Skip to content

um aviso à navegação

3 Janeiro, 2017
by

A saída de Alberto Gonçalves do grupo de colunistas do Diário de Notícias, que teve lugar nesta “refundação” do jornal e tem passado praticamente despercebida, parece uma coisa vulgar, a não merecer grandes comentários. No fim de contas, comentadores políticos e jornalistas vão e vêm, e não será a primeira nem a última vez que o DN troca de colaboradores. É? Não é. Ou melhor, poderá não ser. Vejamos porquê.

AG era dos poucos colunistas regulares da imprensa portuguesa a criticar violentamente o governo. E era um dos mais lidos, senão mesmo o mais lido, do jornal que prescindiu da sua colaboração. Estes dois factos conjugados demonstram que houve, não uma intenção comercial, mas um propósito político na demissão de Gonçalves. Esta poderá ter tido uma de duas motivações possíveis: ou alguém no DN quis agradar ao governo ou alguém ligado ao governo pediu ao DN este agrado. A primeira hipótese é lamentável, mas não é excessivamente grave, porque apenas compromete um grupo de comunicação social; a segunda será lamentável e gravíssima, porque compromete o governo do país.

Evidentemente que, sem factos, permanecemos nas teorias da conspiração. Todavia, existem alguns sinais preocupantes que não podem ser desconsiderados. O primeiro é que não existe, na comunicação social portuguesa, ninguém que diga o que dizia AG sobre o governo, com a contundência e a assertividade com que o fazia. Evidentemente que – dir-se-á – existem mais jornais e revistas em Portugal, e nada aparentemente impedirá que AG escreva nalgum deles. Aliás, já o faz na Sábado, pelo que poderá fazê-lo noutro lugar. Contudo, há uma lição deste caso, que ficará como exemplo: uma coluna de opinião contrária ao governo e com anos de existência e sucesso, foi encerrada por decisão editorial dos responsáveis do jornal. Fica um aviso, e um aviso muito claro de que só a opinião mansa, a que não faz ondas nem causa mossa, é tolerada. A outra é mal vista e, assim que possível, silenciada.

Um aviso que não pode ser dissociado das crónicas dificuldades de António Costa em lidar com a comunicação social que lhe é crítica: com José Rodrigues dos Santos; com o email remetido a João Vieira Pereira; com as entrevistas azedas, nas televisões, sempre que é posto em causa, com o voltar de costas a jornalistas que o interpelam sobre assuntos que não lhe agradam. Depois recordem-se os episódios, ainda recentes, do envolvimento de Sócrates com a comunicação social – desde as tentativas de compra e silenciamento da TVI e de Moura Guedes, aos negócios ruinosos de Joaquim Oliveira, feitos à custa da Caixa e do BCP, passando pelas ingerências nas redacções, a criação paga de blogs amigos, etc. – e fica composto um cenário que se espera não volte a repetir-se. Infelizmente, não é isso que augura esta demissão de Alberto Gonçalves e é por isso que ela é importante.

Anúncios
77 comentários leave one →
  1. Joao Silva permalink
    3 Janeiro, 2017 11:43

    Sempre achei estranho ao escolher ‘Opinião’ no site do DN (para tablet ou em browser) raramente me aparecer o Alberto Gonçalves, tinha que pesquisar e mesmo assim as crónicas que apareciam estavam desactualizadas. Ora sabendo eu que escrevia todas as semanas, estranhava a cada tentativa de o ler. Não percebia porque apareciam diversos artigos do mesmo colunista (de semanas distintas) mas nem um do Alberto. Como não sou dado a efabulações (do género estão a fazer de propósito para não ser lido), achei que seria a minha falta de jeito para pesquisar. Neste momento não tenho dúvidas de que não era pessoa grata ‘lá dentro’. E começo a efabular sobre o regresso das tentativas de controlo da opinião pública de que o PS é pródigo e que não iria deixar de praticar – muito menos com o aprendiz de feiticeiro que é o segundo-ministro.

    Liked by 4 people

    • Susana V. permalink
      3 Janeiro, 2017 12:31

      Idem… Sempre estranhei a minha dificuldade em encontrar os ditos artigos, mas sempre atribuí o caso a um design deficiente do site…
      O Alberto Gonçalves é um dos meus colunistas preferidos.

      Liked by 2 people

      • carlos alberto ilharco permalink
        3 Janeiro, 2017 13:56

        O meu caso pessoal é diferente.
        Sempre que abria a homepage do DN e depois avançava até à zona onde estavam os cronistas, nunca tive a mínima dificuldade em encontrar lá este excelente cronista.
        E claro está nunca tive qualquer problema em encontrar todos os outros.
        Um pequeno apontamento.
        Todos autorizam comentários nas suas crónicas menos a Câncio.
        Que uma direção autorize isto diz bem do que é, de momento, o DN.

        Gostar

    • BandoDeCorruptos permalink
      3 Janeiro, 2017 17:12

      O que o Carlos diz não põe em causa o que dizem o João e a Susana. Se pela homepage não se acedesse à crónica do Alberto Gonçalves, então ela não estaria publicada. O que eles dizem e eu também senti, é que fazendo uma busca no google, com dn e Alberto Gonçalves aparecem ascrónicas dos parasitas xuxalistas e nunca as dele e isso significa que os nomes dos outros estão associados a dn e crónica no google e o dele não e isso é feito, propositadamente, por quem gere a página do pasquim xuxalista.
      Mas eles que estourem e depressa porque, sem as crónicas do Alberto Gonçalves, não hei-de lá voltar (até porque, desde que inventaram os toalhetes, já nem papel higiénico uso).

      Liked by 2 people

      • carlos alberto ilharco permalink
        3 Janeiro, 2017 21:10

        Obrigado, como sempre acedi da mesma maneira, não sabia desse por(maior).

        Gostar

  2. 3 Janeiro, 2017 12:06

    Já tardava este assalto do ps à imprensa…., primeiro é afastar as vozes incómodas, depois é colocar vozes amigas, pittas, câncios e quejandos e depois é o branqueamento do 44 e das políticas ruinosas que o discípulo kosta pôs em prática. 2011 está tão próximo, mas desta vez, a tugalhada, anestesiada pelos afectos do entertainer de belém leva com o supositório de sorriso nos lábios. Incha porco!
    * referências aos lambe-botas e ao inquilino de belém propositadamente em minúsculas… que é aquilo que eles são…

    Liked by 2 people

  3. 3 Janeiro, 2017 12:30

    Estava convencido que a ausência de Alberto Gonçalves seria por este ter partido de férias festivas.

    Tomo conhecimento que afinal é mais uma purga em que o DN é fértil e que faz parte da sua história. Basta lembrar que Saramago participou das purgas de 1974/75 no DN.

    Estamos a viver um PREC tranquilo semelhante ao de 1974/75. A diferença é que os portugueses de então não eram carneiros e fizeram frente aos comunistas e derivados tendo acabado com esse PREC a 25 de Novembro de 1975. Os portugueses de hoje são mansos e cobardes e aceitam passivamente este PREC.

    Enquanto as pessoas da direita democrática aceitarem a proibição de partidos fascistas mas aceitarem a existência de partidos comunistas este PREC vai continuar e agravar-se.

    A bonomia de pessoas de direita, e outras que se dizem de direita mas que estão formatadas pela esquerda, para com os totalitários de esquerda (os de direita nem existem) ao longo destes 40 anos conduziram o país à realidade actual.

    Ou se começa a caçar comunistas de todos os quadrantes à semelhança de 1975 ou vamos acabar todos amordaçados e mortos por eles.

    Gostar

    • 3 Janeiro, 2017 13:40

      Gostar

    • Duarte de Aviz permalink
      3 Janeiro, 2017 16:20

      A diferença é que em 75 ainda havia a Igreja Católica. Hoje está rendida à gamela do orçamento do estado.

      Gostar

      • antónio permalink
        3 Janeiro, 2017 16:39

        Tem razão, o Patriarca não vale a ponta de um chavo, o clero está mais esquerdalho do que nunca. Veja-se o que estes marxistas que usurparam o governo fizeram com o financiamento dos colégios privados da igreja e quão manso ficou o clero em especial o Patriarca. Aquele bispo comedor Torgal Ferreira é um fóssil esquerdalho empedernido e abre a boca para esquerdalhar como um alarve. A igreja (ICAR) em Portugal não vale a ponta de um chavelho e está tomada por clérigos esquerdalhos.

        Liked by 2 people

    • bst permalink
      3 Janeiro, 2017 16:34

      O que têm as pessoas de direita a ver com o fascismo? As bases do fascismo e do nazismo são de esquerda.

      Liked by 2 people

      • BandoDeCorruptos permalink
        3 Janeiro, 2017 17:13

        Nem mais!!!!!!!!!!!!

        Gostar

    • Adelaide Ribeiro permalink
      3 Janeiro, 2017 17:58

      As crónicas de Alberto Gonçalves eram a única razão que me levava a comprar o DN ou ler na net. Não fiquei surpreendida com este desfecho que já esperava dado o seu desassombro sem obedecer a “patrões”. Procurarei acompanhar o seu pensamento nos locais em que escreva. Obrigada Alberto Gonçalves pela sua lucidez e seriedade.

      Liked by 2 people

  4. Zé do Porto permalink
    3 Janeiro, 2017 12:40

    Os meus domingos não vão ser a mesma coisa…
    Espero que que o Berto surja mais lancinante-gozão que nunca. É do Norte, por isso não desiste!!

    Liked by 1 person

    • OAlves permalink
      3 Janeiro, 2017 20:41

      Faça como eu, a partir de agora DN para mim nem para limpar o traseiro. Quanto ao Alberto Gonçalves continuo a lê-lo na revista Sábado.

      Gostar

  5. Vasco Barreto permalink
    3 Janeiro, 2017 12:44

    Bom post. Mas no seu histórico recente, só mesmo por clubismo se pode esquecer o caso Relvas/Público.

    Gostar

  6. LTR permalink
    3 Janeiro, 2017 12:47

    O comentário-ingerência desta semana do PM sobre sócrates é outro exemplo do silêncio venezuelano. Como foi o do trânsito entre justiça e governo da ministra da justiça. Ou o silêncio que se seguiu a ensurdecedoras semanas de pedidos de demissão do governador do BdP mal Elisa Ferreira foi nomeada.

    Liked by 1 person

  7. 3 Janeiro, 2017 12:49

    Uma forma de apoiar o Alberto Gonçalves é ler as suas crónicas.

    Hoje, na Sábado, está mais uma excelente crónica que reproduzo um pequeno mas delicioso trecho:

    “O BOM
    O Natal é das crianças
    Só ao fim de mais de um ano no poder é que o dr. Costa fez uma intervenção pública não inteiramente subordinada ao culto da mentira. Aconteceu no Natal, quando leu, com a dicção que Deus lhe deu, umas considerações sobre “educação” à frente de um cenário concebido por crianças de 5 anos – ou funcionários médios do PS. O dr. Costa admitiu que “o maior défice nacional é o do conhecimento”. E quem visse a criatura, ouvisse a criatura, reparasse nos bonecos junto à criatura e soubesse o cargo da criatura, não podia discordar. “.

    O resto pode ser lido lá: http://www.sabado.pt/opiniao/cronistas/alberto_goncalves/detalhe/a_figura_do_ano.html

    Liked by 1 person

    • LTR permalink
      3 Janeiro, 2017 13:53

      A dicção é quase de um semi-analfabeto. É que são pontapés uns atrás dos outros, para não falar nas horas de declarações em que não diz absolutamente nada, para além de vacuidades politicamente inertes.

      Gostar

    • antónio permalink
      3 Janeiro, 2017 16:41

      A dicção que Deus lhe deu é aquela que come silabas segundo Alberto Gonçalves.

      Gostar

  8. 3 Janeiro, 2017 13:38

    Pobre jornalismo de causas que só se alimenta do esterco progressista. Pode ser que uma fuga de leitores lhes faça estremecer o mundinho politicamente correcto e progressista em que vivem.

    Liked by 1 person

    • 3 Janeiro, 2017 14:10

      Fuga de leitores têm todos eles. Particularmente os mais activistas como o DN, Visão, etc. Mas apesar disso sobrevivem. O que levanta a questão do financiamento.
      Quem financia os vários “DN’s” que pululam pela imprensa portuguesa?

      Será interessante saber de onde vem o dinheiro para manter jornais falidos. Será da CGD? Por isso convém manter pública e não privatizar?

      Vale a pena ler este post do Blogue A Porta da Loja: http://portadaloja.blogspot.pt/2016/12/o-estado-da-informacao-em-portugal-tal.html

      Liked by 1 person

      • LTR permalink
        3 Janeiro, 2017 14:14

        Quem ou como? 🙂

        Gostar

      • antónio permalink
        3 Janeiro, 2017 16:45

        Segundo João Oliveira Rendeiro o dinheiro para a Impresa vem do BPI e a Impresa está completamente dependente do BPI para o seu financiamento.
        Quem quiser perceber mais está aqui pois zangam-se as comadres e sabe-se a verdade: http://joaorendeiro.com/wordpress/?p=2462

        Gostar

    • Zé dos Bois permalink
      3 Janeiro, 2017 15:29

      Por isso já houve alguém a sugerir que o estado subsidiasse estes jornais que já ninguém quer ler.

      Gostar

  9. jaime Silva permalink
    3 Janeiro, 2017 14:04

    Quem se mete com o «Péiexe»…

    Gostar

  10. LDM permalink
    3 Janeiro, 2017 14:12

    Se assim for é uma vergonha, pensei que o homem estivesse de férias, quando fui ao sítio do DN domingo passado. É um dos meus cronistas preferidos, vai fazer falta se se ficar apenas pela revista Sábado.

    Gostar

  11. JPT permalink
    3 Janeiro, 2017 14:13

    Acho positiva a saída do Alberto Gonçalves do DN. É que me obrigava a dar “pageviews” ao DN, o que me envergonhava.

    Liked by 2 people

  12. 3 Janeiro, 2017 14:14

    Mais um caso lamentável, que ninguém aparece a explicar!

    Esperemos que outro jornal diário de grande circulação aproveite para contratar um dos melhores colunistas nacionais.

    Gostar

  13. Juromenha permalink
    3 Janeiro, 2017 15:21

    Bom, lá terei de ir teclar para encontrar a “Sábado”.
    De certo modo é mais higiénico : aquele monte de trampa ,controlado pela prostipega, é infinitamente inferior aos produtos da Renova…

    Gostar

  14. Marinheiro permalink
    3 Janeiro, 2017 17:55

    Qual é a admiração?
    Antes destes censores , outro houve, Saramago de seu nome, que saneou quase uma centena de jornalistas do DN.
    O rebanho é o mesmo

    Liked by 3 people

  15. Basico permalink
    3 Janeiro, 2017 18:30

    É um caso de saneamento básico.

    Gostar

  16. 3 Janeiro, 2017 19:12

    ou alguém no DN quis agradar ao governo ou alguém ligado ao governo pediu ao DN este agrado, ou o homem é tão mau profissional que correram com ele. É que nem todos os críticos do governo respeitam a deontologia profissional. Esses não interessam à empresa que tem o jornal e, frequentemente, não interessam nem ao menino jesus… Vejam o que aconteceu à nelita beiçolas…

    Gostar

  17. Rão Arques permalink
    3 Janeiro, 2017 19:15

    “Muitos odeiam a tirania apenas para que possam estabelecer a sua.” Platão

    Gostar

  18. A.R permalink
    3 Janeiro, 2017 19:42

    Esta latrina nauseabunda a que chamam democracia é bem pior que o Estado Novo. No Estado Novo era só o lápis azul aqui e ali, agora é o saneamento e o ostracismo em quem não encaixa nela.

    Gostar

    • licas permalink
      3 Janeiro, 2017 21:56

      A. R.

      Está muito enganado (ou melhor, quere levar-nos ao engano).
      Saneamentos em Professores Universitários foram em barda.
      Eu assisti, logo está muito enviezado nesta apreciação do
      caso do A. Gonçalves, muito embora merecendo o nosso repúdio
      mais enérgico, multiplicou-se durante a longa e dolorosa Ditadura-

      Gostar

      • Sem Norte permalink
        4 Janeiro, 2017 05:50

        Se o que afirmas é verdade então como é possível o alvaro cunhal estando preso conseguiu tirar o curso de direito e com boa nota? Os atrasados engolem tudo que lhes colocam na boca e nem questionam as imparidades da taxa.

        Gostar

      • Luís permalink
        4 Janeiro, 2017 07:35

        Na faculdade de direito de Lisboa durante a ditadura houve 3 saneamentos. Na 1.ª república 2.Em 1974-75 houve “apenas” 20. E com o despacho final ,muitas das vezes, do professor Magalhães Godinho,pessoa sempre apaparicada pela esquerda e como exemplo moral da superioridade desta . Para já não falar da comissão de saneamento presidida por um tal militar de nome Judas. Fale do que sabe e não diga disparates porque uma mentira mil vezes repetida não se torna numa verdade.

        Gostar

      • A.R permalink
        4 Janeiro, 2017 16:33

        Ora se há perseguições a Profs foi depois do 25 de Abril: alguns levaram a suicídios pelo assédio constante das brigadas esquerdistas.
        Na altura bastava ser resistente anti-fássista e desertor para ganhar uma cátedra.

        Gostar

  19. beirão permalink
    3 Janeiro, 2017 19:51

    Alberto Gonçalves era o meu cronista preferido. Um homem inteligente, de uma prosa escorreita, que sabia escrever como poucos e que abominava o politicamente correcto e a hipocrisia, e, dizendo as verdades duras como punhos, batia forte e feio na esquerdalhada, em geral, e na geringonça, em especial.
    Estranhei que as suas apreciadíssimas crónicas no DN não tivessem aparecidos nos últimos dois domingos. Julguei que estaria de férias. Mas não. Foi saneado. Ou directamente pela direcção sem tomates do DN para, antecipadamente, agradar aos seus patrões da geringonça, ou o próprio chefe da geringonça exigiu explicitamente que o brilhante cronista Alberto Gonçalves fosse posto no olho da rua.
    Já exprimi a minha indignação numa caixa de comentários do DN.
    Cambada de salafrários.

    Liked by 2 people

  20. basto_eu permalink
    3 Janeiro, 2017 20:55

    Alberto Gonçalves é um cronista brilhante.
    Não precisa do DN para nada, terá sempre leais leitores a segui-lo para qualquer jornal que vá, porque é um homem íntegro, inteligente e acutilante.
    Graças ao link do Shiri Biri acabei de partir o cu ao ler mais uma brilhante crónica a propósito do homem dos afectos que, não se cansa de beijar criancinhas com longas ranholas a chegar à boca…

    Liked by 1 person

  21. Churchill permalink
    3 Janeiro, 2017 21:53

    O que eu não percebo é o que fazia o AG naquela trampa dos angolanos onde escreve a Cância.
    Já devia ter saído há muito tempo pelo pé dele.
    Mesmo recebendo, escrever no DN dá cadastro em vez de curriculo

    Gostar

  22. licas permalink
    3 Janeiro, 2017 22:01

    Não concordo: A.G. pensou que estávamos (mesmo no D:N) em
    generalizada Democracia.
    Estava enganado, por isso f…-se.

    Gostar

    • licas permalink
      3 Janeiro, 2017 23:37

      É indizível como tenho sido alvejado pelos donos do “Blasfémias
      Tivesse eu “cartão de entrada” no PSD (ou noutro qualquer Partido Político)
      e estaria isento destes “moderatinices”
      Disto não tenho dúvidas . . .

      Gostar

    • licas permalink
      3 Janeiro, 2017 23:48

      É indizível como tenho sido alvejado pelos donos do “Blasfémias”
      Tivesse eu “cartão de entrada” no PSD (ou noutro qualquer Partido Político)
      e estaria isento destes “moderatinices”
      Disto não tenho dúvidas . . .

      Gostar

  23. Meio Vazio permalink
    3 Janeiro, 2017 22:17

    Bolas, por isso não o encontrei nem na edição impressa! Pena. A sua ironia era do mais higiénico que se podia ler… Adeus DN.

    Gostar

  24. lucklucky permalink
    3 Janeiro, 2017 22:36

    Não é o PS.

    O que se passa é transformar o DN num jornal de combate do establishment.

    E só ler o que escreveu o Pedro Marques Lopes, estão lá clarinhos os objectivos. O simbolo que ele quer para o DN é o esquerdista, desonesto e “Fake News” New York Times.

    E o Pedro Baldaia respondeu a um comentador que lhe perguntou a razão da saída de Alberto Gonçalves, “escolha da direcção” e apresentou a lista por uma data de gente importante do PSD mas claro do sistema.

    O comentador respondeu-lhe a letra, parafraseando: “Parece que o Alberto Gonçalves era muito valioso para valer essa gente toda” Incluíndo uma ex-ministra das finanças.

    Esperar censura ainda mais alargada no DN.
    Mais e mais coisas os leitores do DN não vão saber, nem conhecer.

    Só quando for tarde de mais.

    Liked by 1 person

  25. lucklucky permalink
    3 Janeiro, 2017 23:17

    Incluíndo uma ex-ministra das finanças.

    Correcção: Ministra da Educação.

    Gostar

  26. 3 Janeiro, 2017 23:29

    Boicote ao DN impresso e digital.

    Gostar

  27. Toi permalink
    3 Janeiro, 2017 23:31

    Há anos que não compro nem leio DN, JN, Público e Expresso. Não conhecia o Alberto Gonçalves e fiquei assim a conhecer. Votos das maiores felicidades para o Alberto. Claro que já tratei de divulgar o homem pelos meus contactos. Os socialistas têm dificuldades em lidar com a crítica é isso só os torna mais fracos.

    Gostar

  28. Miguel Neto permalink
    4 Janeiro, 2017 04:30

    Alberto Gonçalves é dos meus cronistas favoritos e a única razão das minhas visitas ao site do DN.

    Em minha opinião, a estranha decisão editorial de o afastar deve ser vista como apenas uma decisão editorial tomada pelos donos do jornal – que são, segundo sei, privados e portanto legitima.

    No entanto não deixo de pensar que é “estranho” que num país onde as vendas de jornais poderiam ser três ou quatro vezes superiores, sejam tomadas decisões como esta que me parece não vir numa lógica de aumentar as vendas / visitas ao site do DN. O que me faz pensar em quais os motivos que levam os donos dos jornais a suportar o mau (ou o não tão bom quanto poderia ser) investimento de ter um jornal.

    Quanto a mim, ficará a ganhar quem contratar o Alberto Gonçalves, pois eu irei a lê-lo onde ele for escrever.

    Gostar

    • lucklucky permalink
      4 Janeiro, 2017 09:58

      No Mercado Livre é que a torna possível a critical seja esta negativa, positiva ou neutra.

      Os Socialistas sejam de Esquerda ou Direita é que quando criticam uma coisa querem sempre o Estado a intervir.

      Gostar

  29. licas permalink
    4 Janeiro, 2017 09:48

    Qual foi, afinal, a razão substantiva invocada pelo DN para a demissão de Alberto Gonçalves?

    Gostar

  30. Vasco Barreto permalink
    4 Janeiro, 2017 09:52

    José Vítor Malheiros também vai abandonar a coluna que tinha no público há 16 anos.

    https://www.publico.pt/2017/01/04/sociedade/noticia/a-ultima-cronica-1756915

    Mas não deixemos um facto estragar uma boa teoria.

    Gostar

    • lucklucky permalink
      4 Janeiro, 2017 10:00

      O Marxista que rebentou com os foruns do Publico.

      Gostar

      • 4 Janeiro, 2017 10:51

        Quem é o Marxista que rebentou com os foruns do Publico?

        O José Vítor Malheiros ou o Vasco Barreto?

        Ou os 2?

        Gostar

    • JPT permalink
      4 Janeiro, 2017 11:02

      Calma, pode ser que o Malheiros vá para o DN (ou,quem sabe, para assessor).

      Gostar

  31. Meio Vazio permalink
    4 Janeiro, 2017 10:57

    Por favor, divulguem imediatamente o novo local (para além da “Sábado”) onde se possa encontrar o higienista, perdão, cronista Alberto Gonçalves. O mesmo (tal como a Helena Matos) deveria ser de leitura obrigatória.

    Liked by 1 person

  32. licas permalink
    4 Janeiro, 2017 11:09

    Sem Norte PERMALINK
    4 Janeiro, 2017 05:50

    Ao Corpo Clínico do Hospital Psiquiátrico onde Sem Norte está internado:

    Eu fiz notar que vários Professores Universitários foram perseguidos e expulsos
    durante a Ditadura, o que são factos. É-me retorquido, que A.Cunhal obteve aprovação em Licenciatura enquanto em prisão.
    Portanto, Senhores Clínicos, não parece que o paciente afinal, para meu desgosto,
    mostra evidentes sinais de aumento de confusão mental?

    Gostar

    • 4 Janeiro, 2017 12:23

      Tanto respeitinho pelos Catedráticos de Catedratices infinitas…
      António Aleixo – que não era Prof. Universitário… – conhecia bem os Catedráticos das Catedratices dominantes:

      És um rapaz instruído,
      És um doutor; em resumo:
      És um limão, que espremido,
      Não dá caroços nem sumo.

      Os Catedráticos não podem ser afastados porque – são muito inteligentes e ‘lobbistas’ inveterados…

      Gostar

  33. licas permalink
    4 Janeiro, 2017 12:56

    Fica bem claro que A. Aleixo, tal como Kubo, desconhecem
    completamente, quanto de Disciplina, Método, Sacrifício pessoal
    de descanso e divertimento são necessários para se obter qualquer
    Grau Académico além de amplas qualidades intelectuais.
    Mas Kubo e António Aleixo, esses, resumem a sentença numa quadra popularuça

    O não ser instruído
    Leva a dizer disparates
    É tudo apenas ruído
    De analfabetos remates.

    (e esta, heih???)

    Gostar

    • 4 Janeiro, 2017 13:31

      Brilhante apologia do Estado Novo.
      Foi uma ditadura de professores catedráticos: Salazar e Marcelo Caetano.

      Gostar

  34. Hajapachorra permalink
    4 Janeiro, 2017 12:57

    Bem, o saneador tem nome e parece que ninguém o quer referir. E sim, é de ‘direita’, o que quer que essa merda da esquerda e direita signifique. O saneador é o socretino mefistofélico do doutor Proença do carvalho…

    Gostar

    • 4 Janeiro, 2017 15:05

      Não há esquerda nem direita mas o saneador é de direita.

      Se não há esquerda nem direita como é

      Gostar

      • 4 Janeiro, 2017 15:06

        Se não há esquerda nem direita, como é que o saneador é de direita?

        Gostar

      • Hajapachorra permalink
        6 Janeiro, 2017 01:21

        Raios, se não sabe porque pergunta?

        Gostar

  35. Lobo permalink
    4 Janeiro, 2017 13:02

    É tudo um bando de comunas de merda.

    Gostar

  36. Manuel permalink
    4 Janeiro, 2017 13:10

    Bom aviso. o DN já tem história, lembro-me dos saneamentos do Saramago. Voltaram os tempos do 44 e do assalto à comunicação social e, quando mais perto estiver a bancarrota, maior vai ser a tentativa para calar os insubmissos. Temos de partir para a acção: boicote total à compra e à leitura digital das folhas de couve. Voltaram os tempos da claustrofobia! Vou comprar a revista onde escreve o AG.

    Gostar

    • Isabel silva permalink
      5 Janeiro, 2017 10:04

      Pergunto-me se o António Barreto se vai aguentar por lá. Num estilo diferente, claro, ele não tem sido menos ácido do que era o AG.

      Gostar

  37. 4 Janeiro, 2017 14:06

    Tanto comentário de infoexcluido…. Nunca tive qualquer problema em encontrar as crónicas do Sr. que agora saiu. Ainda bem que saiu, porque era um troglodita do antigamente. Quem não gosta do DN tem bom remédio: vá comprar outro jornal!

    Gostar

  38. ABC permalink
    4 Janeiro, 2017 14:54

    No blogue Blasfémias existe por estes dias um Rififi (nickname) que comenta os posts aos artigos. Não os artigos, os posts. É importante perceber a diferença – quem comenta os artigos tem uma opinião sobre o tema, quem comenta os posts expressa opinião sobre as opiniões. O rififi geralmente é do contra, e o tipo de argumentação que usa dá a entender que sim, que até acredita mais ou menos no que escreve, mas está ali por obrigação.

    Faz parte dum problema mais vasto, a censura.
    Os moderadores de blogues que optam por gravar os IPs sabem que por vezes há dezenas de nicknames que vêm do mesmo computador – e já aconteceu ser um computador dum ministério a horas estranhas.
    Actualmente há muito disso nas redes sociais. Foi um método pioneiro, na política nacional, do Primeiro-Ministro socialista José Sócrates, que pagava mesmo blogues inteiros para dizerem bem dele e mal dos outros. Noutras esferas, o BES pagava a ministros e jornalistas para esconderem o que se passava no Banco – infelizmente, e porque a lista dos corruptos (que existe) só pode ser publicada por jornalistas e com alto aval dos políticos (presumivelmente os que estão na lista), nunca deve ser publicada.
    Os rififis fazem parte duma nova censura.

    Censura à moda antiga já voltou, todos os posts que coloquei no JN a discordar de João Quadros e Leonel Moura foram apagados em minutos, que a brigada dos bons costumes não dorme.
    Vale a pena referir que no JN, quando se tenta publicar um post, aparece muitas vezes a expressão “o seu post contém palavras não autorizadas”. Por tentativa e erro descobri que a lista de palavras não autorizadas é bizarra, e acompanha as modas.
    Seja como fôr, o aviso apareceu-me, pela primeira vez, num post sem qualquer palavrão, apenas jargão técnico sobre economia. Dei-me ao trabalho de eliminar uma palavra de cada vez até descobrir a marota não autorizada – era “PS”, e ainda por cima no contexto post-scriptum, mas claro, eles não sabiam e não se pode falar do PS.
    Mas o que é verdadeiramente espantoso é haver palavras “não autorizadas”. Há, como dantes, uma lista negra. E quem, no JN, decide quais são as palavras proíbidas?
    Podiam ao menos dizer que eram palavras ofensivas, racistas, xenófobas, sexistas, ou que de algum modo magoassem os sentimentos delicados dos leitores do JN, mas continuava a ser censura.
    Mas “não autorizadas”? Por quem? Quem é o PIDE de serviço? Como é que palavras que vêm no dicionário são “não autorizadas”? A coisa chegará um dia aos dicionários? É preocupante, lembra demasiado Orwell. Nem Salazar mexeu nos dicionários.

    Os rififis têm um método simples e eficaz de censurar; entram numa discussão até aí civilizada e produtiva, e postam um insulto genérico sobre um comentário ou sobre o autor do comentário. Se não resultar despejam mais uma pázada deles, mais específicos e agressivos. Às tantas os insultados estão a contra-atacar acusações obscenas e a discussão proveitosa descamba e termina. Mais ou menos como nos talk-shows com políticos, onde o representante da esquerda interrompe toda a gente com inanidades e exige que o deixem falar quando é a vez dele. O espectáculo termina com todos os outros a discutirem a falta de boas maneiras, e não se fala mais da CGD até ao final do programa, que é o objectivo.

    Vale a pena argumentar isto com os rififis? Não. Os rififis fazem parte do sistema que nos engana. Os rififis não são pagos para discutir factos, são pagos para discutir, ponto.

    Liked by 2 people

    • 4 Janeiro, 2017 15:11

      @ABC

      Excelente comentário. É mesmo isso.

      Gostar

      • licas permalink
        4 Janeiro, 2017 18:33

        ABC

        Absolutamente de acôrdo: todas as palavras do léxico da Língua
        são para ser utilizadas escolhidas pelos Autores conforme o contexto.
        NEM MAIS . . .

        Gostar

  39. licas permalink
    4 Janeiro, 2017 18:47

    Manuel PERMALINK
    4 Janeiro, 2017 13:10

    Fez muito bem em lembrar quanto os Socialistas são violentamente
    contra a liberdad de expressão.
    Manuela Moura Guedes foi a vítima mais mediática de José Sócrates . . . .

    Liked by 2 people

  40. lucklucky permalink
    4 Janeiro, 2017 21:59

    E o Tirano que o Presidente eleito pela Direita tuga foi ver todo babado:

    http://littleatoms.com/news-world/romanticisation-fidel-castros-cuba-must-die-him

    Gostar

  41. Isabel silva permalink
    5 Janeiro, 2017 09:59

    A crônica do Alberto Gonçalves era o meu primeiro momento divertido de domingo. Apenas acordada, puxava do iPad e era um consolo. Era evidente que o modo como o dn tentava esconder a indicação da crónica dele não deixava dúvidas sobre o pouco apreço em que a direcção tinha as suas ironias. E a mossa que os seus artigos faziam era evidente na quantidade de avençados que, nos comentários, deitavam o seu fel sempre do mesmo jeito e com a falta de educação e instrução que caracteriza essa horda que anda para aí a sujar um espaço que deveria ser de elevado debate de ideias.
    Claro que isto é mais uma demonstração da idade da pedra em que ainda se exerce aquilo a que chamam a nossa democracia ( eu acho que não vivemos em democracia, mas esse é outro debate ).
    Limito-me agora a chamar a atenção para outro facto que me fez desistir de intervir nos comentários dos jornais: é que mesmo aqueles de quem menos se espera, censuram os comentários. Deixam passar as ordinarices mas uma opinião que, em Portugal, possa ser considerada politicamente incorrecta pelos bem-pensantes de esquerda – que em qualquer país civilizado é tão normal como qualquer outra intelectualmente fundamentada – não passa. Imaginem que, em tempos, reproduzi um parágrafo de um livro de investigadores economistas americanos e trás: guilhotina.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: