Saltar para o conteúdo

22 Agosto, 2014

ng3524995

Hamas executou 18 homens por “colaboração” com Israel
Os mortos pelo Hamas são homens. Nem civis nem coisa alguma. Homens. Não têm mulheres a chorá-los, nem filhos, nem mães. São homens. Eos homens não se choram.
Digamos que já dar-se a notícia é um avanço. Mas Boaventura Sousa Santos tem a solução. A saber: extingue-se Israel e “os cidadãos do mundo propõem a criação na Palestina de um Estado secular, plurinacional e intercultural, onde judeus e palestinos possam viver pacifica e dignamente.” Ó homem por quem é parta já para a Faixa de Gaza. leve os “cidadãos do mundo” consigo e expliquem o vosso projecto da Palestina Estado secular, plurinacional e intercultural aos senhores que têm os barretes negros. Mas Boaventura parta já hoje. Que não lhe falte a coragem nem tremam as pernas. Se acabar diante de um pelotão de fuzilamento ou com um facalhão encostado ao pescoço seja coerente e grite : Abaixo o capitalismo! Fim ao Estado de Israel! Morte ao imperialismo norte-americano.

Pode ser que a Mossad o ouça e o vá buscar.

 

Anúncios
39 comentários leave one →
  1. Abre-latas permalink
    22 Agosto, 2014 16:33

    Sugiro um “ice bucket challenge” para angariar fundos para a viagem.

    Gostar

  2. lucklucky permalink
    22 Agosto, 2014 16:53

    “Hamas executou 18 homens por “colaboração” com Israel”

    É o jornalismo repelente que se faz. Usa-se os termos e argumentos do Hamas.

    Para o jornalista até deixaram de ser Palestinianos.

    Gostar

  3. António Lamas permalink
    22 Agosto, 2014 16:54

    Já vi loucos internados por muito menos.
    E gostava ter vido no fim do vómito do Boaventura, uma tomada de posição por parte da direcção do Público.
    Ma isso era preciso ter coragem, quer para se distanciar, quer para apoiar.

    Gostar

    • 22 Agosto, 2014 18:35

      A crónica do Boaventura nada tem a ver com o Público.

      Gostar

      • Eleutério Viegas permalink
        22 Agosto, 2014 21:24

        Mas podia ter… O “público” é um pasquim sustentado pelo Belmiro (deve ser expiação) e impregnado de xuxo-comunas.

        Gostar

      • 22 Agosto, 2014 21:57

        LOL(ada).
        Há até um provérbio português:
        Se não foste tu, foi o teu pai

        Gostar

  4. 22 Agosto, 2014 16:54

    Que silêncio…
    Os do costume?! Onde andam? Ninguém chora a Síria?
    R.

    Gostar

  5. Tózezito permalink
    22 Agosto, 2014 19:31

    Quando é que tiram a mama ao professor Boaventura, isto é, o dinheirinho que ele e outros tantos parasitas como ele espatifam nos seus estudos “de sociologia” no CES da Universidade de Coimbra?

    Gostar

  6. vortex permalink
    22 Agosto, 2014 19:45

    ‘boaventurados os pobres de espírito’

    Gostar

  7. Pinto permalink
    22 Agosto, 2014 21:02

    Hoje o Hamas voltou a atacar território de Israel “com umas pedritas inofensivas”: http://goo.gl/SUqfae

    Gostar

  8. Eleutério Viegas permalink
    22 Agosto, 2014 21:22

    Israel é mau… Palestina é bom… Árabe é bom… Americano é mau… Alemão é mau… Grego é bom…

    Farto desta treta!

    Gostar

  9. 22 Agosto, 2014 21:55

    Apresento a candidatura ao primeiro lugar do título mais sectário.
    Hamas executa 11 informadores de Israel
    Expresso.

    Gostar

    • Abre-latas permalink
      22 Agosto, 2014 22:55

      And the winner is: “Expresso”.
      Melhor só se fosse: “11 homens foram de encontro a balas do Hamas”.

      Gostar

    • lucklucky permalink
      22 Agosto, 2014 23:00

      Como eu disse. Maioiria dos Jornalistas querem a destruição de Israel.

      Gostar

  10. Tiradentes permalink
    22 Agosto, 2014 22:16

    Nunca pensei ver o BSS a apoiar Israel. “Atão” não é que os “cidadões” do mundo propõem na Palestina a criação de um estado secular plurinacional e intercultural onde judeus e palestinos possam viver pacífica e dignamente.
    1- Estado secular- Israel
    2- Judeus e palestinos possam viver pacificamente- Israel-25% da população de Israel é de origem árabe/palestina.
    A única coisa que me confunde é o plurinacional.
    Será assim como nós nos intregarmos na Espanha e chamarmos a Ibéria plurinacional onde possamos viver em paz e dignamente?
    Bora Ventura, tamos nessa meu.
    Ka fixe

    Gostar

  11. Juromenha permalink
    22 Agosto, 2014 23:05

    Simplesmente repugnante.
    E esses animais intitulam-se, e são aceites como “jornalistas.
    PQP

    Gostar

  12. PiErre permalink
    22 Agosto, 2014 23:05

    E ainda chamam professor ao gajo!… Deve ser colega do professor Bambo e similares que abundam por aí para sacar dinheiro aos incautos.

    Gostar

  13. 22 Agosto, 2014 23:25

    Admitamos que a sugestão BSS é ridícula, estúpida, sem sentido, enfim o que HM quiser.
    Qual é a sua? Esperar que se dizimem uns aos outros?

    Gostar

    • Tiradentes permalink
      23 Agosto, 2014 11:17

      mas aquilo é sugestão? “cidadões do mundo?” e porquê só “cidadões” para israel/ Palestina? não sobram “cidadões” para a Ucrânia? Síria?Egipto? Argélia? Líbia?
      Quando é que o rapaz deu sugestão parecida para esses casos?

      Gostar

  14. João. permalink
    23 Agosto, 2014 08:00

    O povo de Israel, os judeus, nunca foram vítimas dos palestinianos. Foram vítimas da Igreja Católica, de quase todos os países europeus e, no século 20, dos alemães que tentaram acabar com eles. O facto é que devido à insegurança dos judeus na Europa foi necessário criar um Estado na palestina em cima das casas e terras dos palestinianos.

    Gostar

    • Pinto permalink
      23 Agosto, 2014 10:12

      Quem são os palestinianos? Não há nenhum Estado com esse nome. Aquelas terras sempre foram habitadas – e de forma ininterrupta – por judeus. O termo Palestina designava todas aquelas terras entre o Jordão e o mar. Quem são então” os palestinianos”?
      Diga sem medo: os islâmicos. Os islâmicos estão muito incomodados com a criação de um Estado judaico naquela terra. Os islâmicos não aceitaram a criação de um Estado Palestiniano. Nunca aceitaram um Estado palestiniano. Os islâmicos não querem ali aquele Estado. Ponto.
      Não é uma falta de espaço (no séc. XIX aquele território era quase inabitado e já havia conflitos entre judeus e islâmicos) nem de opressão.

      Quanto à Igreja Católica, não foi por causa dela que os judeus foram perseguidos. A Igreja foi instrumentalizada e serviu as famílias reais europeias – estas sim é que não queriam os judeus. A Inquisição não veio para Portugal ou qualquer outro país por imposição da Igreja. Bem pelo contrário: foi preciso muito esforço diplomático para convencer a Igreja.
      Mais: salvou mais judeus alemães a Igreja Católica e o Vaticano que qualquer outra instituição.

      Gostar

      • Tiradentes permalink
        23 Agosto, 2014 11:47

        O termo Palestino julga-se provir de “palestos” barcos mercantis da época da dominação romana, razão pela qual estes foram os primeiros a designar aquelas terras usurpadas pelo império aos judeus dessa forma, exactamente para não as designar como os habitantes fixos (judeus) o faziam.
        Palestina seria então a terra onde os barcos (palestos) e os seu mercadores aportavam.
        Os judeus sempre foram perseguidos, escravizados e deportados muito antes do advento do cristianismo, por Assírios, Babilónicos, Egipcíos e Romanos (resumidamente), exactamente por representarem um povo culto indefectível nas suas crenças, cultural e, por isso económicamente mais avançados. Com o advento primeiro do cristianismo e 600 anos mais tarde do maometanismo ( muçulmanos) “ambas as duas”com base no antigo testamento que sempre foi o fundamental da Tora judaica estas duas crenças sucedâneas do judaísmo também os guerrearam e perseguiram, sobretudo aquando da conversão do Império Romano ao cristianismo e depois durante as cruzadas da reconquista cristã que visava sobretudo o império muçulmano entretanto construído. Estes em 700 além de matarem judeus e cristãos tinham entretanto conquistado toda aquela região que depois ainda se alarga mais com o Império Otomano chegando ao Caucaso e à Europa (Turquia) onde ao longo do tempo vão fazendo carnificinas, hoje chamados de genocídios, matando milhões de cristãos sendo que o último milhão foi dizimado naquelas paragens em 1920 (Arménios). Entretanto já tinham colonizado, escravizado e deportado todo o norte de África, escravos que em número terão sido 5 vezes mais do que o maior numero achado para os escravos europeus que sobretudo os compravam, mudando a face do norte do “continente negro” para mais “clarinho” arábico. A “política” de matar o infiel (sobretudo o cão judeu e o porco cristão) já era moda naquela altura sobretudo, os homens tomando-lhes as mulheres que faziam questão de “emprenhar”.
        Também foi assim na Peninsula Ibérica quase 700 anos com o califado Al-Andaluz.
        É por isso que no sangue Ibérico e no tuga especialmente muitos dos genes sejam arábicos e por isso ahahahhaha tendencialmente pro-muçulmanos.
        É que os sangue tem muita força. hahahahhaha

        Gostar

      • João. permalink
        23 Agosto, 2014 18:07

        Ignorante, vá ler São Tomás de Aquino e o que ele dizia dos judeus.

        Aquelas terras eram habitadas por judeus e árabes, o que aconteceu é que desde 1948 os árabes foram expulsos de suas casas e suas terras pelos colonos israelitas e uma vez que se fundou alí um país, Israel, onde não havia, os expulsos formaram uma idea, a de um povo e um Estado – o palestiniano.

        Gostar

      • Tiradentes permalink
        24 Agosto, 2014 08:08

        Mais um que não sabe ler mas que julga que São Tomás de Aquino era agnóstico e que a história, apesar dele, só começou em 1948.
        Ó jumento…. diga lá onde é que eu escrevi que NÃO era habitada por judeus e árabes?
        Se vc lê um pequeno texto como o que eu escrevi, genérico, resumido e consegue confundir o seu reflexo no espelho achando que são os outros, São Tomás de Aquino não é leitura recomendável, sem um pouco de epistemologia do texto, filologia e quiçá um pouco de teologia, coisa que provavelmente terá uma ideia que existe.
        Leia mais José Rodrigo dos Santos que chegou à conclusão que Cristo não era cristão e depois vá ver a telenovela.
        Sobre o que eu escrevi tem alguma coisa a dizer, ou é só essa diarreia?
        Para saber o que eram ou são os judeus eu li mais Marx. Vá lá lê-lo também e veja o que ele diz sobre os judeus ( e não só). Pelo menos é muito mais próximo cronologicamente de 1948, altura em que neste caso o “mundo começou”, na sua telenovela aquiniana.

        Gostar

    • João. permalink
      23 Agosto, 2014 18:42

      São Gregório de Nissa, Sec. IV., sobre os judeus (sublinho que é um santo da Igreja Católica): “Homicidas do senhor, assassinos dos profetas, rebeldes e odientos para com Deus, ultrajam a Lei, resistem à graça, repudiam a fé de seus pais. Comparsas do diabo, raça de víboras, delatores e caluniadores, toldados de cérebro, fermento farisaico, sinédrio dos demônios, malditos, execráveis, lapidadores, inimigos de tudo aquilo que é belo…” In: Patrologia Grega de Migne, 46, 685.”

      Pio X, Sec. XX, : “Eu sei, não agrada ver os turcos na posse dos Lugares Santos. Nós simplesmente temos que nos conformar com isso. Mas apoiar os judeus na conquista dos Lugares Santos, isso não podemos”.

      “Sim, mas nós, e eu, como chefe da Igreja, não podemos fazer isso. Há duas possibilidades. Ou os judeus se agarrarão a sua fé e continuarão a esperar o Messias que, para nós, já chegou. Neste caso, eles estarão negando a divindade de Jesus e nós não podemos ajudá-los. Ou eles irão para lá sem qualquer religião e, então, muito menos ainda poderemos favorecê-los.

      “A religião judaica foi o fundamento da nossa; mas ela foi substituída pelos ensinamentos de Cristo e nós não podemos lhe conceder qualquer validade. Os judeus, que deveriam ter sido os primeiros a reconhecer Jesus Cristo, não o fizeram até hoje”.

      http://fratresinunum.com/2014/05/26/non-possumus/

      Foram mais de mil anos de antissemitismo vindo da Igreja Católica e das nações cristãs. Só a partir do século XX a Igreja começou a inverter a sua posição.

      Gostar

      • Tiradentes permalink
        24 Agosto, 2014 11:08

        É tão engraçado invocar São Tomás de Aquino, e depois usar os mesmos “cristões” para condenar o anti-semitismo,
        Já agora podia podia usar um tal de Henriques, mercenário cruzado do Papa, (bula) que também andou a matar árabes e judeus (estes poucos já que o califado tinha tomado “conta” deles)

        Gostar

      • João. permalink
        24 Agosto, 2014 17:32

        Só no sec XX a Igreja começou a condenar o antissemitismo. Ou seja, foram séculos atrás de séculos de antissemitismo vindo da igreja católica, mas não só, também dos protestantes, ou seja, foram séculos e séculos de antissemitismo brutal da cristandade e agora vêm os seus herdeiros acusar os árabes que nem de perto nem de longe causaram tando dano aos judeus como os cristãos e os europeus.

        Isto de lidar com a ignorância não é fácil. Ainda mais quando a ignorância se coloca a opinar sobre história e questões internacionais. A razão porque os judeus sentiram a necessidade de um país deve-se aos séculos e séculos de perseguição que sofreram às mãos da igreja católica, das religiões e nações cristãs da Europa e que culminou, no século XX, com o nazismo.

        Quem ler a citação que eu deixei acima de Gregório de Nissa, santo da Igreja Católica, identifica claramente o mesmo tipo de disposição que o nazi para com o judeu.

        Os palestinanos são os que foram chamados a pagar o pato da crueldade da Igreja Católica e dos cristãos para com os judeus.

        Gostar

      • João. permalink
        24 Agosto, 2014 17:36

        Já agora, só o último comentário – 24 Agosto, 2014 17:32 – é para você. Os outros, ò jumento, foram para o Pinto.

        Gostar

  15. JCA permalink
    23 Agosto, 2014 10:31

    .
    .
    .
    -ISIS tentacles reach toward China
    http://www.atimes.com/atimes/China/CHIN-01-150814.html
    .
    .
    -Former top general calls on Obama to wipe out Isis in wake of Foley killing
    http://www.theguardian.com/world/2014/aug/21/general-john-allen-obama-isis-james-foley-killing

    Gostar

  16. colono permalink
    23 Agosto, 2014 14:26

    Este Mundo e nosso país em particular, seria um Eden se tivesse meia-dúzia de Boasventuras & Sousas Santos… Este Homem, já tem por justiça, lugar assegurado no Pintelhão do Deuses!

    Gostar

  17. 23 Agosto, 2014 16:33

    Eu sei por que razão o pascácio do BSS tem tanta saída no Brasil. Mete dó e nojo.

    Gostar

  18. Rui Pessanha permalink
    23 Agosto, 2014 19:16

    Em mais de 30 países europeus, consabidamente super-pacíficos, houve fuzilamentos de colaboracionistas em 1944/45. Até no Luxemburgo onde trabalhei,.. por que razão a Palestina em guerra há 66 anos não poderia executar os seus colaboracionistas (informadores da Mossad do paradeiro secreto de chefes do Hamas mortos depois por mísseis) ? A Noruega, pais que atribui os Nobel da paz, também fuzilou Quisling (o PM do governo colaboracionista durante a ocupação) e outros colaboracionistas em 1945… O colaboracionismo com o ocupante é o crime mais abjecto e que em todo o lado é punido com a pena de morte, pelo menos em tempo de guerra. Distinguem-se facilmente uns dos outros: Uns são ocupados e agredidos, outros são agressores e ocupantes. Não é tudo a mesma coisa…

    Gostar

  19. Rui Pessanha permalink
    23 Agosto, 2014 19:21

    Os palestinianos são a população autóctone da Palestina, pelo menos há 4.000 anos. A sua religião maioritária até aos finais do séc. I foi o judaísmo, passando depois a ser o cristianismo (em todo o Médio Oriente e norte de Africa). Houve um fenómeno duplo de conversão religiosa (cristã) e de aculturação (helenística) que se repetiu seis séculos mais tarde, passando então a religião maioritária a ser o islão e a cultura a árabe. MAS O POVO É E FOI SEMPRE O MESMO. Só os ignorantes é que desconhecem o fenómeno da aculturação e imaginam que os “árabes” vieram todos de Meca !!! Meca era uma aldeia com umas centenas de beduínos… que não podiam povoar o vastíssimo império árabe do Indo aos Pirinéus. Os povos desses territórios não mudaram. Só que se converteram ao islão e assimilaram a cultura e lingua árabes. Também não foram os cidadãos de Roma que povoaram o também vastíssimo império Romano, mas os autóctones que se romanizaram a adoptaram o latim como lingua…Elementar… Mas há mais… É que a maioria (90%) dos judeus de hoje, os askenazis nem sequer são semitas e oriundos, mesmo longinquamente da Palestina !!! Só a minoria sefardita pode invocar esse parentesco longínquo: são semitas, mas magrebis e não palestinianos ou médio orientais (vieram com os árabes para a península em 711 com Tarik, ele próprio ex-judeu convertido ao islão após a conquista árabe do Magrebe, onde antes havia um reino berbere judeu). Mas os palestinianos de hoje é que são os descendentes directos dos habitantes da Palestina do tempo de Cristo. O povo é ETNICAMENTE o mesmo. É semita. Só a religião dominante mudou duas vezes em 2.000 anos. E não perdem o parentesco de sangue pelo facto de os seus antepassados se terem convertido sucessivamente ao cristianismo e ao islão. Foram judeus (que é religião e não comunidade étnica) mas já não são. Mas continuam a ser semitas palestinianos. Sempre. Os askenazins de pele e olhos claros são descendentes dos turcos khazares do antigo império Khazar, convertido ao judaísmo (séc VII-X) na região do Cáucaso, Ucrânia e Casaquistão (hoje), que foram depois empurrados pelos mongóis para a Polónia e Lituânia, berço dos askenazins medievais e dos quais descendem 90% dos judeus actuais e dos israelitas judeus. Não são semitas e NADA têm a ver com a Palestina. Também os filipinos são católicos e nem por isso têm a ver etnicamente com a terra de Jesus. Elementar… Ver, v.g., a obra de Arthur Koestler, judeu askenazin, “a 13ª Tribo” onde tudo está explicado… http://www.biblebelievers.org.au/13trindx.htm

    Gostar

  20. Carocha permalink
    23 Agosto, 2014 21:07

    Provocação pura e simples.!! Viva a liberdade de expressão.!

    Gostar

  21. António Coelho permalink
    24 Agosto, 2014 13:25

    Se este idiota não estivesse convencido que a religião é o ópio do povo, talvez conseguisse pensar. Assim limita-se a debitar preconceitos. http://www.cnnchile.com/noticia/2014/08/23/gabriel-ben-tasgal-el-conflicto-en-medio-oriente-es-religioso-la-religion-manda

    Gostar

  22. Nobre Furtado permalink
    24 Agosto, 2014 21:07

    Não Haverá um “Hospital” Psiquiátrico em COIMBRA ?? !! _Para este “Senhor” SOVIÉTICO” … SÓ Existe a Ideologia “Soviética” !

    Gostar

Trackbacks

  1. O Pierrot Boaventura Sousa Santos | perspectivas

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: