Saltar para o conteúdo

Pois….

27 Março, 2008

Sócrates acha que «A crise orçamental de 2002, que voltou em 2005, está ultrapassada e os factores que a motivaram estão também resolvidos com as mudanças estruturais feitas no país».

Mas quais «mudanças estruturais»? Pois se a despesa pública continuou sempre a aumentar, e o deficit foi reduzido apenas com base no aumento de receitas, de acordo com os dados do INE:

Despesa pública total:
2006: 71.662 milhões de euros;
2007: 74.538 milhões de euros;
Aumento de 3,8%;

Receita pública:
2006: 65.601 milhões de euros;
2007: 70.213 milhões de euros;
Aumento de 6,5%

35 comentários leave one →
  1. Anónimo permalink
    27 Março, 2008 13:37

    Onde está o erro?

    Gostar

  2. Meme permalink
    27 Março, 2008 13:39

    70.213 milhões de euros!!!!

    é metade da riqueza produzida anualment em Portugal… sugada pelo Estado, para quê?

    Gostar

  3. Anónimo permalink
    27 Março, 2008 13:41

    Com a verdade me enganas,pá!
    Corrige lá o erro
    Nao estou aqui para ensinar

    Gostar

  4. lica permalink
    27 Março, 2008 14:06

    Gostar

  5. 27 Março, 2008 14:08

    Não esquecer: para a contabilização das despesas não contaram as progressões nas carreiras, congeladas a bem do “fim” défice. Isto é, artificialmente, a despesa não aumentou (ainda) mais. Voltará a ter um impulso quando as progressões nas carreiras voltarem à normalidade.

    Gostar

  6. 27 Março, 2008 14:50

    Agora o verdadeiro exercício: pegando na subida consistente da despesa e uma previsível estagnação da receita, o que temos?

    Volta Guterres! Estás perdoado!

    Gostar

  7. JP Ribeiro permalink
    27 Março, 2008 15:20

    E aqui está bem explícita a maior vigarice que querem que os portugueses engulam: o controlo da despesa publica. A despesa pública AUMENTOU dois mil novecentos e dezasseis mlhões de euros (quinhentos e oitenta e tês milhões de contos) SÓ NUM ANO.

    Grande controle da despesa.

    Os impostos AUMENTARAM por sua vez oito mil novecentos e trinta e sete milhões de euros (mil setecentos e oitenta e sete milhões de euros) num só ano.

    Grande controlo do déficit. E grandes camelos que nós somos. Bem merecemos este governo e os governos que o precederam.

    Gostar

  8. JP Ribeiro permalink
    27 Março, 2008 15:22

    mil setecentos e oitenta e sete milhões de … CONTOS claro e não euros

    Gostar

  9. campeão permalink
    27 Março, 2008 15:34

    Infelismente os portugueses gostam de ser enganados pelos aldrabões que nos têm governado . Mas como é evidente os numeros não enganam e o tempo se encarregará de chamar os “bois” ou”boys” pelos nomes; Só que aí será tarde e quem se lixará será como sempre o mexilhão e não somente todos aqueles que apoiam estes governos incompetentes e mentirosos que temos tido.

    Gostar

  10. balde-de-cal permalink
    27 Março, 2008 15:45

    o monstro devora os contribuintes. começou a campanha eleioral com promessas para o ano de 5009

    Gostar

  11. ROLF permalink
    27 Março, 2008 16:08

    Diz RV,

    “…Voltará a ter um impulso quando as progressões nas carreiras voltarem à normalidade.”

    Não me diga que já lhe assopraram ao ouvido essa dica. Vamos voltar a ter os srs. profs. a serem “progredidos” AUTOMÁTICAMENTE , ao fim de 3 anos???? Sejam bons ou maus? Assiduos ou relapsos???? Não acredito…

    Gostar

  12. tina permalink
    27 Março, 2008 16:16

    “A despesa pública AUMENTOU dois mil novecentos e dezasseis mlhões de euros (quinhentos e oitenta e tês milhões de contos) SÓ NUM ANO. ”

    Errado. Tendo em conta a inflação de 2,7% (Insurgente), a despesa pública aumentou muito menos, cerca de 1%. O Gabriel deveria ter dados estes valores a preços constantes.

    Gostar

  13. tina permalink
    27 Março, 2008 16:18

    “70.213 milhões de euros!!!!

    é metade da riqueza produzida anualment em Portugal… sugada pelo Estado, para quê?”

    O que eu me lembro de ler uma vez é que 60% dos impostos colectados era para pagar salários do funcionalismo público.

    Gostar

  14. tina permalink
    27 Março, 2008 16:23

    De toda a maneira, não parece restar dúvidas que se deve tudo ao aumento de receitas (que percentagem destas será impostos?) e nada a reformas estruturais.

    Gostar

  15. jose manuel santos ferreira permalink
    27 Março, 2008 16:26

    Bom
    De momento é capaz de não ser muito conveniente voltar á escola para reaprender a fazer contas, mas ….

    Ó Gabriel ???
    Tens a certeza ???
    Vê lá depois das abébias que te deram

    Gostar

  16. honni soit qui mal y pense permalink
    27 Março, 2008 16:28

    Por formação juridica , e por isso mesmo, sempre tive grande admiração pela ciência exacta da matemática .
    Afinal ao invés, e no Direito, parecia que a aplicação da Lei, da Doutrina , da Jurisprudência, já nem digo do Costume , podia e pode ser interpretada conforme cada um a ache que deve entender.Pareceres a metro e coisas assim .Mas é compreensível e justificável para o Direito, hélas .
    Mas os numeros pareciam ter uma certeza inabalável neste nosso Mundo de incertezas.Eram irrefutáveis, e não sujeitos a fraude.
    Aqui há uns anitos atrás a ciência exacta dos numeros caiu finalmente no descredito . Enrom e Arthur etc e tal.
    Contas a metro .Á medida .
    Hoje quem acredita em numeros vomitados por empresas , governos , organizações internacionais , sei lá quem mais , ou quer ser enganado ou é parte da mentira .

    para mim a unica frase verdadeira quanto á ciência da contabilidade pública ( e privada ) é :

    ” cada contabilista um mentiroso ”

    o que se devia contabilizar no deve e haver , é agora ” meras operações elaboradas de encobrimento em folhas de Balanço”

    nem TOC`s nem ROC`s nos podem salvar …

    Gostar

  17. 27 Março, 2008 16:55

    «Não me diga que já lhe assopraram ao ouvido essa dica. Vamos voltar a ter os srs. profs. a serem “progredidos” AUTOMÁTICAMENTE , ao fim de 3 anos???? Sejam bons ou maus? Assiduos ou relapsos???? Não acredito…»

    Caro ROLF, *todos* os funcionários públicos têm actualmente a progressão na carreira suspensa. Pretende que não sabia?

    Gostar

  18. 27 Março, 2008 17:12

    Gabriel,

    O aumento da despesa pública não tem de ser aferido em função do PIB?
    No Público, numa caixa que assinala a redução histórica do défice para o valor mais baixo dos últimos 30 anos, diz que a despesa também deu o seu contributo com uma diminuição do seu peso no PIB de 0,5%.
    Deixem-se de tretas e dêem mas é os parabéns ao nosso PM, está bem.

    Gostar

  19. NMCAF permalink
    27 Março, 2008 17:20

    Este blog devia deixar de se chamar “Blasfémias” e mudar para “Postas de Pescada”, está mais de acordo com a qualidade geral dos posts.

    Gostar

  20. Gabriel Silva permalink*
    27 Março, 2008 17:23

    Rb,

    Se aumentar a despesa e também aumentar a receita, se esta for maior, o peso da despesa desce percentualmente no todo. É o que dizem os números oficiais.
    Mas é o contrário de qualquer «reforma estrutural».

    Gostar

  21. 27 Março, 2008 17:42

    Ainda que por momentos venha alguém tentar explicar o que são preços constantes e preços correntes, fazendo o correcto ajuste da despesa com a taxa de inflação, isso de nada serve contra a enxurrada de desinformação dos outros comentários.

    mais à frente: ” cada contabilista um mentiroso” sem comentários, porque é óbvio que desconhece do que trata a profissão. Mas eu percebo o atalho mental que usou, recusa-se a compreender o carácter subjectivo das contas com um “o que é, é.. e o que não é, não é.” e esquece-se que existe uma “coisa” chamada valorimetria e que a “contabilidade histórica” é passado, já não serve nem se aplica. Os números hoje, têm de exprimir tanto quanto possível o presente e o futuro e como de certo compreenderá, a expectativa no futuro é subjectiva.

    “O custo é uma realidade, o lucro é uma opinião”

    Daqui não fugimos, mas se não podemos confiar nos números dos contabilistas, Estados, organizações (esses mentirosões!).. então confiamos em quais?! Nos seus?!

    Gostar

  22. 27 Março, 2008 17:43

    «Deixem-se de tretas e dêem mas é os parabéns ao nosso PM, está bem.»

    Porquê? Por ter o défice baixado graças ao aumento de vários impostos, ao fechado de vários serviços e não haver actualizações salariais na FP há 3 anos?

    Gostar

  23. Espada permalink
    27 Março, 2008 18:19

    Este governo está a encobrir o défice com impostos e esquece-se de dizer que impostos assim altos não podem durar muito tempo. Quando baixarem, o défice sobe, ou então não baixam e estoura-se com a economia, baixando quando já for tarde demais e outro governo estiver à porta. Esta é a diferença entre governar para a estatística de hoje ou para o Portugal de amanhã, e os olhos estão postos no Largo do Rato, em mais lado nenhum.

    Gostar

  24. Luis Moreira permalink
    27 Março, 2008 19:28

    Akula

    O deficit calcula-se á volta de uma mesa! Tal como o lucro na maior parte das empresas!

    Gostar

  25. lucklucky permalink
    27 Março, 2008 19:55

    As reformas estruturais foram o aumento de impostos e o estancamento do descontrolo do tempo Guterrista, agora temos um despiste controlado contra uma parede mas não impedirá que batemos… Mas não há nenhum partido que escapa. Da extrema esquerda á extrema direita são todos social-estatistas.

    Gostar

  26. Joaquim Amado Lopes permalink
    27 Março, 2008 21:19

    Procurei a fonte dos dados apresentados mas não encontrei. Alguém pode postar o link?
    Obrigado.

    Gostar

  27. honni soit qui mal y pense permalink
    27 Março, 2008 21:57

    Akula !!!

    Mas conheço!!! Modestamente, lhe afianço.
    Todos os anos vejo como se faz o Balanço e Demonstração de Resultados … é o que se quer .Á medida.
    “Não cabimente essa despesa este ano senão tamos lixados no saldo da conta de gerência, ponha da conta tal a tal para disfarçar e etc e tal .”E ARRANJE-SE UMA AUDITORIA PARA TUDO CONFIRMAR .
    Orçamentos ???? Inflacionem a receita, para manter um nível de despesa que não podem ( ou querem ) diminuir.
    Muda a administração , o anterior director financeiro era um aldrabão.Sanção ??? Prateleira .É que sabe de mais o cabrão.
    Ainda está para nascer o “contabilista” em quem possamos acreditar.Mas se é tudo expectativas ?
    Valometria ???? sabemos lá o que é isso .Palavras para enganar tolos .Invoque-se uns palavrões que eles agacham-se logo .

    inter pares. capelinhas. á medida.

    é tudo subjectivo … até o subprime … brigadinho … não fossem os united acountable of this fucking earth estavamos bem pior …

    caracter subjectivo das contas … mmmm …. então podemos exprimir o presente em que somos pobres, e ter uma expectativa do futuro em que somos ricos … expectativas esses seus numeros … é como trabalha este Governo

    muito exacto .

    veja lá , se não o chamam para a auditoria de expectativas !!!!

    passar bem

    Gostar

  28. honni soit qui mal y pense permalink
    27 Março, 2008 21:58

    again

    “cada contabilista um mentiroso”

    Gostar

  29. Anónimo permalink
    28 Março, 2008 11:20

    comentário 14
    sugere o quê? que os funcionários públicos deviam trabalhar de graça? ou que deviam ser desnacionalizados?

    Gostar

  30. Anónimo permalink
    28 Março, 2008 11:24

    comentário 24
    … e, depois, é tudo uma questão de credibilidade do cálculo.

    Gostar

  31. 28 Março, 2008 11:33

    Se tem essa opinião geral de todos os contabilistas, então tem.
    Não posso fazer nada, nem tenho algum interesse em convencê-lo do contrário. Embora goste desse tipo de filosofia: um contabilista é desonesto – então são todos. Um professor é honesto – então são todos.

    Passar bem então.

    Gostar

  32. honni soit qui mal y pense permalink
    28 Março, 2008 16:01

    A ciência dos numeros é que é ora vista como pouco exacta , e sujeita a resultados á medida conforme pede o sponsor.
    Acaso os critérios fossem uniformes , irrefutáveis e a prova de manobralidades pelos balanços, os profissionais do oficio estavam sem mácula perante nós todos .
    Mesmo assim há quem por aí discuta os dados fornecidos como verdades absolutas…mas de facto passado um tempinho acabam por não se entender com os mesmos .Afinal a coisa não é lá muito sólida ou é ?
    Agora assim ? Vamos acreditar em quem ? Quando convem vomitam que é no Eurostat que devemos acreditar.Vamos mais para cima então como nestas coisas parece que o mérito é aferido pela altitude da instituição.
    Deus ?

    Gostar

Trackbacks

  1. Confusão estrutural (II) « O Insurgente
  2. A ideologia Fiscal Portuguesa | Ganhar dinheiro na Crise

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: