Saltar para o conteúdo

Utilização de linguagem não discriminatória nas FA: salvou-se o ministro (género masculino) e tramou-se a secretaria (género feminino)

5 Outubro, 2020

18 de setembro: Um documento designado “Diretiva sobre a utilização de linguagem não discriminatória” foi enviado aos chefes dos três ramos e ao Estado-Maior-General das Forças Armadas. Estava assinado pelo secretário-geral do ministério, João Ribeiro.

28 de Setembro: a Secretaria-Geral do MDN envia aos chefes dos três ramos e ao Estado-Maior-General das Forças Armadas um documento onde lhes solicita “os contributos que entendam como relevantes” sobre a “Diretiva sobre a utilização de linguagem não discriminatória”

30 de Setembro: a associação que representa os oficiais afirma que a orientação emanada pela Secretaria-Geral “é um disparate” e “uma baboseira”. Admitia esta associação uma “manifestação ruidosa” contra a directiva.

1 de Outubro: o ministro declara: “O que é verdadeiramente importante é o trabalho que está a ser feito na promoção da igualdade de género dentro das Forças Armadas. Depois se se deve prever ‘nascido em’ ou ‘data de nascimento’, isso é absolutamente menor, não tem relevância nenhuma e, do meu lado, confesso que não pretendo passar muito tempo a pensar nessa matéria

2 de Outubro: O ministro anula a directiva: Tomei conhecimento do envio pela secretaria-geral dos ofícios (…) com o título ‘Diretiva sobre a utilização de linguagem não discriminatória’, dirigido ao EMGFA, aos Ramos, e aos serviços centrais do ministério, suplementado posteriormente pelo ofício (…).Por carecer de aprovação superior e por se tratar de um documento de trabalho que não evidencia um estado de maturação adequado, devem considerar-se anulados os referidos ofícios

Moral da História (e do historial que nós aqui no Blasfémias somos militante do género);

  1. O ministro (género masculino) salvou a face e quem se tramou foi a secretaria (género feminino). Moral da História: a pancada sobra sempre para as mesmas
  2. O ministro (género masculino) diz desconhecer o que faz a secretaria-geral (género feminino). Moral da História: o género masculino é sempre o último a saber. Mesmo quando é ministro
  3. O ministro tenta passar incólume entre a secretaria-geral (do ministério) e a baboseira (dos oficiais) Mas nestas coisas o género masculino ministro sai sempre amachucado. Ou para não ser sexista não sai incólume.
3 comentários leave one →
  1. Prova Indirecta permalink
    5 Outubro, 2020 11:33

    O ministro nunca foi à tropa

    Gostar

  2. Expatriado permalink
    5 Outubro, 2020 11:46

    O MDN está cheio de gente a quem se aplica o art. 16 do RDM.

    Gostar

  3. Weltenbummler permalink
    5 Outubro, 2020 14:05

    a culpa é do Trump e não do joe bidé

    Liked by 1 person

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: