Saltar para o conteúdo

Mas não ouvem mais ninguém?

25 Novembro, 2012

No dia em que se celebra o 25 de Novembro o site da RTP foi ouvir Varela Gomes. Sendo Varela Gomes um dos protagonistas desse dia faz todo o sentido ouvi-lo mas seria importante chegar onde é que ele esteve, o que fez, que ordens deu… e já agora se não for muito pedir podiam ouvir outros protagonistas. Mas enfim é nisto que estamos.

 

Anúncios
26 comentários leave one →
  1. Portela Menos 1 permalink
    25 Novembro, 2012 16:16

    Podiam ouvir aquele cavalheiro dos comandos que, alegadamente, usava orelhas dos pretos como porta-chaves…

    Gostar

  2. Portela Menos 1 permalink
    25 Novembro, 2012 16:20

    Podiam ouvir o major valentim e amigos…tudo gente com creditos junto do poder actual.

    Gostar

  3. piscoiso permalink
    25 Novembro, 2012 17:04

    Podiam ouvir a minha tia Dolores,
    que a 25 de Novembro desse ano
    estava de parto.

    Gostar

  4. Nuno Almeida permalink
    25 Novembro, 2012 17:17

    FIcou omitido do artigo da RTP um detalhe que, pensando que não, é fundamental para a história. O detalhe é apenas este: porque razão militares independentes do PCP, depois das primeiras eleições democráticas onde este partido mal obteve 12% dosvotos, acharam necessário prepararem-se para um contra-golpe de estado organizado e dirigido pela extrema-esquerda? Será que a 25 de Novembro o PCP e outros movimentos extremistas não tentaram lançar um golpe de estado para tentar decapitar um governo democraticamente eleito conquistar pela o poder aquilo que pelas eleições livres e democráticas não conseguiram?

    Gostar

  5. 25 Novembro, 2012 17:28

    Portela,
    E não só. Que tal ouvir Cavaco esse grande ombreiro de Novembro…ou será d´Abril???

    Gostar

  6. 25 Novembro, 2012 17:44

    E já agora, porque não falar com o professor Karamba ou outro que tal para contactar Melo Antunes, Costa Gomes e quejandos para saber o porquê da não autorização às forças vencedoras de “completar o trabalhinho” no Campo Pequeno, como queria o assassino condenado (e depois perdoado) das FP-25? Este País perdeu uma oportunidade de ouro…

    Gostar

  7. helenafmatos permalink
    25 Novembro, 2012 17:44

    «Podiam ouvir aquele cavalheiro dos comandos que, alegadamente, usava orelhas dos pretos como porta-chaves…» – é melhor não ir por aí que ainda tem alguma surpresa e verá cair do pedestal algum dos seus heróis.

    Gostar

  8. Tio Ruca permalink
    25 Novembro, 2012 17:49

    Mudando de assunto. Ganda discurso do senhor dos passos na Madeira!
    Meus Deus e é ele primeirpo ministro. Alguém lhe podia mostrar as tristes figuras que anda a fazer.
    Ao menos a utilização de uma rede de argumentos consistente e coerente ainda que falaciosos!

    Gostar

  9. Tiradentes permalink
    25 Novembro, 2012 18:41

    É mesmo melhor não ir por aí …..pois isto de falar do diz que diz cai-lhes o meteorito em cima.
    Bem falado alguns dos seus correlegionários políticos tem muito mais orelhas e outras coisas que me escuso de dizer penduradas à cintura , desde capitães de abril passando por coronéis almirantes e generais.Isto para não falar de alguns “civis” que noutras manobras faziam explodir cabeças.
    Há até quem seja responsável pela chacina de alguns militares portugueses apanhados no jogo político de outros.
    E eles “andem aí”…”andem andem”.

    Gostar

  10. Tiro ao Alvo permalink
    25 Novembro, 2012 19:07

    Esta gente, tipo Portela e Piscoiso, que muito gosta de andar a chatear os outros, por casa alheia, não se entende o que verdadeiramente pretende. Parece que eles não querem catequizar ninguém, mas que querem, apenas, desviar a atenção dos outros comentadores, evitando que as questões levantadas possam ser convenientemente escalpelizadas. Com que interesse? Eis uma incógnita para mim. Será que tiram disso proveito material? Quem sabe?

    Gostar

  11. javitudo permalink
    25 Novembro, 2012 19:50

    Ninguém se deu ao trabalho de investigar a documentação onde se procurava consumar a traição na embaixada da então checoslováquia ao longo de 1974-75. Tudo foi feito para nos entregar à URSS. Há registos de conversas directas entre ele e o Kommintern. A ilusão era a esquadra soviética no Mediterrâneo estacionar em águas portuguesas para amedrontar. O PCP levaria por diante a ofensiva do PREC até ao fim, procurando juntar o poder político ao económico derivado das nacionalizações operadas em Março de 1975. O que terá travado esse movimento revolucionário em embrião? Vários factores além do medo. Em 25 de Novembro esteve por um triz e só o MFA de Melo Antunes os salvou. Por Jaime Neves tinham sido ilegalizados outra vez e lá voltariam à clandestinidade a que se habituaram.
    O álvaro foi várias vezes a Moscovo na esperança de se encontrar com o líder soviético Leonid Brejnev, mas em vão, escreve Anatoli Tchernaiev, antigo funcionário da Secção Internacional do Partido Comunista da União Soviética.
    No seu diário “Êxodo Conjunto”, recentemente publicado na capital russa, Tchernaiev escreve a 11 de Setembro de 1975: “Quando Cunhal visitou Moscovo, foi recebido de forma desdenhosa”.
    Em Julho de 1980, o dirigente comunista português vê recusado mais um pedido de encontro com Leonid Brejnev.
    “Ficou muito abalado. O encontro era necessário: “Precisava que aparecesse a notícia na imprensa: “Brejnev encontrou-se com Cunhal!”O partido cresce, o partido é uma força… E pode faltar um pouco, um pouquinho para conseguir um grande êxito nacional. É para isso que preciso de um encontro com Brejnev”.
    Não conseguiu, nem sequer tinha informação da derrocada que se avizinhava no país das estepes geladas.

    Não houve apreciáveis mudanças no espírito de certos agentes mais ou menos conhecidos e infiltrados. Desapareceu um agente duplo, costa gomes, a URSS deu lugar ao capitalismo mais desenfreado, os eua seguem o seu caminho de auto- destruição, o governo faz chi chi nas calças, o berloque em pontas de pés repete as asneiradas do pcp em 1975 , os tugas perderam a memória e a vergonha, nunca perceberão mesmo nada do que se passa, excepto que chegou o frio e a fome, sabe-se lá porquê, estão prontos para o que der e vier. Não virá coisa boa.

    Gostar

  12. javitudo permalink
    25 Novembro, 2012 19:54

    A política portuguesa “moderna” vive quase só de incidentes medíocres, de tagarelice parola, de zangas comadreiras e de “protagonistas” sem história. Em 25 de Novembro de 1975, a coragem moral, política e física de alguns dos melhores de nós – coisa de carácter que é uma qualidade com tendência a perder-se – evitou uma “guerra civil” original, um híbrido a meio caminho entre um festival de folclore e um tiroteio a sério. Naquele dia, quando a aventura militar se declarou, de mãos dadas com a extrema-esquerda e a complacência estratégica do dr. Cunhal – que se retirou a conselho de Costa Gomes e mandou evacuar os “civis” das cercanias dos quartéis -, emergiu um homem desconhecido, de ar duro e sombrio, com os olhos escondidos atrás de uns óculos escuros. Liderou com sucesso o “contra-golpe” e impôs-se, de seguida, como chefe incontestado de um exército desfeito, primeiro pela guerra, depois pelas brincadeiras do PREC. Ramalho Eanes foi porventura a criatura que mais poder concentrou nas suas mãos depois da “revolução”. Eleito presidente, em 1976, uns escassos sete meses após a sua aparição na conturbada política nacional, era igualmente CEMGFA, comandante supremo e presidente do Conselho da Revolução. Nada disso impediu, antes pelo contrário, que voltasse a disciplina à tropa e que a democracia se institucionalizasse. Na noite de 25 para 26 de Novembro de 1975, na Amadora, o poder representado pelo Presidente Costa Gomes e pelo Primeiro-Ministro Pinheiro de Azevedo agradeceu publicamente a Eanes e a Jaime Neves, comandante do Regimento de Comandos, aquele gesto refundador e patriótico. Orgulhemo-nos, pois, destes homens sem os quais nada teria sido possível (Do Portugal dos Pequeninos)

    Gostar

  13. Jorge permalink
    25 Novembro, 2012 20:11

    E eis onde chegamos com tantos homens inteligentes e bons.

    Gostar

  14. Fincapé permalink
    25 Novembro, 2012 20:49

    Eu penso que os espanhóis não vivem tão obcecados pela comemoração da data em que Tejero Molina invadiu o parlamento dos nossos vizinhos.
    Os acidentes de percurso não deverão ter menos importância do que o percurso em si?
    Já agora, porque nunca falam no mais brilhante debate português de todos os tempos, aquele em que Mário Soares derrotou Cunhal em 06 de Novembro de 1975, colocando a história no caminho correto?
    Esta sim, é estranha.

    Gostar

  15. Portela Menos 1 permalink
    25 Novembro, 2012 20:55

    helenafmatos, Posted 25 Novembro, 2012 at 17:44
    heróis? só o meu pai e a minha mãe; quanto a si nem faço ideia.

    Gostar

  16. Portela Menos 1 permalink
    25 Novembro, 2012 20:57

    Tiro ao Alvo,Posted 25 Novembro, 2012 at 19:07 | Permalink
    “Esta gente, tipo Portela e Piscoiso, que muito gosta de andar a chatear os outros, por casa alheia, não se entende o que verdadeiramente pretende…”
    .
    por mim só quero que tu tenhas liberdade de expressão.

    Gostar

  17. javitudo permalink
    25 Novembro, 2012 21:11

    Ó portela, não enganas ninguém, liberdade de expressão é muito bom para ti e para os teus amigos, nós sabemos o que isso quer dizer se vocês pudessem. Esforcem-se, esforcem-se sempre com as palavras lindas da democracia e dos direitos das pulgas, vendam aquela dos polícias fássistas e da reacção (já tenho saudades de ouvir essa da reacção), pode ser que consigam. A tia cremilde do picoiso já tem o chá preparado para vocês. É preciso cuidado com as velhotas, elas às vezes não perdoam. Lembrem-se que a capital do polónio já ninguém sabe onde é. Da China não esperem nada, a urss foi-se mas ainda lá tem 20% de apaniguados, da coreia do norte ainda menos, cuba já deu e o chavez tem andado muito calado.

    Gostar

  18. piscoiso permalink
    25 Novembro, 2012 21:20

    eheheh
    Agora o Tiro ao Alvo quer saber o que eu quero.
    E não quer mais nada?
    Faça uma lista e meta debaixo da porta.

    Gostar

  19. Portela Menos 1 permalink
    25 Novembro, 2012 21:49

    javitudo , Posted 25 Novembro, 2012 at 21:11 |
    .
    Então? essa ironia era só verniz?até achas que eu “não engano ninguém” 🙂
    és pretensioso mas um pouco fatela.

    Gostar

  20. JDGF permalink
    25 Novembro, 2012 21:53

    Recentemente (5ª. feira) saiu uma obra onde se pode ‘encontrar’ alguma coisa de importante sobre o 25 de Novembro.
    Chama-se: ‘Melo Antunes, uma biografia política’
    Como este militar e político já não se encontra entre nós podiam convidar para ser ouvida a esse propósito a Prof.ª Maria Inácia Rezola que dedicou dois anos a investigar a vida desse ‘ideólogo’ que desempenhou um papel fundamental no 25 de Novembro…
    Todavia, penso que o ‘recado’ é no sentido de serem ouvidos políticos e/ou ‘comentadores orgânicos’ capazes de capitalizar essa data (do PREC!) para fins diversos…

    Gostar

  21. Joaquim Amado Lopes permalink
    25 Novembro, 2012 23:24

    Portela Menos 1,
    “por mim só quero que tu tenhas liberdade de expressão”
    Armar-se(?) em parvo nas caixas de comentários de blogs não é promover a liberdade de expressão.
    Poderá argumentar que liberdade de expressão inclui a liberdade de dizer parvoíces. É verdade. Mas dizer parvoíces (no seu caso e no caso do Piscoiso, SÓ dizer parvoíces) não é exercer a liberdade de expressão, é ser parvo.
    E a forma como “respondem” (o Portela e o Piscoiso) aos artigos e comentários de que não gostam demonstra à saciedade que não vos interessa minimamente que quem discorda de vocês seja livre para o afirmar. Muito pelo contrário, o que faz de si também um hipócrita.
    .
    Apesar de o vosso comportamento estar ao nível do dos miúdos que tocam às campainhas e fogem, o tempo que ambos dedicam a esta vossa “actividade” de poluir as caixas de comentários com parvoíces (por muitas vezes que vos chame parvos pecarei sempre por falta e nunca por excesso) levanta a questão de qual é a vossa verdadeira intenção.
    Na minha opinião, a Helena e os outros autores deviam simplesmente colocar os vossos comentários onde eles pertencem, no “caixote do lixo”. Mas isso implicaria dedicar-vos muito mais tempo do que merecem.
    .
    E escrever este comentário mais do que esgotou o tempo que estou disponível para vos dedicar. Espero que seja suficiente para escreverem muitos comentários “sarcásticos” a meu respeito. Afinal, se apresentarem-se como parvos é assim tão importante para vós, façam bom proveito.

    Gostar

  22. JOSÉ DIAS permalink
    26 Novembro, 2012 09:51

    E JÁ AGORA PORQUE NÃO OUVEM TAMBÉM SUA EXCELENCIA O CONSELHEIRO VASCO LOURENÇO?
    TEM SEMPRE COISAS MUITO INTE LIGENTES EB INVULGARES A NOS DIZER.

    Gostar

  23. 26 Novembro, 2012 10:29

    Para Helena Matos só devem ser ouvidos os do papo dela esquirolosado.

    Gostar

  24. Portela Menos 1 permalink
    26 Novembro, 2012 11:46

    Joaquim Amado Lopes
    .
    obrigado pelo tempo que me dedicou e pelo elogio; temos pena que nem todos os comentadores sejam como o sr , sempre de acordo com todos os post – um verdadeiro yes man!

    Gostar

Trackbacks

  1. Um bocado de verdade sobre o 25 de Novembro – Aventar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: