Saltar para o conteúdo

À atenção dos comissários do racismo e do género

15 Outubro, 2018

Lendo a notícia da Lusa (ver abaixo) constatamos que os homens correm mais depressa que as mulheres e que os nem um branquelas, asiático ou indiano conseguiu subir ao podium.

Não acham que deviam ser criadas umas quotas para não etíopes e não quenianos nestas provas?

Os atletas etíopes  Limenih Getachew, em masculinos, com um novo recorde da prova, em 2:07.24 horas, e Kuftu Dediso, em femininos, venceram este domingo a edição 2018 da Maratona de Lisboa. A prova acabou por ter um bom nível, já que as condições atmosféricas ajudaram, com nove atletas, todos africanos, a fecharem em menos de 2:10 horas. O 10.º classificado e melhor não africano, foi o português Hermano Ferreira, atleta do Benfica, que, depois de passar por muitas dificuldades físicas, terminou em 2:10.11.

Na prova feminina, Dediso esteve sempre na frente e ganhou com um novo recorde pessoal de 2:24.56, superando claramente a queniana Monica Jepkoech, segunda, com 2:27.35, e a também etíope Tigist Memuye, terceira, com 2:28.35. A melhor portuguesa foi Rosa Madureira, do Penafiel, que terminou no sexto lugar, em 2:47.17

Anúncios
7 comentários leave one →
  1. Andre Miguel permalink
    15 Outubro, 2018 13:08

    Isso. Quotas em todos os desportos e paridade de género. Isso de jogarem homens contra homens e mulheres contra mulheres é um retrocesso civilizacional.

    Gostar

  2. Paulo Maia permalink
    15 Outubro, 2018 13:08

    As quotas no desporto e na competição já existem em alguns programas de educação nos EUA e Canadá. O termo “trophy kids” é geralmente associado a crianças que são educadas numa lógica igualitária na qual todos, no fim das competições, recebem troféus de participação, não havendo distinção entre excelentes, medíocres e maus. Os trophy kids tornam-se, por isso, excessivamente confiantes de tão premiados que são e acabam por ter expectativas profissionais completamente irreais… enfim, é todo um mundo de idiotas.

    Gostar

  3. procópio permalink
    15 Outubro, 2018 16:08

    Os frémitos dos comissários ainda soam no púlpito dos merdia, mas o tempo corre.
    Um dia vão ter que explicar tudo muito bem explicadinho, tá?.

    Gostar

  4. Arlindo da Costa permalink
    15 Outubro, 2018 16:35

    Uma proposta muito razoável. O mesmo princípio devia ser aplicado à inteligência…

    Gostar

  5. procópio permalink
    15 Outubro, 2018 16:41

    A aprendizagem dos jovens comissários.

    Gostar

  6. raCSt14CrAmirocarrola@sapo.pt permalink
    15 Outubro, 2018 19:52

    Que pataratas esta maltosa ‘esquerdalhosa’ acantonada no malcheiroso lamaçal da Lusa!
    Andei na guerra colonial e, no leste de Angola, por exemplo, os carteiros (negros) tinham de correr, a corta-mato, quilómetros atrás de quilómetros para ir entregar uma carta a um quimbo distante, lá para o fim-do-mundo…
    E isto todos os dias. É isto comparável ao treinozinho dos não africanos em recintos fechados e climatizados do Ocidente?
    A esquerdalhada não tem emenda!

    Gostar

  7. 15 Outubro, 2018 21:20

    Quais comissarios!? sovietes! leninistas e trotskistas do bloko do esterko e leninistas estalinistas do partido komunista (minusculas cheias de intencao) LOL

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: