Saltar para o conteúdo

Que Deus vos perdoe, porque a nós não compete

22 Junho, 2021

Não se pode. Há requisitos para opinarmos: temos que cumprir os desígnios superiores que nos integram no nicho correcto.

Pode-se lançar uma acção em tribunal acusando a vacina de uma farmacêutica que tomamos há 30 anos de ser responsável pelo nascimento de um bebé autista, mas não se pode referir números absolutos de mortes atribuídas a vacinas. Pode-se referir números absolutos diários de mortes decisivamente por covid sem discriminar se são por covid, com covid ou com cheirinho de covid, mas de vacinas, não.

Importante é a percentagem, o número por 100.000 vacinados. É como aquele número de 8 milhões de judeus no holocausto: uma ignomínia. Na realidade foram só cerca de 350 por 100.000 terráqueos. Vá lá, não digam que o holocausto não valeu a pena: se há coisa que não se poderia acusar os nazis era a de lançarem vacinas mRNA sem testes exaustivos em coisas com semelhança suficiente a humanos.

Amén, biodanza, biociência e bioeconometria.

12 comentários leave one →
  1. Mario Figueiredo permalink
    22 Junho, 2021 14:02

    Ainda não percebeu porque é que era importante saber sobre que universo aqueles números incidiam. E muito menos que quem pedia isso não estava de maneira nenhuma a desvalorizar o facto de 15,000 pessoas terem morrido (aparentemente) por causa da vacina.

    Depois compara tudo ao holocausto e acha que os números de mortes por aparente vacinas contra o Covid deve ser tratado da mesma forma. Ainda bem cientistas médicos ao longos dos séculos não concordaram consigo e os avanços médicos tenham sido possíveis graças ao tratamento estatísticos de mortes por tratamento.

    Ó Vítor! Isto assim não dá. Você está a ficar pior ainda dos que acusa. Saia lá desse seu confinamento e aclare as ideias.

    Gostar

    • Mario Figueiredo permalink
      22 Junho, 2021 14:04

      A minha escrita falhou-me um bocadinho. O Português poderia ter sido melhor composto Mas você entende.

      Gostar

  2. 22 Junho, 2021 14:47

    Brilhante!
    Quando for grande quero escrever assim.

    Gostar

  3. 22 Junho, 2021 15:22

    Leio o texto como uma sátira ao facto da informação “numérica” ser comunicada de forma diferente, dependendo do que a narrativa desejada quer que os números digam.

    Exemplo:
    “Gordas” dos jornais: “15 mil famílias ficaram sem um ente querido” é diferente de “taxa de mortalidade de 0.001%”.
    Qual é o cabeçalho que me faz temer mais?
    Qual é o que me ajuda a concluir que “é um risco aceitável”?
    Qual é o que é usado na temática das vacinas? E no das “mortes por/de/com Covid”?
    Psi Ops bastante eficiente, tiro-lhe o chapéu.

    E a disponibilidade das “informações”?
    É patológica a facilidade com que consigo saber quantas pessoas testaram positivo nos últimos 13m47s, mas não consigo aceder ao número de pessoas que morreram como consequência d’A vacina.

    Para concluir, dada a escala da experiência que está a decorrer, apresentar o número de vítimas do Holocausto por 100.000 habitantes do planeta, é só brilhante.

    Gostar

    • 22 Junho, 2021 15:24

      Caro Mário Figueiredo, este comentário foi escrito em resposta ao teu, mas veio parar mais abaixo.
      Cumprimentos, Diogo Carriço

      Gostar

    • Mario Figueiredo permalink
      22 Junho, 2021 16:23

      Caro Diogo,

      Eu não consigo ajudar — e não há vacina para a estupidez — quem considera que um processo de vacinação pode ou deve ser avaliado pelo número absoluto de mortes após a vacina, sem qualquer inferência estatística. Um cabeçalho como “15.000 families perdem um ente querido” seria não só irresponsável, como revelaria um patológico desconhecimento de como evolui a ciência médica. Digno do CM. Talvez fosse bom nesse caso reflectirmos sobre as “dezenas de milhões que morreram à mão de médicos na tentativa de curar o cancro nos últimos 100 anos”.

      Já a falta de informação é realmente um problema. Mas se é esse o tema destas verborreias do Vítor, o tiro sai ao lado.

      Gostar

      • 22 Junho, 2021 16:31

        Eu quero que a “ciência médica” se foda.

        Gostar

      • 23 Junho, 2021 03:06

        Eu sou estúpido e a “Ciência já falou e está definida”.
        Não tenho qualquer resposta para tão excelente argumentação que (sendo assente num raciocínio lógico imaculado) me conseguiu convencer das lacunas da minha que (na minha ignorância acrítica) assenta unicamente na ridicularização de QUEM não concorda comigo.
        Obrigado pelo teu tiro certeiro, conseguiste mudar o meu ponto de vista.

        Ó Vitor, só dizes merda desinformada. Pões-nos a todos em perigo com a tua irresponsabilidade.
        O Mário tem razão e a forma como a informação é comunicada (e a sua acessibilidade) é doubleplusgood.

        Gostar

      • Manuel Lopes permalink
        23 Junho, 2021 12:12

        Mário Figueiredo…O Vitor quer que a ciência medica se foda!!! E tudo o resto também, inclusive a pertinência dos seus argumentos.
        Ele só pretende APARECER!

        Gostar

    • Mario Figueiredo permalink
      22 Junho, 2021 16:46

      A informação chega a quem interessa; decisores políticos e a comunidade cientifica, desde investigadores médicos até economistas. Esse dão garantidamente o tratamento a estes dados que interessa. Especialmente os não politicos. Garanto-lhe que ninguém vai olhar para eles sem perceber quantas pessoas foram vacinadas. E vão quere saber mais; como gráficos de evolução de mortes pós vacina e outros dados estatísticos com os quais se possam observar correlações ou mesmo causa-efeito.

      Esta ideia que todos temos direito à informação é alias perfeitamente infantil. Não demora muito para ver precisamente o que acontece quando essa informação é disponibilizada sem qualquer tratamento: Dois posts infelizes do Vítor. Andamos aparentemente a vacinar toda uma população mundial sem qualquer efeito prático. E o Vítor, iluminado, viu isso num quadro.

      Gostar

      • 23 Junho, 2021 03:14

        Discurso típico de tecnocratas “iluminados”: as pessoas são estúpidas demais para fazerem sentido dos números, mesmo quando apresentados e disponibilizados de forma coerente; só os “especialistas” (os certos, claro) o conseguem fazer.

        Continuo a alimentar a esperança que as pessoas vão abrindo os olhos… mas pouca! 🙈🐑🐏🐑🐏🐑🐏🐑🐏

        Gostar

  4. Helena Rodrigues permalink
    22 Junho, 2021 18:30

    100% de razão!

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: