Saltar para o conteúdo

Empirismo ingénuo II

24 Setembro, 2008

No seu artigo do Público de hoje, Rui Tavares dá-nos mais um exemplo de empirismo ingénuo. Rui Tavares diz que há 2 ou 3 especialistas que previram a crise e conclui daqui que a crise era previsível. Claro que há aqui um pequeno problema. Rui Tavares está a identificar os especialistas com capacidade preditiva a posteriori. Util teria sido o Rui Tavares dizer-nos quais eram os especialistas com capacidade preditiva há 4 ou 5 anos. Há 4 ou 5 anos existiam milhares de especialistas, cada um com as suas previsões. Como a pool de especialistas é muito diversificada não é difícil encontrar a posteriori 2 ou 3 especialistas que acertaram. Mas isso não depende do que de facto aconteceu, nem da previsibilidade do que aconteceu, mas do facto de, de entre uma amostra de milhares de especialistas, existirem sempre 2 ou 3 a prever o que quer que seja.

Já agora, para podermos testar a capacidade de Rui Tavares para identificar especialistas com capacidade preditiva, Rui Tavares devia identificar os especialistas que neste momento estão a fazer previsões correctas sobre o que vai acontecer daqui a 2 anos. 

 

A propósito: Hindsight bias

139 comentários leave one →
  1. 24 Setembro, 2008 10:16

    Bem visto 🙂 É no que dá deixarem que analfabetos científicos escrevam em jornais sérios…

    Gostar

  2. 24 Setembro, 2008 10:28

    Há 4 ou 5 anos, um dos mais escutados a nível mundial, foi um Pinho, Manuel creio. Previu tudo.
    Não sei se é o que actualmente dirige a “pasta”. Talvez não, dado que nada prevê.

    Gostar

  3. António Parente permalink
    24 Setembro, 2008 10:29

    João Miranda

    Penso que pela primeira vez estou de acordo consigo. Espero que não se torne um hábito.

    Gostar

  4. 24 Setembro, 2008 10:32

    Eu, por intermédia pessoa, arrisco um prognóstico:

    Anda por aí grande alvoroço sobre a crise do capitalismo.
    A questão reside, actualmente, na aparente impossibilidade de alternativa
    Não reconhecendo os antagonismos dos intervenientes socioeconómicos e culturais, para que serve esta Esquerda? A crise fornece-nos a resposta: para nada.|
    Baptista-Bastos

    Vota PCP.

    Gostar

  5. Tiago permalink
    24 Setembro, 2008 10:40

    Bem visto.

    Costuma dizer-se que das últimas 3 crises, os economistas previram todas as 12.

    Gostar

  6. 24 Setembro, 2008 10:46

    JM,

    Ganha ao RT, por 100-0.

    Digamos que também não é difícil. O RT é do mais fraquinho que anda por aí.

    Mas, houve vários “money makers” que previram a crise, dou-lhe 3 exemplos:

    – Warren Buffett. Há vários anos que vem alertando para: a complexidade dos derivativos; a divídia externa americana: o déficit comercial americano.

    – Georg Soros.

    – Marc Faber.

    Três grandes investidores que alertam para um eventual crash bolsista, há pelo menos 2/3 anos.

    A única dúvida que persiste, é saber, até que ponto é que aqueles 3 Senhores estão a promover a crise, para ganharem com ela!

    PS Buffett e Soros são cidadãos Americanos que declararam o seu apoio a Obama. Faber é Suíço.

    Gostar

  7. 24 Setembro, 2008 10:48

    J,

    eu achei na altura e acho hoje que isso era, como alvitras, uma daquelas self-fulfilling prophecies que dão imenso jeito a médio prazo quando já (quase) ninguém se lembrar de onde partiram.

    Gostar

  8. Tiago permalink
    24 Setembro, 2008 10:50

    “Três grandes investidores que alertam para um eventual crash bolsista, há pelo menos 2/3 anos.”

    Grande coisa. Eu posso dizer o mesmo: está inevitavelmente correcto, de acordo com a teoria dos ciclos. É como dizer que um dia vai chover… Só não sei dizer é quando.

    Gostar

  9. Nuspirit permalink
    24 Setembro, 2008 10:51

    Na verdade não é muito difícil saber quais as previsões que devem ser abraçadas. Quando o que se joga coloca em causa milhões de seres humanos as melhores previsões são as prudentes. E estas só podem ser feitas por observadores externos sedeados no estado. É que quem está envolvido no jogo panzai se desistir de o jogar morre. As previsões desses estão sempre erradas.

    Gostar

  10. Nuspirit permalink
    24 Setembro, 2008 10:55

    Por exemplo: actualmente, as previsões do Rui Tavares estão certas; as do João Miranda estão erradas.

    Gostar

  11. pintoribeiro permalink
    24 Setembro, 2008 11:00

    Ainda se perde tempo com o RT? O do ” paternalismo libertário ” ? Eheheheheh…

    Gostar

  12. 24 Setembro, 2008 11:01

    impossível ser mais certeiro

    Gostar

  13. 24 Setembro, 2008 11:12

    Caros FMS e Tiago,

    Não concordo convosco. Buffett tem um “track record” impressionante. Buffett conseguiu bater durante mais de 20 anos, o crescimento do S&P.

    Por alguma razão há “legendas” como Peter Lynch, da Fidelity ou Bill Miller, ou Buffett. Vêem mais do que o comum dos mortais.

    Bill Miller, por exemplo, está com uma performance miserável.

    Evidentemente, que ter a informação não significa acertar. Agora, que ter informação e saber utilizá-la, não é para muitos.

    Não tenho dúvidas, que o S&P daqui por 5 anos, está pelos menos 50% acima do que está hoje. Ou seja, nos 1.800 a 2.000 pontos.

    Gostar

  14. caramelo permalink
    24 Setembro, 2008 11:22

    O J. diz que o RT é muuuuuito fraquinho. E depois diz que, conforme o RT diz, houve de facto três especialistas que previram a coisa… é claro que depois tempera a informação com a hipótese de terem sido estes tipos a criar a crise. Boa. ó J, és brilhante.

    Gostar

  15. goodfeeling permalink
    24 Setembro, 2008 11:29

    “Prognósticos, prognósticos, só no final do jogo”. O JVP é que a sabia toda.

    Gostar

  16. Anonimo permalink
    24 Setembro, 2008 11:38

    .
    “Previsões correctas sobre o que vai acontecer daqui a 2 anos”. Não é 2, são 5 que é bem diferente.
    .
    Entretanto,
    .

    Words of Denis Healey, former British Defence Secretary and Secretary of the Exchequer: “World events do not occur by accident: They are made to happen, whether it is to do with national issues or commerce; and most of them are staged and managed by those who hold the purse strings.”
    .
    e o ambiente:

    http://news.aol.com/article/house-gop-revolts-against-cheney/185902?icid=100214839x1209679396x1200575923

    Gostar

  17. José permalink
    24 Setembro, 2008 11:39

    Previsões, estatisticas e analistas das mais variadas materias, é tudo a mesma merda, espremido da a mesma coisa e o que já toda a gente sabe.

    Gostar

  18. 24 Setembro, 2008 11:41

    Oh Caramelo,

    Provavelmente, o RT nem sequer sabe a quem me refiro. O RT não sabe ler sequer o Financial Times.

    Digo e reafirmo que o RT é fraquinho em assuntos relacionados com Economia, porque já o ouvi na TV, a ….tentar falar sobre coisas que não sabe. E isto é sempre triste.

    Quanto a eu ser excelente. Não, claro que não sou. Você é que diz que eu sou brilhante.

    Gostar

  19. 24 Setembro, 2008 11:41

    Eu não li o RT mas v.s andam todos a jogar com palavras.

    É claro que matematicamente não era previsível. Se o fosse, os próprios bancos não tinham ido à falência.

    Mas era previsível em termos genéricos que mais cedo ou mais tarde haveria de rebentar crise. A partir do momento em que se produz dinheiro a partir do ar e a finança anda a ganhar ziliões, quando tudo o resto está em crise, é mais que óbvio que esse desfazamento vai ter de ser alterado, pela tal auto-regulação do sistema- que é a crise e as falências.

    Os erros são os modos em que o sistema funciona e esses só se têm mantido porque fazem milionários financeiros.

    Agora, mesmo esta crise, também já tinha sido prevista há cerca de 2 anos- internamente. E, se o não tivesse sido, não tinha havido fortunas a vender os títulos marados aos que não sabiam.

    Gostar

  20. 24 Setembro, 2008 11:42

    Eu trabalhei com um gajo (economista) que dizia que não valia a pena investir na prevenção de impactos com objectos extra-atmosféricos, como asteróides, “porque isto é tudo cíclico, não vai acontecer nenhuma dessas coisas brevemente, temos é que continuar a trabalhar, os dias são de resto todos iguais”.

    Creepy or what?

    Gostar

  21. john doe permalink
    24 Setembro, 2008 11:43

    marx já a tinha previsto antes de todos esses: “o capitalismo financeiro acabará com o capitalismo”

    Gostar

  22. 24 Setembro, 2008 11:45

    E ainda mais- mesmo sem serem os que sabiam dos títulos marados e os impingiram e até levaram parceiros à falência- dentro da finança esta crise já estava anunciada há perto de 2 anos.

    V.s falam agora porque andam a toque de caixa mediático, Não li por aqui postes a acompanharem-ne desde as primeiras grande falências e crahs bancários-

    Por acaso há blogues que o fizeram. Não importa com que ideologia, mas fizeram-no criticamente.

    Um deles é o bacano do António Maria (o Cerveira Pinto, a quem até achei piada por saber destas coisas) Lei-o há muito por isso. Porque ele até tinha informação que geralmente só têm os que estão nos grandes centros financeiros.

    Agora a leitura ideológica é outra coisa. Mas também não é com ideologias que a finança funciona.

    Gostar

  23. Luis Moreira permalink
    24 Setembro, 2008 11:46

    Prever antes é muito difícil.Por isso é que eu penso que regulação e bom senso que permitam algum controlo só ajuda a prever .Deixar tudo ao mercado é que não deixa hipótese nrnhuma de controlo.Como se está a ver.

    Gostar

  24. 24 Setembro, 2008 11:47

    FMS:

    esse gajo trabalhava na City ou em Wall Street?

    É que há gente e gente e saber e saber.

    Gostar

  25. 24 Setembro, 2008 11:48

    Essa história dos ciclos naturais e que era mais um e blá,blá, blá que até é bom e natural e o sistema funciona mesmo assim, é coisa para quem não pesca pevide do assunto.

    Ou então para quem está tão metido e com tanta fezada que nem quer colocar em causa a vaca sagrada.

    Gostar

  26. 24 Setembro, 2008 11:51

    Um dos erros base de quem não sabe até aparece na linguagem. Chamam questões de economia e atribuem etiquetas a dizer economia quando a finança já se autonomizou em relação a ela e nada tem a ver com produção de bens de consumo ou infra-estruturas que garantem a saude de um modo de produção.

    Esta linguagem marxista ainda é válida, até porque o marxismo é uma forma de capitalismo.

    Gostar

  27. 24 Setembro, 2008 11:51

    Nada disso, é ali de Entrecampos e dali não sai mais. Uma excelente pessoa mas com severas limitações que lhe cercearam a evolução. Outra tirada usual era “se a reunião é às 15, porque é que apontas para lá chegar um bocadinho antes? É tempo que estás a roubar à casa”.

    Gostar

  28. 24 Setembro, 2008 11:52

    JM: escrevi n’A Baixa do Porto:

    “Warren Buffett, em 2003, (e antes dele também outros) não se limitou a falar em “time bombs” e em “financial weapons of mass destruction”, explicou também tudo muito bem explicadinho, com exemplos. O texto teve grande divulgação na altura. Como foi possível que os especialistas tivessem deixado a situação chegar a este ponto? Onde estavam as autoridades e os reguladores? É que há inúmeras maneiras de ver que a coisa ia dar para o torto. Eu, olhando para a emissão pirata de moeda, analiso a realidade por um dos vários pontos de vista complementares que existem. Se até eu, que não sou da área, consigo entender o buraco em que o sistema se meteu, o que se passou com quem é profissional do ramo? Deixou andar? Ou pura e simplesmente não percebeu a realidade onde estava inserido? Sem que isto possa ser interpretado como defesa do fim do capitalismo, ou semelhante, convém lembrar que o facto de esta situação ter sido boa para algumas pessoas/empresas não significa que seja aceitável. Do mesmo modo que um assalto bem sucedido tem vantagens para os ladrões, o que se estava a passar na prática era em parte um roubo. Ou seja: nem tudo era mau, mas esta componente é de tentar evitar no futuro.”

    Vale a pena ler o texto dele, a partir da página 13. Só não percebeu quem não quis.

    Gostar

  29. caramelo permalink
    24 Setembro, 2008 11:53

    Ó J. mas é que eu acho que você é mesmo brilhante. Para já, sabe quem são o Buffet e o Soros, coisa que quase ninguém sabe, e muito menos o Rui Tavares, que praticamente não sabe ler e falar português, quanto mais inglês. E depois porque sabe que esses gajos que mais ninguém conhece, conspiraram para provocar a crise, coisa que nem o Congresso dos Estados Unidos sabe, por exemplo. Quem é brilhante, quem é? O J.
    É claro que o J. diz basicamente a mesma coisa que o RT disse (à parte a brilhante teoria da conspiração), mas isso é porque o RT acertou ao calhas numa coisa que o J. já anda a investigar desde a creche e que lhe vai em breve merecer o Prémio Nobel.

    Gostar

  30. 24 Setembro, 2008 11:55

    Outro bordão é a “regulação”. Quem está por dentro responde: eles que expliquem as coisas sem usar essa palavra a ver se são capazes.

    È incrível a facilidade com que os tugas se agarram às palavras e vivem delas sem saberem a que corrospondem.

    Sem sequer as conseguirem traduzir em exemplos concretos- é tudo “poesia”- a regulação serve para tudo- é um simulacro- uma imagem a vaguear pelo tempo e a servir para se fazer qualquer historieta.
    Cabe lá tudo e o seu contrário. Mas as pessoas gostam muito de palavras para botarem faladura e fazerem brilhantes debates acerca do que não sabem: ès pró ou contra regulação?
    esquerda/direita; socialismo/liberalismo.

    mesmo que parte tivesse algo de verdade, falta o que entra e que, em muitos casos, é puro estelionato.
    Esta do estelionato é para chatear e brincar

    “:O))

    Gostar

  31. Tolstoi permalink
    24 Setembro, 2008 11:57

    Nem que não faça muito mais o estado tem de regular e fiscalizar o mercado financeiro para bem dos cidadãos, é melhor assim do que colocar todos os contribuintes a pagarem os erros desses desenhadores de produtos financeiros estratosféricos. Também sobre o mercado de futuros há muito a dizer.

    Gostar

  32. 24 Setembro, 2008 12:04

    Outra coisa: não li o RT e nem tenho interesse em ler porque lê-lo a ele ou ao Rui Ramos, ou ao JPP ou até ao VPV a falarem de coisas que não percebem é pura perda de tempo.

    É a mania que são tão cultos, tão cultos que até podem passar pelos “anciãos da tribo”.

    Uns têm idade para a farsa, outros nem isso.

    Gostar

  33. simon permalink
    24 Setembro, 2008 12:06

    Oh, caso venha a acertar, se não foi desta, há muito disse Marx que alguma vez o capitalismo acabará a devorar-se a si mesmo. E se não é desta, ainda, será de outra? Não vá é iludir-se agora ou então que a tanta distância já não o predisse. E assim Cristo, quando lamenta os barrigudos de ricaços, ai, pobres dos ricos, que melhor lhes fora não serem nascidos; pois eu vos digo, é mais fácil fazer passar a um camelo pelo cu de uma agulha que entrar um rico nos reinos dos céus. E ora, embora à distância, também isto prediz o seu fim desgraçado a qualquer momento. E razão tem na sua dúvida o JM, se não era preciso vir RT lembrar-nos outros menores do que esses, certamente.

    Gostar

  34. 24 Setembro, 2008 12:07

    Tolstoi, há uma coisa chamada informação. Que difere de conhecimento… a epistemologia é uma cena lixada. Os cidadão contribuintes, vê lá, desgraçadinhos que vão à ganância sem ler as letrinhas pequenas.

    Gostar

  35. 24 Setembro, 2008 12:07

    Falta um “s”.

    Gostar

  36. José permalink
    24 Setembro, 2008 12:08

    Embora não comente, venho por aqui ler.

    Aprecio e subscrevo o que escreveu a zazie, comme d´habitude.

    Quanto ao outro “josé”, que usa linguagem mais especulativa, escatológica, informo que não sou eu.

    Josés há muitos, portanto.

    Gostar

  37. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 12:14

    Tiago Azevedo Fernandes,

    Está a cometer o erro que eu desmonto no post. Na pool de especialistas que existia em 2003, existiam previsões para todos os gostos. A posteriori, é óbvio que pelo menos um desses especialistas haveria de ter razão. Isso não demonstra que em 2003 havia uma razão especial para acreditar num especialista e não noutro.

    Gostar

  38. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 12:18

    Deixo aqui o desfecho de uma outra previsão do Warren Buffett:

    Buffett cuts forex loss after $1.2b hit

    O que é que um avaliador racional deve fazer quando Warren Buffett faz previsões? Acreditar sempre nele?

    Gostar

  39. Anónimo permalink
    24 Setembro, 2008 12:20

    Acrescento mais e de forma mais rude. Esse jogar com a capacidade preditiva à posteriori é a matéria prima dos burlões, do simples professor Karamba à pseudociência que prevê um terramoto ou o astrólogo que prevê a queda de um avião ou a morte de uma celebridade. É neste tipo jogo que se deve enquadrar o texto do RT.

    Gostar

  40. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 12:23

    Warren Buffet, que supostamente previu esta crise em 2003 não conseguiu ganhar dinheiro com essa previsão:

    Warren Buffett Loses Title of World’s Richest Billionaire

    Gostar

  41. 24 Setembro, 2008 12:24

    Sim, JM, desta vez estamos contigo 😉 Já percebemos…

    Gostar

  42. 24 Setembro, 2008 12:28

    “Isso não demonstra que em 2003 havia uma razão especial para acreditar num especialista e não noutro.”

    JM, eu não estou a falar de previsões, estou a falar de factos. Buffett explicou claramente por que é que “o sistema estava podre”. As explicações dele são perceptíveis por qualquer pessoa minimamente alfabetizada. As consequências dessa “podridão” podem ser diversas e aí sim entram as previsões. Em face dos factos e da realidade na altura, depois cada um escolheu o caminho que quis seguir. Uns arriscaram, outros não, outros se calhar preferiram não perceber…

    Gostar

  43. 24 Setembro, 2008 12:28

    “o Rui Tavares, que praticamente não sabe ler e falar português, quanto mais inglês. E depois porque sabe que esses gajos que mais ninguém conhece, conspiraram para provocar a crise, coisa que nem o Congresso dos Estados Unidos sabe, por exemplo”.

    1. Quando digo que o RT não sabe ler o Financial Times, não significa que não sabe ler Inglês. Entende?

    2. Você não sabe a influência que um Buffett tem nos mercados financeiros. A influência dele é maior do que a do próprio Presidente. Neste sentido, este tipo de pessoas que têm um hitórico relevante de antecipação do mercado, é MUITO ouvida nos mercados. O Congresso dos Estados Unidos ouvem regularmente pessoas como o Buffett, para se informarem!

    Gostar

  44. 24 Setembro, 2008 12:31

    “Warren Buffet, que supostamente previu esta crise em 2003 não conseguiu ganhar dinheiro com essa previsão:”

    JM,

    Buffett acumula um crescimento na Berkhire, desde a sua fundação, com excepção de 2 ou 3 anos!

    É evidente que Buffett não é “Deus”. Mas, que está numa das pontas da “normal”, não tenha dúvidas.

    Compare a evolução da Berkshire e a evolução do S&P 500. É o “algodão”….

    Gostar

  45. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 12:36

    ««JM, eu não estou a falar de previsões, estou a falar de factos. Buffett explicou claramente por que é que “o sistema estava podre”.»»

    Tiago,

    E outros explicaram outras coisas. Tal como existe a tese do Buffett, existiram centenas ou milhares de outras teses, nenhuma das quais poderia à época ser mais credível que a outra.

    ««As explicações dele são perceptíveis por qualquer pessoa minimamente alfabetizada.»»

    O mesmo se poderia dizer de centenas de outras explicações que circulavam à época.

    «« As consequências dessa “podridão” podem ser diversas e aí sim entram as previsões. Em face dos factos e da realidade na altura, depois cada um escolheu o caminho que quis seguir. Uns arriscaram, outros não, outros se calhar preferiram não perceber…»»

    Outros tinham outras teorias igualmente plausíveis. A crença de que é possível distrinçar a priori qual a melhor teoria de um conjunto elevado de teorias não faz sentido.

    Gostar

  46. 24 Setembro, 2008 12:36

    Quanto à “endeusada” regulação, alerto apenas para um facto, os Reguladores são pessoas. Todas as pessoas têm o seu preço!

    Muitos dos problemas que persistem não é por falta de regulação.

    Se vier à liça a Enron ou a Wordlcom, foram casos causados pelos Auditores/ Revisores, que preferiam a “relação comercial” à execução da ética profissional.

    Algumas Agências de rating endeusadas, e nas quais os Bancos centrais confiavam, colaboraram também na festa. A S&P, a Fitch e outras.

    Se as Auditoras, as Revisoras e as Ratings fizerem marosca e se no Banco Central existir um “Amigo”…..ou meus amigos, não há regulação que valhe!

    Veja-se o caso do BCP….e o assobiar da CMVM e do Vítor!!! Não é preciso ir aos EUA, basta ir à Rua do Ouro!

    Gostar

  47. caramelo permalink
    24 Setembro, 2008 12:39

    J. vamos lá a ser claros.

    O Rui Tavares disse que dois ou três especialistas previram a crise.

    Você disse exactamente a mesma coisa. Mas teve o cuidado de acrescentar que o RT é tão burro que nem deve saber quem são o Buffet e o Soros. Portanto, duvido mesmo que ele saiba falar inglês, não só o Finantial Times. Terá então acertado por muito acaso.

    Falta então esclarecer essa tal coisa de os tais especialistas terem provocado a crise. Eu acho que essa sua tese é uma coisa fantástica que merece ser bem explorada à exaustão. Não acha? Eu não falei na influência do Buffet na área financeira e no Congresso (o J. deve mesmo achar que todos os outros são estúpidos). Eu estava a falar dessa sua tese concreta de que esse e os outros provocaram a crise.

    Gostar

  48. 24 Setembro, 2008 12:39

    “Outros tinham outras teorias igualmente plausíveis. A crença de que é possível distrinçar a priori qual a melhor teoria de um conjunto elevado de teorias não faz sentido”.

    Ainda bem que pensa assim.

    Mas, olhe um coisa é acertar no totoloto. Outra coisa, é possuir informação, trabalhá-la e ter a visão que não há muitos que tenham.

    Se compara Buffett com milhares de oppinnion makers, compare também o retorno passado de Buffett e dos outros milhares…

    Gostar

  49. 24 Setembro, 2008 12:41

    “Eu estava a falar dessa sua tese concreta de que esse e os outros provocaram a crise”

    Só para finalizar: acha que os Soros, os Buffett e outros não sabem que podem influenciar os mercados em seu benefício?

    Ou está a brincar ou é ingénuo!

    Gostar

  50. 24 Setembro, 2008 12:42

    «Já agora, para podermos testar a capacidade de Rui Tavares para identificar especialistas com capacidade preditiva, Rui Tavares devia identificar os especialistas que neste momento estão a fazer previsões correctas sobre o que vai acontecer daqui a 2 anos.»

    Em qualquer caso, seguindo o seu raciocínio, tais previsões seriam sempre de ignorar, pois com tanto especialista e previsões para todos os gostos, é mais ou menos o mesmo que acertar na lotaria. Ou haverá, de facto, previsões e especialistas que importa, de facto, ouvir? E se sim, quais?

    Gostar

  51. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 12:42

    ««Se compara Buffett com milhares de oppinnion makers, compare também o retorno passado de Buffett e dos outros milhares…»»

    O retorno passado não garante acerto nas previsões para o futuro.

    Gostar

  52. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 12:43

    ««Ou haverá, de facto, previsões e especialistas que importa, de facto, ouvir? E se sim, quais?»»

    Se nós soubéssemos quais os especialistas que vão acertar ficaríamos ricos a apostar na bolsa.

    Gostar

  53. piscoiso permalink
    24 Setembro, 2008 12:52

    A minha tia Mikelina também tinha uma tese de Bufet e acabou no catering.

    Gostar

  54. Tolstoi permalink
    24 Setembro, 2008 12:52

    Nunca percebi porque se dá tanta importância a “opinadores” como R.T.
    È correcto o que está escrito no Post . existe um universo permanente de profetas da crise vindoura. A “esquerdalha” levanta estandartes, agora que descobriu algumas patologias (que de facto existem) nos mercados financeiros, pena é, que não levante estandartes contra comportamentos desrespeitadores das liberdades individuais e politicas económicas que não beneficiam de forma clara as populações, como as praticadas por alguns estadistas como por exemplo “el Comandante Chávez”. A crise social e política na Venezuela prevejo-a eu apontem aí (daqui a três anos podem apelidar-me de profeta da crise anunciada).

    Gostar

  55. 24 Setembro, 2008 12:53

    «Se nós soubéssemos quais os especialistas que vão acertar ficaríamos ricos a apostar na bolsa.»

    Quer então dizer que em matéria de mercados financeiros ouvir os “especialistas” ou o Prof. Karamba é mais ou menos o mesmo?

    Parece-me evidente, leigo que sou na matéria, que a incensada «ciência económica» não passa, na esmagadora maioria das suas premissas, de um conjunto de palpites mais ou menos fundamentados. O segredo está certamente em destrinçar quais os que fazem mais sentido. É que, na verdade, há ainda quem enriqueça a apostar na bolsa.

    Gostar

  56. 24 Setembro, 2008 12:57

    “O retorno passado não garante acerto nas previsões para o futuro”.

    Um coisa lhe garanto, JM, entre aquilo que Você diz e o que diz Buffett, não tenho dúvidas quem será a minha 1ª escolha!

    Mas, não lhe digo….

    Gostar

  57. 24 Setembro, 2008 12:58

    “A crise social e política na Venezuela prevejo-a eu apontem aí (daqui a três anos podem apelidar-me de profeta da crise anunciada)”.

    Posso juntar-me a si? Mas, o Grupo Lena e o Sá Couto parece que não acreditam em si ou em mim? Porque será?

    Gostar

  58. 24 Setembro, 2008 13:02

    …excepto que o JM está enganado. Eu não escrevi que a crise era “previsível”. Eu escrevi que, mais uma vez, há quem diga que “ninguém poderia prever” uma crise desta dimensão — como nos disseram que ninguém poderia prever que o Iraque ia dar para o torto, como o Bush disse que ninguem poderia prever que os diques de Nova Orleães não poderiam aguentar —. Acrescentei apenas: “poupem-nos”.

    É objectivamente errado que ninguém poderia prever o que aconteceu. Esta foi até das crises mais anunciadas das últimas décadas. Houve muita gente que a previu correctamente, acontece é que o poder político os ignorou. E não eram economistas marginais, longe disso, e também não eram poucos, longe disso.

    Gostar

  59. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 13:10

    Claro, Rui Tavares. Acabou de reafirmar o erro que eu critico no post. Para qualquer crise houve sempre alguém que a previu. Grande novidade. Imagine que até há gente a prever crises que nunca ocorreram. E também são sempre pessoas muito importantes.

    Gostar

  60. Tolstoi permalink
    24 Setembro, 2008 13:13

    J
    Existem destas coisas ……
    Mário Soares e Sócrates também não acreditam em nós pois não?
    Bem mas Mário Soares também acreditou que podia ser presidente da república e também acreditou que mesmo não ganhando as eleições seria o segundo candidato (em nº de votos)e também a creditou que o filho teria um futuro politico brilhante primeiro a reboque de J. Sampaio depois por si.
    No que Sócrates acreditou nem vou falar, mas estes negócios de Petróleo com a Venezuela são na minha modesta opinião para acompanhar.

    Gostar

  61. 24 Setembro, 2008 13:19

    Já agora, para que se saiba do que estamos a falar, deixo aqui uns excertos da crónica. Mas antes devo dizer uma coisa: hindight bias uma ova. Eu não leio compulsivamente literatura económica, e vejo que há gente a falar disto há anos: o Dean Baker, o Robert Kuttner — pelo menos há seis anos —, o Noriel Roubini, que tenho lido desde o início da crise em Agosto do ano passado, descreveu exactamente o que se ia passar. A Economist e o Financial Times falam disto há anos; no caso do Financial Times, o Martin Wolf, autor do How Globalization Works e tudo menos anti-capitalista diz simplesmente: Hyman Minsky estava certo (o falecido Hyman Minsky descreveu teoricamente este tipo de momentos). Desde que a crise começou, então, não era difícil ter achado qual era o pool de especialistas correctos — aqueles que falavam dela, a priori, e há mais tempo. Bastava ter-lhes dado ouvidos há cerca de um ano. Para começar pelos mais esperançados em que a crise não fosse grave, Paul Krugman disse logo que as descidas de juros do FED não eram suficientes. Brad deLong e James Kenneth Galbraith (o filho do Galbraith mais famoso) disseram imediatamente que a estratégia então seguida era a de tapar o dique com um dedo, mas que não deveria bastar.

    E já que há aí quem gosta de ler o Financial Times, basta pegar no exemplar de há dois dias e ler o Nouriel Roubini, que de facto foi quem mais acertou, descrever as várias fases do desmanchar do sistema bancário paralelo (que também não é um fenómeno da natureza: é qualquer coisa que só existe porque a legislação que o impedia foi abolida).

    http://www.ft.com/cms/s/0/622acc9e-87f1-11dd-b114-0000779fd18c.html

    Mas não é preciso ser um Roubini. Bastava não ter feito ouvidos moucos a uma série de gente. Alguns deles propondo mudanças no sistema de incentivos dos gestores: Martin Wolf, desde há cerca de um ano.

    Isso sobre o hindsight bias. E agora o que fazer daqui para a frente? A escolha é simples. dar ouvidos a esta gente que previu correctamente a crise. Ou dar ouvidos ao João Miranda.

    Excertos da crónica:

    “Vamos fazer um exercício. O cidadão informado poderia estar a par da bolha do imobiliário há, pelo menos, dois anos. Bastaria ler a imprensa. Uma capa já antiga da The Economist trazia a imagem de uma casa em queda; lá dentro, a única questão era saber se o embate iria ser mais suave ou mais brutal.

    Explorando um pouco mais, encontraria economistas como Dean Baker, que escreveu sobre isto há seis anos; Nouriel Roubini, que acertou em todas as etapas da crise; ou o já falecido Hyman Minsky, que descreveu teoricamente o que se está a passar.

    Então e os gestores dos grandes bancos de investimentos — os cinco maiores dos quais faliram, foram vendidos ou mudaram de ramo nos últimos dias — não sabiam o que se estava a passar?

    Não me cheira. Além de serem pagos a peso de ouro, trata-se de gente inteligentíssima. A questão é que não tinham incentivo para agir de outra forma; ou, conversamente, não havia punições adequadas para deixar de agir assim. Não — é pior ainda: tinham incentivos para agir como agiram.”

    […]

    “O mesmo Nouriel Roubini que passámos a ter de escutar com atenção nesta crise escreve no Financial Times que os bancos europeus estão em risco por terem comprado muitos dos “produtos tóxicos” financeiros que estiveram na origem disto tudo. Os economistas Daniel Gros e Stefano Micossi avisam que se os bancos americanos eram demasiado grandes para os deixarmos falhar, os bancos europeus são demasiado grandes para os conseguirmos salvar país a país.”

    Gostar

  62. 24 Setembro, 2008 13:21

    “Claro, Rui Tavares. Acabou de reafirmar o erro que eu critico no post. Para qualquer crise houve sempre alguém que a previu. Grande novidade. Imagine que até há gente a prever crises que nunca ocorreram. E também são sempre pessoas muito importantes.”

    Você é que está errado, JM. Estes gajos não previram uma crise que não aconteceu. Previram uma que aconteceu. A partir deste momento podemos ligar-lhes a eles ou a si.

    Gostar

  63. 24 Setembro, 2008 13:22

    «E não eram economistas marginais, longe disso, e também não eram poucos, longe disso»

    Pois, esta crise é uma crise de economia. Economia e finança são a mesma coisa porque é tudo capitalismo.

    É assim. Nem vale a pena. Se me pagassem também fazia artigos nos jornais acerca das bolhas. E com informação bué de fixe, porque até conheço maralhal lá dentro

    “:O))))

    Está tudo maluco. Foi a bolha que subiu à cabeça. Serve para tudo, quando não se aplica à finança pode-se usar para limpar sapatos.

    Gostar

  64. Jason Statham permalink
    24 Setembro, 2008 13:23

    Grande post! Goleada ao Tavares.

    Como se desmonta uma ideia em tão poucas linhas. Bravo, JM!

    Gostar

  65. 24 Setembro, 2008 13:24

    O meu problema era desencantar um partido ou uma ideologia a quem servisse a puta da bolha.

    Isso é que era lixado. Falar de bolhas é fácil, agora usá-las em prol de agit prop é preciso usar trela.

    Gostar

  66. Anónimo permalink
    24 Setembro, 2008 13:32

    FAGIN’S RULE ON PAST PREDICTIONS: Hindsight is an exact science

    Gostar

  67. 24 Setembro, 2008 13:34

    O Timshel também fez previsões. Basta abrir o blogue dele que também citou o Soros a falar da necessidade da regulação.

    É pena ter os comentários fechados poruqe eu, na altura, pedi-lhe para me traduzir por ,miúdos o que é que o Soros queria dizer com isso e nickles.

    Mas ele também defendeu a bolsa para os pobrezinhos, a daquele gajo Nobel. E, na altura, ainda não lhes chamavam ninjas porque não se tinham lembrado que bolsa a petróleo é sonho de muitos.

    Eu deixei em resposta uma série de BD do Reiser. Ainda por lá está.

    Até porque esta treta dos pobrezinhos rende sempre para os 2 lados. Só que o problema é que nem são os pobrezinhos que pedem para lhes venderem paraísos e depois se metam em guerras e ainda os façam mais pobrezinhos para pagarem os paraísos vendidos nos entretantos.

    O problema é outro e chama-se mesmo estelionato. Os modos como ele é feito são técnicos. Não há palavra regulação ou não regulação que os explique.

    Daí aquelas perguntas lixadas do anti-comuna_ e o nacked short selling é regulado ou não? e shortar acções inexistentes, é especular para a saúde da economia ou é outra coisa?

    Gostar

  68. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 13:35

    Já agora, no comentário acima Rui Tavares decidiu transformar a questão da previsibilidade das acções humanas noutra que não tem interesse nenhum. Saber que existiram pessoas que fizeram previsões acertadas não tem qualquer relevância para a discussão das acções dos agentes a posteriori. O que interessa saber para avaliar a acção é se a crise era previsível e se os factos concretos da crise eram previsíveis. O facto de existirem pessoas que, vagamente, previram a crise não prova previsibilidade da crise e muito menos de aspectos concretos dessa crise. Rui Tavares no seu artigo vai buscar 2 ou 3 previsões para tentar provar que os gestores dos bancos de investimento agiram contra os interesses os bancos que geriam. E depois faz umas alusões ao Iraque ao Katrina para tentar menorizar o argumento de que determinados problemas não eram previsíveis. Para o fazer parece querer transformar o argumento forte “os eventos não eram previsíveis” no argumento fraco “ninguém previu” (o segundo argumento é fraco porque há sempre alguém que prevê alguma coisa). Acho que o Rui Tavares se devia ter preocupado com a versão forte do argumento. Devia ter demonstrado que tudo isto era previsível. Só assim conseguiria provar que os gestores dos bancos de investimento andaram a enganar os accionistas. Mas ser-lhe-ia difícil explicar porque é que não alertou os seus leitores de que vinha aí uma crise destas proporções, de preferência com indicações dos nomes dos bancos que iriam falir.

    Gostar

  69. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 13:41

    ««Você é que está errado, JM. Estes gajos não previram uma crise que não aconteceu. Previram uma que aconteceu. A partir deste momento podemos ligar-lhes a eles ou a si.»»

    O Rui Tavares insiste no erro. Não há nada a fazer. Rui Tavares, a lei dos grandes número torna inevitável que, para qualquer evento, existam sempre pessoas que o previram. Há até quem preveja que o acelerador de partículas do CERN vai destruir o universo.

    Gostar

  70. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 13:48

    Rui Tavares não tem aqui apenas um problema de Hindsight bias. O Hindsight bias apenas explica que dê relevância a posteriori a previsões vagas. Rui Tavares tem sobretudo um problema de selecção de amostra. Se se seleccionar da população apenas aqueles que fizeram as previsões certas, conclui-se só se poderia prever o que de facto aconteceu. O problema é que para cada economista que previu a crise existem vários que não estão na amostra do Rui Tavares e que previram uma aterragem suave.

    Gostar

  71. 24 Setembro, 2008 13:49

    “Saber que existiram pessoas que fizeram previsões acertadas não tem qualquer relevância para a discussão das acções dos agentes a posteriori.” [JM]

    Sim, sim, pois, pois. Saber que houve gente que acertou não tem relevância para a discussão dos agentes a posteriori — se quisermos dar cabo do mundo. Você é um decisor; está perante uma crise. Existe um gajo que disse que ela ia acontecer. Disse mais: como ia acontecer. Disse mais ainda: como poderia ter sido evitada. E disse tudo isto antes de ela acontecer. E isto não tem qualquer relevância para as decisões que você tem de tomar sobre a crise. É indiferente ouvi-lo a ele ou antes a um gajo que não previu a crise, disse que ela não poderia acontecer como aconteceu, e recusou sempre corrigir os mecanismos que a poderiam ter evitado.

    Excelente, JM. Você é um decisor em que as pessoas podem confiar.

    A minha resposta está aqui: http://ruitavares.net/textos/fantasismo-ingenuo/

    Gostar

  72. 24 Setembro, 2008 13:49

    “Outros tinham outras teorias igualmente plausíveis. A crença de que é possível distrinçar a priori qual a melhor teoria de um conjunto elevado de teorias não faz sentido.”

    JM, vamos ser razoáveis (mais uma vez sublinho que não me refiro às previsões mas à análise dos factos): aquilo que Buffett escreveu quanto às características dos produtos em causa é indesmentível. Não se trata de uma “tese”, trata-se de explicar o que está em causa e que, neste aspecto específico, ninguém contestou. O que alguns contestaram (ou pura e simplesmente não ligaram) foram as previsões dele quanto às consequências da situação que ele relatava. Agora, digo eu: só um irresponsável ou menos dotado intelectualmente contestaria as previsões (agora sim, previsões) de Buffett.

    Gostar

  73. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 13:52

    «« Agora, digo eu: só um irresponsável ou menos dotado intelectualmente contestaria as previsões (agora sim, previsões) de Buffett.»»

    Tiago,

    Nesse caso porque é que o Tiago não aproveitou o erro de quase toda a gente para enriquecer com a informação gaciosamente cedida pelo Buffett? Bastar-lhe-ia ter apostado contra quem apostasse em derivados.

    Gostar

  74. Anónimo permalink
    24 Setembro, 2008 13:52

    Rui Tavares,

    Por essa ordem de ideias a Astrologia também merece ser levada a sério; há milhares de astrólogos em todo o mundo, alguns dos quais fazem algumas previsões certas. O que
    interessa saber aqui é se há alguma teoria económica que preveja este tipo de situações de uma forma suficientemente concreta para poder evitá-las, e com uma percentagem
    suficientemente baixa de falsos positivos para ser vantajoso aplicá-la.

    Gostar

  75. Tolstoi permalink
    24 Setembro, 2008 13:53

    E não vai ? o acelerador de partículas até já partiu , e libertou algumas que caíram na cabeça do R.T.

    Gostar

  76. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 13:54

    Rui tavares,

    não percebeu o que eu escrevi no #68.

    Gostar

  77. 24 Setembro, 2008 13:55

    “porque é que o Tiago não aproveitou o erro de quase toda a gente”

    1) Porque não seguia o assunto na altura
    2) Principalmente, porque não tinha (e infelizmente continuo a não ter) capital para investir nem quem me empreste para arriscar…

    Gostar

  78. 24 Setembro, 2008 13:56

    Creio que eh inutil, JM. Ha um claro defice de ”numeracia” do lado do seu interlocutor.

    Gostar

  79. 24 Setembro, 2008 13:56

    “Por essa ordem de ideias a Astrologia também merece ser levada a sério; há milhares de astrólogos em todo o mundo, alguns dos quais fazem algumas previsões certas”

    Agora estamos a disparatar. Estes tipos todos não disseram apenas: vai haver uma crise. Isso seria “astrologia”. Disseram: vai começar desta maneira, vai alastrar daquela, e vai criar problemas porque a legislação x é inadequada, a legislação y que vinha da Grande Depressão foi abolida e com ela desapareceram as protecções que tínhamos, e porque a estrutura de incentivos é perigosa. Estes gajos eram os que eu citei acima, escreviam no FT, na Economist, no NYT. Astrologia é não os levar a sério.

    Gostar

  80. Jason Statham permalink
    24 Setembro, 2008 14:03

    “2) Principalmente, porque não tinha (e infelizmente continuo a não ter) capital para investir nem quem me empreste para arriscar…”

    Caso análogo ao do Buffett. Faz sentido.

    Gostar

  81. 24 Setembro, 2008 14:08

    Percebi o seu comentário 68. Como percebi os outros, mas o 68 é um desvio ao assunto.

    “Acho que o Rui Tavares se devia ter preocupado com a versão forte do argumento. Devia ter demonstrado que tudo isto era previsível. Só assim conseguiria provar que os gestores dos bancos de investimento andaram a enganar os accionistas. Mas ser-lhe-ia difícil explicar porque é que não alertou os seus leitores de que vinha aí uma crise destas proporções, de preferência com indicações dos nomes dos bancos que iriam falir.”

    Não falei de gestores andarem a enganar accionistas. Não sei se houve fraude, isso é o que o FBI anda a investigar agora, mas não tem nada a ver com o meu argumento. Eu não preciso de prever que bancos é que vão falhar, nem qual é a cor da gravata dos accionistas. Isso é uma fasquia disparatada. Mas sim, fui passando informação aos meus leitores sobre quem previa que a estrutura de incentivos era opaca e perigosa, citei o Martin Wolf há vários meses alertando para o colapso dos mercados e sugerindo medidas correctivas de princípio (e não apenas apenas remendos). E agora, que estamos no meio da crise, continuo a passar os nomes dos autores que acertaram e que têm propostas de reforma do sistema mais adequadas ao problema (porque os mecanismos que falharam são os que eles previram e queriam corrigir).

    Posso dizer, sem sombra de dúvidas, que os meus leitores estavam mais prevenidos do que os seus.

    Gostar

  82. Anónimo permalink
    24 Setembro, 2008 14:08

    Rui Tavares,

    A referência à Astrologia era resposta ao comentário 58, não tinha lido os outros.

    Mas em relação ao resto, essas explicações de quem previu a crise com factos concretos não os tornam uma autoridade, a não ser que o tenham feito de forma
    consistente em outras situações.

    Gostar

  83. Santa Paciência permalink
    24 Setembro, 2008 14:11

    “só um irresponsável ou menos dotado intelectualmente contestaria as previsões (agora sim, previsões) de Buffett.”

    mas porquê? o Buffett é imune ao erro, qual deus nosso senhor? Será que também faz previsões para o euromilhões?

    Gostar

  84. Santa Paciência permalink
    24 Setembro, 2008 14:16

    Rui Tavares,

    desde a criação do mundo que há gente que diz que o mundo vai acabar. alguns até têm descrições do modo como isso vai acontecer.

    o mais certo é mesmo que o mundo acabe, porque nada é eterno e o mundo também não.

    nesse momento vai aparecer alguém (imaginando que alguém sobreviverá ao fim do mundo) a dizer que a coisa já estava prevista.

    enfim… é tão fácil que até dói.

    Gostar

  85. 24 Setembro, 2008 14:23

    “o Buffett é imune ao erro”

    Mais uma vez: eu não digo que o Buffett é infalível, só digo que com os factos que ele apresentou e que ninguém contestou, só um irresponsável não faria uma previsão igual. Isso é que torna quase inacreditável o ponto a que se chegou.

    Gostar

  86. 24 Setembro, 2008 14:27

    É como se se tivesse ido fazer fogo de artifício num paiol, porque nem toda a gente tinha a mesma opinião sobre o perigo de explosão!

    Gostar

  87. 24 Setembro, 2008 14:29

    Haver tipos mais espertos do que o JM, segundo este, é impossível…

    ahhhhh !

    Já agora, para os comentadores optimistas e superficiais:
    1. O crecimento dos mercados de acções nos últimos 30 anos acompanhou o aumento da massa monetária…
    2. Indices sobre acções estatisticamente sobem no longo prazo. Não esquecer qu destes índicies são retirados entretanto os títulos que vão à falência… Isto é, se os índices fossem como fundos fechados, provavelemente não subiriam no longo prazo…
    3. O capitalismo já dura há séculos. Já houve outras bolhas, crash, potencias dominantes e praças financeiras preponderantes. Anderiomentes à hegemonia do USD/EUA/Nova Iorque, já houve precedentes. Os optimistas tipo «porreiro pá» devem então aproveitar e comprar agora. Caso contrário são uns meros fala barato.

    Gostar

  88. 24 Setembro, 2008 14:29

    Mas, ao mesmo tempo, ninguém contestava que se estava de facto num paiol.

    Gostar

  89. Anónimo permalink
    24 Setembro, 2008 14:29

    Nada é eterno? ou nada é eterno numa dada forma? ou a matéria de que é feita o mundo vai desaparecer no nada?

    Gostar

  90. caramelo permalink
    24 Setembro, 2008 14:31

    Só para finalizar: acha que os Soros, os Buffett e outros não sabem que podem influenciar os mercados em seu benefício?

    Ou está a brincar ou é ingénuo!”

    Eu acho que o J. é que está a brincar. Se eles não sabem, o quê? Eu sei que eles sabem muito. Eu só lhe pedia para explicar essa sua tese de que o Soros e o Buffet terão provocado a crise por serem apoiantes do Soros. Ó homem, você não vê que isso é uma cacha importante? Explique lá a sua tese, pá.

    Gostar

  91. 24 Setembro, 2008 14:32

    “se os índices fossem como fundos fechados, provavelemente não subiriam no longo prazo…”

    A menos que o crescimento fosse nulo ou negativo, tinham mesmo que subir. Isso tem a ver com a “emissão boa de moeda”, sobre a qual escrevo aqui.

    Gostar

  92. Santa Paciência permalink
    24 Setembro, 2008 14:33

    “a matéria de que é feita o mundo vai desaparecer no nada?”

    se ela veio do nada, é bem provável que lá volte.

    mas espere mais uma ano até o acelerador de partículas estar a funcionar. pode ser que aí acabem com as suas dúvidas.

    eu, ao contrário da maya, do paulo cardoso e do rui tavares, sou muito mau a fazer previsões.

    Gostar

  93. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 14:37

    ««Mais uma vez: eu não digo que o Buffett é infalível, só digo que com os factos que ele apresentou e que ninguém contestou, só um irresponsável não faria uma previsão igual.»»

    Se fosse assim tão simples nem sequer existiriam mercados financeiros. Toda a gente valorizaria a informação da mesma forma e não haveria razões para fazer transações. O Tiago está a cair no erro de pensar que a única informação disponível aos agentes de mercado era a análise do Buffett. Não era.

    Gostar

  94. 24 Setembro, 2008 14:44

    JM: cada caso é um caso, especialmente nos mercados financeiros. Eu não generalizo. Mas este (na minha modesta opinião) é de uma tal evidência!…

    Gostar

  95. 24 Setembro, 2008 14:45

    “Eu só lhe pedia para explicar essa sua tese de que o Soros e o Buffet terão provocado a crise por serem apoiantes do Soros. Ó homem, você não vê que isso é uma cacha importante?”

    Leu mal. Vá lá ler, outra vez.

    Gostar

  96. 24 Setembro, 2008 14:47

    Por me parecer tão evidente é que estou a chamar nomes feios a quem deixou a situação chegar a este ponto. Mas toda a gente é livre de discordar de mim (e de Buffett) 🙂

    Gostar

  97. 24 Setembro, 2008 14:48

    E recusou mecanismos que a podiam ter evitado.

    Só esta frase é um programa à escala mundial.

    Querem começar a desbobinar e a explicar ao povo em que consistiam esses mecanismos recusados e que podem evitar crises financeiras?

    Isso sim, é pertinente.

    Aqui na blogo só me recordo do CN que, de facto, tem uma teoria implica alterar todo o sistema.

    Mas é uma teoria que ele sabe explicar detalhadamente, sem se apoiar em bordões e que nunca disse que serviria para evitar esta crise. Assim como um remédio com o mesmo sistema.

    Por isso fiquei curiosa e gostava de conhecer essas tais medidas que podiam ter sido feitas (nem sei por quem, mas o teórico há-de saber) e como, e em que consistiam e onde iam ser aplicadas (geograficamente).

    Gostar

  98. 24 Setembro, 2008 14:49

    Quais eram as medidas?

    hummm…?

    Quem seriam os génios detentores de tais medidas salvíficas que não as usaram?

    Palavra que desta vez o RT merece o Nobel se as explicar.

    Gostar

  99. 24 Setembro, 2008 14:50

    “o Bush disse que ninguem poderia prever que os diques de Nova Orleães não poderiam aguentar”

    dixit Rui Tavares.
    ————————————

    Será que os “Castro Brothers” não previam os furacões Ike e Gustav, que habitualmente passam pelas Caraíbas em Setembro/Novembro?

    Estados Unidos ofreció a Cuba otros 6,3 millones de dólares en ayuda luego de dos devastadores huracanes, dijeron el lunes funcionarios estadounidenses, pese a que ofertas similares fueron rechazadas en las últimas semanas.

    El huracán Ike devastó Cuba este mes, poco después de que Gustav, otro potente ciclón, causara serios daños en la isla. Ambos dejaron una cuenta de 5.000 millones de dólares, afectando a medio millón de viviendas

    http://lta.reuters.com/article/domesticNews/idLTASIE48M07Z20080923

    Gostar

  100. 24 Setembro, 2008 14:50

    Zazie, há uma medida simples que evitava muitas chatices: impor critérios contabilísticos mais “conservadores”, prudentes, que não aceitassem que se contabilizasse como mais-valisa todas as ficções que agora são permitidas.

    Gostar

  101. 24 Setembro, 2008 14:54

    Aliás, acho que a raiz do problema está mesmo aí: critérios contabilísticos permissivos e irracionais. (Além de pouco auditados na prática, porque com os critérios actuais se tornou impossível seguir o rasto ao dinheiro e aos riscos.)

    Gostar

  102. Tolstoi permalink
    24 Setembro, 2008 14:55

    José Socrates não lê o Rui Tavares senão nunca teria feito o orçamento com as previsões de crescimento para o país com aquele valor.
    Já agora Sr. Rui Tavares diga lá ao primeiro ministro o que os seus gurus dizem que vai acontecer na próxima fase; para o Governo construir o orçamento para o próximo ano com números ajustados de crescimento económico.

    Gostar

  103. 24 Setembro, 2008 14:55

    JM

    A melhor prova de que a “opinião” e actuação de Warren Buffett vale um pouquinho mais do que a sua:

    Bolsas norte-americanas em alta com investimento de Buffett no Goldman Sachs
    14:36 As bolsas norte-americanas iniciaram a sessão em alta impulsionadas pelo investimento de cinco mil milhões de dólares de Warren Buffett no banco Goldman Sachs. O Dow Jones ganhava 0,14% e o Nasdaq valorizava 0,66%.

    http://www.jornaldenegocios.pt/

    Gostar

  104. Anónimo permalink
    24 Setembro, 2008 14:55

    Divirtam-se:

    * “I think there is a world market for maybe five computers.” — Thomas Watson, chairman of IBM, 1943.

    * “Where a calculator on the ENIAC is equipped with 18,000 vacuum tubes and weighs 30 tons, computers in the future may have only 1,000 vacuum tubes and weigh only 1.5 tons.” — Popular Mechanics, 1949

    * “I have traveled the length and breadth of this country and talked with the best people, and I can assure you that data processing is a fad that won’t last out the year.” — The editor in charge of business books for Prentice Hall, 1957.

    * “But what…is it good for?” — Engineer at the Advanced Computing Systems Division of IBM, 1968, commenting on the microchip.

    * “There is no reason anyone would want a computer in their home.” — Ken Olson, president, chairman and founder of Digital Equipment Corp., 1977.

    * “640K ought to be enough for anybody.” — Attributed to Bill Gates, 1981, but believed to be an urban legend.

    * “This ‘telephone’ has too many shortcomings to be seriously considered as a means of communication. The device is inherently of no value to us.” — Western Union internal memo, 1876.

    * “The Americans have need of the telephone, but we do not. We have plenty of messenger boys.” — Sir William Preece, chief engineer of the British Post Office, 1876.

    * “The wireless music box has no imaginable commercial value. Who would pay for a message sent to nobody in particular?” — David Sarnoff’s associates in response to his urgings for investment in the radio in the 1920s.

    * “While theoretically and technically television may be feasible, commercially and financially it is an impossibility.” — Lee DeForest, inventor.

    * “The concept is interesting and well-formed, but in order to earn better than a ‘C’, the idea must be feasible.” — A Yale University management professor in response to Fred Smith’s paper proposing reliable overnight delivery service. (Smith went on to found Federal Express Corp.)

    * “Who the hell wants to hear actors talk?” — H. M. Warner, Warner Brothers, 1927.

    * “I’m just glad it’ll be Clark Gable who’s falling on his face and not Gary Cooper.” — Gary Cooper on his decision not to take the leading role in “Gone With the Wind.”

    * “A cookie store is a bad idea. Besides, the market research reports say America likes crispy cookies, not soft and chewy cookies like you make.” — Response to Debbi Fields’ idea of starting Mrs. Fields’ Cookies.

    * “We don’t like their sound, and guitar music is on the way out.” — Decca Recording Co. rejecting the Beatles, 1962.

    * “Radio has no future. Heavier-than-air flying machines are impossible. X-rays will prove to be a hoax.” — William Thomson, Lord Kelvin, British scientist, 1899.

    * “So we went to Atari and said, ‘Hey, we’ve got this amazing thing, even built with some of your parts, and what do you think about funding us? Or we’ll give it to you. We just want to do it. Pay our salary, we’ll come work for you.’ And they said, ‘No.’ So then we went to Hewlett-Packard, and they said, ‘Hey, we don’t need you. You haven’t got through college yet.'” — Apple Computer Inc. founder Steve Jobs on attempts to get Atari and HP interested in his and Steve Wozniak’s personal computer.

    * “If I had thought about it, I wouldn’t have done the experiment. The literature was full of examples that said you can’t do this.” — Spencer Silver on the work that led to the unique adhesives for 3-M “Post-It” Notepads.

    * “It will be years — not in my time — before a woman will become Prime Minister.” — Margaret Thatcher, 1974.

    * “I see no good reasons why the views given in this volume should shock the religious sensibilities of anyone.” — Charles Darwin, The Origin Of Species, 1869.

    * “With over 50 foreign cars already on sale here, the Japanese auto industry isn’t likely to carve out a big slice of the U.S. market.” — Business Week, August 2, 1968.

    * “That Professor Goddard with his ‘chair’ in Clark College and the countenancing of the Smithsonian Institution does not know the relation of action to reaction, and of the need to have something better than a vacuum against which to react–to say that would be absurd. Of course, he only seems to lack the knowledge ladled out daily in high schools.” — 1921 New York Times editorial about Robert Goddard’s revolutionary rocket work. The remark was retracted in the July 17, 1969 issue.

    * “You want to have consistent and uniform muscle development across all of your muscles? It can’t be done. It’s just a fact of life. You just have to accept inconsistent muscle development as an unalterable condition of weight training.” — Response to Arthur Jones, who solved the “unsolvable” problem by inventing Nautilus.

    * “Ours has been the first, and doubtless to be the last, to visit this profitless locality.” — Lt. Joseph Ives, after visiting the Grand Canyon in 1861.

    * “Drill for oil? You mean drill into the ground to try and find oil? You’re crazy.” — Workers whom Edwin L. Drake tried to enlist to his project to drill for oil in 1859.

    * “Stocks have reached what looks like a permanently high plateau.” — Irving Fisher, Professor of Economics, Yale University, 1929.

    * “There is not the slightest indication that nuclear energy will ever be obtainable. It would mean that the atom would have to be shattered at will.” — Albert Einstein, 1932.

    * “The bomb will never go off. I speak as an expert in explosives.” — Admiral William Leahy, U.S. Atomic Bomb Project.

    * “Airplanes are interesting toys but of no military value.” — Marechal Ferdinand Foch, Professor of Strategy, Ecole Superieure de Guerre.

    * “There will never be a bigger plane built.” — A Boeing engineer, after the first flight of the 247, a twin engine plane that holds ten people.

    * “Everything that can be invented has been invented.” — Attributed to Charles H. Duell, Commissioner, U.S. Office of Patents, 1899, but known to be an urban legend.

    * “Louis Pasteur’s theory of germs is ridiculous fiction.” — Pierre Pachet, Professor of Physiology at Toulouse, 1872.

    * “The abdomen, the chest, and the brain will forever be shut from the intrusion of the wise and humane surgeon.” — Sir John Eric Ericksen, British surgeon, appointed Surgeon-Extraordinary to Queen Victoria 1873.

    Gostar

  105. 24 Setembro, 2008 14:57

    “pouco auditados na prática”

    Relembro o caso da Enron/ Arthur Anderson, onde esta preferiu ganhar 50 milhões de dólares por ano, do que fazer o seu trabalho de Auditora.

    Teve azar, a Enron…..estourou e a Arthur Andersen também!

    Isto não é pouca auditoria. Isto é, VIGARICE.

    Gostar

  106. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 14:57

    ««Bolsas norte-americanas em alta com investimento de Buffett no Goldman Sachs
    14:36 As bolsas norte-americanas iniciaram a sessão em alta impulsionadas pelo investimento de cinco mil milhões de dólares de Warren Buffett no banco Goldman Sachs.»»

    Quem é que garante que essa não é um correlação espúria? Se lá para o fim do dia as cotações inverteram podemos concluir que afinal o Buffett não presta?

    Gostar

  107. 24 Setembro, 2008 14:59

    Anónimo 104,

    Brilhante.

    Mas, nem sempre acontece assim, as previsões falharem.

    Gostar

  108. 24 Setembro, 2008 15:03

    “Quem é que garante que essa não é um correlação espúria? Se lá para o fim do dia as cotações inverteram podemos concluir que afinal o Buffett não presta?”

    É evidente, que a correlação de um dia, não é significativa.

    Mas, Buffett, todos os anos, junta uns milhares de pessoas em Omaha, onde religiosamente querem saber: 1) qual é a sua estratégia; 2) quais são os seus stock picks;

    Mesmo que o dia encerre negativo, o “trunfo” Buffett, vem dar uma imensa ajuda de confiança ao mercado.

    Sabe o que é confiança, JM? Não se vende no supermercado, nem se aprende nas Universidades.

    Gostar

  109. 24 Setembro, 2008 15:03

    A propósito de previsões: Há cerca de 5 anos, enquanto JM, blasfemos e liberais lusos andaram a ler e reler HAyek e Ayn Rand, os europeus estiveram a ler um livro escrito por um francês, sobre o fim da hegemonia dos EUA. Alias o mesmo autor já tinha previsto o fim da URSS nos anos 70. Aliás, o livro foi bestseller na Europa em 2004. Sobre previsões, PF ler o último pararagrafo.

    In 1976 — long before American conservatives would claim that Ronald Reagan’s 1980s debt-driven massive military spending “bankrupted” the Soviet Union — French demographer and author Emmanuel Todd wrote a best-selling book titled La Chute finale (The Final Fall), predicting the imminent fall of the USSR. He based his projection, in large part, on a careful study of the increase in infant mortality in that empire, one of the leading indicators of the health of a nation.

    Time proved him right, and hindsight tells us that Reagan and Bush had nothing whatever to do with the fall of the USSR, con claims notwithstanding. It rotted from within, something that I witnessed in the 1970s and 1980s visiting both the USSR and several of its captive states, and living a year in 1986-1987 within 30 miles of Soviet-dominated East Germany and Czechoslovakia. Any 70s or 80s visitor to the USSR or its vassal sates, in fact, could have come to the conclusion that — barring a world war — it was an empire about to expire, and the CIA and others in the American, European, Israeli, and Japanese intelligence services had been saying the same thing since, in some cases the 1960s.

    Yet it was Emmanuel Todd who captured Europe’s attention by explicitly saying that the Soviet Emperor had no clothes – and doing so in a way that was widely discussed across Europe. Thus, when my best friend and former business partner Jerry Schneiderman and I found ourselves in Budapest in early November, 1989, the week before the Berlin Wall fell, as East German refugees were streaming into the country and the Soviets seemed helpless to stop it, we discovered that the reaction of the Hungarian shopkeepers and bartenders we talked with was a resigned shrug: “We knew it was coming. Everybody knew it was coming.” Other than, of course, the average American.

    Now comes Emmanuel Todd to predict the fall of another empire: America.

    In Après l’ empire (“After The Empire”), a runaway bestseller across Europe and in Japan, Todd points out that many of the same demographic and historic indicators that led him to boldly predict the looming collapse of the Soviet system can now — with some variations that are even more alarming — be applied to the United States.

    Every American should read this book. First, we must read it to understand how Europe, Russia, China, and Japan (among others) view us. Second, we must read it because its logic, facts, statistics, and conclusions are unassailable.

    The main thesis of Todd’s book is that America is posturing, playing the role of the leader of the “free world” and head of the new American Empire, when, in fact, we are militarily, economically, and morally bankrupt — and the rest of the world knows it. In fact, he suggests, much of the posturing is for the consumption of the domestic American audience, as the rest of the world (with the exception of a few dependent Third World nations) knows we’re already in decline and perhaps even ready to implode.

    Economically, twenty-five years of conservative Reaganomics — “free trade” elevated to a virtual religion (including complicity by Clinton in signing GATT/WTO and NAFTA) — and the massive budget and trade deficits that have resulted from this, have turned the United States from an independent manufacturing powerhouse and the world’s leading creditor into a bankrupt nation with little manufacturing capacity left, dependent on other nations for the imports that maintain our unsustainable standard of living. The result is that the US “has become the center of a system in which its number one job is to consume rather than produce.”

    “If the United States has greatly declined in relative terms as an economic power,” writes Todd, “it has nevertheless succeed in massively increasing its ability to siphon off wealth from the world economy. Objectively speaking, America has become a predator; … [and] is going to have to fight politically and militarily in order to sustain the hegemony that has become indispensable for maintaining its standard of living.”

    In his concluding chapter, Todd writes, “The United States is unable to live on its own economic activity and must be subsidized to maintain its level of consumption — at its present cruising speed that subsidy amounts to 1.4 billion dollars per day.”

    Referring to the “bizarre behavior” of the Bush administration’s America, Todd asks the question — in italics for emphasis — “How does one deal with a superpower that is economically dependent but also politically useless?”

    In “The Fragility of Tribute” chapter, Todd suggests the world won’t — or can’t — long continue to support our “parasitic” lifestyle by loaning us money to sell us goods, while we export our manufacturing industries and hollow out our internal productivity. “The most likely scenario” he sees as a result of this “is a stock market crash larger than any we have experienced thus far that will be followed by a meltdown of the dollar — a one-two punch that will put an end to any further delusions of ‘empire’ when it comes to the US economy.”

    Gostar

  110. 24 Setembro, 2008 15:05

    Entretanto o RT lá conseguiu contornar “Rui Tavares, a lei dos grandes número torna inevitável que, para qualquer evento, existam sempre pessoas que o previram. Há até quem preveja que o acelerador de partículas do CERN vai destruir o universo.”, que é o que mais importa de entre tudo o que o JM escreveu.

    Gostar

  111. Nuspirit permalink
    24 Setembro, 2008 15:12

    Acho que ninguém tem dúvidas que ainda não se consegue prever o futuro. Isso está fora de questão, portanto. A questão então que se coloca é saber se há formas de nos protegermos das vicissitudes que ele encerra e que sempre encerrará. No fundo, trata-se de certa forma de o antecipar, e na medida do possível também o condicionar. No caso em apreço, se não me engano ( julgo que não) o próprio JMiranda já disse que o que estamos a assistir era perfeitamente previsível. No fundo disse-nos que quem semeia ventos colhe tempestades. Tanto espanto porquê, caro JMiranda?

    Gostar

  112. caramelo permalink
    24 Setembro, 2008 15:28

    “A única dúvida que persiste, é saber, até que ponto é que aqueles 3 Senhores estão a promover a crise, para ganharem com ela!

    PS Buffett e Soros são cidadãos Americanos que declararam o seu apoio a Obama. Faber é Suíço.”

    J. não se acanhe. Desenvolva a sua tese.

    Gostar

  113. Pizarro permalink
    24 Setembro, 2008 15:32

    Por acaso há uns anos previa-se um crise deste género e não era só por um ou dois. Foi na altura em que Bill Clinton, e não o Sr.Bush, como querem agora fazer querer, quis facilitar a concessão de crédito às chamadas minorias, aos coitadinhos desfavorecidos, por toda a gente deveria ter direito a ter a sua casa.

    Gostar

  114. Nuspirit permalink
    24 Setembro, 2008 15:57

    CAPITALISMO IDEAL
    Você tem duas vacas.
    Vende uma e compra um boi.
    Eles multiplicam-se, e a economia cresce.
    Você vende a manada e aposenta-se. Fica rico!

    Gostar

  115. PLus permalink
    24 Setembro, 2008 15:58

    Não sem bem se percebi o que é se está a discutir aqui…

    Mas do que o João Miranda escreveu dá a ideia de que tende a considerar o futuro completamente imprevisível!
    O João Miranda acha mesmo o que o futuro é assim tão aleatório?


    Quanto ao que o Rui Tavares escreveu(ou aquilo que terá escrito na sua crónica) fica a pergunta.
    E depois ? Além da constatação de que havia pessoas informadas sobre o desenrolar desta crise; qual é, de facto, a sua argumentaçao? não cheguei a perceber…

    Gostar

  116. Nuspirit permalink
    24 Setembro, 2008 16:00

    “Por acaso há uns anos previa-se um crise deste género e não era só por um ou dois. ”

    Exacto.O João Miranda fartou-se de nos dizer que quando se estabelece taxas de juro artificialmente baixas i.e., que não traduzem a verdadeira poupança, estamos a projectar um desastre no futuro. Tanto espanto não se precebe.

    Gostar

  117. Nuspirit permalink
    24 Setembro, 2008 16:01

    CAPITALISMO AMERICANO

    Você tem duas vacas.
    Vende uma e força a outra a produzir o leite de quatro vacas.
    Fica surpreso quando ela morre.

    Gostar

  118. JoaoMiranda permalink*
    24 Setembro, 2008 16:06

    ««O João Miranda fartou-se de nos dizer que quando se estabelece taxas de juro artificialmente baixas i.e., que não traduzem a verdadeira poupança, estamos a projectar um desastre no futuro. »»

    O ponto é que o facto de eu ter feito uma previsão (acho que não fiz) e ter acertado (?) não prova que eu tenho capacidades predictivas. Até porque nunca previ nenhuma crise concreta. Limitei-me a explicar os efeitos da emissão de moeda em abstracto. Isso não chega para fazer previsões concretas.

    Gostar

  119. 24 Setembro, 2008 16:11

    Oh Caro Caramelo,

    Parece-me que o que lhe parece mal, foi a referência a Obama. Esqueça isso, é um mero detalhe.

    Buffett está muito acima da questão política. É um valor Americano, muito acima de Bush ou de Obama ou de McCain.

    O que eu queria referir, é que qualquer Senhor que tem influência forte nos mercados, tanto os tenta puxar para cima, se lhe der jeito, como puxar para bbaixo, se lhe importar.

    Buffett, assim como Jim Rogers, há já muito tempo que arrasam o dólar. Porque será? Buffettt ganhou fortunas em dolares, com a aposta no Euro, já que a Berkshire reporta em dólares e não em Euros.

    O comentário não foi político. O comentário foi sobre negócios….e como ganhar MUITO dinheiro (lembra-se do ataque à libra, por parte de Soros?). Para estes Senhores, nada é feito por acaso.

    Gostar

  120. Nuspirit permalink
    24 Setembro, 2008 16:31

    “previsões concretas.”JM

    Isso é um preciosismo da tua parte. Ninguém está a falar em previsões concretas (acertar nos números do totobola?), essas não nos ajudam a tomar as decisões acertadas. Neste particular “as previsões gerais” são muito mais úteis. Por exemplo as que tu fizeste/fazes acerca das consequências negativas de pôr as rotativs a fabricar dinheiro. Essas, sim, essas são as que verdadeiramente contam.

    Gostar

  121. Nuspirit permalink
    24 Setembro, 2008 16:33

    CAPITALISMO HINDU

    Você tem duas vacas.
    Ai de quem tocar nelas.

    Gostar

  122. 24 Setembro, 2008 16:35

    Querem uma previsão? Aqui vai uma minha: no prazo máximo de 10 anos o dólar e o euro vão ter câmbio fixo, ou seja, na prática vão ser uma moeda única.
    Daqui a uns tempos vemos se tenho ou não razão. 🙂

    Gostar

  123. Gabriel Silva permalink*
    24 Setembro, 2008 16:37

    pode-se acompanhar, ao vivo, as audições ao FED e ao Secretário do Tesouro, sobre o plano de socialização do sistema financeiro aqui:
    http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/video/2005/04/12/VI2005041201139.html

    Gostar

  124. PLus permalink
    24 Setembro, 2008 16:39

    “O ponto é que o facto de eu ter feito uma previsão (acho que não fiz) e ter acertado (?) não prova que eu tenho capacidades predictivas. Até porque nunca previ nenhuma crise concreta. Limitei-me a explicar os efeitos da emissão de moeda em abstracto. Isso não chega para fazer previsões concretas. ”

    De facto não chega.
    Mas diferencia a credibilidade das previsões.
    Por isso é que, mesmo à priori, determinadas previsões podem ser levadas mais a sério que outras.Não é tudo igual.E muito longe de ser aleatório.

    Gostar

  125. Gabriel Silva permalink*
    24 Setembro, 2008 16:42

    Btw
    Ron Paul está neste momento a questionar o presidente do FED

    Gostar

  126. 24 Setembro, 2008 16:50

    # 122: Como é evidente, e está implícito, haverá nessa altura uma actuação conjunta/coordenada das autoridades monetárias dos 2 lados.

    Gostar

  127. Nuspirit permalink
    24 Setembro, 2008 16:56

    CAPITALISMO PORTUGUÊS

    Você tem duas vacas.
    Foram compradas através do Fundo Social Europeu.
    O governo cria O IVVA – Imposto de Valor Vacuum Acrescentado. Você vende uma vaca para pagar o imposto.
    Um fiscal vem e multa-o, porque embora você tenha pago correctamente o IVVA, o valor era pelo número de vacas presumidas e não pelo de vacas reais. O Ministério das Finanças, por meio de dados também presumidos do seu consumo de leite, queijo, sapatos de couro, botões, presume que você tenha 200 vacas.
    Para se livrar do sarilho, você dá a vaca que resta ao inspector das finanças para que ele feche os olhos e dê um jeitinho…

    Gostar

  128. caramelo permalink
    24 Setembro, 2008 17:53

    Ora bolas, J. Só isso? E quem lhe disse que me pareceu “mal” qualquer coisa?

    Gostar

  129. António Pontes permalink
    24 Setembro, 2008 18:16

    Depois de lida toda a verborreia, noto que houve interesse, mas acima de tudo e infelizmente, o que fica espelhado primariamente é a satisfação infantil do amor-próprio, revezando para terra de nenhures, aquilo que poderia ter sido, senão um debate sério, claro e humilde, uma discussão pautada pela racionalidade e desprovida de paixões.

    Gostar

  130. António Pontes permalink
    24 Setembro, 2008 18:32

    Quem não tem a certeza da condição humana em que se insere, faça como Nabokov ordenou: “Fale de compotas quem sabe de compotas, minha senhora”.

    Gostar

  131. 24 Setembro, 2008 19:47

    Como o R.Tavares tem cara e tiques de padre (esses gajos nunca falham) acredito que ele possa prever o futuro.

    Gostar

  132. 24 Setembro, 2008 19:48

    O Louçã é a mesma coisa.
    Há que ter confiança nele.
    Vão por mim ;-(

    Gostar

  133. Saloio permalink
    24 Setembro, 2008 20:14

    Este Rui Tavares é o mesmo que ontém, na Livraria “Pó dos Livros”, tentou desesperadamente por a ridículo o Prof. Cásar das Neves, e levou um banho de economia, de política, de bom senso e até de catolicismo.

    Cada questão do Dr. Rui Pereira, precedida de enfadonhos preâmbulos destinados a mostrar “estudo” no sentido crítico às ideias do professor, mas que este, sempre com graça e ironia discreta, de forma óbvia e compreensível para todos os leigos, ia demonstrando a inverdade das teorias do esquerdista.

    Após inúmeras interrupções e à-partes indelicadas, foi a muito custo e ao fim de alguns apupos da assistência, que o jóvem historiador esquerdalho lá se teve de dominar e deixou o professor, convidado dessa noite, fosse explicando a matéria ao que vinha – a crise financeira e económica que vem dos EUA.

    A seu lado na mesa do convidado, a Dra. Fernanda Câncio, simpática, bonita e profissionalmente competente, ia sorrindo continuamente com as mensagens de telemóvel que ia recebendo e mandando, alheia ao que o professor ia dizendo. Enfim…se o convidado fosse mais esquerdalhote ou tivesse mais peso político, teria certamente havido mais atenção.

    Em relação ao Dr. RT, fiquei esclarecido: conjuga bem a perporrência, o nervosiamo e a atrapalhação com a sua ideologia política, só que ambas, a meu humilde ver, são torpes.

    Digo eu…

    Gostar

  134. Bimbo permalink
    24 Setembro, 2008 20:38

    “levar um banho de catolicismo”, é mesmo disso que precisamos todos.

    Não é Saloio quem quer!

    Gostar

  135. Zenóbio permalink
    24 Setembro, 2008 23:33

    Se há coisa que o português é pródigo é a maledicência, a intriga e a inveja.
    Entre uma coluna esquecida no DN, e um artigo de opinião em lugar nobre e muito lido num jornal de referência, não há meias-tintas: Fustiga-se aquele que está num lugar que julgamos por direito nosso, mesmo que se note dolorosamente o bota-a-baixo ressabiado.

    Gostar

  136. 25 Setembro, 2008 00:19

    Como a pool de especialistas é muito diversificada não é difícil encontrar a posteriori 2 ou 3 especialistas que acertaram.

    Não me considero especialista em coisa alguma, sei que sou mesmo um simples no que toca a espertezas à portuguesa, e fui capaz de prever esta crise, baseado no conhecimento histórico e na compreensão da análise de 1 dos tais especialistas que já previam a crise – Joseph Stiglitz. Não o fiz com 4 ou 5 anos de antecedência (duvido que alguém seja capaz de o fazer no estado actual da Economia) mas fi-lo há 1 ano – embora só tenha escrito sobre o assunto após confirmar a minha previsão com a do especialista.

    http://umjardimnodeserto.nireblog.com/post/2007/11/14/a-historia-repete-se

    Isto por precaução, pois considero que não se devem fazer afirmações graves sem reflexão, confirmação e intima certeza.
    De facto, a “piscina” de especialistas é muito diversificada, mas cada um pode escolher aqueles que lê e aqueles que lhe merecem credibilidade.
    Fraquinho, este seu argumento João. Assim qualquer arguernte dá cabo de si, mesmo 1 que não é especialista em coisa alguma, mesmo 1 simples com este que aqui perde o seu tempo a comentar quando tem tantas coisas ainda por fazer. 😉

    Gostar

  137. Anonimo permalink
    25 Setembro, 2008 01:42

    .
    Há muito mais de 1 ano já nem era PREVISIBILIDADE, era CERTEZA, e há 1 ano até já na Politica:
    .
    http://blogs.reuters.com/global/2008/09/22/i-told-you-so-merkel-tells-us-britain/
    .

    Gostar

  138. Curiosamente permalink
    25 Setembro, 2008 23:46

    JMiranda “Warren Buffet, que supostamente previu esta crise em 2003 não conseguiu ganhar dinheiro com essa previsão:”

    Curiosamente, Warren Buffet acabou de comprar uma parte substancial da Goldaman Sachs.

    Gostar

  139. JoaoMiranda permalink
    26 Setembro, 2008 00:09

    ««Curiosamente, Warren Buffet acabou de comprar uma parte substancial da Goldaman Sachs.»»

    Isso indica o quê?

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: