Skip to content

A propósito das discriminações raciais no imobiliário em Portugal

26 Agosto, 2017

Aqui não são necessárias quotas
img_757x498$2017_02_26_00_49_37_603319

Anúncios
13 comentários leave one →
  1. 26 Agosto, 2017 21:14

    Assassinaram toda aquela área (incluindo a que está na rectaguarda daquela monstruosidade), quase tornaram irrelevante o belo e histórico edifício do Raul Lino.
    Ignorância do valor cultural, turístico e paisagístico, e/ou muito dinheiro por baixo da mesa para a permissão daquilo ?

    Gostar

    • carlos alberto ilharco permalink
      27 Agosto, 2017 00:37

      Nem mais, um aborto monstruoso.

      Gostar

    • carlos alberto ilharco permalink
      27 Agosto, 2017 00:40

      O sentido do post era fazer notar que grande parte daquilo foi vendido a angolanos.
      É certo, mas segundo se sabe também lá vive o Jorge Jesus.
      Resumindo é só para intelectuais.

      Gostar

      • angelo teixeira permalink
        27 Agosto, 2017 16:29

        o jesus? qual jesus? jesus cristo?

        Gostar

  2. Juromenha permalink
    26 Agosto, 2017 21:39

    Uma negociata em que toda a gente assobiou, assobia e continuará a assobiar para o lado…

    Gostar

  3. Euro2cent permalink
    26 Agosto, 2017 22:06

    Como diz o mal amado camarada Carlos (eventualmente III), fazem os arquitectos o que a Luftwaffe não conseguiu.

    Imobiliário para quem não tem unhas para fazer porquinho com arte moderna ou “bitcoins”.

    Liked by 1 person

  4. Euro2cent permalink
    26 Agosto, 2017 22:10

    Gostar

  5. Procópio permalink
    26 Agosto, 2017 22:24

    A único tipo de discriminação que conheço no sítio não tem nada que ver com raças.
    Injectada a toda a hora. É a discriminação positiva dos bonzinhos contra os vilões.
    Os bonzinhos são apaparicados pelos jornaleiros. Os maus, os vilões, só querem massacrar o povo. Assim se vão dando os primeiros passos do totalitarismo, em pequenas doses para não levantar alarmes.
    A discriminação às vezes serve de lança, só para quem está “contra”.
    Como em Caracas. Afinal quem são os famigerados contras?
    São os que combatem a ficção, o conformismo abjecto só interrompido pelo golo do Ronaldo que não tem culpa nenhuma. São os que denunciam a propaganda do fictício contra o real. Os contras riem-se com as habilidades da geringonça na manipulação da verdade factual. Pessoal pouco recomendável, ouve-se com desplante a toda a hora, em todos os canais em simultâneo, emproados, a brandir a mentira como fonte de persuasão.
    Qual discriminação? Quais quotas? O dinheiro compra tudo e é com dinheiro dos outros que fazem a sua pulhítica na Europa como em África.
    Os donos dos apartamentos luxuosos também se reclamam de esquerda, adoram o mais puro socialismo, também usam os clichês, também aprenderam a deturpar a linguagem até desfigurar o sentido das palavras.
    Nas bancadas da central de negócios, a privação da liberdade de expressão, a redução pavloviana dos comportamentos está em curso.

    Liked by 1 person

  6. 27 Agosto, 2017 01:40

    O JN de sábado lá recuperadava a “notícia” sobre a demolição do prédio alto em Viana do Castelo, assunto tão falado no tempo do “inginheiro” Sócras…

    Gostar

  7. Arlindo da Costa permalink
    27 Agosto, 2017 03:27

    Desde que tenham dinheiro eu vendo, é o meu critério. Sejam russos, chineses ou angolanos.

    Tesos é que não vou com a cara deles!

    Gostar

    • Tiradentes permalink
      27 Agosto, 2017 07:50

      Ar-lindo um perigoso neoliberal fássista socialisticus

      Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: