Saltar para o conteúdo

A República fiscal

6 Maio, 2012

Mas porque se insiste em tentar que estas criaturas fiquem detidas por causa disto ou disto? Por favor peçam-lhes a declaração do IRS: Mentir no IRS vai passar a dar prisão

17 comentários leave one →
  1. 6 Maio, 2012 08:42

    Com o Al Capone resultou!

    Gostar

  2. anti-comuna permalink
    6 Maio, 2012 09:43

    Justiça tuga, de mal a pior. E se fosse apenas neste tipo de assuntos…
    .
    “Justiça é vulnerável à corrupção
    .
    Portugal “chumbou” num estudo sobre combate à corrupção. Há falta de vontade política, excesso de tolerância e incompetência.
    .
    .
    Ler mais: http://expresso.sapo.pt/justica-e-vulneravel-a-corrupcao=f723670#ixzz1u561hwDP
    .
    .
    Não há vontade de Lisboa combater a profunda corrupção em Portugal. Porque será?

    Gostar

  3. anti-comuna permalink
    6 Maio, 2012 09:45

    Entretanto, a religião pode ser prejudicial… ehehehhe
    .
    .
    “Highly religious people are less motivated by compassion than are non-believers”
    .
    “”Overall, we find that for less religious people, the strength of their emotional connection to another person is critical to whether they will help that person or not,” said UC Berkeley social psychologist Robb Willer, a co-author of the study. “The more religious, on the other hand, may ground their generosity less in emotion, and more in other factors such as doctrine, a communal identity, or reputational concerns.”
    .
    Compassion is defined in the study as an emotion felt when people see the suffering of others which then motivates them to help, often at a personal risk or cost.”
    .
    in http://medicalxpress.com/news/2012-04-highly-religious-people-compassion-non-believers.html
    .
    .
    Interessante este estudo. Talvez a religiosidade seja uma forma de egoísmo e não de amor ao próximo. Ou até mesmo a deus.

    Gostar

  4. JDGF permalink
    6 Maio, 2012 09:52

    Como afirmou o (incómodo e intempestivo) bastonário da Ordem dos Advogados: “vivemos num País de mentiras, sem autenticidade na actividade política e onde a Justiça organizou-se para a defesa dos privilégios dos seus agentes”. [http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/marinho-pinto-marinho-e-pinto-bastonario-ordem-dos-advogados-advogado-justica/1205863-4071.html].
    As declarações de Marinho Pinto são – frequentemente – muito desabridas, pouco consensuais e classificadas de ‘politicamente incorretas’. Neste caso, contudo, acertou em cheio.
    Ninguém aceitará – num momento em que o sistema financeiro domina a política – que a verdade seja rígida e implacável ‘só’ em termos de colecta. O ‘crime de falsidade de declaração’ já faz parte do ordenamento jurídico nacional. A ‘excepcionalidade’ que se pretende introduzir em relação às questões natureza fiscal parece ‘ofender’ o princípio da generalidade e universalidade da Lei. Pior ofende, aprioristicamente, todos os cidadãos (neste caso os contribuintes) que são tidos e achados como suspeitos, vígaros e trapaceiros. O Estado não deve, nem pode, aparecer na praça pública como um carrasco de plantão ao fisco ou como o cobrador de fraque. É importante levar os problemas até ao fim. E, assim, nasce a interrogação: qual a punição prevista para os agentes do poder público quando cláusulas retributivas – inerentes à cobrança – são suspensas, postergadas ou reprimidas?
    Temos, assim, os contribuintes sob implacável escrutínio e os ‘recolectores’ inimputáveis?
    Como diz o ditado popular: “ou há moralidade, ou comem todos…”. (‘Comem’ não deve ser interpretado como o ‘acto de abarbatar’. Quererá, antes, dizer que todos ‘apanham’ pela mesma medida…).

    Gostar

  5. tric permalink
    6 Maio, 2012 10:15

    Gostar

  6. tric permalink
    6 Maio, 2012 10:45

    Anti-Comuna Judeu…você já anda a citar o boaventura sousa santos lá Berkeley !!?? inacreditável…

    Gostar

  7. Portela 1MAIO2012 permalink
    6 Maio, 2012 10:57

    essa e outras questões só ficariam resolvidas se – para gáudio de Anti-Comuna – prendessem, não só os naturais de Lisboa, como os seus residentes!

    Gostar

  8. jose permalink
    6 Maio, 2012 11:06

    eh,eh,eh…grande post

    Gostar

  9. 6 Maio, 2012 11:57

    Muito bem, HMatos.

    Gostar

  10. 6 Maio, 2012 12:02

    anti-comuna,
    Não tem havido vontade de Lisboa em combater a profunda corrupção ? A alta corrupção, alguma dela conectada com ex-governantes (?!), quis Vc. dizer.
    “De Lisboa” ? Nos governos de Sócrates e neste (exemplos mais recentes) não têm sido formados por políticos oriundos do Norte ? Do Porto ?

    Gostar

  11. 6 Maio, 2012 12:03

    Errata :
    (…)não têm sidos formados também por políticos do Norte ? Do Porto ?”

    Gostar

  12. Zebedeu Flautista permalink
    6 Maio, 2012 12:40

    Não interessa se o indígena é de Caminha ou VRSA assim que chega a Lisboa e se agarra a teta da grande porca é assimilado pelo sistema e torna-se traidor da pátria.

    Gostar

  13. Fincapé permalink
    6 Maio, 2012 18:12

    Oh! Tinha-me passado ao lado a ironia do post!
    Mas então a Helena não gosta do sistema americano das duas coisas certas na vida: a morte e pagar impostos? E eu a pensar que estava a defender a prisão de criminosos bandalhos e afinal estava chateada de não poder mentir à máquina fiscal! 😦

    Gostar

  14. anti-comuna permalink
    6 Maio, 2012 18:41

    “De Lisboa” ? Nos governos de Sócrates e neste (exemplos mais recentes) não têm sido formados por políticos oriundos do Norte ? Do Porto ?”
    .
    .
    Roma também era formada por gente incluída no sistema. Quem se integra, mama. Quem se põe de fora, aguenta como mera besta de carga.
    .
    .
    Ainda no outro dia, deu para aí um documentário qualquer, como o regime em Lisboa controla o resto do país. O Botas bateu a caçoleta, outro tentou reformar o regime, mas ele caiu. Poucas dezenas de anos depois, ele continua vivo. Só não é uma ditadura de facto, porque ainda há alguma Liberdade. Até ao dia que até isso nos tiram.

    Gostar

  15. rami permalink
    6 Maio, 2012 19:00

    o teu botas era um ditador fascista,autoritario,verme e sanguinário.Que o digam (ja nao dizem) as pessoas que foram mandadas para o tarrafal.Que o digam as pessoas que sofreram tortura de sono ou coisas piores

    Gostar

  16. Costa Cabral permalink
    6 Maio, 2012 19:47

    É verdade Drª. Helena.
    Com esta República de rapina fiscal e principalmente com este governo neo-comunista, um tipo pode estrupar, violar, roubar e assassinar, e mesmo assim, tem grande probabilidade de dormir na sua casa e tomar o pequeno almoço na pastelaria mais próxima.
    Mas se incluir um xampôo ou um creme das mãos nas despesas de saúde a declarar no IRS, provavelmente responderá em juízo e poderá ir para a cadeia.
    Maravilhoso mundo que o Georges Orwell profetizou.

    Gostar

  17. Aiken permalink
    6 Maio, 2012 22:36

    Mentir no IRS já dá pena de prisão. A Ministra da Justiça não tem juristas no seu gabinete?

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: