Saltar para o conteúdo

Anticlericalismo e pedofilia*

2 Abril, 2010

No cruzamento da rua 12 com a rua 6A do cemitério dos Prazeres existe um pequeno jazigo onde se lê: “FAZ HOJE 20 ANNOS SARAH/ QUE DEIXASTE DE EXISTIR VÍCTIMA/ D”UM ABOMINÁVEL CRIME!/ HÁ 20 ANNOS QUE MÃOS PIEDOSAS AQUI VEEM EM ROMARIA/ JUNGAR DE FLORES A TUA CAMPA COMO PREITO DE SAUDADE/ MAS ESTE ANNO É O MAIS SOLEMNE POR SER O DA TUA GLORIFICAÇÃO/ SIM! JÁ FORAM EXPULSOS OS JESUÍTAS! E COMO TRIUMPHO AOS TEUS MARTYRIOS AQUI TE DEPOMOS/ DESCANÇA EM PAZ! ESTÁ VINGADA A TUA MORTE!/ DOS TEUS IRMÃOS CÉLLIA E REYNALDO.”

Nos cemitérios, em todos eles e não apenas num que por ironia se designa dos Prazeres, aprende-se muita coisa sobre a vida e sobre o que desconhecemos dos seus humaníssimos mistérios. Há quanto tempo esquecemos aqueles que os seus epitáfios dizem cidadãos insignes, escritores admiráveis e artistas ímpares? Bem diferentes são as inscrições no túmulo de Sara de Matos, nomeadamente esta aqui citada onde os seus irmãos assinalaram a expulsão dos jesuítas, acontecida vinte anos após a morte de Sara de Matos mas em boa parte indissociável da polémica que essa morte gerou na sociedade portuguesa de então.

A actual sucessão de notícias sobre os casos de pedofilia na Igreja Católica torna este jazigo e a sua história muitíssimo actuais. Órfã de mãe, Sara de Matos, ou mais precisamente Sara Pereira Pinto de Matos, fora colocada como interna no convento das Trinas, em Lisboa, pelo seu tutor que na realidade era o seu pai. Aí morreu no dia 23 de Julho de 1891. Tinha catorze anos. Menos de 48 horas depois da sua morte começou o que ficou conhecido como “caso das Trinas”. Rapidamente jornais como O Século e a Vanguarda concluíram que Sara de Matos fora vítima não de um mas sim de dois crimes: o de violação por um jesuíta a que se seguiu o de envenenamento perpetrado por uma freira, a irmã Colecta, com que se teria procurado camuflar a violação. A irmã Colecta foi presa e acusada do envenenamento. Em folhetos, publicações de autor e páginas de jornais trocavam-se argumentos em favor das teses de troca de medicamentos ou do envenenamento. Os detalhes da autópsia ao corpo de Sara de Matos foram descritos na imprensa com uma minúcia e um detalhe tais que quem os leu sabe que só por grande ignorância se pode dizer que a devassa da intimidade é um pecado recente do jornalismo.

Não faço ideia sobre quem teve ou não teve culpa na morte de Sara de Matos. Se essa morte foi acidental ou provocada. Tenho para mim que as violações, abusos e os crimes mais hediondos podem acontecer em qualquer meio seja ele laico ou religioso e não vejo portanto que o clero católico ou doutra fé goze duma qualquer superioridade que o torne imune a estes actos. Do que já faço alguma ideia é de que a reacção perante a pedofilia e os abusos sexuais varia em função do perfil de quem a ela é ou foi associado como responsável: se for intelectual gozará de uma enorme compreensão; se for político os seus pares podem levar a protecção institucional até à alteração de leis de modo a que os casos sejam arquivados; se for um cidadão comum será provavelmente recebido por multidões em fúria à porta do tribunal e caso seja agredido na cadeia toda a gente achará que isso faz parte do código de honra dos presos (donde se presume que quem administra as cadeias não tem um código de honra que lhe imponha impedir que os detidos se agridam uns aos outros). Se for padre é imediatamente dado como culpado. Não menos importante, segundo este raciocínio, o actual Papa foi e é responsável por esses crimes.

E aqui chegamos de novo não ao caso Sara de Matos mas sim ao seu jazigo enquanto símbolo da luta anticlerical e do simbolismo maçónico. Construído por subscrição pública e ficando à responsabilidade de O Século, à sua volta reuniram-se vinte mil pessoas no dia 23 de Julho de 1896, data em que os restos mortais de Sara de Matos aqui foram colocados. No período que antecedeu a I República os círculos republicanos organizavam regularmente romagens a este monumento. E finalmente no dia 23 de Julho de 1911 foi colocada a lápide a assinalar a expulsão dos jesuítas. Depois foi o que se sabe: governar tornou-se cada vez mais difícil a esses homens que em comum só tinham o dizerem-se republicanos e considerarem a monarquia e a Igreja Católica culpadas de tudo o que de mau sucedia e sucedera. Sara de Matos caiu obviamente no esquecimento e muito anos decorreram até que o abuso de crianças que obviamente continuava a existir ganhasse outra vez dimensão de caso.

Portugal não ganhou nada com a expulsão dos jesuítas ou das outras ordens. Mas é importante perceber que o anticlericalismo é na Europa (como noutros locais o é o fundamentalismo religioso) um poderoso cimento ideológico quando faltam ideais e ideias à República. Coisa que manifestamente aconteceu no início do século XX e acontece nos dias de hoje.

PÚBLICO (adaptado)

85 comentários leave one →
  1. Isabel permalink
    2 Abril, 2010 10:28

    Brilhante!!!!!!!!!!!!!!

    Gostar

  2. 2 Abril, 2010 10:29

    Pois. No fundo, são sempre pedófilos – sejam padres, intelectuais ou políticos.

    Gostar

  3. balde-de-cal permalink
    2 Abril, 2010 10:53

    estudei o caso nos seus aspectos humano e, sobretudo, toxicológico.
    antes de iniciada qualquer investigação já a campanha jornalística anticlerical tinha encontrado os culpados.

    os meus estudos estão disponíveis no espólio n68 da BNP.
    estão igualmente prontas para consulta as fotocópias que me serviram de base para escrever o ms ‘cisões maçónicas’, que o falecido nunes de almeida me roubou, e incluem este caso

    Gostar

  4. Jójó permalink
    2 Abril, 2010 10:54

    Pois. No fundo, há sempre vítimas!

    Gostar

  5. euro2cent permalink
    2 Abril, 2010 11:00

    Muitos parabéns pelo trabalho de pesquisa dos factos antigos, e mais ainda pelo bom senso nas observações. É pena que no resto do jornal se dediquem a passar os recados do N.Y.Times, com os habituais títulos e conclusões com pouco a ver com os factos.

    Eu, por mim, tenho duas coisas a dizer. A primeira é que desde os dias em que Jesus atacou o pecado e perdoou os pecadores (Maria Madalena, lembram-se ?), a Igreja tem feito o mesmo. E por igual para todos – muitos que toda a vida a ofenderam e perseguiram, morreram com os sacramentos.

    E a segunda, é que a nojenta hipocrisia dos jacobinos me faz compreender onde está a verdade. Não sou pessoa de muita religião, mas frente a gente desta, e com dois filhos pequenos para criar, obrigam-me a escolher. Estou com o Papa, a minha família, a minha terra, a minha gente, a minha cultura.

    Boa Páscoa.

    Gostar

  6. Papai Noel permalink
    2 Abril, 2010 11:06

    A “outra” forma de dar banho ao cão é:
    Desacreditar as crianças que “confundem” tudo
    Classifica-las de prostitutas
    Culpabilizar apenas o intermediário.
    Alterar as leis para que as penas sejam mais leves.
    Considerar mil violações como uma só.
    Alterar prazos de prescrição.
    Chamar a testemunho milhares de pessoas.
    O cão fica com pulgas mas põe-se uma batina e diz-se que as pulgas estão debaixo dela.

    Gostar

  7. Luis Moreira permalink
    2 Abril, 2010 11:16

    Bom trabalho, Helena!

    Gostar

  8. NGUNGA permalink
    2 Abril, 2010 11:46

    Ainda existem jornalistas!

    Gostar

  9. Ricardo permalink
    2 Abril, 2010 11:48

    Cara Helena,

    Não sou crente. E não acho que seja anti-clerical. E desde o meu ponto de vista, não deixa de ser curioso algum paralelismo entre o debate à volta dos pecados da Igreja e o debate em torno do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

    Diziam então os opositores do casamento, que não era a sua opinião contra o casamento que os tornava homofóbicos. Pois bem, da mesma forma sublinhar a hipocrisia da Igreja e a sua má conduta não torna ninguém anti-clerical. Os paralelismos terminam aqui. O casamento entre pessoas do mesmo sexo diz respeito aos próprios e não prejudica ninguém. Os crimes no seio da Igreja são efectuados contra terceiros.

    Não tenho nada contra padres, nem contra as crenças e superstições alheias. Mas infelizmente não posso deixar de ser alheio ao que se passa dentro da instituição. Não por vontade própria. Mas porque a instituição Igreja não se coíbe de opinar acerca de uma miríade de assuntos que nada lhe dizem respeito e tenta activamente influenciar a sociedade mobilizando o voto dos seus fiéis em torno dos seus interesses.

    Infelizmente, por acidente histórico, a Igreja católica ainda é dominante. A intromissão da Igreja na sociedade é uma distorção da Democracia.

    A mesma Igreja que pretende mobilizar a sociedade contra causas como o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a despenalização do aborto e a utilização de contraceptivos (utilizando como único argumento a superstição cristã) não pode simultaneamente queixar-se da sociedade quando esta aponta os problemas que existem no seio da própria Igreja. É um problema de autoridade moral. Autoridade moral que a Igreja não tem, e que na minha opinião de não-crente nunca teve. É esta fina ironia que torna o caso tão “comentável” e não algum tipo de anti-clericalismo genético.

    Posto isto, os problemas da sociedade são da sociedade. E é a sociedade que tem que os resolver. Os problemas da Igreja não deixam de ser problemas da sociedade. Independentemente do que quer que a Igreja faça acerca do assunto, as autoridades não podem deixar de averiguar e actuar. Não é por o Papa achar que o Inferno é castigo suficiente, que eu deixo de esperar que os padres acusados de pedofilia respondam em tribunal. Se isto é ser anti-clerical, é isso que eu sou.

    Gostar

  10. helenafmatos permalink
    2 Abril, 2010 11:52

    Como é óbvio também espero que os acusados de pedofilia sejam julgados. Sejam ele padres, deputados, artistas, embaixadores ou motoristas

    Gostar

  11. anónimo permalink
    2 Abril, 2010 12:03

    #12 – podias acrescentar jornalistas com processos de difamação e insulto

    Gostar

  12. Isabel permalink
    2 Abril, 2010 12:15

    “A mesma Igreja que pretende mobilizar a sociedade contra causas como o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a despenalização do aborto e a utilização de contraceptivos (utilizando como único argumento a superstição cristã) não pode simultaneamente queixar-se da sociedade quando esta aponta os problemas que existem no seio da própria Igreja.”

    E se a igreja fosse uma organização de cidadãos empenhados em implementar determinados valores éticos e morais, como por ex. a das regras de prevenção rodoviária?

    E se fosse uma associação profissional empenhada em promover determinado estatuto?

    E se fosse uma associação de pessoas com um determinado problema e com um número reduzido de pessoas que tentam influenciar a sociedade a seu favor?

    E se a Igreja fosse secreta? Influênciava menos? Era por isso mais legítima?

    E estas associações democráticas não têm também os seus pecados? Não cometem os seus erros?

    E alguém alguma vez lhes retirou autoridade moral para desempenharem o seu papel na sociedade?

    Que eu saiba, não.

    Normalmente pegam nas maçãs podres e mandam-nas para outro lado.

    Gostar

  13. Isabel permalink
    2 Abril, 2010 12:20

    (…)”Mas porque a instituição Igreja não se coíbe de opinar acerca de uma miríade de assuntos que nada lhe dizem respeito e tenta activamente influenciar a sociedade mobilizando o voto dos seus fiéis em torno dos seus interesses.”

    Tem tanto direito de o fazer como qualquer outra associação.

    Gostar

  14. Saloio permalink
    2 Abril, 2010 12:22

    Helena Matos: muito bem lembrado e muito bem explicado.

    Parabéns!

    Gostar

  15. Bertino permalink
    2 Abril, 2010 12:27

    Jesus disse:
    “DEIXAI VIR A MIM AS CRIANCINHAS”
    mas não foi para se vir.

    Gostar

  16. stefano permalink
    2 Abril, 2010 12:29

    A igreja ama a democracia!

    Gostar

  17. JoaoMiranda permalink
    2 Abril, 2010 12:30

    ««Os crimes no seio da Igreja são efectuados contra terceiros.»»

    Os crimes no seio da Igreja não são já punidos por lei? O que é que querem mais?

    ««Infelizmente, por acidente histórico, a Igreja católica ainda é dominante. A intromissão da Igreja na sociedade é uma distorção da Democracia.»»

    Porquê? Em democracia só contam as opiniões dos ateus?

    ««Independentemente do que quer que a Igreja faça acerca do assunto, as autoridades não podem deixar de averiguar e actuar.»»

    Alguém está a impedir as autoridades de actuar?

    Gostar

  18. anónimo permalink
    2 Abril, 2010 12:44

    #19 – “Alguém está a impedir as autoridades de actuar?”

    pudera, factos passados há 20 anos. os actuais são abafados, daqui a outros 20 pedem perdão e tá feito. dê-lhe com força igual à que usou na coisa pia e convence-me das intenções.

    Gostar

  19. balde-de-cal permalink
    2 Abril, 2010 13:10

    Helena
    pertenci à loja “liberdade e justiça” do gol que abandonei por ter sido roubado pelo meu ex-advogado durante a minha hospitalização por enfarto. há uns meses bateu-me na rua perante 2 dezenas de espectadores.
    conheci o actual gm quando era seminarista. hoje não me conhece nem responde às cartas.
    a viúva do nunes de almeida também não responde e contactada por um amigo meu disse não saber do meu ms que ficou de informatizar.
    gostava de deixar 7 anos de estudos no meu espólio da BNP.
    fico-lhe muito agradecido se puder fazer algo nesse sentido

    Gostar

  20. Joaquim Amado Lopes permalink
    2 Abril, 2010 13:15

    Helena,
    Obrigado por ter escrito este artigo.

    Repugna-me a atitude de tantos dentro da Igreja Católica que protegem padres pedófilos mas a sanha contra a Igreja dos “moralistas selectivos” é ainda mais repugnante.
    Será que a mensagem de amor, perdão e caridade os incomoda (envergonha?) assim tanto que são incapazes de um mínimo de imparcialidade e justiça no que se refere à Igreja, a ponto de vociferarem contra os crimes cometidos por uns ao mesmo tempo que são indiferentes aos mesmíssimos crimes cometidos por outros?

    A violação de crianças é um crime abjecto, independentemente de quem o cometa. Mas, para alguns, parece que o maior crime é ser padre.

    (antes que os imbecis do costume me venham acusar de ser “rato-de-Igreja”, um esclarecimento: sou agnóstico)

    _
    18. stefano:
    “A igreja ama a democracia!”
    José Sócrates também. É preciso publicar os videos e as fotografias?

    Gostar

  21. David permalink
    2 Abril, 2010 13:24

    Pelo menos à Igreja não podem acusar de fazer as leis pedófilas nem de ter uma Cândida Branqueadora ou um Pinto aldrabão a esconder a merda em frente aos olhos de todos.

    A Igreja não precisa defendida porque como se vê,a própria condena tais actos.
    Outro tanto não se passa no PS,partido que defende e acolhe a pedofilia.
    Ainda recentemente se viu o Alegre em apologia do Teixeira Gomes.
    Quanto aos comunistas do PC e BE,que tanto atacam a Igreja e aqui oportunísticamente,é bom lembrar que os regimes que professam,como religião,são albergue das maiores monstruosidades,até chacinas e genocídios.

    Procuram condenar antes de julgar,quando recentemente carpiam que não era na praça pública que se fazia justiça e tudo o que se falava era uma horrível violação do segredo de justiça,tendo a quadrilha do súcialismo mudado as leis em pleno curso dos vários processos,para se beneficiar e esconder.

    PQP!

    Gostar

  22. Nightwish permalink
    2 Abril, 2010 13:45

    A Igreja não precisa defendida porque como se vê,a própria condena tais actos.
    Ai sim? A igreja despediu os padres e entregou toda a informação à polícia?
    PQP indeed.
    E depois, tal como a HFM aqui vem demonstrar, são uns coitadinhos reprimidos que não fazem mal a ninguém que a esquerda quer atacar. Pah, cresçam.

    Gostar

  23. zazie permalink
    2 Abril, 2010 13:55

    Mais um excelente artigo.

    Gostar

  24. Tanas permalink
    2 Abril, 2010 13:56

    A zazie aderiu à claque.

    Gostar

  25. stefano permalink
    2 Abril, 2010 14:00

    Nightwish!!!
    Cadê a Tarja???????????

    Gostar

  26. stefano permalink
    2 Abril, 2010 14:06

    Joaquim,
    seria ótimo se o blog publicasse o vídeo

    Gostar

  27. Licas permalink
    2 Abril, 2010 14:06

    7.Papai Noel disse
    2 Abril, 2010 às 11:06 am
    A “outra” forma de dar banho ao cão é:
    Desacreditar as crianças que “confundem” tudo
    Classifica-las de prostitutas
    Culpabilizar apenas o intermediário.
    Alterar as leis para que as penas sejam mais leves.
    Considerar mil violações como uma só.
    Alterar prazos de prescrição.
    Chamar a testemunho milhares de pessoas.
    O cão fica com pulgas mas põe-se uma batina e diz-se que as pulgas estão debaixo dela.
    ********************

    BOA! PAPAI NOEL
    . . . Considerar mil violações como uma só.
    Alterar prazos de prescrição.
    Chamar a testemunho milhares de pessoas. . .

    PARECEME-ME QUE ME É FAMILAR . . .

    Gostar

  28. Bloody Mary permalink
    2 Abril, 2010 15:43

    Um artigo notável e corajoso, como é timbre da HM.
    Felicito-a e agradeço-lhe.

    Gostar

  29. 2 Abril, 2010 15:43

    Subscrevo integralmente.

    Um forte aplauso, Helena.

    Gostar

  30. zazie permalink
    2 Abril, 2010 15:47

    O JMF também tem um muito bom no Público.

    Gostar

  31. rotten permalink
    2 Abril, 2010 15:48

    Os comentários com baboseiras devem ser para levantar o moral.

    Gostar

  32. zazie permalink
    2 Abril, 2010 15:50

    É brasileiro, deve ser apologista da macumba.

    Gostar

  33. 2 Abril, 2010 16:29

    Cara Helena Matos,

    Brilhante o seu artigo, mais uma vez! Obrigado pela clarividência demolidora.

    Gostar

  34. 2 Abril, 2010 17:00

    Ou o paradoxo da desmesurada bronquice em minúscula criatura.

    Gostar

  35. José permalink
    2 Abril, 2010 17:08

    Bom mesmo é o artigo de JMF hoje no Público.

    Espero que o publique aqui, para comentar.

    Gostar

  36. stefano permalink
    2 Abril, 2010 17:22

    “Aquele Stefano é como o vídeo- uma montagem mongolóide.

    E os mongos, como não sabem nada, limitam-se a repetir, à exaustão, montangens imbecis.”

    Zazie… quem não tem argumentos… tem ke ofender….
    isso é bem típico de gentinha ke nem você!!!
    Montagem?? Montagem é a sua cara de pau!

    Gostar

  37. 2 Abril, 2010 17:34

    Não sei como explicar isto em público. Mas a última viagem a Gaza fez-me pensar seriamente na minha vida. Toda aquela opressão leva-me a admitir, que fui molestada quando era nova.
    Naquela noite em Sesimbra, nunca mais me esqueço. Nunca.

    Gostar

  38. zazie permalink
    2 Abril, 2010 17:34

    Aqui fica o do JMF.

    Vou postá-lo.

    «Não sou crente. Educado na fé católica, passei pelo ateísmo militante e hoje defino-me como agnóstico. Talvez não devesse, por isso, pôr-me a discutir os chamados “escândalos de pedofilia” na Igreja Católica. Até porque não sei se, como escreveu António Marujo neste jornal – no texto mais informado publicado sobre o tema em jornais portugueses -, estamos ou não perante “A maior crise da Igreja Católica dos últimos 100 anos”.

    Tendo porém a concordar com um outro agnóstico, Marcello Pera, filósofo e membro do Senado italiano, que escreveu no Corriere della Sera que se, sob o comunismo e o nazismo, “a destruição da religião comportou a destruição da razão”, a guerra hoje aberta visa de novo a destruição da religião e isso “não significará o triunfo da razão laica, mas uma nova barbárie”. Por isso acho importante contrariar muitas das ideias feitas que têm marcado um debate inquinado por muita informação errada ou manipulada.

    Vale por isso a pena começar por tentar saber se o problema da pedofilia e dos abusos sexuais – um problema cuja gravidade ninguém contesta, ocorram num colégio católico, na Casa Pia ou na residência de um embaixador – tem uma incidência especial em instituições da Igreja Católica. Os dados disponíveis não indicam que tenha: de acordo com os dados recolhidos por Thomas Plante, professor nas universidades de Stanford e Santa Clara, a ocorrência de relações sexuais com menores de 18 anos entre o clero do sexo masculino é, em proporção, metade da registada entre os homens adultos. É mesmo assim um crime imenso, pois não deveria existir um só caso, mas permite perceber que o problema não só não é mais frequente nas instituições católicas, como até é menos comum. Tem é muito mais visibilidade ao atingir instituições católicas.

    Uma segunda questão muito discutida é a de saber se existe uma relação entre o celibato e a ocorrência de abusos sexuais. Também aqui não só a evidência é a contrária – a esmagadora maioria dos abusos é praticada por familiares próximos das vítimas – como o tema do celibato é, antes do mais, um tema da Igreja e de quem o escolhe. Não existiu sempre como norma na Igreja de Roma e hoje esta aceita excepções (no clero do Oriente e entre os anglicanos convertidos). Pode ser que a norma mude um dia, mas provavelmente ninguém melhor do que o actual Papa para avaliar se esse momento é chegado – até porque talvez ninguém, no seio da Igreja Católica, tenha dedicado tanta atenção ao tema dos abusos sexuais e feito mudar tanta coisa como Bento XVI.

    Se algo choca na forma como têm vindo a ser noticiados estes “escândalos” é o modo como, incluindo no New York Times, se tem procurado atingir o Papa. Não tenho espaço, nem é relevante para esta discussão, para explicar as múltiplas deturpações e/ou omissões que têm permitido dirigir as setas das críticas contra Bento XVI, mas não posso deixar de recordar o que ele, primeiro como cardeal Ratzinger e prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, depois como sucessor de João Paulo II, já fez neste domínio.

    Até ao final do século XX o Vaticano não tinha qualquer responsabilidade no julgamento e punição dos padres acusados de abusos sexuais (e não apenas de pedofilia). A partir de 2001, por influência de Ratzinger, o Papa João Paulo II assinou um decreto – Motu proprio Sacramentorum Sanctitatis Tutela – de acordo com o qual todos os casos detectados passaram a ter de ser comunicados à Congregação para a Doutrina da Fé. Ratzinger enfrentou então muitas oposições, pois passou a tratar de forma muito mais expedita casos que, de acordo com instruções datadas de 1962, exigiam processos muito morosos. A nova política da Congregação para a Doutrina da Fé passou a ser a de considerar que era mais importante agir rapidamente do que preservar os formalismos legais da Igreja, o que lhe permitiu encerrar administrativamente 60 por cento dos casos e adoptar uma linha de “tolerância zero”.

    Depois, mal foi eleito Papa, Bento XVI continuou a agir com rapidez e, entre as suas primeiras decisões, há que assinalar a tomada de medidas disciplinares contra dois altos responsáveis que, há décadas, as conseguiam iludir por terem “protectores” nas altas esferas do Vaticano. A seguir escolheu os Estados Unidos – um dos países onde os casos de abusos cometidos por padres haviam atingido maiores proporções – para uma das suas primeiras deslocações ao estrangeiro e, aí (tal como, depois, na Austrália), tornou-se no primeiro chefe da Igreja de Roma a receber pessoalmente vítimas de abusos sexuais. Nessa visita não evitou o tema e referiu-se-lhe cinco vezes nas suas diferentes orações e discursos.

    Agora, na carta que escreveu aos cristãos irlandeses, não só não se limitou a pedir perdão, como definiu claramente o comportamento dos abusadores como “um crime” e não apenas como “um pecado”, ao contrário do que alguns têm escrito por Portugal. Ao aceitar a resignação do máximo responsável pela Igreja da Irlanda também deu outro importante sinal: a dureza com que o antigo responsável pela Congregação para a Doutrina da Fé passou a tratar os abusadores tem agora correspondência na dureza com que o Papa trata a hierarquia que não soube tratar do problema e pôr cobro aos crimes.

    De facto – e este aspecto é muito importante – a ocorrência destes casos de abusos sexuais obriga à tomada de medidas pelos diferentes episcopados. Quando isso acontece, a situação muda radicalmente. Nos Estados Unidos, país onde primeiro se conheceu a dimensão do problema, a Conferência de Dallas de 2002 adoptou uma “Carta para a Protecção de Menores de Abuso Sexual” que levaria à expulsão de 700 padres. No Reino Unido, na sequência do Relatório Nolan (2001), acabou-se de vez com a prática de tratar estes assuntos apenas no interior da Igreja, passando a ser obrigatório dar deles conta às autoridades judiciais. A partir de então, como notava esta semana, no The Times, William Rees-Mogg, a Igreja de Inglaterra e de Gales “optou pela reforma, pela abertura e pela perseguição dos abusadores em vez de persistir no segredo, na ocultação e na transferência de paróquia dos incriminados”.

    Bento XVI, que não despertou para este problema nas últimas semanas, não deverá precipitar decisões por causa desta polémica. No passado domingo, durante as cerimónias do Domingo de Ramos, pediu aos crentes para não se deixarem intimidar pelos “murmúrios da opinião dominante”, e é natural que o tenha feito: se a Igreja tivesse deixado que a sua vida bimilenar fosse guiada pelo sentido volátil dos ventos há muito que teria desaparecido.

    Ao mesmo tempo, como assinalava John L. Allen, jornalista do National Catholic Reporter, em coluna de opinião no New York Times, “para todos os que conhecem a experiência recente do Vaticano nesta matéria, Bento XVI não é parte do problema, antes poderá ser boa parte da solução”.

    Uma demonstração disso mesmo pode ser encontrada na sua primeira encíclica, Deus Caritas Est, de 25 de Dezembro de 2005, ano em que foi eleito. Boa parte dela ocupa-se da reconciliação, digamos assim, entre as concepções de “eros”, o termo grego para êxtase sexual, e de “ágape”, a palavra que o cristianismo adoptou para designar o amor entre homem e mulher. Se, como referia António Marujo na sua análise, o teólogo Hans Küng considera que existe uma “relação crispada” entre catolicismo e sexualidade, essa encíclica, ao recuperar o valor do “eros”, mostra que Bento XVI conhece o mundo que pisa.

    Por isso eu, que nem sou crente, fui informar-me sobre os casos e sobre a doutrina e escrevi este texto que, nos dias inflamados que correm, se arrisca a atrair muita pedrada. Ela que venha. »Jornalista

    Gostar

  39. stefano permalink
    2 Abril, 2010 17:39

    Eu?? Pagagaio?? Olha qm está falando!! você ke é papagaio da máfia clerical!!

    ah… a igreja foi cumplice do nazifascismo!!
    o video tme fotos e textos que esclarecem isto!!!

    Gostar

  40. zazie permalink
    2 Abril, 2010 17:48

    Conta lá como. Explica lá tudo historicamente e com fontes, como se tivesses de fazer uma palestra científica sobre o assunto, a ver se és capaz.

    Se fores, eu respondo.

    Gostar

  41. stefano permalink
    2 Abril, 2010 17:50

    Fontes: o Google as oferece!!
    Me expliuca as fotos de padres fazendo o “heil, Hitler”….

    Gostar

  42. 2 Abril, 2010 17:50

    11, Ricardo

    “Infelizmente, por acidente histórico, a Igreja católica ainda é dominante”.

    Pelos vistos, V. preferia que dominasse, por exemplo, o Islamismo. Tem bom remédio: emigre para onde ele é dominante. Ah, e não se esqueça de levar a burka…
    Que corja!

    Gostar

  43. stefano permalink
    2 Abril, 2010 17:52

    xiii… a Nazie perdeu as estribeiras!! tá sem argumentos!!
    Zazie Nazie

    Gostar

  44. stefano permalink
    2 Abril, 2010 18:00

    Zazie se fudeu!! ta sem argumentos

    Gostar

  45. 2 Abril, 2010 18:06

    Este Stefano da favela pertence à corja

    Gostar

  46. balde-de-cal permalink
    2 Abril, 2010 18:07

    nunca foram investigados:
    os casos das meninas da Casa Pia e sua relação com prostituição e colaboração em festas partidárias
    ocorrências com as meninas do ex-asilo, actual Internato de São João dirigido pelo Grande Oriente Lusitano
    a porcaria que vi e ouvi, mas não posso comprovar, foi toda para debaixo do tapete

    Gostar

  47. Critico permalink
    2 Abril, 2010 18:10

    Caro Stefano, o vídeo é bastante pertinente e real,mas infelizmente só roça uma ponta no longo Historial. E sabia que Ratzinger era Nazi? Certamente não o surpreenderá,ou já sabia.
    Uma sugestão,não se limite a postar esse vídeo,existem certamente por ai vídeos que servem bem melhor de prova a tal,e argumente,eu teria interesse em vê-lo argumentar o que defende, por concordar com a sua posição.

    Cumps

    Gostar

  48. zazie permalink
    2 Abril, 2010 18:15

    Era nazi, pois. A tua família também deve ter sido por ter andado na Mocidade Portuguesa quando eram adolescentes.

    Olha, esqueceste-te de dizer que o Bergman também foi nazi, sem ser em criança.

    V.s metem para a veia e são ignorantes.

    Gostar

  49. zazie permalink
    2 Abril, 2010 18:18

    Aquele vídeo é uma patranha do princípio ao fim. E mistura coisas absolutamente imbecis. Uma delas é o fascismo que nada tem a ver com nazismo.

    E em relação ao nazismo a posição do Papa foi a mais inteligente. Estavam em guerra, havia que proteger quem poderia ir desta para melhor.

    Agora o fascismo é coisa muito gira. Estranho é como nunca falam dos crimes praticados pelos democratas aliados.

    Tinham a boa da Inglaterra, para começar e comparar os crimes históricos que cometeu com os do fascismo.

    E o que fizeram os americaos aos que foram acusados de colaboracionismo, idem. Eu farto-me de postar o Ezra Pound que é exemplo de sobra para a “ética dos vencedores”.

    Gostar

  50. zazie permalink
    2 Abril, 2010 18:23

    O Von Braun ainda passa por herói da liberdade. E nunca contam como é que se passou toda aquela estranha história de trocas de favores.

    Gostar

  51. zazie permalink
    2 Abril, 2010 18:26

    Bora aí confrontar os ditos horrores do fascismo que este mongolóide usou chamando-lhe nazismo, com o que os democratas ingleses fizeram aos japoneses no pós-guerra.

    Força. E podiam até recuar e ir para os campos de concentração dos boers, que nunca tiveram monumentos de homenagem a holocausto nem pagamento de tributo aos descendentes.

    Gostar

  52. Critico permalink
    2 Abril, 2010 18:27

    #58
    Cara Zazie, e returco, não compare um movimento de regime com uma organização á escala Global com funções religiosas por favor.
    Agora permita ao ignorante mostrar á excelsa senhora algo,caso não a aborreça ver tudo.

    Gostar

  53. 2 Abril, 2010 18:33

    -Vai daí, JMF lê todos os jornais portugueses e decide que o texto de Marujo é o mais bem informado.
    Amen.

    Gostar

  54. Critico permalink
    2 Abril, 2010 18:35

    Então,e que tem a dizer sobre o projecto paperclip? Agora estou interessado na sua posição.

    Cumps

    Gostar

  55. zazie permalink
    2 Abril, 2010 19:01

    Projecto quantos?

    Vai-me desculpar mas eu não sigo historiografia do youtube nem de palhaçadas de macumbas ou teorias da conspiração.

    Para brincar tem aí o analfabeto do brasileiro.

    Gostar

  56. Critico permalink
    2 Abril, 2010 19:05

    Então peço desculpa,a conversa termina por aqui,tinha maior consideração por tal nick,enganei-me,lapso meu.

    Cumps

    Gostar

  57. 2 Abril, 2010 19:12

    Este Crítico imbecilóide acumula o analfabetismo funcional com a mais crassa ignorância histórica.

    Gostar

  58. zazie permalink
    2 Abril, 2010 20:06

    Que é que v. quer, que eu entre em conversetas de tretas ignaras só porque v. tem lá umas pancadas.

    Até podia entrar se não fosse uma questão histórica. E eu tenho obrigação de não entrar em palhaçadas anti-científicas.

    V. já disse o que tinha a dizer, ao chamar nazi ao Papa. Só por muita ignorância e má-fé alguém podia dizer isto.

    Portanto, quem já tinha excluído qualquer conversa, fui eu.

    Gostar

  59. zazie permalink
    2 Abril, 2010 20:24

    AAQUI para o papagaio ignaro.

    Gostar

  60. Papai Noel permalink
    2 Abril, 2010 20:46

    me explica padres fazendo “heil hitler”?
    o “amiguinho” nunca viu as tropas estalinistas desfilando ao lado das nazis?
    não percebeu que a fome na Ucrania em 1940 foi para dar de comer aos nazis?
    Vai dizer que os comuno-estalinistas eram padres? e tao amigos que eles eram………

    Gostar

  61. Critico permalink
    2 Abril, 2010 20:58

    #

    Caro Retruca-turca, não é crítico,é critico,quanto ao resto,primeiro investigue,em segundo faça a critica,e ad hominen certamente não será a melhor via.

    Cara Zazie,então se um documentário for colocado no Youtube,o mesmo deixa de ter credibilidade?
    Não lhe interessa passa a ignaro correcto?Descanse,eu fico-me por aqui.
    Quanto á suposta ignorância,a ver de quem é a maior.

    Cumps.

    Gostar

  62. zazie permalink
    2 Abril, 2010 21:14

    Não, um documento científico não deixa de o ser por via do formato que o divulga.

    Agora uma palhaçada de uma montagem ou quem diz barbaridades como v. disse, afirmando que o Papa foi nazi, é que não tem formato que lhe possa traduzir qualquer credibilidade.

    Gostar

  63. Critico permalink
    2 Abril, 2010 21:35

    #
    Cara Zazie,então em jeito de remate me interrogo,para que essa associação da minha opinião á montagem colocada por outro leitor? Se leu bem o meu post ao qual respondeu, eu sugeri ao outro leitor que estruturasse mais a argumentação,ou não?
    Quanto aos que que coloquei, um será uma gravação,outra será um documentário com imagens de arquivo e o terceiro outro documentário,como tal não terá qualquer relação com montagens,e comparar-se lixo com videos com alguma informação pertinente,e mesmo videos coerentes já diz respeito ao grau de percepção de quem o vê.

    Pelo que tenho pesquisado (que não lhe deverá interessar o mínimo,naturalmente) cheguei a tais conclusões,conclusões essas que podem ser alteradas caso me apresentem factos que as corroborem. E como sabe, a Internet está cheia de lixo,mas compete a cada um saber destingir o lixo de informação pertinente e ainda de contra-informação(que não será pouca),e para rematar, o indivíduo que de facto quer conhecer a realidade tem de ter a humildade de assumir o erro.

    Agora sim, cumps

    Gostar

  64. zazie permalink
    2 Abril, 2010 21:48

    Parafraseando-o: «E como sabe, a Internet está cheia de lixo,mas compete a cada um saber destingir o lixo de informação pertinente».

    E v. não sabe. Nem numa questão simples- conseguiu dizer o que só mesmo um ignaro de má-fé e analfabeto em extremo poderia dizer- que o Papa foi nazi.

    Nem o idiota do brasileiro foi tão longe. Portanto, só o comparei por defeito.

    Gostar

  65. 2 Abril, 2010 23:03

    É evidente que o anticlericalismo existe agora como no passado. É evidente que a Igreja Católica tem uma importância histórica cultural e artística indesmentível, assim como tem uma actividade impostante no campo social. Mas não consigo perceber o post. A conduta da hierarquia da Igreja só potencia o afastamento das pessoas das igrejas e o anticlericalismo. Se bem que os actos de pedofilia sejam tão graves praticados por um padre, um intelectual, um artista anti-clerical ou um bêbado analfabeto a que a vítima chama pai, o padre está mais exposto a uma maior sanção social, visto que no exercício das suas funções pregam a virtude e abstinência sexual. Além disso, o citado caso das Trinas é a prova que a pedofilia e os abusos sexuais do clero sempre existiram, são tão velhos como a doutrina da Igreja sobre a sexualidade. Compreendo os anti-clericais. Estes casos também me dão vontade de ser anti-clerical. Os membros da hierarquia da Igreja, pelo seu dogmatismo e comportamento de avestruzes, são mais culpados do que um padre pedófilo.
    – Com quantos meninos prevariscastes?, pergunta o bispo ao padre
    -Com mais de cinquenta, senhor bispo…
    -Então, como penitência, vais rezar para cima de cinquenta painossoqueestaisnocéu e vou-te transferir de paróquia, está bem? E tenta não voltar a pecar…

    http://www.mindjacking.wordpress.com

    Gostar

  66. Anónimo permalink
    3 Abril, 2010 01:27

    TESTEMUNHO DE PADRE CATÓLICO AMERICANO DE 47 ANOS QUE EM CRIANCA FOI VITIMA DE PEDOFILIA
    No blogue regador.blogspot.com/ coloquei um post com dois artigos EM INGLËS do “The Tablet”, de 3 de Abril, que são notáveis por várias razões:
    O primeiro é de um padre de 47 anos e que foi vitima de pedofilia da parte de um padre. Diz claramente que se não tivesse fé não tinha aguentado o sofrimento.
    O outro é de um canonista que há 25 anos trata de casos de crianças vitimas de abusos sexuais.
    Ambos apresentam de modo impressionante o sofrimento e as marcas profundissimas dos abusos sofridos da parte de padres.
    Outra razão é que o que apresentam não é “contra” ou “a favor” do Papa e da Igreja Católica: são a favor de uma atitude justa para com os principais intervenientes: as vitimas. Vê-se também que conhecem bem a realidade e os processos.
    Sugiro a sua leitura
    Eugénio Boléo

    Gostar

  67. ATEU JACOBINO permalink
    3 Abril, 2010 03:39

    CAMARADAS!

    Este ano comemoram-se os 100 anos da República!

    Data bem negra da História de Portugal. Temos de ser sinceros e reconhecer. Tal como o pós 11 de Março-75!

    O grande AFONSO COSTA prometeu acabar com a religião católica em duas gerações.

    NÃO CONSEGUIU!

    Apesar das perseguições, dos roubos, das torturas, dos assassinatos…não acabamos com os católicos!

    Só demos desemprego, emigração aos milhares, hiperinflação, miséria e fome, e instabilidade governativa.

    Talvez o pior período da História de Portugal!

    Gostar

  68. 3 Abril, 2010 10:13

    62, Critico

    “Ad hominen” não existe. “Ad hominem” é que é, sabia? Não sabia, claro; mas, se não sabe, por que utiliza?

    Gostar

  69. Critico permalink
    3 Abril, 2010 10:43

    #
    Caro Retruca-turca, tem toda a legitimidade de fazer o reparo em enganos e erros linguísticos,contudo esconder-se somente atrás de tais argumentos denota uma falta de contéudo,quando se quer desconversar envereda-se somente por tal via.
    Quando desenvolver alguma argumentação que não se cinja ao mal dizer barato. Mimus rex hehehe

    Gostar

  70. 3 Abril, 2010 12:07

    E não só.

    Gostar

  71. antonio permalink
    3 Abril, 2010 15:19

    artigo lúcido em tempos de confusão planificada

    Gostar

  72. anti-liberal permalink
    4 Abril, 2010 05:05

    .

    Publicado por helenafmatos em 2 Abril, 2010

    Você esqueceu-se da pedofilia, homossexualidade, mariquice rasca e fufinhas lgbt, tão comuns nos meios jornalisticos e naa várias misérias artisticas que temos.
    Convinha mostrar que sabe o que se passa.

    anti-liberal

    Gostar

  73. Ricardo permalink
    4 Abril, 2010 11:45

    João Miranda,

    “Os crimes no seio da Igreja não são já punidos por lei? O que é que querem mais?”

    Que não aconteça por cá o mesmo que aconteceu na Irlanda. Que os crimes da Igreja não sejam encobertos pela própria instituição e desculpabilizados por uma sociedade onde ela é dominante. Que os padres pedófilos e aqueles que os protegem não recebam como única condenação o fogo do Inferno.

    “Porquê? Em democracia só contam as opiniões dos ateus?”

    Não. Porque para que a Democracia funcione, existe o pressuposto de que o eleitor vota de forma consciente e informada. As mentiras sucessivas deste primeiro-ministro e deste governo distorcem tanto a democracia como um voto baseado na superstição.

    “Alguém está a impedir as autoridades de actuar?”

    Na Irlanda parece que sim. Aqui espero que não.

    Afinal de contas, o João Miranda não discorda do que eu disse. Parece-lhe simplesmente óbvio e parece que concorda. Não percebo portanto porque é que mereço o seu comentário. Obrigado de qualquer forma pelo apoio.

    Gostar

  74. Ricardo permalink
    4 Abril, 2010 12:20

    Isabel,

    “E se a Igreja fosse….”

    Para mim não haveria diferença. Para si é que parece que há. Porque é que a Igreja merece mais a sua defesa do que qualquer outra das instituições que cita?

    “E estas associações democráticas não têm também os seus pecados? Não cometem os seus erros?”

    De que instituições e de que pecados fala, em concreto? Tenho a certeza que encontrará muitos exemplos. E desde quando é que os pecados dos outros desculpam os nossos? Qualquer dia temos os arguidos da Casa Pia a usar o que se passa na Igreja como argumento de defesa, exactamente como a Isabel está a fazer!

    “E alguém alguma vez lhes retirou autoridade moral para desempenharem o seu papel na sociedade?”

    Claro que sim. Acha que o Banco de Portugal, por exemplo, matém a sua imagem de credibilidade depois de um mandato de Victor Constâncio com constante fassalagem prestada ao governo socialista e manifesta incapacidade de fazer o seu dever? Eu acho que sim. Porque é que a Igreja deveria ser excpeção? Porque é que deve estar acima de crítica ou acima de escrutínio? Porque é que não se pode questionar a credibilidade da sua mensagem e a autoridade de quem a transmite?

    Gostar

  75. zazie permalink
    5 Abril, 2010 02:23

    Essa é para o Critico. O palerma do Stefano nem a isso chegou.

    Gostar

  76. Isabel permalink
    6 Abril, 2010 00:00

    Ricardo:

    Remeto-o para a crónica publicada hoje no DN de João César das Neves.

    Está lá tudo dito.

    Tenho visto pedir-se a cabeça dos pedófilos da Casa Pia mas ainda não vi ninguém pedir a cabeça dos responsáaveis da instituição que esconderam os crimes ao longo dos anos.

    Este tratamento que se está a dar à Igreja é privilegiado no mau sentido do termo.

    E infelizmente temos que continuar a ter o Banco de Portugal a fiscalizar os negócios da banca apesar de ter tido um director pitosga. E a Casa Pia ainda não fechou apesar de provavelmente ainda continuar a haver abusos nas barbas dos responsáveis.

    A Igreja também não tem que fechar. O seu prestígio fica abalado, claro, mas o bem que faz aos desfavorecidos e o que contribui para o melhoramento da sociedade através da mensagem de Cristo, justificam-na, da mesma maneira que a Casa Pia tem salvo muitas crianças da marginalidade ensinando-lhes um ofício e dando-lhes uma profissão que as dignifica.

    Há projectos que estão muito para além dos medíocres que os animam em determinados momentos da sua história.

    Gostar

  77. Anónimo permalink
    6 Abril, 2010 02:25

    Sendo que essa história se passou há décadas e nem a sociedade, o Estado e a polícia ligou às denúncias.

    Lembraram-se agora, depois deste Papa ter entalado muitos interesses quando visitou os USA.

    Gostar

  78. 6 Abril, 2010 02:26

    Sendo que essa história se passou há décadas e nem a sociedade, o Estado e a polícia ligou às denúncias.

    Lembraram-se agora, depois deste Papa ter entalado muitos interesses quando visitou os USA.

    Gostar

  79. Ricardo permalink
    6 Abril, 2010 19:20

    Isabel,

    Foi pegar no pior exemplo em que podia ter pegado. A crónica de João César das Neves no DN é um belo exemplo da fúria desculpabilizadora dos católicos em relação à sua Igreja. É justamente esta cegueira desculpabilizadora que justifica que tantos durante tantos anos tenham fechado os olhos aos abusos praticados. Esta fúria desculpabilizadora da pedófilia, só existem em relação à Igreja Católica. Não tem paralelo com nenhum outro caso desconhecido.

    A crónica começa por dizer : “Apedofilia é um crime horrendo. Pior se o criminoso for educador. Mais ainda se for clérigo.”

    E a seguir segue com toda uma serie de comparações para essencialmente dizer que o caso da pedofilia na Igreja não é tão grave como outros casos. É notável, mas todo o texto pretende justificar o oposto do que o seu autor reconhece.

    Quanto a mim, não há debate possível em torno deste tema : a pedofilia na Igreja não é nem mais grave nem menos grave do que noutro caso qualquer. Os seus responsáveis devem ser julgados.

    Quanto à hierarquia : se se provar o seu envolvimento e tentativa de ocultação dos casos (como parece ter acontecido noutros países), deve igualmente ser julgada por isso. E não é por se tratar da Igreja que o caso deve deixar de ser devidamente investigado, sem complexos e sem pudores.

    Acho que todos podemos estar de acordo com isto.

    Gostar

  80. licas permalink
    7 Abril, 2010 15:57

    6.Papai Noel disse
    2 Abril, 2010 às 11:06 am
    A “outra” forma de dar banho ao cão é:
    Desacreditar as crianças que “confundem” tudo
    Classifica-las de prostitutas
    Culpabilizar apenas o intermediário.
    Alterar as leis para que as penas sejam mais leves.
    Considerar mil violações como uma só.
    Alterar prazos de prescrição.
    Chamar a testemunho milhares de pessoas.
    O cão fica com pulgas mas põe-se uma batina e diz-se que as pulgas estão debaixo dela.

    *************************

    EXACTAMENTE COMO SE TEM FEITO NA * CASA PIA *, COM UM PEQUENO PORMENOR:
    PRIMEIO FOI PRECISO ILIBAR OS *RATOS DO LARGO* IMPLICADOS, PAULO PEDROSO E COMPANHIA.
    E . . .
    HÁ SEMPRE UM BIBI PARA ARCAR COM TODAS AS CULPAS.
    NO TENEBROSO CASO FACE OCULTA JÁ CONSEGUIRAM ENCONTRAR O BODE EXPIATÓRIO NO SUCATEIRO GODINHO.

    Gostar

  81. Amigo do Cristo Ressuscitado permalink
    24 Abril, 2010 04:26

    “AS PORTAS DO INFERNO, JAMAIS PREVALECERÃO SOBRE AS PORTAS DOS CÉUS”…RSRS…RSRS…PORTANTO, AGUARDEM OS QUE FALAM MAL, POIS NÃO HÁ UM JUSTO SE QUER…POIS A JUSTIÇA DE DEUS EXISTE E VOCÊS QUE ATACAM O SANTO SACRIFÍCO DE CRISTO, E À CRISTANDADE, COM TODA CERTEZA, RECEBERÃO AINDA EM VIDA A EDUCAÇÃO ESPIRITUAL QUE AINDA NÃO POSSUEM E VERÃO O DESTINO DE PESSOAS CHEIAS E REPLETAS DE CRIMES, DEFEITOS E PECADOS TAMBÉM…OU NÃO…RSRS…RSRS…O TEMPO DIRÁ…COM DEUS NÃO SE BRINCA!!!! PASSARÃO O CÉU E A TERRA, MAS, MINHA PALAVRA NÃO PASSARÁ!!!!…PORTANTO, PODEM TENTAR DESTRUIR A IGREJA CATÓLICA, QUE É CRISTÃ EVAGÉLICA APOSTÓLICA ROMANA…MAS QUEM DÁ VIDA A ELA É DEUS E A SANTÍSSIMA TRINDADE…PORTANTO, PODEM TIRAR O SEU “CAVALINHO DA CHUVA”, PIS ESTA GURRA CONTRA A IGREJA E CONTRA O PAPA E OS CRISTÃOS EM GERAL, VOCÊS JÁ PERDERAM!!!!

    E LEMBREM-SE: QUEM MALTRATA UM CRISTÃO…ATRAI MALDIÇÕES PARA SI PRÓPRIO E PARA OS DEMAIS ÍMPIOS TAMBÉM!!!!

    Gostar

  82. Amigo do Cristo Ressuscitado permalink
    24 Abril, 2010 04:28

    “AS PORTAS DO INFERNO, JAMAIS PREVALECERÃO SOBRE AS PORTAS DOS CÉUS”…RSRS…RSRS…PORTANTO, AGUARDEM OS QUE FALAM MAL, POIS NÃO HÁ UM JUSTO SE QUER…POIS A JUSTIÇA DE DEUS EXISTE E VOCÊS QUE ATACAM O SANTO SACRIFÍCO DE CRISTO, E À CRISTANDADE, COM TODA CERTEZA, RECEBERÃO AINDA EM VIDA A EDUCAÇÃO ESPIRITUAL QUE AINDA NÃO POSSUEM E VERÃO O DESTINO DE PESSOAS CHEIAS E REPLETAS DE CRIMES, DEFEITOS E PECADOS TAMBÉM…OU NÃO…RSRS…RSRS…O TEMPO DIRÁ…COM DEUS NÃO SE BRINCA!!!! PASSARÃO O CÉU E A TERRA, MAS, MINHA PALAVRA NÃO PASSARÁ!!!!…PORTANTO, PODEM TENTAR DESTRUIR A IGREJA CATÓLICA, QUE É CRISTÃ EVANGÉLICA APOSTÓLICA ROMANA…MAS QUEM DÁ VIDA A ELA É DEUS E A SANTÍSSIMA TRINDADE…PORTANTO, PODEM TIRAR O SEU “CAVALINHO DA CHUVA”, POIS ESTA GUERRA CONTRA A IGREJA E CONTRA O PAPA E OS CRISTÃOS EM GERAL, VOCÊS JÁ PERDERAM!!!!

    E LEMBREM-SE: QUEM MALTRATA UM CRISTÃO…ATRAI MALDIÇÕES PARA SI PRÓPRIO E PARA OS DEMAIS ÍMPIOS TAMBÉM!!!!

    Gostar

Trackbacks

  1. A Igreja, a pedofilia e os velhos vícios republicanos « O Insurgente
  2. O que eles queriam que se soubesse* « BLASFÉMIAS

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: