Saltar para o conteúdo

Uma história do nosso tempo

29 Abril, 2010

Les parents toxicomanes du nourrisson décédé étaient connus des services sociaux d’Isère. Le père, estimant qu’ils n’ont pas fait leur travail,va porter plainte.” – Isso mesmo: um casal, toxicodependente, deixa morrer um filho de fome. Agora o pai vai apresentar queixa contra os serviços sociais. Alguém falou de nanny state?

Anúncios
11 comentários leave one →
  1. Romão permalink
    29 Abril, 2010 10:34

    Estamos bem a tempo de importar essa última moda francesa e declina-la nas múltiplas instâncias de dependência nas quais somos peritos.

    Gostar

  2. Anónimo permalink
    29 Abril, 2010 10:59

    e com um bocado de sorte e ajuda das hélènes sociais, ler comunicação, ainda recebem uma indemnização para cobrir os custos da droga consumida e a consumir.

    Gostar

  3. JMLM permalink
    29 Abril, 2010 11:01

    Claro é sempre assim, o estado é o culpado mor…

    Gostar

  4. 29 Abril, 2010 11:41

    Uma pequena notícia que mostra como a mentalidade dominante, com o seu cortejo de inversões, se espalha como uma lepra.
    Desde o passado dia 1 de Janeiro os presos das cadeias francesas que queiram ter televisor pagam a quantia de 18 euros por mês a título de aluguer do aparelho.
    Até essa data pagavam 36 euros por mês. Mas depois de uma campanha que envolveu as mais diversas entidades, até o Comissariado para os Direitos do Homem do Conselho da Europa, essa intolerável exigência, obviamente ofensiva dos mais elementares direitos humanos, foi reduzida para metade. Baixou de 36 para 18 euros mês.
    A ironia está em que nos hospitais franceses um doente que queira dispor de um aparelho de televisão paga 3 euros por dia, por o alugar ao hospital, o que significa 90 euros por mês.

    Gostar

  5. Nightwish permalink
    29 Abril, 2010 11:47

    Portanto, aquilo que se depreende deste blogue é que sempre que alguém levanta um processo este é aceite pelo tribunal e dá-lhe automaticamente, não que qualquer um pode levantar um processo por aquilo que lhe apetecer.
    Nos comentários também se aprende que os presos não são pessoas como outras quaisquer, mas que nem direito a comida deviam ter.

    Gostar

  6. Pedro C permalink
    29 Abril, 2010 11:55

    Era o que faltava por cá para acabar com resto…

    Gostar

  7. Rxc permalink
    29 Abril, 2010 11:59

    5, aquilo que se depreende é que há pessoas que não têm o mínimo de vergonha na cara, e se demitem totalmente das suas responsabilidades, inclusive daquelas que mais profundamente, a meu ver, o definem como ser humano (cuidar dos seus). Mas também se mata um bebé por nascer just because

    E dos comentários não se aprende essa estupidez que refere, aprende-se sim que um preso tem mais “direito” a televisão do que alguém que, infelizmente, se encontra doente. Prioridades desta Europa dita “social”. E que vai pagar bem caro a geração dos “direitos adquiridos” e da total desresponsabilização do indivíduo.

    Gostar

  8. Anónimo permalink
    29 Abril, 2010 13:20

    o estado é culpado , pois é. é culpado por não os ter capado e é justo que pague por isso. talvez assim aprenda e se começe a desenhar um qualquer programa de esterilização de subsidio/drogodependentes , que já vem bem tarde.

    Gostar

  9. Pinto permalink
    29 Abril, 2010 16:45

    5.Nightwish disse
    Portanto, aquilo que se depreende deste blogue é que sempre que alguém levanta um processo este é aceite pelo tribunal

    Na casa dos Cruz é dia de churrasco. No quintal das traseiras, os mais velhos entretêm-se à conversa enquanto os pequenos Anibal, Daniel e Jesstin, de 11, 6 e 5 anos de idade, respectivamente, brincam no relvado.
    Sem os pais se aperceberem, pulam para a propriedade vizinha, um lote desprezado e convertido em lixeira. Proliferam mobílias velhas, sucata e pneus. Num canto está um Toyota Corola lilás abandonado. O trio aventureiro pula para o capô, espezinha a carroçaria até que decide abrir o porta-bagagens enferrujado.
    Entretanto, os pais notam que Anibal, Daniel e Jesstin desapareceram. Contactam a polícia, que monta uma operação de salvamento que inclui helicópteros e cães pisteiros. Passam-se várias horas.
    Até que uma transeunte que passara por ali no momento em que os meninos se entretinham em cima daquele carro, encaminha as autoridades para o local.

    Desorganização policial

    Os agentes abrem o porta-bagagens e encontram os corpos inertes das três crianças, que teriam ficado trancadas e morrido sufocadas.
    “As equipas de polícia estavam desorganizadas e claramente pouco treinadas”, diz Paul Brandes, advogado dos pais de Anibal, recordando a tragédia de 24 de Junho de 2004.
    Na sequência da morte de Anibal, Daniel e Jesstin, as famílas decidiram processar a autarquia de Camden, no estado americano de New Jersey, pela incompetência da polícia da cidade, incapaz de encontrar os menores a tempo de serem salvos.
    Hoje, quase seis anos depois, um tribunal deu-lhes razão e ordenou o pagamento de uma indemnização de 2,25 milhões de dólares (cerca de 1,7 milhões de euros).

    Gostar

  10. 29 Abril, 2010 18:58

    Bom, nesse aspecto ninguém leva a palma aos Estados Unidos, onde se pedem indemnizações por dá cá aquela palha. Com um bocado de “sorte”, não só é processado por negligência grave (e peso), como ainda tem que pagar as custas judiciais.

    Gostar

  11. Paulo permalink
    1 Maio, 2010 05:00

    Comentário simplório : « Nem tanto ao mar nem tanto à terra.» Intelectualite? Tão sofisticados que são estúpidos.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: