Saltar para o conteúdo

Imobiliária Janus

25 Junho, 2018

Maestro_dei_mesi,_01_giano_bifronte_(anno_vecchio_e_anno_nuovo)_gennaio,_1225-1230_ca._03

 

No debate parlamentar da semana passada António Costa acusou Assunção Cristas de ter provocado uma calamidade no país com a lei do arrendamento de 2012. É uma afirmação bastante dura que me deixa ligeiramente confuso. Por um lado, como sabemos, a primeira coisa que António Costa faz quando uma calamidade se abate sobre o país é ir de férias para Espanha – e eu não me lembro que tenha feito alguma viagem quando a legislação de Assunção Cristas foi aprovada; por outro lado, como também sabemos, a estratégia seguida por António Costa diante de uma calamidade é não fazer nada até que ocorra uma segunda – e esse princípio parece estar a ser cumprido neste caso, uma vez que este Governo está em funções desde 2015 e ainda não tocou nos aspectos essenciais dos diplomas em causa. Os sinais são, por isso, contraditórios: a ausência de repouso no estrangeiro afasta a hipótese de ter ocorrido uma catástrofe, mas a presença de repouso nos gabinetes ministeriais sustenta o cenário mais sombrio.

Se o nosso primeiro-ministro fosse praticante da arte do descaramento, atrevia-me a dizer que estamos na presença de jogo duplo: enquanto se aproveita dos múltiplos benefícios da lei (fim da expropriação encapotada dos proprietários, reabilitação das cidades, promoção do investimento, renascimento da construção civil, fomento do turismo, crescimento económico, redução do desemprego, etc.), trata de empurrar para terceiros as responsabilidade pelas suas consequências negativas. É sempre uma boa estratégia. Ainda ontem, quando descobri que o miúdo tinha conseguido, depois do cocó vespertino, arrancar a própria fralda, me virei para a minha mulher, com cara de enjoo, e atirei: “já viste o que o TEU filho fez?” Infelizmente, o sentido ético de António Costa não lhe permite estas jogadas rasteiras, o que complica em muito o desempenho do cargo. Esperemos, para seu bem, que nunca lhe faltem os toalhetes.

 

Anúncios
14 comentários leave one →
  1. JgMenos permalink
    25 Junho, 2018 16:48

    Tudo o que se pode esperar de um treteiro socialista!

    Liked by 1 person

  2. 25 Junho, 2018 17:01

    O AC-DC como PM é uma prova, mais uma, de que qualquer político rasca mas sagaz, malabarista, populista e manipulador (para além de com telhados de vidro pessoais e partidáRIOS) pode ascender a um cargo máximo.

    Liked by 1 person

  3. 25 Junho, 2018 17:05

    Óptimo post, Sérgio BCosta.

    Liked by 1 person

  4. Procópio permalink
    25 Junho, 2018 17:14

    A calamidade é ele, o nº 2. Antes dele houve uma catástrofe cuja extensão o indígena ainda não entendeu. O infortúnio estáassociado com os “outros”, com a direita, mesmo ausente. As práticas de direita selvagem são utilizadas sem medida por tipos ditos de esquerda.
    O nº 1 foi paradigmático, um flagelo que trouxe desgraça e infortúnio sem cerimónia.
    Diz o Sérgio com alguma timidez: “Se o nosso primeiro-ministro fosse praticante da arte do descaramento”. Há alguma dúvida sobre o descaro do oriental, já Camões o assinalava?
    Lado a lado, bem juntinhos, o putativo primeiro ministro e o beijocas, lá andam.
    Com descaramento se encobre o revés e se aponta na direção da tragédia.

    Liked by 1 person

  5. LTR permalink
    25 Junho, 2018 20:06

    Um homem com provas dadas, pensador vazio e fala-barato, esquecido e distraído, que se dá ao desplante de aludir à especulção imobiliária sem que a oposição lhe esfregue logo com isto na cara:

    https://www.idealista.pt/news/financas/investimentos/2018/05/22/36305-antonio-costa-um-primeiro-ministro-que-tambem-investe-no-negocio-imobiliario

    http://oreivaivestido.blogspot.pt/2012/10/red-bull-air-race-o-naufragio-de.html

    Alguém me explica como é que alguém que faz isto ao Porto depois quer lá pôr o Infarmed?!

    Liked by 1 person

  6. Arlindo da Costa permalink
    25 Junho, 2018 20:21

    Com o governo de António Costa o mercado imobiliário está em plena expansão como nunca esteve.

    No tempo do governo neo-comunista de Passos Coelho as propriedades tinham pouco valor, apesar do IMI ser violento.

    Gostar

    • JMS permalink
      25 Junho, 2018 22:09

      “… governo neo-comunista de Passos Coelho…” Eheheheh!

      Alguém diga a este velho-comunista que fica mal escrever quando se está “bêbado”, ou mesmo pedrado, e depois carregar em “Publicar comentário”.

      És uma anedota, Arlindo… 😂

      Gostar

      • JMS permalink
        25 Junho, 2018 22:15

        Quanto ao post, excelente.

        Gostar

    • Sérgio Barreto Costa permalink
      26 Junho, 2018 11:13

      Imobiliária Janus, boa tarde, fala António Costa, em que posso ser útil?
      Boa tarde, estou a pensar em vender ou arrendar a minha casa.
      Excelente ideia, o mercado está maravilhoso e com altas rentabilidades, passe por cá que nós tratamos de tudo, somos especialistas na área.

      Imobiliária Janus, boa tarde, fala António Costa, em que posso ser útil?
      Boa tarde, estou a pensar em comprar ou arrendar uma casa mas queria uma coisa barata…
      Isso vai ser difícil, a lei da Cristas deu cabo disto tudo, a situação é calamitosa.

      Gostar

  7. A. R permalink
    25 Junho, 2018 21:12

    A esquerda é uma enxovia de oportunistas de meia-tigela.

    Liked by 1 person

  8. Luis Lavoura permalink
    26 Junho, 2018 17:07

    os múltiplos benefícios da lei (reabilitação das cidades, promoção do investimento, renascimento da construção civil, fomento do turismo)

    Não vejo o que é que essas coisas todas (que são reais) têm a ver com a lei Cristas.

    Essas coisas todas têm a ver com o boom do alojamento local e da compra de casas em Portugal por parte de estrangeiros. Isso levou à recuperação de prédios que estavam devolutos, ou seja, que estavam vazios. Não foi a lei Cristas quem fez com que prédios fossem recuperados. Qem o fez foi o surgimento de uma nova forma de utilização dos prédios – a venda a estrangeiros ricos (que querem comprar uma casa com cachet no centro da cidade, ao contrário dos portugueses pobres que querem uma casa baratucha nos subúrbios) ou o aluguer a turistas.

    A imensa maior parte dos prédios que estão a ser recuperados não estavam alugados a velhinhos. Aliás, mesmo que estivessem, a lei Cristas não permite o despejo dos velhinhos, pelo que essa lei não serviu para (quase) nada.

    Gostar

  9. pitosga permalink
    29 Junho, 2018 21:43

    Sérgio Barreto Costa, muito bonito (e terno) post. Que também prima pela inteligente delicadeza.
    Cumprimentos

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: