Saltar para o conteúdo

Economia vista pela opinião pública portuguesa

27 Fevereiro, 2008

1. Mais vale uma empresa com prejuízo do que uma empresa com lucros astronómicos.

2. Mais vale um gestor que gera prejuízos que um gestor com salários escandalosos.

3. A melhor explicação para os preços nunca é a escassez, é sempre a existência de carteis.

4. Todos os sectores estão cartelizados (O que até é um mal menor. Mais vale um sector cartelizado como consequência da hiperregulamentação do que a entrada nesses mercados de um player agressivo que teria lucros astronómicos e seria dirigido por um gestor com salários imorais).

5. Crime da usura: a actividade bancária é sempre imoral e é ainda mais imoral quando os bancos têm lucros astronómicos.

6. Quado os bancos não têm lucros astronómicos estamos perante gestão danosa.

7. A Caixa Geral de Depósitos deve ser mantida na orla do Estado para moderar o mercado financeiro, mesmo que a própria CGD tenha lucros escandalosos.

8. Reminiscências do tempo da fome: o preço do pão é sempre um drama.

9. Ginásios para os obesos e pão para os esfomeados são prioridades sociais.

10. O BCE deve manter os juros baixos. Em simultâneo, os comerciantes não devem fazer repercutir a inflação gerada pelos  juros baixos nos preços ao consumidor.

Anúncios
35 comentários leave one →
  1. Anónimo permalink
    27 Fevereiro, 2008 20:07

    Já não há pachorra para estas parvoíces!

    Gostar

  2. jofer permalink
    27 Fevereiro, 2008 20:10

    Há certos bens essenciais que deveriam ter preços “vigiados” para o governo poder intervir. Quem não gosta-se de preços vigiados, tinha um remédio. Não entrava nesses negócios. Os combustíveis durante dezenas de anos tiveram preços controlados pelos governos. Nem por isso se deixou de vender combustíveis.

    Gostar

  3. portela menos 1 permalink
    27 Fevereiro, 2008 20:16

    11. Não há paciência para a demagogia de JM

    Gostar

  4. 27 Fevereiro, 2008 20:22

    JoaoMiranda, Você acabou de me convencer que o vosso blogue é um grupo de pessoas que pouco devem à inteligência. O LR acabou de mostrá-lo num post abaixo. O JCD já o tinha demonstrado cabalmente.

    Você sabe como é que funciona realmente a Banca?

    Gostar

  5. 27 Fevereiro, 2008 20:32

    “Já não há pachorra para estas parvoíces!”

    Ao fim de quatro comentários sou obrigado a concordar. De facto.

    Gostar

  6. 27 Fevereiro, 2008 20:39

    Como uma empresa tem – naturalmente! – por finalidade obter lucros, estará de parabéns se, de forma legítima, os obtiver.

    No entanto, o que actualmente se passa (em Portugal, mas não só) tem a ver com a natureza desse lucro.
    Enquanto Belmiro de Azevedo, p.ex., ganha os seus milhões mas cria riqueza e postos de trabalho para o país, outros, como (…), limitam-se a enriquecer sem que desse facto resulte nada de palpável para a sociedade – nem de avanço para a economia nacional.

    O que leva as pessoas a irritarem-se com os lucros astronómicos da banca tem a ver com isso, mas também com outra coisa: elas sentem que há qualquer coisa como um efeito perverso de vasos-comunicantes… Tudo agravado com a conversa-da-treta de que o país está mal e “todos” temos de fazer sacrifícios…

    Todos? «Pois…» – como dizia a prima do Solnado, “que gostava muito de dizer coisas”.
    .

    Gostar

  7. Ana Rita permalink
    27 Fevereiro, 2008 20:44

    …tantos comentadores inteligentíssimos que se esqueceram de ler o título.

    Gostar

  8. 27 Fevereiro, 2008 21:31

    O título do post é este:

    Você sabe como é que funciona realmente a Banca?

    Gostar

  9. balde-de-cal permalink
    27 Fevereiro, 2008 22:10

    Portugal moriens ou Portugal moribundo
    lema desta republiqueta dos ratos fedorentos
    “eles comem tudo” os vampiros

    Gostar

  10. Anónimo permalink
    27 Fevereiro, 2008 23:00

    Helder Diz:
    27 Fevereiro, 2008 às 8:32 pm
    “Já não há pachorra para estas parvoíces!”

    Ao fim de quatro comentários sou obrigado a concordar. De facto.
    Precisou de ler 4 comentários? Não leu o post?
    Diz o postador:

    Economia vista pela opinião pública portuguesa

    1. Mais vale uma empresa com prejuízo do que uma empresa com lucros astronómicos.
    A opinião pública portuguesa diz isto? Onde?

    2. Mais vale um gestor que gera prejuízos que um gestor com salários escandalosos.
    A opinião pública portuguesa diz isto? Onde?

    3. A melhor explicação para os preços nunca é a escassez, é sempre a existência de carteis.
    A opinião pública portuguesa diz isto? Onde?

    Como digo, não há pachorra para continuar.

    Mas fiquei a pensar que o autor da posta ou é a Tina ou o Ouriço.

    Gostar

  11. JoaoMiranda permalink*
    27 Fevereiro, 2008 23:16

    ««3. A melhor explicação para os preços nunca é a escassez, é sempre a existência de carteis.
    A opinião pública portuguesa diz isto? Onde?»»

    Veja este exemplo deixado nos comentários de um post anterior:

    Este vive noutro mundo.
    Ainda não percebeu que se um padeiro subir os preços em 100% os outros nunca subirão menos que 95%… até terem as vendas totalmente garantidas, momento em que também nivelarão o seu preço.

    Gostar

  12. Zenóbio permalink
    27 Fevereiro, 2008 23:20

    Vira o disco e toca o mesmo. Já não tem piada. É a caricatura da caricatura. João Miranda, mude de registo: já ninguém o escuta.

    Gostar

  13. 27 Fevereiro, 2008 23:57

    Parece-me mais ou menos assim…

    Adiciono mais uma: apesar da padaria que eu costumo ir ter subido mais os preços que a do lado, e o pão não ser assim nada de especial, vou manter os meus hábitos.

    Gostar

  14. lucklucky permalink
    28 Fevereiro, 2008 00:31

    “Há certos bens essenciais que deveriam ter preços “vigiados” para o governo poder intervir. Quem não gosta-se de preços vigiados, tinha um remédio. Não entrava nesses negócios. ”

    Chavez dixit. Por isso é que há escassez, mas claro nunca vai entrar na sua cabeça que se houvesse mais controle haveria menos padarias e que o controle que já existe é um entrave á formação de mais padarias.

    “No entanto, o que actualmente se passa (em Portugal, mas não só) tem a ver com a natureza desse lucro.
    Enquanto Belmiro de Azevedo, p.ex., ganha os seus milhões mas cria riqueza e postos de trabalho para o país, outros, como (…), limitam-se a enriquecer sem que desse facto resulte nada de palpável para a sociedade – nem de avanço para a economia nacional.”

    Não sei como raio aplica isso aos bancos(não têm trabalhadores?), não consomem produtos? O sistema multibanco nasceu do quê? todo o sistema bancário não compra milhões ás empresas tecnológicas? ás empresas de publicidade? Quantos empregos são? julga que 70% têm casa própria sem um sistema bancério com saúde? Quer um Banco com resultados negativos e as pessoas á porta a querem o seu dinheiro? mas a questão é: e então se fosse? Não cumprem a lei? chego á conclusão que será talvez preferível estar a receber subsídio de desemprego ou rendimento mínimo garantido.

    O elogio da mediocridade.

    Gostar

  15. Anónimo permalink
    28 Fevereiro, 2008 00:46

    lucklucky Diz:
    “Chavez dixit. Por isso é que há escassez, mas claro nunca vai entrar na sua cabeça que se houvesse mais controle haveria menos padarias e que o controle que já existe é um entrave á formação de mais padarias. ”

    Curiosamente, durante anos a gasolina e outros tiveram preço máximo tabelado. Podia-se vender mais barato, mas não mais caro que o regulado pelo estado. No entanto , nunca vi que houvesse postos a fechar, sem ser por leis de segurança. Desde que os preços foram totalmente liberalizados, e , sejamos justos, o preço do crude aumentou, o que não falta é postos a fecharem.
    Haver limites de preço, não é uma forma de concorrência desleal, nem provoca escassez. O pão, a gasolina, e outros, nunca tiveram problemas por os preços terem um tecto máximo.

    Penso que em meados do séc XVI, em Lisboa, houve um grande aumento do preço do pão, e houve uma revolta que levou um rei de então a tabelar ou algo similar, o preço, pois havia na realidade uma cartelização dos preços. E houve outros episódios semelhantes. Mas recordo, embora vagamente, esse, que levou mesmo à destruição de padarias. Mais ou menos tipo Brasil

    Gostar

  16. Anónimo permalink
    28 Fevereiro, 2008 01:00

    Está enganado, +1 Cobarde Anónimo,

    É mais assim:
    “apesar da padaria a que eu costumo ir ter subido mais uma vez os preços, todas as padarias vizinhas também o fizeram, pelo que não vale a pena mudar de padaria.

    Algumas até o fazem dissimuladamente, como os supermercados, que variam os tipos de pão, o nº de unidades por embalagem, etc.

    O facto é que não conheço nenhuma padaria mais barata que as outras.

    O +1 Cobarde Anónimo conhece alguma? Onde?

    Gostar

  17. Anónimo permalink
    28 Fevereiro, 2008 01:18

    “lucklucky Diz:
    Quer um Banco com resultados negativos e as pessoas à porta a querem o seu dinheiro? mas a questão é: e então se fosse? Não cumprem a lei?”

    Faça um esforço para compreender:
    Entre os “resultados negativos” e os “lucros escandalosos” talvez seja possível encontrar alguma coisinha no meio.
    Mas a questão não é o não cumprimento da lei, quando essa lei dá benefícios fiscais à Banca e espreme o Zé à beira da miséria. A questão é que há leis iníquas.

    Gostar

  18. JoaoMiranda permalink*
    28 Fevereiro, 2008 01:23

    ««Entre os “resultados negativos” e os “lucros escandalosos” talvez seja possível encontrar alguma coisinha no meio»»

    Sai já um decreto para definir que lucros é que os bancos podem ter.

    ««A questão é que há leis iníquas.»»

    Sai já uma lei a proibir leis iníquas.

    Gostar

  19. Anónimo permalink
    28 Fevereiro, 2008 01:42

    Curiosamente, o JMiranda anda por cá. Como ele não faltou à palavra sobre emprego, e é bom rapaz, vou-me meter com ele.
    ««3. A melhor explicação para os preços nunca é a escassez, é sempre a existência de carteis. A opinião pública portuguesa diz isto? Onde?»»

    Nos foruns sobre a Micro-sofr . E dizem bem pior, esteja descansado. 😉

    Gostar

  20. ... permalink
    28 Fevereiro, 2008 02:03

    Anda toda a gente a gastar o dinheiro que tem e o que não tem em créditos para casas, férias, home cinemas, etc. A quem é que fazem o crédito? Aos bancos. E depois queixam-se de ser espremidos? E queixam-se que os bancos tenham lucro? Não assinaram por baixo do sítio onde dizia os valores dos juros, spreads, riscos, indexações, etc? Mas os bancos só não têm lucros se existirem pessoas que lhes comprem os serviços??

    A responsabilidade e a coerência, se alguma vez existiram por estas bandas, foram substituídas há muito pela eterna cantiga do coitadinho que nunca na vida vai saber o que significa assumir responsabilidade pelos seus próprios actos. Definitivamente, esta gente só com ditadura é que lá vai. Pois quem não se sabe governar e desanca em quem se governa é só isso que merece: que o tomem como uma criança de 5 anos e o tratem assim a vida inteira, vai para ali, senta, faz cócó, chichi, lava os dentes, cama.

    Gostar

  21. lucklucky permalink
    28 Fevereiro, 2008 02:38

    “No entanto , nunca vi que houvesse postos a fechar, sem ser por leis de segurança. ”

    Não? Porque havia escassez de postos e havia cada vez mais carros?

    “Desde que os preços foram totalmente liberalizados, e , sejamos justos, o preço do crude aumentou, o que não falta é postos a fecharem.”

    Obrigado por me dar razão. Postos só fecham porque foram abertos. Talvez se falasse com o PS, PSD e CDS(PCP e BE são casos perdidos) para baixar os impostos petrolíferos+IVA que são 60-70% do preço talvez uma data de postos junto da fronteira não tivessem fechado. Se não houvesse tanto risco em fazer qualquer coisa em Portugal porque há sempre alguém a pedir a intervenção do Estado para este ou aquele interesse ou para subsídios por ex: o preço do pão talvez houvesse mais padarias.
    “Haver limites de preço, não é uma forma de concorrência desleal, nem provoca escassez. O pão, a gasolina, e outros, nunca tiveram problemas por os preços terem um tecto máximo.”

    Provoca obsolescência, menos investimentos e menos atracção para investimentos. Se eu posso ter mais lucro no negócio dos Enfeites de Carnaval porque raio é que vou investir no Pão?
    Já pensou porque raio é que a qualidade do pão tem vindo a cair? Porque é que há cada vez mais pão vindo de fornos eléctricos simples e massa rasca? Porque não vale apena fazer investimentos no Pão com qualidade.

    “O facto é que não conheço nenhuma padaria mais barata que as outras”

    Eu conheço. No meu caso são aquelas que não vendem só pão, o que já lhe deve dar uma ideia…

    Gostar

  22. 28 Fevereiro, 2008 07:17

    O que é um lucro escandaloso? Por exemplo, 25% sobre capitais próprios, é um lucro escandaloso?

    Gostar

  23. Sem Anestesia permalink
    28 Fevereiro, 2008 07:27

    Estes temas provocam um gajodalfamismo muito acentuado…

    JM, só faltou encaixar por ali uma associação a “azar” ou “infelicidade”.

    Gostar

  24. Mané permalink
    28 Fevereiro, 2008 07:53

    Usura não é crime… é pecado!

    Gostar

  25. Confrade permalink
    28 Fevereiro, 2008 09:50

    Claro que os cartéis controlam, explique lá porque o gasóleo tende a aproximar-se da gasolina. Até já ultrapassando o seu preço, como no caso de Inglaterra. Será que o processo de refinação encareceu?
    E porque é que um cheque custa 75 centimos? O papel está caro?

    Gostar

  26. 28 Fevereiro, 2008 10:47

    “O +1 Cobarde Anónimo conhece alguma? Onde?”

    Conheço, ou pelo menos semana passada ainda estava assim.
    E depois o que descreve acaba muitas vezes por acontecer pela mesma razão que escrevi acima, o preço relativamente mais baixo não se traduz em maior afluência, e por essa mesma razão as padarias concorrentes não vêm razão para tentar manter os preços mais baixos. Ou seja, a existência de uma “melhor” escolha, não é por si uma garantia de concorrência se os clientes não tomarem vantagem dela.

    Depois, o que me parece que JM esteve a fazer são generalizações. Não me parece que negue a existência de cartéis, por exemplo, apenas que existe uma tendência para acreditar que é sempre o caso.

    Gostar

  27. +1 Cobarde Anónimo permalink
    28 Fevereiro, 2008 10:49

    Só mais uma coisa, acima também não estou a falar em absoluto, que é sempre culpa dos clientes, mas apenas a descrever algo que acontece frequentemente.

    Gostar

  28. Luis Moreira permalink
    28 Fevereiro, 2008 13:03

    O que JM diz não tem ponta por onde se pegue!Ou antes pegam esses democratas exce1entíssimos do At1ântico!

    Todos queremos 1ucros, muitos 1ucros obtidos em 1ea1 e sã concorrência, sem batotas, sem negócios de favor,sem a asa protectora do Estado!

    JM tem piada mas só faz ma1 a quem acredita numa economia de mérito!

    Gostar

  29. 28 Fevereiro, 2008 13:11

    “Todos queremos 1ucros, muitos 1ucros obtidos em 1ea1 e sã concorrência, sem batotas, sem negócios de favor,sem a asa protectora do Estado!”

    Tem a certeza? A mim parece-me que o lucro é e será sempre um grande problema para as cabeças de muitos portugueses.

    Gostar

  30. Álvaro Almeida permalink
    28 Fevereiro, 2008 16:53

    Tanta ignorância num post de pseudo economia e nos comentários.

    Não sei quantos comentários pretendem explicar não sei o quê recorrendo ao mais conhecido bem que funciona como bem de Giffen.
    Falam com tanta propriedade que mais parecem o Sócrates e seus apaniguados a martelar coisas que lhes vêm à cabeça e que, desprovidas de quaisquer contexto, apesar de muito marteladas, continuam a ser simples baboseiras!

    Economia nada tem a ver com economicismo e muito menos com lucros e prejuízos de um qualquer sector particular da actividade económica. A Economia como ramo das ciências sociais (não é nenhuma ciência exacta) preocupa-se essencialmente com o nível geral do bem estar das populações o qual só se consegue perspectivando o futuro mas mantendo simultâneamente várias situações de equilíbrio de modo a não onerar negativamente o presente e o futuro das populações.

    Como em Portugal existem muitos políticos e poucos economistas na verdadeira acepção da palavra (neles não podemos incluir nem os empregados bancários nem os contabilistas doutores do tipo Cavaco/Rio) o presente e o futuro bem estar das populações, com todos os desiquilíbrios que tem sido sistemáticamente criados (ora agora é tudo pró betão, ora agora é prá formação, ora agora…), está já demasiadamente onerado e comprometido.

    O mais natural será o aparecimento da agitação social como, aliás e muito bem, alertou já a SEDES.

    Gostar

  31. buzina permalink
    11 Abril, 2008 14:27

    Err… o post não é irónico? Tanta gente a responder a sério!

    Gostar

  32. 15 Junho, 2008 23:36

    Quando era garoto, vi na televisão uma série que, em vários episódios, contava a história de Robin dos Bosques. Agora presentemente assisto à mesma historia ao vivo mas em Portugal, temos o irmão do Rei Artur (o socas) o sherife de Nothingan (o das finanças)…só lamento não termos um Robin dos Bosques…

    E lá dis a velha maxima… em casa onde não há pão, todos ralham e ninguem tem razão.

    Não se ralem, eu é que sou parvo… O SANTO.

    Gostar

  33. 15 Junho, 2008 23:56

    Isto esta mesmo um lindo escandalo, só neste pais ou seja nesta republica da casca da banana, agora vou eu pagar as contas dos caloteiros da EDP, que mais ladrões devemos acrescentar aos já existentes. Há anos muitos muitos anos eles não estavam cá pois, pois é que havia alguem que os não queria cá e assim pobrezinhos (menos do que somos agora), mas em paz e alegres, tinhamos escolas,hospitais, o pãp mais barato e o leite que era a comida dos pobres e que agora é comida para os ricos Bendita União Europeira e abençoado Euro. Nunca isto esteve tão bom!!!!!Eu, que não tenho culpa pois os não quiz cá, tenho que levar com estes senhores Engenheiros, doutores e economistas de meia tijela, antes quero a minha 4ª classe com diploma certificado, pois talvez conseguisse governar melhor e não perder a minha cidadania. Onde esta o meu Portugal?????

    Gostar

  34. 10 Outubro, 2008 00:09

    gostaria de dizer o seguinte: como todos temos vindo a ver nas televisões, todos os governantes de portugal e do estrangeiro, nomeadamente o sr “bush”, tem dito que esta crise se deve ao facto dos grandes gestores do mundo financeiro, sem regras, cobertos de ganancia… practicaram actos de gestão de puro banditismo…
    com isto tomem nota do seguinte: como é possivel chamarem-lhes bandidos e agora com acto desespero vem os governos com medo das falências fraudulentas, injectarem milhares de dolares e de euros a esses sr.s bandidos…
    meus senhores é esta a forma que arranjaram para ultrapassar a grande crise!…
    quem acredita que isto vai resultar??????
    a gravidade da situação: não bastavam uns quantos de denominados pobres, que recebem o famoso “rendimento minimo” fraudulamente como a dias o sr. paulo portas o dizia no parlamento..
    e agora temos os denominados milionários, considerada de gente bem sucedida… a receberem milhões e milhões de dinheiro, e como gente civilizada, de alto estatuto… vem a dizer todos os dias que é muito pouco os milhões que já receberam, que necessitam de mais…
    no fim vi o sr. socrates a dizer que nacionalizará os bancos portugueses para os evitar da falência…
    e o sr. socrates tomará a mesma medida para as centenas de familias na falência, vitimas desses sr.s gestores milionários “bandidos”…
    é esta a realidade… a bandidagem faz o que quer e bem entende… por isso a crise só pode agravar-se…

    Gostar

Trackbacks

  1. blogue atlântico » Blog Archive » Vox populi

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: