Saltar para o conteúdo

Palavras que chegam de um mundo que não tem espaço no discurso político

28 Maio, 2021

A ler. Aqui

22 comentários leave one →
  1. Weltenbummler permalink
    28 Maio, 2021 11:02

    Jorge de Sena in Os Paraísos Artificiais
    Na minha terra, não há árvores nem flores.
    As flores, tão escassas, dos jardins mudam ao mês,
    e a Câmara tem máquinas especialíssimas para desenraizar as árvores.

    Gostar

  2. balio permalink
    28 Maio, 2021 11:13

    O problema dos contentores não é o terem ou não terem ar condicionado.
    Os dois problemas deles são (1) a sobrelotação dos espaços em que se dorme, que é favorável à propagação da epidemia, e (2) o eles estarem construídos sobre terrenos agrícolas, nos quais não é permitida a edificação.
    Em qualquer parte do mundo civilizado, os trabalhadores temporários são alojados em guesthouses (grandes casas com quartos privados mas salas de estar e cozinhas comuns, nas quais podem viver umas poucas dezenas de pessoas) construídas nas povoações. E era assim que deveria também ser em Odemira.

    Gostar

    • chipamanine permalink
      28 Maio, 2021 11:59

      Quem lhe disse que nos contentores haveria/ houve sobrelotação? No caso de Odemira a sobrelotação era em casas particulares alugadas pelos traficantes e sus muchachos que enfiam lá dentro o maior número de migrantes para os explorar ainda mais.
      E vc como civilizado já devia ter comprado uma casa e ter oferecido alojamento em quartos privados para ver se era um bom negócio para si.

      Liked by 4 people

    • Zé Manel Tonto permalink
      29 Maio, 2021 01:13

      “Em qualquer parte do mundo civilizado, os trabalhadores temporários são alojados em guesthouses (grandes casas com quartos privados”

      Claro que sim. Histórias de trabalhadores temporários a viver em habitações precárias, sobretudo em trabalho agrícola, é o que não falta pelo mundo civilizado. A não ser que França, Reino Unido, e Estados Unidos não sejam mundo civilizado.

      Este comentador percebe tanto de alojamento de trabalhadores temporários como eu percebo do cultivo da papoila no Afeganistão.

      Liked by 2 people

    • Mauritano permalink
      29 Maio, 2021 07:42

      Veja o que se passa com os trabalhadores temporários das grandes obras públicas em Portugal ou nas grandes obras de empresas estrangeiras (e portuguesas também) por esse mundo civilizado. Depois venha daí “arrotar umas postas de pescada”.

      Liked by 1 person

    • Duarte de Aviz permalink
      30 Maio, 2021 16:29

      Nos submarinos dormen 3 pessoas na mesma cama,
      Tudo é relativo, menos a arrogância dos imbecis.

      Gostar

  3. balio permalink
    28 Maio, 2021 11:15

    As pessoas não são contra as estufas em Odemira. São sim contra as condições de contratação e de alojamento dos seus trabalhadores.

    Gostar

    • Weltenbummler permalink
      28 Maio, 2021 11:21

      os sem-abrigo vivem em palacetes

      Liked by 4 people

    • Duarte de Aviz permalink
      30 Maio, 2021 16:32

      As pessoas? Quais pessoas? Os trabalhadores migrantes não são pessoas? Será que não vêm por sua livre vontade? Ou algu+em lhes prometeu casa com marquise e vista para o Tejo?
      Ninguém consegue bater na falta de vergonha a esquerdalha do tomate cherry!

      Gostar

  4. Expatriado permalink
    28 Maio, 2021 11:36

    Interessante ler as repetidas referências aos “os projectos foram feitos há mais de 50, 60, 70 anos”. A chamada revolução não aconteceu há 47?
    Afinal…

    Gostar

    • balio permalink
      28 Maio, 2021 11:54

      A barragem de Santa Clara, que dá água para o regadio de Odemira, foi inaugurada em 1969, ou seja, há 52 anos.
      Quando eu passeei por essa região em 1985 já havia regadio, mas não estufas. Havia vacas leiteiras a pastar em terras irrigadas pela barragem.
      O Plano de Rega do Alentejo é muito antigo, dos anos 1950 ou 1960.

      Gostar

  5. FreakOnALeash permalink
    28 Maio, 2021 11:39

    Uma excelente entrevista a lembrar que uma nação sem um setor primários forte e o mais auto-suficiente possível, é uma nação e uma democracia débil que não serve os interesses primários do povo!

    Liked by 6 people

    • João Brandão permalink
      28 Maio, 2021 14:04

      Pois, mas isso foi pensado por quem sabia o que fazer para que o país fosse o menos dependente possível do estrangeiro e não andasse de mão estendida como agora, desgraçadamente, anda.

      Liked by 4 people

  6. JgMenos permalink
    28 Maio, 2021 12:08

    O espaço político é o dos gestores dos impostos trazidos do esforço alheio, dos provedores de subsídios que sempre conhecem onde a justiça social acoberta os seus interesses, dos ‘mãos limpas’ de todo o trabalho ordeiro, continuado e exaltado como dever.

    Liked by 1 person

  7. Augusto Santos permalink
    28 Maio, 2021 12:30

    GOSTEI

    Gostar

  8. Mário Marques permalink
    28 Maio, 2021 12:44

    Aos poucos e poucos as entidades oficiais vão introduzindo a novilíngua nas suas relacções com os cidadãos, agora (provavelmente já há algum tempo) é o Instituto Português do Mar e Atmosfera que aderiu à moda das “alterações climáticas”, um instituto que deveria primar pela utilização e transmissão do seu conhecimento científico nas suas acções e deixar-se de narrativas abstratas.

    https://www.ipma.pt/pt/media/noticias/news.detail.jsp?f=/pt/media/noticias/textos/Acores_alteracoes_climaticas.html

    Daqui mais umas semanas não se admirem portanto ver a notícia das “alterações climáticas em Lisboa no bairro da Bica” ou no “Porto, no Mercado do Bulhão”

    Liked by 1 person

  9. Mário Marques permalink
    28 Maio, 2021 13:31

    Aos poucos e poucos as entidades oficiais vão introduzindo a novilíngua nas suas relacções com os cidadãos, agora (provavelmente já há algum tempo) é o Instituto Português do Mar e Atmosfera que aderiu à moda das “alterações climáticas”, um instituto que deveria primar pela utilização e transmissão do seu conhecimento científico nas suas acções e deixar-se de narrativas abstratas.

    https://www.ipma.pt/pt/media/noticias/news.detail.jsp?f=/pt/media/noticias/textos/Acores_alteracoes_climaticas.html

    Daqui a mais umas semanas não se admirem portanto de ver uma notícia do tipo “alterações climáticas em Lisboa no bairro da Bica” ou no “Porto, no Mercado do Bulhão”

    Gostar

  10. voza0db permalink
    28 Maio, 2021 21:59

    O problema não é os escravos boçais quererem tomate cherry… é quererem-no ao preço da chuva!

    Só mais um entretém que daqui a nada já passa! Afinal isto acontece há séculos e que se veja não temos nenhuma vontadinha de MUDAR.

    Liked by 1 person

    • Zé Manel Tonto permalink
      29 Maio, 2021 01:17

      ” é quererem-no ao preço da chuva”

      Agora disse tudo.
      Sem subsídios à agricultura, e com os trabalhadores temporários a ganhar o suficiente para viver como os meninos do eixo Principe Real-Bairro Alto acham que se deve viver, o preço dos produtos agrícolas multiplicava por 4, pelo menos.

      Liked by 2 people

  11. André Silva permalink
    28 Maio, 2021 23:05

    Ele deveria ter terminado a entrevista de forma épica: ‘ E quero é que essa gente toda de esquerda, pais e filhos, mães e filhas, e derivados diversos, SE F***M MAS É TODOS’.

    Liked by 1 person

  12. marão permalink
    29 Maio, 2021 07:45

    Mira Luís…..

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: