Saltar para o conteúdo

a culpa não é do tsipras. nem do varoufakis.

21 Julho, 2015
by

tsipras-baroufakisNão se trata de um rebate de consciência pelas malvadezas que tenho vindo a escrever sobre as duas personagens do título. Tão pouco de uma adesão às velhas teorias sociológicas e criminais muito em voga nas décadas de 1960 e 70, segundo as quais a culpa do crime era mais da sociedade (de todos nós) do que dos infelizes dos criminosos que não tínhamos sabido educar. A questão é outra. Trata-se do facto da «geração Tsipras», à qual pertencem os dois malandrins gregos, ter crescido numa cultura europeia segundo a qual não era necessário haver responsabilidade para que o sucesso e o sossego estivessem garantidos. Na verdade, depois de terem sido fundadas nos bons e sãos princípios liberais da liberdade de comércio que conduz à paz, cedo as Comunidades Europeias assumiram uma deriva «social», segundo a qual lhes competiria a criação de um «modelo social europeu» fundado na convicção de que essas organizações supranacionais, e mais tarde a União, se bastariam a si mesmas para trazerem prosperidade, alegria e felicidade aos povos que as compunham. A partir da década de 70, as Comunidades, não se bastando com o sucesso do Mercado Comum (ainda em construção, note-se), protegeram o ambiente, o emprego, a saúde, os direitos dos trabalhadores, dos cidadãos europeus, em suma, a felicidade. Para isso, despejaram dinheiro a rodos sobre os estados membro, muito do qual para os estados que agora se encontram em crise, como Portugal e a Grécia. Infelizmente, o Pacto de Estabilidade e Crescimento só viria mais tarde. Quando os estragos já eram imensos.

Em 1963, Barry Goldwater (força aí com as rosnadelas, ó camaradas), escrevia: «O Socialismo através do Assistencialismo cria um perigo muito maior para a liberdade do que o Socialismo através da Nacionalização, precisamente porque é mais difícil de combater. Os males da Nacionalização são evidentes por si próprios e imediatos. Os do Assistencialismo são velados e tendem a ser adiados. As pessoas são capazes de compreender as consequências da entrega da propriedade da indústria siderúrgica, digamos, ao Estado; e é possível contar que se oponham a tal proposta. Mas aumente o governo a contribuição para o programa de “Assistência Pública” e nós, no máximo, resmungaremos contra as despesas governamentais excessivas. O efeito do Assistencialismo sobre a liberdade será sentido mais tarde – após os seus beneficiários se terem tornado as suas vítimas, após a dependência em relação ao governo se ter tornado servidão e ser tarde de mais para abrir as portas da prisão. (…) É possível que um homem não compreenda imediatamente, ou nunca compreenda, o dano assim causado ao seu carácter. De facto, este é um dos grandes males do Assistencialismo – transformar o indivíduo de um ser espiritual digno, industrioso, auto-confiante, numa criatura animal dependente sem o saber.».

Foi isto que sucedeu na Grécia de Tsipras e Varoufakis. E é por isto, também, que eles reclamam, indignados, por acharem que nada precisam de fazer para manterem o «greek way of life», reclamando a «solidariedade europeia» que subitamente lhes começou a faltar como eles a percebiam. Também eles, à sua medida, são vítimas do assistencialismo de décadas que recaiu sobre a União Europeia. E o Varoufakis até escreve livros sobre o assunto. É um teórico da coisa, que não consegue entender por que raio a coisa que ele teorizou está agora a falhar.

Anúncios
58 comentários leave one →
  1. 21 Julho, 2015 23:27

    O que é que ele teoriza?

    Intriga-me de onde vêm estas modas. É os cainesianos de Oxford; é os anti-capitalistas de Cambridge; é os trostkistas com MBA anglo-saxónico.

    Não sei não. Os gajos aprendem estas coisas nas universidades dos supostos países liberais.

    Gostar

    • rui a. permalink*
      21 Julho, 2015 23:30

      Era uma ironia, Zazie!

      Gostar

      • zazie permalink
        21 Julho, 2015 23:31

        Ah. Pensei que era verdade.

        Mas é um facto que eles aprendem estas coisas em Inglaterra e nos EUA.

        Não sei qual o interesse mas as universidades inglesas estão tomadas por marxistas.

        Gostar

      • zazie permalink
        21 Julho, 2015 23:33

        Estes tipos não são comunas à moda antiga.

        Nem temos ainda por cá isto, porque os nossos são mais 12º incompleto.

        Gostar

    • rui a. permalink*
      21 Julho, 2015 23:35

      Quase todas as universidades europeias o estão, Zazie. São ainda os filhos do «ópio dos intelectuais»,

      Gostar

      • zazie permalink
        21 Julho, 2015 23:38

        É verdade. Mas eles vão actualizando o léxico.

        Agora chamam-lhe cainesianismo porque chamar capitalismo ainda fazia cair parentes na lama

        Gostar

  2. rui a. permalink*
    21 Julho, 2015 23:36

    Os nossos juraram as notas em 74 e 75…

    Gostar

  3. zazie permalink
    21 Julho, 2015 23:37

    Por cá deve ser como na Grécia- contam mais os pergaminhos familiares.

    E os pergaminhos da nossa escardalhada são coisas fóssil de descendência de brigadistas reformados e latifundiários ou poetas com dor no peito.

    No máximo lá conseguem meter uma psico de clã dos psico-poetas ou sociólogos do ISCTE ou história da arte da Nova.

    Assim não chegam a Varoufakis, não.

    Gostar

    • rui a. permalink*
      21 Julho, 2015 23:40

      Zazie, os «pergaminhos familiares» nas nossas universidades públicas não tem nada a ver com ideologias. Só mesmo com as famílias. A coisa piorou muito nas últimas duas décadas, É ir ver às faculdades de direito de Coimbra e Lisboa…

      Gostar

      • zazie permalink
        21 Julho, 2015 23:40

        Tem a ver com ignorância militante.

        Gostar

  4. zazie permalink
    21 Julho, 2015 23:42

    Mas dá para morder que estes neo-marxistas preferem a economia às humanidades.

    Gostar

    • rui a. permalink*
      21 Julho, 2015 23:54

      A economia é, por definição, uma ciência humana, Zazie. Melhor dizendo, é a ciência da «acção humana». A «economia» neo-marxista é que não é economia, mas ou uma espécie de astrologia historicista, ou uma diatribe informática e estatística sem qualquer adesão à realidade.

      Gostar

      • Slint permalink
        22 Julho, 2015 13:09

        Mesmo assim consegue ser melhor que o capitalismo que é crime organizado e cria dinheiro do nada através das taxas de juro. Isso é que bom pá!!

        Gostar

  5. Procópio permalink
    22 Julho, 2015 00:01

    Será que a felicidade dura sempre?
    Eu gostava do riso do Tsipras e da mota do Varoukfakis.
    Nem chegou a dar a boleia à catarina
    Agora, há mouro na costa atlântica. Dos dois lados.
    Há um gang internacional preocupado com os pobrezinhos e com os trabalhadores.
    Não tem falhado até agora.
    http://observador.pt/2015/07/21/lava-jato-5-graficos-caso-brasileiro-cruza-varios-processos-portugal/
    Dizem os meteorologistas que este verão vai estar mais quente que o usual.
    O calor torna as celas insuportáveis, abrem-se brechas na “omertá”. Salute!

    Gostar

  6. licas permalink
    22 Julho, 2015 00:22

    rui a. PERMALINK*
    21 Julho, 2015 23:54

    rui a., desculpará a ousadia:

    Excelente, inultrapassável

    astrologia historicista __________ a fatalidade histórica na direcção do Comunismo
    sem qualquer realidade.

    Depois, a Estatística, uma ciência tambem “humana” no que concerne a interpretação,
    verificou-se que os Dirigentes, ao longo da existência da URSS , mesmo sem a martelação sistemática dos dados, a abastardaram em mais um instrumento de propaganda para os
    naturais da União e também para os papalvos nossos concidadãos que
    “aderiram” às hossanas do Paraíso na Terra, social. económico, científico e militar.
    E tivémos que aturá-los por décadas . . .
    E ainda não se calaram de todo. E não se calarão.

    Gostar

    • Democrata com Larga Experiência ― Vende-se permalink
      22 Julho, 2015 00:44

      Excelente.

      Não tarda uma loja de barbeiro e os Bolotas aqui virão.

      Temo que relativamente à »astrologia historicista« e a »uma diatribe informática e estatística« a coisa se complique. Por isso o meu pedido ― quase que uma súplica revolucionária (?) ― para os próximos tempos será,

      ― Ajudem o Bolota!

      Gostar

  7. Diogo Câmara permalink
    22 Julho, 2015 00:35

    Claro que a culpa é do sistema criminoso que governa a Europa. Verdade de La Palice.

    Gostar

  8. anonimo permalink
    22 Julho, 2015 00:42

    A ciganização da sociedade europeia.

    Gostar

    • holonist permalink
      22 Julho, 2015 01:12

      Ahaha , excelente descricao , realmente nao anda nada longe da verdade.

      Tenho que admitir que alguem aceitar um sistema que nega qualquer merito ao individuo , trata todos como formigas ( ou dizem que tratam ) e nao reconhecem o valor do trabalho ou esforco de cada cidadao … isto e algo que nunca vou conseguir perceber… como e que alguem inteligente alinha nestas coisas. A alternativa e aceitar que nao sao de todo inteligentes…

      Gostar

      • anónimo permalink
        22 Julho, 2015 10:57

        nos bairros sociais de Lisboa – onde regra geral os não-ciganos ficam aquém dos ciganos na xica-espertice e por isso são os ciganos a assumir a vanguarda nos esquemas petitórios – é usual ouvir a frase “se o cigano têm direito (a qualquer coisa, renda de borla, casa para o filho, etc) eu ainda tenho mais”.

        Deixando agora de lado a questão do “tenho mais direito do que o cigano” e as repercussões em toda a doutrina esquerdola que empurra a xenofobia para outras classes, torna-se evidente que “o cigano” foi estabelecido como o padrão do assistencialismo na Camara de Lisboa. Repare-se ainda que “o cigano” é referido no singular como um tipo, categoria ou nomen, e não “ciganos” no plural que identificaria com muito mais humanidade um grupo de pessoas – o que se invoca em benefício da cristalização do conceito.

        As pessoas dos Bairros Sociais não querem mais nem menos do que aquilo que os ciganos obtêm. Querem exactamente AQUILO que o Cigano obtém.

        Em termos de Apoios Sociais, não interessam os índices do Banco Mundial, da UNICEF, do INE, da Comissão Europeia, do FMI, da Caritas, da Quercus, do Bloco de Esquerda, da manuela Ferreira Leite, ou ainda menos,os índices do Bagão Infeliz.

        A Pessoa Apoiada, o Cidadão Carenciado, o manhoso instalado desde que atinja o Padrão-Cigano fica satisfeito.

        Gostar

    • Slint permalink
      22 Julho, 2015 13:12

      Verdade sim senhora. Um Cavaco, um Passos Coelho, um Hollande, um Cameron e uma Merkel conseguem fazer mais merda que 1.000.000 de ciganos armados com mp5’s

      Gostar

  9. licas permalink
    22 Julho, 2015 08:26

    Bem sei que as oportunidades de uma vida “easy” e confortável
    não estão divididas irmãmente. Deveriam estar? Talvez . . .
    E depois? Socialismo? Já foi exemplificado pela URSS; resutado?
    Choradinho passa-culpas.
    É tão consulador, terapêutico, emoliente, atribuir aos outros, ou ainda melhor a uma entidade
    semi abstracta, o Sistema, todas as nossas falhas.
    Depois especifica-se: o Sistema Capitalista.
    E pronto, that´s so . . .

    Gostar

  10. Simão permalink
    22 Julho, 2015 09:42

    Saem mais proto-marxistas das Universidades do Norte da Europa e dos EUA do que das universidades do Sul da Europa.

    A realidade é mais complexa do que parece. O actual ministro das finanças grego, Tsakalotos, é formado em Oxford p.ex.
    Outro exemplo é Varoufakis, que já leccionou em várias universidades e foi CONVIDADO a regressar à Grécia para dar aulas na Universidade de Atenas pelo actual governador do Banco Central da Grécia, o sr.Stournaras, pessoa que é tida como de direita e que tem a simpatia das “Instituições” .
    É assim. 🙂

    Gostar

    • 22 Julho, 2015 10:45

      Pois saem.

      É lá que se formam estes novos marxistas. Não é no Sul.

      Até aqui na blogo se confirma. O Harry Lime (Rui Silva) foi fazer MBA para Inglaterra e contou logo no Portugal Contemporâneo que lá só se dava Keynes.

      Veio todo cainesiano e usa o MBA para a propaganda xuxlialista

      Gostar

    • zazie permalink
      22 Julho, 2015 10:50

      Há cursos de utopia nos EUA. Até no campo das artes só nos EUA ou em Inglaterra é que se encontra tanto melro marado dos cornos a ser pago para vender imbecilidades.

      A Vida Selvagem e os Estudos de Género são parvoeiras americanas. Em Edinburgh até conseguem juntar docs em ursos polares e lgbt.
      eheheh

      A sério- aquilo é o paraíso dos aleijões.

      Gostar

      • Simão permalink
        22 Julho, 2015 10:55

        Comparados com esses, Tsakalotos e Varoufakis são símbolos de sobriedade e moderação e até conseguem 🙂

        O Alexis não conta pois é Engenheiro Civil, lol!

        Gostar

  11. 22 Julho, 2015 10:25

    aconteceu na grecia e na europa inteira. a liberdade exige muito trabalho , disciplina , auto controlo , auto suficiencia , pau de criança , tudo coisas feias e esquisitas 😃 produziu , o assistencialismo , uns povos cobardes , incapazes de lutar , submissos as maiores sevicias.

    Gostar

  12. Inspector Jaap permalink
    22 Julho, 2015 11:02

    Caríssimo Rui:
    Tomo a liberdade de o parabentear pelo seu magnífico opúsculo, prenhe de clarividência e acutilância; continue, pois, a enriquecer, com os seus escritos, os seus leitores fiéis, entre os quais tenho a honra de me contar, que eles lho agradecerão, disso estou certo.
    Cumpts

    Gostar

  13. 22 Julho, 2015 11:02

    Rui A. Excelente citação. Aplicável não só a nível da relação do cidadão com o seu Estado como, curiosamente, ao nível de uma País e a comunidade de países em que se inseriu. (Neste caso a referida inserção nem foi por via do Syriza nem da sua família política … convenhamos).

    Rebelião juvenil esta, a gerida pelo Syriza, tipo adolescente a refilar, mas a querer continuar em casa dos pais …

    Mas, tal como a nível individual, aquele povo irá maturar politicamente. Concorda?.
    Qual será então a reação?.
    Será que veremos, em muito próximas eleições, um partido na Grécia a defender a saída de casa dos pais ?. Em Portugal o PC tem os fieis 10%.

    Ps.- Convérm sempre fazer uma clara distinção entre eleitores gregos reformados, desempregados, empregados (na função pública e fora dela), e gregos em situação financeira “supra-nacional” ie. europeia ….
    Querer ou não sair de casa dos pais não é bem a mesma atitude, nestes diferentes grupos….

    Gostar

  14. Procópio permalink
    22 Julho, 2015 11:19

    rui a. estou a pensar em convidá-lo para meu assessor da PR.
    O meu currículo está limpo sem nada disto:
    Em finais de Junho de 2007, Saldanha Sanches apresentou-se a provas de agregação na Universidade de Lisboa. Foi chumbado. O júri que reprovou José Luís Saldanha Sanches tinha António Sampaio da Nóvoa como presidente.
    A zazie, astuta como é, acabará por se convencer sou o Homem do momento.
    A propósito de Homens, notem quem o costa escolheu como primeiro da lista do Porto.
    Estará o peésse assim tão falho de gente? Palavras do amigo, escritor de grande notoriedade em certos meios influentes da nossa cultura:
    “Em 1978, em Dezembro, conheci um cientista português chamado Alexandre Quintanilha. Na altura ele estava a fazer um pós-doutoramento na Universidade da Califórnia e conheci-o num café de São- Francisco e, apaixonei-me por ele e ele, felizmente, apaixonou-se por mim”.

    Gostar

    • Simão permalink
      22 Julho, 2015 11:36

      Fala de Richard Zimmler?!
      Foi meu professor. Um bacano! 🙂

      Gostar

    • licas permalink
      22 Julho, 2015 14:15

      A zazie é fenomenal !!! Muito bem !

      Cantando e rindo

      Nos tempos negros, fascistas,
      Não se empregava o “calão”
      Para não se dar nas vistas:
      Não permitia o “patrão”.
      Usar termos parecidaos
      Eram então requeridos.

      Tu “vai levar na anilha”
      No “olho” substituindo
      O que mandava a cartilha
      Do povo cantando e rindo.
      Agora um “Quinta anilha”
      Tem de cómico de pilha.

      Licas fecit

      Gostar

    • rui a. permalink*
      22 Julho, 2015 20:01

      É tudo uma questão de números: diga-me os seus e começaremos a conversar.

      Gostar

  15. PiErre permalink
    22 Julho, 2015 11:34

    “Não sei qual o interesse mas as universidades inglesas estão tomadas por marxistas.” Zazie

    .Mais do que isso, estão tomadas por defensores das teorias de Antonio Gramsci, que têm um fundo marxista mas são muito mais desenvolvidas e perigosas do que as teorias marxistas. E não só universidades inglesas, mas por toda a parte do mundo. É uma praga.

    Gostar

    • zazie permalink
      22 Julho, 2015 11:47

      Pois estão mas começaram pelos EUA e USA.

      O detalhe escabroso é esse.
      ehehe

      Gostar

      • zazie permalink
        22 Julho, 2015 11:48

        EUA e USA?


        é no que dá falar à amaricana. Na América e em Inglaterra.

        Gostar

  16. Simão permalink
    22 Julho, 2015 11:39

    “Ideas and opinions are not spontaneously “born” in each individual brain: they have had a centre of formation, or irradiation, of dissemination, of persuasion-a group of men, or a single individual even, which has developed them and presented them in the political form of current reality.”
    ― Antonio Gramsci, Selections from the Prison Notebooks

    🙂

    Gostar

    • zazie permalink
      22 Julho, 2015 11:50

      Essa genté é toda fóssil mas, eu começo a concluir que a escola francesa não teve alternativa do lado anglo-saxónico.

      Como não teve e demoram muito tempo a actualizarem-se é agora que os anglo-saxónicos andam a debitar tretas que eram modas francesas nos anos 60.

      E concluo isto em muitos mais campos, a começar pela teoria da arte.

      Não sei o que fizeram dos alemães que eram bem melhor mas que também apanharam com o trauma do holocausto e ficaram besta.

      Gostar

      • Simão permalink
        22 Julho, 2015 11:54

        Começo a pensar que o BCE, a sede da UE e mais o PE deveriam ser transferidos para Atenas! 🙂

        Comparado com os que refere…. os gregos (e demais países do Sul) são uma cambada de “reaças”…..mesmo o Syriza, ahaha

        Gostar

      • zazie permalink
        22 Julho, 2015 12:10

        Pois são!

        A verdade é essa
        ehehe

        Não sei como está a Alemanha. É capaz de estar equilibrada porque têm um longo passado cultural.

        Mas os anglo-saxónicos estão agora na fase Maio 68.

        Gostar

      • zazie permalink
        22 Julho, 2015 12:13

        Mas são e mesmo em França há maior pluralismo e menos panca de Maio de 68 do que nos EUA e Inglaterra

        Como por cá se copiam sempre modas de fora, já tivemos as francesas e agora vamos nas anglo-saxónicas que são de novo as francesas com pitada de jacobinismo e ateísmo militante.

        Por exemplo- o lobby ateu conseguiu impingir a filosofia analítica nos programas escolares.

        Só dei por isso este ano, ao consultar programas e ver exames.

        Estão lá os da Clássica- os descendentes do Branquinho em versão Aires de Almeida e Murcho.

        E o palerma do Crato, como é ateu militante e cientóino, vá de copiar o que dizem os tipos cientóinos para com isso abrilhantar o que não é do campo dele nem pesca do assunto.

        Gostar

    • zazie permalink
      22 Julho, 2015 11:52

      Os americanos andam agora a citar Foucault!

      Nem mais! Fico parva com isto. Parece eco. Tudo déjà vu, dèjá écouté.

      Gostar

  17. zazie permalink
    22 Julho, 2015 12:20

    Isto resume-se assim:

    A minha geração lia Foucault, Althusser, Barthes, Deleuze e Gramsci em francês; a do presente lê Foucault, Althusser, Barthes, Deleuze, Gramsci e Keynes em inglês.

    Gostar

  18. joão lopes permalink
    22 Julho, 2015 12:51

    passos é o culpado,acusado (e bem) por juncker de ser o mais fanatico politico pelas medidas de austeridade.

    Gostar

  19. licas permalink
    22 Julho, 2015 13:44

    Bem, não tenho a certeza, mas desconfio que alguns
    desses gregos que enchem o papo de anti-capitalistas se
    algum dia na Grécia houvesse um regime “à la URSS ”
    sentir-se-iam bem desconfortáveis. É um “feeling” que eu cá tenho . . .

    Gostar

    • anónimo permalink
      22 Julho, 2015 14:08

      durante 5 meses divertiam-se imenso, depois abriam a pestana. Por cá, também foi assim. A partir de Março foium regabofe.Em Agosto já se andava a queimar as sedes para de acabar cppm a peçonha.

      Gostar

  20. licas permalink
    22 Julho, 2015 14:22

    . . . e foi desde aí que aos Bolotas o PREC
    começou a “cheirar a esturro” . . .

    Gostar

  21. PiErre permalink
    22 Julho, 2015 15:01

    A América e o gramscismo:

    Gostar

  22. licas permalink
    22 Julho, 2015 20:08

    Melhor vistas as coisas . . .
    Seria como diz se, e só se, as pesoas entrassem na “igreja” de moto próprio
    e se se formassem no Marxismo-Leninismo sem quaisquer ” apoios dos “melhores”
    (mais “sábios”).
    Porem, sabemos bem que não é assim,
    Há que contar com os “sacerdotes” da seita, os “bispos” e o “Papa” Gerónimo.
    Todos e les empenhdos em que os novos “baptisados” tenham uma formação
    tanto acelerada quanto sólida . . .

    Gostar

  23. neotontono permalink
    22 Julho, 2015 21:38

    Agora sim fica explicado porque os PIGS se comportaram como porquitos no assunto grexit.
    Este presidente tampouco esta a tratar o caso com a reserva e o rigor que exigia o caso.
    Entanto os gregos papando as ostias que se repartem gratuitamente na Eurolandia. Isso sim. De forma civilizada. “Temdes razao mais vamos esmagarvos”
    Deveriam consultar um Oraculo daqueles para ver quem lhes fez um
    vodoo. Ir adiantados nesta historia da divida publica…

    Numa entrevista ao jornal belga Le Soir, o presidente da Comissão Europeia revela que Portugal, Espanha e Irlanda se opuseram a um acordo de reestruturação da dívida grega antes de se realizarem as eleições nos seus países. Passos Coelho já veio dizer que deve haver “alguma confusão”.

    Gostar

  24. 22 Julho, 2015 23:10

    Excelentes post e citação! A dependência é muito triste e escraviza todos, mas difícil de recusar. No tempo do Sócrates até já havia muitos “empresários” que gostavam dele (leia-se do dinheiro dos contribuintes). Mas no fim, empobrece todos – com excepção dos mais iguais.

    Gostar

  25. Diogo Câmara permalink
    25 Julho, 2015 04:53

    Em contrapartida Portugal tem um governo «liberal» que é o mais confiscador, nacionalizador, fiscalista e estatista desde que esta nação de má raça tem inscrição no cartório das Nações. Nem no tempo do gonçalvismo se roubava tanto as cidadãs. PQP’ estes comunas do governo desta republiqueta de ciganos!

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: