são milhares em todo o mundo a empurrar as coisas para um lado ou para outro. Tudo artificial, sem ligação alguma ao mercado. Mas quando dá bronca, tudo vai pelo cano abaixo. Como se viu muito bem agora. As grandes financeiras que emprestavam as “casas” foram as que foram ao tapete.

    Gostar

  11. 25 Setembro, 2008 14:12

    Não se deve gozar com as pessoas só porque são ignorantes. É falta de educação.

    Gostar

  12. 25 Setembro, 2008 14:15

    Sabes o que é vender acções de coisas inexistentes porque o que se comprou foram acções de empresas para depois aproveitar a altura e ir desvalorizando os títulos e vender o que nunca se teve?

    É que não se trata de alto risco a curto praso e muito menos sob promessa de compra.

    É mesmo sabotagem feita com criação de acções para destruir o valor de muitas empresas. E depois vendem e lucram com dinheiro de coisas de que nunca foram proprietários. Especularam sobre valores que sabotaram e que estavam nus

    Gostar

  13. 25 Setembro, 2008 14:17

    Exacto. Já apareceu um anónimo a explicar mais esta bacorada dos grandes experts em economia dos blasfemos.

    Para mim não é novidade nenhuma. Já lhes tinha feito estas perguntas há anos e topado que eram zero em matéria de conhecimento de finança.

    Gostar

  14. 25 Setembro, 2008 14:19

    E nem explicou tudo. Porque o short seller não pode vender enquanto não tem o bem, enquanto que o naked criou falso valor por custo zero e pode vender o que não tem. Vende o que sabotou à custa de percepção de mercados e é um parasita da economia.

    Gostar

  15. 25 Setembro, 2008 14:22

    E perguntem aos experts destes liberais de pacotilha se sabem se o naked short selling também está regulado ou não está regulado.

    Força. Eles vivem de palavras e botam faladura porque sabem que estão a vender banha da cobra para quem também não percebe corno disto.
    E o mesmo fazem os RTs, diga-se. Anda tudo a fazer agit prop sem saber do que se trata o assunto.

    Um gigantesco crash mundial explicado por livrinho vermelho de Hayek.

    Gostar

  16. 25 Setembro, 2008 14:22

    Bem que até a Constança Cunha e Sá mal chegou à blogosfera gozou com esta semelhança de neo-maoísmo.

    Gostar

  17. El Terrible permalink
    25 Setembro, 2008 14:37

    ó Zazie, isso é que é destilar ódio… ehehe
    toma um calmante à tua escolha: Brozepax®, Calmociteno®, Diazepam, Dienpax®, Frisium®, Frontal®, Kiatrium®, Lexotan®, Lexpiride®, Limbitrol®, Lorax®, Lorium®, Olcadil®, Psicosedin®, Somalium®, Tensil®, Tranxilene®, Urbanil® e Valium®.
    e para que conste: não sou corrector, sou corretor.
    P.S. não vou perder tempo a explicar o que quer que seja a quem já tem ideias feitas e raramente aceita outras

    Gostar

  18. 25 Setembro, 2008 14:38

    JCD,

    Excelente.

    Os portugueses elegeram o “sabe tudo” dos mamarrachos de Porto da Carne! E parece que ainda há muioto “esperto” como ele, que gosta. Óptimo.

    Sempre se engrossam as “Novas Oportunidades”. É só saber…..

    PS O Professor António Morais anda por aí, preparado para ensinar Inglês Técnico, a quem não souber o que é “short”!

    Gostar

  19. 25 Setembro, 2008 14:43

    cada mongo…terrible nem nas cuecas

    Gostar

  20. El Terrible permalink
    25 Setembro, 2008 14:48

    zazie Diz:
    25 Setembro, 2008 às 2:43 pm
    cada mongo…terrible nem nas cuecas

    ahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha

    era o que faltava… dar tempo de antena a gentinha assim…

    ahhahahahahahahahahahhahahahahhahahahahahahhaahh

    Gostar

  21. 25 Setembro, 2008 14:52

    Olha, a tina-monga disfarçou-se de terrible.

    V.s estão bem uns para os outros. Não admira que depois o resultado do voto seja meter ingenheiros de capoeira. É tudo a falar-de-cor e apenas por fanatismo de camisola.

    Gostar

  22. 25 Setembro, 2008 14:54

    E explicar uma bacorada técnica é “destilar ódio”.

    São mesmo mongalhada que vem para aqui apenas para fazer a onda pela claque ou contra a tribo rival.

    Querem lá estes grunhos perceber alguma coisa.

    Por isso não admira que depois até façam de outros palonços os seus gurus.

    Gostar

  23. 25 Setembro, 2008 14:55

    Vale a pena ler o LA-C, por exemplo. Mas aí não é para agit prop ou cartilha.

    Gostar

  24. 25 Setembro, 2008 14:57

    Não vou perder tempo a explicar
    ahahaa

    Pois não vais. Porque não sabes sequer o que significa o que lês.

    Gostar

  25. the chimp who can comment permalink
    25 Setembro, 2008 15:11

    Pelo que percebo, o short selling é um mecanismo de mercado legítimo, uma aposta que um dado stock vai desvalorizar, o especulador vende acções que não possui, mas que pediu emprestadas ou alugou (caso contrário seria naked), na esperança de voltar a comprá-las a um preço menor mais tarde (fechar a posição), devolve-as a quem lhe alugou ou emprestou, paga uma comissão e retira o seu lucro. Se as acções se valorizarem, dá prejuízo.

    O short selling e o naked short selling são actividades reguladas, podem ser é mal reguladas.

    Agora parece-me que tentar banir, ou restringir o short selling é de alguma forma querer que os mercados cresçam à força independentemente da realidade, incham um pouco mais o balão, assegurando-se apenas que, mais tarde, o estoiro será maior.

    Há uns meses assistimos ao efeito contrário nos mercados futuros de petróleo, ao assistir a uma subida de preços recorde, chegando o mercado a estar em “contango” (preços dos futuros maiores que o spot) havia alminhas que queriam banir as posições longas ou mesmo extinguir o mercado de futuros.

    Um bom exemplo é o caso das cebolas, os agricultores em 58 convencidos que os especuladores eram os culpados pelo baixo preço da cebola, conseguiram que o mercado de futuros de cebola fosse banido, até hoje. A volatilidade nos preços das cebolas é maior que qualquer outra commodity com mercado de futuros. Até faz chorar.

    Gostar

  26. JoaoMiranda permalink*
    25 Setembro, 2008 15:12

    Zazie,

    Explique-me uma coisa: nessa coisa do naked short selling quem é a outra parte do negócio? Vende-se o que não existe e há quem compre? Porquê? O outro gajo é tolo?

    Gostar

  27. lucklucky permalink
    25 Setembro, 2008 15:14

    Se o short selling falhou foi por não ter havido suficiente short selling há uns tempos atrás, com um short sell eficiente não teria havido uma bolha e os problemas teriam sido detectados mais cedo logo não teriam esta dimensão. O mercado viu a Fannie Mae e Freddie Mac como empresas públicas.

    A Zazie talvez saiba as empresas que faliram por causa do short selling, que tal dizer-nos quais foram?

    “Não entendo a comparação com contratos promessa, não tem nexo nenhum. O short-selling é você emprestar uma casa a alguém para esse alguém andar a transaccionar no mercado uma coisa que nem é dele jogando apenas com expectativas. Puro jogo, chamado de especulação.”

    Quando um Banco lhe empresta dinheiro você está a usar uma coisa que não é sua para fazer as asneiras que quiser. So what?

    Gostar

  28. Anónimo permalink
    25 Setembro, 2008 15:17

    O outro gajo é o mesmo gajo. E é por isso que deu bronca.

    Gostar

  29. 25 Setembro, 2008 15:19

    The chimp who can comment e Luckyluke,

    Boa.

    Gostar

  30. 25 Setembro, 2008 15:25

    Pior! A FNAC vende CD’s que não tem e não os entrega na data prometida

    http://caldeiradadeneutroes.blogspot.com/2008/09/fnac-faz-short-selling.html

    Gostar

  31. Anónimo permalink
    25 Setembro, 2008 15:32

    Até parece que o PM ficou muito indignado com o short selling… lolol, é cada uma que dizem do PM.

    Gostar

  32. 25 Setembro, 2008 15:52

    Porque não “o outro gajo”. Porque há venda de venda de venda de venda a quem compra, o que compra, a quem compra, o que compra.

    Empresas a irem ao ar por causa disto?

    V. acaso não conhece sequer os casos famosos?

    Querem nomes?

    Fica aqui um e entretanham-se a procurar mais:

    Bear Stearns.

    Se não sabem onde, vejam ponzi

    É pá,eu cá, de facto, nunca disse que era expert em finança mas até essas histórias são vox populli.

    Gostar

  33. 25 Setembro, 2008 15:53

    Brilhante!

    A Zazie está hoje com muita zazia.

    Gostar

  34. 25 Setembro, 2008 15:54

    Claro que o Sócrates ultrapassa isto tudo em vigarice e o post até era bem dedicado se tivesse rigor.

    O v. problema é que não sabem e depois metem os pés pelas mãos e desbaratam cartuxos.

    Gostar

  35. JoaoMiranda permalink*
    25 Setembro, 2008 16:00

    ««Porque não “o outro gajo”. Porque há venda de venda de venda de venda a quem compra, o que compra, a quem compra, o que compra.»»

    Não percebi.

    Gostar

  36. ordralfabeletix permalink
    25 Setembro, 2008 16:09

    Acontece JCD que quem quer proibir o short-selling não é o Sócrates mas o Securities and Exchange Commission (SEC), o regulador do mercado bolsista norte-americano. Claro que como o que vem de lá de fora é para copiar a CMVM também já está a regular sobre a matéria.

    Gostar

  37. ordralfabeletix permalink
    25 Setembro, 2008 16:17

    Já em relação em PEC tamb´m acho que o JCD tem toda a razão. Era bom que alguém explicasse ao Sr. Engº .

    Gostar

  38. 25 Setembro, 2008 16:18

    Ordalfabetix dixit:

    “Claro que como o que vem de lá de fora é para copiar a CMVM também já está a regular sobre a matéria.”

    Já está.

    http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?id=994621&div_id=1727

    Gostar

  39. 25 Setembro, 2008 16:31

    JM:

    Tem de fazer um curso intensivo de finança para perceber um niquinho. Ou então está armado em parvo.

    E há outras coisas mais básicas. Por exemplo, fala-se muito em regulação (o que quer que essa palavra queira dizer) e até se costuma citar o Soros, que também disse o mesmo (como exemplo de dentro e, portanto, credível- e o Soros é mesmo genial) mas até os hedge funds, que foi coisa inventada por ele (tenho um post com ouriços que até conta a historieta, com o Isahia Berlin a servir de alegoria) podem vender com saldo negativo.

    Um hedge fund pode, na prática estar na falência, literalmente com saldo negativo, e continua a funcionar.

    Como?

    Vendendo ar a quem interessa comprar esse ar, porque esse ar é vendido com base em fundos de financiadores e depois, quando o mercado se recompõe valem muito mais.

    Ou seja, é uma falsa transação. Comprarar negativos, com interesse de ambas as partes. Compram barato supostas falências e há acrescento de capital sem haver transação.

    Pergunta ingénua que o JM também era capaz de fazer: e então, os que investiram deixam?

    Resposta básica: nem precisam de saber.

    Gostar

  40. 25 Setembro, 2008 16:35

    errata: comprar.

    V.s desconhecem estas coisas básicas, ou estão a fazer a mesma demagogia da esquerdalhada?

    É que a esquerdalhada de partido não engana ninguém. Aproveitam-se deste crash para vender mais do mesmo, com comparações perfeitamente idiotas, fazendo uma caldibana onde entra alta-finança a par do empresário sem regras de contratos laborais e mais o diabo a 7 da velha luta de classes que ainda vende.

    Mas v.s não são de partido. Querem vender o quê? liberalismo ideológico quando se está a viver um momento que vai ficar na História?

    Acaso se aperceberam disso?

    Isto foi um crash mundial. Não tem comparação com nenhuma crise das últimas 3 décadas.

    Gostar

  41. lucklucky permalink
    25 Setembro, 2008 16:36

    Zazie uma precisão o Bear Sterns tecnicamente não faliu foi comprado. Os problemas do Bear Sterns não foram por causa dos colapsos desde 2007 em vários fundos que tinha que estavam expostos aos problemas do subprime por causa do crédito mal-parado e da descida dos preço das casas?
    Ou seja Bear Sterns não deveria ter colapsado é isso que estás a dizer apesar de tais falhanços? Mas como é que um Banco que deixou de ter a confiança dos investidores porque vários fundos foram ao ar pode sobreviver?

    Gostar

  42. 25 Setembro, 2008 16:40

    É claro que estes hedge funds também não contam aos próprios trabalhadores que estão na falência. Alguns sabem. Outros contavam dantes e deixaram de contar desde Outubro do ano passado.

    Também é novidade?

    Gostar

  43. 25 Setembro, 2008 16:46

    Luck,

    Eu consigo não aguento. Verdade. V, faz-me lembrar aqueles fanáticos maoistas do PREC. Sempre a pegar em ninharias para salvar a ´bíblia.

    Sorry. V. é demagógico e eu não quero chatear-me porque até o acho bacano quando aconselha portáteis.

    Mas nestas tretas é mesmo fanático neo-maoista. Há muitísismos mais exemplos para além do Bear Sterns. Há truques na finança que não são nem legais nem ilegais. São truques que não se controlam.

    E, eu só me passo, porque depois os malucos dizem que falar destas coisas é ter-se paranóia com o dinheiro, ou ser anti-capitalista.

    Acaso o capitalismo é estritamente finança?

    Como é que pode haver alanvacagem financeira se não houver alanvacagem bem palpável, da economia? da produção de bens de consumo- daquilo que é a base do sistema?

    E os grandes milionários não costumavam ser grandes empresários? Não era o capitalista burguês, o tal proprietário dos meios de produção e que vivia da mais valia da exploração da mão-de-obra do proletário?

    Porque é que até a imagem mudou e agora, ideólogos de um e de outro lado, já reduziram o capitalista ao grande financeiro?

    Porque será?

    Qual é o imaginário que esta mudança cobre?

    Gostar

  44. 25 Setembro, 2008 16:50

    “Confiança dos investidores”

    E depois dizem estas tretas à dona-de-casa.

    Confiança dos investidores. Se ninguém sabe. Nem a cena mais básica como um mero depósito à ordem se sabe que é mentira e que o dinheiro não está lá porque não há cobertura equivalente.

    E mesmo isto nem se deve agora dizer senão então é que vai tudo ao ar. Mas não está. E aí nem há investimento ou contrato entre 2 partes.

    Há um mero pagamento para guardarem dinheiro. Como poderia ser o aluguer de uma caixa postal. E se for lá para levantar o que deixou a guardar e sob o qual ainda paga juros por lhe tomarem conta do carcanhol, ele não está. A maior probabilidade é que não esteja de muita gente.

    Porque foi feito investimento sem consentimento. Sem se saber.

    Gostar

  45. 25 Setembro, 2008 16:57

    Só uma pergunta.-Algum de v.s acompanhou uma destas falências. Digo se acompanhou isto de há um ano a esta parte.

    Um único caso concreto.

    É que eu ia jurar que não. Porque há um ano ainda andavam todos a dizer que era bué de fixe e natural, mais um ciclo de revitalização- E nem com aquelas falências em directo televisivo li um único post a falar do caso.

    Um único. O caso do banco inglês onde na véspera o governo injectou balúrdios e no dia seguinte foram lá os pensionistas, em fila, levantar o dinheiro e catrapum- falência- Falência em offshore com dinheiro dos contribuintes deitado à rua.

    E isto já para não falar dos grandes bancos mundiais que praticamente acabaram. E acabaram há um ano.

    Não foi apenas agora com este brutal crash a que v-s ainda chamam “crise”.

    Gostar

  46. 25 Setembro, 2008 17:06

    Além do mais nem havia grandes motivos para se desconfiar. Não andou isto tudo a crescer, a inchar desde 72? Não se fartou tanta gente de ganhar com isso?

    Quem é que se ia lembrar de uma crise financeira à “tempos de Grande Guerra”?

    Pois se nem a do 11 de Setembro assustou ninguém. Porque foi externa ao próprio sistema. E agora foi o sistema que rebentou de dentro.

    Gostar

  47. lucklucky permalink
    25 Setembro, 2008 17:36

    Não desvie a conversa Zazie. Se não quer ir ao detalhe é consigo mas só assim é que se aprende.
    Os problemas do Bear Sterns foram precisamente devido aos seus Hedge Funds.

    Aqui está um artigo extenso que começa com as asneiras do Bearns antes e depois dos problemas, a influência da TV e dos media na confiança e acaba como uma conspiração, como podes ler o suporte para chegar a essa conclusão é minímo.

    http://www.vanityfair.com/politics/features/2008/08/bear_stearns200808?currentPage=1

    Gostar

  48. lucklucky permalink
    25 Setembro, 2008 17:48

    O artigo referido na Vanity Fair

    http://www.nytimes.com/2008/03/16/business/16gret.html

    Gostar

  49. 25 Setembro, 2008 18:21

    Zazie,

    Compreendo-a.

    Isto que se está a passar não é capitalismo, mas faz parte do capitalismo, é a parte da “ganância” e está em muitos manuais de finanças.

    Mas, há uma coisa, que não está em nenhum manual de finanças, de economia ou do que quer que seja, e que é VIGARICE.

    Muitas das operações associadas a fundos de investimento, a hedge fundos ou a aplicações de capitais, são baseadas em modelos econométricos ou matemáticos. Até aqui tudo bem. Até existe a informática, que permite algoritmos mais rápidos e efcientes.

    Agora, quando as Agências de Rating, que pretensamente têm gente tão qualificada como os brokers e investment bank, e dão ratings AAA à AIG, há menos de 2 anos, e agora são capaz de a categorizar em “junk”, então estamos perante VIGARICE.

    Quando se passou com a Enron e a andersem o que se passou, e a SEC a assobiar. Quando houve a Worldom. Quando as Internet Stocks tinham valorizações potenciais dos investment bank de biliões de dólares e depois do “bust”, vieram para a bancarrota ou foram absorvidas por outras.

    Estamos perante VIGARICE. E esta VIGARICE vai do Sr. Ken Lay, da Enron, aos auditores da Anderson, passando pela SEC, e no caso presente pelo FED, Departamento do Tesouro, e afins.

    E sabe porquê? Eles jogam todos bridge! O ex-Chaiman da Bear Sterns, em Agosto passado, estava a jogar bridge, quando rebentaram 23 fundos e soube da notícia, e continuou a jogar……quando o Banco foi adquirido, o Senhor veio-se embora, mas trouxe uma bela indemnização!

    Mas, coitado do Sr. Chairman da Bear Sterns, perdeu uns milhões nas acções que tinha da Companhia!

    Nós estamos claramente no domínio do FBI, e não no domínio da SEC ou da FED, que estão totalmente descridibilizados.

    PS Mas, por cá, temos o Querido BCP eo o Querido Vítor….todos a jogarem bridge……

    Gostar

  50. lucklucky permalink
    25 Setembro, 2008 18:42

    “Agora, quando as Agências de Rating, que pretensamente têm gente tão qualificada como os brokers e investment bank, e dão ratings AAA à AIG, há menos de 2 anos, e agora são capaz de a categorizar em “junk”, então estamos perante VIGARICE.”

    Porquê? as coisas não podem mudar em um ano? Com o preço das casas de há um ano talvez o crédito mal parado não fosse tão mal parado. Como as casas baixaram BASTANTE de preço já não há suficiente garantia para os empréstimos. Os empréstimos por cá só se aguentam porque as casas têm quase sempre aumentado ou mantido o valor. Suponha que daqui a um ano todas as casas baixaram de valor para 2/3 e por qualquer outra razão você já não consegue pagar o empréstimo (divórcio, doença, desemprego), o banco tem uma propriedade como garantia que vale menos agora que o dinheiro que lhe emprestou a si para a comprar.

    Gostar

  51. Tribunus permalink
    25 Setembro, 2008 18:50

    Ontem o Socrates deu a imagem, ele e o seu ministro das finanças, de estarem perdidos ao fim de 4 anos de desgoverno, não sabendo se são governo ou uma companhia de marionetes!
    Comportamento tribal de qualquer republica do 4 mundo! e ainda haverá alguem que vota nestes tipos? Qual a actividade social comercial ou industrial onde este tipos reformaram alguma coisa?

    Gostar

  52. 25 Setembro, 2008 19:06

    sou um leitor assíduo deste blog, e na maior parte das vezes os posts – concordando-se ou não – revelam uma argumentação inteligente.

    Todavia, este post revela uma penosa falta de conhecimento do tema, o que permitiu ao JCD comparações perfeitamente abstrusas.

    a zazie apesar de furiosa (que lhe tirou clareza de discurso), chamou a atenção para uma realidade que perpassa por este post; um alinhamento de agit prop de ortodoxia partidária (quero acreditar que não tenha sido essa a intenção do autor).

    Gostar

  53. 25 Setembro, 2008 19:06

    Eles ainda vão nas casas… J.

    Nunca compreenderão. Nunca compreenderão porque isto faz cair a fé lá nas fezadas de que se alimentam
    E acham que um sistema financeiro crashou exclusivamente por causa do mercado imobiliário- o mesmo que há um ano, logicamente, por essa ordem de ideias, nunca daria crash. Era coisa localizada e títulos a limpar.

    Claro que não é isso.
    Mas é raro viver-se a História e conseguir-se entendê-la no preciso momento em que se vive.

    Eu já vivi outros momentos e apenas me lembro dos mesmos antolhos, dos mesmos esquematismos cegos, das mesmas incapacidades de entender que foi o tapete ideológico que lhes tiraram debaixo dos pés.

    De resto, estou-me nas tintas para as consequências ideológicas. Há coisas mais pragmáticas a resolver.

    Gostar

  54. 25 Setembro, 2008 19:11

    Eu nem chamei a atenção para isso. O jaquinzinho sabe que é um ajuste de velhos debates em que eu lhe apresentei a questão do sistema financeiro e ele me respondia sempre com banalidade mainstream. De quem está a leste de tudo. Quer financeiramente, quer economicamente, quer até do estito ponto de vista politico.

    Eu falava em crashs, porque quem tem olhar sobre o mundo sem amarras, sem partidos, sem ideologias, sem senhores, já pensava isso há muito tempo.

    Gostar

  55. 25 Setembro, 2008 19:12

    estrito ponto de vista.

    Gostar

  56. 25 Setembro, 2008 19:26

    “Porquê? as coisas não podem mudar em um ano? Com o preço das casas de há um ano talvez o crédito mal parado não fosse tão mal parado”.

    E o que dizer do Long Term Capital Managment, do Sr. John Meriwether, que era um “génio” e fundamentou os seus hedge funds num modelo econométrico de um Prémio Nobel?

    Sabe o que se chama “risk management”?

    Gostar

  57. 25 Setembro, 2008 19:33

    A criatura é,simples e “injenheiramente,pacóvia…
    E,alegadamente,exerce como primeiro – ministro num país das maravilhas.

    Gostar

  58. 25 Setembro, 2008 19:43

    “E o que dizer do Long Term Capital Managment, do Sr. John Meriwether, que era um “génio” e fundamentou os seus hedge funds num modelo econométrico de um Prémio Nobel?”

    Tinha 2 Prémios Nobel na administração, Merton e Scholes (o que deu o nome à equação de Black – Scholes). Era um fundo de arbitragem e tudo indica que funcionaria lindamente se fosse pequeno. O problema é que se tornou grande e as oportunidade de arbitragem esvaiam-se perante a pressão da procura. Meteram-se noutras aventuras e falharam.

    Gostar

  59. lucklucky permalink
    25 Setembro, 2008 19:52

    “E acham que um sistema financeiro crashou exclusivamente por causa do mercado imobiliário- o mesmo que há um ano, logicamente, por essa ordem de ideias, nunca daria crash. Era coisa localizada e títulos a limpar.”

    O mercado imobiliário tem dimensão para tal coisa. “As of 2008, Fannie Mae and the Federal Home Loan Mortgage Corporation (Freddie Mac) owned or guaranteed about half of the U.S.’s $12 trillion mortgage market”(Wiki).
    É evidente que nem tudo é junk, mas para comparar, o grande programa de que se fala é de 700$ Billions e a ajuda do FED JP.Morgan para comprar a Bear Sterns foi á volta de $29B. O total menos de 10% do mercado. Por isso compare a dimensão das coisas.

    Em 2005

    “To place this in some perspective, all Treasury debt held by the public totals $4.4 trillion, and all corporate bonds outstanding total $2.9 trillion. Fannie’s and Freddie’s liabilities–including both their MBS guarantees and their borrowings–come in right in the middle, at $3.7 trillion. Thus, only two companies–both of which are GSEs and implicitly backed by the U.S. government–account for more default risk than all other U.S. corporations combined.”

    http://www.aei.org/publications/pubID.22514/pub_detail.asp

    ————–
    Pode ser que estejam todos enganados mas até agora não trouxe nada que suporte a ideia que não tenha sido o mercado imobiliário pelas suas dimensões a despoletar a crise e o seu principal contribuidor.

    Gostar

  60. 25 Setembro, 2008 20:10

    Mas v. não se enxerga.V. não distingue uma causa que despoleta de um mal estrutural.

    Assim que quer que se lhe diga. Alguém negou a causa que fez despoletar?

    O que eu disse é que essa é apenas isso. E isso não é o crash. Porque um crash destes é um acumular de se ter andado com um sistema que deixou de cumprir a sua finalidade.

    Numa frase- um sistema que andou a criar dinheiro a partir do ar.

    Agora pegue neste diagnóstico que nem é inventado por mim, é pura verdade e pense o resto.

    Leia o que quiser saber. Se não quiser saber fique lá contentinho com a cabeça enfiada na areia.

    V. não é único exemplo desta incapacidade de entender. É mais um entre milhares- apenas corresponde a um paradigma- os ideológicos de cartilha que beatificam acefalamente tudo que possa parecer reactivas a “comunismos”. E fazem disso vacas sagradas.

    A finança é a vaca sagrada dos neoliberais de cartilha. Toda a gente sabe. Quem joga na bolsa não faz fortuna com cartilhas de nada. Os milionários não são toinos. Não vivem de palavras.

    Apenas irrita porque é cópia ao espelho do que a esquerdalhada também faz.

    Com a diferença que esses ainda andam na candonga de ideias para chegar à mesa de orçamento. E v,s não. Não há partido algum que venda um crash financeiro como um bom e natural exemplo do progresso civilizacional do capitalismo.

    E isto é que acaba por se tornar caricato. Parece que têm sempre de macaquear o que os comunas dizem para defenderem toinamente o oposto.

    Gostar

  61. 25 Setembro, 2008 20:13

    E repete e repete ad nauseam que eu não trouxe nada de novo para negar o que nunca neguei.

    V. leia o CN, homem. Leia o CN que esse explica o mal estrutural.

    V.s conversam em circuito fechado? trocam pareceres com banqueiros? lêem artigos de teóricos?

    Querem entender o mundo ou vender banha-da-cobra?

    Gostar

  62. 25 Setembro, 2008 20:14

    Sim, foi o mercado imobiliário que despoletou a crise. Só que já não vai numa crise, meu. Já deu crash, carago!

    E esse só se explica com o que permitiu que o sistema não aguentasse o embate.

    Gostar

  63. lucklucky permalink
    25 Setembro, 2008 20:15

    “E o que dizer do Long Term Capital Managment, do Sr. John Meriwether, que era um “génio” e fundamentou os seus hedge funds num modelo econométrico de um Prémio Nobel?

    Sabe o que se chama “risk management”?”

    Não sei as circunstàncias por isso só posso dizer uma La Palissada: todos fazemos asneiras.
    Uma das lições desta crise é que investir num fundo diversificado não é o mesmo que diversificação de investimento.
    E como se vê por vários falhanços houve algumas instítuições que colocaram uma parte crucial dos seus ovos no “mesmo sítio”, pois uma exposição importante a um só mercado é um risco. Tunnel Vision ou como esse mercado é gigante era uma das maneiras mais fáceis de ter liquidez?
    Quanto á fórmula tudo depende se estava correcta e a se a aplicaram ao que deviam aplicar, mas como não acredito em formulas mágicas…

    Esta parte de um dos fundos do Bear Sterns que foi ao ar do artigo da Vanity Fair.

    “Cioffi, 52, was a Bear lifer, a wisecracking salesman who commuted to Midtown from Tenafly, New Jersey, to oversee two hedge funds at Bear Stearns Asset Management, an affiliate known as B.S.A.M. His main fund, the High-Grade Structured Credit Strategies fund, plowed investor cash into complex derivatives backed by home mortgages. For years he was spectacularly profitable, posting average monthly gains of one percent or more. But as the housing market turned down in late 2006, his returns began to even out. Like many a Wall Street gambler before him, Cioffi decided to double-down, creating a second fund. Whereas the first borrowed, or “leveraged,” as much as 35 times its available money to trade, the new fund would borrow an astounding 100 times its cash.

    It blew up in his face. As the housing market worsened during the winter of 2006–7, Cioffi’s returns for both funds plummeted. He urged investors to stay put, promising an imminent turnaround. (Cioffi and a colleague, Matthew Tannin, were indicted in June for misleading investors.)”

    Gostar

  64. 25 Setembro, 2008 20:20

    Crashou. E crashou com intensidade que só tem paralelo com o grande crash de 1929.

    Entende a diferença? ciclos pelo meio e um crash sem paralelo.

    Não há causa única a não ser a que o próprio sistema gerou. E esta sim, tem algo de idêntico e daí, tantos experts falarem em ter de se voltar ao início. Incluindo ao padrão ouro.

    E isto é dito em muito lado, não é coisa apenas de conversa de blogosfera.

    Gostar

  65. 25 Setembro, 2008 20:27

    Por isso é que é igual disparate ou pura demagogia de agit prop aquelas “análises” à la Rui Tavares que também dizem que até se podia ter evitado se tivessem feito meia dúzia de tretas que não sei quem disse que são males do sistema.

    Não evitava nada. Um crash brutal não se evita. De facto há uma certa natural necessidade do sistema “dar de si” quando está enviesado.

    Mas mais nada. Não é sintoma de saúde natural. É dar de si. É romper por onde cresceu desmesuradamente, desfasado do mundo, da economia. Com erros estruturais como esses de potenciar ao infinito riqueza feita de ar. Com base de ar. Vendendo dinheiro a partir de ar.

    E um crash destes precisava de levar a alterar as regras a própria forma como a finança funciona.

    E nada disto tem a ver com o Estado ir para lá aparar golpes para salvar nada. Porque faça ou não faça a coisa vai sempre romper.

    E se aguentar minimamente em recessão por uns anos, vai tornar a rebentar daqui a outros. Como surtos.

    Gostar

  66. 25 Setembro, 2008 20:34

    O que se torna caricato é esta sintonia de falta de ideias, de uma mesma perspectiva errada do capitalismo entre esquerdas e direitas.

    E isto sim, é o espelho daquilo que me parece bem mais forte- uma crise civilizacional.

    Há um sistema errado que quer ser remendado pelos que nem têm utopias alternativas, embora ainda vendam ideologias como se fossem alternativa. E há uma incapacidade de visão, de perceber o mal, pelos ditos ideólogos liberais. Porque para uns é a vaca sagrada que mostra falhas e não querer admitir isso e, para outros, a única altura de poderem erguer bandeiras de rastos, dentro do mesmo sistema em que não tocam.

    Daí o caricato de se ver comunas esquerdalhos a acharem que vai ser o FED a salvar o mundo. E os outros a dizerem que é só fumaça. O sistema levanta-se em 3 tempos que isto é a lei da economia e do mercado a funcionar.

    Gostar

  67. 25 Setembro, 2008 20:37

    Os comunas esquerdalhos foi pleonasmo. Ninguém se diz comuna hoje em dia, pelos mesmos motivos. São apenas “mais humanistas” por serem de esquerda.

    O que significa nada. Igual e ao mesmo que o resto, e apenas mais parolos e decandentes em termos folclóricos.

    Gostar

  68. 25 Setembro, 2008 20:38

    Sem préstimo para nada, como disse o Baptista Bastos

    ahahahahaha

    Gostar

  69. lucklucky permalink
    25 Setembro, 2008 20:42

    “despoletar a crise e o seu principal contribuidor”

    Foi o que disse, isto é considero as dimensões do mercado imobiliário o principal factor para a crise e não só para o seu despoletar.

    “O que eu disse é que essa é apenas isso. E isso não é o crash. Porque um crash destes é um acumular de se ter andado com um sistema que deixou de cumprir a sua finalidade.”

    Onde você negou as dimensões do falhanço no mercado imobiliário? Se não foi assim a Fannie Mae foi ao ar porquê?? Como é que com outro sistema você passava entre os pingos da chuva de um falhanço dessa dimensão?

    Gostar

  70. 25 Setembro, 2008 20:46

    Não vale a pena.

    Gostar

  71. 25 Setembro, 2008 20:48

    Com outro sistema ninguém andava a incentivar endividamentos sem poupança nem os governos se aproveitavam para despacharem liquidez para bancos, para pagarem défices de economia.

    Gostar

  72. 25 Setembro, 2008 20:50

    E se os bancos tivessem de funcionar sem isto, tinham de servir para o que foram feitos- emprestar dinheiro para as pessoas poderem investir, com base naquilo que pouparam.

    Era uma coisa que não precisava da macrocefalia de um sistema financeiro desfazado da economia e a funcionar autonomamente, arrastando depois as economias mundias pela base errada em que passaram a funcionar.

    Gostar

  73. 25 Setembro, 2008 20:54

    Não há qualquer hipótese explicativa de um sistema financeiro ter andado a gerar lucros fabulosos quando a economia nem acompanhava de perto ou de longe esse falso crescimento. a bolha foi isto. Mas o erro era e é a forma como a finança se separou da realidade.

    E é claro que as pessoas, em geral, idem. E isto ainda não cradhou com exemplos de terceiro mundo, onde apenas há por base uma fonte natural- o petróleo e o resto é tudo importado. Sem sequer se terem industrializado.

    Imagine-se quando a deslocação, que já se esta a fazer, para o terceiro mundo, der bolha. É impressionante como os grandes bancos foram comprados por Dubais, Indias, chinocas, tudo fora do ocidente.

    Vão lá apanhar os restos.

    Gostar

  74. 25 Setembro, 2008 20:57

    É óbvio que a dependência do petróleo e a estúpida da guerra do Iraque também entra na famosa crise do imobiliário que aconteceu precisamente para despachar liquidez que não despachava com outros clientes.

    E foi nos EUA porque é lá que está o centro financeiro mundial. Podia ter sido noutro lado, porque a especulação imobiliária é geral. E nem são todos pobrezinhos. Os ricos ingleses também eram ricos com o mesmo. E o governo inglês andou a incentivar o mesmo que o americano.

    Gostar

  75. 25 Setembro, 2008 21:00

    O bluff inglês foi o mesmo. Esconderam até os défices orçamentais e nem contaram com as bolhas do imobiliário para se aguentarem politicamente. O Brown até já andou a discursar dando ideias tão estapafúrdias para o problema da classe média perante a crise, como comprarem casa a meias. Várias famílias em grupo. à yppie.

    Gostar

  76. 25 Setembro, 2008 21:06

    Eles despacharam o défice com as mesmas rotativas com que em 29 os banqueiros fabricaram papel a partir de depósitos que já não tinham.

    Gostar

  77. henrique permalink
    25 Setembro, 2008 21:29

    Escelente post. Aprendi bastante em alguns segundos! quem dera que o 1º ministro lê-se isto. Sim, ele! não nenhum dos seus spins!

    Gostar

  78. henrique permalink
    25 Setembro, 2008 21:29

    é o que dá escrever à pressa! EXCELENTE

    Gostar

  79. maloud permalink
    25 Setembro, 2008 21:58

    Eu demorei mais tempo para aprender alguma coisa. Tive de ler os comentários.

    Gostar

  80. portela menos 1 permalink
    25 Setembro, 2008 21:58

    eu quero o(a) Zazie a ministro das Finanças, presidente do BC, reitor da Católica… o que for.
    Mas devia clarificar, antes, se tomaria partido pelos Liberais-radicais, pela esquerdalha do prec, pelos desempregados da TOR, pelas “caixas” do Continente, pelos…

    Assina,
    um defensor da ideologia e da politica (isto para salvaguardar o que vem a seguir…)

    Gostar

  81. lucklucky permalink
    25 Setembro, 2008 21:59

    “Não há qualquer hipótese explicativa de um sistema financeiro ter andado a gerar lucros fabulosos quando a economia nem acompanhava de perto ou de longe esse falso crescimento. a bolha foi isto. Mas o erro era e é a forma como a finança se separou da realidade.”

    “The powerful lure of tax-free profit is one reason that home prices have risen at a nearly 7% annual rate, vs. about 4% for the stock market since 1997.”*

    Que tal trazer números? Que tal comparar esses números com o aumento de investimento em produtos financeiros na última década?
    Que tal comprar o aumento de liquidez nos mercados com o crescimento da economia?

    A mim parece-me que quem se “separou da realidade” foi o mercado imobiliário e aqueles que no sistema financeiro se atrelaram a ele acabaram queimados.

    *A Housing Boom Built on Folly
    http://www.businessweek.com/bwdaily/dnflash/jul2005/nf20050726_4208_db013.htm

    Gostar

  82. lucklucky permalink
    25 Setembro, 2008 22:01

    Correcção: comprar deve se ler comparar.

    Gostar

  83. 25 Setembro, 2008 22:24

    Dois exemplos que conheço que revelam que a ganância se mistura com a irresponsabilidade, o que muitas vezes pode ser crime:

    1. Em Portugal, vários bancos, mesmo sabendo que o cliente X, tem 10 créditos (dez), tem o seu gestor de conta a bombardeá-lo com mais 2 ou 3 promoções de crédito, apesar de saber que a solvência do Cliente é inexistente, quer pelas dívidas e juros que tem, quer pelas receitas que vai tendo. Justificação para esta actuação: cumprir objectivos. Ou seja “risk management” inexistente. Esta situação é muito comum….

    2. Nos EUA, conheci alguém que comprou uma casa no valor de 1,2 milhões de dólares com uma assinatura, sem avaliação da capacidade de endividamento, sem avaliação de risco do cliente. Justificação: o imobiliário NUNCA desce e por isso basta efectuar uma hipoteca, no caso de incumprimento. Ora, o caso das “Savings and Loans” ainda tem pouco mais de 10 anos, e custou aos Americanos cerca de 300 a 400 mil milhões de dólares.

    ———————————-

    Ou seja, a banca perdeu o sentido dos objectivos e do risco. A banca estava (está?) embriagada. Quando um condutor está embriagado, pode causar muitos estragados, pois perdeu o controlo e a lucidez.

    À mistura, a banca talvez seja o sector que mais “ganância” concentra em todo o mundo.

    Cocktail óptimo para o desastre.

    Só alguém como Franklin Roosevelt (não admiro os Dems) poderá pôr a América “on track”. Penso que não será McCain, nem será Obama!

    Gostar

  84. 25 Setembro, 2008 22:26

    Thursday, September 25, 2008

    The Rasmussen Reports daily Presidential Tracking Poll for Thursday shows Barack Obama attracting 49% of the vote while John McCain earns 46%.

    http://www.rasmussenreports.com/public_content/politics/election_20082/2008_presidential_election/daily_presidential_tracking_poll

    Gostar

  85. 25 Setembro, 2008 22:27

    Ó lucklucky,

    V. está maluco. Mas v. acredita que eu, sem ter nada a ver com finança vinha para aqui, armada em expert, a querer provar números?

    Eu apenas tenho informação privada e trato da minha vida

    “:O))))

    A v.s disse o que era para dizer em termos de ideotoinice em que vivem

    Gostar

  86. 25 Setembro, 2008 22:30

    Pode botar aí que eu disse que se viveu um momento que vai ficar na História. E vai passar a vir em todos os manuais.

    Isso pode- e que foi brutal crash, sem paralelo em décadas. Sem nada comparável às crises cíclicas.

    Mas isso (de não ter paralelo com as crises cíclias) toda a gente já sabia, excepto v.s. Os tais da vaca sagrada.

    Gostar

  87. 25 Setembro, 2008 22:39

    E isto significa que ninguém sabe. Nisso o JM tem razão. Em termos práticos, não existe nenhuma sumidade da finança, nenhum Soros, nenhum Roudini, que possam saber o que vai acontecer nos próximos 2 meses.

    Que o crash estava anunciado sim. Mas isso até qualquer pessoa com informação sabia. Estruturalmente sabe-se do desfazamento. Não é sequer preciso saber-se finança para se entender isso.

    Agora o crash e a amplitude dele é que não se explica com meia dúzia de tretas como o que o despoletou, não. Daí não haver ninguém, ao contrário do que o RT diz, que tivesse medidas para o evitar.

    Era mais fácil evitar-se uma guerra. Mil vezes mais fácil. Estas tretas são subterrâneas. A economia ainda pode ter as contas certas e as empresas saberem se vão ou não aguentar-se, ou falir.

    A finança não. Até pelo tal paradoxo das falências nem serem evitadas pelos próprios.

    Gostar

  88. 25 Setembro, 2008 22:40

    errata: desfasamento.

    Gostar

  89. Cu rector permalink
    25 Setembro, 2008 23:09

    “quem dera que o 1º ministro lê-se isto.”
    E se você lhe escrevê-se?

    Gostar

  90. Anónimo permalink
    25 Setembro, 2008 23:12

    “quem dera que o 1º ministro lê-se isto.”

    E se você lhe escrevê-se?

    Gostar

  91. lucklucky permalink
    26 Setembro, 2008 00:45

    “Agora o crash e a amplitude dele é que não se explica com meia dúzia de tretas como o que o despoletou, não.”

    Okay os problemas na Fannie Mae(para termo de comparação imagine uma única empresa que tenha hipotecas de metade do imobiliário de toda a Europa) são “tretas”, os fundos do Bear Sterns são “tretas”. Diga-me uma empresa em sarilhos que não tenha tido uma grande exposição ao imobiliário. Até agora tem uma seguradora, bancos de investimento(e não bancos de retalho) e os grandes semi-publicos Fannie & Freddie.

    Para ter uma noção da relevância das coisas precisa-se e ter a noção da sua dimensão. Foi isso que pedi. Você não o faz.
    Eu dei-lhe alguns dados sobre a dimensão. Referi o Bear Sterns por quem você quase chorou 🙂 com fundos do ligados ao imobiliário e que foram ao ar.
    Os problemas derivam de Política: juros baixos pelo FED, Fannie Mae a conceder e comprar hipotecas e a ter mais de metade do mercado imobiliário, legislação a favorecer a compra de casa por sectores desfavorecidos e uma lei de 1997 a isentar de impostos quem vendesse com lucro a sua casa, num valor até 0.5 Milhões de dólares.
    Há mais problemas mas estes são os essenciais que consegui detectar.

    “Justificação: o imobiliário NUNCA desce e por isso basta efectuar uma hipoteca, no caso de incumprimento.”
    Tal como cá até há pouco tempo atrás.

    Muitas pessoas pensam que quem tem um MBA ou faz parte de uma Vaca Sagrada de Wall Street não faz asneira grossa e não tem sangue humano. Há uns anos atrás uma sonda da NASA foi para o galheiro porque as unidades imperiais não batiam certo com as do SI, a Airbus Semi-publica, onde é que já ouvi isto? só não foi á bancarrota porque os Estados lhe pagaram as contas quando o grande projecto de engenharia teve de ser revisto por causa de cabalgens que não jogavam umas com as outras porque foi feito por versões diferentes de software. As coisas mudam e toda a gente faz asneiras num jogo livre por isso é que o treinador passa de bestial a besta e vice versa. Não há sangue azul.

    Gostar

  92. Curiosamente permalink
    26 Setembro, 2008 00:49

    A zazzie escreve coisas muito interessantes, mas torna-se difícil por vezes acompanhar tudo, penso porque ela escreve como fala. É o estilo dela. Mas fica difícil memorizar algumas ideias chaves.

    Gostar

  93. Curiosamente permalink
    26 Setembro, 2008 01:02

    “Diga-me uma empresa em sarilhos que não tenha tido uma grande exposição ao imobiliário.”

    Todas as empresas grandes tem exposição ao imobiliário, porque o imobiliário é um sector enorme. Se é um sector enorme, pode dar lucros enormes.
    Penso que a questão do LuckyLuck é ao contrário. A saber, quem quiser ser uma grande empresa (financeira), tem que estar no imobiliário.
    Tal não prova que o imobiliário seja a causa de todos os males dessas empresas.
    A grande maioria das falencia são nos EUA, e imobiliário há por todo o lado. Incluindo bancos e seguradoras que trabalham com esse sector.
    Como tal, parece-me que terá que ser outra a causa, que não o imobiliário em si.

    Gostar

  94. 26 Setembro, 2008 18:46

    O primeiro ministro perceberia melhor o short seling se lhe tivessem dado um exemplo melhor do tipo : é como um gajo que ainda esta casado dar uma queqa noutra gaja. Não pode , mas toda a gente faz .
    Não é verdade senhor primeiro ministro.

    Gostar

  95. xico permalink
    26 Setembro, 2008 19:16

    Toda a gente faz dizes tu Nem todas as mulheres casadas andam com gajos a fazerem ta

    Gostar

Trackbacks

  1. Da Blogoesfera: short-selling : Economia & Finanças

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: