Saltar para o conteúdo

Inveja dos super-ricos

25 Maio, 2022

A Oxfam é uma organização, supostamente não-governamental, mas que tem um orçamento superior a mil milhões de dólares com origem sobretudo em subsídios de diversos governos. Tornou-se uma agremiação de activistas da esquerda radical com discurso neo-marxista.

O Fórum Económico Mundial foi fundado por um sinistro economista alemão e a instituição tem-se dedicado a promover algumas das ideias mais perigosas e nefastas para uma sociedade livre. No encontro anual do Fórum Económico Mundial em Davos, a Oxfam apresentou pela enésima vez um alerta dramático sobre a crescente desigualdade no mundo. E há dias fez títulos de jornais a sua estimativa de que durante a pandemia surgiram no mundo mais 573 multimilionários e que a cada 33 horas mais um milhão de pessoas entra na pobreza.

Há décadas que Oxfam tenta provar que a riqueza do mundo está concentrada nas mãos de uma conspiração maligna de indivíduos super-ricos e que os ricos só ficam mais ricos à custa dos pobres.

Para estes fanáticos esquerdistas, a riqueza é essencialmente má e imoral. A sua solução milagrosa para acabar com a pobreza e a desigualdade é sempre a mesma: um ataque fiscal, impostos sobre a riqueza, impostos extraordinários e a expropriação de fortunas. Este ano querem um imposto único sobre os chamados “lucros pandémicos inesperados” e um imposto de 90% sobre todas as grandes empresas que tenham tido lucros durante a crise da covid e da Ucrânia.

Entre muitas outras parvoíces e asneiras, a Oxfam não percebe porque é que a pobreza no mundo diminuiu drasticamente nas últimas décadas, assim como ignora capciosamente o facto de a riqueza não existir naturalmente. A riqueza não cai do céu, nem brota do chão. A riqueza é fruto do engenho, iniciativa e esforço humanos. Toda riqueza teve primeiro de ser criada antes que alguém a possa roubar ou dela beneficiar honestamente. A riqueza tem de ser criada e produzida e a principal maneira de ficar rico é produzir algo que as pessoas valorizem. Ao contrário do que diz a Oxfam, a riqueza é uma das principais recompensas do trabalho produtivo. Impostos sobre a riqueza reduzem o incentivo à produção.

Por outro lado, um bilionário não pode simplesmente levantar toda a fortuna ao balcão de um banco. Tipicamente apenas 1% da riqueza do bilionário é mantida em dinheiro. O grosso dessa riqueza está em acções das suas próprias empresas, juntamente com aplicações financeiras, metais preciosos, imobiliário e outros activos. Portanto, a ideia adolescente da Oxfam de ir caçar a fortuna dos super-ricos exigiria uma gigantesca venda de ativos, e incluiria por exemplo mandar para o desemprego milhares de trabalhadores das empresas desses bilionários e esvaziar fundos de pensões de milhões de pessoas da classe média. Além de que a expropriação de riqueza dos super-ricos só aconteceria uma vez e não daria para distribuir nada nos anos seguintes.

Não se melhora as condições de vida dos pobres tirando riqueza ou rendimento aos ricos. Precisamos é de economias mais produtivas, menos estado e mais trocas comerciais livres como queria a Oxfam aquando da sua criação no tempo da segunda grande guerra.

A inveja é um sentimento muito feio!

a minha crónica-vídeo de hoje, aqui:

32 comentários leave one →
  1. JMS permalink
    25 Maio, 2022 21:10

    Num país (cada vez mais) socialista, como o nosso, é sempre reconfortante ouvir alguém com os pés assentes na terra. Um dos pilares da cultura socialista é, precisamente, a inveja. Outro, também importante, é a vitimizaçao. “Sou pobre porque existem ricos”.

    Liked by 1 person

  2. Zé Manel Tonto permalink
    25 Maio, 2022 21:59

    “surgiram no mundo mais 573 multimilionários”

    Por definição um multimilionário tem múltiplos milhões. Isso pode ser 2.

    O que é preciso para ter activos avaliados em 2 milhões?

    Investir 500€ por mes, a 8% ao ano, durante 40 anos, dá 1.75 milhões.

    Se a isso juntarmos uma casa paga no valor de 250 mil, temos um multimilionário.

    Que só haja mais 573 multimilionários relativamente há 2 anos diz muito da falta de conhecimento económico da generalidade da população, seja por haver tão poucas pessoas a nivel mundial a lá chegar, ou por os palermas da Oxfam conseguirem convencer a populaça que 573 multimilionários é qualquer coisa de extraordinário.

    Gostar

  3. Zé Manel Tonto permalink
    25 Maio, 2022 22:05

    “lucros pandémicos inesperados”

    Essa é própria de atrasados mentais.
    Não existe tal coisa de lucros pandémicos inesperados. Houve lucros com a pandemia, e com as patetices dos governos, mas nenhuns foram inesperados.

    Era inesperado que, com taxas de juro de 0%, as empresas tecnológicas crescessem?

    Era inesperado que, com toda a gente e o seu cão a querer uma vacina para o covid, os lucros das farmaceuticas fossem elevados.

    Era inesperado que, com a inflação a subir, acções de empresas de materiais e energia subam?

    Só é inesperado para os imbecis da Oxfam, que acham que a economia é uma arte do oculto.

    Liked by 1 person

  4. JgMenos permalink
    26 Maio, 2022 08:41

    O grande sonho húmido da esquerda é pensar que o aumento do rendimento virá do saque e não do trabalho, da aquisição de qualificações, da mudança de emprego, de tudo o que seja esforço.

    Liked by 1 person

  5. Ana Vasconcelos permalink
    26 Maio, 2022 09:37

    Embora já tenha havido a experiência dos países comunistas, que faliram, há quem ainda não tenha percebido que o socialismo não funciona, como eles acham que ia funcionar.

    Liked by 1 person

  6. André Silva permalink
    26 Maio, 2022 11:33

    Essa dos “lucros inesperados” já criou escola por cá – recordo a questão dos combustíveis. Não sei quem foi o atrasado mental iluminado primeiro, mas duvido que tenha sido algum português ou portuguesa (que por hábito só sabem copiar a m*rda que vem de fora).

    Gostar

  7. Atento permalink
    26 Maio, 2022 12:42

    Em toda a religião direitalha, do culto do mercado à crença em mãos invisíveis, o mais bizarro é esta submissão a super-ricos. A mamões.

    Até um macaco consegue ver a injustiça de alguém ter tanto mais que os outros. Fez-se experiências onde macacos se revoltaram com a injustiça. Os direitalhas não só a aceitam como lambem o cu aos mamões.

    Se a riqueza média dos cidadãos de um país é 250 mil euros, devia ser óbvio que alguns poderão ter cinco, dez, até vinte vezes mais: 5 milhões de euros. Mas jamais cem ou mil vezes mais. É indecente, absurdo, insano.

    Ninguém é mil (ou dez) vezes mais inteligente, mais trabalhador ou mais capaz que os outros. Tudo que é humano tem limites. Tudo menos a riqueza. Porquê?

    Além de anormal e imoral, a desigualdade excessiva coloca o poder político e económico numa ínfima minoria, destrói o contrato social, corrói a sociedade. Que os mamões a defendam é de esperar; mais deprimente é que pobres ou remediados vão na conversa e lhes lambam o cu.

    Liked by 1 person

    • 26 Maio, 2022 18:51

      Macacos a lamber o cu, o senhor apanhou a variola dos macacos?

      Gostar

      • André Silva permalink
        26 Maio, 2022 19:52

        Apanhou-a quando estava de quatro e a gritar: dá-me com toda a força, mamão!

        Gostar

    • Mauritano permalink
      27 Maio, 2022 07:59

      Você é daqueles que quer viver à custa dos outros sem fazer nada. É mais não digo para não ser mal educado.

      Liked by 1 person

    • Pedro Dias permalink
      27 Maio, 2022 08:27

      O super-mamão Atento também se revoltou na tal experiência dos macacos.

      Gostar

    • Atento permalink
      27 Maio, 2022 15:49

      Quatro lambe-cus. Zero argumentos.

      Quando alguém conseguir explicar isto:

      Ninguém é mil (ou dez) vezes mais inteligente, mais trabalhador ou mais capaz que os outros. Tudo que é humano tem limites. Tudo menos a riqueza. Porquê?

      …digam alguma coisa.

      Liked by 1 person

      • Zé Manel Tonto permalink
        27 Maio, 2022 18:25

        Porque se o Atento grelha hamburgers num restaurante é pago pelo que os clientes da zona pagam.

        Se o Atento criar uma cadeia de restaurantes com milhares de restaurantes pelo mundo fora é pago pelo que clientes de milhares de restaurantes pagam.

        E fácil de perceber, mas o Atento gosta de ser o comuna cá do sitio, e tentar enervar a malta.

        Gostar

      • 27 Maio, 2022 20:41

        Caro Atinto, conheço vários sem-abrigo que recebem 1 euro por mês. Acho imoral que o senhor Atinto receba 1000 euros por mês – para haver justiça é essencial que o senhor Atinto receba não 500, que também é injusto, mas sim 1 euro por mês (por mais que tenha investido toda uma vida de trabalho e o sem-abrigo tenha decidido beber toda a vida Atinto de pacote).

        Gostar

    • Atento permalink
      28 Maio, 2022 02:31

      Dois argumentos! Pedestres, é certo, mas não sejamos mal-agradecidos. Neste blog já não é nada mau.

      Zé Tonto:
      Sem os empregados, a cadeia de restaurantes – ou qualquer grande empresa – vale zero. A gestão deve ser democratizada, a riqueza repartida. Não é só justo; é também racional.

      Green Street:
      Tem mais razão do que pensa: enquanto alguns ganharem 1, ninguém deve ganhar 1000. Não é preciso ser bêbado ou sem-abrigo; muita gente trabalha muito – muito mais que v. – e ganha muito mal. O mundo está cheio de miséria.

      Enquanto isso, uma dúzia de mamões tem mais riqueza que metade do planeta. E quantos enriquecem a chular, a trafulhar ou a especular em imobiliário, no casino dos ‘mercados’ ou em criptotretas? Quanta fortuna suja, quanta riqueza imerecida?

      Liked by 1 person

      • Zé Manel Tonto permalink
        28 Maio, 2022 22:15

        “A gestão deve ser democratizada”

        A gestão não deve ser democratizada porque nem todos arriscam o mesmo. Se a empresa falir o empregado vai para o fundo de desemprego, eventualmente arranja outro emprego, e não pensa mais no assunto.
        O empregador perde o que investiu.

        Estes argumentos infantis das pessoas de esquerda são fáceis de mandar abaixo se forem virados contra elas.

        O Atento tem uma empresa. Se a empresa crescer e precisar de empregar alguém os seus empregados vão ter o mesmo poder de decisão na empresa que tem o Atento, ou fazem o trabalho pelo salário pelo qual foram contratados, e as decisões e lucros ou prejuizos das decisões ficam para o Atento?

        Gostar

      • Atento permalink
        29 Maio, 2022 01:11

        “O empregador perde o que investiu.”

        Numa PME isso pode acontecer; numa grande empresa não. O CEO e outros chulões do topo nada arriscam. Até sacam ‘golden parachutes’ mesmo quando há bronca: veja a SLN, o GES, a PT, a Volkswagen, etc.

        Numa PME pode haver algum mérito e risco de quem a criou, mas ainda assim não trabalha sozinho. Poder e lucro devem ser repartidos de forma equitativa pelos funcionários, mediante a sua contribuição e antiguidade.

        Já criei empresas, sim, e os funcionários não são todos iguais; daí a equidade na repartição. Mas todos têm limites, eu incluído.

        Infantil é quem quer ter mais e mais, sem limite, como as crianças; quem acha normal o dono ou ‘investidor’ mamar milhões enquanto quem trabalha recebe tostões; ou que a desigualdade extrema não tem consequências.

        Liked by 1 person

  8. A. R permalink
    28 Maio, 2022 07:38

    O comunismo é uma doença psiquiátrica: mania que são perseguidos, mania de perseguir os outros, inveja do que os outros têm a mais que eles, indiferença pelos que têm menos, controlo total do poder, crueldade que excede ainda os nazis, fome, miséria, tortura, sevícias de toda a ordem, parasitagem dos trabalhadores e acima de tudo falta de um mínimo de inteligência. Após quase 150 anos não aprenderam nada, não interpretam nada não tiram uma conclusão mínima. falharam em todas as frentes a batem palmas aos dirigentes que se refastelam em dashas, sindicalismo de lagosta, etc

    Gostar

    • Pedro Dias permalink
      28 Maio, 2022 08:26

      E batem palmas sincopadas.

      Gostar

    • Atento permalink
      28 Maio, 2022 16:12

      “O comunismo é uma doença psiquiátrica”

      O que é então ‘normal’? Aceitar que 0,001% da população tem e terá sempre mais riqueza e poder do que os outros 99,999%?

      Aprender ‘o nosso lugar’ na sociedade, o da formiguinha que trabalha toda a vida, o consumidor obediente que se endivida para ter a sua casinha, o seu popó, a sua semana anual no Algarve, o seu seguro de saúde, o seu lar, a sua campa?

      Ir botar o botinho quando lhe mandam, para rodar o tacho e manter tudo na mesma? Desistir e emigrar para um país rico, quem ficar que se lixe? Engolir o mantra neoliberal, idolatrar ganância e egoísmo, chupar nos ‘mercados’, viver de rendas e dinheiro criado do ar? Lamber o cu a mamões?

      O problema da falsa dicotomia esquerda-direita, sobretudo o bicho-papão comuna que sempre aparece nestes debates, é que já só ilude carneirada como o A.R.

      Tem razão numa coisa: aquilo que hoje passa por ‘esquerda’ também não serve. Precisamos de uma verdadeira 3ª via. O 1º passo é criar uma democracia e limitar a riqueza. De contrário, os DDT irão sempre bloquear qualquer mudança.

      Gostar

    • Duarte de Aviz permalink
      29 Maio, 2022 04:58

      Na mouche!
      Intrigo-me sobre as razões que podem fazer um paranoico comunista andar a prder tempo com “direitalhas” capitalistas. Só mesmo uma doença pode explicar…

      Gostar

  9. jose valeriano permalink
    28 Maio, 2022 18:57

    PR no banco alimentar todo contente por aparecer nestes sitios pois não tem vergonha da pobreza que ele mesmo fomenta.
    Fala de 2 milhões de pobres como se não houvesse amanhã é preciso não ter vergonha para dizer tal coisa.
    Vai deixar o País mais pobre do que aquilo que o encontrou e nada fez para corrigir a situação.
    Haja vergonha que é aquilo que não têm.

    Gostar

    • Chopin permalink
      28 Maio, 2022 20:16

      É um cargo honorífico. Visitar a sopa dos pobres ou montar uma tartaruga nos Galápagos é o que lhes resta. O regime é comandado por quem tem o poder de facto, a oligarquia do PS que controla os três poderes e com metástases na comunicação social.
      O tal “povo” que mais ordenava é agora apenas o “público”. Assiste sem participar nas grandes decisões. Podem até mudar a configuração étnica do país ou entregar a soberania a um bando de burocratas estrangeiros na UE, sem que alguém tenha direito a ser ouvido. Chamam fassistas a meio milhão de portugueses que votaram no Chega e dizem que devem ser isolados por cordão sanitário. A vontade do povo, endeusado na opereta de Abril, é passado.

      Liked by 1 person

  10. 30 Maio, 2022 19:01

    Acho que a palavra “invejar” não se aplica aqui.

    Eu não invejo a almoçarada que o carteirista está a comer depois de me roubar a carteira. Com o meu dinheiro!

    Os ultra-ricos só o são porque fazem toda a espécie de trafulhices para roubar nos impostos, escondendo os lucros em offshores, por exemplo, influenciando a redação das leis, para que sejam privilegiados quando comparados com a maioria dos contribuintes.

    Quem rouba o Estado rouba-me a mim, que trabalho, pois sou eu quem vai ter que pagar mais impostos para suprir as necessidades de despesa do Estado.

    Quando venho a este site trago sempre os meus óculos de trabalho, para me defender das carradas de areia que tentam atirar-me para os olhos.

    Liked by 1 person

  11. 30 Maio, 2022 19:30

    Alguém me sabe dizer se André Ventura já se pronunciou sobre o ajuste directo de 100 mil euros que o governo, através do Banco de Fomento, deu ao escritório de Luís Montenegro? Só para perceber onde acaba a “vergonha” e começa a vassalagem da extrema-direita ao sistema.

    Gostar

    • FreakOnALeash permalink
      2 Junho, 2022 11:28

      AV não se pronunciou sobre isso fez mal…mas acha que os males deste país desta corrupção que nos mata o futuro que seja AV a carregá-los!?

      Gostar

  12. castanheira permalink
    31 Maio, 2022 01:47

    A prosperidade para maioria so se alcança com capitalismo e com mercados livres, tal como a HIstoria mundial comprova.
    No mundo ocidental alarga-se o fosso entre os 1% mais ricos e os outros 99% não pelas razoes sentimentais desviantes do jacobino Atento, mas sim pela captura imoral, injusta e estruturalmente desonesta de uma oligarkia feudalista que tem o poder de fabricar dinheiro do nada , nos bancos centrais e nao só, e com ele comprar bens e serviços, que para os 99% custam trabalho e esforço.
    Contra isso , só a adopcao do ouro e prata como moedas legitimas podem contrariar o problema e nao os controles inconsistentes do atento que na pratica teriam o efeito contrario ao pretendido.

    Gostar

    • Atento permalink
      31 Maio, 2022 15:51

      O castanheira é daqueles direitinhas que, forçados a admitir os excessos do capitalismo, desculpam-se que “não é o verdadeiro capitalismo”. Onde é que já ouvimos isto?

      Lamento, mas é isso o capitalismo: a concentração da riqueza e, consequentemente, do poder numa ínfima minoria. É todo esse o seu propósito. A liberdade, o mercado, a concorrência, é tudo treta. Como a História e a realidade comprovam.

      Não é só a máfia financeira: qualquer grande empresa compra leis e pulhíticos, mama no casino bolsista, destrói ou absorve a concorrência, distorce o mercado. Como o sistema monetário baseado em dívida, este capitalismo é irreformável.

      É aqui que o carneirinho diz: mas o comunismo não funciona! Estaline! Gulag! Cuba! Coreia do Norte!

      Sim, carneirinho, mas entre essas ditaduras abjectas, socialistas só de nome, e este capitalismo mamão e incorrigível tem de haver algum caminho, uma alternativa, não acha? Falámos em duas: limitar a riqueza e instituir uma democracia mais directa. Sem elas, como espera mudar seja o que for?

      Gostar

      • castanheira permalink
        31 Maio, 2022 22:32

        Atento
        Observar o que se passa na realidade não é ser forçado a nada . Ser lunático ao ponto de pensar que se pode desenhar e controlar a natureza humana sem métodos tiranicos é uma tontice pegada e que mesmo desta maneira não resulta como a História mundial prova .
        Repito , o feudalismo capitalista que hoje vigora , resulta sómente de ser uma quadrilha de oligarcas quem domina a emissão de dinheiro sem custos que utilizam para saquear o trabalho e esforço de todos os outros .
        Solução : Capitalismo puro e duro e mercados livres e dinheiro são (ouro e prata ) . Desta maneira aqueles a quem chama de mamões deixarão de mamar pois o oura e a prata não se fabrica com papel e tinta ou bits de computador . Desta maneira não há senhores do universo ou atentos a pensar em tirar a uns para dar a outros.

        Gostar

      • Atento permalink
        31 Maio, 2022 23:31

        “Capitalismo puro e duro e mercados livres e dinheiro são (ouro e prata)”

        E que mercados são ‘livres’ sem forte regulação e controlo? Que capitalismo sem o Estado para proteger e servir os capitalistas?

        Em padarias ou peixarias pode haver mercado e concorrência. Mas tudo que requer grande investimento ou meios de produção tenderá sempre para oligopólio ou monopólio.

        Antes de computadores já havia mamões; ouro e prata não vão impedir a concentração de riqueza. Pode atenuar o problema, mas não chega. Precisamos de muito mais.

        Gostar

  13. 31 Maio, 2022 19:05

    «Lamento, mas é isso o capitalismo: a concentração da riqueza e, consequentemente, do poder numa ínfima minoria. É todo esse o seu propósito. A liberdade, o mercado, a concorrência, é tudo treta. Como a História e a realidade comprovam.»

    Se assim é, o capitalismo está a falhar rotundamente.

    É nos maduristãos e nos stalinistões que a riqueza se concentrava mais nas mãos de uns poucos. Não era nos Estados Unidos da América.

    Os socialistas também falham muito em redistribuir riqueza. Até porque pessoas como eu se vão embora quando começam a faturar mais de cinquenta mil por ano. Quando percebi que, num bónus, 60% era para o Cocosta e os Setenta Ladrões, e 40% para mim, o que vai acontecer — e fora impostos indirectos —, percebi que este país gosta dos pobres. E de os manter pobres.

    Gostar

  14. Atento permalink
    31 Maio, 2022 23:38

    Ah, o Chico Colaço: o John Galt cá do sítio.

    “É nos maduristãos e nos stalinistões que a riqueza se concentrava mais nas mãos de uns poucos. Não era nos Estados Unidos da América.”

    Claro que era, Chico. Dos robber barons do séc. XIX aos Buffets, Gates, Musks e Bezos de hoje, a grande especialidade americana sempre foi encher mamões. A diferença para os comunas é o entusiasmo com que o fazem.

    Na URSS a população era brutalmente reprimida. Nos EUA não é preciso: todos são milionários temporariamente embaraçados, como o Chico.

    Percebo o desalento com Portugal; não serei eu a defender esta partidocracia corrupta a saque pelos gangues do PS / PSD. Se bem me lembro v. até tem um trabalho a sério, e 50.000 /ano não é um valor excessivo.

    É pena, claro, glorificar ganância e egoísmo, essa mentalidade ‘tax is theft’, ou a fossa de trampa chamada EUA. Mas v. não é um mamão; só defende mamões. É aquele velho paradoxo, um trabalhador direitalha. Classe média ‘aspiracional’, como agora se diz. O status quo gosta de Chicos.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: