Skip to content

Independentemente de tudo

12 Agosto, 2008

ninguém é responsabilizado por levar uma criança para um assalto?

Anúncios
134 comentários leave one →
  1. Minhoto permalink
    12 Agosto, 2008 16:02

    Na mouche!

    Gostar

  2. O Silva permalink
    12 Agosto, 2008 16:05

    Na opinião do seu colega de blogue, JMiranda, não é isso que está em causa… o que está em causa é o tiro da GNR! O resto é secundario!

    Nos media, alinham todos pelo mesmo, dá mais enfase dizer “A GNR atingiu uma criança” do que “uma criança que estava a roubar com o pai e o tio, foi atingda pela GNR”, é tudo uma questão de expressão…

    Gostar

  3. Lol permalink
    12 Agosto, 2008 16:07

    Para o JM a responsabilidade da criança estar lá foi da GNR…ou do GOE

    Gostar

  4. 12 Agosto, 2008 16:19

    No meio de outras afirmações, já tinha afirmado isso mesmo:
    http://eusouogatomaltes.blogspot.com/2008/08/uma-histria-de-violncia-vi.html
    Cumprimentos
    JC

    Gostar

  5. carlos permalink
    12 Agosto, 2008 16:26

    “Protegem-se” os grandes criminosos, os corruptos e os traficantes, e matam-se a tiro os pilha galinhas”
    Tivessem os governantes tanta “coragem” para combater a corrupção, os tráficos, as lavagens de dinheiro e a grande criminalidade, como tem para mandar matar os ladrões de galinhas, e viveríamos num mundo mais justo e mais desenvolvido. Infelizmente, também no combate à criminalidade, temos um governo FORTE com os “fracos” e FRACO com os “fortes”…

    Gostar

  6. 12 Agosto, 2008 16:32

    Salvo melhor opinião, parece que finalmente se começa a discutir as coisas sérias desta república das bananas.

    Obrigado.

    Gostar

  7. goodfeeling permalink
    12 Agosto, 2008 16:34

    Ora aí está a pergunta que se deve fazer.Diga ao JM para ler, para ele ver como se faz perguntass inteligentes.

    Gostar

  8. gordo permalink
    12 Agosto, 2008 16:34

    Um menino de onze anos têm agilidade que dá para escalar e entrar por um postigo onde um adulto não cábe.
    Uma vez dentro é só abrir a porta e os adultos fazem o trabalhinho.
    O armazem de materiais de construção estava instalado dentro de uma vacaria?

    Gostar

  9. Minhoto permalink
    12 Agosto, 2008 16:38

    Infelizmente usam crianças nos assaltos pois são elas que conseguem entrar por sítios em que um adulto não consegue.
    O Carlos têm um pouco de razão mas não exagere.

    Gostar

  10. carlos permalink
    12 Agosto, 2008 16:42

    «É no secretismo dos gabinetes que germinam os maiores crimes de urbanismo e ordenamento do território. Mas não há nada de subterrâneo nas suas consequências: as provas do crime estão bem visíveis. Os edifícios estão aí, entram-nos pelos olhos dentro. Por que não actua, então, a justiça? Na origem das mais escandalosas fortunas, a grande corrupção urbanística parece definitivamente instalada e é a que tem maior expressão económica. …»
    Paulo Morais, Jornal de Notícias, 06 de Agosto de 2008.

    E se as forças policiais começassem a “abater” estes criminosos, que diriam?

    Gostar

  11. 12 Agosto, 2008 16:49

    Há quem diga que andavam ao ferro-velho, aos restos, mas também parecia mal dizer que mataram uma criança por andar aos restos.

    Gostar

  12. 12 Agosto, 2008 16:52

    De pequenino é que se torce o pepino!

    PS Não temos qualquer prazer na morte de uma criança infeliz.

    Gostar

  13. carlos permalink
    12 Agosto, 2008 16:54

    É certo que os TODOS os criminosos devem ser responsabilizados e punidos pelos actos que praticam.
    O que julgo estar em causa é a forma da actuação policial. Será que foi proporcional e ajustada às circunstâncias? Se, um dia destes, algum de nós não parar, por distracção ou outro motivo qualquer, num sinal STOP será que consideraria justo levar com um tiro na nuca?

    Gostar

  14. Aldina permalink
    12 Agosto, 2008 16:56

    A ciganada é solta para voltar ao gamanço. Isto é que é racismo. Aposto se fosse branco trabalhador ficava detido!

    Gostar

  15. Schrodinger permalink
    12 Agosto, 2008 16:57

    Cara Helena,

    Mas responsabilizado porquê?
    Fazer um assalto (e levar uma criança) tem sido um passatempo perfeitamente seguro até ver. O GNR é que foi excessivamente zeloso e tentou, vá, dificultar o a vida dos senhores. Poderá ter contribuido o facto de o terem tentado atropelar e balear, mas ainda assim nada justificava este perder de compostura.
    A polícia nem devia andar armada porque isso pode contribuir em grande medida para a morte de terceiros. E matar é errado.

    Normalmente concordo com o João Miranda. Sigo o que escreve há anos e reencaminho frequentemente os seus posts para amigos. Neste caso não concordo.
    Às vezes a fábrica faz peças defeituosas. As peças defeituosas põem-se ao jeito e acabam por ser eliminadas. Não há qualquer drama.

    Gostar

  16. 12 Agosto, 2008 16:59

    Qualquer dia, uma dessas pessoas que deve milhões ao fisco, ao sair de casa tem a mira de um sniper na testa.

    Gostar

  17. permalink
    12 Agosto, 2008 17:00

    Com 13 anos um cigano não é uma criança.

    Gostar

  18. 12 Agosto, 2008 17:00

    Essa pergunta, já eu a fiz, ontem, a Mr. JMiranda. Não respondeu.

    Gostar

  19. carlos permalink
    12 Agosto, 2008 17:02

    “As peças defeituosas põem-se ao jeito e acabam por ser eliminadas…”
    Já houve quem praticasse essas ideias. A sua loucura chegou mesmo ao extermínio de milhões de “peças defeituosas”. Não consta que tivessem conseguido criado uma sociedade melhor e mais justa.
    Antes pelo contrário.

    Gostar

  20. Justiniano permalink
    12 Agosto, 2008 17:05

    Não!!
    Só se tivesse deixado a criança sózinha em casa enquanto ia trabalhar!!

    Gostar

  21. carlos permalink
    12 Agosto, 2008 17:12

    LADRÕES

    «Navegava Alexandre Magno numa poderosa armada pelo Mar Vermelho, com o intuito de conquistar a Índia. Numa das aldeias conquistadas, trouxeram à sua presença um pirata, que por ali andava a roubar os pescadores. Alexandre repreendeu-o com severidade por andar em tão mau ofício; porém, o pirata, que não era medroso, nem lerdo, respondeu assim: Basta, Senhor! Só porque eu roubo numa barca, sou ladrão, e vós, porque roubais com uma armada, sois imperador?

    Assim é. O roubar pouco é culpa, roubar muito é grandeza. O roubar com pouco poder faz os piratas, o roubar com muito, os Alexandres.
    O ladrão que furta para comer, não vai nem leva ao inferno; os que não só vão, mas levam, de que eu falo, são outros ladrões de maior calibre e da mais alta esfera; […]. Não só são ladrões, os que cortam bolsas, ou espreitam os que vão se banhar para lhes colher a roupa; os ladrões que mais própria e dignamente merecem este título são aqueles a quem lhes é dado o governo dos estados, ou a administração das cidades, ou ainda a representação do povo, os quais com astúcia e malícia, já com o poder, roubam e despojam os povos. Os outros ladrões roubam um homem, estes roubam países e cidades; os outros furtam debaixo do seu risco, estes sem temor nem perigo; os outros se furtam são enforcados; estes furtam e enforcam.

    Diógenes, que tudo via com mais aguda vista que os outros homens, viu uma grande tropa de políticos e ministros da justiça levar uns ladrões para a forca, e começou a bradar: Lá vão os ladrões grandes a enforcar os pequenos! Afortunada Grécia que tinha tal pregador! E mais afortunadas as outras nações, se nelas não sofre a justiça as mesmas afrontas. Quantas vezes, se viu em Roma, enforcarem um ladrão por ter roubado um carneiro; e no mesmo dia ser levado em triunfo um cônsul, ou ditador, por ter roubado um país.»

    (Padre António Vieira)

    Essa história do “roubar pouco é culpa, roubar muito é grandeza”, está a fazer escola em PORTUGAL, sobretudo nestes últimos anos.
    SALVE-SE QUEM PUDER!

    Gostar

  22. OLP permalink
    12 Agosto, 2008 17:18

    O Carlos….. isso É a historia de Portugal.
    Leia José Matoso ..a pilhagem.

    Gostar

  23. joao permalink
    12 Agosto, 2008 17:22

    Mas foi assalto? Só quando o juiz decidir, até lá são inocentes!!

    Gostar

  24. 12 Agosto, 2008 17:28

    Bom, esta pergunta da HM ainda tem mais piada.

    Imagino que ela conheça algum artigo do Código Penal onde venha escrito algo como: se roubar não transporte criança consigo.

    Fora isso, se levava cinto de segurança ia legalmente dentro de um automóvel.

    O máximo que poderia acontecer era responsabilização por risco, caso se provasse que os ditos ciganos iam armados, fizeram um assalto e dispararam com uma criança dentro do carro.

    Mesmo por excesso de velocidade nem sei se a lei aumenta a pena em função de transporte de criança.

    Gostar

  25. 12 Agosto, 2008 17:38

    Não há inocentes em Portugal. Não há ninguém que numa ou noutra ocasião não tenha já cometido delito. Por mais pequeno. A pedra atirada em miúdo à janela do vizinho, o chocolate furtado com amigos de escola no super do bairro, o conduzir o automóvel, depois de uns copos com uns amigos, o fugir ao imposto o mais que se puder, o trabalhar no negro, enquanto se recebe do desemprego. Isso da inocência dura um ou dois anos depois de se sair dos fundilhos da mãe. E todos estes não merecem o tiro do sniper. Mas o rapaz que estava ilegal no nosso país, por mais que a família lá longe diga que era um santo trabalhador, chega um dia e encosta a arma à cabeça de outrém por 10 mil euros, esse sim, talvez mereça. E dos outros que por aí falam, que desviam milhões, fruto do suor do povo, merecem não a bala, mas a prisão, juntos com os mais desprezados da sociedade, para que se faza a justiça dos ladrões, entre ladrões. Que não é branda.

    Gostar

  26. 12 Agosto, 2008 17:40

    Quantas mães nos supermercados, não se aproveitam dos filhos para roubar ?
    É que os miúdos têm uma tendência do caraças para agarrarem tudo o que está nas prateleiras.
    Também é certo que às vezes as mães nem se dão contam e só reparam em casa.

    Gostar

  27. 12 Agosto, 2008 17:41

    Com os pais acontece o mesmo.

    Gostar

  28. 12 Agosto, 2008 17:41

    Lei 147/99 de 1 de Setembro.

    Gostar

  29. Anónimo permalink
    12 Agosto, 2008 17:50

    “Protegem-se” os grandes criminosos, os corruptos e os traficantes, e matam-se a tiro os pilha galinhas”

    Se calhar para os donos das galinhas é preferivel assim

    Gostar

  30. 12 Agosto, 2008 17:52

    -Não deveria ser bem um assalto, mas uma formação escolar de Verão, assim ao género Novas Oportunidades no mundo do crime. A GNR é que foi pouco tolerante, aliás, o militar deveria ser expulso da corporação, por práticas xenófobas e racistas. Sendo os assaltantes ciganos, o BE já apareceu a querer debater a questão no parlamento. Os militares alegaram ter julgado ver uma arma na janela da viatura, ESTAVA uma arma no banco de trás da viatura, mas isso não deve estar relacionado.

    Gostar

  31. 12 Agosto, 2008 17:54

    Pois é, Helena, quando se discutem estas coisas o mundo parece-me virado ao contrário.Quando eu esperava que essa pergunta fosse feita por pessoas com quem normalmente estou de acordo, eis que ela surge de uma pessoa de quem discordo com frequência.
    Tocou no ponto certo que alguns querem escamotear. Leva-se um criança para um assalto e as pessoas acusam a GNR? Haja tino!
    Relato hoje, no meu blog, um assalto miserável feito por dois matulões a uma criança de 14 anos. Ontem, à porta de minha casa, no Lumiar, em pleno dia! Se quiser dar uma espreitadela, será bem vinda.

    Gostar

  32. goodfeeling permalink
    12 Agosto, 2008 17:55

    Zazie, leia e não fale de cor:

    Lei 147/99

    n.º2 do Artº 3 do Anexo a Lei:

    2 — Considera-se que a criança ou o jovem está em
    perigo quando, designadamente, se encontra numa das
    seguintes situações:
    a) Está abandonada ou vive entregue a si própria;
    b) Sofre maus tratos físicos ou psíquicos ou é vítima
    de abusos sexuais;
    c) Não recebe os cuidados ou a afeição adequados
    à sua idade e situação pessoal;
    d) É obrigada a actividades ou trabalhos excessivos
    ou inadequados à sua idade, dignidade e situação
    pessoal ou prejudiciais à sua formação ou
    desenvolvimento;
    e) Está sujeita, de forma directa ou indirecta, a
    comportamentos que afectem gravemente a sua
    segurança ou o seu equilíbrio emocional;
    f) Assume comportamentos ou se entrega a actividades
    ou consumos que afectem gravemente a sua saúde, segurança, formação, educação ou
    desenvolvimento sem que os pais, o representante
    legal ou quem tenha a guarda de facto
    se lhes oponham de modo adequado a remover
    essa situação.

    ainda continua a rir?

    Gostar

  33. 12 Agosto, 2008 17:59

    Digo semelhante amanhã no CM. Ainda bem que não estou tão só como pensava.

    Gostar

  34. Zenóbio permalink
    12 Agosto, 2008 18:01

    Helena Matos,

    A opção seria deixar a criança em casa, quem sabe na rua, correndo-se o risco de poder andar com más companhias.

    Gostar

  35. Luis Moreira permalink
    12 Agosto, 2008 18:04

    A pergunta da helena esgota o assunto.Ainda há pouco tempo um agente acertou na nádega de outro agente.Quem já disparou armas de fogo sabe que é uma lotoria.O maior perigo,geralmente,vem dos companheiros do lado.Só ficamos admirados porque o nosso padrão são os filmes americanos.A última chance,a última bala.Entre os olhos.Com o carro em andamento!

    Gostar

  36. salvaterra permalink
    12 Agosto, 2008 18:21

    Cara Helena Matos, a algumas cabeças pensantes, merece mais reparos os pais levarem crianças às touradas, que eu até detesto, que questionarem-se sobre a pergunta que faz.
    Quando ouvi as notícias e como agora o politicamente correcto oblige, como nunca mencionaram de quem se tratava e ainda agora omitem, pensei para comigo, mas assaltantes mais irresponsáveis que até levam crianças para os assaltos. De pequenino se torce o pepino e se lhes ensina a “arte” de roubar, concluí o meu pensamento.
    Mas, hoje ao ver quem eram os que estavam à volta do Tribunal, encostados em Mercedes topo de gama e de chapéu na cabeça, onde foram ouvidos os assaltantes, é que percebi por que raio levaram uma criança para o assalto. Está tudo explicado. É muito precocemente que eles entram nestas lides.
    Irresponsabilidade cara Helena Matos?
    Já sabemos que quem foi irresponsável foi o GNR que disparou, vai ver.

    Gostar

  37. 12 Agosto, 2008 18:30

    Sim, já li a lei.

    Mas responde a quê?

    Que há aumento de pena a condutor em excesso de velocidade no caso de transportar criança?

    Se é isso, ainda bem. Disse que desconhecia.

    Agora neste caso do exemplo surrealista da HM não imagino o que ela esteja à espera que a lei diga.

    Gostar

  38. 12 Agosto, 2008 18:30

    E se em vez de Mercedes fossem Fiats Uno ?

    Gostar

  39. 12 Agosto, 2008 18:32

    Continuo a rir, pois.

    E se v. for ao outro post onde me fez a pergunta tonta se eu defendo maior laxismo da lei, então rebolo-me.

    É que v. nem lendo mil vezes entende o que se está a dizer.

    Neste caso, por exemplo, continua toino. E não vou ser eu quem lhe vai estragar a alegria na toinice.

    Gostar

  40. joao permalink
    12 Agosto, 2008 18:36

    Blasfemos, uns posts sobre a trapaça abertura olimpica, com falsos fogos de artificio, e playbacks? Para varias de balas e morte, a ilusão chinesa.

    Gostar

  41. 12 Agosto, 2008 18:38

    Na alínea e) dá ideia que a lei poderia acrescentar pena no caso de um automobilista em excesso de velocidade transportar criança consigo.

    Mas, mesmo nesse caso, não bastava essa alínea. E tenho sérias dúvidas que haja penalização pelo facto.

    De qualquer modo, se alguém souber pode deixar a informação.

    Agora do que tenho a certeza é que não existe nenhuma lei que diga que não se deve levar criança para roubo

    eheheh

    E, se não houver prova de nada, resta saber se a criança ia com cinto de segurança dentro do carro.

    Questão que não imagino em que alteraria o facto de ter levado com um tiro por parte da GNR.

    “:O)))

    Gostar

  42. 12 Agosto, 2008 18:43

    Do nada que sei acerca destas tretas, sei em que consiste o dolo. Foi até explicado no caso da Maddie.

    Se a situação não representa perigo, pode haver muita coisa e até desleixo mas não ´há dolo.

    Por exemplo- o cinto de segurança é dolo porque se sabe que não o usar pode ter como consequência ferimento ou morte.

    Outro- deixar uma criança à beira da piscina- é dolo, porque se sabe que existem grandes probabilidades de ela poder cair e morrer afogada.

    Agora levar para um assalto é que é mesmo fenómeno tão engraçado, quanto a necessidade de se saber que acto perigoso fizeram eles onde participou uma criança

    “:O)))

    Gostar

  43. Miguel permalink
    12 Agosto, 2008 18:44

    “Se, um dia destes, algum de nós não parar, por distracção ou outro motivo qualquer, num sinal STOP será que consideraria justo levar com um tiro na nuca?”

    Novo dicionário

    Sinal STOP = Agente GNR

    Nao parar = Por se em fuga

    Gostar

  44. 12 Agosto, 2008 18:58

    Por exemplo, deixar um carro mal estacionado com uma criança lá dentro, pode agravar a multa ?

    Gostar

  45. salvaterra permalink
    12 Agosto, 2008 19:12

    Fiats Uno? Já viu algum cigano nos dias de hoje com um Fiat Uno?
    Mercedes topo gama e aposto que tinham o Rendimento de Reinserção Social só para o gasóleo.

    Gostar

  46. Miguel permalink
    12 Agosto, 2008 19:16

    Fazer um assalto, tentar atropelar um GNR, por se em fuga e por “coisas” a janela pode ser considerado dolo?

    Gostar

  47. 12 Agosto, 2008 19:22

    A Zazie e o Piscoiso são os mestres do argumento sócratico.
    Com um bocadinho de tempo vão acabar por demonstrar que quem ia roubar eram os GNR’s e que os ciganos, coitados, andavam ali a mostrar à criança como é que se dança com as estrelas no céu.

    Gostar

  48. 12 Agosto, 2008 19:27

    Confunde-me a sapiência da Zazie.
    Graças a ela, ficámos a saber o que é dolo.
    E eu que pensava que dolo, dolo mesmo, é o atrevimento com que ela escreve sobre tudo – sem saber nada de coisa nenhuma.
    Haja paciência!

    Gostar

  49. Luis Moreira permalink
    12 Agosto, 2008 19:37

    A Zazie está a atacar em muitas frentes.Os erros que comete são dolo porque ela já percebeu que quem escreve sobre tudo e todos comete erros!Outro coisa seria se falasse menos e,mesmo assim, cometesse erros.Nesse caso seria desleixo.

    Gostar

  50. Anónimo permalink
    12 Agosto, 2008 19:45

    Carlos Diz no post no 19. qualquer coisa que me faz lembrar Iosif Vissarionovich Dzhugashvili aka Stalin; ou seria Adolph Hitler?
    Explique-se homem!

    Gostar

  51. Zazie permalink
    12 Agosto, 2008 19:49

    eu não sou a Zazie!

    Gostar

  52. 12 Agosto, 2008 19:57

    Eu continuo a defender que os agentes da GNR deviam era ter dado beijinhos aos senhores das minoria étnica, se os tivessem conseguido apanhar, antes de fugirem. Depois vinha o senhor da vacaria e reclamava que tinha sido roubado, e também ele levava beijinhos dos agentes. Ficava toda a gente feliz e a viver nesta utopia de esquerda.

    Aliás, não. Nas utopias de esquerda, a polícia nem é precisa, porque andam todos com t-shirts do Che, a ler as ideias do Marx, de mãos dadas, negros, ciganos, amarelos, imigrantes brasucas e ucras. E há dinheiro em partes iguais para todos, portanto não é preciso roubar, por serem todos ricos. E há distribuição grátis de comida, ou pelo menos senhas, porque nem toda a gente come ao mesmo tempo, claro. E como não há roubos, ninguém toma ninguém como refém, nem precisa que lhe façam o risco ao meio com uma sniper-rifle, para convencer a largar aquele cidadão que lhe serve de escudo numa mão, enquanto a mão segura a pistola, comprada nos sub-mundos do crime, premeditando a agressão e ameaça à vida de trabalhadores inocentes.

    Mas o raio deste país que não se parece de longe nem de perto com estas utopias comunistas…

    Gostar

  53. 12 Agosto, 2008 20:11

    Bom, vossências sabem insultar mas não explicaram nada. Em que é que eu estou errada?

    hummm?

    Alguém conhece um artigo de lei que diga que é proibido levar criança para assalto?

    V´, fico à espera. Porque v.s mandam bocas mas são incapazes de argumentar.

    O senhor Fado, diga lá. Em que é que o que eu escrevi pode depreender essa sua demagogia?

    Expliquem-se ó inteligências raras que até embadeiram em arco com uma bacorada destas da HM, pura e simplesmente porque são toinos.

    Gostar

  54. 12 Agosto, 2008 20:14

    Vs. andam para aí com reacções sentimentais e moralistas e depois dizem que os outros é que não sei quantos querem isto e querem mais aquilo.

    Onde é que eu escrevi que estava a ilibar ciganos, quando até fui eu quem disse que há politicamente correcto em tudo, incluindo na linguagem da HM que é quer fazer passar isto tudo por uma treta de “problema de valores”?

    hãããã?

    Quem é que diz aqui, com toda a frontalidade que temos 2 gravíssimos problemas em Portugal:

    Políticas de imigração e sustento de marginalidade com lei frouxa e criminosa, recentemente aliviada apenas para dar cobertura aos crimes dos políticos?

    Gostar

  55. Joe Bernard permalink
    12 Agosto, 2008 20:15

    Menos um que iria receber Rendimento Mínimo Garantido!

    Gostar

  56. 12 Agosto, 2008 20:17

    É isto que temos. O resto é resultado mais que previsível e que todos os juristas disseram que ia acontecer.

    A polícia passa a fazer o que a lei não faz. Apenas isto. E quanto mais se sustentar esta situação maior probabilidade das duas coisas sucederem em simultâneo- mais crime, mais “enganos” nas capturas policiais.

    Gostar

  57. 12 Agosto, 2008 20:20

    Agora a treta de se “responsabilizar por levar criança para assalto” é puro surrealismo.

    Nem assalto foi provado, houve perseguição de automóvel com criança dentro. A única questão é mesmo o cinto-de-segurança.

    Porque se me disserem que a existência de uma arma dentro do carro pode ser entendida na tal legislação de exposição de crianças a perigo, eu pergunto se é proibido praticar-se caça levando crianças para essa actividade tão pedagógica.

    Gostar

  58. 12 Agosto, 2008 20:22

    A tina ou a prima Aldina já andaram para aí a usurpar-me o nick. O comentário 51 não é meu.

    Gostar

  59. 12 Agosto, 2008 20:24

    Estes Articulistas e Moreiras, de facto são mesmo isto- burros a reagirem como os bimbos- a áliviarem as vísceras.

    E vou mas é por-me a milhas que não me agrada climas doentios quando as pessoas não querem pensar mas apenas vazarem a bilis.

    Gostar

  60. 12 Agosto, 2008 20:43

    Vs. parecem aquele mulherio histérico na praça: mata, esfola, malandro, se fosse eu arranva-lhe o escalpe- é matar a chungaria toda à pedrada, como fazem aqueles caralhos terceiro-mundistas islâmicos!

    Esses sim, esses têm lei e não admitem merdas destas!

    E nós só os bombardeamos para aprendermos um pouco daquele magnífico progresso civilizacional.

    Gostar

  61. Luis Moreira permalink
    12 Agosto, 2008 20:48

    Zazie não vaze,nós gostamos de si,e aquela de não ser proíbido levar uma criança para um assalto é de mestre. Eu quando falei em dolo estava a tentar compreender até que ponto o pai da criança é culpado.bem vistas as coisas só leveu um dos muitos que tem.Porra não é assim tão dolo!

    Abraço amigo

    Gostar

  62. 12 Agosto, 2008 20:51

    Mas que puta de merda, esta Zazie. Foda-se!

    Gostar

  63. 12 Agosto, 2008 20:57

    Vi agora o telejornal.
    Que belo Mercedes aquele onde os senhores ciganos embarcaram quando sairam do Tribunal.

    Gostar

  64. 12 Agosto, 2008 21:18

    Explique-me lá.

    V.a acha que poderia existir alguma lei que dissesse que era proibido levar criança para um acto criminoso?

    É que o disparate é apenas este.

    A lei só poderia condenar por outros motivos paralelos. E, para isso, tinha de haver provas de acto em que a criança tivesse sido exposta e isso constituisse o tal crime de exposição em situação de perigo, no sentido doloso. Ou seja- intencionalmente numa relação causal em que um dado comportamento pode ter como consequência dano para a criança.

    Foi precisamente isso que se debateu no caso do dito abandono da Maddie pelos pais. Porque deixar sozinha não tem como consequência um rapto. E não se pode depreender que não tivesse havido uma análise do acto, no sentido de garantia que ele dava.

    Já se tivesse sido deixada sozinha à beira de uma piscina, por exemplo- ou num local com lume aceso ou algo no género era diferente.

    Por isso, é claro que todos podemos dizer, da boca para fora, que grave foi os anormais dos ciganos ainda terem usado a criança para o assalto. Mas pouco mais. Porque, em termos legais, se ela foi baleada estando dentro de um carro, não há expsoição a mais nada que isso- só pode contar o excesso de velocidade ou a falta de cinto-de-segurança.

    E pode dar-se o caso de eu estar a dizer grandes asneiras, mas é o que me parece lógico. E ninguém contrapós nenhum argumento lógico

    Apenas ululam como as mulheres histéricas e pedem sangue e mais o resto do folclore a que isto chegou.

    E eu prefiro mil vezes os jogos escolásticos do João Miranda ao histerismo abrutalhado e acéfalo.

    Para esse é que escusam de contar comigo. Pode não parecer, mas sou cool. E tenho verdadeiro pavor a histerismos colectivos e ambientes de “julgamento popular”.

    Ou não tivesse eu vivido essa merda toda no PREC. Puro pavor do histerismo justiceiro das massas galvanizadas.

    Gostar

  65. salvaterra permalink
    12 Agosto, 2008 21:27

    Espero que os defensores dos assaltantes e que se têm mostrado mais preocupados com eles do que com os ficaram reféns, tenham visto a entrevista que acaba de passar na SIC à Drª Teresa Paiva, neurologista, que quis o destino ou o azar fosse uma das que esteve refém dos dois assaltantes ao BES.
    Como já muitos disseram, gostava era dos lá ver como reféns a ver se ainda diziam o que por aqui têm dito.

    Gostar

  66. 12 Agosto, 2008 21:33

    Isto é assim, não vale a pena- é tudo histerismo de mulherio- ou bem que se ulula por sangue ou então é-se apoiante de bandidos.

    O Cipolla tinha mais que razão- a estupidez é uma coisa muito perigosa.

    Gostar

  67. 12 Agosto, 2008 21:34

    “Os defensores dos bandidos”.

    Para se dizer isto basta ser-se analfabruto. Basta falar com as tripas.

    Gostar

  68. Anónimo permalink
    12 Agosto, 2008 21:49

    zazie…

    d)É obrigada a actividades ou trabalhos excessivos
    ou inadequados à sua idade, dignidade e situação
    pessoal ou prejudiciais à sua formação ou
    desenvolvimento;

    roubo será certamente um trabalho adequado, digno e de bastante formação pessoal, pelo seu ponto de vista.

    e) Está sujeita, de forma directa ou indirecta, a
    comportamentos que afectem gravemente a sua
    segurança ou o seu equilíbrio emocional;

    Assistir a roubos também.

    f) Assume comportamentos ou se entrega a actividades
    ou consumos que afectem gravemente a sua saúde, segurança, formação, educação ou
    desenvolvimento sem que os pais, o representante
    legal ou quem tenha a guarda de facto
    se lhes oponham de modo adequado a remover
    essa situação.

    Comportamentos ou entrega a actividades ou consumos que afectem a saude ou segurança educação não tem nada a ver com assaltos segundo o seu ponto de vista.

    Zazie, a sério, espero que saiba ler a lei. Acabe com as férias do seu neurónio, vá lá.

    A lei não ia por a palavra assalto, ou roubo, porque senão teria que defenir todos os actos que consubstanciassem.

    E dizem-se inteligentes. Fosgasse.

    Ou então vá de férias.

    Gostar

  69. 12 Agosto, 2008 21:54

    Explique lá em que alínea se pode enquadrar uma criança dentro de um carro.

    Porque a única coisa que se sabe é que houve uma perseguição a um carro de ciganos, suspeitos de assalto, onde ia uma criança na altura em que foi baleada pela GNR.

    Apenas isto.

    E que eu sei ler, v.s é que nâo têm mioleira dentro desse receptáculo que ainda vos vai permitindo orientar os dedos no teclado.

    Mas pouco mais. Copiam umas letras, e pronto- Chamam estúpidos aos outros.

    Conte-me lá os prodígisos do seu micro-chip que é capaz de pegar nestas letras e não é capaz de pegar no facto e metê-lo lá dentro.

    Gostar

  70. 12 Agosto, 2008 22:00

    Portanto(s) com pachorra que ainda tenho tempo.

    alínea d)

    “é obrigada a actividades e tal e coisa e mais roube e assim”

    – facto- uma criança dentro de um carro

    alínea e) estar sujeita de forma directa ou indirecta e coisas de equilíbrio emocional e segurança-

    facto- uma criança dentro de um carro, baleado por GNR

    alínea f) actividades e consumos e coisas assim

    facto- uma criança dentro de um carro.

    Então? como é?

    O facto foi uma criança dentro de um carro ou o facto foi uma criança dentro de um assalto no qual ninguém a viu?

    Gostar

  71. 12 Agosto, 2008 22:01

    Vá de férias, que lhe deve estar a fazer falta. Mas vá pela sombra que o Sol está quente e essa cabecinha sensível tem de ser tratada com muitos cuidados…

    Gostar

  72. 12 Agosto, 2008 22:06

    Porque essa lógica é mesmo uma delícia.

    Então ia Portugal inteiro de cana, se sempre que os pais fazem patifarias têm filhos e elas assistem

    eheheh

    Está visto que o melro fez o exercício ainda ao ralenti e confundiu a vacaria e os ciganos dentro do carro, com os assaltantes do banco.

    Era, de facto, um atentado à vida de uma criança levá-la para um assalto a um banco e ainda passar o dia num sequestro.

    Mas, antes de ser um atentado à vida da criança, era um atentado à inteligência de qualquer coisa que se mova e respire e se dê pelo nome de “gente”.

    Gostar

  73. 12 Agosto, 2008 22:09

    E agora é que vou mesmo que isto por aqui “mongolhou” de vez

    Gostar

  74. Mirando permalink
    12 Agosto, 2008 22:20

    “Se, um dia destes, algum de nós não parar, por distracção ou outro motivo qualquer, num sinal STOP será que consideraria justo levar com um tiro na nuca?”

    Pode ser pior que um tiro, podes levar com um carro nas nucas.

    Gostar

  75. Aldina permalink
    12 Agosto, 2008 22:21

    O truque dos ciganos é óbvio: levam o puto para ele morrer e a seguir lá vem a indemnização que os vai alimentar durante uns largos anos. A seguir engravidam novamente a patroa. É para compensar o baixo valor do rendimento mínimo e trocarem a carrinha Mercedes!

    Gostar

  76. carlos permalink
    12 Agosto, 2008 22:24

    E, já agora, alguém sabe dizer o que foi roubado, ou ia ser roubado?
    É que em tantas notícias e comentários ainda não vi esse assunto exposto com clareza.

    Gostar

  77. Rantaplan permalink
    12 Agosto, 2008 22:29

    Acabei de ver agora na RTPN. Então não é que os familiares desta ciganada os foram buscar ao tribunal num MERCEDES topo de gama. Estes filhos da puta ricos ainda iam roubar um pobre agricultor que trabalha 365 dias por ano e recebe meia dúzia de cêntimos por um litro de leite. Escroques de merda.

    Gostar

  78. 12 Agosto, 2008 22:38

    Sem esquecer de acrescentar que, como era de esperar, sem mais provas, foram postos em liberdade.

    aqui

    Portanto, o pai da criança que morreu tem apenas de se apresentar uma vez por semana. E dá para entender que é assim que ainda queriam que a lei lhe acrescentasse pena por morte do filho…

    E depois eu é que sou maluca…

    “:O.

    Gostar

  79. Zenóbio permalink
    12 Agosto, 2008 22:42

    Rantaplan

    Ou a Europcar estva a fazer uma promoção nesse dia, ou eles usaram os pontos da GALP. Não seja má língua SFF.

    Gostar

  80. Anónimo permalink
    12 Agosto, 2008 22:44

    Facto – um pai e o irmão dele foram numa carrinha realizar um assalto
    facto – levaram uma criança

    facto – os assaltantes foram apanhados no acto
    facto – estava lá uma criança

    facto – os assaltantes na fuga, tentaram atropelar um agente da GNR
    facto – fizeram isso na presença da GNR

    facto – os assaltantes tinham armas na carrinha
    facto – a criança estava na carrinha

    facto – os agentes da GNR desconheciam a presença da criança na carrinha.
    facto – dispararam para deter meliantes em fuga e que atentaram contra a sua vida
    facto infeliz – a criança foi atingida.

    Já agora, refira os factos todos e não só os que lhe interessa.

    Ou a criança apareceu por obra e graça de Deus na carrinha só quando a GNR disparou?

    Vocemessê tem cá uma lógica da batata.

    Gostar

  81. Pêndulo permalink
    12 Agosto, 2008 22:49

    Além da responsabilização dos pais pergunto-me se vão poder criar os outros filhos já que postram ser incapazes e colocarem crianças em perigo.

    Gostar

  82. Pêndulo permalink
    12 Agosto, 2008 22:49

    “postram” é “mostram”

    Gostar

  83. 12 Agosto, 2008 22:50

    ahahahaha

    O mongo ainda não entendeu que o facto já foi apurado- foi o facto de não haver prova de nada e serem todos postos em liberdade

    “:O))))

    Ca grande mongo, este gajo. QI com valor negativo superior ao do Polo Norte.

    Ora com alegados assaltantes, postos em liberdade e uma criança morta por um GNR, queria esta avantesma que o pai é que fosse punido por crime de dano no filho

    Já agora, consistia essa pena em quê? em ter de se apresentar duas vezes por semana, em vez de uma?

    Gostar

  84. 12 Agosto, 2008 22:52

    Não vale a pena. A estupidez é uma perda de tempo porque é coisa que ninguém tem culpa. Coitados, nascem assim, mongos. E, por muito que se esforçassem nunca conseguiriam produzir um raciocínio.

    A natureza é pior que a fuga ao fisco- tem gigantescas dívidas para com tanta gente…

    Gostar

  85. Zenóbio permalink
    12 Agosto, 2008 22:59

    Dona Zazie,

    Embora não seja eu a vítima, fico a imaginar a falta de chá necessária para que ao abrigo do anonimato, se insulte alguém.

    Gostar

  86. Tolstoi permalink
    12 Agosto, 2008 23:00

    Interessante verificar como após o assalto ao BES este Blog passou a versar o crime,e como essa temática tem gerado uma frequência significativa de comentários.
    Viva Agosto que é tempo quente.

    Gostar

  87. dragão azul permalink
    12 Agosto, 2008 23:14

    De facto o grau de desresponsabilização a que se promoveu o bom povo, raia o cúmulo do insuportável. Um indivíduo pode o pior criminoso, condenado e sentenciado em tribunal, pois é ele e quem dele está próximo que é transformado na superestrela do momento. Quer se saber quem era aquela pessoa até aquele momento, o que fazia na vida, qual era o seu circulo de familiares e amigos próximo. O objectivo é no fundo o de criar aquela ideia de que não está ali uma pessoa intrinsicamente má. A sociedade é que o corrompeu. Ora se tal é muitas vezes verdade, isso não justifica que se passe por cima dos direitos das vítimas ao seu próprio respeito e dignidade de ofendidos. Ora o que é que se vê. Indivíduos presumivelmente ou realmente criminosos a tirar vantagem do crime cometido, até mesmo escrevendo livros sobre a sua vida. Neste caso, se a polícia deve obvimente ser alvo de um inquérito que permita apurar o que aconteceu, o que deve ser feito a indivíduos de tal forma desprovidos de escrupulos e noção da realidade que levam um menor para, alegadamente, praticar um crime e, não satisfeitos com tal, desatam a fugir da polícia. Como deve caracterizar-se gente assim. Sob que critério for, estes “senhores” são tão ou mais responsáveis pela morte da criança, do que a polícia. Mas quem é o mau da fita? O do costume, já se sabe.

    Gostar

  88. Tolstoi permalink
    12 Agosto, 2008 23:22

    Charles Dickens tem descrições deliciosas dos pequenos ladrões. È assim no formato utilizando a figura de aprendiz que se começam as carreiras de gatunagem, e nem todos podem ter a sorte de ter um pai ou um tio como mestres, muitos coitados têm de ser autodidactas, ora sem orientador competente tudo é mais difícil pode eventualmente ter-se sorte com o arguente mas tem de se aprender com o erro o que sendo uma forma legitima de aprendizagem pode ser penosa. A questão é quando os mestres são incompetentes na arte da malandragem e não têm critério a começar pela selecção dos actos formativos para o grupo etário, esta questão é mesmo preocupante pois curricula desajustados podem ter estas consequências nefastas. Meus caros por amor de deus mais fiscalização por parte do estado.

    Gostar

  89. Anónimo permalink
    12 Agosto, 2008 23:42

    Ora numa vez se repudia o sistema jurídico que temos, noutra se apoia nele para afirmar as teses da treta, em que é que ficamos?

    Mas pronto, é aquilo que temos. Se pensa que vou chamá-la de amostra de ser protózoário de pensamento extramamente limitado, está enganada. Não vou descer ao seu nível e esgrimir razões como se fosse um miúdo de 5 anos. O que podia ser uma conversa demasiado inteligente demais para si.

    Gostar

  90. goodfeeling permalink
    12 Agosto, 2008 23:53

    O anónimo das 11.42 era eu.

    Gostar

  91. 13 Agosto, 2008 01:24

    Senhor Zenóbio, se é por isso eu insulto com outro nome e vossência há-de ficar mais tranquilo porque conhece a humanidade inteira que por aqui possa colocar um nome qualquer.

    Que tal se eu insultar assinando Zenóbia da Vida dada por Júpiter?

    Gosta? ficava mais tranquilo com o chazinho ou mesmo assim não lhe chegava e queria nº de cartão de crédito?

    “:OP

    Gostar

  92. 13 Agosto, 2008 01:26

    Mas tem razão. Quando as pessoas não compreendem não vale a pena chatearmo-nos por isso e insultar também não adianta nada.

    Passa-se à frente e poupa-se latim.

    Gostar

  93. 13 Agosto, 2008 01:30

    No seu caso o que é era capaz de responder a quem queria à força que alguém fosse responsável pelas consequências de um assalto sobre o filho morto, se ninguém lhe imputou qualquer assalto?

    Nada. Não havia nada a dizer desde o princípio e parva fui eu em querer explicar o que carece de qualquer necessidade de explicação.

    Gostar

  94. MigSil permalink
    13 Agosto, 2008 01:46

    Cara Zazie
    acho que não tem razão

    Antes de mais quero esclareçer que não sou advogado nem jurísta e de leis conheço as que sou obrigado a conhecer.

    Quanto a este caso, acho que:

    – Houve dolo da parte deles na morte da criança? Acho que sim
    – pode alguém ser responsabilizado por levar uma criança para um assalto? Acho que sim

    Porque razão penso assim? Os meus argumentos são os seguintes:

    Pela lei é um facto que só em tribunal se irá determinar se estes homens são culpados ou não do roubo no estaleiro e qual a participação da criança nesse acto.

    Portanto, vou deixar a questão do roubo para depois. Quanto à fuga à polícia: o facto da polícia nos mandar parar é sempre por razões relacionadas com a segurança de todos (pode ser por exemplo para avisar para algum perigo). Também não gosto, é chato, mas compreendo e aceito que seja assim.

    Quando uma autoridade (PSP, GNR ou outra) dá ordem de parar só há uma coisa a fazer: obedecer. Porque independentemente da forma como nos deslocamos (a pé, de bicicleta, automóvel, …), se não paramos, isso só por si corresponde a uma infracção grave e significa (no entender, neste caso, da polícia) que muito provavelmente temos alguma coisa grave a esconder.

    à parte 1 – Isto não é o mesmo que “por distração ou outro motivo qualquer não parar num sinal de Stop”. Embora não parar num Stop por “distração ou outro motivo qualquer” possa causar a morte a alguém (neste país acontece todos os dias). Esse crime tem por base a irresponsabilidade e a falta de civismo e não uma vontade deliberada de prejudicar alguém.

    Tanto quanto sei, por lei as autoridades têm que usar a força necessária para se fazer obedecer. Se alguém fugir da polícia a pé e sem arma nenhuma, a polícia pode, após fazer um tiro de intimidação para o ar, disparar sobre esse alguém para o fazer parar. Se não for assim, a polícia corre o risco de deixar de ser uma autoridade para passar a ser o “bobo da festa”. O problema não são as pessoas que respeitam os outros e cumprem a lei. O problema são as que não o fazem. Quem foge à polícia “sabe ao que se arrisca”.

    Quando a polícia manda parar um carro que desobedece e tenta fugir, quase atropelando um dos agentes, o caso toma dimensões especialmente graves. Há alguém que tome a decisão de fugir à polícia cumprindo todas as regras do código, recusando-se a por em risco todos os que circulem nesse momento junto de si, incluindo quem estiver no carro em fuga? O facto de tentar atropelar um agente é significativo da determinação (porquê tanta determinação) em fugir sem olhar às consequencias.

    Falo por experiência própria: um homem que ia a fugir à polícia passou um sinal vermelho, entre a faixa da direita e o passeio do mesmo lado (estavam carros parados no sinal vermelho na rua de onde ele vinha) e bateu no meu carro, na roda da frente do meu lado. Se me tivesse batido um décimo de segundo depois talvez eu já aqui não estivesse.

    Por isso quando se trata de uma fuga de carro a polícia só tem uma preocupação: pará-lo o mais depressa possível, usando as armas se necessário, para terminar com o risco que essa situação representa para todos. Isso é válido em Portugal e em qualquer país do mundo, em qualquer regime político, independentemente da cor política do governo.

    à parte 2 – Um ladrão que rouba milhões no conforto de um gabinete, não representa perigo de vida eminente para ninguém e, por isso, a polícia não dispara sobre ele. Mas se esse ladrão ao aperceber-se da chegada da polícia pegar numa arma ou fugir no seu carro desportivo a grande velocidade, provavelmente leva tantos tiros como qualquer cigano nessas mesmas situações.

    Concluindo: está por esclarecer em tribunal se os homens são culpados do roubo ao estaleiro e, sendo culpados, qual a participação da criança nesse crime. Se a criança paticipou nesse crime, mesmo apenas estando presente, ou sabendo o que se ia passar, isso pode ser considerado como incitamento ao crime.

    Ainda por cima, neste caso, tratava-se de uma criança de 12 anos e não um adulto. Por isso penso que levar uma criança para um assalto é crime, a menos que a criança tenha ficado no carro sem saber o que os adultos iam fazer. Tipo: espera aqui um instantinho que eu vou ali comprar pastilhas para a tosse.

    Instigar alguém a cometer um crime não é só por si um crime punível por lei? Penso que sim. Julgo que a lei não refere nenhum crime em particular, mas todos em geral e a pena penso que tem que ver com o crime que é instigado a cometer e os prejuízos que dele resultem.

    Quando os homens não obedeceram à polícia e fugiram, deliberadamente (são homens adultos, inputáveis, com a obrigação de saber as consequências dos seus actos) colocaram as suas vidas em perigo, a vida da criança e de todos com quem se cruzassem. Isso para mim, ultrapassa a questão do “simples” excesso de velocidade ou do cinto de segurança. Sabiam que seriam perseguidos e que a polícia iria usar a força para os impedir de fugir. Houve dolo da parte deles na morte da criança? Acho que sim.

    Partindo do princípio que são inocentes (até que um tribunal diga o contrário) quanto ao crime de roubo, se eles tivessem parado quando a polícia os mandou parar, a situação deles seria pior do que a em que estão agora? A situação em que estão é só da responsabilidade deles. Nunca da polícia.

    Cumprimentos

    Gostar

  95. goodfeeling permalink
    13 Agosto, 2008 02:06

    Loures: assaltantes acusados de crime de furto, resistência e coacção
    12.08.2008 – 18h52 Lusa
    O advogado de defesa dos dois homens suspeitos de um assalto a um contentor de materiais de construção em Loures revelou hoje que são acusados do “crime de furto e de resistência, e coacção sobre funcionário”. Os acusados foram ouvidos no Tribunal de Loures, tendo-lhes sido aplicadas a medidas de coacção de apresentação periódica às autoridades. O representante legal dos dois homens, Fernando Carvalhal, afirmou que “está satisfeito com as medidas aplicadas aos seus constituintes”, nesta fase do processo.

    Alguém leu ou ouviu as notícias á sua maneira. enfim. É como lhe convinha.
    Afinal sempre vão ser julgados por assalto.È que simplesmente foram apanhados em flagrante delito.

    Se A Sr.a Dr.a Eng.a Arq.a da Zazie se desse ao trabalho de ler poupava-se a si de escrever nulidades intelectuais e aos outros de terem que lhe responder.

    BEM HAJA e leia alguma coisinha. Não ouça só os duendes que tem na sua moleirinha pequenina.

    Gostar

  96. O Aprendiz de Jurista permalink
    13 Agosto, 2008 02:13

    Zazie

    Dê uma olhadela a isto:

    «Artigo 138º (CP)

    Exposição ou abandono

    1 – Quem colocar em perigo a vida de outra pessoa:

    a) Expondo-a em lugar que a sujeite a uma situação de que ela, só por si, não possa defender-se; ou

    b) Abandonando-a sem defesa, sempre que ao agente coubesse o dever de a guardar, vigiar ou assistir;

    é punido com pena de 1 a 5 anos de prisão

    2 – Se o facto for praticado por ascendente ou descendente, adoptante ou adoptado da vítima, o agente é punido com pena de prisão de 2 a 5 anos.

    3 – Se do facto resultar:

    a) Ofensa à integridade física grave, o agente é punido com pena de prisão de 2 a 8 anos;

    b) A morte, o agente é punido com pena de prisão de 3 a 10 anos.»

    Como vê existe mesmo.

    Gostar

  97. Zenóbio permalink
    13 Agosto, 2008 02:16

    Dona Zazie,

    Apesar dos seus insultos não terem sido dirigidos, custou-me ler num espaço aberto à discussão civilizada, as suas manifestações de mau gosto. Deve ser o seu carácter. Lamento profundamente.

    Gostar

  98. 13 Agosto, 2008 02:22

    Pois eu acho que não pode haver qualquer imputação de culpa legal.

    E não vou gastar mais latim a explicá-lo.

    Faz-se o seguinte. Apostamos. Apostamos e depois pergunta-se a um jurista e a questão está resolvida.

    Eu já dei os meus argumentos.

    Não houve prova de existência de qualquer criança sujeita a qualquer perigo grave que tenha enquadramento legal por parte dos tais pressupostos de falta de cuidados familiares.

    A única coisa de que há prova é que estava uma criança dentro de um automóvel em fuga, perseguido pela GNR.

    Quem disparou e a matou foi a GNR. O facto de ir uma criança dentro do carro nada tem de ilegal e muito menos de “dolo” por parte dos pais em qualquer das alíneas apresentadas.

    É tudo. Não tenciono voltar ao assunto e, se algum quiser faz-se uma aposta.

    Por mim apostava já um “mac book pro”

    Aceitam?

    (devo dizer que a última aposta que recusei na blogo estava ganha e era o mesmo mac. Mas não tive lata de a aceitar, ainda que ande a fazer olhinhos ao danado do portátil).

    Gostar

  99. 13 Agosto, 2008 02:25

    Ah, também ia um cão lá dentro. Não imagino se os defensores dos direitos dos animais também têm intenção de processar os ciganos por isso.

    A única coisa que sei é que os GNRs é que vão ter processo e já está aberto o inquérito.

    Gostar

  100. 13 Agosto, 2008 02:34

    Quanto ao choroso Zenóbio já concordei que tem razão. Eu devia ter passado o disparato ou feito logo a aposta.

    Agora anonimato é que está enganado. Singifica ausência de nome e eu tenho nome.

    Assim como tenho mail e respondo pelos meus actos. Já esperei até que um jornalista me accionasse um processo quando lhe fiz o triplo dos insultos por uma vergonha que ele fez a propósito do caso Maddie. E ainda a repetiu com cartas abertas no Aspirina B.

    Bem pude esperar sentada pelo processo. Passado uns meses confirmei a suspeita. Ele limitara-se a usar fuga de informação e fez uma cabala que lhe podia era ter dado direito a processo a ele mesmo.

    Por isso, é assim. Não costumo “disparar ao acaso” e no que é palermice de palavra gratuita é apenas isso, palavra gratuita, sem querer saber nada acerca de ninguém nem nunca devassar a vida de quem anda na blogosfera ou lançar calúnias e intrigas.

    Ninguém me pode apontar nenhuma desses actos e já cá ando desde o Pastilhas- muito antes da própria blogosfera aparecer.

    Gostar

  101. O Aprendiz de Jurista permalink
    13 Agosto, 2008 02:40

    ZAZIE
    «A única coisa que sei é que os GNRs é que vão ter processo e já está aberto o inquérito.»
    Numa coisa concordo consigo: é demagogia o ministro falar sobre o caso e, fazer público, ter mandado abrir inquérito.
    A razão é simples. O inquérito é disciplinar, para apurar dos procedimentos eventualmente não respeitados e quem o ordena, por dever, não deve ser o ministro, mas o superior hierárquico do guarda que disparou.
    Depois, há, alegadamente, vários crimes e uma vítima mortal, logo, o MP tem o dever de investigar.
    É isto que acontece.
    Todavia, poderá não ser de todo possível imputar, desde já, a morte do adolescente sem que primeiro se recolham indícios, com forte probabilidade de sucesso, para uma acusação de assalto ou de que tentaram, de facto, atingir um guarda na fuga.
    Repare que se o MP não conseguir provar que, os agora arguidos, assaltaram, nem que tentaram atropelar o guarda, então, também, não pendia sobre eles o dever jurídico de não expor o adolescente ao perigo porque inexistente.

    Gostar

  102. Chessplayer permalink
    13 Agosto, 2008 02:41

    Isto é o fim dos tempos, tal e qual como tá no livro dos livros. Só se salvam os que não têm na testa o 666.

    Gostar

  103. 13 Agosto, 2008 02:42

    Portanto, só para fazer contas:

    Temos aposta de mac book pro com:

    1- Goodfeeling

    2- Aprendiz de Jurista

    3- MigSil

    Mais alguém?

    Acho que vou subir a parada e incluir um Ipod Classic, também da Apple e dos branquinhos

    Aceitam? ou preferem doutra cor?

    Gostar

  104. 13 Agosto, 2008 02:44

    Aprendiz de Jurista:

    Já passámos a faze dos argumentos.

    Vamos na da aposta e só quero saber se a aceita-

    um Mac Book Pro e Ipod da Apple.

    Ok?

    Gostar

  105. 13 Agosto, 2008 02:45

    E não estou a brincar. Aposta é aposta. Com todo o sigilo incluído e caixa postal para a entrega.

    Gostar

  106. O Aprendiz de Jurista permalink
    13 Agosto, 2008 02:45

    Já lhe disse por que razão pode não ser imputável agora.
    Todavia, o inquérito via ter um fim.
    Aguarde até lá e não se precipite.

    Gostar

  107. O Aprendiz de Jurista permalink
    13 Agosto, 2008 02:47

    Ademais, já tenho ambos.

    Gostar

  108. 13 Agosto, 2008 02:50

    Aprendiz de Jurista:

    uh uh.. está aí?

    Parece que não percebeu a querela. A querela é que estes camaradas querem garantir que quem está sob punição legal por expor a criança ao perigo são os pais- o padrasto do miúdo que morreu.

    Está a entender?

    Não entra aqui GNR para nada.

    Estamos a apostar apenas a pena legal dos pais.

    Por isso é que eu até era capaz de subir a parada para uma viagem à Sicília- terrinha do meu querido bisavô

    “:OP

    Gostar

  109. 13 Agosto, 2008 02:51

    seu sortudo…

    E a viagem à Sicília? não aposta?

    Gostar

  110. O Aprendiz de Jurista permalink
    13 Agosto, 2008 03:00

    Desculpem, mas não estou a conseguir actualizar comentários.

    Gostar

  111. O Aprendiz de Jurista permalink
    13 Agosto, 2008 03:02

    ZAZIE
    Talvez, nem tenha de esperar tanto assim.
    Leia http://www.correiodamanha.pt/ agora!
    A ser verdade a ZAZIE acabou de ganhar umas massas comigo, mereço essa viagem, a expensas suas, e companhia.
    Lol

    Gostar

  112. El Comandante permalink
    13 Agosto, 2008 05:57

    “O pai de Paulo Salazar, rapaz de 13 anos que foi abatido a tiro pela GNR numa perseguição na zona de Loures, segunda-feira à noite, depois de a família ser apanhada a roubar, enganou ontem o tribunal. Identificou-se como José Lourenço, nome que consta no bilhete de identidade falsificado, mas na realidade chama-se Sandro. Fontes judiciais e policiais asseguram ao CM tratar-se de um foragido da cadeia de Alcoentre, por crimes de roubo, mas quando perceberam o juiz já o tinha ontem libertado”

    A culpa disto também é da GNR?

    Gostar

  113. goodfeeling permalink
    13 Agosto, 2008 08:27

    Questão inicial:

    “Ninguém é responsabilizado por levar uma criança para um assalto?”

    Opinião: Sim devia, porque existe lei e os actos praticados a deviam consubstanciar.Ou seja é uma opinião sobre um assunto, e sobre o que deveria ser licito acontecer.DEVERIA ser.

    Se o pai vai ser julgado sobre isso, não sei, se vai ser ilibado da acusação de assalto e das outras não sei. É provavel que não,pois foi apanhado em FLAGRANTE DELITO, mas estamos em Portugal.

    Até agora estão as duas partes envolvidas ou em julgamento, ou em inquérito. Ou seja, em termos de responsabilização do ocorrido estão em pé de igualdade. Até agora, segundo a lei portuguesa, saõ os duas partes inocentes. Ou não? Estar sugeito a inquérito é automáticamente

    E se os soldados da GNR for ilibados após os inquéritos e as averiguações em curso? Afinal não têm a culpa do acontecimento, ou para certas pessoas têm forçosamente que ter?

    É que o único facto até agora existente é que a criança morreu dentro de uma carrinha com uma bala.
    Podia ser da policia, mas também existiam armas dentro da carrinha. Será que morreu na altura? Não poderia estar já morta? etcaetera, etcaetera, etcaetera…nada foi provado até agora.

    Agora como opinião pessoal, repito, o pai e o tio deveriam ser responsabilizados pelo facto de levarem o míudo para o (odeio esta palavra) alegado furto.

    “A única coisa que sei é que os GNRs é que vão ter processo e já está aberto o inquérito.”
    Acrescente que ao pai e ao tio da criança foi aberto um processo judicial. Só por uma questão de imparcialidade.

    Gostar

  114. Justiniano permalink
    13 Agosto, 2008 09:07

    Em termos puramente académicos poderiamos por a hipótese de um crime comissivo por omissão por parte do pai da criança uma vez que não evitou a produção de um resultado emergente de um perigo em que a colocou quando este estava na posição de garante pela salvaguarda do seu filho…em concurso ideal com o tiro da GNR!!
    Talvez…

    Gostar

  115. Aldina permalink
    13 Agosto, 2008 09:20

    Está visto que o Cigano responsável pela morte do filho não irá cumprir a medida de coacção decretada pelo astuto juíz!

    “Pai da criança morta pela GNR era foragido da prisão de Alcoentre
    O pai da criança de 11 anos abatida a tiro pela GNR durante um assalto em Loures fugiu da prisão de Alcoentre há vários anos

    O homem que tentou assaltar uma vacaria em Loures apresentou-se ontem em tribunal com um bilhete de identidade falso, feito com os dados do seu irmão mas com a sua foto, escreve o Correio da Manhã.
    Depois, saiu do tribunal e desconhece-se agora o seu paradeiro, estando a Polícia Judiciária a investigar a fuga. Só depois de ter saído é que as autoridades se aperceberam da sua verdadeira identidade”.

    Gostar

  116. 13 Agosto, 2008 09:37

    Está tudo explicado: a Zazie é um tavesti do cigano.
    Ordem à polícia:
    “Cherchez la femme!!!”

    Gostar

  117. Miguel permalink
    13 Agosto, 2008 09:57

    Três mulheres grávidas, uma delas cigana, vão ao hospital para terem os filhos.
    Assim que nasce o primeiro, o médico dá-lhe a tradicional palmada no rabiosque. Nasce o segundo e dá-lhe na mesma a tal palmada.
    Quando nasce o ciganito, o médico espeta-lhe 5 valentes palmadas perante o olhar de raiva da mãe. Pergunta-lhe a cigana:
    – Doutor: aos outros só deu uma palmada, porque é que o meu filho levou cinco?
    Diz-lhe o médico:
    – Olhe minha senhora, e se ele não me tem largado o relógio do pulso, tinha levado muitas mais!!!
    Este ciganito creceu e fez-se homem. Era ele o ladrão foragido e que assaltou a vacaria.

    Gostar

  118. permalink
    13 Agosto, 2008 11:02

    JM, nenhum post sobre o facto do cigano-pai ser um foragido da cadeia de Alcoentre?

    Gostar

  119. 13 Agosto, 2008 11:41

    Então?

    Desapareceram todos?

    E a aposta?

    Que é feito da Miss Migsil- que até dizia que o cigano devia ser punido pelas consequências pedagógicas no futuro do filho morto?

    E o Goodfeeling? que é dele- o Goodfeeling que teimava que havia criança num assalto onde nenhum GNR a viu?

    E o Aprendiz? quer apostar ou continua a deixar links que nada dizem?

    A questão é tão básica que, de facto, o v problema é outro mas eu nem quero ser indelicada.

    Até o GNR se vai safar pelo mesmo motivo- não sabia que ia uma criança dentro da carrinha. Nunca a tinha a visto em parte alguma.

    O facto resume-se a isto- uma criança dentro de uma carrinha. Mais nada.

    Fico à espera da aposta dos casmurros que se agarram às palavras (neste caso a palavra “assalto” para quererem lá enfiar qualquer treta equivalente à frase da HM neste post.

    Gostar

  120. 13 Agosto, 2008 11:45

    Pois, entretanham-se com as mentes brilhantes das Aldinas que por mim tiro férias destas palhaçadas blogosféricas e é de vez.

    Isto esturrica a mioleira e perde-se mais tempo a aturar imbecilidades que a ginasticar o raciocínio com interlocutores com ideias.

    Gostar

  121. 13 Agosto, 2008 12:33

    É triste uma situação como estas.
    Uma inocente, lá está… agora o que me lixa, certamente, é o facto de o polícia que disparou poder ver-se em maus lençóis pelo disparo.

    Afinal, que autoridade tem a polícia em Portugal?
    Nenhuma…

    E depois queixam-me que o crime aumenta de dia para dia.. não me admira.

    É pena ter atingido uma criança. Coitada… não queria estar alii, quase garantidamente.

    Gostar

  122. permalink
    13 Agosto, 2008 13:44

    Com 13 anos já tinha filhos para sustentar. E os Mercedes topo de gama gastam muita gasolina.

    Gostar

  123. goodfeeling permalink
    13 Agosto, 2008 13:45

    E o Goodfeeling? que é dele- o Goodfeeling que teimava que havia criança num assalto onde nenhum GNR a viu?

    Ponto 1 – Para participar no assalto, não precisa da GNR a ver. Também não a viu na carrinha e afinal estava lá. Se os crimes só contassem quando a policia vê…. que bom que era.

    Ponto 2 – Para participar de um assalto, pode nem realizar o acto de roubar. Se fosse um adulto que tivesse ficado no veículo, seria cúmplice.

    Ponto 3 – Os factos são enquadrados pelo acontecimentos que os precedem. Em termos de lei podem agravar, diminuir a pena ou até ilibar o réu.

    Ponto 4 – resumir os acontecimentos à criança estava na carrinha… é tentar tapar os olhos com a peneira. Eu sei que sabe fazer o enquadramento dos factos:

    “Políticas de imigração e sustento de marginalidade com lei frouxa e criminosa, recentemente aliviada apenas para dar cobertura aos crimes dos políticos?”

    Ora aí estava um bom inicio. Agora tente relatar o que aconteceu neste fatidico caso. Eu sei que consegue. Alivia a sua moleirinha e faz-lhe bem.

    Gostar

  124. goodfeeling permalink
    13 Agosto, 2008 13:58

    E quanto à aposta. Por principio meu não faço apostas, nem no euromilhões. O Apple não me serve em termos laborais e por defeito embirro com portáteis.

    Outro facto interessante – “… por mim tiro férias destas palhaçadas blogosféricas e é de vez.”.
    Será que é uma mulher de palavra? a ver vamos… e queria apostar computadores….

    Gostar

  125. 13 Agosto, 2008 14:10

    Abriram as portas do Júlio de Matos?

    Só pode. Com tanto jurista deste à solta não admira que depois os bandidos é que legislem…

    Então queriam provar que a culpa da morte do rapaz foi da família?

    Está tudo louco. E ainda assinam como “Aprendizes” ou fazem listas de mercearia a dizer barbaridades…

    fónix! até o meu cão era capaz de ser mais inteligente

    Gostar

  126. 13 Agosto, 2008 14:17

    Ó Goofeeling, tenho o feeling que te agarras à garrafa logo pela manhã.

    É que nem no circo se assiste a um espectáculo deste teor.

    Gostar

  127. goodfeeling permalink
    13 Agosto, 2008 14:31

    hácomcadaum… ideias, opiniões, algumas? só achincalhar? seriamente, excusa de gastar o seu tempo. vá de férias.

    Gostar

  128. goodfeeling permalink
    13 Agosto, 2008 14:33

    Alegre-se as hostes:

    “Assaltantes disparam 5 tiros sobre PSP do Cacém

    O incidente aconteceu esta madrugada quando agentes da PSP do Cacém surpreenderam quatro assaltantes a furtar o interior da viatura.

    Quatro alegados assaltantes dispararam sobre elementos da PSP, mas sem lhes causar ferimentos, quando foram surpreendidos a furtar o interior de uma viatura, na madrugada de hoje, no Cacém, Sintra, adiantou à Lusa fonte policial.

    “Fomos vítimas de cinco disparos de quatro indivíduos. Não houve da nossa parte qualquer atitude coerciva, esclareceu a mesma fonte.

    Os disparos ocorreram na madrugada de hoje, em Vale Mourão, quando agentes da Brigada de Investigação Criminal da PSP do Cacém se preparava para abordar quatro homens que alegadamente estariam a tentar “furtar viaturas”.

    Os quatro homens, que ainda terão furtado o interior de uma viatura, conseguiram fugir. A PSP adianta estar a realizar “diligências” para proceder à sua detenção. ”

    Voltou tudo ao normal, neste país. Assim é que está tudo bem.

    Gostar

  129. MigSil permalink
    13 Agosto, 2008 15:39

    Cara Zazie,

    Eu não sou Miss, sou Mr. Se reparar começo o meu comentário anterior com (“… não sou advogado …”).

    Eu não disse que “o cigano devia ser punido pelas consequências pedagógicas no futuro do filho morto”. Nem sei bem o que isso significa. Mas se significa que os (eventuais) maus exemplos podem levar uma criança a praticar crimes isso parece-me evidente. Há pais biológicos a quem foi retirada em tribunal a guarda dos seus filhos menores por motivos dessa ordem.

    Volto antes de mais a repetir que concordo consigo num aspecto: só em tribunal é que se irá provar se aqueles homens (ciganos, arianos ou asiáticos para mim é igual) praticaram aquele assalto e qual a participação da criança nele.

    O que eu digo (é a minha opinião) é que quem leva uma criança para um assalto está, não só a dar um mau exemplo, como a incitá-la ao crime. “Consequências pedagógicas no futuro do filho”?! Trata-se de uma pedagogia com consequências no futuro imediato do filho. Acha que uma criança que assiste a assaltos desde os 12 anos só irá praticá-los após atingir a maioridade? (Também penso que só por ter maus exemplos uma criança não irá obrigatoriamente segui-los).

    Resumindo:

    1 – Á pergunta inicial da Helena Matos “ninguém é responsabilizado por levar uma criança para um assalto?”, a minha resposta é: acho que isso se pode tratar de incitamento ao crime, o que é punido por lei.

    2 – Fugir da polícia, desobedecendo a uma ordem de paragem, é crime. Quem escolhe fugir da polícia de carro sabe que será perseguido e que serão usados contra si todos os meios para evitar a fuga e que ela se prolongue. Quem foge está a assumir para si, para quem o acompanha e para todos com quem se cruze durante a fuga, todos os riscos dessa atitude, incluindo a perda de vidas (seja devido a tiros disparados durante essa perseguição, por despiste ou outro acidente qualquer).

    Neste caso em concreto digo: A) é preciso primeiro provar a autoria ou não do assalto e qual a participação da criança. Se se provar essa autoria e a participação da criança, logicamente os homens podem ser responsabilizados por isso.

    B) a morte da criança resultou da fuga. Sendo inocentes ou culpados no assalto, se tivessem obedecido quando a polícia os mandou parar a crinça não tinha morrido com um tiro disparado pela GNR. Escolheram fugir. Por isso acho que devem ser responsabilizados pela morte da criança.

    Quanto à aposta: embora esteja absolutamente convencido das minhas razões, não a aceito por várias razões:

    – não sei detalhes do que se passou. O primeiro caso tipo que referi não sei se corresponde ao que se passou neste caso em concreto. Quanto ao segundo, a fuga à polícia parece-me que de facto existiu.

    – A Zazie diz que “não houve prova…” eu concordo e acrescento: até ao momento, uma vez que essa prova só será feita em tribunal. Até ao momento não está provado coisa nenhuma (nem inocência nem culpa), presumindo-se a inocência até que em tribunal se prove o contrário.

    – não sou advogado mas, mesmo que fosse, teria que conhecer todos os detalhes deste caso e teria que ser eu o responsável pela acusação do Ministério Público. Há muitos motivos para que a acusação possa ser outra (p.ex.: acordos extra-judiciais por informações relacionadas com este ou outros casos, o advogado responsável querer orientar a acusação noutro sentido, não ser possível provar SEM MARGEM PARA DÚVIDA algum dos factos, etc.). Por isso não vou apostar numa acusação que pode nem sequer corresponder à responsabilidade dos actos praticados e ao que de facto aconteceu.

    – Não sou de apostas. E muito menos vou apostar baseado em meias verdades e suposições, sabendo que neste caso já morreu uma criança e que estão em causa vidas humanas.

    Cumprimentos

    P.S. – Não me considero dono de verdades absolutas (estou sempre pronto a admitir que estou errado).

    Gostar

  130. Tribunus permalink
    13 Agosto, 2008 17:58

    As forças policiais, tem que começar a atirar nos ladrões, que assim começaram a pensar 2 vezes, antes de fazer o assalto!
    Os governantes que tem policia na porta paga pelos contribuintes, esses não tem preocupações!O ministro da administração interna, hoje evocou a constituição para não justificar como soltam um cadastrado que está fugido vai para 8 anos! estes gajos merecem o ordenado?

    Gostar

Trackbacks

  1. Uma questão incómoda « O Insurgente
  2. Arrastão: Mais danos colateriais
  3. A força do hábito « O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: