Saltar para o conteúdo

Václav Klaus para a Oficina da Liberdade

26 Novembro, 2022

Václav Klaus é um dos mais importantes políticos europeus desde a queda do comunismo. É Economista e Professor de Finanças. Foi presidente da República Checa de 2003 até 2013 e primeiro-ministro entre 1992 e 1997. Intelectual de reconhecida craveira internacional aceitou o convite para escrever para a coluna de opinião da Oficina da Liberdade.

Abaixo o artigo completo:


Devolvamos ao Ocidente o seu significado original

Václav Klaus

Convidado da Oficina da Liberdade

Um pré-requisito para encontrar o caminho certo para a recuperação do Ocidente é livrar-se dos nossos próprios erros e pressuposições, não culpando o mundo em nosso redor.

O 17 de Novembro é um dia importante para a República Checa. Nesse dia, há exactamente trinta e três anos, teve lugar uma manifestação estudantil originalmente pequena no centro de Praga. Os participantes, incluindo o meu filho, foram brutalmente agredidos pela polícia comunista. Esse comportamento agressivo iniciou um processo de alteração social que ficou conhecido como a “Revolução de Veludo”.

Chegou no momento certo. O comunismo já estava tão fraco que não era capaz nem estava pronto para se defender com eficácia. Digo repetidamente que o comunismo não foi derrotado. De alguma forma, derreteu.

A “Revolução de Veludo” é considerada um marco fundamental da história moderna. Tornou-se o ponto de partida da nossa caminhada em direcção à liberdade, democracia parlamentar e à economia de mercado. E no sentido de uma vida normal. Três semanas depois, fiz parte do primeiro governo pós-comunista e assumi a importante pasta de ministro das Finanças. Essa circunstância deu-me a oportunidade de preparar e organizar uma radical transformação económica, social e política do país.

Mencionar este evento histórico já quase esquecido não é sem propósito. A experiência Checa, tanto antes como depois da queda do comunismo, não deve ser esquecida ou negligenciada. Pode-se aprender muito com ela. Deve tornar-se uma lembrança presente nos nossos actuais esforços para lidar com o momento muito problemático que vivemos da história humana. Devemos estar atentos, mais do que em qualquer altura destes trinta e três anos. Estamos numa encruzilhada. De novo.

O comunismo empobreceu-nos em muitos aspectos. Privou-nos de muitas “normalidades” que os cidadãos de países livres consideram – e sempre consideraram – um dado adquirido. Vivi 60% da minha vida antes do fim do comunismo. Não foi um período curto. Foi uma perda, uma privação, um empobrecimento. Por outro lado, foi uma oportunidade de aprender muito durante essa época. A nossa visão do mundo está, portanto, mais aguçada e, sem surpresa, a nossa análise da era actual mais crítica.

Acho esta experiência particularmente relevante quando vejo o que acontece no mundo. A minha frustração de hoje começa a ser comparável aos sentimentos que experimentamos nos últimos anos do comunismo. Os sonhos e ambições que tínhamos no momento da queda do comunismo não se tornaram – para meu grande pesar – na nossa realidade de hoje. A realidade actual não é o que considerávamos uma sociedade livre. Não apenas no meu país ou na minha parte do mundo.

O que está a acontecer connosco ou em nosso redor? Tenho dúvidas quanto à adequação da frase utilizada em diversos fóruns, bem como em tantos outros textos, de que “estamos perante um mundo novo”. Um mundo novo? Agora? Em que sentido é novo? Estamos a andar para a frente ou para trás? Eventualmente, quererão os autores dessa expressão lembrar-nos que, no Ocidente, estamos a sair da era relativamente livre, tranquila e próspera das últimas décadas? Terá sido essa era um período singular, uma excepção histórica?

Não falemos de um “mundo novo”. Vamos chamar-lhe pelo nome certo. Vamos chamar-lhe mundo pós-democrático, pós-político e pós-normal. Não parece haver algo de novo. No passado a humanidade viveu muitas vezes tais situações. No entanto, pode haver agora uma diferença. Estou alarmado com a inegável perda de normalidade, racionalidade e bom senso.

Alguns de nós – eu inclusive – frequentemente usamos a famosa expressão “admirável mundo novo” de Aldous Huxley. A minha ênfase sempre foi no adjectivo “admirável”, não no qualificativo “novo”. Todos os sinais indicam que entramos numa perigosa era da instabilidade política, económica e financeira ligada à supressão da liberdade e do mercado livre. Ouso dizer que estamos agora a aproximarmo-nos de uma variante desse admirável mundo novo.

Onde surgem os principais sintomas desta nova fase? Desde logo na esfera política. Há várias décadas assistimos à evaporação das disputas político-ideológicas. Com isso, os problemas fundamentais da sociedade deixaram de ser abordados politicamente. Coincide esta particularidade com o enfraquecimento dos partidos políticos, que se tornaram nada mais do que um adorno enganoso do nosso sistema. Funcionam apenas como uma aparência de democracia. Na realidade, os interesses da maioria passaram a ser subordinados aos interesses de minorias barulhentas e agressivas, representadas por grupos arrogantes de rentismo, e não por partidos políticos. A totalidade da sociedade não é agora, por isso, nem suficientemente representada nem satisfatoriamente levada em consideração.

As clássicas disputas políticas com base em ideias claras e bem definidas, formuladas e expressas com autenticidade pelos partidos, caíram em descrédito e estão a ser substituídas por talk-shows superficiais na TV e por uma “democracia de especialistas” em que os políticos perdem a preponderância do seu papel na sociedade. As figuras públicas e os autoproclamados especialistas, assumiram essa função.

A relevância sem precedentes dos especialistas ficou visível durante a epidemia de Covid. A política, significando a avaliação de alternativas e de custos e benefícios, como resultado do seu modo de pensar, desapareceu. Não tornou o sistema mais democrático, mais amigável, nem mais eficiente. Lembra-me os anos e décadas de esforços dos ideólogos comunistas para substituir a política pela “expertocracia”.

Aquilo com que lidamos agora não é uma importação do Leste. Foi auto-fabricado no Ocidente. Foi o próprio Ocidente que abriu as portas para a migração em massa ao aceitar a ideologia do multiculturalismo. Foi o próprio Ocidente que levou a uma profunda crise energética ao promover as loucuras do ambientalismo e do Green Deal, causando a si mesmo enormes prejuízos económicos. E foi o próprio Ocidente que minou sua competitividade ao suprimir os mercados por meio de uma extensa e prejudicial regulação burocrática baseada em objectivos políticos. Um pré-requisito para encontrar o caminho certo para a recuperação do Ocidente é livrar-se dos nossos próprios erros e pressuposições, não culpando o mundo em nosso redor.

Concentremo-nos nos nossos equívocos. Não falemos de “reconfiguração de alianças na Europa”, não tentemos encontrar “novos equilíbrios”. Falemos sobre um retorno à política com conteúdo ideológico. Sobre a necessidade de um renascimento dos partidos políticos. Procuremos novos líderes políticos corajosos. Regressemos à “política política”.

Concordo que é preciso – como se costuma dizer – “reinventar a política externa”. Temos de voltar a adoptar o seu significado e conteúdo originais. A política externa deve expressar e perseguir os interesses nacionais e promovê-los procurando compromissos úteis. Como estamos a ver agora na Ucrânia, onde não há compromisso, há uma guerra. Quando não falamos uns com os outros, disparamos uns contra os outros. Todas as partes do conflito actual deveriam há muito ter começado a negociar. Não apenas os russos e os ucranianos.

Todos sabemos que a guerra não caiu do céu. Há muito tempo que está em criação. Os problemas não começaram em Fevereiro de 2022. Já em 2014, alertei para a desestabilização da Ucrânia e o crescente confronto entre o Ocidente e a Rússia. Infelizmente, o então confronto transformou-se numa guerra de grande escala com milhares de vítimas, enorme destruição de vastas regiões da Ucrânia e mudanças fundamentais na cena internacional. Culpar o agressor é fácil, mas mais difícil é conseguir ver e compreender toda a sequência dos acontecimentos que levaram a isso.

Menciona-se frequentemente o papel fundamental dos estados do sudeste europeu na expectativa da NATO e da União Europeia. Após visitar recentemente o norte da Macedónia, posso confirmar que as pessoas estão confusas e se sentem maltratadas. Os Estados da Europa de Leste não veem com bons olhos a constante condescendência do Ocidente. Estes estados têm, sem dúvida, história, cultura, religião e experiências recentes diferentes da dos europeus ocidentais e centrais. Não estão apenas geograficamente mais perto de Istambul do que de Bruxelas, mas também mental e historicamente mais próximos. Devemos estar cientes disso.


19 comentários leave one →
  1. Chopin permalink
    26 Novembro, 2022 20:55

    À medida que ia lendo, ia percebendo que o sr Klaus merece ser lido. Na totalidade. Que pena não haver entre os 230, uma voz igual.

    Gostar

  2. César permalink
    26 Novembro, 2022 22:52

    Brilhante. Alguém com uma visão da floresta e não apenas da árvore. Uma (muito) mais-valia para a “Oficina da Liberdade”. Parabéns.

    Gostar

  3. A.R permalink
    27 Novembro, 2022 08:00

    Brilhante como foi o antecessor. Faltam intelectuais de craveira no Ocidente: que digam e exponham os factos e as loucuras em que o Ocidente embarcou sem ter vergonha nem medo da censura.

    Gostar

  4. Azeitona de Moura permalink
    27 Novembro, 2022 10:52

    O mesmo se diga do 25 de Novembro, (que muitos querem apagar e fazer esquecer) um marco fundamental no “golpe” do 25 de Abril para evitar que grupos militares e civis pró soviéticos se apoderassem do Poder.
    (Ainda hoje se discute se o 25A foi um golpe dos capitães do Quadro Permanente ou uma Revolução Militar).

    Gostar

    • Mário Marques permalink
      27 Novembro, 2022 14:49

      Se “cavar” bem fundo, chega à conclusão que o 25/11 foi organizado pelo próprio PCP, pois já tinha chegado ao objectivo pretendido (entrega províncias Ultramarinas Portuguesas aos interesses das Super Potências), que o 25/04 foi um golpe militar provocado em consequência de reivindicações corporativas dos militares do quadro, isto tudo manipulo pela NOM, com roupagem carnavalescas para enganar o povo.

      Uma revolução é outra coisa, o Ocidente (NATO) nunca consentiria, com uma na Europa, o que existiu foi a implantação do caos organizado, para durante esse período proceder há entrega das províncias Ultramarinas, sem o povo se aperceber que estava a ser espoliado do património da Nação Portuguesa.

      O povo ainda acredita do Pai Natal e nos contos de fadas, que os políticos vendidos contam.

      Gostar

  5. Augusto Faria permalink
    28 Novembro, 2022 14:04

    Se os países da Europa de Leste têm uma história, cultura, religião,… diferente dos países da Europa Central e Ocidental e estão mais próximos de Istambul do que de Bruxelas, porque pediram adesão à UE e nãso à Turquia?

    Gostar

  6. André Silva permalink
    28 Novembro, 2022 17:16

    Eu cá adoro o comunismo-socialismo. É tão bom, tão fixe! Prende-se, tortura-se e se necessário executa-se quem não concorda com as ideias certas, que é para aprenderem, dieta para todos a la Coreia do Norte, Venezuela e tal que o pessoal está todo gordo e temos de salvar o Planeta, a saúde é fundamental (para preservar os nossos queridos líderes), e educação tem é de ser a imprescindível doutrinação das massas.
    Felizmente que nos últimos anos este Governo e os seus apoiantes (em todos os sectores) estão a colocar e a levar novamente Portugal nos trilhos certos após 4 anos de deriva fascista-racista/enófoca-imperialista-ultraliberal do heteropatriarcado branco! E nota-se a olhos vistos e por toda a parte os excelentes resultados conseguidos! Os amanhãs cantam!

    Gostar

  7. Pedro Dias permalink
    28 Novembro, 2022 18:35

    Este assunto é muito polémico e contraditório, por isso não vou comentar mais do que isto.

    Gostar

  8. 28 Novembro, 2022 20:05

    Tantas cambalhota retórica contraditória frontal e à retaguarda para no fundo nos esclarecer qual boomer com a cabeça debaixo da terra a repetir a cassete quixotiana doutrinal, de que a culpa é de um “comunismo” que ainda não morreu e dum sagrado “livre mercado” que foi corrompido.
    Isto soa apenas ao “comunismo foi corrompido e nunca verdeiramente existiu ” .

    E depois os liberais ainda falam da cassete PCP.

    Gostar

    • André Silva permalink
      29 Novembro, 2022 14:23

      Concordo totalmente consigo, mas parece-me óbvio que a culpa é do Passos Coelho e da Troika.

      Gostar

  9. 28 Novembro, 2022 20:20

    E para para além da omissão sobre o comportamento criminoso da Pfizer, o FTX também parece ter passado por debaixo do radar critico do Telmo . Vá se lá saber porquê…

    Gostar

    • André Silva permalink
      29 Novembro, 2022 14:21

      Sim, isso para não falar dos destroços do satélite chinês que estão a cair por todo o lado inclusive há a possibilidade de caírem em Portugal! Imagine-se cai na residência oficial do nosso querido líder? Ou, pior ainda, em cheio na Soeiro Pereira Gomes ou no Bairro Alto? Inadmissível!

      Gostar

  10. Atento permalink
    29 Novembro, 2022 15:35

    Como é habitual, só o mg vê o óbvio: a conversa do Sr. Klaus, avô neoliberoca do entusiástico neoliberoca Telmo, é a mesma dos comunistas.

    Tal como o comunismo da URSS (e Checoslováquia, e China, e Cuba, e…) não era o verdadeiro comunismo, este capitalismo não é o verdadeiro capitalismo. Nem pensar nisso. Este foi pervertido! Até tem nome: crony capitalism.

    Há outro capitalismo, o verdadeiro, o bom, o puro, que é totalmente diferente. O dinheiro não é criado do ar em bancos e mercados-casino, a riqueza não acaba sempre concentrada numa dúzia de mamões, estes não compram governos nem chulam países e povos inteiros, milhões não são explorados por multinacionais e offshores, o mercado não tende sempre para o oligopólio e a desigualdade não atinge, até no Ocidente, níveis obscenos… não! Nada disto.

    No verdadeiro capitalismo, o do Sr. Klaus, do Tucker Carlson e do Telminho, tudo isto é evitado… pelo Estado. Claro que assim já não é capitalismo, nem jamais existiu em lado algum, mas isso são detalhes. Que importa? A vidinha corre-lhes bem, basta malhar na esquerda. A carneirada, como se vê acima, come tudo.

    Gostar

    • André Silva permalink
      29 Novembro, 2022 18:50

      29 Novembro, 2022 18:49
      Como é habitual blábláblá come tudo.

      Gostar

  11. 29 Novembro, 2022 15:57

    Diz o autor do artigo cito : “E foi o próprio Ocidente que minou sua competitividade ao suprimir os mercados por meio de uma extensa e prejudicial regulação burocrática baseada em objectivos políticos.”

    Claro que sim que foi isso, e não antes por causa de uma agenda politica neoiberal globalista, com a aprovação da China para organização mundial de comercio, a deslocalização em massa do capitalismo industrial ocidendal para a China sedentas de trabalho quase escravo suportado por um globalismo sem fronteiras financeiro.

    Aliás foi por causa de todas essas regulações burocráticas e muros de supressão de mercados que a bolha financeira de de 2008 rebentou nos EUA e ficou por lá contida sem se espalhar para o resto do mundo. Tal como o covid.

    Gostar

    • André Silva permalink
      29 Novembro, 2022 18:52

      Diz o autor do artigo blábláblá como o covid.

      Gostar

  12. André Silva permalink
    29 Novembro, 2022 18:49

    Como é habitual blábláblá come tudo.

    Gostar

  13. passante permalink
    30 Novembro, 2022 23:31

    “O brave new world, that has such people in ‘t!”, Shakespeare, The Tempest.

    Na peça original era uma exclamação de surpresa pelo conhecimento de um vasto mundo exterior a uma pequena ilha.

    Os anglo-falantes tem muito o hábito de pedir títulos emprestados à Bíblia e Shakespeare. Huxley usou a frase sarcasticamente, um comentário amargo acerca da distopia que imaginou.

    Tomar a frase literalmente, atribuindo-a a Huxley, é estranho. Deve ser para empalhar o artigo, a ver se os leitores se vão embora antes da segunda parte.

    Que diz com muitos pézinhos de lã que houve quem deitasse fogo à tenda, o que é inteiramente verdade, e que se devia ganhar noção, o que é sensato.

    Gostar

  14. Helena Rodrigues permalink
    1 Dezembro, 2022 19:30

    Há um ponto , necessário, que Mr. Vaclav não referiu: – A base da nossa civilização é o cristianismo;depois da queda da Grécia e de Roma; o enfraquecimento dessa base leva à ruptura das raízes com a consequente morte da…àrvore.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: