Saltar para o conteúdo

Na iminência da revolução energética?

30 Dezembro, 2013
tags:
by

A revolução já estará a ocorrer nos Estados Unidos, de forma algo silenciosa. Pode daqui emergir um novo e longo ciclo de crescimento em que a América volta a ser a locomotiva e a Europa corre o risco de se tornar um permanente laggard. Seja por escassez de recursos, por rigidez das normas ambientais ou por indisponibilidade imediata da tecnologia de fracturação. Pode no entanto vir a beneficiar do excesso de petróleo e gás que países da OPEP (e não só) oferecerão a preços tendencialmente mais baixos. Mas a necessidade de manter níveis mínimos de independência energética, forçará novas políticas que poderão passar pelo reforço da energia nuclear com os verdes, principalmente os alemães, a terem de engolir muitos sapos, cobras e lagartos.

Uma coisa é certa, nada ficará como dantes. O que é normal no mundo da energia.

Anúncios
84 comentários leave one →
  1. 30 Dezembro, 2013 22:00

    afinal o mais imp. ma competitividade sempre é o preço da energia e não salários e patati que má noticia prás edps e companhia , tadinhas 🙂

    Gostar

  2. piscoiso permalink
    30 Dezembro, 2013 22:02

    Se calhar vamos ter mais tremores de terra, terramotos e tsunamis para obter o gás de xisto.
    Há pelo menos um caso de sismo inequivocamente relacionado à extração de gás de xisto, no noroeste da Inglaterra, em 2011. Ele levou a empresa Cuadrilla Resources a suspender todas as suas operações. in Wiki.

    Gostar

    • Luís Marques permalink
      30 Dezembro, 2013 22:35

      Você já parece o Portas, em vez de irrevogável é inequívoco.

      Gostar

    • Tózezito permalink
      30 Dezembro, 2013 23:58

      Este patusco Piscoiso faz-me lembrar aqueles tipos que no século XIX, quando se desenvolveu o caminho de ferro, anunciavam que seria impossível viajar num comboio a uma velocidade de 30 km/hora…pois devido ao efeito de vácuo criado, os passageiros seriam sugados pelas janelas das carruagens…

      Gostar

    • Churchill permalink
      31 Dezembro, 2013 15:00

      Piscoiso
      Então e que tal falar apenas daquilo que sabe!
      A extração do gás de xisto poderá ter problemas, o de causar sismos graves não está entre os maiores. Aliás, se com isso se conspirem ir fazendo uns pequenos sismos, evita-se a acumulação de energia que pode vir a causar os grandes e perigosos.

      Gostar

      • Trinta e três permalink
        31 Dezembro, 2013 17:46

        De facto, falar do que se sabe é um bom princípio e nãe parece que seja o Piscoiso que o está a contrariar. Para além dos problemas ambientais (e não apenas o risco de sismos), o “fracking” é um método hoje viável, apenas devido ao preço do barril de petróleo. Se, como o autor do artigo prevê, ele baixar, dificilmente será suportável. O fim previsível do petróleo vai provocar uma revolução, sem dúvida, e muitas ações desesperadas pelo meio. O “fracking” é apenas uma deleas.

        Gostar

  3. javitudo permalink
    30 Dezembro, 2013 22:35

    O picoiso anda pessimista. Embora como todas as técnicas comportem riscos o shale gaz veio para ficar.
    Os avanços tecnológicos permitiram ultrapassar uma série de barreiras que impediam a extração de um tipo de gás, não convencional, cuja formação ocorre em argilas betuminosas.
    O shale gás encontra-se a grandes profundidades, entre os seiscentos e os três mil metros. As formações deste gás prolongam-se por vários quilómetros de extensão e a única forma de acompanhar essas camadas de subsolo é através da perfuração horizontal, uma técnica que é complementada pela fraturação hidráulica que consiste na “estimulação do reservatório através da injeção de água a grande pressão, químicos e areia para criar porosidade e impermeabilidade artificialmente”, explica Diogo Rosa do Laboratório Nacional de Energia e Geologia.

    Presente no Bombarral, Cadaval e Alenquer
    Os Estados Unidos da América são o maior produtor mundial de shale gás. As estimativas indicam que as reservas deste gás na América do Norte têm capacidade para abastecer os EUA nos próximos 45 anos.Os olhos viram-se agora para Europa e Portugal faz parte da lista de países com formação de shale gás. De acordo com os estudos realizados em território nacional, “a formação da Brenha será a formação com mais interesse para o shale gás, portanto, esta formação está presente nos conselhos de Bombarral, Cadaval, Alenquer, logo, aí será o local onde poderá haver mais potencial”, acrescenta Diogo Rosa.
    Ler mais: http://expresso.sapo.pt/shale-gas-portugal-tem-reservas-da-energia-que-faz-tremer-o-uso-do-petroleo=f703037#ixzz2p03g2aEN.

    Quanto aos Cuadrilha a coisa não vai assim tão mal segunda as notícias de Outubro passado. 23-09-2013
    Cuadrilla anuncia a conclusão da perfuração Balcombe

    Cuadrilla tem o prazer de anunciar que as operações de perfuração de exploração Balcombe foram concluídas com êxito. Nós já começaram a remoção dos nossos equipamentos de perfuração a partir do site e esperar para ter removido todos os equipamentos até 28 de setembro. Operações no local envolveu a perfuração de um poço vertical exploração de uma profundidade aproximada de 2.700 pés, 294 pés de recolher amostras de rochas (“core”) no caminho. Também realizamos um conjunto de logs petrofísicos avançados que fornecem dados valiosos sobre as características do rock underground e os fluidos contidos nessas rochas.
    Em adição ao poço vertical um poço horizontal foi perfurado através do meio Kimmeridge micrite que é uma faixa de pedra calcária no interior da Formação Kimmeridge argila. A distância total de cerca de 1.700 pés de perfuração horizontal foi alcançado, a perfuração no sentido de, a sul de oeste sob a propriedade Balcombe. Usando a tecnologia de geo-direcção, toda a 1700 pés foi perfurado com sucesso dentro do calcário alvo.
    Juntamente com o sucesso de perfuração operacional alcançado ao Balcombe poço também confirmou a presença de hidrocarbonetos. Embora mais testes serão necessários para determinar as taxas de fluxo, Andrew Quarles, Exploração Diretor do Cuadrilla disse que “o bem foi um sucesso e estamos muito animados com os resultados até agora.”

    Gostar

    • EMS permalink
      30 Dezembro, 2013 23:19

      Vamos fechar os olhos e imaginar que todos os chineses e indianos teem automovel.
      A que preço ficara a energia, venha ela do petroleo, gaz de xisto ou de outra fonte fossil mais inovadora?

      Gostar

    • Churchill permalink
      31 Dezembro, 2013 15:04

      Javitudo
      O Shall gas veio para ficar mas não foi na Península ibérica, pois não há quantidades interessantes.
      Em todo o caso os americanos vão ter gás mas provavelmente vão perder a água subterrânea descontaminada. É o custo, e talvez daqui por 10 anos se arrependam para sempre desta exploração. Mais valia terem continuado com as centrais nucleares, os riscos são muito menores.

      Gostar

  4. @!@ permalink
    30 Dezembro, 2013 22:43

    Querem ver que afinal o Obama vai passar a ser um bom rapaz. Importante é que o chá não suba ao nariz. De qualquer modo a China também tem o seu xisto, veja-se bem, até Portugal, o que nos poderá tirar da concha dos salários pequenos pequenos comparados com os prémios chorudos para fugir ao fisco tipo Hollande.
    Fica aqui o acrescento http://www.technologyreview.com.br/read_article.aspx?id=41896, que é do MIT, brasileiro, que não pode ser acusado de esquerdista.

    Gostar

  5. Tiradentes permalink
    30 Dezembro, 2013 22:43

    Gostei dessa dos tremores de terra por causa da exploração do gás de xisto. Já há uns anos havia uns “inginheiros” que diziam o mesmo das perfurações petrolíferas.
    Quiçá o nosso de 1755 já foi um reflexo disso.
    Quem anda a contar o número de terramotos. tsunamis, erupções vulcânicas e até ciclones precisa voltar à instrução primária para aprender a somar.
    Será que acreditam mesmo nessas baboseiras ou as repetem só para os incautos e mais ignorantes serem manipulados?

    Gostar

  6. PiErre permalink
    30 Dezembro, 2013 22:56

    Temos muitas aldeias de xisto que podem ser transformadas em gás e petróleo. Portugal ainda vai (voltar a) ser a locomotiva da Europa e ultrapassar a Alemanha!…

    Gostar

  7. 30 Dezembro, 2013 23:51

    Gás de xisto nos USA.
    Vai ser de costa a costa.
    Problemas ambientais, nem falar. Quioto não existe, apesar de Obama ter enviado o protocolo para o congresso em 2009 e ainda hoje lá estar perdido numa gaveta qualquer.

    Gostar

  8. Rogerio Alves permalink
    30 Dezembro, 2013 23:53

    Não percebo nada disso (no sentido de que não sou geólogo e apenas li aqui e ali sobre tal assunto) pelo que a minha opinião tem um valor nulo. Que é atrativa a sua exploração, é óbvio e quem hesitar estará a perder o novo filão de ouro. Tudo o que espero é que a sua óbvia atratividade ou (em termos mais poéticos) o seu brilho dourado não ofusque a necessária análise de risco (os maiores riscos são provavelmente os ambientais, mas não é por os defensores da ecologia serem maluquinhos cabeludos que uns eventuais custos deixam de poder ser negligenciáveis – principalmente para gerações futuras).

    Gostar

  9. piscoiso permalink
    31 Dezembro, 2013 00:23

    As concentrações de metano na água potável das residências situadas a menos de um quilómetro dos locais de perfuração eram, em média, seis vezes maiores às da água das casas que estavam mais distantes, enquanto as concentrações de etano eram 23 vezes superiores.
    Tremores de terra

    Estudos recentes também relacionam a injeção de água residual no subsolo ao aumento da ocorrência de tremores no país. Um deles, realizado pelo Serviço Geológico dos EUA (USGS ) indica que o número de terramotos aumentou dramaticamente ao longo dos últimos anos, na região central e leste do país.

    Mais de 300 terramotos acima de magnitude 3,0 ocorreram a cada três anos entre 2010-2012, em comparação com uma taxa média de 21 eventos por ano, observadas entre 1967 e 2000. Os cientistas da USGS descobriram que em alguns locais o aumento da atividade sísmica coincide com a injeção de efluentes em poços de gás.

    Um segundo estudo, feito pelo Earth Observatory da Universidade de Columbia, em Nova York, indica que pelo menos metade dos terramotos de magnitude superior a 4,5 que atingiram o interior Estados Unidos na última década ocorreram perto dos locais de injeção de fluídos.

    A suspeita é de que o aumento da atividade em poços de gás natural alterou tensões em áreas suscetíveis a terremotos, aumentando a pressão de poros fluidos nas rochas subterrâneas, lubrificando falhas pré-existentes e deixando-as mais propensas à ruptura.

    Mortalidade animal

    Os fluidos poluídos do fraturamento hidráulico são apontados como a causa da morte de espécies aquáticas em rios de Kentucky próximos à áreas de exploração onde foram verificados vazamentos.

    Estudo realizado pelo USGS e o Serviço de Pesca e Vida Selvagem Americano (Fish and Wildlife Service) mostra que os fluidos libertados no ambiente degradaram a qualidade da água ao ponto de causar lesões nas guelras dos peixes e no fígado e baço.

    Emissão fugitiva de metano

    Apesar de poluir menos que o carvão, a extração de gás de xisto pode emitir na atmosfera, de maneira fugitiva, volumes nada desprezíveis de metano, um gás efeito estufa 20 vezes mais potente que o CO2.

    Gostar

  10. Fincapé permalink
    31 Dezembro, 2013 00:36

    Tal como há quem pense que se pode alterar a constituição da atmosfera, introduzindo-lhe CO2 ilimitado, sem que problema algum aconteça ao planeta, também há quem pense que se podem espremer as entranhas da Terra sem que daí venha mal algum ao mundo.
    Não me parece que assim seja e presentemente não faltam alertas.
    Além disso, é estranha a resistência de interesses diversos à investigação sobre aproveitamento dos cerca de 1000W por metro quadrado fornecidos pelo sol em vastas áreas do planeta, bem como de outras formas de energia renovável, quando a exploração destrutiva do planeta obtém imensos aplausos.
    Eu acho que há corridas que ninguém ganha.

    Gostar

    • ora permalink
      2 Janeiro, 2014 23:14

      AI HÁ HÁ…À CARACÓIS DE CORRIDA MUY RÁPIDOS AI À À

      Domain Name telepac.pt ? (Portugal)
      IP Address 85.246.19.# (Telepac – Comunicacoes Interactivas, SA)
      ISP Telepac – Comunicacoes Interactivas, SA
      Location
      Continent : Europe
      Country : Portugal (Facts)
      State/Region : Lisboa
      City : Lisboa
      Lat/Long : 38.7167, -9.1333 (Map)
      Distance : 218 miles

      Language unknown
      Operating System Macintosh WinNT
      Browser Safari 1.3
      Mozilla/5.0 (Windows NT 6.1; WOW64) AppleWebKit/537.36 (KHTML, like Gecko) Chrome/31.0.1650.63 Safari/537.36
      Javascript disabled
      Time of Visit Jan 2 2014 11:03:47 pm
      Last Page View Jan 2 2014 11:16:15 pm
      Visit Length 12 minutes 28 seconds
      Page Views 9
      Referring URL unknown
      Visit Entry Page https://blasfemias.net/
      Visit Exit Page http://blasfemias.ne…evolucao-energetica/
      Out Click
      Time Zone unknown
      Visitor’s Time Unknown
      Visit Number 12,740,364

      Gostar

  11. piscoiso permalink
    31 Dezembro, 2013 00:42

    Esta semana, a proibição da exploração de gás de xisto foi confirmada em França e o Parlamento Europeu exigiu que estudos de impacto ambiental antecedam qualquer perfuração.

    Gostar

    • 31 Dezembro, 2013 08:46

      A França pode dar-se a esse luxo. Tem energia barata das suas centrais nucleares.

      Gostar

      • 31 Dezembro, 2013 09:39

        E os USA podem dar-se ao luxo de explorar o gás de xisto nas suas grandes superfícies desérticas que na Europa não existem.

        Gostar

      • 31 Dezembro, 2013 11:26

        É verdade. Por isso afirmo na posta que a Europa (Alemanha incluída) terá de se voltar de novo para o nuclear para manter a energia a custos aceitáveis. Ironia do destino, talvez isso venha a ocorrer por iniciativa de um governo do SPD.

        Gostar

      • 31 Dezembro, 2013 14:11

        Não sou contra a exploração de qualquer fonte de energia, desde que tenha repercussões aceitáveis no meio ambiente. Reconheço também que há uma evolução continuado dos meios tecnológicos que minimizem efeitos nefastos no ambiente.
        O nuclear continua com problemas sérios quanto aos resíduos e isolamento de falhas na exploração, que a serem conseguidos, deixa de ter custos competitivos.

        Gostar

  12. 31 Dezembro, 2013 01:17

    Em julho o “fracking” no NE do Reino Unido originou este comentário, muito à Mário Lino:
    http://www.bbc.co.uk/news/uk-politics-23505723

    O NE foi descrito como “desolate” e “away from anybody`s residence”

    Gostar

  13. Miguel R permalink
    31 Dezembro, 2013 01:17

    Nós temos o hidrato de metano. Os Japoneses já estão a testar este recurso energético. Recomendo este texto: http://mitei.mit.edu/system/files/Supplementary_Paper_SP_2_4_Hydrates.pdf e este vídeo http://www.youtube.com/watch?v=EV38ylrHEMI. Há mais informações noutros lados, é só procurar… Ainda hoje me espanto com a facilidade com que meio país criticou severamente Cavaco pela sua visita às Selvagens, mesmo ridicularizando-a.
    É preciso cautela, claro, mas está aí uma grande recurso estratégico para o país, em especial se considerarmos a nossa posição no plano europeu.

    Gostar

    • 2 Janeiro, 2014 23:03

      ATÃO NÃ TEMOS….COMO É QUE S’APANHAM 20 MILHÕES DE TONELADAS DE HIDRATO DE METANO POR ANO A 2 KILOMETRADAS ABAIXO DO NÍVEL DO MARE? NOSTRUM CLARO…

      Gostar

  14. 31 Dezembro, 2013 02:30

    VITÓRIA DO POVO ROMENO 
    A transnacional petrolífera Chevron anunciou quinta-feira que suspende sua exploração de gás de xisto na província de Vaslui, na Roménia. A suspensão deve-se aos gigantescos protestos do povo romeno contra as acções desta empresa. Milhares de pessoas manifestaram-se nas ruas contra fracturação hidráulica (fracking) e bloquearam o acesso ao local da exploração. A notícia está emAgência PIA.

    Gostar

  15. 31 Dezembro, 2013 03:01

    A notícia é 22/12/2013

    Gostar

  16. André permalink
    31 Dezembro, 2013 08:26

    Sinceramente acho que na Europa a revolução energética poderá ter chegado de outra forma. Atualmente as marcas de automóveis europeias começam a investir na mobilidade elétrica (renault, peugeot/citroën e até a BMW), pelo que não me parece que agora estas empresas permitam os governos voltarem atrás nas políticas energéticas e que dêem de novo prioridade ao petróleo, não depois do dinheiro investido. Além disso, ao que parece (pelo menos segundo umas notícias que saíram ao longo deste ano) a Alemanha tem vindo a desativar (ou desativou, não tenho bem a certeza) as centrais nucleares, ao mesmo tempo que investia nas energias renováveis (eólica e solar, principalmente), sem que diminuísse a produção de energia, pelo contrário, aumentou as exportações. De todos os países na Europa que pudessem vir a inverter a situação, acho que a Alemanha foi mal escolhida, já que é aquele país que se está a dar melhor com as energias renováveis. Já Portugal, por exemplo, em que todo o investimento dependeu quase exclusivamente do Estado e em que os políticos vivem de agradar o exterior, não tenho dúvidas nenhumas de que seriamos de novo mais papistas que o papa e quereríamos estar à frente no shale gaz.

    Quanto às desvantagens do shale gaz, nunca li nada sobre isso, mas tenho quase a certeza de que os bons liberais “amantes do progresso” vão dizer que não tem desvantagens ambientais, apoiados em estudos pagos por eles, e os “verdes” (coloco entre aspas porque não sei muito bem o que é um “verde”) vão dizer que só tem desvantagens ambientais baseados em estudos pagos por eles. O melhor mesmo é esperar para ver os efeitos nos EUA e aguardar por relatórios das Nações Unidas (até agora, uma das poucas autoridades relativamente independentes nestes assuntos).

    Gostar

    • PiErre permalink
      31 Dezembro, 2013 09:26

      E quem paga os relatórios das Nações Unidas?

      Gostar

      • André permalink
        31 Dezembro, 2013 18:08

        Como eu escrevi, “até agora, uma das poucas autoridades relativamente independentes nestes assuntos”. Para bom entendedor meia palavra basta, eu coloquei uma frase inteira.

        Gostar

      • PiErre permalink
        31 Dezembro, 2013 23:49

        Uma frase inteira que vale zero.

        Gostar

      • André permalink
        1 Janeiro, 2014 13:20

        Então eu explico (pelos vistos não é bom entendedor). As Nações Unidas recebem fundos governamentais, sendo que em última análise quem paga os relatórios são os governos (em grande parte, controlados pelas grandes empresas). Como as Nações Unidas têm um secretariado altamente burocrático e têm um vasto conjunto de interesses a atuar internamente (quase que poderíamos falar de um conflito de interesses eterno), o que faz com que ambas as fações estejam relativamente equilibradas, provocando uma certa imparcialidade forçada. É a aplicação do pessimsmo e das teorias liberais ao máximo.

        Gostar

  17. PiErre permalink
    31 Dezembro, 2013 09:50

    A solução passa por aqui:
    .

    Gostar

  18. lucklucky permalink
    31 Dezembro, 2013 10:03

    Mais uma de muitas coisas que afecta todos que passou ao lado do Jornalismo e vai contra tudo o que o Jornalismo propagandeou nas ultima década.

    Ou por outras palavras da Esquerda do Complexo Político-Jornalista supostamente onde mora a informação. Mas onde na verdade mora o bias e a manipulação.

    Gostar

  19. 31 Dezembro, 2013 10:15

    “Mas a necessidade de manter níveis mínimos de independência energética, forçará novas políticas que poderão passar pelo reforço da energia nuclear ”

    A verdadeira revolução só chegará quando acabar o mito de que a energia é especial e precisa de todo o tipo de regulamentações e subsídios.

    Sobre o tema recomendo este meus posts:
    http://marques-mendes.blogspot.pt/2011/07/subsidy-madness-new-energy-policy-of.html
    http://marques-mendes.blogspot.pt/2011/03/saving-on-shoes-or-on-energy.html

    Gostar

  20. lucklucky permalink
    31 Dezembro, 2013 10:19

    Alguém que gasta o dinheiro do seu trabalho e ainda mais importante: Tempo . a ler jornais, ver noticiários e artigos de opinião espera ser informado, perceber tendências sobre o futuro e ter uma ideia do que se vai passar.

    O século XXI é um falhanço completo do Jornalismo*.

    Ignorou o caminho insusténtavel das dívidas.

    Deu tratos de polé à demografia.

    Ignorou os problemas da imigração- excepto claro para dizer que quem a recusa é malvado e faxista.

    Ignorou a revolução energética excepto claro a subsidiada que convinha à sua ideologia.

    Ignora a evolução tecnologica porque como o jornalismo não a pode controlar tem de fingir que não existe,
    Quando é precisamente a tecnologia que trouxe mais benefícios aos portugueses nestes últimos 40 anos.
    Só que isso vai contra a imagem de importância que o complexo político-jornalista quer dar e que justifica os seu poder e os seus ganhos.

    * na década final do Século XX ignorou o Terrorismo Islamico até ao dia….

    Gostar

  21. Tiradentes permalink
    31 Dezembro, 2013 10:25

    Continuo a adorar aqueles estudos geológicos de espaço temporal de 2/3 anos sobretudo na área específica da sismologia. Acho até que o dito anel de fogo do pacífico foi formado primeiro pela exploração petrolífera e mais recentemente pela exploração do gás de xisto.
    Esqueçam qualquer estudo geológico anterior e sistematizado da região central do EUA porque o que importa é o agora e o futuro zandinga.
    Quanto ao CO2 a chatice é que a porcaria do vulcão que se lembrou de acordar em El Salvador já terá lançado para a atmosfera , entre outros,mais CO2 e metano, no espaço de dois dias que toda a humanidade conseguirá produzir no próximo ano….chineses incluídos hahahhaahahahhahahh….mas isso não interessa nada.
    Só não percebo porque é que os Quioto-sobrinhos não arranjaram uma rolha para tapar estes malditos vulcões e segurar a movimentação de placas com umas correias bem fortes.
    Principalmente, no caso humano, tapar as centrais de carvão chinesas que não incomodam absolutamente nada nem no CO2, menos metano, e toda a série de poluentes conhecidos, assim como da produção de CFCs que sabendo-se serem socialistas não aquecem nem a atmosfera e muito menos abrem buracos de ozono.
    Mas o Obama não era socialista? Supostamente o desenvolvimento destas tecnologias também devia ser benéficas para a humanidade na sua “era”.

    Gostar

    • Fincapé permalink
      31 Dezembro, 2013 12:55

      A sua ideia é interessante: se há desastres naturais, podemos todos promover também desastres. Nem sei como não propõe o lançamento de meteoros contra o planeta, tendo em conta a energia libertada. 😉

      Gostar

    • Fincapé permalink
      31 Dezembro, 2013 13:12

      Não pesquisei muito, mas a primeira pesquisa deu-me este resultado. O Tiradentes utilizou a sua chapa 5 sobre o “socialismo” do Obama, CFC e CO2 e falhou. Ou então é do mercúrio das pastas para as obturações. 😉
      http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/humanidade_polui_mais_que_vulcanismo.html

      Gostar

      • Tiradentes permalink
        31 Dezembro, 2013 17:51

        ó filha se quiser ir buscar artigos desses encontra-os por todo o lado que a humanidade polui mais que tudo e mais alguma coisa.
        O que eu disse referia-se ao CO2 produzido pelo vulcanismo que por mais que queiram e façam qualquer conta em ano médio ele produz mais do dobro do que a humanidade por ano.
        Quanto aos CFcs eles só foram perigosos para a camada de ozono quando eram produzidos no ocidente capitalista neo-liberal, pois hoje na China produz-se mais e nada de buraco de ozono.
        Daí que a poluição só é prejudicial para o meio ambiente se não tiver um poder “socialista”.
        É evidente que o que me estou a referir é à forma como estes assuntos são tratados tanto pelos mídia e depois ficam inculcados nas pessoas.
        Vc acha que o seu link tem alguma coisa de fiável ou científico?
        Ainda quer que lhe faça um desenho?

        Gostar

      • Tiradentes permalink
        31 Dezembro, 2013 17:56

        Já está como o outro que refere a Wiki como fonte . Agora como se não bastasse a uol e “jornalistas especializados”
        Já agora continua a sentir o “aquecimento global” ou só as alterações climáticas que sempre ocorreram na atmosfera terrestre antes e ocorrerão depois dos homens?

        Gostar

      • Fincapé permalink
        31 Dezembro, 2013 18:15

        Você faz-me rir, Tiradentes. E recusa-se a aprender de uma forma extrema. As suas informações, originárias de 3% de pseudo-cientistas pagos pelos cartéis respetivos, são fidedignas. As informações provenientes dos outros 97% de cientistas, de todas as latitudes, origens e centros de investigação independentes, são falsas.
        Olhe que até os cartéis reconhecem que são apenas 3% e pagos pelos respetivos interesses. Eu já os vi num bom documentário. O que fazem é acrescentar que, apesar disso tudo, eles é que têm razão. A grande diferença entre eles e o Tiradentes é que eles sabem que mentem, mas ganham com isso. O Tiradentes não sabe que eles mentem e não ganham nada com isso.
        Bom ano, Tiradentes, e melhores leituras. Ou então, as mesmas, mas também as outras, Como eu faço, embora me sinta insultado pelos cartéis. 😉

        Gostar

      • André permalink
        31 Dezembro, 2013 18:16

        “O que eu disse referia-se ao CO2 produzido pelo vulcanismo que por mais que queiram e façam qualquer conta em ano médio ele produz mais do dobro do que a humanidade por ano.” Sabe que uma das coisas que fui obrigado a estudar este semestre foi a evolução do clima na terra (numa cadeira um tanto chata, que supostamente não teria nada que ver com aquilo, mas enfim), mas ao que parece o CO2 e outros gases libertados pelo vulcanismo tiveram de facto uma grande influência na evolução do clima. Há, inclusivamente, bastantes estudos que demonstram a influência no clima perante acontecimentos extremos.
        Portanto, ao dizer que o vulcanismo lança grandes quantidades de CO2 e outros gases para a atmosfera, mais do que aquilo que nós fazemos, está penas a confirmar a tese de que existem alterações climáticas devido à atividade vulcânica e que, para evitar mais problemas, os humanos deviam minorar os seus efeitos no meio ambiente.

        Gostar

      • Tiradentes permalink
        31 Dezembro, 2013 22:13

        Que tristeza menino Fincapé.
        O menino de vez em quando até diz umas coisas mas nunca pensei que vc tivesse essa “coltura” tirada do Cm ou pior ainda, do Big Brother. Então o rapaz diz que 97% dos cientistas e 3% dos pseudo? cadê os 3%dos outros cientistas já que no segundo grupo são pseudo e por isso não o são? Nem matemática de ensino básico vc é capaz de fazer?
        Além do mais anda muito desactualizado(não só nas dificuldades nos números) como de informação em geral. Anda quase dez anos atrasado. Vá ler todas os memorandos científicos daqueles que vc diz serem os tais 97% (apenas da sua cabeça e repetido nalgum panfleto partidário) onde todas mas todas as previsões foram abjuradas pelos próprios. Verdade que os cartéis começaram a investir neles mas….pergunto eu….agora os cartéis são bons?
        Me diga uma coisa…..afinal desde o ano de 1999 a temperatura da terra tem subido? Sabe quanto subiu num século? e quanto desde 1999 subiu ou desceu? Consulte um grafico do número de furacões e do seu grau de intensidade e depois diga para si próprio quantos furacões em média tem havido a mais. ( tenho medo de quem nem sabe somar e soma laranjas com tomates para dar 100).
        Sabe qual é a produção de CFCs na China no último ano? Quantos buracos de ozono abriu?
        Já leu as conclusões famosas do efeito hockey-stick? Verificou-se não é? Leia depois as conclusões do seu autor sobre o facto de todas mas todas as suas pré-visões nunca se terem minimamente verificado. Já leu o ambientalista dos ursos polares em extinção? O rapaz reformou-se compulsivamente (ou reformaram-no) por suspensão da sua licença de investigador por aldrabice na manipulação de dados. Os malditos dos ursos puseram-se a fazer filhotes e agora há mais ursos de 4 patas e brancos, a despeito de haver uma horda de ursos de duas patas que segue as suas conclusões e das quais ele se retratou.
        Eu compreendo que para si a maioria, ou mesmo a suposta maioria dos cientistas é que faz fé. Foi por essa e por outras que a maioria dos cientistas à época de Galileu deram razão à santa madre Igreja. É que ciencia não é democratica, e muito menos burguesa capitalista por maiorias.
        A mim vc faz-me chorar porque não se dedica minimamente a querer aprender.
        Quanto ao André só uma coisa tenho para lhe dizer. Se era para chegar a essa conclusão, depois de tanto estudo de uma matéria chata, não devia tê-lo feito. Bastava ter assistido a dois programas do Big Brother e chegava à mesma conclusão,

        Gostar

      • André permalink
        1 Janeiro, 2014 13:23

        Tiradentes, por isso é que a matéria era chata. No entanto, tal não invalida o que se disse, que devemos interferir o menos possível no ambiente.

        Gostar

      • Fincapé permalink
        1 Janeiro, 2014 17:43

        O meu caríssimo Tiradentes continua um excelente pesquisador dos 3% de pseudo-cientistas, E passo a explicar o que é um pseudo-cientista, assumido no entanto como cientista: é aquele que é procurado para dizer e tentar justificar aquilo que o patrão pretende independentemente das evidências. Ora, foi isto que eu já vi num documentário ser aceite por alguns desses tais patrões.
        Agora, sobre os ursos polares pode ler em vários sites, por exemplo neste, em relação ao presente e vinda da WWF:
        http://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2013/01/18/wwf-elege-2013-o-ano-do-urso-polar-e-alerta-sobre-futuro-da-especie.htm
        Já em relação à produção de CFC na China poderá ler aqui, mas se necessitar de outros sites eu indico:
        http://www.china.org.cn/english/MATERIAL/215641.htm
        Cumprimentos ecológicos e um bom ano de 2014.

        Gostar

      • Tiradentes permalink
        2 Janeiro, 2014 10:14

        Não adianta Fincapé… Vc lança-me os links da WWF e da China.org? São estes os seus cientistas?
        Nem mais, sobre os ursos, leia os desenvolvimentos sobre David Suzuki ….o pai, avô cuidador dos ditos e saiba que foi suspenso de toda a actividade “científica”” por adulterar conscientemente os dados (que são usados pala WWF), suspenso dizia por cinco anos. Entretanto e depois de desmascarado pelos números, desacreditado, dá entrevistas arrependido e descrente em tudo o que ele próprio fez e para o que contribuiu.
        E vc ainda anda atrás deles como se essas crenças fossem ciência.

        Gostar

      • Fincapé permalink
        2 Janeiro, 2014 22:42

        Ó caro Tiradentes, é este que anda a criticar o que fez antes? 😉
        “David Suzuki foi premiado com o Prémio Nobel Alternativo em 2009”
        http://www.davidsuzuki.org/donate/financial-information/
        http://sustentabilidadenaoepalavraeaccao.blogspot.pt/2013/11/o-julgamento-de-david-suzuki.html
        http://www.davidsuzuki.org/about/

        Gostar

      • 2 Janeiro, 2014 23:01

        O NÓBEL ALTERNATIVO COMPRA QUANTOS MERCEDES COM O PRÉMIO?

        Gostar

      • Fincapé permalink
        2 Janeiro, 2014 23:06

        Olhe que o homem não tem mau currículo.
        http://www.davidsuzuki.org/downloads/drsuzukiCV.pdf
        Entretanto, encontrei um bloguezito daqueles que arrasam quem defende o planeta. Mas é muito fraquinho. Não sei como o meu caro vai naquele paleio. E vê-se que andam a defender uns quaisquer interesses, porque senão seriam mais prudentes.
        (Peço desculpa, mas apaguei o link. Não consigo publicar. Mas é sobre o verde ser a cor do comunismo. É uma coisa tão fraquinha, tão fraquinha, que até dói. A sério.)

        Gostar

      • Fincapé permalink
        2 Janeiro, 2014 23:08

        O Nobel alternativo é apenas um reconhecimento, mesmo que valha o mesmo que uma palmada nas costas, Mário Braga. 😉

        Gostar

      • Tiradentes permalink
        3 Janeiro, 2014 12:41

        O prémio nobel alternativo premeia aqueles que foram acusados e culpados de uso de dados em forma de FRAUDE assim como das respectivas verbas para a “investigação” (estatais e de cartéis) em proveito próprio e da sua “investigação” com a sua LICENÇA cientifico-fincapé CAÇADA por cinco anos.
        O azar dele é que os ursos polares além de não se terem afogado todos como previa deu-lhes um “vipe” e toca de montar as ursas e fazer filhotes, senão os carteis-fincapés deste mundo continuariam a dar-lhe prémios com aquelas organizações cientifico-religiosas-ambientalistas-politizadas que são a referência científica dos fincas deste mundo.
        E assim vai a “ciência” dos fincapés. Belos curricula.
        Por acaso não encontrou a última entrevista dele depois de ter sido “caçado”? Será que o seu sistema informático tem filtros?

        Gostar

      • Fincapé permalink
        3 Janeiro, 2014 15:50

        Não quero que se zangue comigo, Tiradentes. Visite os seus blogues informativos que explicam que o comunismo agora é verde, mas pelo menos não acredite que eles comem criancinhas ao pequeno almoço. É que muitos até são vegetarianos. Eu sou omnívoro, mas carne nada abaixo de trintonas.
        PS: Realmente, o meu filtro informático deve ser hiperativo. Não deixou passar nenhuma entrevista do homem. Mas não posso garantir que ele nunca se renda aos interesses dos irmãos que têm o nome do bacilos da tuberculose.
        Gostei especialmente de “cartéis-fincapés”. Já era altura de ter um cartel. Espero também merecer um dia a medalha de Grande-Oficial da Ordem da Santa Paciência. 😉

        Gostar

  22. Ricardo Monteiro permalink
    31 Dezembro, 2013 11:54

    “A associação de seguradoras defende que a indústria dos seguros precisa de apoiar a investigação científica para conseguir perceber quando e onde os desastres naturais irão ocorrer

    As alterações climáticas estão a provocar fenómenos extremos mais frequentes e mais imprevisíveis, forçando as seguradoras a alterarem a avaliação de risco de desastres naturais em determinadas áreas, anunciou hoje a associação das maiores seguradoras do mundo.

    “As abordagens tradicionais, que têm por base a análise histórica de dados, falham cada vez mais, hoje em dia, a estimativa de probabilidades”, adverte a Associação Genebra num relatório hoje divulgado.
    “É necessária uma alteração do paradigma de avaliação de risco”, deixando de apostar nos resultados históricos e reforçando o interesse nas previsões, pode ler-se no relatório.

    No documento, a associação defende que a indústria dos seguros precisa de apoiar a investigação científica para conseguir perceber quando e onde os desastres naturais irão ocorrer.

    De acordo com um relatório das Nações Unidas divulgado no mês passado, os desastres naturais neste século já custaram ao mundo 2,5 milhões de milhões de euros, valor muito mais elevado do que o inicialmente previsto.” agência Lusa.

    É só esquerdistas nas seguradoras.

    Gostar

  23. lucklucky permalink
    31 Dezembro, 2013 12:31

    “É só esquerdistas nas seguradoras.”

    Sim Especialmente quando o catastrofismo da Esquerda ajuda as seguradoras a justificar os prémios.
    Ainda melhor e mais distante da realidade fica para as seguradoras apostar nos “estudos” nas “simulações” e nos “modelos”.
    Temperaturas estabilizadas por 20 anos? ciclones e tempestades com menor frequência? – nem vou falar de como se mede a dita “temperatura” –

    Que é que realidade interessa? tenho aqui um estudo baseado nos últimos modelos que dizem que daqui 50 anos está tudo “pior”…. toca a aumentar os prémios.

    Nada como os prémios dos seguros deixarem de ter qualquer relação com a realidade…

    Tal como a escassez de petróleo propagandeada pela Esquerda e pelos seus correlegionários nos media já deve ter lançado mais pessoas para a pobreza que tudo o resto junto.
    Mas como a pobreza nunca foi problema com que a Esquerda se preocupasse.fica tudo bem.

    Gostar

    • Fincapé permalink
      31 Dezembro, 2013 12:51

      Gosto de o ver a combater o capitalismo, lucklucky. 😉

      Gostar

  24. @!@ permalink
    31 Dezembro, 2013 14:14

    Não há revolução alguma. Continuamos a usar os combustiveis fosseis.
    Para simples curiosidade: http://en.wikipedia.org/wiki/Accelerating_change
    http://en.wikipedia.org/wiki/Kardashev_scale

    Gostar

  25. tony permalink
    31 Dezembro, 2013 14:29

    o nuclear é a única solução para a fome do mundo o aumento de produtividade provocada pelas centrais que explodem é espetacular pois imaginem seres humanos com 4 braços e vários olhos e a viver apenas 40 anos a SS deixa de ser deficitária o aumento de produtividade é de 200%

    Gostar

    • lucklucky permalink
      31 Dezembro, 2013 14:32

      A fome no mundo não tem nada que ver com falta de comida.

      Gostar

    • Churchill permalink
      31 Dezembro, 2013 15:19

      Tony
      Quais centrais nucleares que explodem?
      Morrem milhares de vezes mais pessoas por fumar que por causa da energia nuclear. Tirando a central japonesa, que teve um acidente como resultado dum tsunami enorme, o resto foram casos de falta de manutenção.
      E já que as centrais o incomodam tanto, também quer encerrar as que produzem isótopos para o tratamento de cancro?
      Prevê as centrais de carvão dos chineses?
      Querendo comparar riscos, tem ideia do que sucedia se a barragem de Castelo de Boda sofresse um colapso?
      Essa conversa dos peixes de 3 olhos dos Simpsons é uma idiotice bem vendida pelos produtores de outras formas de energia, muito mais rentáveis e caras.

      Gostar

      • 31 Dezembro, 2013 15:37

        Ó Churchill, fumar é um acto individual, que afecta principalmente o fumador.
        Quando houver centrais nucleares domésticas sem riscos para a vizinhança, pode comprar uma para si.
        Mas não deite o lixo num contentor.

        Gostar

      • Fincapé permalink
        31 Dezembro, 2013 18:16

        O Churchill não para de fumar charuto com misturas. 😉

        Gostar

      • André permalink
        31 Dezembro, 2013 18:20

        A ver se percebi. Um acidente como um tsunami pode provocar uma catástrofe nuclear. A falta de manutenção também. Então, a sua ideia é de que a energia nuclear não é perigosa, exceto se houver uma catástrofe natural (acontecimento frequente, principalmente lá para as bandas do Japão e afins) ou falta de manutenção (problema que afeta grande parte dos países do mundo). Basicamente foi isto que quis dizer, certo?

        Gostar

      • Churchill permalink
        31 Dezembro, 2013 20:01

        André
        No Japão aconteceram centenas de sismos e nenhum destruíu nenhuma central nuclear. Em Fukushima o problema foi com os reservatórios de combustível dos geradores alternativos, um erro, que mesmo os japoneses deixaram passar. Chernobil foi um acumular de anos sem mínimo de manutenção.
        A energia nuclear assim como todas as outras tem riscos, mas se medidos com rigor são inferiores a muitas alternativas.
        A falta de manutenção tem riscos em todo o lado, mesmo nas ventoinhas que agora poluem as serras nacionais (até reservas ecológicas!).
        O custo da energia solar fotovoltaica é em si um risco para a sociedade, pois fica tão cara que inviabiliza a existência de industria. Ou seja, não polui o ar mas não ficará lá ninguem para o respirar.

        Gostar

      • Churchill permalink
        31 Dezembro, 2013 20:04

        Piscoiso
        Fumar é um ato individual mas com consequências coletivas, seja em saúde ou em custos de tratamentos.
        O lixo que está a referir das centrais nucleares é um resíduo perigoso, como muitos outros.
        Mas nesta ideia de perguntas e respostas, também gostava de saber se pretende abolir as centrais que produzem isótopos para a quimioterapia, ou para ensaios clínicos?

        Gostar

      • 31 Dezembro, 2013 20:53

        É claro que a falta de manutenção de uma ventoinha pode ser perigosa. Aquilo pode partir e apanhar a cabeça de um pastor.

        Gostar

      • André permalink
        1 Janeiro, 2014 13:29

        Churchill, podem acontecer centenas de sismos, mas bastou um sismo e uma central com um erra que mesmo os japoneses deixaram passar para acontecer o que aconteceu. Quanto ao acidente soviético, a falta de manutenção, é algo que provavelmente acontece com frequência em países como a China ou a Índia e, segundo a AIEA, na França e no Reino Unido. Ou seja, a segurança baseia-se em dois problemas comuns em boa parte do mundo.
        Quanto a esse risco da energia solar fotovoltaica só lhe posso dar uma resposta: há muito tempo os computadores também eram caros, depois o preço foi diminuindo. Agora, até há uma lei que determina a evolução dos preços. Não é difícil de perceber que quando se investe numa tecnologia ela rapidamente acaba por se tornar barata.

        Gostar

      • Churchill permalink
        1 Janeiro, 2014 17:03

        André
        Já agora diga-nos lá mesmo o que aconteceu, de preferencia com vitimas confirmadas.

        Gostar

      • Fincapé permalink
        1 Janeiro, 2014 18:06

        Há um blogue, cujo autor me escapa, defensor da energia nuclear, que publicava os comentários elogiosos dos seus alunos aos posts, mas não publicou um comentário meu que rebatia as suas ideias (huuummm!). Não são comparáveis os riscos de qualquer outra exploração energética com a nuclear. Aparentemente resolvidos os problemas do controlo de um acidente, ficarão durante dezenas de anos extensões do território contaminado, água contaminadas a correr para os oceanos, com a radioatividade a propagar-se, e milhares de residentes, ou milhões, para sempre com as vidas destruídas. Fora os que morrem imediatamente.

        Gostar

      • Churchill permalink
        1 Janeiro, 2014 21:14

        Fincapé
        Isso é ficção, muito fantasiada.
        As centrais não contaminam a água com radioactividade, o único efeito é o aquecimento.
        Os territórios contaminados com resíduos são para aí um ou dois contentores por ano. Se comparar com o impacto direto das albufeiras das barragens é uma ínfima parte.
        Milhares ou milhões de afectados? Isso é tão provável como caírem 50 aviões no Marques de Pombal.
        .
        Há riscos, claro, mas a fantasia tem feito com que pareçam muito superiores, ao mesmo tempo que diminui os riscos das alternativas.
        E com esta ficção temos a energia mais cara do mundo, e jamais conseguiremos ser competitivos em tudo o que dependa de energia para produzir.
        Essa é uma parte da nossa tragédia.

        Gostar

      • Fincapé permalink
        1 Janeiro, 2014 22:17

        Churchill, as medições radioativas no pescado num raio de muitos quilómetros a partir da central de Fukushima mostram que está contaminado. Tal como toda a produção agrícola da região. Vi um documentário sobre o assunto. Mesmo em áreas consideradas seguras já aparecem peixes contaminados, Esta é a realidade.
        Chernobyl ainda é uma terra proibida passados quase vinte anos. Não se pode contabilizar o custo de qualquer tipo de energia sem englobar todos os potenciais e reais riscos, bem como todos os danos.

        Gostar

      • Churchill permalink
        2 Janeiro, 2014 18:39

        Fincapé
        Você encontra radioatividade em muitos locais em que não existe radiação natural.
        Em Portugal encontra águas com alguma radioatividade. O mesmo se passa no ar.
        O problema não é a radioatividade, é o tipo e a quantidade.
        Mas quando chegam os demagogos começam a misturar alhos com bugalhos e tudo é prova do suposto crime que querem condenar.

        Gostar

      • Fincapé permalink
        2 Janeiro, 2014 23:38

        Caro Churchill, se existe radioatividade terá uma origem qualquer. Se não for natural, será uma contaminação qualquer.
        O problema é que os peixes aparecem com césio radioativo na ordem dos 40 mil becquereis, cerca de 400 vezes o tolerado no Japão. Isto a 20 quilómetros. A maiores distâncias já apareceram, mas não me lembro do nível medido. O que indica que aqueles que são apanhados por descargas radioativas são contaminados.

        Gostar

  26. lucklucky permalink
    31 Dezembro, 2013 14:29

    Beh.. bom 2014…:)
    O Capitalismo e a Liberdade baseia-se na capacidade de dizer Não, de poder apontar os vigaristas, os incompetentes, os bons, os melhores.
    Que lembre-se são acções qualificadas como más pelos soci@listas : Discriminar e em consequência dizer não.
    Capacidade de construir reputação. Algo que a esquerda faz os possíveis por destruir logo desde a escola.

    Se digo que as seguradoras querem apanhar o comboio de uma esquerda ambientalista -poucas honradas excepções nessa esquerda.- de mãos dadas com o capitalismo dos subsídios e das rendas seguras , ou seja que de mercado livre têm nada. É apenas poder politico o que tende a acontecer a muitos capitalistas com sucesso: tornam-se soci@listas pois assim podem proteger a sua posição com o guarda chuva do Estado…

    Roland Barthes
    Le fascisme ce n’est pas l’interdiction de dire c’est l’obligation de dire.

    É a Esquerda. A palavra de que a Esquerda e Direita Soci@listas têm mais medo é: Não.

    Gostar

  27. javitudo permalink
    31 Dezembro, 2013 14:43

    A falsa esquerda alimenta-se da pobreza de forma ignóbil, é verdade Lucky, a desgraça e a pobreza é o seu seguro de vida, a direita acéfala faz-lhe a vontade e nos jantares, longe das vista está tudo bem, eu sei do que falo, ouve épocas em que já participei em em alguns deles a convite das duas partes. Nessa época turbulenta as mihas aptidões faziam com que todos tivessem algo a ganhar e eu também, confesso. Lá fora na rua não me conheciam, eu pensava : “Ainda bem!”.
    E depois tudo acalmou e deixei-me disso, a meio dos repastos sentia-me enjoado. Agora a topar a maioria dos jornalistas da nossa reles praça volto a sentir o mesmo. Só mesmo com um cházinho da tia Adozinda, mas não tenho a sorte de ter uma tia assim.

    Gostar

  28. tric0001 permalink
    31 Dezembro, 2013 14:47

    Solidariedade com a Russia Cristã, neste tempo em que é perseguida pela União Europeia Protestante-Jacobina , NATO dos Judeus, Pussy Riots, Lobby Gay Internacional, Waabis…uma grande convergencia de interesses…nem Napoleão conseguiu encontrar tantos aliados quando atacou a Russia Cristã…Francois-Hollande na Arábia Saudita quando se dá o ataque à Russia Cristã…foi para comemorar!! Abaixo a Europa Jacobina-Protestante-Judaica e os seus “alliados”( donos) Waabis… Viva o Vaticano!!! Viva o Portugal de Santa Maria !!! Viva a Russia Cristã!!!
    ,

    Gostar

  29. tric0001 permalink
    31 Dezembro, 2013 14:57

    Gostar

  30. hajapachorra permalink
    31 Dezembro, 2013 19:16

    O desperdício de energia nos EUA é tão chocante que o o TC devia proclamar a inconsitucionalidade de qualquer alternativa energética. Já basta o efeito estufa do peido americano. É só somar a flatulência de 300 milhões de pessoas ansiosas, que falam ao comer ou que comem muito depressa, ou de indivíduos que sofrem de parasitoses intestinais. É esta a razão oculta para os maricanos não assinarem o protocolo de Quioto nem os protocolos de Sião: o metano, vulgarmente conhecido como bufa, traque, descuido, ventosidade, passos coelho, rojão, bomba, marmelo, pum, tózero, em suma o ‘americanum peditum’ contribui 21 vezes mais do que o dióxido de carbono para o efeito estufa.

    Gostar

  31. licas permalink
    1 Janeiro, 2014 09:05

    Demente e apopléctico . . .

    Gostar

  32. bicifila permalink
    3 Janeiro, 2014 15:22

    Sobre o Nuclear, ver notícia abaixo, que não há meio de ser ventilada pela comunicação social.
    Sobre o Petróleo e gás de xisto, se fosse verdade dez por cento do que anunciam, “os mercados” já tinham feito cair para menos de metade os seus preços nos mercados internacionais. As renas são muito boas para transportar o Pai Natal.
    http://www.wikibusterz.com/le-reacteur-n3-de-la-centrale-de-fukushima-vient-dentrer-en-fusion/?fb_action_ids=681541378557162&fb_action_types=og.likes&fb_source=other_multiline&action_object_map=%5B380059542138557%5D&action_type_map=%5B%22og.likes%22%5D&action_ref_map=%5B%5D

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: