Saltar para o conteúdo

As 15 promessas de Seguro em Português

18 Maio, 2014

Estão aqui, as 15 promessas. Vamos traduzir.

1. Acabar com a TSU dos pensionistas
A Taxa Social Única mudará de nome e chamar-se-á algo como PSU, Provimento Social Unificado.

2. Revogar cortes no complemento solidário para idosos
Passa a existir a CSPPIPPJ – Contribuição Social de Provimento Para Idosos Pago Por Jovens.

3. Não despedir funcionários públicos e aumentar o salário mínimo
Excedentários passam a professores da nova disciplina Educação Social e de Estado, a leccionar a partir do 1º ciclo. Salário será aquele que permita viver em dignidade, como aferido pelo dignómetro digital, a produzir na renovada indústria portuguesa.

4. Acabar com a sobretaxa de IRS graças ao combate à fraude e evasão fiscal
Seguro vai dar com a língua nos dentes.

5. Promover novos acordos de contratação colectiva
Boys passam a ter contrato unificado.

6. Avançar com o plano de reindustrialização 4.0
Dignómetros digitais de nova geração. Três eixos de desenvolvimento: tradição (Mota-Engil), recursos endógenos (Casa Pia) e indústrias de raiz (Aloe Vera e Vidas Passadas).

7. Estação Oceânica Internacional dos Açores
Com ligação à Gare do Oriente, articulando o hub ferroviário com hovercrafts de grande velocidade. Portugal não pode ficar fora da rede intercontinental de hovercrafts.

8. Pacto para o emprego
“Vamos criar empregos? Está bem”. Finalmente, um governo que cria emprego, cria recursos e desafia Lavoisier.

9. Não aumentar a carga fiscal na próxima legislatura
Não é preciso mais impostos. Não só a Europa recebe dívida em Eurobonds como dívida é só o que for superior a 60% do PAB, o Produto Administrativo Bruto. Poderá parecer que há um aumento de impostos mas é porque antes media-se em PIB e agora medir-se-á em PAB, um indicador muito mais eficaz para o cálculo de tretas.

10. Exclusividade na saúde, separação total entre público e privado
Encerramento de vários hospitais, quando os profissionais forem obrigados a optar.

11. Reduzir a taxa de abandono escolar dos actuais 20% para 10%
Passagem administrativa de metade dos que abandonam o sistema de ensino através de um sistema de sorteio.

12. Não plafonamento das contribuições para a Segurança Social
Redução do valor obtido pelo cálculo de pensão para o escalão etário 50–65. Reformados existentes mantêm pensão, novos pensionistas passarão a receber 1/3.

13. Cumprir o Tratado Orçamental
Ignorar os números 1 a 12.

14. Promover a reforma do Estado
Não fazer cortes. Reforma significa colocar as pessoas certas no sítio certo.

15. Defender uma nova agenda europeia
A Minha Agenda, O Meu Primeiro Calendário ou Almanaque Republicano para Petizes.

37 comentários leave one →
  1. Bento 2014 permalink
    18 Maio, 2014 09:46

    O rapaz anda cheio de TSU, mas com tanto tempo em pé se chegar a hora da verdade já murchou.

    Gostar

  2. 18 Maio, 2014 09:46

    VC: você é bruxo?

    Gostar

  3. João permalink
    18 Maio, 2014 09:55

    No hub ferroviário estará incluido um TGV submarino ate aos Açores. Assim se resolve vários problemas, desemprego, desenvolvimento tecnológico, o fim da insularidade dos socialistas Açoreanos e acima tudo Portugal vira-se para o mar como quer o Presidente.

    Gostar

  4. Jungle Jim permalink
    18 Maio, 2014 10:19

    Compreende-se a ansiedade pró-irónica do Vitor e quejandos.

    É que Seguro não consegue igualar o populismo descarado e mentiroso de Passos & Portas observado (e registado para memória futura) na campanha eleitoral de 2011.

    Gostar

    • vitorcunha permalink*
      18 Maio, 2014 10:47

      Não me recordo de ter feito campanha por Passos ou por Portas. Como tal, nem percebo a comparação, doutor.

      Gostar

      • Jungle Jim permalink
        18 Maio, 2014 13:44

        Em 2011 devia estar no Tibete, em alguma sessão new age para não seguir a campanha eleitoral.

        Fez bem, foi mais higiénico.

        Gostar

  5. anónimo permalink
    18 Maio, 2014 10:41

    “Portugal não pode ficar fora da rede intercontinental de hovercrafts”

    Gostar

  6. 18 Maio, 2014 10:45

    Não diga isso, JJ.
    Não apenas já consegue, como o há-de ultrapassar.

    É sempre possível descer até às funduras das marianas.

    Nisso, seguro e passos – batem-se aos pontos.

    Em política, quando não há dinheiro – a verdade é um luxo que, também, não convem ter…

    Gostar

  7. Almeida permalink
    18 Maio, 2014 11:10

    As propostas do Seguro não são para levar a sério. Mas a exclusividade na Saúde é muito mais do que uma promessa eleitoral. É uma inevitabilidade para melhorar o serviço público de saúde (há muito defendida pelos profissionais do sector de vários quadrantes políticos como única forma de acabar com vigarices que todos conhecem e despesismo para o serviço público) e nenhum dado aponta para que provoque o desastre previsto pelo autor do post. Pelo contrário.

    Gostar

    • vitorcunha permalink*
      18 Maio, 2014 11:16

      Estou a borrifar-me para “o serviço público de saúde”. Interessa-me muito mais o acesso a serviços de saúde.

      Gostar

      • Almeida permalink
        18 Maio, 2014 12:04

        É disso que se trata.

        Gostar

      • vitorcunha permalink*
        18 Maio, 2014 12:09

        Não é, não. A não ser que veja como escola pública o lindo edifício. O proprietário dos edifícios não me diz respeito desde que não seja eu.

        Gostar

      • Almeida permalink
        18 Maio, 2014 15:47

        No serviço público de saúde pouco me importam os tijolos. Interessa-me a qualidade que em poucos anos atingiu níveis reconhecidos pela OMS, com índices de mortalidade infantil dos mais baixos do mundo. O salto qualitativo que falta dar, nomeadamente na redução do despesismo, obriga à separação entre público e privado, até porque este não está interessado na maior parte das respostas garantidas por aquele.

        Gostar

      • lucklucky permalink
        18 Maio, 2014 16:12

        “Interessa-me a qualidade que em poucos anos atingiu níveis reconhecidos pela OMS, com índices de mortalidade infantil dos mais baixos do mundo.”

        Não tem nada que ver com o SNS. 3/4 da redução da mortalidade infantil foi feita sem SNS. Em 1979 o SNS foi estabelecido e já se tinha reduzido a mortalidade de 80 em 1960 para os 21 ou 22 em 1979 em meros 20 anos.

        A grande descida da Mortalidade infantil foi a partir de 1970- e talvez devido ao 25 de Abril e o desastre económico que criou a curva de descida já não foi tão acentuada a partir de 1975.

        O perído onde a mortalidade infantil mais desceu em Portugal foi entre 1970 e 1974.

        Gostar

      • JDGF permalink
        18 Maio, 2014 18:28

        VC:
        Será que podemos encontrar na frase sobre “serviços públicos de saúde” resquícios maoístas ou, melhor. ‘xiaopinguistas’.
        Cheira a : “Não importa se o gato é preto ou branco, desde que ele cace os ratos”…

        Gostar

      • vitorcunha permalink*
        18 Maio, 2014 18:29

        Pode encontrar o que quer que procure em qualquer lugar.

        Gostar

      • Almeida permalink
        19 Maio, 2014 14:48

        LL:
        3/1000, actualmente. Brincamos?

        Gostar

      • lucklucky permalink
        19 Maio, 2014 19:44

        Não sabe fazer contas Almeida?

        De 80 para 20 são 60 em 20 anos

        De 20 para 3 são 17 em 30 anos.

        Gostar

      • Almeida permalink
        19 Maio, 2014 20:02

        LL:
        Em 79, já as bases do alargamento do apoio médico às populações estava lançado e esse foi o grande pilar do SMS (recordo-lhe, por exemplo, o serviço médico à periferia). Nesse ano, o SMS foi criado no papel, só isso.

        Gostar

  8. 18 Maio, 2014 11:29

    Crescimento da Economia, descida do desemprego/criação de emprego, redução de impostos e aumento da despesa. Só o PS os defende, só o PS é amigo. Esta fórmula lembra-me os propósitos governativos de Pinto de Sousa.
    Vivam Seguro e o PS, que se lixe a realidade!

    Gostar

  9. Juromenha permalink
    18 Maio, 2014 12:51

    “Da Aldrabice como uma das Belas Artes”.
    E há sempre quem compre…

    Gostar

  10. neotonton permalink
    18 Maio, 2014 13:09

    Hoje sabemos que estamos a ficar mais pobres e não sabemos quando isso vai acabar, se é que vai acabar. Hoje alguns acham que essa pobreza deriva das intenções malévolas de políticos desapiedados, mas enganam-se: o mal já cá estava quando ninguém sequer ouvira falar de alguns desses políticos. Esse texto baseava-se num livro de Vítor Bento – Perceber a Crise para Encontrar o Caminho – onde se previa o que nos tem vindo a acontecer, do crescimento da dívida externa ao estrangulamento do crédito ou à assumida degradação de muitas prestações sociais, em especial das pensões de reforma. Hoje estou ainda mais pessimista. Começo a duvidar que existam condições para Portugal superar as principais debilidades e até que a Europa nos possa salvar de nós mesmos. Ainda esta quarta-feira, ao escutar um programa da SIC Notícias, dei com essa figura sensata e ponderada que é Silva Lopes a recordar, com tristeza e desalento, que desde a revolução liberal, há quase dois séculos, nunca Portugal conseguiu equilibrar as suas contas em democracia – só o fez em ditadura

    Gostar

    • Alexandre Carvalho da Silveira permalink
      18 Maio, 2014 13:44

      O sr Silva Lopes perdeu uma excelente oportunidade de equilibrar as contas publicas quando foi ministro das finanças em quatro governos que torraram completamente a “pesada herança” em divisas e ouro que o fassismo cá deixou, e era ministro das finanças do governo que em Março de 1975 nacionalizou revolucionariamente a economia portuguesa. Devemos muito à acção dessa “figura sensata e ponderada” que é Silva Lopes, a 1ª visita do FMI a Portugal.

      Gostar

  11. Alexandre Carvalho da Silveira permalink
    18 Maio, 2014 13:48

    As promessas do Tozé, provam a indigência que tomou conta da liderança do PS. Mas a alternativa que eles lá têm, o Costa, não é melhor, basta ouvir com a atenção possivel, porque não é fácil ouvir tanta baboseira, o discurso que ele fez ontem numa iniciativa eleitoral do PS: total pobreza de espírito transmitida através de uma voz grossa, que até faz parecer aos mais distraidos que aquilo faz sentido.

    Gostar

    • Churchill permalink
      18 Maio, 2014 15:54

      Alexandre
      A miséria é de facto grande, mas antes o Tózero que o Costa.

      Gostar

      • Euro2cent permalink
        18 Maio, 2014 19:35

        > antes o Tózero que o Costa.

        Receio que não tenhamos crédito que chegue no Céu para essa prece.

        Quando chegar ao fim do turno, o Bosta enfia a naifa entre a terceira e a quarta costelas do Zero, e atira o corpo em andamento de um viaduto.

        Os capangas aplaudem em delírio.

        Gostar

  12. JCA permalink
    18 Maio, 2014 14:57

    Cunha (não confundir com ‘cunha’ o utero dos boys tal qual ‘a fama já vem de longe, tal qual o salazarismo) sugere invocar as duas faces da mesma moeda. No epicentro da coisa ainda não vi nem politologos, nem ‘submarinos’, nem ‘bpns’, nem uns quantos mais do dito ‘arco da governança’ que inclui os partidos na ‘berra’ do PC ao CDS passando pelo PS, PSD e BE discutirem o objeto das atuais aleições ‘EUROPA’ tão simplesmente como escrevinhado aqui num jornalinho lá dos ‘cus do mundo’
    .
    Opinião – A UE e a promessa de democracia!
    http://www.asbeiras.pt/2014/04/a-ue-e-a-promessa-de-democracia/
    .
    Naturalmente que aqueles senhores ‘os eleitos’ para o Parlamento Europeu ao fazerem da Europa e do Eiuro um ‘segredo dos deuses’ super secreto para os gentios, para quem aguenta esta merda toda, apenas querem acabar em ‘Democracia’ com a Europa e o Euro. Convenhamos são burros até dizer chega. De candidatos a …. nem me pronuncio. É degradante, elites da fossa. Qual é a duvida sobre a bronca que estas eleições europeias vão ser ????
    .
    Apenas.
    .

    .

    Gostar

  13. 18 Maio, 2014 16:01

    Tal como TOzéro,
    Nada me assusta.
    O susto é que não pingue (também para mim – como para eles).

    Pode ser menos, mas se não pingar para mim, de certeza que não pnga para mais ninguém

    E tenho ligações ao público e privado, pessoal e familiarmente
    Por conta de outra e propria. Mas todas modestas.
    Não vamos ao estrangeiro, nem a 4 estrelas, nem temos mercedes, bmw, audis ou o que seja (mas gostávamos de ter e respeitamos quem tem…) – nem dívidas, hipotecas…

    Os que conhecemos, mais prósperos, mereceram-no (não nos damos precisamos comer à mesa de “industiosos”…)

    Não temos as “pulseiras electrónicas” de que o o jovial jerónimo de sousa fala…

    Pagamos o que tinhamos de pagar, a quem quer que seja – e nunca ninguém pediu o que não deviamos, inclusive ao Estado.

    Não é um milagre. é uma constatação.
    Na ninha família nuclear só o meu pai trabalhava, para o Estado, modestamente, sem heranças, doações ou corrupções.

    Modestamente , sigo tais trilhos.
    Mais velhote, não julgo mudar, ainda que doente.
    Muulher e descendência única, vai pelo mesmo.

    É a vida – como dizia o bom (ainda que equivocado, então…) guterres.

    Talvez, tamvém, a genetica – mas nisso creio mais em termos de doenças, credo, cruzes, canhoto!!!…. 🙂

    Gostar

    • 18 Maio, 2014 16:12

      Tal como TOzéro: nada me assusta.
      O susto é que não pingue (também para mim – como para oso outros).

      Pode ser menos, mas se não pingar para mim, de certeza que não pnga para mais ninguém

      E tenho ligações ao público e privado, pessoal e familiarmente
      Por conta de outra e propria. Mas todas modestas.
      Não vamos ao estrangeiro, nem a 4 estrelas, nem temos mercedes, bmw, audis ou o que seja (mas gostávamos de ter e respeitamos quem tem…) – nem dívidas, hipotecas…

      Mas gostamos de mercedes. E dos clássicos também.
      Porque são bons, bonitos e duráveis – e em alternativa caimos nos japoneses, de melhor gama.

      Os que conhecemos, mais prósperos, mereceram-no (nunca precisamos comer à mesa dos “industiosos”…)

      Não temos as “pulseiras electrónicas” de que o o jovial jerónimo de sousa fala…

      Pagamos o que tinhamos de pagar, a quem quer que seja – e nunca ninguém pediu o que não deviamos, inclusive ao Estado.

      Fomos aldrabados, fomos.
      Ganhamos, não. Perdemos.
      Resignámo-nos – e aprendemos.

      Não é um milagre. é uma constatação.
      Na ninha família nuclear só o meu pai trabalhava, para o Estado com razoável salário,, sem heranças, doações ou corrupções.
      Quando herdou, foui património, com errático e baixo rendimento.

      Modestamente , sigo tais trilhos.
      Mais velhote, não julgo mudar, ainda que doente.
      Bastrnte doente.
      Mulher e descendência única, vão pelo mesmo.

      É a vida – como dizia o bom (ainda que equivocado, então…) guterres.

      Talvez, também, a genetica – mas nisso creio mais em termos de doenças, credo, cruzes, canhoto!!!…. 🙂

      Gostar

  14. JDGF permalink
    18 Maio, 2014 18:54

    A lista das 15 promessas de AJ Seguro e os comentários subjacentes corre o risco de embotar a capacidade imaginativa do postador.
    Daqui a algum tempo poderá sobrar muito pouco engenho para glosar as 20, 30 ou 50 promessas que Passos Coelho não hesitará em apresentar. Bem, a julgar pelas 120 anunciadas pelo seu vice para a reforma do Estado (Conselho de Ministros ‘alargado’ de 8.Maio), estamos perante uma ‘espiral de produtividade promissória’…

    Gostar

  15. Alexandre Carvalho da Silveira permalink
    18 Maio, 2014 19:16

    Antes de fazerem promessas, ou propostas, ou que lhe queiram chamar, os politicos que querem chegar ao governo, deviam ler este texto com muita atenção. E os que acreditam que existem árvores das patácas, também.

    http://impertinencias.blogspot.pt/2014/05/tirou-me-as-palavras-da-boca-troika-um.html

    Gostar

  16. JCA permalink
    18 Maio, 2014 21:59

    Equacionem doutra maneira, dentro de aproximadamente 1 ou 2 anos, a troika com este nome ou outro qualquer regressará se alguma vez se foi embora.
    Porquê ? Houve inteligencia a domesticar o touro durante os ultimos anos. Inegavel e inenarravel. Aguentaram estes ultimos anos à tona de agua, Pior ou melhor lá aguentaram o barco mais trancada dacolá o barquito parece que não afunda …
    .
    Não sei porquê a Banca Estrangeira está a dar o salto. Os ‘salvadores’ de moedas já avisam o mesmo à surrelfia que a coisa não tem pernas para andar. Só não vê quem nao quere ou por ora nao lhe interessa por …. coisa e tal e tal e coisa
    ,
    Tudo sugere que por ora ninguem deixou de ser proibido a surgir. É proibido salvo se o ovo da cobra seja incubar um assumido Totalitarismo que substitua o atual envergonhado para assehurar o mais do mesmo. E qual é ? Entao nao sabem tão bem.
    .
    Nao falem dos filhos e dos netos quando nem os outros sabem tao adicts a ninharias de dia a dia a que chamam alto nivel.
    .
    O País está desencaixilado há varios anos a cabeça não pernas para andar nem as pernas querem andar com a cabela qie têm. Se quiserem em ves de País pode-se udar os Portugueses que na novilingua da treta é dita como populismo.
    .
    Isto não é novo. Tem varios anos. Mas os defensores da coisa s´o vao preceber quando a dama de empranharam der à luz o Totalitarismo do sec XXI. a nova ditadura com amplo apoio popular. É aquela coisa temporal dos ‘nove meses’ o tempo de paror. Estes gajos nem o aborto da coisa que bem legalizaram são capazes de aplicar a esta gravidez. É obra.
    .

    Gostar

  17. JCA permalink
    18 Maio, 2014 22:09

    .
    Mais ironia, emtre as pranhas (linguagem low cost em executiva é diferente estão prenhes :nunca estiveram pranhas mas se quiserem mais politicorreto gravidas ou engravidadas),
    .
    a discussão é aquela gaja tem a barriga maior que a minha, vai ser menina ou menino quiçá até hermafrodita ou virado ao contrario etc
    .
    é a dialetica rasca da Politica empranhada, prenhe ou engravidada quando o puto que vão parir é igual ao das outras empranhadas. E o puto vai ser ??? O totlitarismo na Europa porque nap abortaram as parideiras a tempo. Nao souberam.

    Pois é.
    .

    Gostar

  18. Castrol permalink
    19 Maio, 2014 10:39

    Parabéns Vitor!

    Uma das melhores criticas politicas que já vi até hoje!

    Então a número 4 é simplesmente deliciosa…

    Gostar

Trackbacks

  1. Seguro TV Shop | O Insurgente
  2. Os 80 Compromissos Do Tó Zé | O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: