Saltar para o conteúdo

“que parva que eu sou”

7 Fevereiro, 2011

Esta semana há greve nos transportes públicos. É para protestar contra os cortes salariais. Note-se que todos os salários abaixo de 1500 euros foram aumentadas 2,9% em 2009 e não sofreram qualquer corte. A menina Deolinda em vez de andar a estudar na universidade, devia ter ido para motorista da Carris.

Anúncios
69 comentários leave one →
  1. certo permalink
    7 Fevereiro, 2011 13:29

    Concedido, ainda, entretanto, que a perder para a inflação galopante, bem há mais de dez anos, esses mesmos vencimentos já a perdiam, é verdade, sete a oito por cento de valor.
    Enfim, mas isso não conta, por certo entendem, para o que agora aqui me apraz expor.

    Gostar

  2. José permalink
    7 Fevereiro, 2011 13:38

    O poder dos sindicatos. José Pedro Castanheira escreveu esta semana no Expresso um artigo sobre as mentiras da CGTP num livro que pretende contar a sua história.

    Na Inglaterra, Mrs Tatcher, nos anos oitenta tinha o mesmo problema: strikes atrás de strikes nos transportes. Solução? Estavam à mão de semear, seguindo a cartilha Milton Firedman, também adoptada por Reagan: privatizar.

    E privatizou. Será que resolveu o problema dos transportes em Inglaterra? Qual o balanço? Alguém sabe, dos economistas que proliferam por aqui?

    Gostar

  3. Antonio Maria permalink
    7 Fevereiro, 2011 13:43

    Bem metido sim senhor.
    É bom lembrar aos mais esquecidos de que nem sempre o que parece é.

    Gostar

  4. 7 Fevereiro, 2011 13:59

    Anote-se o artigo do passado dia 5 no Expresso sobre este assunto: apenas um ponto de vista, o do Governo. Inconcebível, num semanário com o perfil do Expresso.

    Afinal, porque se fixar apenas no papel suplectivo das Escolas particulares (de associação) em relação à rede pública?

    Porque não colocar em cima da mesa o facto do Governo Português ignorar as suas próprias leis, onde se assegura a gratuitidade na frequência da escolaridade obrigatória e o direito de escolha por uma escola não pública?

    Porque não entender que o facto do Estado pagar às farmácias por conta destas venderem medicamentos abaixo do custo não coloca o Estado a subsidiá-las… Nem às empresas de transportes que vendem passes sociais por troca de compensações indemnizatórias.

    São direitos (até quando serão mantidos é a questão) da população que se exercem onde esta escolhe, independentemente de serem satisfeitos através de um serviço público ou particular.

    Finalmente, apesar da Lei de Bases da Educação, no seu artigo 58º, ponto 2, referir que “No alargamento ou no ajustamento da rede o Estado terá também em consideração as iniciativas e os estabelecimentos particulares e cooperativos, numa perspectiva de racionalização de meios, de aproveitamento de recursos e de garantia de qualidade.”, a verdade é que a acção da “PARQUE ESCOLAR” não se coaduna com essa norma. E, ampliando as escolas atinge, dessa forma, a oferta particular existente. Que funciona e que revela resultados positivos no que faz.

    Tem sido evidente o incómodo anual dos governantes aquando da saída dos rankings das escolas. O sucesso do particular, não sendo replicado no público, não é tolerável. Daí, elimina-se o que funciona.

    Infelizmente o Socialismo é assim: ao combater as desigualdades, rapidamente entende que não consegue elevar mínimos. Assim, trata de baixar os máximos. E atinge a igualdade na mediocridade.

    Socialismos.

    http://notaslivres.blogspot.com/

    Gostar

  5. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:06

    O balanço da privatização dos transportes em Inglaterra, toda a gente o sabe- é negativo.

    Gostar

  6. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:08

    É uma questão de senso comum, até. Pode haver concorrência nos autocarros e esses são baratos. Agora no tube e nos combóios é uma perfeita loucura.

    Fica mais cara uma pequena viagem de Londres à Cornualha que um fim-de-semana com estadia completa.

    Há mesmo records mundiais em preços de viagens de combóio.

    Gostar

  7. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:08

    Agora por cá, é o PCP que manda e o resto é conversa. Esse artigo do Expresso é bem pertinente.

    Gostar

  8. 7 Fevereiro, 2011 14:08

    Só o socialismo é que se lembraria de criar um estado dono de empresas de transportes. O resultado está à vista: volta e meia Lisboa e Porto paralisam. Quem perde mais são os trabalhadores do sector privado e os estudantes que se vêem aflitos para chegar ao trabalho e às escolas apesar de já terem o bilhete pago.

    Só socialismo e o corporativismo estilo Estado Novo é que se lembrariam de dar passes gratuitos e perpétuos aos familiares dos trabalhadores das empresas de transportes. A situação é tão caricata que as filhas dos trabalhadores só perdem o direito a usufruir dos transportes públicos de borla se contraírem casamento com com um homem que não seja da corporação dos transportes públicos.

    Só o socialismo é que se lembraria de criar passes especiais e bilhetes mais baratos para os aposentados, incluindo os que recebem pensões milionárias.

    Os desgraçados dos trabalhadores do privado pagam cada vez mais caro os transportes públicos e os familiares dos trabalhadores dos transportes públicos continuam a andar de borla. E os aposentados também.

    Isto, sim, é racionalidade socialista.

    Gostar

  9. campos de minas permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:09

    negativo é pouco: trágico! relembre-se o acidente nos caminhos de ferro em londres!

    Gostar

  10. Filipe Santos permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:10

    Em Portugal privatizou-se os transportes rodoviários nos arredores de Lisboa e aboliu-se a concorrência. A cada ano ainda recebem indemnizações compensatórias.

    Veja-se o caso da Vimeca / LT onde se paga 2,5 euros por 1 quilómetro de viagem.

    QUERO CONCORRÊNCIA! MERCADO!

    Gostar

  11. JoaoMiranda permalink*
    7 Fevereiro, 2011 14:13

    Zazie,
    .
    Se o contribuinte assumir os custos de capital tudo fica barato.

    Gostar

  12. Filipe Santos permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:13

    Vejam os requisitos que existem para se abrir uma empresa de transportes apenas com dois autocarros e um percurso. É de loucos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1

    O Estado criou um monopólio de empresas privadas. Entrar no mercado dos transportes e fazer concorrência é impossível.

    Gostar

  13. António Alves permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:28

    “Note-se que todos os salários abaixo de 1500 euros foram aumentadas 2,9% em 2009 e não sofreram qualquer corte”

    pelo menos no que respeita à CP, esta afirmação não é verdadeira.

    Gostar

  14. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:29

    João Miranda,

    Eu não o entendi. O José falou nos transportes ingleses. Eu conheço-os. Respondi- é um facto que depois da privatização os transportes em Inglaterra ficaram caríssimos. Sem comparação sequer com mais nada. É uma autêntica anormalidade.

    Dei ainda uma dica para a diferença entre metro, combóios e autocarros. Estes útlimos são velhos mas muito baratos.

    Suponho que onde apenas pode existir uma linha não há concorrência- caso dos combóios e metro. Eles têm exploradores diferentes de linhas diferentes mas isso vai dar ao mesmo. Ninguém decide ir de metro para casa por uma linha mais barata que não o leva a casa.

    Gostar

  15. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:30

    Quanto ao exemplo tuga estou de acordo. a CGTP é o PCP ou vice versa, sem ela, se calhar, não existia PCP.

    E os nossos transportes são muito baratos, por comparação com os do resto da Europa.

    Gostar

  16. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:35

    Mas, nestas coisas, como em tudo, aliás, não existem decisões de cartilha. Uns casos fará sentido concorrência e privatizaçã0, noutros não.

    O nosso metro é pequeníssimo. Só pode ser estatal. Agora os funcionários em excesso que têm, e os lugares de chefia para nababos partidários é outra coisa.

    Há quem diga que uma maneira de evitar tantas greves (ou a percentagem elevada de adesão) se controna com a automatização das carruagens. Isso sucede em várias linhas londrinas e parisienses.

    Gostar

  17. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:39

    Há concorrência em autocarros e pode haver muito mais e também poderia haver nos comboios se existissem linhas que tivessem acompanhado o desenvolvimento das povoações.

    Mas nã0. Por cá desleixou-se em completo os comboios- logo o mais bonito meio de transporte. E depois anda tudo de carro em toda a parte- uma tara de novo-riquismo absolutamente tuga.

    São as dondocas de jipe e óculos escuros para irem ao cabeleireiro da esquina e os putros armados em doutores, com carro para a faculdade e “não pagamos, não pagamos, propinas”.

    Gostar

  18. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:42

    Essa do não pagamos e popó é que é uma boa forma de arrumar os paizinhos que depois andam por aqui com hipocrisias de igualitarismos de ensino e anti-discriminação.

    Eu bem sei quem eram os papás escardalhos dos filhinhos das greves às propinas- os tais da “geração rasaca”. Até chegavam a ir vestidos à “caçadaora” com chapelinho de penas e colete para dar um ar revolucionário à greve. Mas pequeno almoço só no hotel. Nunca essa maltosa escardalha era capaz de tomar pequeno almoço ou almoçar na cantina.

    O mesmo com os transportes públicos- isso é coisa de machibombo para pretos.

    Gostar

  19. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:44

    errata: rasca.
    Assisti e a isso e lembro-me que era folclore perfeitamente cretino. Os mais betolas de todos é que eram os associativos. E é claro que os pais viam a palhaçada pela tv e pagavam os carros e gasolina para as reivindicações académicas.

    Gostar

  20. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 14:46

    Mas os promotores safaram-se bem na vida. Começam pelas associações académicas, passam para as câmaras e é seguir a linha “serviço público” e chegar ao parlamento.

    Gostar

  21. 7 Fevereiro, 2011 14:55

    Ficaram caríssimos porque são caríssimos. Em quase todos os casos de privatização/concessão, o estado inglês apenas passou para os privados a responsabilidade dos aumentos – o objectivo das concessões a privados foi quase sempre o de estancar prejuízos.

    Mas mesmo o metro de Londres – público, gerido pela TFL – está com o lindo preço de 4£ por viagem ou 5,5£ um bilhete diário. Apenas com a Oyster Card fica um pouco mais barato.

    Transportes baratos, só com subsídios – sejam públicos ou privados.

    Gostar

  22. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 15:01

    Acrescento enquanto não há censura gratuita:

    Não só ficaram caríssimos como são uma trampa. O metro passa o tempo a ter estações fechadas e avarias e o sei lá que mais. Os combóios agora estão um pouco melhor por imposição do governo mas ainda há 2 anos nunca cumpriam horários.

    Pode-se comparar com a França- aí o metro é excelente e funciona bem. E também é antigo. Portanto, a explicaçã0 não está no “ficarem caríssimos”. Há coisas feitas para dar lucro e outras nem tanto.
    Nos transportes existem muitas variantes. No caso de serviço de metro, que é coisa pequena e citadina e tem vantagens gigantescas em relação ao trânsito, é bom que funcione e seja acessível. E para isso, no nosso caso, tem de ser estatal.

    Gostar

  23. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 15:05

    Outro fenómeno- toda a gente fala disso mas ninguém se queixa. O metro tem lá tickets para se fazer protesto e indemnizam até pelo correio.
    Mas ninguém usa. Tem de ser o Estado a cobrar-lhes multas por variadíssimos motivos, dos atrasos à limpeza (ou falta dela).
    Os ingleses são passivos, nestas tretas. Se fosse cá era lindo. Dava logo na tv e havia barricadas lá dentro.

    Gostar

  24. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 15:08

    E lá não há tara de se esnobar por andar de transporte público. Toda a gente usa comboios e o tube.

    Isso é mesmo problema terceiro mundista e bem nosso.

    Gostar

  25. João Vasco permalink
    7 Fevereiro, 2011 16:25

    «“Note-se que todos os salários abaixo de 1500 euros foram aumentadas 2,9% em 2009 e não sofreram qualquer corte”
    pelo menos no que respeita à CP, esta afirmação não é verdadeira.»

    António Alves:

    Esse ponto é importante. Em que medida é que a afirmação é falsa?

    Gostar

  26. 7 Fevereiro, 2011 16:40

    Zazie; «Estes útlimos são velhos mas muito baratos.»

    Carris? Velhos?
    Da Europa os nossos autocarros são dos melhores, climatizados e bem cuidados. Há, contudo um problema nalguns percursos; os atrasos.
    Experimente ir no Verão ali ao Seixal, nos autocarros “privados”. Vai ver o que é passar mal. Cortinas e alcatifas. Maravilha!
    Quanto ao metro, a rede está bem distribuída. Atrasos são raros e de uma forma geral (se descontarmos o prejuízo) o Metro funciona bem. Quanto aos “arranjos” das estações, é que a porca torce o rabo. Santa Apolónia tem um lance partido…. digamos que, 2 anos? Entrecampos; passadeiras rolantes estão há semanas paradas..

    Não acredito que privatizar vá resolver os problemas da “Carris”. A Carris necessita de concorrência é verdade, mas muitos dos atrasos devem-se ao entupimento constante pela parte dos saudosos condutores Lisboetas.

    E Zazie, o “povo” para deixar de usar carro tinha o Estado de entrar na “metadona” e largar a dose de taxas…

    R.

    Gostar

  27. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 16:56

    ó imbecil, se não sabes ler o que é que queres.

    Estes últimos= os autocarros.

    Embrulha e desorelha que já te insultaste a ti próprio com a iliteracia à ilharga

    Gostar

  28. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 16:57

    Os autocarros ingleses. Percebes? Não consegues ler uma frase e ainda querias ensinar o quê?

    Gostar

  29. 7 Fevereiro, 2011 16:58

    Zazie; os autocarros da Carris não são velhos…

    Provavelmente vieste à cidade tratar lá dos papéis da herdade logo a seguir ao 25 de Abril, aí é que eram matreiros os autocarros. Eles agora têm música ambiente e ar condicionado.

    R,

    Gostar

  30. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 16:59

    V.s vêm para aqui para embicar comigo e depois só escrevem disparates.

    Eu estive a dizer precisamente o oposto. Que os nossos transportes são bons e baratos. Os ingleses são maus e caros. E fiz notar que apenas nos autocarros existe competitividade por exploração de diferentes companhias. Tornando-os baratos. Mas são velhos- velhíssimos- chungas como eram os nossos há uns 7 ou 9 anos nas Ilhas.

    Gostar

  31. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 17:00

    E acrescentei- sem ser nesse comentário, que o problema dos comboios é o dos carris não terem acompanhado o desenvolvimento das localidades.

    Mas não tinha nada a ver com a passagem que não soubeste ler.

    Gostar

  32. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 17:02

    E insistes?

    Tu estás bêbado ou tens algum grave problema de leitura?

    Ainda não entrou? ainda não conseguiste descodificar as letras e uni-las para perceberes que velhos são os autocarros ingleses e que era deles que eu estava a falar?

    Gostar

  33. 7 Fevereiro, 2011 17:02

    «Que os nossos transportes são bons e baratos»

    Epá, então entendi mal, desculpa lá. Também é essa a minha posição. Agora não sei é se privatizar vai manter o mesmo nível de conforto que actualmente temos (pelo menos na rede Carris)…

    Quanto ao cavalo de ferro nunca tive nenhuma queixa e metro também está acessível.
    R.

    Gostar

  34. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 17:03

    E a alimária insiste em espalhar-se ao comprido

    ahjahahaha

    Ele há cada mongo à solta que faz favor.

    Gostar

  35. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 17:03

    Estás a ver como entendeste mal. Pois. Para a próxima lê e depois escreve…

    “:O?

    Gostar

  36. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 17:05

    E eu estive a dizer que não se devia privatizar….

    V.s têm cá uma paranóia comigo. Olha, vai chatear a tinamonga que essa é que anda aí à solta, mais o toino do Ramiro Marques, a escreverem imbecilidades sem ninguém gozar com eles.

    Gostar

  37. 7 Fevereiro, 2011 17:05

    Se tu escrevesses tudo de uma vez…. é que escreves em 20 postas tudo separado. E depois disparas para todo o lado, revoltada com o mundo e com o Sol.
    R.

    Gostar

  38. 7 Fevereiro, 2011 17:09

    Mas ó Zazie, não privatizas e continuamos com este modelo de gestão a fundo perdido?

    O que sugeres?

    Pelo menos a nível da Carris e Metro.

    R.

    Gostar

  39. Viriato permalink
    7 Fevereiro, 2011 17:13

    Na Alemanha há mais de 150 empresas privadas ferroviárias de passageiros e carga que transportam mais de 2 mil milhões passageiros e 350 milhões toneladas carga todos os anos.

    Se os bilhetes são caros lá e baratos cá ? Cá também são caros, provavelmente até mais caros devido ao juros e aos tachos, ainda não chegou foi a factura, mas chegará juntamente com as muitas outras.
    CP, REFER, Metro Lisboa, Porto, Transtejo, etc, devem já mais de 10 mil milhões.
    Acham que ninguém vai pagar ?

    Já agora, nos anos sessenta havia centenas de empresas privadas de transporte rodoviário em Portugal que funcionavam sem subsídios e eram viáveis.

    Gostar

  40. JRamalho permalink
    7 Fevereiro, 2011 17:18

    Caro menino Joãozinho
    Diga lá, aqui para a gente, que ninguem nos houve, o que tem contra os ricalhaços que ganham menos de 1500 euros? Porque eu contra a flauzina da Deolinda não tenho nada contra.

    Gostar

  41. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 17:20

    Sugiro que despeçam quem está a mais.

    Assim de repente é a única coisa que me ocorre.
    O problema das greves é outro. É ser coisa política sob mando do PCP. Não há greve cá que não seja ordenada pelo partido comunista.

    Gostar

  42. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 17:22

    Mas ó rogerinho: eu não faço como tu. Não faço primeiro redacções no word para largar um comentário e, na volta, nem saber o que digo.

    Tu é que escreveste uma série de tretas inúteis. Não fui eu que me limitei a comentar o post e não os comentários dos outros (excepto o do José, por colocar uma questão pertinente).

    Gostar

  43. zazie permalink
    7 Fevereiro, 2011 17:25

    E também não estou nadinha revoltada. Nem com transportes nem com o facto de hoje ter conseguido comentar aqui sem ser censurada.

    Até devia aproveitar para gozar com a tinamonga e com o ramirinho que é um tolinho que provoca fornicoques.
    E v.s nem notam. Não estão bloqueados mas deixam passar as imbecilidades do escritor-pedagogo-ex-escardalho-ao-tacho-no-psd

    Gostar

  44. 7 Fevereiro, 2011 17:30

    Pois claro, tu sabes o que dizes. Resolveste o problema do défice crónico nos transportes públicos.

    Zazie, vai bugiar ou vai caçar lá na herdade… e manda cumprimentos à mãmã que trabalha nas Finanças.

    R.

    Gostar

  45. 7 Fevereiro, 2011 17:31

    E deixa lá a Tina, coitadinha… é atrasadinha a menina…

    R.

    Gostar

  46. JoseB permalink
    7 Fevereiro, 2011 19:39

    “Deolinda em vez de andar a estudar na universidade, devia ter ido para motorista da Carris”
    Ou para a Administração (da Carris).
    Setembro 2010: aumento 2.500 salário administrador;
    Ex vereadora levada para uma Direcção (da Carris): perante a oferta de um Mazda 3, recusa.
    Exigiu o Mazda 6.
    Portanto, avante Deolinda. Para um partido de governo.

    Gostar

  47. JoseB permalink
    7 Fevereiro, 2011 19:47

    Zazie
    um bravo à Zazie.
    Grande dia.
    Cpts.

    Gostar

  48. Filipe permalink
    7 Fevereiro, 2011 19:57

    Na cidade de Queluz é curioso verificar que a VIMECA tem cada vez mais indemnizações compensatórias e bilhetes mais caros. Na hora de ponta, com bilhetes a 2,5 euros por 1 quilómetro, há pessoas que ficam na paragem por falta de espaço dentro dos autocarros…

    É preciso concorrência e regras claras de mercado.

    Gostar

  49. 7 Fevereiro, 2011 21:09

    Filipe
    Posted 7 Fevereiro, 2011 at 19:57 | Permalink
    Ainda hoje vi pedir 3 Euros no elevador da Calçada da Glória (Carris) que devem ser uns trezentos metros. Deve ser record do Guinness.

    Gostar

  50. 7 Fevereiro, 2011 21:26

    realmente… é a ler textos como os que escreveu, muito bem observado, que se percebe que existe um bloco central.

    Gostar

  51. Portela Menos 1 permalink
    7 Fevereiro, 2011 23:28

    (…) Não há greve cá que não seja ordenada pelo partido comunista (…)
    .
    grande novidade!
    até o botas dizia o mesmo!

    Gostar

  52. zazie permalink
    8 Fevereiro, 2011 11:15

    Inteligência- quem é que dirige a CGTP?

    Tu não tens um único argumento e até os factos negas para andares para aí com a imbecilidade dos fantasmas do “facismo”. Tens futuro- anti-facista do séc. XXI na reforma.

    Gostar

  53. zazie permalink
    8 Fevereiro, 2011 11:17

    Acaso existem centrais sindicais fora do PCP a conseguirem estas greves?

    Acaso a CGTP não é o PCP como ainda agora no último congresso ficou demonstrado, ao teimarem no “orgulhosamente sós” ?

    Gostar

  54. zazie permalink
    8 Fevereiro, 2011 11:18

    Há gente demasiado estúpida que só anda aqui a fazer a onda. Como se não bastasse uma coisa pisca, temos outra que perdeu um.

    Gostar

  55. Tomas permalink
    8 Fevereiro, 2011 11:49

    Gosto do caso dos demónios ingleses…

    Olhem os capitalistas que privatizam tudo e corre-lhes mal a vida… Ahhhh o demónio! Vejam como eles estão mal agora..

    Bom bom são os países que vão na direcção contrária.. Os que nacionalizam tudo.. como .. espera.. hmm.. à de haver um em que a existência de empresas de serviços de capital público sejam bons exemplos.

    Ah somos nos! Transportes baratos, todos têm um descontozinho… Ai os especuladores financeiros que agora vêm dizer que não podemos empurrar os excessos de custos para a dívida eternamente! Querem nos fazer mal!

    Santa paciência… a esquerda portuguesa tem a mentalidade financeira equivalente de um miúdo de 5 anos… Se fechar os olhos os custos desaparecem e quem não aceita esta lógica é porque me quer explorar.

    Gostar

  56. certo permalink
    8 Fevereiro, 2011 17:14

    Pero, si no es CGTP, José, ó Zazie, mais vosmecês, aí, si
    no es el PCP, estan hodidos, c’um caray, hay que decirlo.

    Gostar

  57. Portela Menos 1 permalink
    8 Fevereiro, 2011 23:50

    Nazie, não fique nervosa e argumente sem insultos.
    Eu por acaso contrariei a sua famosa afirmação? – (…) Não há greve cá que não seja ordenada pelo partido comunista (…)
    .
    Não, não só não contrariei como afirmei que Salazar/Caetano utilizaram o mesmo argumento.

    Gostar

  58. José permalink
    9 Fevereiro, 2011 11:06

    certo:
    O PCP e a CGTP estão-se nas tintas para os verdadeiros direitos dos trabalhadores. Importam-se acima de tudo com os seus direitos políticos de organização num partido e na sobrevivência ideológica que os sustenta. Mais nada.

    Agora, se as lutas do PCP forem do meu interesse, também as apoiarei. Mas sem ilusões. O PCP
    e um anacronimso da sociedade portuguesa.
    Se explicassem direitinho á população aquilo em que verdadeiramente acreditam , estavam perdidos porque as pessoas já não vão em cantigas de amanhãs. Algumas, as mais indigentes intelectualmente ainda vão, claro. E é essa a base de apoio do PCP: os proletários intelectuais…

    Gostar

  59. José permalink
    9 Fevereiro, 2011 11:12

    Ontem fui ver o Inside Job.
    A conclusão é: não há alternativa ao capitalismo. Este que temos, predador e egoísta. A única solução é a arreata que lhe podem pôr.
    No fim do filme, citam-se afirmações dos responsáveis da Goldman Sachs e de outras firmas a dizer que devia existir maior regulação porque senão, ninguém os pára. Ganhar dinheiro é um vício, para eles e não se importam de o fazer continuadamente. Por isso alguém tem de os parar na escalada viciosa.

    Mas também se diz no filme que essas afirmações duraram um tempo muito curto que foi o do medo que tiveram em perder tudo. Passado esse tempo, estão na mesma como dantes e os lucros e repartição de bónus vai de vento em popa.
    o Obama escolheu para a área económica alguns dos responsáveis directos pelo escândalo da ausência de regulação…e pelo menos dois antigos executivos da Goldman Sachs. Precisamente os mais responsáveis…
    E tudo tresanda a judeu.

    Gostar

  60. campos de minas permalink
    9 Fevereiro, 2011 11:24

    Joosé,
    é blasfémia escrever isso aqui no blasfémia…

    Gostar

  61. zazie permalink
    9 Fevereiro, 2011 12:48

    Este não perdeu um, há-de tê-los perdido aos dois e à mioleira.

    Podia juntar-se com a bluesmile- outra para quem a qual a palavra nazi se usa ao desbarato. Para estes mongos nazi é tudo aquilo que não é comuna ou xuxa.

    Pois se assim é, sempre que me chamares nazie chamo-te retardado mental. Não é insulto- é o que objectivamente demonstras ser.

    Gostar

  62. Portela Menos 1 permalink
    9 Fevereiro, 2011 22:19

    és tão previsível 🙂

    Gostar

  63. Francisco Colaço permalink
    10 Fevereiro, 2011 11:31

    Caríssimos,
    .
    Pode ser que esteja a exagerar aqui, mas poderia ler uma linha de comentários sem ataques pessoais e assuntos pessoais mal resolvidos?
    .
    Tenho de defender a Zazie aqui. Ela responder a uma pergunta. Não foi bem compreendida por que não a leu. O resultado foi insultos a duas partes. Não sendo claro quem começou, a escalada foi igual.
    .
    Não tenho grande simpatia pelos Deolinda. São um íconde de uma geração de pessoas que está à espera de que o Estado lhes resolva os problemas, em vez de se lançar ao trabalho, tirar formações e emigrar se necessário (digo isto eu, que posso estar pronto a sair do país, contrafeito e desiludido, mais uma vez). Dito isto, os Deolinda não são nada parvos: vão ganhar uma maquia dos fascinados com as verdades exaradas, a eterna carneirada nem-nem: nem tomates, nem carácter.
    .
    A verdade é esta: grande parte dos grevistas não viram os seus salários afectados. Apenas os caudilhos os viram. Diz isto tudo?
    .
    E já agora, conto com a VOSSA opinião (mesmo as dos socratíssimos Portela Menos Um e D) para esclarecer e formar a minha.
    .
    Francisco Miguel Colaço

    Gostar

  64. Francisco Colaço permalink
    10 Fevereiro, 2011 14:11

    Errata:
    .
    por que não a leu -> por quem não a leu.
    .
    As minhas desculpas.

    Gostar

  65. zazie permalink
    10 Fevereiro, 2011 14:32

    Obrigada, Francisco.

    Acredite numa coisa: eu nunca começo uma briga. Nunca. Mas se se armam em parvos e me chateiam, aí a coisa é diferente. Passam a chorar com razão.

    Gostar

  66. Portela Menos 1 permalink
    10 Fevereiro, 2011 18:43

    A Senhora Zazie sentiu-se ofendida com este meu comentário, onde citei uma frase da da Senhora:
    (…) Não há greve cá que não seja ordenada pelo partido comunista (…)
    grande novidade!
    até o botas dizia o mesmo!
    .
    Agora é só ler a reacção terrorista da Senhora …
    .
    ps…
    caro Francisco Colaço: achei muita piada ter-me chamado de socratíssimo 🙂
    e se eu lhe chamasse …colador de etiquetas?

    Gostar

  67. ulisses permalink
    11 Fevereiro, 2011 00:53

    o joão miranda mente com quantos dentes tem na boca;

    assinado
    um ferroviário

    Gostar

  68. ulisses permalink
    11 Fevereiro, 2011 00:57

    informo a Zazie q o sindicato de maquinistas não pertence a nenhuma central sindical, é independente.

    Gostar

  69. Botas permalink
    11 Fevereiro, 2011 02:56

    Este está ao nível dos ratos.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: