Skip to content

Portanto as facadas, os ataques com ácido, as bombas, os autocarros contra as pessoas… tudo isso tem sido por causa da falta de investimento e naturalmente não têm nada a ver com o fundamentalismo islâmico

17 Março, 2018

António Guterres falou nos “Encontros de reflexão comemorativos dos 50 anos da fundação da Comunidade Islâmica de Lisboa”, que decorreram na Mesquita Central de Lisboa. E o que disse Guterres?

Em primeiro lugar que tem de existir“um grande investimento”. O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou esta sexta-feira que o investimento de Portugal na diversidade tem de continuar com “grande persistência”, lembrando que subsistem no país manifestações xenófobas e racistas.  António Guterres disse que “em muitas sociedades europeias não houve este investimento“, nomeadamente por parte de governos. “A diversidade é uma fonte de riqueza, não é uma ameaça (…). [Mas] só por si não garante a harmonia de uma sociedade”, referiu, acrescentando que, “para que haja efetivo pluralismo e uma coesão”, tem de haver “um grande investimento”, envolvendo governos, autarquias, líderes religiosos e sociedade civil.

Em segundo diz Guterres  que apesar “do investimento feito em Portugal em prol da diversidade ainda há no país manifestações de xenofobia, racismo e ódio contra muçulmanos.

Em terceiro o antigo primeiro-ministro sublinhou que o investimento realizado “tem de ser continuado, e com grande persistência”.

Por fim na sua intervenção  assinalou que o radicalismo “é uma perversão do pensamento religioso, que não é monopólio do Islão”, dando como exemplos os fundamentalismos budista e cristão.

EM CONCLUSÃO: as facadas, os ataques com ácido, as bombas, os autocarros contra as pessoas… tudo isso tem sido por causa da falta de investimento. Em Portugal existem  manifestações de xenofobia, racismo e ódio contra muçulmanos. E podem ir estes últimos descansados para casa porque fundamentalismos há muitos. Fundamentalismo budista na Europa então tem sido um nunca mais acabar!

Anúncios
39 comentários leave one →
  1. Paulo Valente permalink
    17 Março, 2018 11:19

    Que posso dizer?…
    Helena Matos… Steve Bannon… já nem sei bem quem é quem… onde acaba uma e começa o outro…
    Diga-me Helena, este seu pequeno texto também vai aparecer na RT?

    Gostar

    • lucklucky permalink
      17 Março, 2018 17:35

      Argumentos contra nenhuns.
      A autora vai contra o seu racismo de esquerda.

      Liked by 1 person

      • Paulo Valente permalink
        18 Março, 2018 01:02

        Argumentos?
        Acaso este texto de HM/SB apresenta ele próprio algum argumento?

        Gostar

      • lucklucky permalink
        18 Março, 2018 13:49

        Não sabe ler?

        O argumento que o Guterres disse é falso.
        Já você não defendeu o que Guterres disse limitou-se a atacar a autora.

        Gostar

    • JgMenos permalink
      18 Março, 2018 12:36

      O argumento único, que resulta evidente, é o de que Guterres usa doses cavalares de corretês para tornear, ocultar, a questão da doutrina absurda que o Islão fornece ao radicalismo.
      Fala da necessidade de investimento, o que significa: criem condições de felicidade para os mullah não invocarem aquelas partes inconvenientes do Corão.

      Se não fosse uma alforreca ideológica já deveria ter organizado um modo de promover uma qualquer reformulação doutrinária que atacasse a substância do fundamentalismo islâmico.

      Gostar

  2. Juromenha permalink
    17 Março, 2018 11:27

    “Um homem fraco,influenciável, indeciso e superficial” – VPV sobre a criatura.
    Medina Carreira foi mais sucinto :” O problema do eng.guterres é a falta de carácter”.
    Foram estas “qualidades”, as do homem de palha ideal, que o posicionaram como escolha definitiva e indiscutível ( por parte dos “regentes da orquestra”) para secretário geral daquela coisa.
    E, como bom e escrupuloso lacaio, lá vai cumprindo as ordens dos amos a contento dos ditos…

    Liked by 2 people

  3. Paulo Valente permalink
    17 Março, 2018 11:31

    Amos?
    É quem serão os “amos” de Guterres?
    Trump? Putin?
    Esclareça-nos por favor.

    Gostar

    • A. R permalink
      17 Março, 2018 20:25

      E os teu amos quem são? Abu amsa, Linda Sarsour? Tariq Ramadam?

      Gostar

  4. Juromenha permalink
    17 Março, 2018 11:53

    A falsa ingenuidade fica-lhe mal.
    E pior ainda fixar-se num modesto substantivo e ignorar o fundo da questão…

    Gostar

  5. naco permalink
    17 Março, 2018 11:54

    O António Guterres sempre foi assim alem de ter sido bom aluno no técnico o resto não presta conheço bem a personagem

    Liked by 1 person

    • Chopin permalink
      17 Março, 2018 18:34

      Que se saiba teve um nota final astronómica. Mas, terá sido mesmo bom aluno? Mistérios da meia-noite 🙂

      Liked by 1 person

  6. Expatriado permalink
    17 Março, 2018 12:43

    Helena Matos. Que dizer do que o MNE anda a fazer?

    https://observador.pt/2018/03/15/comunidade-islamica-em-portugal-e-totalmente-imune-a-fenomenos-de-radicalizacao-mne/

    Será que ele e o seu ministério não têm nenhuma ideia dos processos dessa ideologia? Que foi dali que saiu a Irmandade Muçulmana?

    O inimigo está há muito tempo às nossas portas. Santos Silva está a escancaralas.

    Liked by 1 person

  7. Expatriado permalink
    17 Março, 2018 12:47

    Pacificos??

    https://www.americanthinker.com/articles/2017/08/is_alazhar_university_a_global_security_threat.html

    Informação essencial para se compreender o erro do MNE

    https://www.gatestoneinstitute.org/11712/egypt-al-azhar-moderation

    …”While Al-Azhar’s informational campaign, “Sharing the Homeland,” aims to promote “moderate” Islam, reinforce the values of citizenship and coexistence among Egyptians, and counter “deviant fatwas,” a recent study published in El-Watan News reveals that senior officials at Al-Azhar are still defending and promoting school curricula that contradict tolerance and acceptance of Egypt’s Coptic Christian minority. Al-Azhar officials, it turned out, removed the proposed content encouraging tolerance and acceptance of Christians from the school curricula, and the official who proposed that curricular “reform” was fired.

    This example of Al-Azhar’s inconsistency and seemingly internal conflict adds to the tension in the relationship between Egypt’s President Abdel Fattah el-Sisi and Al-Azhar’s Grand Imam Sheikh Ahmed Al-Tayeb over the university’s apparent refusal to comply with the president’s calls for Islamic reform and moderation.”…

    Al-Tayeb não é moderado, nem advoga moderação.

    Liked by 1 person

  8. Rocco permalink
    17 Março, 2018 14:12

    Este beiçolento com ar de doninha é mais uma das fatalidades que aconteceram à terra portuguesa depois do famigerado 25 do 4. Outras são o bandalho só-cretino, o cenoura agora xexé, o actual porcalhão preto, além de outros actores menores igualmente sem carácter…

    Liked by 1 person

  9. 17 Março, 2018 17:06

    “The state must ensure that people feel safe whenever they are in the public realm. People have a right to security. This is our top responsibility. It means that there should not be any no-go areas — areas where no one dares to go. Such areas do exist. We must call them by name. We must do something about it.” — German Chancellor Angela Merkel, RTL television, February 26, 2018
    “Islam does not belong to Germany. Germany is shaped by Christianity. This tradition includes work-free Sundays and church holidays and rituals such as Easter, Pentecost and Christmas…. My message is that Muslims have to live with us, not next to or against us.” — Horst Seehofer, Germany’s new interior minister

    Liked by 1 person

    • lucklucky permalink
      17 Março, 2018 17:38

      Ela diz isso mas faz outra coisa.

      Liked by 1 person

      • Duarte de Aviz permalink
        17 Março, 2018 18:32

        Não foi “ela”… Foi o Bávaro, novo ministro do interior. Ela foi moldada no modelo Soviético, por isso acredita no “homem novo”.

        Gostar

      • lucklucky permalink
        17 Março, 2018 20:49

        Já muitos ministros da Merkel disseram muita coisa. Nada muda.

        Gostar

  10. José Domingos permalink
    17 Março, 2018 17:47

    Um individuo que sai do pântano, é eleito para um lugar em que se limita a fazer o que lhe mandam e a ler o que lhe põem á frente, “secretário geral” de uma organização parada no tempo, onde o compadrio abunda, onde existem países, mais países que outros, onde existe o direito de veto, muito democrático, uma organização incapaz de resolver o que quer que seja, onde existem os países vencedores da segunda guerra, que continuam a receber dividendos de uma situação que acabou á setenta e três anos.
    Parece os clubes do jogo da copa.

    Gostar

  11. Procópio permalink
    17 Março, 2018 17:52

    “Não tinha perfil para chief executive. Falta-lhe capacidade de execução. Tinha muita teoria, mas nunca chegou a trabalhar profissionalmente a sério” (págs 75 e 76 do livro, J.Tribolet).
    Um carreirista, hesitante que ajudou a lançar o sítio na agonia.
    Comissário da ONU para os refugiados, fica-lhe bem, ele percebeu a tempo o pântano em que nos situou. Ele também é um refugiado. Um refugiado da alta.
    Ganha pipas de massa e espalha com disparates a imagem do bom apóstolo.

    Decidiu em má hora tornar-se apoiante irresponsável de movimentos de massas destinados a destruir as nações. O toninho exulta quando essas forças se mudam para o seu interior atacando e perturbando sociedades livres. Boa parte da esquerda ocidental é o que faz.
    As décadas de imigração muçulmana servem para destruir as instituições, as normas e as ideias que tentaram no passado destruir por outros meios bem conhecidos.
    As posições poderosas nos merdia, a participação avassaladora da presstituição dos merdia, nas instituições públicas e no sistema de educação, permite-lhes lançar um projeto de larga escala que visa desmatelar as sociedades que os acolhem.
    O comunismo à falta de melhor encena o multiculturalismo. Quem se opõe é “racista” ou “fascista”. Argumentos, evidências não colhem, é proibido criticar a imigração em massa e o multiculturalismo. A moderna caça às bruxas em movimento.
    O marxismo levou à morte mais de 100 milhões de pessoas durante o século XX. Falhou em todas as sociedades onde se instalou, o estigma escondem-no com encenações avulsas.
    Outros tempos virão.

    Liked by 1 person

    • licas permalink
      18 Março, 2018 00:09

      Fundamentalmente um adepto do “não te arrisques”
      Tomar decisões só em caso extremo e trafulhando o mais que se puder.
      A ONU não poderia ser-lhe o coito mais adequado…
      (veja-se como o Madurismo vem sendo embrulhado)

      Gostar

  12. Artista português permalink
    17 Março, 2018 18:20

    Helena, este AG é um iluminado! Leia isto;
    Grande-Bretagne : plus de 1000 jeunes filles violées par des gangs “asiatiques” pakistanais
    Auteur Charlotte d’Ornellas / Mercredi 14 mars 2018
    Horreur. Il a fallu 18 mois d’enquête au journal The Mirror pour révéler un nouveau scandale sexuel en Grande-Bretagne : cette fois-ci, ce sont plus de 1000 jeunes filles droguées, battues et violées par des gangs asiatiques pakistanais. Pendant 40 ans, ceux qui savaient n’ont rien dit.
    L’histoire se répète indéfiniment, avec ses mêmes horreurs, ses mêmes secrets, ses mêmes pudeurs antiracistes et ses mêmes vies brisées. Les autorités britanniques viennent en effet de dévoiler ce qui pourrait être l’un des plus gros scandales sexuels du pays, rapporté par une longue enquête du journal The Mirror. Des gangs d’asiatiques réduisaient depuis plus de 40 ans des jeunes filles du prolétariat à l’état d’esclaves sexuelles. Il y aurait plus de 1000 victimes.
    Les journalistes ont entendu 12 d’entre elles, qui ne se connaissaient pas. Et les récits sont glaçants. Tout aurait commencé en 1981, lorsque deux pédophiles auraient commencé à cibler des jeunes filles d’un foyer local de la ville de Telford. Suivent ensuite des histoires toutes plus sordides les unes que les autres. Ces jeunes filles étaient repérées à 11 ans, attirées, rendues dépendantes à la drogue, battues et violées.
    Accroc à la cocaïne à 12 ans, à l’héroïne à 14, morte d’overdose à 20
    En tout, cinq personnes sont mortes de ce trafic organisé par quelque 200 violeurs. Certaines brûlées dans leur propre maison, en guise d’exemple de représailles. Et la spirale infernale du silence était ainsi maintenue. C’est le cas de la jeune Lucy Lowe, assassinée à 16 ans, en 2000, avec sa mère et sa sœur. C’est alors Azhar Ali Mehmood qui met le feu à leur maison. Cette petite était sa victime, mère de deux petites filles et forcée d’avorter trois autres fois par leur père… L’enquête avait alors eu lieu, puis le procès : il avait été emprisonné pour cet assassinat, mais aucune poursuite pour un quelconque crime sexuel. Deux autres hommes avaient alors été arrêtés, trop tard : Mehmood Mubarek Ali et Ahdel Ali.
    Une autre victime est revenu sur ce triple meurtre. Elle avait été droguée et violée en réunion par neuf hommes deux ans plus tôt. Pour elle, l’assassinant de Lucy a sonné comme un avertissement : il fallait se taire. « J’avais peur que ma famille ne meure comme celle de Lucy », confie-t-elle au journaliste, avant d’expliquer qu’elle avait pensé à se suicider pour échapper à ce cauchemar sans avertir les autorités. En 2002, c’est une autre jeune fille qui était morte dans un accident « inexpliqué ».
    C’est dans son journal intime que l’on a retrouvé son témoignage : elle s’y plaignait d’être obligée de « coucher ». Sa mère s’était pourtant rendu plusieurs fois au commissariat, en vain. Elle avait même apporté une liste de suspects, sans que personne n’y jette un œil. « Je criais à l’aide mais avais l’impression de n’avoir aucun recours. Si le viol de Becky avait été instruit correctement, de nombreuses autres jeunes filles auraient pu être sorties de cet enfer ! » se lamente-t-elle aujourd’hui. La cinquième mort est le résultat de l’addiction à la drogue : Vicky Round fut droguée et violée par ces mêmes gangs. A 12 ans, elle était accroc à la cocaïne, à 14 à l’héroïne. A 20 ans, elle est morte d’overdose.
    Certaines autorités « ont tenté d’entraver notre enquête »
    Les victimes n’étaient pourtant pas les seules à savoir, certaines ont essayé de parler depuis les années 1990 déjà : selon le journal, les autorités locales étaient au courant, des médecins, des policiers, des assistantes sociales ainsi que des professeurs également. Et personne pour agir ou réagir. Pire encore, les journalistes précisent que certaines autorités « ont tenté d’entraver notre enquête ».
    C’est en 2013 qu’une opération baptisée « Calice » est lancée, l’une des premières enquêtes nationales sur les affaires de prédations sexuelles pourtant répandues dans le pays. Dix ans après les premières plaintes. Un porte-parole du Telford and Wrekin Council déclare d’ailleurs au journal : « l’exploitation sexuelle des enfants est un crime ignoble et maléfique. C’est un problème qui se pose partout au Royaume-Uni ». A l’époque, seuls sept hommes avaient été incarcérés.
    La déclaration est factuelle, étant donnés les scandales similaires qui ont fini par être révélés au grand public ces dernières années. De ce côté-ci de la Manche, la presse est elle aussi restée bien silencieuse, à l’exception notable du site FdeSouche, qui a régulièrement relayé et traduit les différentes informations concernant ces enquêtes ou révélations.
    On trouve pourtant, dans des scandales similaires, une possible explication de cet insupportable silence : certaines autorités avaient alors reconnu s’être tues par crainte de l’accusation de racisme à l’évocation du profil des agresseurs.
    Des « cours de sensibilisation à la diversité » pour avoir évoqué l’origine pakistanaise des bourreaux d’enfants
    La ville de Rotherham avait offert un exemple particulièrement terrifiant. Pendant des années, des centaines de jeunes filles avaient été violées et maltraitées par des gangs de Pakistanais, sans qu’aucune autorité consciente du problème n’ose s’en saisir. Le problème n’était pourtant pas anecdotique : entre 1997 et 2013, 1400 enfants avaient été victimes de viols, arrosés d’essence et menacés d’être brûlés vivants en cas de plainte…
    Silence de morts chez ceux qui savaient, par pure idéologie antiraciste chez les uns, par peur de cette dernière chez les autres. L’une des investigatrices du dossier avait même dû suivre des « cours de sensibilisation à la diversité » après avoir évoqué l’origine pakistanaise de ces bourreaux d’enfants. Les révélations qui ont suivi font froid dans le dos : la plupart des victimes étaient alors des jeunes filles hébergées par la municipalité, directement visée dans l’enquête pour ne pas avoir osé dénoncer ce problème connu de certains.
    C’est même le fondateur de la Sikh awareness society, Mohan Singh, qui avait pointé du doigt le politiquement correct et l’antiracisme comme cause d’un silence criminel, au micro de la chaîne anglaise LBC : « tout le système a échoué et c’est ce qui s’est passé depuis 30 ans. Les gens craignent trop, vous savez, ils ont trop trop peur de dire la vérité (…) je pense que c’est dû au politiquement correct, et au fait que ces personnes ne veulent pas être qualifiées de racistes. Personne ne veut nommer la chose. »
    « Peur de passer pour racistes »
    Une intuition confirmée par l’auteur du rapport sur ces abus sexuels : « plusieurs membres du personnel ont décrit leur nervosité à identifier les origines ethniques des auteurs de peur de passer pour racistes. » Pendant 16 ans, c’est ce qui a retenu plusieurs membres des services sociaux de la ville, qui n’était pas la première à être le théâtre de telles horreurs. L’actualité montre qu’elle n’était pas non plus la dernière…

    Gostar

  13. Procópio permalink
    17 Março, 2018 19:40

    http://clarionproject.org/factsheets-files/islamic-state-magazine-dabiq-fifteen-breaking-the-cross.pdf

    Amostra do capítulo “Por que nós o odiamos e por que nós lutamos”. Contém seis parágrafos descrevendo os motivos da animosidade assassina, no primeiro parágrafo:

    Odiamos você, em primeiro lugar, porque ser incrédulo; rejeita a unicidade de Deus, afirmando que Ele tem um filho, fabrica mentiras contra Seus profetas e mensageiros, e entrega-se a toda a maneira a práticas diabólicas. É por esta razão declaramos abertamente nosso ódio e nossa inimizade. …

    Só passando por boas experiências as berloques se acalmavam.
    A circuncisão feminina segue Maomé:
    “O profeta Maomé disse, Circuncisão é sunna* para o homem e preservação da honra para a mulher” (Abu al-Malik 5:75; Abu Dawud Adab 157).
    Uma razão porque a mulher dever ser circuncisada é para “diminuir a sua luxúria” e “dosar os seus desejos sexuais.” (Afifi Muhammad al-Saadiq, Fi fiqh al-mar’a al-muslima, Beirute, 1986, pag. 17).
    Alegrem-se: o princípio do género eles respeitam

    Liked by 1 person

  14. A. R permalink
    17 Março, 2018 20:32

    Não é só! São os gangues de pedofilia, das drogas, dos abusos sexuais, da mutilação genital feminina, são as no go zones, são as centenas de atentados abortados pela polícia, são os milhares realizados desde o 11 de Setembro

    Menos de 10% de muçulmanos dão uma população prisional de mais de 80%.

    São diabólicos e o bom muçulmano imita Maomé. Está nos escritos mais recentes do Corão: fazer guerra de morte aos infiéis, tomar as mulheres deles, apedrejar as mulheres adulteras, enganar, matar os homossexuais, escravizar os não muçulmanos considerar a mulher uma mercadoria. São uma ideologia do pior: pior que o comunismo e o nazismo. Actuam agora com os comunistas e nazis mas os propósitos são os mesmos de 1400 anos: invadir e submeter!

    Liked by 1 person

    • Zé Manel Tonto permalink
      18 Março, 2018 21:48

      “Menos de 10% de muçulmanos dão uma população prisional de mais de 80%.”

      Esses números podem ser verdadeiros, mas parecem-me exagerados. Os dados que li para o Reino Unido eram 5.4% de população, 15.2% de população prisional, 30% de população prisional em alta segurança.

      De qualquer das formas, tendo em conta que:

      para prisão de alta segurança vão presos perigosos como violadores, homicidas, etc.
      os crimes violentos são, regra geral, cometidos por homens entre os 15 e os 40 anos, podemos cortar a população por dois (mulheres) e depois por dois outra vez (pelo menos 30% dos mouros têm menos de 15 anos).

      Através destes dois pontos podemos dizer que, grosso modo, uma parcela da população que se pode descrever como “homem muçulmano entre os 15 e os 40 anos” correspondente a cerca de 1.35% da população comete cerca de 30% do crime violento.

      Quem não quiser olhar seriamente para estes 1.35% e ser implacável com eles caso ponham o pé em ramo verde, está a iludir-se.

      Em suma, o Guterres é um burro.

      Gostar

  15. Procópio permalink
    17 Março, 2018 23:04

    O toninho que se prepare para a doença X, a inesperada maleita que vai fazer perecer milhões.
    https://www.dni.gov/files/documents/Global%20Trends_Mapping%20the%20Global%20Future%202020%20Project.pdf

    Nós cá já apanhámos com a maleita G, que começa por extinguir a paciência.

    Gostar

  16. Procópio permalink
    17 Março, 2018 23:30

    O sr. presidente da câmara de londres Sadiq Khan, terá uma explicação para isto.
    O número de violações infantis em Londres aumentou 30 por cento para mais de 1.000 crimes no ano passado, revelam hoje novos números. Havia 1.200 infracções de exploração sexual infantil na capital em 2017 – em comparação com 922 crimes em 2016.
    Uma instituição Barnardo lançou um esquema piloto para ajudar crianças vítimas de exploração sexual em Londres. Um novo esquema piloto estava ajudando crianças vítimas de estupro e agressões sexuais graves em dois bairros londrinos, Hammersmith e Fulham e Redbridge. 22 jovens recebem apoio do chamado esquema TIGER a expandir a capital.

    O esquema ajuda as crianças a “aprender a lidar com memórias traumáticas em vez de evitá-las”. Jessica Juon, subdirectora de serviços infantis no Barnardo’s London, disse: “Não basta apenas ensinar crianças sobre abuso e exploração sexual infantil, eles precisam se sentir seguros.
    “Crianças que foram exploradas sexualmente podem sentir-se totalmente impotentes, sendo estupradas ou agredidas sexualmente, muitas vezes causam níveis de trauma debilitantes”.
    A instituição de caridade é co-anfitriã de uma conferência com a polícia Met hoje para aumentar a conscientização sobre a exploração sexual infantil.
    Os números divulgados pela polícia mostram que havia cerca de 3.200 relatórios de abuso de exploração sexual infantil em Londres no ano passado.

    Gostar

    • Mario Figueiredo permalink
      18 Março, 2018 00:54

      “As pessoas têm que se habituar. A violação infantil é algo de normal nas grandes cidades.”
      — Sadiq Khan

      Gostar

  17. ANTONIO MANUEL PAIXAO AFONSO permalink
    18 Março, 2018 01:15

    E o bAILE continua.

    Gostar

  18. Arlindo da Costa permalink
    18 Março, 2018 01:52

    E os tiroteios nos EUA tem a ver com quê? Com as alterações climáticas ou com o preço dos BigMac’s?

    Gostar

    • 18 Março, 2018 08:46

      Os tiroteios nos EUA matam incomensuravelmente menos do que os tiroteios na sociedade socialista bolivariana desarmada da Venezuela. Com as alterações climáticas e com a falta de comida que mata tanto ou mais que os tiroteios nos EUA?

      Gostar

    • A. R permalink
      18 Março, 2018 09:32

      O número de mortos por arma nos EUA é um dos mais baixos do Mundo.
      Por outro lado no Rio, onde o controlo de armas é apertado, é um dos maiores do Mundo.
      Razões para o tiroteio: o marxismo cultural (desprezo da vida humana e remoção dos valores morais das pessoas)

      Gostar

      • Paulo Valente permalink
        18 Março, 2018 09:46

        O número de mortos por arma?!
        EUA versus Rio de Janeiro?
        Que raio de estatísticas são estas?
        E que tal comparar a praia de Copacabana com o liceu de Columbine?
        Ou o número de mortos por arma dentro de uma loja de venda de armas em Houston com o número de mortos numa favela?
        Ou um dia típico em Houston em Março de 2018, com um dia típico num país europeu… sei lá… Polónia em Setembro de 1939?

        Gostar

    • lucklucky permalink
      20 Março, 2018 06:42

      Tiroteios?

      Os assassinatos em massa nos EUA – não são tiroteios porque infelizmente o outro lado não tem armas porque são proibidas na maior parte dos campus- são por causa da opressão e exploração Escolar e Universitária.

      Seria este o teu argumento e dos teus amigos jornalistas Marxistas se em vez de Escolas e Universidades fosse em Empresas não é Arlindo?

      Mas como é em Escolas e Universidades temos o silêncio e a censura jornalista, pois o ensino é dominado por Marxistas.

      Gostar

  19. 18 Março, 2018 12:11

    Sim número de morto devido ao uso de arma. Homicidios cometidos com arma de fogo. A lógica não é de que quanto mais armas mais homicidios com elas praticado? Ou já agora não serve?

    Gostar

  20. Castrol permalink
    19 Março, 2018 19:47

    Foi triste que o Presidente Marcelo tenha dito a asneira que disse, a respeito da Alma Portuguesa e dos muçulmanos. Que António Guterres, presidente da ONU, diga as baboseiras e mentiras que disse, é vergonhoso e criminoso.

    Fico agora com a certeza que estes FDP nos querem entregar de mão beijada ao Califado…

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: