Saltar para o conteúdo

É o Estado de Direito socialista a que temos direito

5 Dezembro, 2021

Foi assim com o caso Casa Pia. Foi assim com Sócrates. É assim com Eduardo Cabrita: além do motorista-bode expiatório temos invariavelmente a reiteração do “Estado de Direito a funcionar”. Hoje, no Observador, trato do lugar perigoso a que nos conduziu a banalização da ideia de que enquanto não há uma acusação do ministério Público não há responsabilidade: “Seja na política, na vida de cada um, nas empresas ou nas escolas, o certo e o errado não podem ser definidos por despachos do Ministério do Público. E não podemos, nós e quem nos governa, permitir que o Estado se substitua à consciência. Não por acaso vivemos num quotidiano cada vez mais criminalizado enquanto actos que sabemos errados não sofrem qualquer censura porque não foram considerados crimes.

24 comentários leave one →
  1. Weltenbummler permalink
    5 Dezembro, 2021 15:33

    por definição xuxalista « a culpa pertence sempre ao porteiro»

    Liked by 1 person

  2. 5 Dezembro, 2021 19:54

    Aquele, de aqui, que conduz um carro potente em autoestrada sem nunca ter ultrapassado os 120m/h, que atire a primeira pedra ao condutor do Cabrita, ao Cabrita e aos oficiais da GNR que iam no carro.

    Por esta e por outras semelhantes segue o grande descrédito dos portugueses na honestidade intelectual da direita portuguesas…

    Gostar

    • chipamanine permalink
      6 Dezembro, 2021 00:40

      Mas está em causa conduzir um carro potente a mais de 120 Km/h? Ou está em causa toda a arrogância, insensibilidade (não se importou com o morto nem com a familia) mentira ( dizerem que não estaria sinalizado) de um ministro cujo carro estava ao seu serviço e que teve essa infelicidade (apesar dos factos poderem criminalizar o motorista)?
      Vc bate nessa ” tecla” por burrice ou é mesmo má fé ?
      Vc não se importaria se conduzisse (ou fosse mero acompanhante) um carro mesmo abaixo do limite de velocidade permitido e ainda assim por responsabilidade que fosse do pedestre se o tivesse matado?
      É falta de humanidade mesmo?

      Liked by 3 people

    • chipamanine permalink
      6 Dezembro, 2021 00:47

      Vc acaba por demonstrar que todos os defeitos que sonha na dita “direita” que os tem em dobro ou triplo. E a desonestidade intelectual seria a de menor importância. É muito suja a moralidade de algumas pessoas que não olham a meios, que não tem um minimo de principios éticos
      Vc percorreu a sua vida com este tipo de “raciocínios”? Deixe-me lhe dizer que é por isso que o país está como está, decadente e miserável.

      Liked by 1 person

      • 6 Dezembro, 2021 09:15

        Toda a campanha mediática foi feita com base na velocidade do automóvel. Basta ler as manchetes. O que demonstra total insensibilidade para com a vítima mortal e sua família, porque insinua que não teria havido acidente mortal se o carro tivesse sido conduzido com prudência. E insinua que a prudência da condução deve ser da responsabilidade do passageiro e não do condutor.
        Estou a imaginar o chimané a apanhar um táxi de Lisboa para Cascais e ir todo o caminho com o olho no velocímetro com medo que haja um acidente e o patrão o demita, atribuindo-lhe culpa por não ter dado ordem de baixar a velocidade ao condutor.
        Afinal iam a 160 Km/h que, segundo a minha experiência, é uma velocidade moderada quando comparada com a de centenas de viaturas potentes que todos os dias cruzam as autoestradas portuguesas a mais de 200 Km/h.
        Com Pedrógão foi a mesma treta. As condições em que morreram dezenas de pessoas são quase impossíveis de prever (aceleração do vento numa encosta que acaba numa estrada), pois as catástrofes desse tipo acontecem em segundos, sem a possibilidade de prevenir seja o que for.
        Mas para a oposição vale tudo, quando o objetivo é derrubar o governo, pois não se consegue organizar-se e fazer uma oposição democrática, nas urnas.

        Gostar

      • chipamanine permalink
        6 Dezembro, 2021 10:09

        A campanha “mediática” dá relevo a aquilo que o senhor Kosta quer para tirar proveito politico que lhe convém para poder dizer que para “os outros” “a oposição” vale tudo.
        Se esteve tão atento à dita campanha terá reparado que nenhum lider político da esquerda ou direita falou sequer na velocidade que vc lhes atribui mas tão só “a campanha mediatica” que vc emprenha pelos ouvidos fazendo o favor ao Kosta. Até nisso há má fé da sua parte. Atribui aos outros aquilo que eles não fizeram.
        De resto vc imagina muita coisa mas não sai do mesmo sítio. As questões que lhe pus de arrogância insensibilidade e mentira do ministro ou ministério sobre que não havia sinalização….kaput , disse nada. Sobre o facto de só duas semanas depois ter mandado uma “nota oficial” à familia ……Kaput, disse nada.
        Eu não sou nem serei ministro em carro oficial conduzido por um funcionário público num carro “do estado” mas já me aconteceu que duas senhoras de idade tivessem (elas próprias fora da passadeira) batido no meu carro em andamento que fez com que elas rodopiassem e caíssem desamparadas. Além do socorro que providenciei para um check up no hospital mantive-me ligado com a família (enquanto trabalhava) de forma a saber os resultados. A meio da tarde informaram-me que estavam em casa e bem apenas ainda com o susto. Pedi a uma colega de trabalho para ir comprar um pequeno ramo de flores e uma caixinha de bombons e companhia para ir a casa delas. Fui aliviado e deixei lá todos os meus contactos e possíveis prestação de ajudas caso necessitassem. A amolgadela pequena que provocaram no guarda lamas traseiro ficou por minha conta. Portanto o que vc imagina, imagina mal, ou porventura imagina aquilo que vc faria como o ministro, Abandonar o local , deixar as “tarefas chatas” com o motorista e começar a fazer comunicados mentirosos e nem uma palavra para com a familia durante semanas.
        A culpa ou a responsabilidade tornam-se secundárias quando há danos físicos ( ou possam haver) e muito mais quando há uma perda de uma vida.
        Mas pelo visto vc não entende assim e o que lhe importa é “campanha eleitoral partidária”
        É por isso que lhe disse que que este país moralmente está decadente e miserável.
        É miserável reduzir um drama humano com a perda de uma vida sobretudo para a família a campanhas mediáticas eleitoraleiras como se demonstra até na demissão do próprio apenas para não prejudicar o partido nas eleições. (dito ipsis verbi)
        Já tinha sido assim (só que não havia eleições) aquando o SEF matou o ucraniano (assassinou torturando-coisa menor não é?) com a directora nomeada por a outra não ser do partido, vir de carro oficial todos os dias de Coimbra e voltar tudo dentro das horas de expediente e gastos por nossa conta, e que permaneceu ( o caso) meses em silêncio escondido. Tivemos de pagar quase um milhão de euros de indeminização do dinheiro dos contribuintes
        Boa sorte para si. Apesar disso tudo que demonstra não lhe desejo mal

        Liked by 1 person

      • Chopin permalink
        6 Dezembro, 2021 10:09

        Velocidade muito moderada. Normalmente qualquer avião circula mais rápido.
        Lembrar que os ventos de Pedrogão aceleraram nesse ano por todo o país. Dizia o Observador a 18/Out/2017:
        “Sistema de informação europeu indica que área ardida em Portugal ultrapassa 500 mil hectares. Não há dados oficiais, mas 2017 terá sido o pior ano de sempre. No domingo ardeu mais do que num ano.”

        Gostar

      • chipamanine permalink
        6 Dezembro, 2021 10:19

        Sobre Pedrogão só tenho a dizer uma coisa. Em 2006/2007 o ministro do interior acumulava com planeamento de território (Adivinham quem era). Os “devastadores incêndios de 2003 foram culpa do Durão Borroso e seria “reparados” com a arborização promovida por esse ministro que apareceu até a plantar àrvores em Pedrogão rodeado de criancinhas (adivinhem quem)
        Em 2017 foi o que foi e não é preciso dizer mais nada.
        Cada um que chegue à sua conclusão “mentiriológica”
        Pode acontecer a todos, tudo é imprevisto. Apenas não o é se forem os outros.

        Liked by 1 person

  3. carlos rosa permalink
    5 Dezembro, 2021 19:58

    O Costa tem sido 1º Ministro em total impunidade.
    Espero que tenha a paga proporcional ao mal que tem feito a Portugal e aos portugueses.
    Quanto antes.
    A oposição já existe mas precisa de ser reforçada com mais votos nas próximas eleições.
    Merece ser detido e obrigado a cantar todos os dias de manhã e à noite o Hino Nacional.
    Era das piores coisas a que o podiam obrigar.

    Liked by 1 person

  4. João Brandão permalink
    5 Dezembro, 2021 20:20

    É este o estado de direito que os marxistas apregoam e ‘praticam’.
    Quando não os deixavam chegar com as patas ao poder, enchiam a boca com o estado de direito. Agora que lá chegaram usam-no para justificar e defenderem-se, da maneira mais grotesca, as tropelias que cometem.
    Aliás, nem poderia deixar de ser de outra maneira. De uma figureta grada dessa gente saiu o princípio de que para os amigos tudo, para os inimigos nada e quanto as outros que se lhes aplique a lei. E digo eu agora, nem sempre, pelos vistos.
    Isto para além dos ‘corolários’, ‘quem se mete como ps leva’ e o estar-se cag… para o segredo de justiça, é bem elucidativo da concepção que esta gentalha tem pelo dito estado de direito.
    Àparte os ofendidos nas tropelias e eventuais crimes – que deviam merecer dos que não se identificam com esta gentalha, o maior respeito – este povoléu rasca, cá do rectângulo, merece-os bem, pois gosta dos marxistas.

    Liked by 2 people

    • João Brandão permalink
      6 Dezembro, 2021 12:20

      Acresce, a corroborar o que disse, que o tal estado de direito na concepção dos marxistas integra um ministério público, o advogado do estado (que devia ser de direito), que elabora uma acusação em que a testemunha que pretende ilibar o repugnante ex-ministro afinal não ia na viatura deste, mas sim em outra que a seguia.
      Isto não é inventado e o Correio da Manhã, com todos os defeitos que terá, não costuma enganar-se muito e lá, e não só, que isto vem.
      É este o tipo de justiça proposto e seguido pelos marxistas que ‘gerem’ este rectângulo.

      Gostar

  5. 6 Dezembro, 2021 11:24

    Conhecem algum partido que enalteça as virtudes pessoais como condição para o exercício de funções públicas ou políticas?

    Recordem que os ‘ataques de carácter’ sempre mobilizam a classe política.

    Gostar

  6. Prova indirecta permalink
    6 Dezembro, 2021 11:53

    Em Janeiro , votem bem :

    Gostar

  7. FreakOnALeash permalink
    6 Dezembro, 2021 12:06

    Parece que o “passageiro” não tem nada haver o acidente que vitimou a viatura onde seguia. O motorista nem estava às ordens do fulano nem nada!!!

    Gostar

  8. 6 Dezembro, 2021 12:50

    A empresa que transportou o empregado para o local e o induziu a circular na faixa de rodagem sem qualquer sinalização, é a grande responsável por este acidente. Foi um acidente de trabalho.
    É expressamente proibido circular a pé numa autoestrada. O acidente aconteceu porque não foi respeitada essa proibição.
    Todos os jornais, televisões etc. esqueceram esta realidade objetiva, e transformaram este atropelamento mortal em algo parecido com o que acontece a uma pessoa que atravessa a rua fora da passadeira, aonde os carros não podem circular a mais de 50 Km/h e neste caso o carro ia a 160 Km/h.

    Gostar

    • Joao Lopes permalink
      6 Dezembro, 2021 16:52

      Ao menos o outro demitui-se quando a ponte caiu. Este não passa de um ranhoso que merecia ser forçado a combater incêndios com as golas anti-fogo.

      Gostar

    • Francisco Miguel Colaço permalink
      6 Dezembro, 2021 17:12

      Galvão, também é ruivo como a Psaki?

      Gostar

    • 6 Dezembro, 2021 23:12

      acusação-a-eduardo-cabrita = primeiro-ministro-antónio-costa

      Sacana do costa até altera a acusação para defender o seu ministro…

      Gostar

      • Prova Indirecta permalink
        7 Dezembro, 2021 08:35

        Sacana do Gaviao que nao quer perceber que também ha gaviões e gavionas no MP na GNR e não apenas aqui no blasfémias …
        https://www.google.com/url?

        sa=i&url=https%3A%2F%2Fobservador.pt%2F2015%2F08%2F08%2Fapoiantes-e-opositores-de-socrates-podem-cruzar-se-em-evora%2F&psig=AOvVaw2PbT1w–1q_7nOOalGswLC&ust=1638952497201000&source=images&cd=vfe&ved=0CAsQjRxqFwoTCIDznv-j0fQCFQAAAAAdAAAAABAD

        Gostar

      • Prova Indirecta permalink
        7 Dezembro, 2021 08:37

        Gostar

  9. Prova Indirecta permalink
    6 Dezembro, 2021 17:51

    Um primeiro ministro corrupto , altas figuras do estado indiciados de pedofilia , tres bancas rotas , é só mais um atropelo …

    Gostar

  10. Prova Indirecta permalink
    6 Dezembro, 2021 20:12

    “Na verdade, segundo o i apurou, o BMW levava quatro pessoas e a distribuição era a seguinte: à frente, o motorista e ao seu lado o oficial de ligação da GNR; no banco traseiro, o ministro, à direita, e o seu assessor, à esquerda.
    Mas este erro factual da acusação tem várias implicações. Desde logo, contribui para retirar responsabilidades ao ministro. É que, segundo as normas protocolares, na ausência do elemento de segurança pessoal dentro do carro, quem manda na viatura é o ministro.

    Depois, como se pode ler no despacho, Rogério Meleiro é uma das três testemunhas – juntamente com o oficial de ligação da GNR e o assessor do governante – que corroboram que Cabrita não deu qualquer indicação ao motorista sobre a velocidade que devia seguir: “A testemunha ocupava o lado direito da viatura conduzida por Marco Paulo. Desconhece a que velocidade circulava a viatura, confirma o posicionamento dos elementos que compunham a comitiva e afirma que o senhor ministro da Administração Interna não deu qualquer indicação quanto à velocidade a que devia de seguir a viatura, nem nunca foi estipulada qualquer velocidade de deslocação pelo Corpo de Segurança Pessoal”.

    De facto, se Rogério Meleiro não estava dentro do carro, não poderia dar qualquer indicação ao condutor. Mas também não poderia afirmar que o ministro não deu qualquer indicação.”

    Gostar

  11. Prova indirecta permalink
    7 Dezembro, 2021 12:14

    Procuradoria Geral da República não assume o erro na acusação do caso do acidente que envolveu o carro do ex-primeiro ministro , em que a procuradora indica que no carro em que seguia Pedro Passos Coelho , e que atropelou mortalmente um trabalhador na A6, seguiam quatro tripulantes além do motorista, entre os quais o elemento do corpo de segurança da PSP, homem que na realidade ia noutro carro.

    Questionada pelo i na sequência da falha ontem avançada em primeira mão por este jornal, já confirmada nos autos do processo, a PGR limitou-se a remeter para a consulta do processo no DIAP de Évora, “para uma informação circunstanciada”.

    Já a PSP optou por não fazer comentários. “A Polícia de Segurança Pública não comenta qualquer aspeto da situação em apreço, que se encontra sob escrutínio judicial”, respondeu ao i a Polícia de Segurança Pública.

    Segundo os elementos do processo, que o i consultou, o erro terá sido mesmo da procuradora, uma vez que os testemunhos não foram no sentido de irem cinco pessoas no BMW de Pedro Passos Coelho mas quatro. Um erro que surge na acusação de forma bastante explícita, atribuindo ao motorista do ministro da Administração Interna e a um dos elementos da GNR o falso testemunho de que Rogério Messias Meleiro, segurança pessoal do primeiro ministro e oficial da PSP, ia na viatura. Erro que se repete em vários momentos da acusação.

    Da inquirição do próprio Rogério Meleiro, a procuradora salienta como primeiro elemento que esta “testemunha ocupava o lado direito do banco traseiro da viatura conduzida por Marco Pontes”. Meleiro ia de facto sentado do lado direito mas numa viatura que circulava atrás do carro do ministro, sem conseguir ouvir o que se passava dentro do carro, apesar de aparecer como um dos testemunho s de que o ministro não deu qualquer indicação quanto à velocidade a que devia seguir a viatura.

    Ao que o i apurou, Meleiro tem uma larga experiência nestas funções. Desde o trágico acidente, Pedro Passos Coelho passou a viajar sempre com o elemento da segurança na sua viatura, mesmo em deslocações com a família.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: