Saltar para o conteúdo

pessoas e liberdade de escolha

29 Janeiro, 2011

Considere-se uma pessoa que ganha 1500 euros por mês. Ganha-os porque produz um serviço ou um produto com o seu esforço. Esta pessoa tem uma determinada liberdade. Dos 1500 euros pode tirar uma parte para para meter o filho numa escola privada. Acontece que o Estado cobra metade desses 1500 euros em impostos e ao fazê-lo retira a dita liberdade à pessoa em causa. A pessoa já não pode colocar o filho no escola privada. O dinheiro que sobra após impostos e necessidades básicas não chega.  O maradona faz de conta que esta parte da história não existe, faz de conta que o Estado não retirou 750 euros a esta pessoa, que não lhe retirou a liberdade de escolher, e diz qualquer coisa como: “Estes 750 euros são do Estado e não é legitimo que o Estado use este dinheiro para promover a liberdade de escolha (aumentando a diversidade de opções), muito menos em escolas privadas”. “Esta pessoa, se quiser liberdade de escolha que a pague”. Como se não tivesse sido a dita pessoa a pagar os 750 euros ao Estado. E assim, o maradona, diz à pessoa que realmente produziu os 750 euros que esse dinheiro não é dela e que não tem quaisquer direitos sobre ele. A isto chamamos Estado Social.

Anúncios
74 comentários leave one →
  1. lucklucky permalink
    29 Janeiro, 2011 00:19

    Estado Social além de imoral é estúpido destrói aqueles que o sustentam. Mais tarde ou mais acabam.

    Gostar

  2. PMP permalink
    29 Janeiro, 2011 00:21

    Porque é que é difícil de entender que o Estado foi inventado para servir e organizar a sociedade e não para ser servido pela sociedade.
    .
    Um Estado ao serviço da sociedade procura encontrar as melhores soluções, que passam em geral por promover a diversidade, concorrência, igualdade de oportunidades, etc.
    .
    No caso da educação (na saude temos a ADSE como bom exemplo) está comprovado que as escolas privadas com contrato de associação prestam um bom serviço à sociedade com um custo histórico inferior às escolas públicas.
    .
    Deste modo um Estado racional ao serviço da sociedade deveria alargar o sistema de escolas associadas, gradualmente.

    Gostar

  3. Arlindo da Costa permalink
    29 Janeiro, 2011 00:22

    Engraçado, todos os «liberais» que conhecem vivem à custa do Estado Social.
    Tem sido o Estado Social que tem matado afome a muito pelintra «liberal» que anda pra’i enfiado em gabinetes, parlamentos, universidades, grupos disto e daquilo!
    Eu quero ver é eles trabalhar como os chineses em Xangai, Hong-Kong ou Macau!

    Gostar

  4. 29 Janeiro, 2011 00:30

    Na actual crise o Governo faz apelo ao sector empresarial e estimula as exportações, etc. No sector da educação, o mesmo Governo trava a iniciativa privada e arroga-se no direito de ser o único agente da educação.
    Valha-nos Santa Engrácia!!!!

    Gostar

  5. PMP permalink
    29 Janeiro, 2011 00:33

    Engraçado que muitos que defendem o fim das escola privadas com contrato de associação para poupar uns trocos, defendem as adjudicações sem concurso e sem controlo a empresas privadas de centenas de milhões de euros, e defendem as TIR garantidas de 14% nas SCUTS e no TGV (ainda hoje o custo do TGV aumentou 200 milhões de euros em pouco mais de um ano).
    .
    Que raio de esquerda que apoia os grandes grupos económico-financeiros !
    Será que é por terem lá muitos amigos ?

    Gostar

  6. Fincapé permalink
    29 Janeiro, 2011 00:40

    Eu não defendo o fim das escolas com contrato de associação, embora tenha de se ver caso a caso. Mas nunca assim de repente, depois de criadas expectativas .
    E tem razão em todo o resto. O Estado vive quase só para sustentar os que se arrogam liberais!

    Gostar

  7. PMP permalink
    29 Janeiro, 2011 00:48

    Mas Sr. Fincapé,
    Não entende que esta manobra da ministra sobre as escolas privadas é de diversão ?
    .
    Não reparou que as escolas privadas queriam fazer um acordo para os 90.000 euros /turma => 3750 euros /aluno .ano ?
    .
    Não reparou que a ministra nunca quis dizer o custo por aluno, pois já sabia que se dissesse que era de 4100 euros com foi em 2009 as escolas privadas iriam propor 4000 euros ?
    .
    Não reparou que a Parque Escolar EPE não teve nenhum corte significativo ?
    .
    Não é de desconfiar que se corte 30% logo de uma vez ?

    Gostar

  8. jose figueiredo permalink
    29 Janeiro, 2011 00:48

    essa teoria é aplicada tambem a compra de um BMW? quero um subsidio para a liberdade de escolha para comprar um carrito, é que com os meus 1.500, só dá para um Pegeout em 2ª mão.

    Gostar

  9. Eleutério Viegas permalink
    29 Janeiro, 2011 00:58

    Em breve vai acabar esta roubalheira… Foi o que aconteceu nos antigos países comunistas, por motivos políticos (falta de liberdade), mas por razões económicas (economia colectivizada falida, estados falidos) . E veja-se o progresso desses países.

    Gostar

  10. anti-comuna permalink
    29 Janeiro, 2011 01:00

    “Não é de desconfiar que se corte 30% logo de uma vez ?”
    .
    .
    O PMP est+a apanhar bem o problema. A questão não é de custos. Isso é apenas uma manobra de diversão. O governo pretende, a todo o custo, acabar com sistemas privados de ensino para melhor poder promover a ideologia dele. Portanto, mesmo que as escolas cedam, vai acabar por surgir novas oportunidades de tirar a igreja do ensino, por exemplo.
    .
    .
    Alguns ainda pensam que isto é uma questão do Estado cortar nos custos, porque se uma escola der lucros, esses podem ser poupados se as escolas passarem a serem geridas pelo Estado. (Os comunas, como o Fincapé pensam assim.)
    .
    .
    A questão não é apenas financeira. É outra. É destruir o ensino privado e tentar com que este apenas seja ministrado a uma élite. O que iria gerar mais assimetrias sociais no futuro, pois aí, só mesmo os filhos dos ricos seriam capazes de obter formação ideal para lutarem pelos melhores empregos.
    .
    .
    Os mais prejudicados com estas políticas estatais são sobretudo os pobres, que acabam por terem uma formação pior que a dos ricos; quando a ideia inicial dos liberais era precisamente fazer com que os pobres tivessem as mesmas oportunidades dos ricos. (E quem quiser perceber melhor o que eu pretendo dizer aqui basta entender a sanha com que o Marquês de Pombal atacou os Jesuítas.)
    .
    .
    É evidente, em último caso, os ricos mandarão os seus filhos para escolas no exterior, como há umas décadas atrás.

    Gostar

  11. Fincapé permalink
    29 Janeiro, 2011 01:10

    “Os mais prejudicados com estas políticas estatais são sobretudo os pobres”. Caro Anti-Comuna.
    Você agora comoveu-me até às lágrimas! A sua defesa dos mais pobres e desvalidos da sociedade é a notícia mais bonita que vi desde que o Elton John teve um filho!

    Gostar

  12. PMP permalink
    29 Janeiro, 2011 01:19

    José Sócrates e o seu núcleo duro estiveram desde 2005 a comandar as operações do ministério da educação, por ser um ministério estratégico e de grande dimensão, com grande impacto mediático.
    .
    Por isso colocou lá duas ministras tontas sem quaisquer ideias próprias. Foram e são marionetas. Basta ouvi-las com alguma atenção duas vezes para perceber isso.
    .
    Mas a nossa oposição do PSD não percebeu nada nem continua a perceber e até apoiou muitas vezes as ministras tontas, em vez de exigir um ensino universal de alta qualidade e contrariar a bandalheira existente.
    .
    A estratégia inicial foi de desorganizar as escolas, criar novas chefias para os amigos e atirar as culpas da má qualidade para os professores, em vez de responsabilizar quem manda.
    Típica manobra bolchevique.
    .
    Agora era preciso encontrar outro bode expiatório (Estaline não faria melhor !).
    E foi encontrado ! As escola privadas com contrato de associação , com o pretexto de cortar uns trocos.
    .
    Mas manter os Gabinetes, Missões, Estudos, e acima de tudo manter a PARQUE ESCOLAR EPE a contratar obras às empresas amigas , com a MOTA em 1º lugar.
    .

    Gostar

  13. Fincapé permalink
    29 Janeiro, 2011 01:23

    No que acima diz, concordo completamente consigo.

    Gostar

  14. 29 Janeiro, 2011 01:23

    pois , então está muito muito mal que o estado comparticipe operações de mudança de sexo , caramba . ou comem todos , ou não come nenhum.

    Gostar

  15. 29 Janeiro, 2011 01:54

    Que confusão.
    Primeiro o Estado não cobra 50% de impostos, cobra menos.
    Depois o Estado fornece vários serviços, educação, saúde, segurança, infra-estruturas, etc., etc. E estes serviços são, em princípio, fornecidos a todos os cidadãos.
    Dizer que o pagar impostos me retira liberdade de escolha é absurdo. É como dizer que a empresa em que trabalho, ao ter lucros, foi dinheiro a menos que me pagou e, esse dinheiro a menos retirou-me liberdade de escola, pois, por exemplo, eu tinha escolhido Bora Bora para as minhas férias mas devido à empresa ter desviado para do dinheiro que me cabia para lucros eu vi-me forçado a passar férias na Cruz Quebrada.

    Gostar

  16. PMP permalink
    29 Janeiro, 2011 01:57

    Que confusão vai no Raio.
    .
    O Estado fornece serviços quer por operação directa, quer por contratação de entidades privadas.
    .
    O Estado racional deve encontrar a melhor forma de prestar serviços, com a melhor qualidade ao menor custo.
    .
    Já é assim há muito tempo, excepto no tempo do Estalinismo.

    Gostar

  17. 29 Janeiro, 2011 02:08

    Arlindo da Costa escreveu:

    “Eu quero ver é eles trabalhar como os chineses em Xangai, Hong-Kong ou Macau!”

    ???? Esse mito de que os chineses trabalham muito, muito, muito, é coisa que nos impingem para nos achincalhar.
    Primeiro onde os chineses trabalham mais, nem é em Xangai, nem, em Hong-Kong nem eu Macau, é na Província de Cantão, onde está instalado no grosso da indústria exportadora chinesa.

    Depois quem tenha ido alguma vez à China vê que eles também descansam e divertem, em suma, gente como nós.

    A última vez que estive em Beijing fui num dia de semana à tarde visitar o Templo do Céu. Fiquei sinceramente espantado, a zona à volta do tempo estava cheia de gente na força da idade, a passear, conversar, jogar xadrez chinês, a cantar, etc. Como é? Chineses a descontrair? Chineses sem estar a trabalhar? E isto num dia de semana à tarde.
    E, nem pensar a ir lá na semana do ano novo chinês (este ano é dia 2-3 Fevereiro) pois, nessa semana ninguém trabalha.

    O que o Arlindo Costa mostrou não perceber é que estamos no meio de uma campanha para nos achincalhar e meter na ordem. Não trabalhamos, passamos o tempo a pedir dinheiro emprestado para esbanjar em férias e noutras actividades não produtivas, etc., e, para cumprir este objectivo tudo vale.

    Gostar

  18. Botas permalink
    29 Janeiro, 2011 02:28

    Hoje, toda a gente que pode manda os filhos estudar em colégios no estrangeiro – nem é preciso que sejam os melhores -, não só pos a Educação em Portugal se ter deteriorado de forma inconcebível mas também porque o ambiente social não a permite complementar com os necessários bons costumes.
    Como é possível dotar as escolas de bons professores se há 36 anos o ensino dos docentes tem vindo a piorar continuamente?
    Vão dizendo que tem havido progressão no sentido da excelência mas é apenas para iludir o povo que sabe muito bem o estado em que está o corpo docente e o péssimo resultado obtido pelos alunos. O povo tem plena consciência de que a degradação é crescente e que se os filhos forem para fora têm dois benefícios: estudam melhor ficando melhor preparados e terão maior facilidade de integração nos mercados que vão conhecendo.
    No meu tempo já era manifestamente assim e hoje a situação é uma evidência.

    Gostar

  19. Anonimo permalink
    29 Janeiro, 2011 03:40

    .
    Raio (01.54h), “Que confusão.Primeiro o Estado não cobra 50% de impostos, cobra menos”. Vá lá somando o que vai para o Estado retira do salário bruto de qualquer posto de trabalho, genericamente,
    .
    IVA = 23% + S SOCIAL = 34,5% + IRS = 5% (pelo baixinho) + I Circulação + Imposto de Combustiveis (100% em cima do preço de venda da refinadora na bomba) + Multas (que ao pé da Salario Minimo são um descaramento) + Taxas para tudo (BIs, Passaportes, Atestados Medicos etc) + Cargas Fiscais e Encargos Sociais das Empresas intervenientes no ciclo do produto embutidos no preço cobrado ao Consumidor Final + Propinas na Escola + etc etc.
    .
    Como vê os seus menos de 50% …… Tomara a nomenklatura de luxo e o appartnik a viver dos impostos e do trabalho dos outros na União Sovietica, na China Maoista, em Cuba ou na Coreia do Norete terem tido a esperteza de fazer este modelo de Comunismo de Veludo em Liberdade na exploração da ‘igualdade dos trabalhadores’.
    .
    Com toda a facilidade chega a cerca de 70% retirado ao Trabalho pessoal de cada Cidadão. Depois há os estudos, analises e estatisticas que são zero comparado com a carteira de cada Empregado e a Tesouraria de cada Empregador.

    Gostar

  20. Miucha permalink
    29 Janeiro, 2011 06:00

    Alguém explique ao Raio que a empresa para a qual ele trabalha lhe paga não uma parte dos lucros (era só o que faltava) mas o preço acordado pelo seu trabalho e nada mais. Para lhe pagar uma parte dos lucros ele tinha de ser accionista (para além de trabalhador) e aí receberia 2 valores – o valor acordado pelo seu trabalho e,quando os houvesse, a parte que lhe cabia na participação de lucros. Chama-se a isto contaminação socialista e pior, desinformação idiota útil. Congratule-se o Raio pois é verdadeiramente accionista do Estado e quando houver lucros (nunca há pois o Estado não gera qualquer lucro, mas vá, sobras de orçamento) pode pedir a sua quota-parte (vá esperando) mas como accionista, quando há prejuízos saem-lhe bem do bolso e pegue lá a liberdade de escolha. Quer vender/desistir da sua quota-parte mesmo uma pequena percentagem dos encargos, ora veja lá se consegue? Liberdade de escolha. Quer mandar na sua vida e não ser empalado (a expressão é outra mas por respeito aos sulistas eu abstenho-me) todos os dias por gajos que estão preocupados em mudar a frota de automóveis do ministério e quejandos? Boa sorte. Sabe o que é melhor para si e eu sei o que é melhor para mim. Descanse que quando lhe quiserem tirar a si a sua liberdade de escolha eu vou estar lá a lutar por si e por mim.

    Gostar

  21. Miucha permalink
    29 Janeiro, 2011 06:22

    Declaração de identidade: sou liberal, muito, nunca trabalhei para o Estado, ninguém na minha família trabalha para o Estado. As minhas contas são fáceis de fazer: entro num cliente e fecho um negócio e sei ali, na hora, quanto ganhei e quando vou ter de entregar logo à cabeça; na realidade nunca o chego a ver pois fica na fonte. Este ano vou ter de descontar ainda mais. Quer faça ou não negócio, pois posso ficar doente ou andar menos efectiva no trabalho, o Estado quer que eu lhe entregue todos os meses um valor para a Segurança Social, mas não me paga qualquer baixa se eu tiver uma gripe de 5 dias e não fizer qualquer negócio porque estou em casa e até me devia agradecer pois não ando a contaminar os camaradas cidadãos e assim poupo despesa ao SNS. Não me queixo mas tenho sensibilidade sobre o valor do meu trabalho, nada é “diluído” nem difícil de avaliar na minha actividade profissional. É tudo muito contabilizável e real. Não há cinzentos e nem margens para erro. Só eu é que saio prejudicada se algo corre mal. As contas são de somar e de subtrair, muito básico porque é disso que se trata.

    Gostar

  22. JCA permalink
    29 Janeiro, 2011 07:24

    .
    Estou farto de academicos em Finanças Publicas e Fiscalidade. Um imposto unico saca para o Estado o mesmo que esse ‘cientifismo fiscal’ com que gozam os Cidadãos. O problema do Estado é dinheiro ou Tangas ???
    .
    É claro que com um Imposto Unico sobre o Consumo os tais cerca de 70% davam muito nas vistas e o pessoal arreava a bronca. Mas chega lá. Experts DAQUI E DACOLÁ que nunca pagam a fatura do que impingem aos outros. Ensaio sobre ‘Nomenklaturas e Appartniks’
    .
    “O Tunisino que recebeu de prendas que ao fim de 20 anos pesavam uma tonelada e meia de ouro não tem culpa. Eram prendas e durante 20 anos é claro pesa mais que robalos, vinhos velhos, pratas etc.
    .
    Eu SOU A FAVOR DA CORRUPÇÃO. Com guidelines. Um gajo entra numa repartição ou no cabeleireiro, no supermercado, no médico, no electricista, enfim em qualquer lado. E antes que seja tarde dão-lhe os GUIDELINES para se cumprir a Defesa do Consumidor.
    .
    Porque o vencimento ou o ordenado é um direito divino natural de nascença que não tem nada a ver com Trabalho, Obrigação e Responsabilidade, para seres tratado com atenção e qualidade é assim:
    .
    pagas o serviço e se fatura até x são mais 2 galinhas, até um barril de 5 almudes de tinto, se até w um porco, até z um fim de semana com uma ucraniana (se homosexual, com uma modelo da agência XV38), se até h um 3 dias no CAT69.com, se até B um Vista Alegre, se até Z um andar, se até C uma moradia, se até D uma Harley Davidson, se até E uma Mercedes SLK ou em opção ideologica um Jaguar, se até F umas barras de ouro que mão deixam ‘cheiro’, se até H um bacanal na Tailandia all included e com garantia que a consorte nunca saberá., se I umas pratas javali, uma urbanização um iate ‘com tração às 4 rodas’, umas obritas na habitação um Chanel 5 p’à madame, a prof para dar uma atençaozinha ao rebento um cheque compras na Zara, um excesso de velocidade um bacalhau etc-
    .
    Eh pá depois quando vai lá já para Juizes, Ministros e Presidentes aí pára, é tudo gente séria.
    .
    Mas no tempo do Salazar o esquema era o mesmo. Ele é que parece que não recebia nenhum.
    .
    Vamos ao que interessa, Maquiavel já lá vão alguns 400 anos, Cristo que arrastava uma multidão de prostitutas e desvalidos, etc e tal já explicaram: qualquer gajo ou gaja, instruido ou desinstruido, se vende por DINHEIRO, SEXO ou HONRARIAS.
    .
    Portanto para não haver filhos nem enteados é legalizar esta merda e ninguém se sente atirado para minorais segregadas nem é enganado. Jogo em cima da mesa. Directo.”
    .
    Não estou nada zangado com isto. Sou a FAVOR DA CORRUPÇÃO GENERALIZADA para nunca mais ninguém se revoltar contra a Corrupção. Tudo arranjadinho com guidelines e a valer para todos.
    .
    Não estou a gozar. Nunca falei tão sério na vida. Abençoados os corruptos que os corruptores são anginhos virgens.
    .
    ,

    Gostar

  23. Ana permalink
    29 Janeiro, 2011 07:33

    Eu recebo 1200 Euros. (tiram-me 600 em impostos antes de receber o ordenado-mais o que me tiram quando compro pão e leite ). Vivo na Musgueira/Alta de Lisboa. O Colégio S. João de Brito tem contrato de associação.
    O meu filho porque pertence à área geográfica e eu tenho apenas 1200 Euros para o alimentar, vestir, e afins frequenta uma das escolas públicas da Musgueira. A experiência está a correr muito bem!
    Mas porque será que dos 600 Euros que me tiram à cabeça alguns são gastos a pagar a educação aos filhos dos ex-alunos do CSJB! Ainda tem que aparecer alguém que me explique!
    Acredito no Cheque Escola/ em que cada criança recebe uma verba e pode escolher a escola que frequenta. Acredito na diversidade de oferta público/privado. Defendo a liberdade de escolha!
    Mas em Portugal não há liberdade de escolha. Há os que podem e os que não podem.
    Os que não podem deverão sustentar os que podem? Não me parece!
    A diferença entre público e privado é essa mesma! Quem pode pode. SIC

    Gostar

  24. Ricciardi permalink
    29 Janeiro, 2011 08:38

    «É evidente, em último caso, os ricos mandarão os seus filhos para escolas no exterior, como há umas décadas atrás.»AC
    .
    Não podemos chamar de ‘privados’ a empresas que operam com dinheiros públicos. Ao contrario do que pensava, a ‘joint venture’ publico-privada não deu nem está a dar certo. Vejam-se as PPP’s.
    .
    Portanto, num enquadramento constitucional (bem ou mal) aonde se define a educação e saúde como sendo valores universais aos quais todos tem direito (e que tirou milhões de portugueses do analfabetismo) vejo a escola pública de hoje com tendo sido absolutamente indispensavel.
    .
    Mas, como tudo o que é massificado, naturalmente gerou problemas de qualidade a alguns sectores da sociedade nivelando o ensino numa média, apesar de tudo, aceitavel (mas não optima); Aqueles que querem dar aos seus filhos uma educação mais primorosa, no qual eu me incluo, tem bom remédio… as escolas privadas. A educação mais primorosa e com níveis superiores de qualidade só pode ser assegurada, não pela massificação, mas sim pela excelencia de uns poucos gestores privados.
    .
    Estou convencido que se tudo fosse privado e massificado e financiado com dinheiros públicos a qualidade média do sistema seria exacatamente a mesma.
    .
    É neste mercado , se quiserem, este nicho de mercado, que os privados podem apostar. A diferenciação e qualidade. Destinado a um publico que pode pagar. Sem prescindir de uma dedução em sede de IRS dos valores das propinas que pagam, necessariamente limitado ao custo equivalente no sistema público.
    .
    Isto, em tese é o que defendo. No entanto temos que avaliar o sistema geograficamente no país. Isto é, eu como empresario, não empreenderia num colegio no interior do país. Pouca clientela e com recursos baixos. E portanto não vejo como podem os privados substituir-se ao estado nesses locais sem que sejam, tambem eles, subsidiados. Mais subsidiados, como são todos aqueles a quem o estado dá o rendimento minimo garantido, mas sob a forma de empresas.
    .
    Se se quer os privados a actuar, então retire-se da constituição a obrigatoriedade de escolaridade e o dever do estado em proporcionar a educação para todos.
    .
    Daí que, para não se cair em extremismos, tira estado mete estado, tira privado mete privado, uma solução que me parece boa seria, definir regiões (autarquias) cujo resultado da equação «rendimento/nº pessoas» resultasse numa decisão sobre a existencia ou não de escola pública. Mogadouro teria de ter uma escola pública, mas em lisboa seriam todas privadas. Assim podia o estado privatizar as escolas de lisboa (ou porto, braga etc) financia-las no seu dever inscrito na constituição de assegurar educação a todos. Na eventualidade de, Mogadouro, melhorar os seus racios socio-economicos, então a escola poderia ser privatizada.
    .
    O financiamento a essas escolas seguiria um modelo próximo dos concursos promovidos para operadores de telemovel ou televisões. Um concurso público, do que resultaria um contrato ou licença de explooração a 10 dez renovavel, dependendo do cumprimento da qualidade previamente definidos.
    .
    RB

    Gostar

  25. Bulimunda permalink
    29 Janeiro, 2011 08:39

    Nem mais..ao privado o que é privado ao público o que é público…com as botas do meu pais sou um homem..alguém investigue o grupo GPs que anda compara tudo o que mexe de escolas privadas..um tal de Calvo e coisa e tal..vejam quem lá está e onde já esteve partidariamente falando…
    Meus amigo vejam os carrões onde andam os directores ou associados dessas cooperativas ..vejam quanto pagam aos professores..e quanto cobram…numa palavra chulos..se o estado o é esses são o duplamente…
    A parte invisível do visível.
    De resto conhecer mais o quê?
    O Manifesto do Invisível.
    Os lobos são a cabeça do anjo que não se vê.
    Sangue no Focinho e Cobardia.

    Gonçalo M. Tavares

    Gostar

  26. 29 Janeiro, 2011 08:45

    Aos nossos talicases (talibans do liberalismo caseiro) soa sempre mais alto a liberdade: a de escolha, a de recolha, a de encolha e a de repolha. E a deles, claro.

    Gostar

  27. 29 Janeiro, 2011 09:32

    Só há 18 escolas privadas a mais de 15 km das públicas
    por ANA BELA FERREIRA, BRUNO ABREU, ELISABETE SILVA, PATRÍCIA JESUS Ontem

    Dos 94 colégios com cortes nos apoios, 20 têm uma alternativa do Estado do mesmo grau de ensino a menos de 1 km.
    Só 18 escolas privadas, das 94 com contrato de associação com o Estado, ficam a mais de 15 quilómetros de uma pública com o mesmo grau de ensino. O levantamento feito pelo DN, recorrendo às listas de escolas públicas e privadas fornecidas pelo Ministério da Educação e à aplicação Google Maps para medir distâncias, mostram também que cerca de 20 estabelecimentos privados ficam até a menos de um quilómetro dos seus equivalentes no público.

    Ou seja, estas instituições – que protestam contra os cortes do financiamento público alegando a falta de alternativas estatais nas suas regiões – ficam afinal perto de muitas escolas públicas. Apenas menos de 20 surgem como a única alternativa num raio de 15 quilómetros no mesmo concelho.

    É em Lamego, Viseu, que fica a privada mais isolada do País – a escola básica e secundária mais perto fica a… 25 quilómetros. Já em Vila Praia de Âncora, Caminha, são apenas sete os metros que separam a Cooperativa de Ensino ANCORENSIS da Escola Básica do Vale do Âncora.

    José Canavarro, ex-secretário de Estado da Educação, admite que “é preciso repensar a rede”, criada há 30 anos quando a oferta pública era insuficiente e o Estado delegou no sector privado, através de contratos de associação, a educação das crianças dessas regiões. E lembra que, em alguns casos, mesmo existindo escolas públicas, estas possam não ter vagas para acolher mais alunos.

    Estes colégios prestam “um serviço ao Estado”, pelo que têm de ser “bem” tratados, defende o professor universitário. O que, critica, não tem sido feito pela tutela no processo de cortes dos financiamentos. “Há que dar tempo às escolas para se reconverterem em privadas ou encontrar outras soluções caso a caso”, sugere.
    http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1768621

    Gostar

  28. 29 Janeiro, 2011 09:38

    Sem remédio
    A edição impressa de hoje do Público tem uma caixa, que não está online, a acompanhar esta notícia com o seguinte título: “Meio milhão de euros para directores. Ministério da Educação avaliou colégios privados”.
    “Há colégios com contratos de associação em que a direcção custa meio milhão de euros por ano ao ME, (…) estamos a pedir sobretudo que reduzam nesta parcela e nos encargos com as direcções (…)” exortou o secretário de estado da Educação.
    Lemos esta argumentação e ficamos enjoados. Com as administrações hospitalares das tais parcerias do público com o privado foi o mesmo devaneio. Noutro dia, dizia-me indignada uma professora do ensino público: “Vê lá que os elementos da direcção de uma escola cooperativa têm todos automóvel pago pelo estado”.
    São exemplos sobre exemplos que nos acordam para o estado de falência a que chegámos.
    http://correntes.blogs.sapo.pt/928638.html

    Gostar

  29. 29 Janeiro, 2011 09:40

    As mensalidades pelo pagamento dos colégios privados dos filhos são deduzidas em sede de IRS dos pais.

    Gostar

  30. 29 Janeiro, 2011 09:46

    Está tudo dito. O retrato do Estado ladrão que infantiliza os cidadãos e lhe rouba a liberdade de decidir o que é melhor para as suas vidas. Se isto não é uma ditadura?

    Gostar

  31. Tiradentes permalink
    29 Janeiro, 2011 09:48

    As Arlindas Mouras Guedes são salta pocinhas nos raciocínios. Então “os privados” querem todos “viver á custa do estado”?
    Presume-se porventura que o dito estado das Arlindas deve ter um sector produtivo fantástico que deixa mais-valias que depois os privados querem abocanhar.
    Não é assim pois não?
    O dito cujo “estado” das Arlindas vai buscar o carcanhol a quem? Será ao “privado”? incluindo qualquer indigente cidadão que trabalha quase seis meses para descontar/pagar ao estado?
    Então o raciocínio das Arlindas deveria começar por aqui.
    O “estado” primeiro cobra, depois rouba, depois administra mal e porcamente o dinheiro dos outros e depois ainda gasta mais do que aquilo que cobra endividando-se, ou seja endividando os que já o sustentam.
    Se alguém prestar um serviço idêntico àquele que o dito “estado” por uma razão ou por outra não pode ou não quer prestar e a que os cidadãos do país tem direito (educação). Se esse alguém prestar esse serviço com maior qualidade e se ainda for capaz de gastar menos …….. o que deveria o dito “estado” fazer?
    Estas Arlindas tem sem saber meia dúzia de preconceitos dos quais nem se apercebem mas sobre os quais estão sempre a revoltar-se.
    Elas preferem que o dito estado cobre metade dos rendimentos das pessoas e depois aplique na sociedade com maiores custos e que dê prejuízo de forma a que ainda tenham de ir buscar dinheiro emprestado.
    Assim afastam os seus fantasmas sobre lucros e sobre privados.
    Mas é assim que chegamos onde chegamos.

    Gostar

  32. Pi-Erre permalink
    29 Janeiro, 2011 09:52

    “Estes 750 euros são do Estado …”
    .
    Já o Al Capone dizia aos seus “contribuintes” : “Esse dinheiro é meu!”

    Gostar

  33. 29 Janeiro, 2011 10:18

    interessante. então, se o estado não ‘retirasse’ o IRS – retenção na fonte – as pessoas ganham mais 50% (ou a percentagem real, mas enfim).
    a ideia é tão boa que até já existe: recibos verdes. os seus recetores, como sabeis, estão ricos.

    Gostar

  34. 29 Janeiro, 2011 11:45

    Ó miranda este seu artigo é um bocadinho parvo, não é?

    Gostar

  35. fonseca pereira permalink
    29 Janeiro, 2011 12:47

    Parvo? é que ele não tem nada – faz exercicios de retórica – se tender para a parvoíve, eu cá estou – de qualquer das maneiras…se eu ganhassa 1.500€ – descontavam sobre o vencimento – pagava a mensalidade do colegio – e vivia na barraca no Aleixo.

    Por outro lado – um Médico ganhando 20.000 € mensais, devia-se subsidiar o colégio do pequeno.

    Assim é que está bem

    Gostar

  36. castanheira permalink
    29 Janeiro, 2011 12:47

    Os votantes no socialismo (socrates) praticaram um acto escabroso que foi a venda do futuro dos nossos filhos ao diabo!

    Gostar

  37. 29 Janeiro, 2011 13:05

    E depois, quem já contribui com mais impostos para a Saúde e Educação desse Estado Social, leva uma penalização ao pagarmais que os que pagam menos impostos (que outra maneira há de ver quem é mais “rico” e mais “pobre”?) para utilizar esses serviços.

    Gostar

  38. PMP permalink
    29 Janeiro, 2011 13:16

    É um espanto que os socialistas não estejam minimamente preocupados em que o Estado proporcione um sistema de ensino de alta qualidade à generalidade da população.
    .
    Essa falta de preocupação diz muito sobre o socialismo falso que apregoam.
    Desviam as atenções do fracasso da gestão do ensino dos últimos 15 anos com polémicas artificiais.
    Desviam as atenções do regabofe dos gastos da PARQUE ESCOLAR EPE e da máquina politica do minsitério da educação.
    .
    Quando é os liberais entendem que está aqui um dos combates políticos mais importantes a travar ?
    .
    Pensem em como poderia ser o país se pelo menos o ensino fosse dos melhores do mundo ?
    Pensem em que isso apenas precisa de recursos humanos internos e organização
    .
    Que raio de PSD e CDS são estes que se deixam enrolar em temas menores e não têm propostas sérias sobre o ensino?

    Gostar

  39. PMP permalink
    29 Janeiro, 2011 13:27

    Cá está o que interessa no ensino : obras para a malta !!

    “Mais 90 escolas vão entrar no programa de reabilitação da Parque Escolar
    Há ainda 68 estabelecimentos com obras em curso, cinco em estudo ou projeto e 24 adjudicadas para início de obra, além de 41 obras em concurso.
    O investimento previsto para as noventa escolas da nova fase é de 1.350 milhões de euros. ”

    http://sic.sapo.pt/online/noticias/pais/Mais+90+escolas+v%C3%A3o+entrar+no+programa+de+reabilita%C3%A7%C3%A3o+da+Parque++Escolar.htm

    Gostar

  40. JCA permalink
    29 Janeiro, 2011 13:33

    .
    A QUESTÃO CENTRAL de ESTADISMO, ALTA POLITICA e CATEGORIA DE GOVERNAÇÃO SUPERIOR é esta:
    .
    “O dinheiro publico, dos Contribuintes, em termos de garantir os Direitos Civilizacionais de universalidade na Educação e na Saúde deve ser usado para subsidiar Instituições (construir edifícios, gerir, pagar salários, manutenção etc) OU para subsidiar directa e individualmente o Cidadão, Encarregado de Educação ou o Doente ?
    .
    O nó-cego e a confusão residem simplesmente aqui.
    A discussão está propositadamente desfocada em interesses instalados em ‘Empresas’ Publicas, Privadas e Cooperativas. Em qualquer uma existe Lucros e Prejuízos no mínimo na parte salarial dos Empregados sob a forma de FP.
    .
    O essencial é discutir o valor do subsidio directo ao Cidadão, Encarregado de Educação ou Doente, a ser pago através de Cheque-Educação e Cheque-Saúde. Até cada um sabia afinal quanto é que os outros o subsidiam através do Estado, noção que actualmente está longe de ter promovendo na Sociedade a ideia da ‘borla’, do despesismo , da bandalheira.
    .
    A prestação do serviço é em livre concorrência para espevitar a qualidade e o esforço profissional não importando que sejam ‘empresas’ Publicas, Privadas ou Cooperativas que devem coexistir. Os impostos dos Cidadãos, ou seja o dinheiro do Estado administrado pelos Governos, não pode ser usado para subsídios directos a “empresas” (escolas, hospitais etc) sejam Publicas, Privadas ou Cooperativas. É da responsabilidade de cada uma destas ‘empresa’ sobreviver na Livre Concorrência sem subsídios directos, facilidades e ou reduções fiscais etc, sob a forma de PPP’s ou seja lá com que habilidade, que apenas viciam a actividade que se propõem e responsabilizam cumprir.
    .
    Entre Profissionais com os mesmos direitos de Cidadania nãoo pode haver filhos e enteados, nem Cidadãos de 1ª, 2ª ou 3ª. E a garantia absoluta desta Isenção e Igualdade é a primeira obrigação dos Políticos, dos Partidos e dos Governos sob pena de continuarem a falsificar a Democracia.
    .
    Foi com o Cheque-Educação que nos Países Nordicos se resolveu o problema para mais qualidade e muito menos despesa publica. Por exemplo na Suécia, social-democracia.A situação era similar a Portuguesa actual Por exemplo na Suécia. Como decerto os Gabinetes Ministeriais e Partidários já fizeram, basta informarem-se sobre o modelo de Educação etc na Suécia e COPIAREM se não são capazes de CRIAR.
    .
    O resto é luta de interesses entre públicos, privados e cooperativos com máscaras de ideologias, fés etc etc. Treta que nada têm a ver com os interesses dos Encarregados de Educação ou Doentes.
    .
    Uma verdade verdadinha, das tais ‘Igualdades’ e das ‘Garantias Constitucionais’ etc: verdade é que actualmente os Pobres estão proibidos de escolher o Ensino Privado ou Cooperativo, as Clinicas e a Medicina Privada. O resto é conversa”
    .

    Gostar

  41. 29 Janeiro, 2011 14:59

    Eu não entendo estes disparates do maradona.
    Há-de ser influência da amiga Côncia e bruto complexo com os pobrezinhos mais as paranóias jacobinas.
    Não faz sentido- tudo o que ele escreve é uma versão escardalha à neotontinho dos pobrezinhos.

    Gostar

  42. PMP permalink
    29 Janeiro, 2011 15:03

    Lisboa, 28 jan (Lusa) – A Associação Industrial Portuguesa defende que o número de institutos, fundações e empresas de capitais públicos deve ser reduzido “em pelo menos 50 por cento” e advoga o fim das “nomeações dos principais dirigentes por critérios de partidarismo ideológico”.

    Num documento intitulado ‘A criação da riqueza na hora da verdade – Os empresários perante o futuro’, que foi hoje apresentado numa cerimónia que contou com a presença do ministro da Economia, a instituição liderada por Rocha de Matos e que foi recentemente integrada na CIP, criando a CIP – Confederação Empresarial de Portugal, apresenta cinco passos para melhorar as condições políticas propícias à criação de riqueza, começando por “fomentar a ética da responsabilidade, do rigor e da honradez na actividade política e empresarial”.

    Por outro lado, os empresários defendem também a reforma do Estado, “redefinindo a sua missão e funções”, e é neste ponto que defendem a “profissionalização dos quadros dirigentes” e a reconfiguração do modelo de funcionamento, que inclui a “redução de pelo menos 50 por cento do número de institutos, de fundações e de empresas de capitais públicos, do poder central e das autarquias e na conceção de uma estrutura do Governo, e dos gabinetes dos seus membros com menor dimensão”.

    Gostar

  43. 29 Janeiro, 2011 15:06

    Mas isto nem é defesa de Estado Social nem nada. É maluqueira em último grau. Ele vai buscar aqueles exemplos dos profs do particular que sempre foram desprezados por todos os sindicatos que negoceiam legislação com os governos, para dizer que o problema é trabalharem para o privado.

    Isto é o mesmo que se dizer que só não existem “oprimidos e explorados” se for tudo empregado do Estado. E com a agravante de mandar às urtigas leis, contratos, carreiras, liberdade de escolha para quem trabalha.
    Para ele- tudo o que possa ter qualquer aura de benefício social só deve ser feito pelo Estado.
    Se o não for é o perigo de poder haver “instrumentalização religiosa” e sei lá mais o quê, como até tirar lugar a quem quer ir para escola pública.

    Quando o que se passa é o inverso- foi por criarem esta utopia- a todos os níveis que depois, em precisando de cortar quem se lixa é quem não encontra nem empresas, nem nada onde possa trabalhar.

    Gostar

  44. 29 Janeiro, 2011 15:08

    E esta treta dos impostos há-de ser a mesma com que também defendeu o aborto estatal a par (ou à frente) do tratamento médico no SNS. Porque, também aí, a imbecilidade era considerar obrigação pública a resolução de problemas privados, com o eterno espantalho das desgraçadinhas com agulhas e abortícios de vão de escada.

    Gostar

  45. 29 Janeiro, 2011 15:12

    Que também não podiam “pagar ao privado”.

    Esta treta de se usar os pobrezinhos para fazer tudo ainda mais rasca é das coisas que mais me irrita.
    Como se os pobres existissem para alimentar o Poder e a sociedade tivesse de ser escrava das ideologias destas falsas igualdades.

    Que defenda as bolsas com base no rendimento de cada um. Não é isso que agora até já fazem com rendimento mínimo. Pois então, já que estamos no bom caminho com esta patranha destes xuxas liderados pelo aldrabão mor, força. Apliquem a mesma tabela.
    Porque o grande problema não é este- é não terem como se livrar do excesso de funcionalismo público que criaram para ganhar votos.

    E foram eles que andaram a fazer concorrência ao ensino privado .E isto em locais até pobres ou remediados onde as escolas mais antigas e até as únicas eram privadas com contratos de associação.

    Gostar

  46. 29 Janeiro, 2011 15:15

    E diz pior, que o Estado nos concede liberdade para escolher “projectos educativos”.

    Mas ele passou-se ? já fala à eduquês. Que raio de projecto educativo é que ele tem ou conhece que não tenha de passar pela tutoria do Estado?
    Estamos no Maio de 68 ou quê? Acaso isto é versão à “Jonas no Ano de 2000”?

    Gostar

  47. 29 Janeiro, 2011 15:18

    Mas eu gosto muito do maradona. Ele é um bacano. Isto há-de ser fruto de ressaca de bejecas ou falta de pedalar na bicla.

    Gostar

  48. 29 Janeiro, 2011 15:26

    E eu nem falo em “liberdade de escolha”. Isto é apenas manter o que funciona melhor, com mais disciplina, um pouco mais de liberdade e que tem quem queira e até de sobra.
    Porque o futuro é este. Não se tenha dúvidas. Com a globalização e falência do Estado Social por haver uma população cada vez mais envelhecida, o dinheiro não chega.
    E, o que estes imbecis estão a fazer é a matar o intermédio e a aumentarem o consequente fosso social.
    Porque esta merda não vai fazer fechar as tais “escolas com equitação e golfe e empório do Vaticano” e mais não sei quantos, terrível- pior só se fossem escolas talibãs.
    Isto vai é diminuir cursos e oferta nas medianas que não aguentam a concorrência das do Estado.
    E as do Estado não vão melhorar porque o aumento de população escolar que têm é precisamente a que anda lá à força e é cada vez mais as dos gangs e marginais.

    Até parece que o mais longe que conseguiram ir ao “estrangeiro” foi a Badajoz, aos caramelos. Como se vivêssemos numa qualquer ilha fora do resto do mundo. E nem houvesse forma de comparar.

    Gostar

  49. PMP permalink
    29 Janeiro, 2011 15:26

    As OBRAS é que são a verdadeira estratégia do governo para educação.
    Para quem tinha ontem dúvidas do verdadeiro “end game” e da manobra de distração das escola privadas:
    .
    Cinco mil milhões para renovar escolas
    http://aeiou.expresso.pt/cinco-mil-milhoes-para-renovar-escolas=f628772

    Gostar

  50. 29 Janeiro, 2011 15:29

    Para além da evidência indesmentível que o escrito do João Miranda demonstra por quem compreende os fundamentos mínimos da Economia e não esteja cego pela cegueira ideológica, há outro aspecto da questão da (não) promoção da escolha que gostaria de abordar.
    Ao contrário que os estrénuos defensores da escola pública – que, em rigor, se deveria denominar de escola estatal>/i> – querem fazer crer, a selecção dos alunos já ocorre, em muitíssimas circunstâncias, nas escolas do ensino estatal. Só quem nunca andou por lá é que pode dizer o contrário sem estar de má fé. Existe “liberdade de escolha” sim mas não por quem devia exercê-la, ou seja, pelos pais dos alunos. A monstruosidade do Ministério da Educação, que apenas tolera a existência de um ensino privado mínimo – onde naturalmente são colocados os rebentos da sua aristocracia jacobina -, nem sequer admite liberdade de escolha dentro do sistema estatal.

    Gostar

  51. 29 Janeiro, 2011 15:33

    E quem são estes famosos pobres?

    Bora aí fazer o retrato dos pobres que ficam com menos escolas públicas por diminuírem contratos de associação com privadas.
    Bora aí. Porque se há coisa cretina é esta de se achar que a pobreza é sina de ADN de nascença até à morte.
    Os pobres deles nasceram para pobres e nunca poderão deixar de o ser. E eles têm pó a tudo o que seja caridade. Mas, se for tirar liberdade a quem deixou de estar numa condição extrema, então é coisa de meter inveja a quem nasceu para viver miserável até à cova e servir para vender votos aos que fingem que estão no Poder para os proteger.

    Gostar

  52. 29 Janeiro, 2011 15:37

    Eu estou farta de dizer. Se querem exemplo de puta de instituição totalitária em Portugal é o ME.
    E não é só totalitária- é a que mais estragou do bom que existia. É o antro por excelência da ideologia que alimenta esta gigantesca mentira chamada “esquerda”.

    Se se quiser entender o que é a “Esquerda” pegue-se nos pedagogos e na “Educação”. Está aí tudo. É por aí que se reproduzem e continuam a doutrinar e tornar tudo cada vez mais rasca e mais hipócrita.

    Gostar

  53. Arlindo da Costa permalink
    29 Janeiro, 2011 15:37

    Fogem que a «Zazie» já chegou….

    Gostar

  54. 29 Janeiro, 2011 15:41

    Com um paradoxo giro que é também o retrato da mentira da “democracia” e causa da “liberdade” que vendem como sendo de Esquerda.
    Este mundo totalitário do ME é até a negação dos ditos ideais de 68. Ponham-nos a cantar os Pink Floyd que só sai dali hino à URSS. Eles são estalinistas. Existem para doutrinar e controlar tudo em nome da “Lei” da Igualdade dessa bandeira que nunca teve 3 cores. Porque a cor de burro que dela saiu sempre foi Imperial por terraplanagem.

    Gostar

  55. 29 Janeiro, 2011 15:42

    Foge, tu para os jugulentos que aqui não vendes nada a ninguém.

    Gostar

  56. 29 Janeiro, 2011 15:57

    Isto, dantes, chamava-se “complexos de esquerda” e “chantagem emocional”. É com isto que estes trafulhas que desgovernam se se alimentam do saque, vendem a propaganda.
    E depois tapam os despedimentos dos profs do Estado, com estas mentiras. Como se fosse tudo para “tirar privilégios” porque eles próprios andam a largar os deles.

    Gostar

  57. 29 Janeiro, 2011 16:02

    O problema é que eles não podem despedir os que já entraram para a função pública. E é por isso que quem leva sempre o corte é o que menos bufa e não tem as centrais sindicais a paralisar com greves.

    Os sindicatos sempre sabotaram todo o privado e cooperativo. São os aliados por excelência da terraplanagem do Poder. Quando fingem que estão contra é apenas para venderem a utopia comunista e combaterem “os ricos” e “o capitalismo”.

    E, a verdade é que a maioria de quem está no ensino tem mesmo emprego vitalício. Portanto, é fácil conseguirem até adesão pela mais imbecil concorrência entre profs privados e públicos. Ou paizinhos ricos/paizinhos pobres.

    Gostar

  58. 29 Janeiro, 2011 16:07

    Paizinhos, não, que isso é machismo e discriminação- “progenitores” com bem topa o josé do Porta da Loja.
    Os progenitores são o bom povo de esquerda. Os paizinhos os ricos capitalistas, a rebentarem de privilégios de casta.
    Eles não sã0 casta endogâmica- eles apenas se sacrificam para libertar Portugal das “velhas castas”. E daqui a 200 anos ainda hão-de andar a vender o mesmo. Que isto reproduz-se porque dá de comer a muito “educador do povo” eleito pelos idiotas que acreditam.

    Gostar

  59. 29 Janeiro, 2011 17:08

    “Compreendo as queixas de muitos empreendedores privados na área da Educação. Mas, como não me encavalito em causa alheia, chamaria a atenção para o facto de os mesmos liberais de agora (falo dos opinadores jornalísticos) que gritam contra o Estado e a necessidade de manter os apoios a estas escolas, que estão quase todas pertíssimo da oferta pública, não terem tido o mesmo tipo de argumentação durante a mini-polémica – nem se comparou! – acerca da abertura de Centros Escolares que acarretaram o encerramento de escolas e a deslocação de crianças de 6-7 anos para destinos a dezenas de quilómetros e a perto de uma hora de viagem.
    http://educar.wordpress.com/2011/01/28/agora-uma-na-ferradura/

    Gostar

  60. 29 Janeiro, 2011 17:32

    O raciocínio do João Miranda é aplicável a qualquer outro serviço/produto/mercadoria, nomeadamente àqueles que o próprio João Miranda tem por aí defendido que se devem manter na ou transferir para a esfera privada.

    Gostar

  61. Fincapé permalink
    29 Janeiro, 2011 18:42

    Considere-se que uma pessoa ganha 1500 euros por mês e necessita de se deslocar de carro. E que o faz sempre por auto-estrada, pagando as portagens,
    Considere-se que nem carro tem e que não se serve das estradas nacionais,
    Considere-se que não gosta de recorrer ao Serviço Nacional de Saúde,
    Considere-se que tem guarda-costas privado,
    Considere-se que passa a vida sem nunca ir a tribunal,
    Considere-se que….
    Deve ser dispensado de contribuir para os que usufruem destes bens?

    Gostar

  62. A. R permalink
    29 Janeiro, 2011 19:29

    Esta esquerdalha está cada vez mais doentia e estúpida!

    Gostar

  63. Fincapé permalink
    29 Janeiro, 2011 19:37

    Esta direitalha está cada vez mais doentia e estúpida!

    Gostar

  64. Portela Menos 1 permalink
    29 Janeiro, 2011 20:02

    (tentam) mexer-lhes nos previlégios e ,ai,ai,ai! que “andem aí” os estalinistas, ainda por cima da URSS 🙂

    Gostar

  65. Fincapé permalink
    29 Janeiro, 2011 20:23

    Acreditam em fantasmas, o que se há-de fazer? Dizem-me que eu até aos três anos também acreditava!

    Gostar

  66. Botas permalink
    29 Janeiro, 2011 20:34

    O caso é que a Zazie chegou aqui e parou com o trolaró das patetices e arrumou o assunto.
    Desde sempre, o ME foi o cóio cos comunistas e da esquerdalhada. Aquilo são lapas que até lá têm mantas.

    Gostar

  67. J.Silva permalink
    29 Janeiro, 2011 21:01

    As escolas privadas podem ter alguma razão, mas não a têm toda. Hoje vi fotos de manifestação contra o ME, com caixões e crianças à volta, a serem manipuladas, por professores, numa atitude ridícula e de autêntico mau gosto. Um dos cartazes dizia: sou eu que escolho a escola do meu filho. Pois, muito bem… Se assim é, então que a pague, pois a escola pública não tem de pagar a privada.
    O Estado não tem obrigação de pagar colégios privados com todo o luxo; que têm piscinas de àgua quente enquanto os alunos do público rapam frio por não terem aquecimento. Ao Estado não compete pagar a professores já reformados (quando não no activo) que vão ocupar lugares dos professores mais novos que ficam em casa sem emprego e que vivem à custa dos pais. E se o ME comparticipa o ensino privado devia obrigar aos seus donos à admissão dos docentes por concurso como acontece no Estatatal. Assim acabavam-se os favores aos amigos que vão leccionar no privado, menos qualificados e por vezes sem habilitação própria. Alguém está a ver que o regabofe está a acabar e desesperam com as novas medidas que estão a ser implementadas pelo governo, desta vez com toda a razão.Não destruam a Escola Pública! Melhorem-na
    O ensino de elite pode ser um direito. Mas quem o quiser que puxe pelos cordões à bolsa!…Tão simples como isto.
    Não façam dos outros parvos!…

    Gostar

  68. 29 Janeiro, 2011 21:28

    A missão do estado social deveria ser capacitar o cidadão a obter meios para se auto-sustentar. Dar não é politica de desenvolvimento!

    Gostar

  69. PMP permalink
    29 Janeiro, 2011 22:46

    J.Silva,
    Você não percebe que quem mais beneficia com as escolas privadas associadas é a classe média e não os “ricos” ?
    .
    Os ricos podem pagar 400 euros por mês sem problema.
    .
    Não percebe que a classe média quer fugir da indisciplina das escolas pública, porque acredita que uma melhor educação para os filhos será muito importante para eles, neste mundo tão competitivo.
    .
    Nivelar por baixo é um grave erro. Vamos mas é promover a qualidade e diversidade do ensino e não a inveja bacoca.

    Gostar

  70. J.Silva permalink
    30 Janeiro, 2011 12:49

    PMP
    Parece-me que a resposta à sua intervenção quando se refere à indisciplina está implícita no meu texto: “Não destruam a Escola Pública! Melhorem-na.”
    “Quanto à inveja bacoca”: só um verdadeiro invejoso bacoco é que se poderia exprimir desse modo…

    Gostar

Trackbacks

  1. pessoas e liberdade de escolha « BLASFÉMIAS | Vivo Media Group
  2. Tweets that mention pessoas e liberdade de escolha « BLASFÉMIAS -- Topsy.com
  3. Pela liberdade de escolher a Escola dos nossos filhos | Aventar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: