Saltar para o conteúdo

Chegou a revolução, patética como as anteriores

15 Dezembro, 2008

Os jovens gregos andam a destruir propriedade privada pelas ruas gregas, provavelmente porque são jovens e inconseguentes. Mas há sempre quem queira dar conteúdo político ao niilismo da juventude grega. Por exemplo, no 5 dias explicam-nos que os jovens estão revoltados contra o desemprego, contra os salários baixos e contra o consumismo. Que aqueles jovens não consigam arranjar emprego não me surpreende. Eu também não estaria disposto a contratar delinquentes. O que eu não percebo como é que eles podem estar ao mesmo tempo revoltados contra os salários baixos e contra o consumismo. Quem é contra o consumismo quer um salário elevado para quê? Era bom que os ideólogos da revolta grega se decidissem por uma narrativa consistente.

59 comentários leave one →
  1. 15 Dezembro, 2008 01:59

    Compreendo a revolta e o ódio dos gregos em relação a um governo corrupto.

    Gostaria que um Pinochet emergisse daquela revolta.

    Muitos dos actuais politicos europeus, que mentiram descaradamente e enganaram todas as suas nações, merecem ser levados a um tribunal.

    Multa-se pacatos cidadãos por não entregarem a porra duma declaração informativa.

    Por que é não se julga cidadãos que enganam e exploram a comunidade e que levam os países literalmente à falência?

    Em Portugal o caso é muito mais dramático.

    Não me admira que qualquer dia os “nossos” governantes vão ver-se “gregos”!

    Assim espero e que Deus Nosso Senhor nos ajude quando chegar esse dia da limoeza e da libertação!

    Gostar

  2. Confrade permalink
    15 Dezembro, 2008 02:17

    Deus Nosso Senhor é tuga? Com esperanças assim não vamos lá. Os gregos sabem o que não querem, no entanto não sabem o que querem. Houvesse poder militar e por cá já se tinha feito uma revolução. Só não ficaria “bem” porque seria contra a democracia!

    Gostar

  3. 15 Dezembro, 2008 02:23

    Mr. João Miranda,

    O que está a ocorrer na Grécia, SE COMPARADO COM O QUE TEM ACONTECIDO EM PORTUGAL E PROTAGONIZADO POR GOVERNANTES E SEUS “AMANUENSES”, é pouco, muito pouco.

    Quer que lhe apresente casos, por cá ? Da justiça às autarquias, da banca às mega-empresas, tem sido um fartar vilanagem ! Claro que não protestam nas ruas — fazem-no nos gabinetes, em privado ou em matilha selecionada…

    Gostar

  4. 15 Dezembro, 2008 02:26

    Gangsters, Mr. JMiranda, gangsters engravatados ! Consegue perceber ? Quer admitir ?

    Por tal, não se admire perante mais protestos sociais violentos da “ralé” !

    Gostar

  5. Anónimo permalink
    15 Dezembro, 2008 02:43

    Tal como os “ideólogos” dos distúrbios do Outono de 2005, na banlieu parisiense…As histórias repetem-se (talvez desde 1968) e os “ideólogos” (quase sempre os mesmos) “ideológam” sempre da mesma maneira!

    Gostar

  6. 15 Dezembro, 2008 02:44

    O comentário anterior (anónimo) é meu!

    Gostar

  7. Anónimo permalink
    15 Dezembro, 2008 03:02

    O JM não percebeu mesmo nada do que se passa na Grécia. É natural, o JM raramente percebe o que quer que seja,

    Gostar

  8. Luis Moreira permalink
    15 Dezembro, 2008 03:08

    JM, é uma porra esta gente não compreende como você lhes quer bem!

    Gostar

  9. Amonino permalink
    15 Dezembro, 2008 03:37

    .
    a gente percebe, é o pavor que seja o rastilho para o resto da racaille europeia. De facto escusado, mas com tantas asneiras de “mais paistas que o papa” …. esperam o quê ?
    .
    percebam “o capitalismo encardiu-se, agora está na barrela”, depois de secar bem ao sol vai aparecer novinho em folha. Entretanto ….

    Gostar

  10. 15 Dezembro, 2008 05:23

    aquilo é vandalismo bárbaro de meninos mimados k usufruem os luxos do capitalismo mas estão contra o regime!!! Problema existencial grave. Claro k faz as delícias da esquerda caviar, e dos “media” “progressistas”: tb vivem do luxo capitalista. Como os desmandos já vão em mil milhões de Euros, a solução é levar os heróis a tribunal e aplicar o Estado de Direito, obrigando-os a pagar a destruição. Acabava o vandalismo. Crise a sério é na China: milhões de trabalhadores explorados e despedidos por falência das empresas, sem subsídios de desemprego. Milhares atacam as polícias, sedes do partido comunista e do governo. Repressão brutal. Mas não interessa aos media e esquerda caviar: isso pode lá ser, trabalhadores contra um governo comunista!!! Até parece k não foram os trabalhadores k derrubaram URSS e satélites. No meu blog: “China e crise financeira”.

    Gostar

  11. 15 Dezembro, 2008 07:16

    Sinceramente, quem são esses 5 dias?
    Ideólogos de quê, como?
    Normal a confusão.
    Lá como aqui, reina realmente a confusão e dificilmente irão perceber o que leva o pessoal à rua.
    Um bom dia, se assim for.
    Misturar os autónomos gregos com a esquerda chic caviar é uma barbaridade. Eles detestam o pessoal. Meninos ricos? Fiquem por aí e pelo vandalismo, pois.

    Gostar

  12. 15 Dezembro, 2008 07:27

    ( Passei lá. Tenham dó!!! Chic caviar intelectualóide misturado numa confusão terrível entre Marx via Trotski metido no saco com Débord e e e e …paralelos e molotov«s neles.
    É giro que nos primeiros dias essa esquerda ignorou o assunto. ).

    Gostar

  13. deus permalink
    15 Dezembro, 2008 07:50

    Se tivessem andado 4 anos na faculdade a estudar para depois ficarem a receber menos de 1 ordenado mínimo por mês em condições sub-humanas para poder trabalhar na área em que se formaram, enquanto vêm os incompetentes dos colegas a subirem na vida porque têm “cunhas”, podiam até tentar perceber o que se passa. Mas para isso era preciso andarem lá fora, verem a realidade, o quão comum é isto que estou a dizer, o quão dependente da cunha está este país, o quão incompetente são os jovens que saem da faculdade, o quão desqulificados, quão anémonas, quão sei lá fodasse. Mas o que me fode mesmo é como conseguem pôr as coisas neste ponto, sem um pingo de compreensão, sem fazer o mínimo esforço por perceber o que se passa só para defender um ponto de vista pré-concebido, caralho.

    Gostar

  14. 15 Dezembro, 2008 08:52

    Já agora. Delinquentes?
    No nosso tasco temos tomos cadastro criminal limpo.
    Mas temos alguém a precisar de trabalho. Trabalho, não emprego.
    Não ficou a mamar do Estado e apesar das classificações que tem, sem contrato e muito menos recibo verde nos últimos tempos, depois de uma tareia, não teve juízo e teimou em escrever e investigar o BPN.
    Tramou-se.

    Gostar

  15. 15 Dezembro, 2008 09:08

    3-mr. MJRB, eu gostaria, sinceramente, de saber essa podridão. Tb gosto de combater isso-na prática, não só em palavras. Num blog ou em comentário, ser-me-ia útil. Cmptos.

    Gostar

  16. OLP permalink
    15 Dezembro, 2008 09:18

    É claro que a “revolta” grega tem muito de descontentamento das novas gerações que por um lado já sofrem na carne as tais “licenciaturas” de ordenado mínimo, o desemprego e porventura na sua reforma nickles batatinhas.
    O que os “ideólogos” não querem e não lhes covém ver, é que além dos politicos responsáveis por este futuro que se avizinha, toda uma geração (a que eles pertencem) se apropriou dos “direitos” nunca tendo o cuidado de trabalhar para produzir riqueza suficiente para que esses direitos fossem garantidos a eles na justa medida e para as gerações futuras.
    Aliás, creio mesmo que essa foi uma estratégia desses ditos ideólogos sempre apoiantes das mais diversas injustiças deste mundo e dos arredores.
    Hoje mais do que nunca sentados e acomodados, muitos em duas reformas pagas pela taxa de radiodifusão incrita nas nossas facturas de electricidade ( é so exemplo) para fazer poemas e loas ás grandes preocupações pelos deserdados da vida nem sequer conseguem prespectivar que eles próprios é que tiraram o presente a muitos e o futuro a quase todos.

    Gostar

  17. Filipe permalink
    15 Dezembro, 2008 09:22

    João, se estiveres atento a história é coerente. Eu (não literalmente), estou contra o MEU salário baixo e contra o consumismo dos OUTROS.

    Gostar

  18. 15 Dezembro, 2008 09:58

    O Sátiro, 16

    As ramificações são muito complicadas e institucionalizadas…

    Mas estão patentes, bem patentes alguns casos…

    Gostar

  19. 15 Dezembro, 2008 10:01

    O Sátiro,

    Pode combater usando o voto: em A ou B; abstendo-se; anulando-o. E estando atento à vida portuguesa

    Gostar

  20. 15 Dezembro, 2008 10:02

    Desculpem a intromissão mas é para avisar que acaba hoje o período de pagamento de multa pelas declarações anuais do IVA em falta.

    Gostar

  21. 15 Dezembro, 2008 10:14

    Primeiro erro: nesta República, votar ou não, neste quadro, é absolutamente irrelevante.

    Gostar

  22. 15 Dezembro, 2008 10:14

    É muito provável, que aquilo que se passou em Paris e se está a passar em Atenas, venha a passar-se em Lisboa, os ensaios já se verificam. Ainda parecem tímidos mas já juntam dezenas, a preparar a entrada em cena. As retóricas analíticas serão as mesmas, tanto lá como cá, à esquerda, à direita e ao centro… será uma questão sociopolítica, nova?!

    Gostar

  23. lucklucky permalink
    15 Dezembro, 2008 10:32

    A educação na Grécia ainda está mais á esquerda do que cá. Os cursos privados nem sequer são reconhecidos pela Ministério Soviético lá do sítio e as Universidades estão cheias de posters de Che & Co. Só precisavam de um motivo e o motivo foi um menino rico a atirar pedras e cocktails molotov aos polícias.

    “Se tivessem andado 4 anos na faculdade a estudar para depois ficarem a receber menos de 1 ordenado mínimo por mês em condições sub-humanas para poder trabalhar na área em que se formaram”

    Você também é daqueles que pensa que lhe devem um emnprego por ter estado na Faculdade? Já não chega ter estudado ás custas dos impostos de outros?

    Gostar

  24. fidel permalink
    15 Dezembro, 2008 11:00

    como é que é possível que num estado de direito não se ponha fim a estes actos de puro vandalismo e cobardia.
    Que eu saiba a Grécia é uma democracia e em democracia os políticos são corridos nas eleições e/ou nos tribunais e não à pedrada.
    É fazer como os chineses tanques na rua e chumbo grosso no pelo.
    Eu na minha ilha não vou na conversa da esquerda inteligente quem mija fora do penico vai para a reeducação ou para Miami a nado.

    Gostar

  25. 15 Dezembro, 2008 11:13

    Faças como Hiteler atirem-nos para campos de exterminio…ou Staline camopos de reeducação…o capoitalismo fez melhor …hipnotizou-os com consumismo…esqueceu-se que quando em cas não há pão….

    Meus caros preparem-se porque quando o pão e circo acabar o Maio de 68 vai ser recordaddo copmo uma mafis de bébes comparado com o que aí vem…
    http://bulimunda.wordpress.com/2008/12/14/a-nova-ordem-mundial/
    http://bulimunda.wordpress.com/2008/12/14/dead-can-dance-the-host-of-seraphimpedreira-e-valter-aparecem-no-inicio/

    Gostar

  26. agonia permalink
    15 Dezembro, 2008 11:17

    Spartakus Diz:
    “Primeiro erro: nesta República, votar ou não, neste quadro, é absolutamente irrelevante”. Pura verdade.
    É pena que as pessoas ainda não se tenham dado conta desse miserável facto.

    Gostar

  27. 15 Dezembro, 2008 11:19

    Façam como hitler…campos de…recordado…como…manifestação…

    Gostar

  28. Anónimo permalink
    15 Dezembro, 2008 11:35

    Se começassem a destruir a propriedade privada dos manifestantes eram capaz de ficar assim para um bocadinho chateados. Aquilo é horrível os donos das lojas a verem a sua vida destruida! casas incendiadas!! Puxa que camafeus. Ridiculos. Suspeito que são os mesmos das manifestações violentas do futebol. Adoram porrada com a policia.

    Gostar

  29. 15 Dezembro, 2008 11:39

    Não se esqueçam que foi Staline que implementou a politica de objectivos nas empresas-os famosos planos quinquenais…hoje são a delicia dos capitalistas….

    Gostar

  30. Anónimo permalink
    15 Dezembro, 2008 11:42

    A policia também tem uma certa culpa. Os confrontos com a policia da choque é o que gostam. Sugeria se fosse eu a mnadra colocar musica aos altos berros em toda a cidade do Cliff Richard, a living doll, young ones ou a aquela da eurovisão a celebration. Era remedio santo.

    Gostar

  31. Anónimo permalink
    15 Dezembro, 2008 11:45

    Para mim a~canção Living Doll é a melodia mais anti-motim que conheço.

    Gostar

  32. Anónimo permalink
    15 Dezembro, 2008 11:49

    Gostar

  33. Nuspirit permalink
    15 Dezembro, 2008 11:57

    “O que eu não percebo como é que eles podem estar ao mesmo tempo revoltados contra os salários baixos e contra o consumismo. Quem é contra o consumismo quer um salário elevado para quê? ”

    Aqui falta esclarecer que os jovens estão contra o consumismo, mas é o consumismo dos outros. Os Jovens apenas querem também consumir um pouco. Só isso. O problema é que com o salário que auferem nem isso conseguem fazer.No fundo eles pretendem que a corja de previligiados consuma e desperdice menos, para que assim se possa subir um pouco o salário dos jovens. Perfeitamente legitimo, convenhamos.

    Gostar

  34. Douchebag. permalink
    15 Dezembro, 2008 12:22

    Conheço vários jovens gregos que afirmam que nada daquilo tem a ver com emprego ou salários baixos ou coisa que o valha. A revolta é contra aquilo que boa parte deles considera ser um abuso de força por parte de uma parte do Estado grego:

    http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/europe/7782907.stm

    O aproveitamento que alguns fazem da legítima revolta de cidadãos contra o autoritarismo do estado tem contornos repugnantes. São uma espécie de abutres ideológicos, re-escrevendo tudo e mais alguma coisa à luz daquilo que acham que os “povos” da Europa deviam pensar. Como jovem, irrita-me particularmente estar sempre a ser colocado do lado dos bravos resistentes à ordem capitalista, os mesmos que alegremente confessam “nunca ter trabalhado na vida”, cujas acções revolucionárias têm como fim último condenar uma boa parte dos “outros” jovens a um desemprego perpétuo ou a um empregozinho “estável” condizente com a sua origem social.

    Gostar

  35. Douchebag. permalink
    15 Dezembro, 2008 12:32

    E para os vários comentadores acima: quantos dos jovens nessas manifestações alguma vez passaram por dificuldades? Mais gritante do que no caso português, muitos dos jovens gregos não só nunca passaram por qualquer dificuldade como nunca tiveramde trabalhar para coisa nenhuma. Basta ver a quantidade de jovens gregos a estudar no Reino Unido (e muito activos nos protestos) para perceber que isto não tem rigorosamente nada a ver com condições de vida.

    Mesmo em Portugal, veja-se quantos jovens passaram cursos inteiros (os 8 anos de curso, claro está) alcoolizados enquanto os pais alegremente abriam os cordões à bolsa e financiavam a irresponsabilidade de meninos/as de 18 anos. Muitos havia até que passavam dificuldades (esses sim) para os filhinhos poderem gastar aquilo que os pais tinham e não tinham em álcool e festas e divertimentos semelhantes. Depois vir falar nas dificuldades que os pobres dos jovenzinhos passam.. poupem-me.

    Gostar

  36. 15 Dezembro, 2008 12:37

    Ò MEU! ESTAVA A LUTAR PELO DIREITO DE NÃO SE SER MORTO PELO ESTADO AO 15 ANOS.
    VAI FAZER UM TRANSPLANTE DE NEURÓNIOS, QUE BEM ESTÁS A CARECER.

    Gostar

  37. 15 Dezembro, 2008 12:41

    Nada de novo. Trata-se da típica aliança da velha esquerda saltitante e pimbática, orfã da falência das utopias, com ignaros pós-marxistas e puros imbecis, amalgamados ao ritmo dos tambores antiamericanos, anti-capitalistas e anti “neoliberais”.
    Nestes bacanais de violência, que não precisam de muitas “causas”, mas apenas de pretextos, a liturgia é sempre revivalista e acaba também sempre na mais primária violência antidemocrática, em ânsias de revolução, agora da “multitude”, segundo o manual de Hardt e Negri.
    A canalha ulula em matilha e procura apenas, com mocadas, cocktails Molotov e barras de ferro, dar livre curso à raiva das hormonas.
    Qualquer semelhança com a memória dos camisas negras,castanhas, braços musculados comunistas, ou gangs de hooligans, não é pura coincidência
    Esta marabunta que vocifera slogans estupidificantes, parte montras e incendeia lojas e carros, alimenta-se apenas de hormonas e de uma salgalhada conceptual cujos ingredientes principais são o ódio ao capitalismo, à democracia “burguesa”, a “eles”, enfim, aos valores profundos que fazem o sucesso da civilização a que pertencemos. Isto é o resultado prático da doutrinação esquerdista que varre a Europa de há uns anos a esta parte.
    Na verdade, estes “jovens” contestadores são intelectualmente anões, puros idiotas úteis, pura chungaria, o produto acabado de sistemas educativos socializantes.

    A solução?
    Porrada no lombo!

    Gostar

  38. 15 Dezembro, 2008 12:50

    Eu não quero levar porrada no lombo que partido ando eu, mas: onda esquerdista?
    O Mussolini e os SA também fizeram o mesmo no seu tempo, Lidador.
    Com outros fins, certamente.
    A raiva, essa é a mesma.
    Ou não?
    Acredita que a dita ” esquerda ” não gosta nada desta indisciplina da Rua. Até porque, eles AMAM O ESTADO.

    Gostar

  39. 15 Dezembro, 2008 12:56

    “Mussolini e os SA também fizeram o mesmo no seu tempo, Lidador”

    Meu caro, o fascismo é um socialismo . Mussolini, lui meme, vinha da ala esquerda do Partido Socialista Italiano.
    Hitler idem…chefiava o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães.
    Você não entende que o inimigo desta malta sempre foi e sempre é o mesmo?

    A esquerda não gosta da indisciplina da Rua? Ama o Estado?
    Sim, mas isso é quando está no poder. Para lá chegar, não só gosta como estimula e apoia. Vale tudo. Está na doutrina. De onde pensa você que surgem os activistas da contestação social?
    Brotam de geração espontanea?

    Gostar

  40. 15 Dezembro, 2008 13:24

    Lidador.
    Por saber isso tudo é que lhe digo não ser tudo tão linear.
    Olhe, eu sou um agitador bem tarimbado. E acredite, nem gosto NADA deles nem eles muito de mim.
    Mas eu sou de nascença, congénito, e sendo o que se chama um autónomo nunca percebi o que fazia a malta de esquerda no meio de libertários e anarquistas. Na Espanha Republicana, na guerra, em Barcelona, assassinaram-os a todos. Sobrou o Orwell, por exemplo, para contar.
    Eu vou mais pelo Thoreau. Agora: sempre contra o Estado. Logo, contra essa dita ” esquerda “. Onde os trotskistas do Fazenda e do Louçã ainda são mais repelentes que o bonzo estalinista do Jerónimo.

    Gostar

  41. 15 Dezembro, 2008 14:58

    um post tão simplista, tão básico que até dói…

    Gostar

  42. 15 Dezembro, 2008 15:00

    Caro, leu muito mal o meu artigo que cita. Eu não digo que os jovens estão revoltados CONTRA o consumismo, disse que eles estão revoltados POR CAUSA do consumismo.

    O consumismo, grosso modo, é fomentado pelo mercado para gerar constante insatisfação, por forma a aumentar o consumo, tão importante que este é para o mercado.

    O que eu digo no artigo é que a publicidade, o marketing, etc., principalmente agora no Natal, especialmente dirigido a jovens, empola o sentimento de insatisfação. E fá-lo de propósito, para tentar vender mais.

    Mas a bolha explodiu. Pelos vistos acontece-vos muito, bolhas explodirem, não é ?

    Gostar

  43. 15 Dezembro, 2008 15:34

    Querer um salário que dê para a satisfação das necessidades básicas , sem contar os tostões , como uma casita , um carrito , uns comes e bebes , uns trocos para curtir , criar um filhito que apareça , por algum de lado para o futuro , não me parece nada incompatível com ser contra o consumismo do cartão de crédito para comprar o último modelo de telemóvel ou a roupa xpto ou a viagem á lua ou trocar de carro de 3 em 3 anos, a decoração da casa de 5 em 5 , e por aí fora.

    Gostar

  44. 15 Dezembro, 2008 15:44

    E têm razão em ser contra o consumismo. Não foi também por causa dele e pelo recurso ao crédito para consumir que esta cena se marou toda? Anda toda a gente a criticar o endividamento das famílias , ou não? endividaram-se e estão atrelados ao banco porque ? consumir .
    E não foram os menores de 21 que se endividaram , mas são eles também que pagam as consequências.

    Gostar

  45. 15 Dezembro, 2008 16:00

    Tem uma certa piada esta malta a zurrar contra o “consumismo”, mas de barriga cheia de consumo, a teclar e alapados atrás de um dos produtos mais icónicos da sociedade de consumo: os computadores.
    E a usar a energiazinha que lhe dá acesso à internet, produzida em centrais termoeléctricas, a petróleo, carvão e gás, etc.

    É tão “progressista”, tão “revolucionário”, tão “moderno” largar palpites contra a “sociedade de consumo”, gozando plenamente os seus benefícios.

    É tudo isso e tb algo hipócrita.
    Queria ver estes “progressistas” de estufa a viverem numa cubata na selva, comm a barriga cheia de raízes, os pés pejados de matacanhas, epor aí adiante.
    Cambada de idiotas!

    Gostar

  46. 15 Dezembro, 2008 16:05

    Você também é daqueles que pensa que lhe devem um emnprego por ter estado na Faculdade? Já não chega ter estudado ás custas dos impostos de outros?

    Lucklucky
    Não foi só estudar (até aos 25 anos)à custas dos impostos dos outros!
    Os jovens de hoje, desde que foram gerados, começam a gastar dinheiro dos impostos: as mães recebem cuidados durante a gravidez, têm partos medicamente assistidos,tem férias de parto, têm subsídios vários; eles vão para o jardim infantil, vão para o ensino básico, depois secundário, têm os ATL’s, têm escolas com cantina, com ar condicionado, com pavilhões gimno-desportivos; teve assistência médica, medicamentosa e hospitalar quási gratuita durante esses 25 anos; usufruiu ainda de água tratada, saneamento básico, estradas asfaltadas, segurança policial, efim, um sem número de reagalias que a maior parte dos jovens no mundo ainda não tem, tudo sem ter ainda produzido um chavo que fosse para a sociedade.
    Andou a “queimar as pestanas”, coitado(!), já é sr. dr., acha que a sociedade lhe deve ainda um salário superior aos outros que, tendo também pestanas, não tiveram oportunidade de as queimar.

    Gostar

  47. 15 Dezembro, 2008 16:18

    Caro Spartakus, isso de ser “contra o Estado”, e ponto final, é tão estúpido como ser-se “pelo estado” e ponto final.

    Sem um Estado com funções de segurança, de justiça e mais algumas, que me impedia de lhe dar um tiro?
    E como poderia eu dormir descansado sabendo que todos os que me rodeiam me podiam dar um tiro?
    E os seus filhos, como cresceriam?
    Você acha-se o mais forte? O mais apto?
    POis tenho uma notícia para si: há sempre um peixe maior.
    E se não há peixe maior, há peixes pequenos que se organizam, arranjam um estado e dão facilmente cabo do peixe maior.

    Algures entre nenhum estado e estado totalitário, está a virtude. Eu acho que está mais perto do 1º termo ( a virtude), e que a actual situação deriva de estarmos muito perto do 2º termo.

    Gostar

  48. lucklucky permalink
    15 Dezembro, 2008 16:49

    http://www.telegraph.co.uk/comment/columnists/christopherbooker/3757520/Czech-leader-in-shock-after-EU-assault.html

    A outra ditadura que está a ser construída:

    As described to me by someone present, President Klaus greeted the MEPs with his usual genial courtesy. Whatever his own views, he assured them, his countrymen would conduct their presidency in fully “communautaire” fashion. Cohn-Bendit then staged his ambush. Brusquely plonking down his EU flag., which he observed sarcastically was so much in evidence around the palace, he warned that the Czechs would be expected to put through the EU’s “climate change package” without interference.

    “You can believe what you want,” he scornfully told the president, “but I don’t believe, I know that global warming is a reality.” He added, “my view is based on scientific views and the majority approval of the EU Parliament”.

    He then moved on to the Lisbon Treaty. “I don’t care about your opinions on it,” he said. If the Czech Parliament approves the treaty in February, he demanded, “Will you respect the will of the representatives of the people?”

    He then reprimanded the president for his recent meeting in Ireland with Declan Ganley, the millionaire leader of the “No” campaign in the Irish referendum, claiming that it was improper for Klaus to have talked to someone whose “finances come from problematic sources”.

    Visibly taken aback by this onslaught, Klaus observed: “I must say that no one has talked to me in such a style and tone in the past six years. You are not on the barricades in Paris here. I thought that such manners ended for us 19 years ago” (ie when Communism fell). When Klaus suggested to Hans-Gert Pöttering, the president of the EU Parliament, that perhaps it was time for someone else to take the floor, Pöttering replied that “anyone from the members of the Parliament can ask you what he likes”, and invited Cohn-Bendit to continue.

    “This is incredible’, said Klaus. “I have never experienced anything like this before.”

    After a further exchange, in which Cohn-Bendit compared Klaus unfavourably with his predecessor, President Havel, he gave way to an Irish MEP, Brian Crowley, who began by saying “all his life my father fought against the British domination [of Ireland]… That is why I dare to say that the Irish wish for the Lisbon Treaty. It was an insult, Mr President, to me and the Irish people what you said during your state visit to Ireland.” Klaus repeated that he had not experienced anything like this for19 years and that it seemed we were no longer living in a democracy, but that it was “post-democracy which rules the EU”.

    Gostar

  49. 15 Dezembro, 2008 17:01

    Lucklucky,
    É simplesmente assustador.

    Gostar

  50. OLP permalink
    15 Dezembro, 2008 17:53

    Deve ser profundamente frustrante para uma pessoa que lutou tantos anos pela democracia como Havel perceber que se veio juntar com estes novos iluminados.

    Gostar

  51. A. R permalink
    15 Dezembro, 2008 21:44

    Seriam contra consumismo se atirassem os telemóveis, a dose de marijuana, a caixa de preservativos e as cábulas em vez de carregar mochilas EastPack e de usar calças de ganga de marca.

    Gostar

  52. 16 Dezembro, 2008 03:28

    no comentário nº 10
    aiiii jasus tanta barbaridade senhor Sátiro
    por si os gregos manifestavam se do sofá, acendiam uma velinha cada um e quando a claridade de tanta velinha se parece se com a luz do sol o governo grego perceberia que tinha de mudar.
    eles sim são de louvar por fazerem notar internacionalmente a corrupção e estado do país. senão ninguem falava disso. alguma mudança há de ocorrer. E usufruem sim senhor dos luxos do capitalismo, mas isso não implica resignarem-se com o desemprego, com a crescente precariedade e perda de direitos.
    e para o senhor do comentario 56 já vi k considera os preservativos como item consumista. Quem é contra o capitalismo para si tem que ser à antiga ahm ? apanhar ali as doençazinhas. ai não, bem bom, no seu tempo era assim, nao havia ca essas modernices.

    Gostar

  53. Paulo Mestre permalink
    16 Dezembro, 2008 03:41

    Aqui vai a minha análise simplista: testosterona e aborrecimento. O resto são pretextos.

    Gostar

  54. Paulo Mestre permalink
    16 Dezembro, 2008 04:33

    Esqueci outro factor, a inveja da vida do príncipe Harry: uma nas Seychelles outra no Afeganistão. Ou no Iraque? Tanto dá. Se não foi naquele será na próxima. Óspois Bahamas. Com um intervalinho a ajudar vítimas de uma qualquer catástrofe natural. Também produz bué adrenalina e fica bem. Sous les pavés le Caribe!

    Gostar

Trackbacks

  1. cinco dias » Patetas de todo o mundo, uni-vos
  2. BLASFEMIA!!! « Faz todo o sentido
  3. O Zé (Pedro) faz falta* « Sinecura
  4. A violência da extrema-esquerda e o caos na Grécia (3) « O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: