Saltar para o conteúdo

Antes que comece o festival em torno da primeira mulher negra no parlamento convém lembrar esta mulher

8 Agosto, 2019

No dia 24 de Abril de 1974  existiam quatro deputadas na Assembleia Nacional: Custódia Lopes, Maria de Lourdes Filomena Figueiredo de Albuquerque, Maria Ester Guerne Garcia de Lemos e Sinclética Soares Santos Torres. Esta última era negra.
Screenshot from 2019-08-08 09-26-46A Sinclética Torres, deputada por Angola, entre 1965 e 1974, se deve muita da atenção à questão da droga naquele território tanto mais que esta deputada defendia que se devia distinguir a toxicomania, enquanto “problema do mundo civilizado” dos consumos tradicionais efectuados pelas populações nativas

15 comentários leave one →
  1. 8 Agosto, 2019 10:49

    Para quem acha extraordinário aqui tem uma Verdade incomoda: o Estado Novo era mais aberto à igualdade de género e raça do que este Estadinho dito “Democrático” da Abrilada. Que tal se perguntassem ao Marcelinho Selfie o que ele tem a dizer disto?

    Liked by 1 person

    • Os corruptos que se cuidem permalink
      8 Agosto, 2019 11:19

      Acha que algum “jornalista” tem hoje em dia sequer classe (quanto mais independência) para fazer uma pergunta dessas? Têm hoje muito menos liberdade do que no tempo do Estado Novo.

      Liked by 2 people

  2. Expatriado permalink
    8 Agosto, 2019 10:52

    Naaa…. Vão dizer que era uma “fassista” e, assim, não conta. Para alem disso, as quotas só contam quando @s sujeitos são pur@s e esta parece ter mistura.

    Liked by 1 person

    • 8 Agosto, 2019 12:16

      Por acaso achei piada quando vi o post. Ela era amiga de uma colega de Coimbra da minha mãe, lembro-me de ter uns 14 anos e termos almoçado todos juntos em Lx. Era para o que o parvalhão racista xenófobo negro Mamoud Ba acha … lamentavelmente (para ele) “pura” e por acaso simpática e muito inteligente. Já agora eu a minha mãe somos “puros” brancos, a amiga e colega da minha mãe era indiana de Goa, casada com um amigo do meu pai Oficial de carreira branco … enfim o “racismo típico” do Estado Novo. LOL não gosto de fazer referências pessoais, mas antes de alguém querer falar mal desta senhora verifiquem os factos.

      Liked by 1 person

      • Expatriado permalink
        8 Agosto, 2019 12:40

        Falar mal da senhora, eles vão certamente. Tudo e todos que tenham, de alguma maneira, servido o País naqueles tempos são considerados “poluídos” pelos DDTs e da maioria dos OCS formatados nas madrassas universitárias.
        Falta quem não tenha medo dos adjectivos que eles lançam a quem não partilha as ideologias esquerdoides.

        Liked by 1 person

  3. Daniel Ferreira permalink
    8 Agosto, 2019 12:07

    E lá se vai abrir abrir uma quota para “mulheres”, depois para “negros”, depois para “negras”, depois para “L”, depois para “G”, depois para “B”, depois para “T”, depois para qualquer coisa q se lembrem até que os Homens são excluídos desta, mais uma vez. Meritocracia vai-se ao ar, como tinha que ir quando se é governados por quem NUNCA NA VIDA teve o que quer que seja devido ao mérito.

    Liked by 2 people

  4. 8 Agosto, 2019 12:28

    Republicou isto em O Pica-Miolos and commented:

    de helenafmatos

    “No dia 24 de Abril de 1974 existiam quatro deputadas na Assembleia Nacional: Custódia Lopes, Maria de Lourdes Filomena Figueiredo de Albuquerque, Maria Ester Guerne Garcia de Lemos e Sinclética Soares Santos Torres. Esta última era negra.”

    Liked by 1 person

  5. Jornaleco permalink
    8 Agosto, 2019 14:17

    A esquerda (fascista) nunca se interessou um corno pelo ser humano de cor preta. Nunca!!

    Eles, os porcos da esquerda, só o fingem, só o usam para os seus fins criminosos, para chegar ao poder. O maior traidor é o esquerdista, e em especial na pele do comunista cabrão.

    É assim em todo o lado.

    Não há maior racista do que aquele que é ou vota na tal esquerda porca.

    E muitos pretos são racistas (ver África do Sul por exemplo). Coisas que a esquerda fascista tenta ocultar, sobretudo de uma maneira criminosa. A prova clara, que à esquerda o racismo não interessa um corno, senão a África do Sul (& Lda) estaria(m) quase todos os dias na primeira página dos jornais.

    E pela mulher de cor preta também ainda muito menos quiseram saber, os porcos da tal esquerda fascista.

    Nos EUA foram os supostos “Democratas” (o partido das putas dos Clintons e do racista Obama) que introduziram a escravidão e a defenderam e foram sempre contra a abolição dela. Isto é altamente perverso, uma faculdade absoluta da mesma esquerda.

    Foi a direita e só a direita nos mesmos EUA que QUISERAM acabar com ela. Um facto que poucos sabem, porque os porcos do costume não querem que a malta saiba a verdade.

    Quem é que fez mais pelos pretos nos EUA de hoje, por exemplo? O Trump.

    Porque é que a esquerda fascista oculta o sucesso enorme económico de Trump nos EUA até hoje?

    Porque é que a mesma esquerda tonta e podre só sabe atirar contra Trump, que ele é um racista? O que é uma mentira clara!

    A esquerda fez muito mal, muito, a aqueles que nasceram com a pele preta. So guerras e desgraça.

    P.S.: Uma bela fotografia, lá em cima. Parabens.

    Liked by 1 person

  6. lucklucky permalink
    8 Agosto, 2019 15:11

    A Esquerda encontrará um motivo, nem que seja dizer que ela não tinha os valores de RGB necessários…

    Gostar

  7. Manuel Assis Teixeira permalink
    8 Agosto, 2019 19:03

    Muito obrigado por nos lembrar este facto historico!Onde andará esta Senhora! Será viva?

    Gostar

    • Mario Figueiredo permalink
      8 Agosto, 2019 23:46

      Já não. Faleceu em Luanda em 2009.

      E para que Sinclética não fique sozinha, outros nomes de afro-descendentes que participaram activamente em governos do Estado Novo:

      Martinho Nobre de Melo: Ministro dos Negócios Estrangeiros e Embaixador de Portugal no Brazil

      Joffre Pereira Van Dunen: Deputado na Assembleia Nacional

      António Burity da Silva: Deputado na Assembleia Nacional

      Para a esquerda são todos, incluindo Sinclética, servidores dos interesses colonialistas do Estado Novo, pelo que não têm qualquer valor. Não chegaram lá por mérito, mas por quotas. A ironia é de rebolar no chão a rir…

      Liked by 1 person

      • 9 Agosto, 2019 02:02

        Sem dúvida Mário Figueiredo, para além de que as quotas no Estado Novo são mera ficção da esquerdalha quase toda, e felizmente, já morta!!! Aliás parece que Don Lourençote de Melena e Pá está a caminho de cair, finalmente, na definitiva oblivion …

        Gostar

      • Jornaleco permalink
        9 Agosto, 2019 09:38

        Vale sempre (!) lembrar, neste contexto, as quotas do asno e trafulha António Guterres.

        100 lugares. Ninguém dos “grandes” corruptos socialistas queria levantar o rabo para fazer lugar a uma mulher. Ninguém!!

        Lembram-se ainda?

        Nenhum (!!) socialista quis pôr em prática o que eles pregam durante o dia, na igreja do macaco. Há mais falsidade?

        Então decidiram alargar o comité para 150 lugares. De 100 para 150. E encheram os 50 lugares com mulheres. Competentes ou burras igual, porque no partido socialista só estão burras e burros.

        Na esquerda basta ser asno, criminoso, incompetente para fazer carreira.

        Ao contrário o Estado Novo:
        O excelente Salazar tinha só um critério: competência.

        Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: