Saltar para o conteúdo

Custo de oportunidade

22 Dezembro, 2010

Decisões económicas são tomadas com base no custo de oportunidade. Por esse motivo a alegação de que o salário mínimo aumenta um poucochinho é totalmente irrelevante. Entre um trabalhador que custa 500€ e uma máquina com a mesma produtividade que custa 499€, os empresários tenderão a escolher a máquina. Basta que o salário mínimo aumente acima do custo de um meio de produção alternativo para começar a gerar desemprego.

Anúncios
40 comentários leave one →
  1. 22 Dezembro, 2010 10:17

    É inadmissível que, ainda não seja no próximo ano, que os portugueses vão ver o seu ordenado mínimo aumentado, apesar de, todos os dias, nos chegarem notícias de que este ou aquele organismo público ou privado, necessitam de uma injecção de capital da ordem dos milhões.
    Choca-me sobretudo saber que, num país onde a crise não chega aos artigos de luxo, ainda existem trabalhadores que não conseguem levar para casa, sequer uma nota de 500 euros, muito por culpa, por um lado, daqueles que embora recebendo a mais não o declaram e, por outro, daqueles que incentivando essa fuga aos impostos, pagam por fora aquilo que na realidade deviam declarar que pagaram.

    Gostar

  2. balde-de-cal permalink
    22 Dezembro, 2010 10:30

    Ramalho descreve o drama do ferreiro que deixou de fazer pregos
    porque a máquina os fabricava mais barato

    Gostar

  3. Laranjal Ovarense permalink
    22 Dezembro, 2010 10:45

    Foi isso que fizeste na última empresa que criaste?

    Gostar

  4. EMS permalink
    22 Dezembro, 2010 10:50

    Acho bem. Isso só cria oportunidades de emprego. Alguem abrirá uma fabrica de fazer máquinas, e outro criará uma firma de reparação dessas máquinas.

    Gostar

  5. Fredo permalink
    22 Dezembro, 2010 10:53

    Quando os posts ficarem mais caros vamos ter um Blasfémias escrito por um robot.
    Entretanto, vou comprar uma máquina para os ler.

    Gostar

  6. campos de minas permalink
    22 Dezembro, 2010 10:55

    Passos Coelho
    “Défice baixou porque nós permitimos o aumento dos impostos” (DE)
    é um pândego este coelho!
    autor nos sucessos, vitima nas desgraças!

    Gostar

  7. Fredo permalink
    22 Dezembro, 2010 10:55

    Ora porra, senhor João Miranda.

    Gostar

  8. será permalink
    22 Dezembro, 2010 11:01

    ase a oportunidade faz o custo,que se reveja o vencimento dos professores, passando-so para os 500 aéreos!

    Gostar

  9. Bulimunda permalink
    22 Dezembro, 2010 11:06

    Bom natal a todos…este também vos deseja,,ou não?
    http://bulimunda.wordpress.com/2010/12/22/socrates-deseja-bom-natal-a-todos-nos-ou-nao/

    Gostar

  10. 22 Dezembro, 2010 11:08

    Ó João Miranda, porquê a insistência?

    Deixe aos trogloditas representantes das Associações Patronais a defesa dos vinte e cinco euros por mês, oito dos quais acabarão por ir diretos parar aos cofres do Estado.

    A não ser que você tenha herdado alguma fábrica no Vale do Ave, daquelas em que o parque automóvel do edifício da administração nos faz pensar que estamos nos arredores de Frankfurt!

    Gostar

  11. João Leite permalink
    22 Dezembro, 2010 11:13

    Mas que argumentação!!!
    E que suscita (bem) a reacção dos comentadores anteriores.
    A opção pela máquina nunca ocorrerá sempre pelo simples facto de que a evolução tecnológica para aí conduz, naturalmente.
    A questão do salário mínimo é outra – mais profunda e mais racional.
    E o JM conhece-a! Mas diverte-se com estas elucubrações…

    Gostar

  12. João Leite permalink
    22 Dezembro, 2010 11:14

    errata:
    onde se lê “nunca ocorrerá” deverá ler-se “ocorrerá”

    Gostar

  13. Centrista permalink
    22 Dezembro, 2010 11:27

    O facto é que, de poucochinho em poucochinho, o salário mínimo aumentou de 375€ para 475€ em 4 anos. Ou seja, aumentou 25% (quase 20% em termos reais) – o que não é pouco. Tendo em conta que o impacto do salário mínimo é diferenciado no país, e que as zonas onde este mais é praticado são também as que têm mais desemprego neste momento (Ave), este aumento irá enviar milhares de pessoas para o desemprego, numa altura em que nem a imigração é uma alternativa. Qualquer que seja a posição ideológica prévia, este aumento do salário mínimo não é simplesmente defensável.

    Gostar

  14. Pi-Erre permalink
    22 Dezembro, 2010 11:28

    “… a evolução tecnológica para aí conduz, naturalmente.”
    .
    Naturalmente não. A evolução tecnológica não é natural, não é produto da natureza. Mas também não é produzida pelos operários, pelos proletários, como querem os utópicos marxistas.

    Gostar

  15. Centrista permalink
    22 Dezembro, 2010 11:33

    AB,
    Está a confundir o Vale do Ave com Lisboa. Esse tempo glório do Ave já foi há muito tempo – e ocorria com empresas que pagavam a tempo e horas aos seus colaboradores, e que não viviam à custa dos dinheiros públicos ou monopólios protegidos pelo Estado. Entretanto, o dinheiro passou todo a ir para o Estado e empresas protegidas de bens não transaccionáveis – EdP, Galp, PT, CGD, Brisa, Mota-Engil, Ministério das Finanças, ASAE, etc., etc.
    Muitos empresários derram os carros como garantia para poder continuar a pagar salários. Os carros foram direitinhos para a Capital do Império…

    Gostar

  16. anti-comuna permalink
    22 Dezembro, 2010 11:40

    O fosso que se vai alargando entre a Europa e os USA. Isto está a passar ao lado da generalidade dos analistas mas é importante. Se por um lado, os USA estão a ignorar cada vez mais a Europa (em Portugal, só o H. Raposo o já compreendeu), por outro, a Europa continua a apostar na Democracia, ao passo que os USA caminham rapidamente para uma ditadura soft. (A esse respeito é interessante verificar que o “amado” Obama está a ir mais longe que o Bush, com a preparação de legislação que irá permitir às forças policiais americanas deter um cidadão indefinidamente sem acusação formal, violando claramente os preceitos civilizacionais ocidentais e do mundo livre.)
    .

    Atente-se à forma como o ministro do interior alemão reage às fugas da wikileaks:
    .
    “SPIEGEL: We would like to talk with you about WikiLeaks. Is the organization a threat to democracy or does it enrich it?
    .
    De Maizière: WikiLeaks is irritating and annoying for Germany, but not a threat. From an international perspective, I see their actions as totally irresponsible. One might also ask, however, if a government is acting intelligently when it organizes its entire diplomatic correspondence on a network that can be accessed by 2.5 million people. I have my doubts, though, about total transparency being a basic human right. Governments also have to be able to communicate confidentially. Confidentiality and transparency are not mutually exclusive, but rather two sides of the same coin.
    .
    SPIEGEL: WikiLeaks is ultimately part of the system of checks and balances that exist in a democratic society. What do you see as the difference between it and media players such as SPIEGEL?
    .
    De Maizière: The media do not demand total access and total transparency. They are delighted, of course, when they get hold of classified documents. But journalists would not argue on the basis of political theory that there should be no more government secrets whatsoever. That is not even what SPIEGEL advocates — but WikiLeaks does, and that is wrong. I think it is disquieting that those who live in a shadowy cyber world, of all people, demand total transparency from others.
    .
    SPIEGEL: The outrage has a lot to do with being on the receiving end. If the disclosures had to do with Burma, Russia or China, most critics would applaud the organization.
    .
    De Maizière: As long as we are talking about checks and balances, I would actually prefer it if WikiLeaks focused less on transparent and open Western democracies and more on the world’s dictatorships and oppressive regimes. Then it could at least have a genuine informative purpose.

    SPIEGEL: That is what WikiLeaks has done, for example, in Kenya, Somalia, China and Thailand.
    .
    De Maizière: I am all for that. Unfortunately, the most recent leaks were different. I stand by what I said, though: Communicating in confidentiality is a prerequisite for effective governance.
    .
    SPIEGEL: Then the first person you should complain to is US Secretary of State Hillary Clinton, who violated this confidentiality by ordering American diplomats to spy on officials at the United Nations.
    .
    De Maizière: I was astounded when I read that.
    .
    SPIEGEL: Does WikiLeaks enjoy freedom of speech?
    .
    De Maizière: Yes, but not without limits. It is bound to general laws, and even press organs do not have freedom without responsibility. That may sound like a naïve appeal, but the principle of responsibility applies to everyone.”
    .
    .
    In http://www.spiegel.de/international/germany/0,1518,735587-2,00.html
    .
    .
    Aqui fica claro a enorme divergência existente entre a Europa e os USA quanto ao caso Wikileaks. Isto mostra que, enquanto a Europa segue sendo, mais ou menos, o farol do mundo civilizado, os USA assemelham-se cada vez mais a uma ditadura soft (dominada e gerida pelos oligarcas), cada vez mais estão parecidos com a… China!
    .
    .
    Hoje fica cada vez mais patente que um claro fosso se escava entre a Europa e os USA. Que mundo teremos daqui a 30 anos?

    Gostar

  17. mesquita alves permalink
    22 Dezembro, 2010 11:41

    Bom dia.
    O João Miranda, sempre criativo, e em reflexão natalícia, acaba de criar a “Robótica Social”
    Desejo-lhe um bom natal…

    Gostar

  18. certo permalink
    22 Dezembro, 2010 11:46

    E basta que o salário mínimo aumente um pouco acima do meio de produção alternativo…
    até ao dia que já não haja emprego para mais que uma dúzia de pessoas, entretidas a, de alguma forma, dirigir as máquinas ainda um pouco dependentes da vontade humana. O que também terá seus dias contados, naturalmente, de Portugal à Espanha, aos USA e a toda a parte, quando isso que hoje se diz trabalho só já resista, enfim, parcamente, talvez na China e na Índia, Filipinas, além do Brasil, cansado de Carnaval, droga e folia.
    E sem já trabalho humano, pelo geral, não faltará o que comer, o que vestir, gozar e fazer na vida a ninguém, sabido como a riqueza produzida pelas máquinas, sem o suor nem lágrimas do costume, dará de sobra para todos, conquanto bem repartida.
    E nem Cristo e os evangelhos obstarão a que deixe de haver pobres neste mundo, sequer para arrimo dos futuros candidatos a campanhas presidenciais das repúblicas, portuguesas ou outras.
    O que só visto dessa perspectiva será mau.
    Não mais que isso, finalmente.

    Gostar

  19. anti-comuna permalink
    22 Dezembro, 2010 11:51

    Não sei até que ponto esta noticia não passa de mero spin governamental, mas a acontecer (através de um acordo explicito) seria algo novo nas Relaçoes Internacionais. A China assume-se como atenta e privilegiada agente de uma nova ordem internacional. Não me surpreende nada que, em menos de uma geração, a China se assuma como regime democrata, através de reformas políticas (que só assim conseguirão manter o elevado crescimento económico) e se posicione como parceiro privilegiado da Europa, na nova ordem mundial. É claro que, os USA tentarão minar e implodir um eventual relacionamento mais profundo entre a China e a Europa, mas duvido que o conseguirão. A chave deverá ser o Japão, também eles divididos entre o Império americano e o farol europeu civilizacional.
    .
    .
    Vivemos tempos interessantes.

    Gostar

  20. anti-comuna permalink
    22 Dezembro, 2010 11:55

    Esqueci-me da noticia. Aí vai. Mil desculpas.
    .
    “China disponível para emprestar cinco mil milhões a Portugal
    .
    A China prepara-se para investir em dívida portuguesa no primeiro trimestre de 2011.
    .
    O “Jornal de Negócios” escreve que a China poderá ser um trunfo para aliviar a pressão dos mercados sobre Portugal, através da compra de dívida pública durante o primeiro trimestre do próximo ano. Segundo o “Jornal de Negócios”, a China estará disponível para investir entre quatro e cinco mil milhões de euros, adiantando que o acordo assinado entre Teixeira dos Santos e o governo chinês assegura a presença deste país nos leilões de dívida pública ou participação activa na negociação da dívida em mercado secundário.”
    .
    In http://dn.sapo.pt/inicio/tv/interior.aspx?content_id=1740632&seccao=Media
    .
    .
    Já agora, uma pequena nota. 5000 milhões de euros é muita massa para investir em apenas um país. Não faz sentido, mas se esta noticia não for apenas spin, quer dizer que a China per si, quase que garante o sucesso das emissões portuguesas de dívida. Bom demais para ser verdade? Assim parece mas é bom estar atento, porque a China precisa rapidamente de aliados europeus e tudo é possível.

    Gostar

  21. PMP permalink
    22 Dezembro, 2010 12:08

    O aumento do salário mínimo em 25 euros tem um impacto muito reduzido no custos dos produtos vendidos, mesmo nas empresas de mão-de-obra intensiva.
    O seu aumento é um sinal que o país dá para a necessidade de aumentar o Valor Acrescentado do que produzimos.
    Mas deveria ser acompanhado de outras medidas que permitam às empresas aumentar a sua competitividade, como por exemplo melhorar a qualidade e adequação do ensino profissional.
    .
    O maior problema à contratação é o custo exagerado das contribuições para a S. Social que é de 24% para as empresas. Esse valor deveria ser reduzido para 12% em todas as novas contratações, nas empresas que aumentassem o seu quadro de pessoal.

    Gostar

  22. Jorge permalink
    22 Dezembro, 2010 12:18

    Interessante post mas para manobrar essa maquina supondo que a maquina nao funciona sozinha tera de haver sempre um trabalhador e esse tera de ser mais especializado o que levera o patrao a pagar mais ao trabalhador. Digo eu

    Gostar

  23. anti-comuna permalink
    22 Dezembro, 2010 12:28

    Para se entender o quanto o mundo está a mudar, enquanto os USA declararam guerra comercial e cambial à China (e à Europa, mas sem a admissão pública desse facto), a Europa enceta negociações cada vez mais profundas com o Império do Meio. Em vários dominios, com a crise do Euro como pano de fundo, com pouca atenção virada para a cooperação Euro-chinesa noutros domínios. E isto é deveras importante, para se perceber o fosso cada vez maior entre a Europa e os USA.
    .
    .
    Duas noticias interessantes:
    .
    “EU, China agree to address trade, debt crisis”
    .
    http://english.peopledaily.com.cn/90001/90776/90883/7238541.html
    .
    .
    “China, EU to raise high-tech co-op”
    .
    http://english.peopledaily.com.cn/90001/90778/90861/7238759.html
    .
    .
    .
    A Europa está, sozinha, a palmilhar o caminho da paz mundial. A Europa conseguiu trazer a Rússia para a cooperação com a NATO e acabar com eventuais desconfianças militares contra o urso russo. Isto é deveras importante para não termos um potencial inimigo na própria Europa. Por outro, deixa a Europa mais concentrada com os problemas nas suas franjas fronteiriças que envolvem os países islámicos, hoje potenciais futuros inimigos declarados. (E a Europa, ao contrário dos USA, continua a assumir que Israel é importante como fonte dissuasora e ponta-de-lança civilizacional naquele região do mundo.)
    .
    .
    Agora a Europa tenta trazer a China para os valores civilizacionais europeus, não a isolando como pretende fazer os USA. (Daí o incitamento americano às manobras militares sul-koreanas, tentando gerar um conflito regional e um medir de forças com a China, num processo similar à Espanha de anetes do estalar da II Guerra Mundial.)
    .
    .
    Aos poucos, a Europa vai liderando o mundo, sem a ameaça das bombas nucleares e da chantagem política. Os USA perderam-se neste processo e hoje são claramente um factor de instabilidade internacional, com o próprio processo democrático no interior do sistema americano em forte crise e cada vez mais ditatorial e totalitário. Gerir o fim do império americano é algo que nos deve afligir a todos, para evitar um novo conflito mundial de elevadas proporções. Sempre que o Império hegemónico perde a liderança, costuma haver guerras de elevadas proporções. Evitaremos esse previsível conflito, devido ao colapso do Império americano?

    Gostar

  24. campos de minas permalink
    22 Dezembro, 2010 12:40

    interessante a pesquisa de anti-comuna, e as inferências que retira!

    Gostar

  25. 22 Dezembro, 2010 13:11

    João Miranda, você não tem razão nenhuma. O seu raciocionio em abstracto pode ser logico mas no concreto não é viável. O seu mercado livre iria empurrar todos os salários para baixo, para níveis de escravatura. Rebentava-lhe uma bomba nas mãos. E lá virão com a lenga lenga da liberdade de escolha para quem quer 350 mês. Entretanto estão à margem do debate fulcral que é o desenvolvimento tecnológico no seu global reduzir o número de postos de trabalho necessários a nível mundial.

    Gostar

  26. 22 Dezembro, 2010 14:37

    Já Rui Rio está a gerar emprego com o Circuito da Boavista.
    Dão-lhes uma bandeirinha e colocam-os ao longo do percurso.

    Gostar

  27. 22 Dezembro, 2010 14:49

    Meu caro Centrista,

    Conheço suficientemente bem a realidade do Vale do Ave para poder afirmar que, infelizmente, a situação subsiste.

    Quanto aos apoios (através dos fundos estruturais da CEE, depois UE) foram muitos e muito mal utilizados. Uma parte considerável das máquinas e equipamentos adquiridos para a modernização das indústrias estão hoje parados e a maior parte deles nunca chegaram a produzir na sua total capacidade.

    Quanto ao aumento do salário mínimo, detesto a aproximação ao problema feita pelo JM, vamos pôr a questão nos seguintes termos: em Portugal ninguém com um horário de trabalho completo devia trabalhar por 475 euros.

    As empresas e as suas dificuldades…blá, blá, blá. E as dificuldades que os trabalhadores têm para sobreviver com tão chorudos ordenados!

    O que pode garantir à sua família um pai que leva para casa no final do mês o montante líquido que lhe fica dos 475 euros brutos de vencimento?

    E não me venham com a conversa das pencas e das galinhas!

    Gostar

  28. Carlos Laia permalink
    22 Dezembro, 2010 15:05

    E que tal sair da toca e vir cá para fora para ver a realidade?

    Gostar

  29. certo permalink
    22 Dezembro, 2010 15:14

    “China disponível para emprestar cinco mil milhões a Portugal” (anti-comuna 11:55)
    Dito assim, nos precisos números, é declarar preto no branco que, apiedada, a China se decide a tapar a desvergonha portuguesa de um buraco de cinco mil milhões atirados ao porco rho-rho do BNP, sem mais nada que a desgraça de desgovernação que nos cabe.

    Gostar

  30. 22 Dezembro, 2010 16:19

    Encontrei este texto onde é dada uma resposta ao João Miranda sobre este assunto.
    Se quiserem espreitar está aqui:
    http://ventosueste.blogspot.com/2010/12/os-gestores-e-o-salario-minimo.html

    Gostar

  31. PMP permalink
    22 Dezembro, 2010 17:47

    O maior custo de oportunidade em Portugal é a falta de capital para investir na expansão de empresas industriais ou agricolas inovadoras e que já são competitivas, mas são pequenas ou médias.
    .
    Só com pequenas empresas não vamos lá.
    Mas o capital privado que existe em Portugal é reduzido e prefere investir em mercados emergentes.

    Gostar

  32. 22 Dezembro, 2010 22:08

    No Blasfémias,
    começa a ser mais interessante ler os comentários do “anti-comuna”,
    do que os posts residenciais.

    Gostar

  33. smile permalink
    22 Dezembro, 2010 22:25

    Três cafés e um maço de tabaco
    Mais um quanto para o quarto
    Para o almoço e o jantar vou ao prato mais barato
    Daqueles que servem nas tascas do beato
    Mas o dinheiro foge como um rato
    Cem euros para tabaco
    Sessenta para café
    Porque para socializar
    Preciso mesmo de tomar café
    Na brasileira ou num lugar de mais recato
    Cem para o quarto
    Que tenho que partilhar com muito rato
    E mais trezentos para comer
    Que do ar não posso viver
    Já lá vão quatrocentos e tal
    Está a começar a ficar mal
    Parece que é mais fácil
    Um poeta morrer de fome
    hoje
    Que antigamente em Portugal

    Gostar

  34. Dédé permalink
    22 Dezembro, 2010 23:19

    Então substituíram o João Miranda por um robot? Se o original já era mau o robot ainda é pior.

    Gostar

  35. Bulimunda permalink
    23 Dezembro, 2010 09:45

    O filme que leva ao orgasmo todos os liberais tipo Scrooge…ah é assim que deveria sr o natal…assim sim este PAÍS ANDARIA PARA A FRENTE..DEVIAM MOSTRAR ISTO NAS ESCOLAS PARA SEGUIREM O EXEMPLO..bom NATAL A TODOS E NÃO SE :GASTEM SÓ 500 EUROS NOS ALTERNES…Estamos em crise e o ordenado mínimo é menos do que isso…
    http://bulimunda.wordpress.com/2010/12/23/a-pequena-vendedora-de-fosforos-uma-historia-de-natal-para-todas-as-criancas-verem-oh-oh-oh/

    Gostar

  36. Bulimunda permalink
    23 Dezembro, 2010 09:48

    Natal divino ao rés-do-chão humano,
    Sem um anjo a cantar a cada ouvido.
    Encolhido
    À lareira,
    Ao que pergunto
    Respondo
    Com as achas que vou pondo
    Na fogueira.
    O mito apenas velado
    Como um cadáver
    Familiar…
    E neve, neve, a caiar
    De triste melancolia
    Os caminhos onde um dia
    Vi os Magos galopar…

    Miguel Torga

    Gostar

  37. Renato permalink
    23 Dezembro, 2010 11:12

    A máquina custa 499? e porque não 498? E porque não trezentos, duzentos ou cem euros?…. No tal estudo de custos de fabricação e manutenção de máquinas, não se coloca a hipótese de as máquinas ficarem mais baratinhas? E o que aconteceria então? Os empresários venderiam a mercadoria que fabricam a quem? Às máquinas? E que fariam os seres de carne e osso? Eu acho que estes posts são gerados automaticamente por uma máquina, que não percebe nada do mundo à sua volta, nem consegue lidar com variantes de cálculo com um mínimo de complexidade. Deve ter sido barata, a maquineta.

    Gostar

  38. 23 Dezembro, 2010 14:39

    “Entre um trabalhador que custa 500€ e uma máquina com a mesma produtividade que custa 499€, os empresários tenderão a escolher a máquina. Basta que o salário mínimo aumente acima do custo de um meio de produção alternativo para começar a gerar desemprego.”

    O mesmo raciocínio se pode aplicar a tudo o que implica custos para um empresário:
    – Entre uma linha de produção segura que custa x€ e uma linha de produção que acarreta riscos para a segurança dos trabalhadores que custa x-1€, os empresários tenderão a escolher a segunda.
    – Entre não fugir aos impostos e pagar x€ e fugir aos impostos e pagar x-y€, os empresários tenderão a escolher fugir aos impostos.
    – etc.

    Daqui deve concluir-se que esperar condições de higiene e segurança no trabalho, ou que se paguem os impostos, é irrealista, ingénuo? Que, mesmo que os custos sejam acrescidos “um poucochinho”, isso é irrelevante?

    A ideia de que a economia é amoral, que não se compadece com valores sociais ou o bem estar das pessoas, e que funciona numa lógica de procura do lucro e redução da despesa, é relativamente pacífica. Agir e pensar tendo isso em conta é sensato. Mas quem toma decisões económicas são pessoas. A essas podemos pedir contas, com elas podemos estabelecer o que é razoável e o que é irrelevante. São pessoas que empregam, são pessoas que são empregadas. A umas e outras podemos e devemos pedir razoabilidade, com umas e outras, debatemos, negociamos decidimos em que tipo de sociedade queremos viver.

    Gostar

Trackbacks

  1. WikiLémias – Quem me dera que a verdade dos jornais fosse a verdade do João Miranda | cinco dias

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: