Saltar para o conteúdo

Há mar e mar, há ir e voltar…

24 Setembro, 2008

e no caso da energia das ondas em Portugal o mar tem grandes mistérios.  Por exemplo, a propósito desta central de ondas alguém sabe explicar o que passou ou o que tem a ver com esta outra central que estava quase  a funcionar e depois deixou de existir?

Em Agosto de 2005 o ministro Mário Lino assinou, no Porto, um protocolo que “visa o aproveitamento das ondas do mar para a produção de energia, no molhe norte da barra do Douro”. Segundo os jornais, o ministro mostrara-se rendido ao projecto que implicaria um investimento de 2,8 milhões de euros. E nos meses seguintes a central foi existindo nas notícias. Ganhou até nome próprio: CEODouro
Um ano depois, em Dezembro de 2006, era aberto aos interessados o “
Contrato de fornecimento dos equipamentos da Central de Energia das Ondas da Foz do Douro“. Vieram apoios para a central das ondas do Douro através da Agência de Inovação. A central não existia mas singrava no mundo dos papéis.
Contudo em 2007 começou a esmorecer antes sequer de se ter acendido a luz deste “farol da tecnologia”, como lhe chamou um dos administradores duma das empresas envolvidas no projecto. Em meados de 2007  começa a perceber-se que o processo burocrático que rodeava a central caminhava a um ritmo muito menor que as obras que entretanto estão a ser feitas nos molhes do Douro.
Na Assembleia da República, o grupo parlamentar do PCP apresentou um requerimento aos ministérios das Obras Públicas e Economia sobre a central das ondas do Douro. Apesar de tudo talvez ainda houvesse futuro para a dita central: em Junho de 2007 ficámos a saber que técnicos chilenos se tinham deslocado a Portugal para “recolher informações sobre o projecto e a construção da central da foz do Douro”. Optimista, o Diário Económico reproduzia declarações de responsáveis portugueses que concluíam que estávamos perante “uma oportunidade para as empresas envolvidas na central da foz do Douro estabelecerem uma parceria para o
desenvolvimento de um protótipo conjunto” com os chilenos.
Em Outubro a central virtual deixou de existir. Porquê? Simplesmente porque a burocracia não deixou. Segundo declarou o Instituto Portuário e Marítimo (IPM) ao jornal O Primeiro de Janeiro: “Trata-se de um projecto muito específico e complexo (…) que exigiria uma articulação muito rigorosa entre as duas obras, implicando uma definição atempada das suas interacções mútuas, para que não se verificassem atrasos e sobrecustos.”
Por outras palavras, as dezenas de técnicos, directores-gerais e presidentes de vários institutos e ministérios não conseguiram articular entre si as obras dos molhes do Douro e da central das ondas. E o que é espantoso é que o IPM confessa que se desistiu porque não conseguiram fazer uma articulação “muito rigorosa entre as duas obras”. Ou seja, o rigor é aos olhos destes senhores algo de excepcional e inatingível.

*PÚBLICO, NOVEMBRO 2007

14 comentários leave one →
  1. piscoiso permalink
    24 Setembro, 2008 09:09

    Error.
    A obra foi abortada, para evitar, uma vez a obra feita, as críticas do João do Miranda, desviando o conceituado bloguista para a Póvoa do Varzim.

    Gostar

  2. 24 Setembro, 2008 09:35

    É isto e as vagas em excesso no Superior… 🙂

    Gostar

  3. Anónimo permalink
    24 Setembro, 2008 09:48

    Estas pessoas que governam em festa declararam vencedor do concurso da CRIL o 7º classificado!
    O que esperam desta gente?
    O protótipo Pininfarina foi o mesmo.
    O Infocid foi o mesmo.
    Portugal está a ser rapado.

    Gostar

  4. 24 Setembro, 2008 09:56

    O problema é que em Portugal o raciocínio segue um algoritmo atávico:

    -> estamos mal -> não digam, não se apercebam, não revelem que estamos mal -> façamos de conta que estamos bem -> porque senão podemos ficar pior

    -> não estamos mal -> não sabemos, não somos ninguém para dizer se estamos bem ou mal -> os outros são arrogantes, fora desta aldeia, humildade é que é preciso

    Mais atávico que isto só o caso da Licenciatura Falsa.

    A CRIL por exemplo ainda não está feita e quando foi começada já vinha 20 anos fora de prazo.

    Gostar

  5. 24 Setembro, 2008 10:28

    Lembro-me agora que um tal açude em Abrantes chamado o último grito da moda, parece que vai ser destruído porque uma barragem que vai ser construída o tornará submerso.
    Não me lembra dos detalhes mas deve ser fácil encontrá-los.

    Gostar

  6. Luis Moreira permalink
    24 Setembro, 2008 11:58

    Mas estas e outras desaparecem rapidamente no universo da comunicação social.Grandes notícias são as que atacam pessoas individualmente, como se alguma coisa possa ser feita, sem a benção de uma administração dominada por estruturas permanentes e centrais de informação. Milhões deitados á rua e ninguem sabe nada.E no fim do exercício recebem milhões de prémios ou mudam para outra empresa a assobiar baixinho! Há aí muito jornalista que sabe muito disto!

    Gostar

  7. simon permalink
    24 Setembro, 2008 12:18

    Há aí muito jornalista
    que, para calar, caladinho,
    lá levará tamém sua maquia
    debaixo do casaco, quantinha.

    Gostar

  8. simon permalink
    24 Setembro, 2008 12:19

    digo,
    quentinha

    Gostar

  9. 24 Setembro, 2008 12:26

    Não pude deixar de colocar este artigo, com a devida informação da sua proveniência no meu blogue.

    Os meu melhores cumprimentos

    JM

    Gostar

  10. 24 Setembro, 2008 12:52

    Mas afinal a culpa de tudo não é do Santana Lopes?
    Ou foi o Vale e Azevedo?

    Gostar

  11. 24 Setembro, 2008 15:42

    Mas afinal a culpa de tudo não é do Santana Lopes?

    Olhe que um comentador que aparece aqui muito frequente acha que é do LFV.

    Gostar

  12. 24 Setembro, 2008 16:10

    «Estas pessoas que governam em festa declararam vencedor do concurso da CRIL o 7º classificado!»

    O sector das obras públicas, é por tradição o sector onde a prática da cartelização se verifica com maior intensidade. Portanto, se a obra foi adjudicada ao 7º classificado, isso poderá querer dizer que esta entidade furou as regras de consenso do cartel, tendo sido premiada por isso. A não ser que as regras tenham mudado…

    Gostar

  13. 24 Setembro, 2008 19:01

    “desviando o conceituado bloguista para a Póvoa do Varzim.” Aham. Póvoa DE Varzim, se faz favor.

    Gostar

  14. 24 Setembro, 2008 20:22

    Faz lembrar Fernando Gomes, o, agora, especialista em petróleo da GALP, que na câmara do Porto anunciava e anunciava. Ele era tapetes rolantes numa rua inteira ele era isto, aquilo e depois…nada

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: