Skip to content

Não descruzarás as pernas, bitch

18 Janeiro, 2018

Se eu fosse uma daquelas pessoas que tende a saber exactamente as motivações de alguém, diria que o texto do Henrique Raposo é motivado por uma preocupação pessoal com o bem-estar (agora diz-se bem-tar) das suas filhas. Como não sou, limito-me a dizer que o considero, quer ética, quer moralmente, tão erradamente desprovido de moral humana como quando foi tornado em regra pelo código criminal da União Soviética, com pena até três anos pela posse e distribuição de pornografia. Não é de somenos que o Partido Comunista Português seja, para grande infelicidade dos três solitários conservadores-liberais portugueses, a grande referência nacional do conservadorismo.

A certa altura, o Henrique diz que “não somos macacos à deriva num universo darwinista”. Sinto-me atingido. É precisamente isso que somos enquanto o acasalamento, e Deus nos livre que assim deixe de ser, for motivado por instinto e não por minucioso data mining de base de dados genética. Durante milénios, nós, os homens, soubemos procurar visualmente as ancas que nos providenciariam maior probabilidade de reprodução e elas, as mulheres, souberam guardar o poder da procriação para o macaquinho que aparente possuir melhores genes. Não é um método infalível, mas é — e talvez mesmo por essa falibilidade — inegavelmente humano. A espécie preserva-se assim: o mais forte e a mais atraente têm probabilidade superior a gerar filhos que assegurem posterior reprodução na geração seguinte. Sobre sermos macacos darwinistas nem se trata dizer que estamos conversados, trata-se de estarmos conversados desde o início dos tempos.

Porém, como já muitas pessoas salientaram, na generalização do homem como besta sem filtros e travões, coisa que nem os cães são (que não faltam cadelas capazes de dar valentes cargas de porradinha da velha ao cachorro desinteressante mais atrevido), o Henrique diz o seguinte:

O movimento #MeToo tornou-se imparável e a sua principal consequência será a revisão dos códigos morais e sexuais que herdámos da revolução sexual dos anos 60.

A primeira parte é verdade: é imparável, pelo menos até dar de trombas com a parede; a segunda parte é que não: os códigos morais e sexuais herdados da revolução sexual dos anos 60 não serão revistos, serão sim temporariamente metidos dentro das quatro paredes (e dos WhatsApp, e dos Instagrams, e dos milhares de recantos naturais e artificiais por esses caminhos de Portugal) enquanto não se tem a certeza absoluta de um potencial parceiro não ser um maluquinho dos que não percebe que a cada #MeToo só se obtém um futuro #NoSoupForYou.

Como também tenho filhos, um de cada sexo, e como isso parece dar-me automaticamente a posição de catedrático na matéria, acrescento que nunca ensinei (adenda: nem ensinarei) a rapariga a “cruzar as pernas”, a “não abusar do decote e da saia” e a “não se expressar através do corpo”. Porém, ensinei aos dois que é particularmente bonito partir o nariz a quem tem dificuldade a perceber que as mulheres não são para serem domadas, quer pelos que lhes ensinam a cruzarem as pernas, quer pelos que vêem em pernas descruzadas uma oportunidade para extravasarem a sua má rês, ambas sintomas da vontade de alguns por controlo dos outros.

 

Anúncios
21 comentários leave one →
  1. Terry Malloy permalink
    18 Janeiro, 2018 19:25

    “…a sua principal consequência será a revisão dos códigos morais e sexuais que herdámos da revolução sexual dos anos 60”.

    “…a segunda parte é que não […]”

    Não é (será) exactamente assim, Vitor Cunha. Os códigos morais e sexuais “aplicáveis aos homens brancos cisgénero heterossexuais” serão revistos, sim. Particularmente os aplicáveis aos espécimes cristãos e casados.
    Como o Henrique Raposo. Infelizmente, com a ajuda de alguns dos próprios.

    Gostar

    • 18 Janeiro, 2018 21:57

      Essa passagem é citação do Raposo

      Gostar

      • Terry Malloy permalink
        18 Janeiro, 2018 22:20

        Eu sei, eu li o artigo.

        Talvez desajeitadamente, o que pretendi refutar foi a refutação do Vítor Cunha à passagem do texto do Henrique Raposo.

        ““…a segunda parte é que não [terá razão]”.

        Terá razão (Raposo) naquilo que diz respeito à “revisão dos códigos morais e sexuais “, na parte em que estes sejam “aplicáveis a homens brancos cisgénero heterossexuais”. Como ele próprio.

        Gostar

      • 18 Janeiro, 2018 22:30

        O Aziz Ansari não é estritamente branco nem cristão. A coisa vai acelerada. Em breve aparece um preto, se é que ainda não apareceu. Vai dar de trombas com a parede, até porque a geração seguinte não estará para aturar as taras dos pais (isto é comum entre gerações).

        Liked by 1 person

      • Terry Malloy permalink
        19 Janeiro, 2018 00:15

        Há sempre vítimas colaterais e a revolução come os seus filhos, etc.
        Mas o alvo é o heteropatriarcado do costume.

        Agora parece que a coisa já chegou à ONU:
        “Assédio e abuso sexual na ONU: cultura de silêncio e atacantes impunes”.

        (lido no pasquim que vai passar a semanário)

        Gostar

      • lucklucky permalink
        19 Janeiro, 2018 03:36

        “Agora parece que a coisa já chegou à ONU:
        “Assédio e abuso sexual na ONU: cultura de silêncio e atacantes impunes”.”

        Durante anos as tropas da ONU dedicaram-se a violações em África. Mas como era na maioria Africanos contra Africanos logo não utilizável pelo Jornalismo Marxista para tomar o Poder não foi notícia.

        Gostar

  2. Juromenha permalink
    18 Janeiro, 2018 20:27

    De há uns tempos a esta parte que o mundo deixou de ser eurocêntico ( “helenística” trans-norte atlântica incluída…).
    À escala global , “isto” são arrufos de fim de bailarico de bairro – só os autóctones lhe atribuem importância…

    Gostar

  3. António C. Mendes permalink
    18 Janeiro, 2018 22:24

    Obrigado Vitor Cunha. Muito obrigado por trazer a coisa para o campo do bom senso e da boa formação, contrariamente ao Henrique Raposo que, neste tema, está perfeitamente dominado pelo pânico e a quem fazia falta ter um filho rapaz.Também sou pai de rapazes e de rapariga e nada de mais certo tenho a dizer-lhes que: ” é particularmente bonito partir o nariz a quem tem dificuldade a perceber que as mulheres não são para serem domadas, quer pelos que lhes ensinam a cruzarem as pernas, quer pelos que vêem em pernas descruzadas uma oportunidade para extravasarem a sua má rês”.
    O bom senso e o saber estar estão cada vez mais longe das “gerações mais bem preparadas de sempre”.

    Gostar

  4. 18 Janeiro, 2018 22:38

    “A minhas minhas filhas têm o direito de andar com as mamas à mostra, mas os teus filhos não passam de uns porcos e estupradores se se atreverem a olhar para elas. Agora deixa-me ir a missa para mostrar o quanto beto eunuco eu sou “

    Gostar

    • Zé Manel Tonto permalink
      19 Janeiro, 2018 03:19

      O texto pode ser resumido mais ou menos assim.

      Gostar

  5. A. R permalink
    18 Janeiro, 2018 22:42

    Eu não sei. O Victor diz que uma mulher mamuda dá mais leitinho aos meninos que uma mulher de mama normal?
    Ou que uma mulher/homem rico dá mais procriação que a(o) correspondente pobre?

    Gostar

    • Zé Manel Tonto permalink
      19 Janeiro, 2018 03:24

      “Ou que uma mulher/homem rico dá mais procriação que a(o) correspondente pobre?”

      Mais procriação, não. Maiores probabilidades de sobrevivência, durante 99,9% da História da Humanidade, sim.

      Dinheiro relaciona com sucesso. Sucesso, regra geral, com algum tipo de inteligência (melhor a fazer emboscadas na caça, melhor a liderar tropas e a conquistar castelos, melhor nos negócios, etc).

      Quem acredita na evolução percebe porque é que a espécie foi ficando, aos poucos, menos burra.

      Com o sugimento do Estado Social e avanços da medicina, são irrelevantes a características dos progenitores, todos os elementos do rebanho têm igual probabilidade de sobrevivência. Ganha quem se reproduz mais. O mundo está a ficar mais burro.

      Gostar

    • 19 Janeiro, 2018 06:15

      Maior hipótese de sobrevivência em ambos os casos. As rechonchudas perderam estatuto como ideal de beleza quando a acumulação de gordura deixou de estar relacionada com prova de posses.

      Gostar

  6. Procópio permalink
    18 Janeiro, 2018 23:07

    O sexo acaba sempre por ser uma coisa perigosa.

    Gostar

  7. Procópio permalink
    18 Janeiro, 2018 23:57

    Ela não descruzou as pernas. Deu-se mal!

    Gostar

  8. Artista português permalink
    19 Janeiro, 2018 11:39

    Fiquei confuso….e eu a pensar que o #MeToo era o legítimo herdeiro dos códigos morais e sexuais herdados da revolução sexual dos anos 60. Mas fico mais descansado quando me dizem que a ONU vai abordar o tema.

    Gostar

    • 19 Janeiro, 2018 11:41

      Não, é o legítimo herdeiro do McCarthy e da mulher que faz bolos nos anos 50. Não é nada anúncio do Fá Fresh, ou qualquer praia dos anos 70 e 80, é o seu contrário.

      Gostar

  9. Arlindo da Costa permalink
    19 Janeiro, 2018 17:15

    Só faltava aqui o disfuncional cognitivo Raposo… Francamente! E levante-se o padeiro à meia-noite…

    Gostar

  10. DNO permalink
    19 Janeiro, 2018 20:36

    Nisto de assédio e temas semelhantes, esquecemo-nos daquelas mulheres que se oferecem descaradamente aos chefes/patrões/superiores na mira da promoção ou do aumento de ordenado.
    Conheci algumas que até se deram bem
    DNO

    Gostar

  11. Gabriel Orfao Goncalves permalink
    20 Janeiro, 2018 14:54

    Não percebi completamente o texto de Henrique Raposo nem a crítica de Vítor Cunha. Ambos referem movimentos na net com nomes antecedidos de #. É demais para a minha cabeça. Estou com uma gripe como acho que nunca tive na vida…
    Não sei se isto a seguir tem que ver com o assunto (a gripe não me deixa muita clarividência…):

    O Vítor Cunha tinha referido o nome de um tal Aziz. Não liguei, mas o nome ficou na minha memória. Entretanto chega-me um mail com a reprodução de um texto do JMF do Observador em que fala desse Aziz. Não encontro o texto no Observador, só aqui:

    http://aveiro123.blogspot.pt/2018/01/macroscopio-agressoes-sexuais-mau-sexo.html

    É da minha gripe ou esta história do Aziz passa das marcas?

    «Ansari wanted to have sex. She said she remembers him asking again and again, “Where do you want me to fuck you?” while she was still seated on the countertop. She says she found the question tough to answer because she says she didn’t want to fuck him at all.»

    Pois… Uma pergunta difícil de responder. É como eu quando vou às Finanças e me perguntam pelo regime que quero. Bloqueio. Uma torrente de pensamentos invade-me: “Por uma lado o regime de contabilidade organizada tem esta e aquela vantagem; por outro o regime simplificado não me dá dores de cabeça”. Fico ali parado, e o funcionário com aquela cara de quem mostra que o Fisco quer fazer amor (com F) comigo e eu sem dizer nem sim nem sopas…

    Atenção: que o Aziz foi um grande porco, foi, pelo menos pelos meus padrões.
    Quanto ao que a Sra. diz, cada um que julgue por si.

    Gostar

  12. carlos alberto ilharco permalink
    20 Janeiro, 2018 22:26

    Não li o texto do Raposo e li em diagonal este,
    Só sei de uma coisa.
    Desde sempre as fêmeas seduziram e escolheram, e o escolhido é ou o mais alto, ou o mais forte,ou o que tem mais poder e para isso tem que derrotar os outros.
    Na dúvida ver os documentários do National Geographic.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: