Skip to content

Os subsídios e a qualidade dos deputados: uma perspectiva lógica

10 Maio, 2018
by

Um dos argumentos mais utilizados para defender a abundância de subsídios a deputados é que o salário é baixo e estes subsídios escondidos são a melhor forma de atrair os melhores valores para a política. Não irei discutir se tem resultado. Proponho apenas fazer um teste rápido a esta teoria.

De uma forma simplificada, existem três tipos de deputados na Assembleia da República:

1) Os presidentes da Junta: Particularmente relevantes no grandes partidos, estes são deputados que entraram nas listas por uma quota qualquer (representantes da concelhia, da distrital, da juventude partidária, etc). São pessoas cujo único mérito é dominar algum sindicato de voto interno. O salário de deputado é o máximo que alguma vez conseguirão na vida porque ninguém cá fora lhes pagaria o mesmo (por actividades legais).

2) Os lobistas: pessoas que vão para o parlamento defender um certo grupo. Normalmente advogados ou activistas, cujo objectivo é defender o interesse de algum cliente ou grupo de clientes que já lhes pagam bem ou pagarão bem terminado o seu mandato.

3) Visitantes: são profissionais de sucesso relativamente bem pagos fora da Assembleia da República. Muitos ganhariam mais fora da Assembleia da República do que dentro dela. Fizeram o percurso para entrar na Assembleia da República por convicção ideológica ou em busca do prestígio pessoal do cargo.

Contas por alto, diria que neste momento o primeiro grupo representa 60% dos deputados e os outros dois grupos 20% cada um. Com o passar do tempo, alguns elementos do grupo 1 mais resistentes acabam por ir para o grupo 2. Apesar de serem uma minoria, os grupos 2 e 3 deverão ser responsáveis por grande parte da legislação que sai da Assembleia da República.

Aceitando estes pressupostos, ficam então as questões para discussão:

– Qual destes grupos estaria menos interessado em ir para a Assembleia da República se o salário completo baixasse dos actuais 7 mil euros (com subsídios) para algo como 2 mil euros?
– Com menos representantes desse grupo, o parlamento ficaria melhor ou pior?

Anúncios
11 comentários leave one →
  1. Artista português permalink
    10 Maio, 2018 15:19

    ….e mesmo assim so atraem lixo toxico.

    Liked by 1 person

  2. 10 Maio, 2018 15:19

    O primeiro grupo
    Não faria nenhuma falta .

    Liked by 1 person

  3. 10 Maio, 2018 15:28

    Mais antigamente bastava o candidato pronunciar-se
    como um indefectível Salazarista
    (tão só…)

    Gostar

  4. 10 Maio, 2018 15:52

    Onde está o grupo 4 ?

    Gostar

  5. Procópio permalink
    10 Maio, 2018 16:28

    O grupo 4 não está, nem quer lá estar. Usa avental bordado, leva a efeito cerimónias catitas, tem polícia privada e puxa os cordelinhos. Não precisam de votos, limitam-se a influenciá-los a bel prazer controlando habilmente os merdia.
    Ainda há o grupo 5, mas esses nem têm tempo para cá vir.

    Liked by 1 person

  6. Vitor permalink
    10 Maio, 2018 16:49

    Totalmente de acordo com este post.
    A meu ver faria todo o sentido que o salário dos deputados e restantes cargos políticos fosse indexado ao salário médio português. Caso o salário médio português suba o salário dos políticos iria subir também. Caso desça aconteceria o mesmo. Depois seria uma questão de definir qual o multiplicador para cada uma das funções.

    Neste caso o autor propõe um vencimento de aproximadamente 2,5x o salário médio que (846 euros), corresponde a 2115 euros.
    Concordo com o autor quanto ao facto de o salário demasiado elevado dos deputados ter ao longo do últimos 40 anos atraído pessoas menos sérias, motivadas e competentes.
    A prova disso tem sido o facto de os deputados serem optimamente pagos face ao salário médio nacional nas últimas décadas e podemos comprovar que a sua prestação não foi muito boa. O que efetivamente contraria a tese “mainstream” de que os nosso políticos não são bem pagos e que se pagássemos melhor aos políticos iríamos ter melhores políticos.
    A forma de termos melhores políticos é através de uma melhor educação do população em geral, que permita à população ter a capacidade de escrutinar melhor a ação dos políticos e selecciona-los melhor.

    Gostar

    • Andre Miguel permalink
      10 Maio, 2018 16:59

      Isso e círculos uninominais para acabar com o monopólio dos partidos. Com a merda actual que abunda nos partidos, se o povo fosse esclarecido a AR estava às moscas.

      Liked by 1 person

      • Vitor permalink
        10 Maio, 2018 23:36

        A ideia dos círculos uninominais é vendida como uma solução “milagrosa” porque supostamente o problema estaria nos partidos. Sinceramente não concordo. Acredito que com círculos uninominais teríamos mais Tiriricas,, Valentins Loureiros, Tinos de Rans e atores/apresentadores/ex-futebolistas no parlamento. Não me parece que seja assim uma solução tão boa só por ser “diferente” da que existe atualmente.

        Gostar

  7. Arlindo da Costa permalink
    10 Maio, 2018 18:54

    Como diria o Dr. Alberto João Jardim, quando o Sócrates reduziu os vencimentos dos políticos, um senhor deputado tem que ter dinheiro para comer, vestir, calçar e ir para o trabalho.

    Gostar

  8. 11 Maio, 2018 00:32

    Óptimo post, CGPinto.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: