Saltar para o conteúdo

O Ministério Público não abre inquérito?

9 Novembro, 2011
by

Li, reli, e voltei a ler:

“Para mim, a manifestação dos militares deve ser, ultrapassados os limites, fazer uma operação militar e derrubar o Governo”, disse Otelo. Mais – O coronel na reserva acredita que há condições para os militares tomarem o poder e vai mais longe: “bastam 800 homens”. Mais ainda – “Estou convicto que, em qualquer altura, se os militares estiverem dispostos a isso, podem avançar sempre para uma tomada de poder”, adiantou. Até porque “os militares têm um poder e uma força e não é em manifestações colectivas que devem pedir e exigir coisas”. Para darem o golpe bastará que “sejam ultrapassados os limites”. 

A meu ver todos têm direito a dizerem todos os disparates que lhes passarem pela cabeça. A ter as opiniões mais tresloucadas. Mas daí a apelar a um golpe militar vai uma grande distância. Sobretudo quando as afirmações são proferidas por um militar na reserva.

Por isso interrogo-me se o Ministério Público vai assobiar para o lado ou vai, pelo menos, saber se foi ou não violado o artigo 326º do Código Penal, que reza assim:

“Quem publicamente incitar habitantes do território português ou forças militares, militarizadas ou de segurança ao serviço de Portugal à guerra civil ou à prática da conduta referida no artigo anterior [referente à alteração violenta do Estado de Direito] é punido com pena de prisão de 1 a 8 anos.”

Acho que, para variar, vou esperar sentado.

Anúncios
87 comentários leave one →
  1. Arlindo da Costa permalink
    9 Novembro, 2011 23:00

    E pensar que o major Otelo pôs em risco a sua pele para que o ilustre Dr.JMF não fosse malhar com os ossos em África!
    Óh Otelo, se não tivesses sido tão brando, este país não tinha transformado na espelunca que hoje é!

    Gostar

  2. Portela Menos 1 permalink
    9 Novembro, 2011 23:04

    o ministério público deveria era preocupar-se com os corruptos que nos trouxeram até aqui e que continuam a utilizar o “planeamento judicial” para, com recursos e requerimentos manhosos, se manterem fora das prisões.

    Gostar

  3. Portela Menos 1 permalink
    9 Novembro, 2011 23:07

    ps:
    interessante o facto de muitos adeptos deste liberalismo rasca – alguns no governo e blogs – terem andado com Otelo às costas durante o PREC.

    Gostar

  4. Arlindo da Costa permalink
    9 Novembro, 2011 23:09

    O Ministério Público devia era preocupar-se com o pessoal da Coelha, do Banco Nacional dos Pulhas e com os Submarinos que estão a ganhar ferrugem no mar da Palha!

    Gostar

  5. 9 Novembro, 2011 23:19

    eu acho que está a tornar-se necessária uma acção “moralizadora” da vida política portuguesa. A corrupção atingiu os limites nunca antes imaginados e a degradação “moral” e o retrocesso civilizacional tb. Dizer que “nos dias de hoje blá blá blá” é pura retórica. Ou a justiça funciona e mete na prisão aqueles que destruiram o país com arresto de todos os seus bens, ou então alguma coisa terá de acontecer. Retórica do blá blá blá dos “nos dias de hoje”, na “europa civilizada”, blá blá blá, já a história mostrou sobejamente que não passa de blá blá blá…

    Gostar

  6. J. Madeira permalink
    9 Novembro, 2011 23:23

    Como de costume não acerta uma, o especialista em inventonas e caldeiradas desconhece a
    História, houve guerra cívil no 25 Abril ? Qem iria defender esta putrefacta partidocracia ?
    Vivemos em tudo, menos num Estado de Direito é mais um Estado de muitas leis furadas a
    safar sempre os mesmos !!!

    Gostar

  7. 9 Novembro, 2011 23:23

    porque há os que arruinaram o país que a justiça Tem de condenar e há os que na AR se preparam para elaborar leis de acordo com os interesses dos grupos para quem trabalham ou para quem hão-de trabalhar. Condenar exemplarmente os primeiros é uma necessidade vital para a continuidade do país, ao mesmo tempo que se actua no sentido de neutralizar totalmente os segundos com leis mais fortes e mais amplas de imcompatibilidades, nomeadamente. psicanalises.blog

    Gostar

  8. Carlos permalink
    9 Novembro, 2011 23:27

    Estado de Direito? Já acabou há muito tempo. Nem a Constituição é cumprida, e com a complacência do Tribunal Constitucional (ver acórdão nº396/2011).
    O JMF está preocupado com as declarações do Otelo.
    As minhas preocupações são outras:
    – 1,5 mil milhões de € do Orçamento de Estado para 2012 para parte das empresas do regime (considerando apenas as parcerias publico-privadas).
    – Roubo de 2 vencimentos a todos os funcionários públicos e/ou pensionistas (é literalmente ROUBAR dinheiro a velhinhos…).
    Já que o governo está numa de “estado de emergência” que lhe permite romper contratos, leis e até a constituição, porque não cortar com os contratos danosos para o país ao invés do ataque a funcionários publicos e pensionistas?
    A verdadeira questão é esta: se o proprio governo não respeita as leis nem a constituição, isso não é motivação suficiente para um golpe de estado?
    A verdadeira questão coloca-se ao contrário: quais os limites para ser aceitável um golpe de estado?

    Gostar

  9. 9 Novembro, 2011 23:28

    “Por isso interrogo-me se o Ministério Público …” !!!!

    o MP tem é de se aplicar em ser totalmente eficiente em meter os corruptos que estão a ser julgados na prisão, assim como os outros que não o estão a ser mas devem ser julgados e condenados, e recuperar as pornográficas quantias que foram roubadas, desviadas, chamem-lhe o que mto bem lhes apetecer, do erário público e levaram o país à falência. O MP deve agir preventivamente para impedir que tal volte a acontecer. É isso o que o MP tem o dever de fazer neste momento.

    Gostar

  10. A.Silva permalink
    9 Novembro, 2011 23:29

    Tá bonito isto, esta malta da direita já está de tal modo nervosa, que já manda prender uma pessoa só pelo delito de opinião.
    Tomem calmantes que isso passa-lhes.

    Gostar

  11. 9 Novembro, 2011 23:31

    o Estado de Direito deixa de o ser quando a corrupção, a gestão ruinosa dos dinheiro e bens públicos, o tráfico de influência, etc, atingem limites insustentáveis e inaceitáveis.

    Gostar

  12. Portela Menos 1 permalink
    9 Novembro, 2011 23:31

    não se preocupem que a comissão ainda tem 6 elementos:
    http://www.publico.pt/Pol%C3%ADtica/tres-demissoes-no-grupo-de-trabalho-do-servico-publico-da-rtp-1520225

    Gostar

  13. Kafka permalink
    9 Novembro, 2011 23:52

    O JMF é masoquista, não fora isso já tinha encerrado a cx de comentários, afinal baboseiras é o que mais se escreve por aqui.

    Gostar

  14. Luís Bonifácio permalink
    10 Novembro, 2011 00:01

    Mas Otelo não mandou matar 10 pessoas (Uma das quais um bébé), foi condenado e o Mário Soares libertou-o apagando todo o seu registo criminal?

    Para que é que um magistrado vai avançar com uma investigação quando ainda tem colegas com segurança pessoal, por causa dos crimes cometidos pelo Otelo e que o Mário Soares mandou apagar?

    Gostar

  15. Fredo permalink
    10 Novembro, 2011 00:03

    O post faz uma citação parcial e tendenciosa e descontextualizada.
    Se tivesse citado estas afirmações:
    .
    “Se eu adivinhasse que o país ia gerar uma classe política igual à que está no poder, e que está a passar a certidão de óbito ao 25 de Abril, eu não teria assumido a responsabilidade de dar essa alvorada de esperança ao povo”.
    .
    “Estabelecemos com o povo português um compromisso muito forte que era o de criar condições para um acesso a nível cultural, social e económico de um povo que tinha vivido 48 anos debaixo de ditadura”, acrescentou.
    .
    “Assumimos esse compromisso, não o cumprimos e não o estamos a cumprir porque entregámos o poder a uma classe política que, desde o 25 de Abril, tem vindo a piorar”
    .
    Lendo estas afirmações, com as quais me parece difícil não se concordar, não acha o jmf1957 que a conclusões também estarão cheias de lógica, sendo que “Os militares têm a tendência para estabelecer um determinado limite à actuação da classe política”. Esse limite, considerou, foi ultrapassado em 1974 e culminou com a “revolução dos cravos”.
    “Hoje, Portugal está “a atingir o limite”

    Gostar

  16. Portela Menos 1 permalink
    10 Novembro, 2011 00:04

    (…) Que nenhum dos arguidos vai preso, não é difícil de prever. (Godinho, o elo mais fraco, já amargou uns meses de preventiva e assim já pagou a sua parte). Basta ver as estatísticas: quantos cidadãos de perfil mediático estão presos por corrupção, activa ou passiva, desleixo, roubalheira ou má figura?
    Ou, por outras palavras, digam lá o nome de um que tenha sido condenado e esteja preso?
    Um, que seja. (…)
    blog Perplexo/sapo

    Gostar

  17. 10 Novembro, 2011 00:16

    O MP está ocupado com os jogadores do FCP. Já agora: o 25 de Abril não foi por causa da liberdade e isso? não me digam que sempre teve a ver com carreiras e direitos e etc. Mesmo que seja não se deve dizer, parece mal.

    Gostar

  18. tina permalink
    10 Novembro, 2011 00:21

    Confirma-se que o grande problema para os comunas é a democracia. O Jerónimo quer derrubar o poder com a rua e o Otelo com um golpe militar. São tão palhaços.

    Gostar

  19. A. C. da Silveira permalink
    10 Novembro, 2011 00:34

    Portugal é um estado de direito com as instituições democraticas em pleno funcionamento, Presidente da Republica, Parlamento e Governo. Instituições democraticas que são resultado de eleições livres. Vivemos uma Democracia, mas para imbecis como o Otelo e o Vasco Lourenço, a democracia começa no Bloco de Esquerda, passa pelo PCP, e acaba no PS, com a Intersidical a adornar o bouquet. Já não há pachorra para a “esquerda” burra e estupida aqui bem representadas pelo Arlindo, pelo Portela-1 A Silva e outras aventesmas.
    O Otelo é pessoalmente responsavel pelo assassinio de inocentes, entre os quais crianças, acções que ele justificou com argumentos que em qualquer país civilizado o teriam posto na prisão para o resto da vida. Aqui não, foi indultado e ainda o promoveram a tenente coronel, com direito a receber os retroactivos.
    A alguem como eu que fez a guerra do ultramar como miliciano, dá uma vontade de rir muito grande ver a chicalhada que nunca andou aos tiros, os militares de carreira, falarem nos direitos dos trabalhadores. Nós iamos pró mato prá porrada e eles ficavam no ar condicionado, dos gabinetes e das messes. Puta que os pariu.

    Gostar

  20. 10 Novembro, 2011 00:43

    tenha calma . é que esse senhor é citado pela descomunicação social , mas se o ministério público quiser fazer um trabalho sério e neutral , sem distinguir entre quem aparece nos jornais e quem não aparece , não fazia mais nada senão investigar , que todo o mundo que eu conheço diz que isto só vai lá com tiros. e tem esse que ser mais castigado pq aparece numa coisa com vendas em declinio acentuado ? não é justo. é que o senhor manel aqui do meu bairro até tem acesso a mais pesoas que o correio da manhã. e é mais respeitado. tinha de ser preso 1º!!!

    Gostar

  21. Portela Menos 1 permalink
    10 Novembro, 2011 00:47

    A. C. da Silveira:
    (…) Já não há pachorra para a “esquerda” burra e estupida aqui bem representadas pelo Arlindo, pelo Portela-1 A Silva e outras aventesmas (…)
    .
    ainda bem que os representantes da direita (que nunca foi burra e estúpida) podem usar o direito de responder às opiniões de outros … com insultos.

    Gostar

  22. Arlindo da Costa permalink
    10 Novembro, 2011 01:01

    Eu só apoio o tenente-coronel Otelo, pois foi ele que disse há muito pouco tempo que Portugal estava precisando dum novo Salazar, e que este era o «grande crânio».
    Neste contexto apoio incondicionalmente.
    Ou será que vocês estão vendo algum grande «crânio» a nos (des)governar?
    Se alguém encontrar esse «crânio» nas passerelles do actual poder, eu prometo oferecer uma dúzia de abóbaras da minha quinta de Santa Comba Dão.
    Mando entregar na estação.

    Gostar

  23. tina permalink
    10 Novembro, 2011 01:01

    Incrível como Otelo Saraiva de Carvalho é na verdade um assassino que anda à solta e ainda recebe tempo de antena. Que sociedade doentia.
    .
    20 de Abril de 1980- apresentação pública da organização Forças Populares 25 de Abril com o rebentamento por todo o país de cerca de uma centena de engenhos explosivos contendo o documento “Manifesto ao Povo Trabalhador”;
    Abril de 1980- acção de solidariedade para com o Exército Republicano Irlandês, cuja bandeira é hasteada numa sucursal da British Airways no Porto;
    Maio de 1980- atentado com rockets no Royal British Club em Lisboa em solidariedade com o Exército Republicano Irlandês;
    Maio de 1980- assalto simultâneo a dois bancos no Cacém que resulta na morte do soldado da GNR Henrique Hipólito durante a confrontação com elementos da organização;
    Maio de 1980- morte do militar da GNR Agostinho Francisco Ferreira durante a detenção de elementos de um comando da organização em Martim Longo, Algarve;
    Maio de 1980- atentado frustrado com explosivos em Bragança;
    Julho de 1980- destruição por incêndio de viaturas da PSP;
    Julho de 1980- assalto à Conservatória do Registo Civil de Vila Nova de Gaia para roubo de impressos para bilhetes de identidade;
    Setembro de 1980- rebentamento de explosivos no consulado e na embaixada do Chile respectivamente no Porto e em Lisboa;
    Outubro de 1980- formação da coligação Frente de Unidade Popular;
    Outubro de 1980- rebentamento de explosivos nas sedes dos ex-Comandos em Faro e Guimarães; esta associação era considerada pelas FP-25 como a tropa de choque das desocupações de terras no Alentejo;
    Outubro de 1980- assalto simultâneo a dois bancos na Malveira na sequência do qual são mortos dois elementos da organização (Vítor David e Carlos Caldas) e um cliente de um dos bancos (José Lobo dos Santos), ficando ainda feridos dois elementos da população local;
    Inicio de 1981 – atentado com explosivos na filial do Banco do Brasil em Lisboa que causa um ferido;
    Março de 1981- ferimentos ligeiros num comerciante da Malveira (Fernando Rolo) acusado de ser o autor dos disparos que causam a morte de um dos elementos da organização aquando de um assalto frustrado naquela povoação em Outubro do ano anterior;
    Março de 1981- disparos nas pernas de um dos administradores da empresa SAPEC, no Dafundo, na sequência de conflitos laborais na empresa;
    Março de 1981- assalto a um banco na Trofa;
    Julho de 1981- disparos sobre o director-delegado da empresa Standard Eléctrica em Cascais causando-lhe ferimentos ligeiros; na mesma acção é ferido o seu motorista; a acção é justificada pela organização como uma resposta aos despedimentos e conflitos laborais que afectavam a empresa;
    Julho de 1981- roubo de explosivos de uma empresa de construção, nos arredores de Coimbra;
    Julho de 1981- assalto a um banco de Vila da Feira;
    Meados de 1981- assalto a um banco de Leça do Balio;
    Outubro de 1981- disparos nas pernas de um administrador da empresa Carides, em Vila Nova de Famalicão; a acção é justificada como uma resposta aos salários em atraso e aos despedimentos efectuados na empresa;
    Outubro de 1981- morte de dois militares (Adolfo Dias e Evaristo Ouvidor da Silva) da GNR vitimas da explosão de um carro armadilhado em Alcaínça, arredores da Malveira; a acção inseria-se ainda no processo de retaliação relativo às mortes de dois elementos (Vítor David e Carlos Caldas) da organização num assalto a um banco desta localidade;
    Outubro de 1981- morte de um elemento da organização (António Guerreiro) na sequência de um assalto a um banco na Póvoa de Santo Adrião; no mesmo assalto é morto um transeunte (Fernando de Abreu) que, armado de pistola, faz frente aos elementos da organização;
    Dezembro de 1981- atentado com explosivos ao posto da GNR de Alcácer do Sal;
    Finais de 1981- atentados com explosivos nos postos da GNR do Fundão e da Covilhã;
    Janeiro de 1982- atentado com explosivos ao posto da GNR do Cacém;
    Janeiro de 1982- atentado com explosivos à residência de um industrial no Cacém;
    Janeiro de 1982- assalto a uma carrinha de transporte de valores;
    Abril de 1982- atentados com explosivos sobre o automóvel e a residência de dois administradores da empresa SAPEC;
    Junho de 1982- disparos sobre a viatura onde se deslocavam dirigentes da cooperativa “Boa Hora”;
    Agosto de 1982- atentado com explosivos colocados numa viatura, em Montemor-o-Novo;
    Outubro de 1982- assalto a um banco em Pataias;
    Outubro de 1982- assalto a um banco em Cruz da Légua;
    Outubro de 1982- assalto a uma empresa de Vila Nova de Gaia;
    Dezembro de 1982- atentado mortal sobre o administrador da Fábrica de Louças de Sacavém, Diamantino Monteiro Pereira, em Almada; a organização justifica a acção como uma resposta aos despedimentos colectivos efectuados pela administração;
    Janeiro de 1983- elementos da organização libertam da prisão um militante das FP-25, em Coimbra;
    Fevereiro de 1983- assalto a um banco em Espinho;
    Fevereiro de 1983- assalto a um banco no Carregado;
    Abril de 1983- assalto a um banco no Tramagal;
    Junho de 1983- assalto a uma empresa;
    Agosto de 1983- assalto a um banco de Matosinhos;
    Setembro de 1983- assalto a uma empresa, em Pereiró;
    Novembro de 1983- atentado com explosivos ao posto da GNR de Leiria;
    Novembro de 1983- atentado com explosivos visando um administrador da empresa Cometna;
    Novembro de 1983- atentados com explosivos em residências de empresários na Cruz de Pau e Seixal;
    Dezembro de 1983- atentado com explosivos a instalações bancárias em Leiria e Caldas da Rainha;
    Dezembro de 1983- rebentamento de engenhos explosivos com difusão de panfletos em Setúbal;
    Janeiro de 1984- assalto a um banco em Caneças;
    Janeiro de 1984- atentado com explosivos visando administradores das empresas Entreposto, Tecnosado e Tecnitool;
    Janeiro de 1984- atentado a tiro contra a residência do administrador da empresa Ivima, na Marinha Grande;
    Janeiro de 1984 – assalto a uma viatura de transporte de valores na Marinha Grande que resulta em ferimentos graves (paraplegia num dos casos) em dois dos seus ocupantes;
    Fevereiro de 1984- atentados com explosivos visando empresários na Covilhã e Castelo Branco;
    Fevereiro de 1984- assalto a uma carrinha de transporte de valores que resulta no roubo de 108.000 contos, em Lisboa;
    Abril de 1984- atentado com explosivos em Évora;
    Abril de 1984- atentado com explosivos na residência de um agricultor em S. Manços, Alentejo; os efeitos da explosão provocam a morte de uma criança de 4 meses de idade (Nuno Dionísio);
    Maio de 1984- sabotagem da Estrada Nacional nº1 através do lançamento de pregos na via;
    Maio de 1984- atentado mortal contra o administrador da empresa Gelmar, Rogério Canha e Sá, em Santo António dos Cavaleiros; a acção é justificada pela organização como uma resposta aos sucessivos despedimentos e falências registados não só na Gelmar como em outras unidades fabris onde o referido administrador havia exercido funções;
    Junho de 1984- atentado a tiro, causando ferimentos graves, contra o administrador Arnaldo Freitas de Oliveira, da empresa Manuel Pereira Roldão, em Benfica; a organização justifica a acção, que deveria resultar na morte do referido administrador, como uma punição pelas alegadas irregularidades e despedimentos verificados na referida empresa;
    Junho de 1984- operação policial ‘Orion’ destinada a desmantelar a organização e da qual resultaria a detenção de cerca de setenta pessoas a maior parte das quais militantes e dirigentes da Frente de Unidade Popular;
    Agosto de 1984- atentado frustrado com explosivos numa serração de Proença-a-Nova resultando em ferimentos graves no elemento da organização que se preparava para os colocar;
    Setembro de 1984- disparos sobre o posto da GNR de Barcelos na sequência de uma carga desta força policial sobre populares que se manifestavam contra a poluição emitida por uma fábrica de barros contígua;
    Setembro de 1984- disparos nas pernas do proprietário da empresa Cerâmica Modelar, António Liquito, em Barcelos; a organização justifica a acção como uma punição pela recusa do empresário em regularizar uma situação de emissão de resíduos que afectava a população local;
    Setembro de 1984- atentado com explosivos na residência de um agrário, no Alentejo;
    Setembro de 1984- atentados com explosivos em residências de agrários em Montemor-o-Novo;
    Setembro de 1984- atentado com explosivos na Penitenciária de Coimbra;
    Dezembro de 1984- ataque com granadas de morteiro às instalações da NATO em Oeiras;
    Março de 1985- atentado mortal sobre o empresário da Marinha Grande, Alexandre Souto, levado a cabo no recinto da Feira Internacional de Lisboa; a organização justifica a acção como uma resposta à morte de um sindicalista da Marinha Grande alegadamente morto pelo empresário na sequência de uma disputa pessoal;
    Abril de 1985- na sequência de uma operação da Polícia Judiciária perto da Maia, são detidos três operacionais da organização e um quarto (Luís Amado) é morto a tiro;
    Julho de 1985- atentado mortal sobre um dos ‘arrependidos’ da organização (José Barradas), no Monte da Caparica, Almada;
    Setembro de 1985 – fuga do Estabelecimento Prisional de Lisboa de um grupo de presos da organização;
    Fevereiro de 1986- atentado mortal sobre o Director-geral dos Serviços Prisionais, Gaspar Castelo Branco, em Lisboa; a acção é justificada pela organização como uma resposta às duras condições de detenção dos seus militantes e à alegada intransigência dos Serviços Prisionais na pessoa do seu Director-geral;
    Abril de 1986- disparos sobre a esquadra da PSP dos Olivais em retaliação pelos alegados maus tratos aí sofridos por um elemento da organização aquando da sua detenção; desta acção resulta um ferido ligeiro;
    Setembro de 1986- atentado com explosivos a um empreendimento turístico no Algarve; esta acção é reivindicada pela ORA (Organização Revolucionária Armada) um grupo formado por dissidentes das Forças Populares 25 de Abril;
    Agosto de 1987- morte do agente da Polícia Judiciária Álvaro Militão durante a detenção de elementos da organização, em Lisboa;
    Meados de 1989- detenção dos últimos militantes ainda clandestinos;
    1996 – os operacionais ainda presos beneficiaram de uma amnistia aprovada pela Assembleia da República e promulgada por Mário Soares, então Presidente da República.

    Gostar

  24. 10 Novembro, 2011 01:25

    Arlindo , a malta não precisa de crãnios. precisa , não sei como se diz numa palavra , de pessoas que saibam fazer e de alguém que dirija o que faz falta fazer. 3 /4 de território às moscas , tanta coisa para fazer , tanta mão desocupada.. a realidade já desmentiu aquilo da esquerda : os ricos são ricos porque têm acesso à educação. .toca de “educar” toda a gente. , em 5 minutos estão ricos.. mas não ficaram , ficaram desempregados e sem saber fazer nada que se precise. a verdade é que os ricos são ricos pq algures alguém na família soube fazer. pergunte à família do quasi analfabeto salvador caetano , por exemplo.

    Gostar

  25. Arlindo da Costa permalink
    10 Novembro, 2011 01:35

    Então deixem trabalhar quem quer trabalhar e que não esfolem mais os pobres trabalhadores com impostos, taxas e pagamento de mordomias aos suseranos responsáveis pelo despovoamento do país.
    Obviamente que com as medidas dos «crânios» de S.Bento não vamos a lado nenhum.

    Gostar

  26. 10 Novembro, 2011 01:47

    é isso mesmo , Arlindo. acabem com as pides da economia.

    Gostar

  27. ping pong permalink
    10 Novembro, 2011 01:48

    Carvalho once said: “We should have gathered some thousands fascists in Campo Pequeno, and eliminated them. That would end the counter-revolution”.
    Há vermes que nunca passam disso mesmo … por muitas oportunidades que lhes dêem para abandonar o estadio de larvas nocivas.

    Gostar

  28. olarila permalink
    10 Novembro, 2011 01:48

    Faltava este para se babar com o que o Otolo bolsou. Vai para dentro e fecha a porta.

    Gostar

  29. 10 Novembro, 2011 01:50

    Estamos mesmo é a precisar de um novo 25 de Novembro! E desta vez metê-los a todos nas Berlengas, que ao menos lá não chateiam ninguém a não ser as gaivotas.

    Gostar

  30. 10 Novembro, 2011 01:57

    e é engraçado , não tem graça nenhuma , ver como a pide da asfixia política foi substituida pela pide da asfixia económica e nada , nada de nada de protestos e revoluções. como se esta última pide fosse boa e a outra , que não permitia votar no alberto joão jardim e demais peças beta da caixa de pandora fosse péssima.

    Gostar

  31. 10 Novembro, 2011 02:01

    Ministério público? Constituição? Lei? Estado de direito?

    Gostar

  32. Arlindo da Costa permalink
    10 Novembro, 2011 02:26

    O M.P.devia era abrir um inquérito por que é que a Constituição da República não está a ser cumprida, nomeadamente pelo Governo e pela Assembleia.
    Se estamos em ESTADO DE SÍTIO então que se declare a LEI MARCIAL e o RECOLHER OBRIGATÒRIO.
    Assim como está não, pois os ladrões continuam a encher os bolsos enquanto o povo e os trabalhadores levam com austeridade em cima do lombo!
    FORÇAS ARMADAS na rua, e já devia ser para ontem!

    Gostar

  33. era mas foice permalink
    10 Novembro, 2011 02:58

    Então, tudo foi amnistiado ao coronello quando mandou matar gente e ia agora ser incomodado por ter mandado uns bitaites, pá? O camarada otelo, pá, é inimputável e ponto.

    Gostar

  34. 10 Novembro, 2011 03:16

    “(…) pena de prisão de 1 a 8 anos.”
    Afirmações assustadoras , estas. Ainda por cima, impune o seu autor…

    Gostar

  35. Arlindo da Costa permalink
    10 Novembro, 2011 03:53

    A crise que está a ser imposta aos pobres e aos trabalhadores vai causar 100.000 vezes mais vítimas (em suicídios, assaltos, doenças e fome) do que os alegados crimes do tenente-coronel.
    Como é que vamos julgar os carrascos e mandantes deste crime previamente anunciado?

    Gostar

  36. tina permalink
    10 Novembro, 2011 07:26

    “ver como a pide da asfixia política foi substituida pela pide da asfixia económica e nada , nada de nada de protestos e revoluções.”
    .
    a asfixia económica e a revolução tiveram lugar com Sócrates, quando ele baixou pela primeira vez os salários da função pública. Foi uma das razões que a manifestação da geração à rasca teve tanta adesão e Sócrates foi corrido.

    Gostar

  37. honni soit qui mal y pense permalink
    10 Novembro, 2011 10:15

    ó ARLINDO de Merda !!!!!!!!!!!!!!!!

    os heróis foram os que morreram em Africa

    era preferivel viver como um homem em Africa de G3 na mão , do que viver servindo neste País falido a que você e os seu camaradas maçonicos SOCIALISTAS levaram este País … completamente falidos , a esmolar ao FMI e UE … seus …

    REPITO : HERÓIS FORAM OS SOLDADOS QUE MORRERRAM EM AFRICA …QDO FOR A UM CEMITÉRIO E VEJA UMA CAMPA DE UM SOLDADO PORTUGUÊS QUE MORREU PELA PATRIA … PRESTE-LHES O RESPEITO DEVIDO …

    O OTELO , E OS VASCOS QUERIAM ERA REGALIAS MILITARES …queriam lá saber de DAR A LIBERDADE AO POVO

    aliás há um herói nisso tudo e sincero : o Salgueiro Maia

    Gostar

  38. honni soit qui mal y pense permalink
    10 Novembro, 2011 10:18

    VEJA BEM O ROSTO DOS SOLDADOS NAS FOTOGRAFIAS DAS CAMPAS … seu …

    ossos em Africa … isso é coisa que se diga seu Arlindo de MERDA

    Gostar

  39. Alves Pinto permalink
    10 Novembro, 2011 10:39

    um senhor que ainda deve ter sonhos molhados com a “ditadura do povo” e com a carnificina não é para levar a sério. os militares não fazem milagres e, mesmo que tomassem o poder, não resolviam o nosso problema que é falta de dinheiro, ponto. Este Governo não está mais do que a orientar o país para uma situação em que se consuma tanto como se produz (e isso não basta, já que temos uma dívida colossal para pagar). Os militares não precisam de assaltar o poder – a revolução de regime (económico) que se impõe já está em curso.

    Gostar

  40. afédoshomens permalink
    10 Novembro, 2011 10:41

    então o Othelo era homem para mandar matar? é um soldado corajoso,ele próprio executaria!
    o sonho do perfilamento dos pides no campo pequeno ainda pode ser concretizado nos dias de hoje,sim! bem abençoado Othelo!

    Gostar

  41. Pi-Erre permalink
    10 Novembro, 2011 11:03

    É pá, metam mas é o gajo, pá, no Campo Pequeno, pá!…
    Vassourada no gajo, pá!… Já!…

    Gostar

  42. joao manuel permalink
    10 Novembro, 2011 11:22

    disparate por disparate aqui vai o meu : e que tal aproveitar o frenesim em que estão os militares e enviá-los, mais os 230 generais e os dois submarinos para reconquistar Angola ? afinal Angola foi nossa durante 500 anos e as matérias primas do seu sub-solo davam cá um jeito ao orçamento…..para Angola e em força, companheiro Otelo e Vasco Lourenço à frente…..

    Gostar

  43. joao manuel permalink
    10 Novembro, 2011 11:24

    o Arlindo está aqui, está a suicidar-se….não tomes os comprimidos, não……

    Gostar

  44. joao manuel permalink
    10 Novembro, 2011 11:31

    “A crise que está a ser imposta aos pobres e aos trabalhadores…suicidios, violencia blá, blá.. “….diz o Arlindo. Ó meu palhaço mas os da tua laia algum dia passaram pela tragédia que tiveram de passar quase 700 mil portugueses que regressaram de africa em 75, e que perderam os seus bens ( casa, carro, emprego, etc ) ? e tiveram que começar tudo de novo, procurar emprego, procurar casa, reconstruir uma vida a partir do zero ? isto sim, foi uma tragédia mas os portugueses tiveram alma e coração e foram à luta. Sem ressabiamentos e sem revoltas, a maioria refez as suas vidas e venceu. Isto é coragem e heroismo. Agora os Arlindos, os Otelos e outros merdas que andam com a revolução na boa a toda a hora, não passam de excrementos falantes que desonram este País.

    Gostar

  45. Nuno Castelo-Branco permalink
    10 Novembro, 2011 11:41

    Este país tem cá um azar com os Costas… pá! O Arlindo já devia ter percebido que se as Forças Armadas saírem um dia para a rua, não será para instalar um Ceausescu ou um outro “camarada” do estilo. Ficar-se-ão quanto muito, por uma espécie de “pinóchê”, bem à portuguesa.

    Gostar

  46. certo permalink
    10 Novembro, 2011 12:35

    Falamos do Otelo, ó JMF?, mas ali não há nenhum incitamento à revolta pública, que, saudavelmente, se veja, se todo o linguajar não passa de um referir de hipóteses teoricamente tidas verdadeiras.
    Ou por só de se nomear alguma coisa ela existe, como por magia?, como deus fez na criação, quando a seu nome cada ser, animal, planta ou homem, como já antes a terra, o mar e o ar, disseram presente ao senhor que os nomeava ?
    E até era bom que ao Otelo assistisse uma tal capacidade, que, certo, alguma vez haveria de usá-la para o bem de todos, para a liquidação da nossa dívida, de incremento da produção nacional, da criação de empregos, remodelação da nossa justiça e seus magistrados, como da sanidade da classe política em que como por milagre nos merecia a confiança e, enfim, para a ajuda aos pobrezinhos, que no meio disto é que sofrem .

    Gostar

  47. certo permalink
    10 Novembro, 2011 12:44

    “Como é que vamos julgar os carrascos e mandantes deste crime previamente anunciado?” Arlindo Costa
    Ó Arlindo, está vista, não se julgam, não se pode, porque os gajos estabeleceram que, legalmente, são inimputáveis, se não falam e ninguém pode julgá-los, ainda que por jatância se gabem de comer quantos meninos lhes apetecer à ceia.

    Ou tu que pensas, não é como o Otelo, que, se diz uma balela inofensiva, livremente, lá tem à perna o jmf para o meter numa cela .

    Gostar

  48. 10 Novembro, 2011 13:02

    Bem pode esperar sentado.
    Mais rápido vou eu comer uma sopinha quente ao chilindró, por não conseguir pagar as contas…
    R.

    Gostar

  49. 10 Novembro, 2011 13:05

    João Manuel: «afinal Angola foi nossa durante 500 anos»
    Com o devido respeito… o cavalheiro é idiota? Ou fugiu da sede do PS?
    R.

    Gostar

  50. Mimoso permalink
    10 Novembro, 2011 13:07

    Muito gostam dos trabalhadores.

    Gostar

  51. 10 Novembro, 2011 13:07

    Mas afinal os limites foram ultrapassados, ou não?

    Gostar

  52. pedro permalink
    10 Novembro, 2011 13:10

    Sr JMF: A coisa é mais de incerteza que de risco . Se houvessem Forças Armadas e líderes com capacidade para interromper a democracia e higienizarem esta espelunca as declarações do sr Otelo podiam até, ter fundamento. Mas , a par de não haver forças armadas ,também não há poder judicial. E como chegámos aqui? Pela combinação de duas correntes brilhantes: uma, a dos vigaristas que capturaram o aparelho de estado para
    poderem enxer os bolsos (dispenso dizer os nomes , pela imprensa diária podem conhencer-se) e outra que fudamentada pelos princípios marxistas minou os chamados aparelhos ideológicos do estado ,também para o capturarem. Assim sendo, para sair daqui não vai ser fácil.

    Gostar

  53. Francisco Colaço permalink
    10 Novembro, 2011 13:21

    Carlos,
    .
    «A verdadeira questão coloca-se ao contrário: quais os limites para ser aceitável um golpe de estado?»
    .
    Quando o Carlos tiver medo de fazer essa pergunta sem malhar com os ossos na cadeia e ser torturado extra-judicialmente, terá então talvez passado os ditos limites.

    Gostar

  54. Francisco Colaço permalink
    10 Novembro, 2011 13:23

    Arlindo da Costa,
    .
    A maioria das taxas, coimas, e demais cangas e baraços sobre os pescoço dos trabalhadores estava em uso ou foi inventada pelo seu querido Engenheiro Filosófico.

    Gostar

  55. 10 Novembro, 2011 13:27

    Piscoiso:
    «Mas afinal os limites foram ultrapassados, ou não?»
    Por lei foram ultrapassados.
    Mas se um retardado de um skin ou de um partido de “extrema-direita” disser publicamente que Portugal é dos brancos ou que os homossexuais são… homossexuais… aí sim, há algazarra no burgo.

    E por falar em limites… este fim-de-semana o cavalheiro piscoiso vai estar na herdade?
    Atentamente,
    R.

    Gostar

  56. Francisco Colaço permalink
    10 Novembro, 2011 13:27

    Piscoiso,
    .
    «Mas afinal os limites foram ultrapassados, ou não?»
    .
    Mais uma vez, o facto de o caríssimo fazer essa pergunta sem que ninguém lhe bata à porta mostra que não, não o foram. Ademais, o Piscoiso pode sempre daqui a uns anos mandar a corja que tanto vilipendia para o desemprego. Basta uma esferográfica.
    .
    Terá no entanto presente que, por falta de melhor na cena portuguesa, e infelizmente apenas por isso, eu irei usar a minha esferográfica para manter os que nos governam, salvo se 1) aparecer alguém melhor e mais credível ou 2) eu morrer ou desistir do país entretanto.

    Gostar

  57. Francisco Colaço permalink
    10 Novembro, 2011 13:30

    PT,
    .
    Se pusesse todos as vermilhóides (insulto claramente intencional) nas Berlengas, dê-se de antemão a independência a esses territórios, pois a dívida do dito arquipélago daqui a alguns anos seria de sobremaneira maior do que a da Madeira.

    Gostar

  58. 10 Novembro, 2011 13:49

    Caramba, para onde esta gente em delírio me projecta.
    Vejam lá que tenho uma herdade e uma esferográfica,
    despeço e vilipendio corjas…
    Seus provocadores de meia tigela.

    Gostar

  59. Francisco Colaço permalink
    10 Novembro, 2011 14:10

    Piscoiso,
    .
    O Piscoiso não vota?

    Gostar

  60. afédoshomens permalink
    10 Novembro, 2011 14:34

    Othelo só poderia ser um homem de cor por ter ficado verde de cíumes do general que mandou matar,achava Kierkegaard…
    acho que só um homem de côr-in casu o monhê jmf, para ficar de indignação azul…

    Gostar

  61. Carlos II permalink
    10 Novembro, 2011 15:09

    Eu acho que nós devemos esquecer o que este senhor anda a dizer, por respeito para com nós próprios. E que os meios de comunicação social o deviam ignorar, a bem sa saúde pública.
    De facto, como foi o caso, quem colaborou com a Legião Portuguesa, organização de má memória, criada apenas para servir o regime de Salazar; quem se meteu numa revolução (25 de Abril) apenas por interesses corporativos (dele e dos outros oficiais subalternos do quadro); quem foi dormir num momento em que o País estava à beira de uma guerra civil (25 de Novembro) e tinha na mão forma de a evitar; quem colaborou com terroristas, e ajudou a sacrificar vítimas inocentes; quem não tem tento na língua, nem vergonha na cara, deve ser esquecido, tal como devem ser esquecidos outros seus camaradas, tipo “Vasco Lourenço”.

    Quem deve ser chateado. isso sim, são os militares “sindicalistas” que aparecem, frequentemente, em público, a ameaçar, embora veladamente, com a força das armas que possuem e das que, criminosamente, alguns “Olelos” distribuíram pelo “seu” povo.

    Gostar

  62. jose hermano saraiva permalink
    10 Novembro, 2011 15:13

    Angola fazia parte do Reino do Congo quando os primeiros portugueses chegaram em 1480. O rei do Congo converteu-se ao critianismo junto com a população bankongonesa. Rumores sobre grandes minas de prata e o crescimento do comércio escravo contribuiram para a expansão do domínio português para o interior do país. Em 1575, Paulo Dias de Novais fundou a cidade de Luanda (capital atual). As conquistas portuguesas duram até 1680. As minas de prata não foram encontradas. Durante o século XVII franceses, ingleses e holandeses interviam diretamente no comércio da região desrespeitando o monopólio comercial português.

    Gostar

  63. Zebedeu Flautista permalink
    10 Novembro, 2011 15:46

    João Manuel:” …..para Angola e em força, companheiro Otelo e Vasco Lourenço à frente…..”
    .
    Dizem as mas línguas que já lá estão há muito tempo a mamar à conta do capitalismo clientelar.
    .
    Em Angola 85% da população vive em bairros de lata. Afinal não são só os padres e os fascistas que são hipócritas.

    Gostar

  64. Arlindo da Costa permalink
    10 Novembro, 2011 16:45

    Oxalá que as Forças Armadas saiam à rua e que o seu chefe traga óculos escuros!
    Esta bimbalhada que vegeta aqui, necessita de ordem unida e rancho frugal!

    Gostar

  65. Antonio Maria permalink
    10 Novembro, 2011 17:22

    Otelo só confirmou o que muita gente sabia e que tinha medo de dizer em voz alta.
    O 25 de Abril foi uma “revolução” motivada por dinheiro e mais nada. O MFA dos senhores capitães, do Q.P. começaram aos coices quando lhe tiraram regalias nomeadamente nas promoções.
    Defesa da liberdade, uma ova.

    Gostar

  66. Jose permalink
    10 Novembro, 2011 17:26

    Com algum conhecimento de causa, as declarações de Otelo não passam de patacoadas.

    Em 1º lugar, não bastam, como ele afirma, 800 militares.
    Em termos puramente técnicos, um golpe militar só seria eficaz se contasse com a colaboração activa ( ou, pelo menos, a abstenção de 1/3 ) das unidades operacionais dos 3 ramos das Forças Armadas e das unidades operacionais da PSP e da GNR.
    Isto porque os objectivos a garantir são muitos mais do que aqueles que eram em 1975, numa sociedade onde não é já possível controlar toda a informação através do domínio de uma estação televisiva ou de uma ou duas rádios. E cuja população está muito mais desperta e informada.

    Em 2º lugar, os oficiais das forças armadas e de segurança não são os mesmos de há 37 anos. Há um muito maior respeito pela disciplina e os princípios básicos da democracia não são postos em causa pela esmagadora maioria deles.
    Com conhecimento de causa, repito, uma golpada de um determinado grupo de militares levaria, quase instantaneamente, à oposição activa e armada da maioria.

    Estas ideias do Otelo são alucinações de um velho tonto que nunca deixou de o ser e que não se conforma com a derrota daquilo em que acreditou. Basta ir a uma qualquer messe de oficiais para perceber que Otelo é genericamente encarado como uma anedota, um dinossauro que apenas suscita mofa.

    Gostar

  67. Tiradentes permalink
    10 Novembro, 2011 17:26

    O déspota dos arlindos se revelam. Para eles tanto faz, até pode vir um direitista ditador que ele logo o abraça.
    Quanto mais déspota mais querido será. Cobardes precisam que otelos e afins venham para a rua para lhes seguirem os passos escondidos nas costas dos facínoras.
    Arlindos para a rua já!!!!!
    Por outro lado quando fala na tragédia anunciada que vai fazer muitos mortos lembro-me sempre do principal responsável da mesma, aquele que anunciava que estavamos muito bem, que injectar dinheiro do estado é que era bom,o que duplicou a dívida, o mentiroso da cova da beira da tvi, do freeport, licenciado ao domingo que tem ap na castilho avaliado em 2.5 milhoes e foi estudar filosofia. Pode começar por ele.

    Gostar

  68. Tiradentes permalink
    10 Novembro, 2011 17:27

    se revela***

    Gostar

  69. honni soit qui mal y pense permalink
    10 Novembro, 2011 17:39

    ó Arlindo !!!!

    Arlindo da Costa
    Posted 9 Novembro, 2011 at 23:00 | Permalink
    E pensar que o major Otelo pôs em risco a sua pele para que o ilustre Dr.JMF não fosse malhar com os ossos em África!
    Óh Otelo, se não tivesses sido tão brando, este país não tinha transformado na espelunca que hoje é!

    ISTO É COISA QUE SE DIGA ?
    O que diria aos familiares que tiveram filhos , tios, sobrinhos , que morreram em Africa a combater pela Pátria …

    Gostar

  70. tina permalink
    10 Novembro, 2011 18:53

    é como se diz, ir directo ao ponto, ou em inglês, don´t beat around the bush, ou em espanhol, nor irse por las ramas…

    Gostar

  71. A. R permalink
    10 Novembro, 2011 22:05

    É lendária a coragem destes capitães de Abril: o restolhar de uma galinha do mato e eles atiravam-se para o capim de onde só saiam para recolher o salário. Não fossem os oficiais milicianos e eles tinham sido massacrados à catanada. Foi por inveja da coragem destes oficiais que acabaram com uma ditadura e começaram outra ainda pior.

    Gostar

  72. tina permalink
    10 Novembro, 2011 22:19

    “É lendária a coragem destes capitães de Abril: ”
    .
    eu também sempre me perguntei porque não foram eles próprios a fazerem a revolução e mandaram outros em vez deles.

    Gostar

  73. tina permalink
    10 Novembro, 2011 22:33

    Honni, os blasfemos apagaram comentários e por isso o meu parece inapropriado em relação ao seu.

    Gostar

  74. dragao azul permalink
    10 Novembro, 2011 23:49

    E para as famílias dos inocentes mortos pelas FP, com o beneplácito do Sr. Otelo. Será que para esses não foram também ultrapassados os limites?

    Gostar

  75. olarila permalink
    11 Novembro, 2011 05:28

    bem, hoje vou até mafamude. espero ás 13,50 estar em valadares e depois seguir para lavadores. se tudo correr bem lá pelas 18,50 devo chegar a s. bento para levantar a senha e ir para pedrouços. esta vida é uma canseira.

    Gostar

  76. afédoshomens permalink
    11 Novembro, 2011 09:48

    portugalterá no próximo ano uma das 3 piores recessões DO MUNDO!
    obrigado sr. dos passos perdidos.
    (mais os seus virtuosos e voluntaristas e sequiososn seguidores/aduladores aqui pululantes)

    Gostar

  77. afédoshomens permalink
    11 Novembro, 2011 10:38

    o krugman articula muito bem alguns mitos sobre o estado social, segundo o qual este é o problema e dá 2 exemplos:
    a suécia que tem um estado social quase perfeito-está agora melhor que antes da crise;
    e o canadá com algo de estado social por comparação aos eua e que está agora melhor que antes da crise(por comparação relativa com os eua)

    Gostar

  78. honni soit qui mal y pense permalink
    11 Novembro, 2011 10:38

    ó afédossocialistas ?

    tem vergonha pá !!! os teus capos levaram isto á falência
    devia ter era vergonha na cara essa tua malta … embusteiros das folgas e almofadas

    nem um quiosque a TRALHA SOCIALISTA deste País era capaz de governar , sem levar a coisa á falência ?

    Gostar

  79. honni soit qui mal y pense permalink
    11 Novembro, 2011 10:41

    a Suécia não é o estado social que pensas… já fez a sua reforma atempada com os conservadores no poder e agora não há gente á mama … como aqui vocês sustentam para ir votar PS nas eleições

    o canada é tudo menos socialista pá , estado social no canada é anatema … e governado por conservadores

    o Krugman tá como o Rubin … um bocado desbocado

    Gostar

  80. Tiradentes permalink
    12 Novembro, 2011 13:48

    É preciso ter muita má fé nos homens para depois de ter entregue o país aos especuladores pois as de bem já não emprestavam mais, tendo despejado 80 mil milhões em cima de alcatrões ventoinhas, estádios nos supostos direitos civilizacionais (vulgo conquistas de abril com o trabalho e dinheiro dos outros, é preciso dizia eu, ter muita má-fé para não dar o nobel da recessão ao engenheiro de domingo.

    Gostar

  81. esmeralda permalink
    13 Novembro, 2011 15:38

    ARLINDO COSTA… só há um?!!!!! Ah! Fico mais descansada!

    Gostar

Trackbacks

  1. Otelo, Ex Revolucionáro, Ex FP 25 de Abril, Ex Condenado e Presidiário….. | Os Cafeínicos
  2. A direita a galope no golpe de estado de Otelo | Aventar
  3. A direita a galope no golpe de estado de Otelo | Aventar
  4. A direita a galope no golpe de estado de Otelo | Aventar
  5. BOA | Total Blog

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: