Saltar para o conteúdo

Fábrica 2030: a ladainha anestesiante

17 Outubro, 2019

Parece que uns doutores e engenheiros se juntaram em Serralves para se verem e ouvirem uns aos outros. A oligarquia gosta destas liturgias. Convida-se o edil, dois sábios economistas com notoriedade e mais umas quantas personalidades menos destacadas para opinar sobre um tema. Não importa exactamente qual, desde que pareça uma coisa séria para o futuro do país, tenha ar cosmopolita e moderno e se tempere o evento com umas tiradas supostamente sofisticadas e inteligentes.

Álvaro Santos Pereira goza de grande prestígio entre nós e por isso afirmações falaciosas – no máximo – e vazias – no mínimo – como “a reindustrialização é um desígnio nacional” passam como se uma ideia brilhante se tratasse. Sobre isto já escrevi há 6 anos no Jornal de Negócios pelo que se houver algum leitor com curiosidade poderá encontrar o meu texto aqui.

Uns dizem que o homem é liberal, mas eu vejo-o a usar e abusar de termos como “promoção” e “fomento”, além de defender ideias esdrúxulas como um tribunal especial para os casos de corrupção. E, claro, nos dias que correm não passou pelo Porto sem falar da necessidade de combater as alterações climáticas.

Se a transcrição que li na imprensa não atroiçoa a verdade nem descontextualiza o que disse, Álvaro registou positivamente a melhoria dos números da dívida pública e alertou para a excessiva dívida privada e a dívida externa. Esqueceu de permeio algumas coisas importantes:

  • Cerca de 75% do stock da nossa dívida externa, medido em final de 2017, é da responsabilidade das Administrações Públicas. Se somarmos a contribuição para este indicador do Banco Central e instituições financeiras, o peso será superior a 90%.
  • Numa economia de mercado os agentes são responsabilizados individualmente pelas suas eventuais dívidas, excepto o Estado que faz impender sobre todos nós os seus desvarios. A componente de dívida externa privada não tem nem deve ser mutualizada por todos os contribuintes em caso de incumprimento.
  • Ao contrário da imagem que fica, a dívida externa acumulada não resulta da fraca actividade das empresas nem do consumismo dos particulares,  mas sim sobretudo dos recursos que o estado lhes retira e que, de outra forma, serviriam para aumento da poupança e investimento.

Como este post já vai longo e tenho outros afazeres, apenas comentarei a intervenção de Carlos Moedas no Fábrica 2030 dizendo que não me admira que seja ainda hoje apontado como um futuro líder do PSD, tão socialista, estatista e politicamente correcto tem sido o seu discurso assim como evidente o seu enlambuzamento com António Costa.

4 comentários leave one →
  1. Procópio permalink
    17 Outubro, 2019 22:35

    Ainda bem que levantou o véu. Nos dias de hoje, fingir ser de um partido é a norma para o figurantes do centrão. Socialistas, social democratas, acreditem. Entram para a política de mãos a abanar e nem com bolsos cheios de lá saem.
    Com cartões partidários se enganam os tolos. O que não é visível é quem manda. O que se está a passar é crime lesa pátria por encomenda. Fico surpreendido como alguém acredita neste jogo manhoso que tem nas eleições com 50% de abstenção o seu ponto orgástico.
    O que é preciso é tratar da vidinha, ora agora sou eu, amanhã podes ser tu, mas só quando os mandões entenderem que chegou a vossa vez. Esperem sentados.
    Assim a derrocada vai prosseguir com a propaganda e a mentira a obscurecer a realidade.
    A realidade não conta, conta a narrativa fabricada pelos vendilhões.

    “E onde estão os mandões?”. Fica-vos bem a curiosidade. O mundo mudou muito, para pior. Mudou tão depressa que a a maior parte dos inocentes nem se deu conta.
    O poder dos mandões é imenso, mas não aparecem na tv. nem ao lado do vieira, nem no Algarve, não vão ao beija mão dos palhaços. Nem sabem ao certo onde isto fica. Não são ministros, juízes, filósofos, militares, nem presidentes de merda alguma.
    Já tivemos uma amostra, o tal dono de isto tudo. Não digam mal, esmolas não faltaram.
    Os tais partidos, ouvem-nos referirem-se a isso? Nunca ouvirão.
    O ddt em comparação com os verdadeiros mandões era um discípulo. Se tivesse a importância que ele pensava, nem teria passado pelos ligeiros incómodos.
    Faltou-lhe nascer no sítio certo.Não se pode ter tudo.

    Gostar

  2. Procópio permalink
    17 Outubro, 2019 22:49

    Referi que a realidade não conta, conta a narrativa fabricada pelos vendilhões.
    Permito-me dar um exemplo, entre centenas deles:
    Podem ver abaixo, indicadores do sítio, três dizem respeito ao mercado de trabalho (pontos 1., 2. e 3) e três são relativos ao sistema financeiro (pontos 4., 5. e 6.). De Nuno André Martins, do Insurgente.

    Flexibilidade do mercado laboral: posição 121 entre 141 países analisados
    Mobilidade no trabalho: posição 120 entre 141 países analisados.
    Impostos sobre o trabalho: posição 115 entre 141 países analisados.
    Saúde da banca: posição 125 entre 141 países analisados.
    Crédito malparado: posição 121 entre 141 países analisados.
    Rácios de capital da banca: posição 123 entre 141 países analisado

    E ainda assim somos fixes.

    Gostar

  3. Jornaleca permalink
    18 Outubro, 2019 03:31

    Dívida pública.

    Quando o nosso grande pensador ateu, o José Sócrates, apareceu e governou, houve uma explosão de grandes dimensões, na dívida pública. Para onde foi o dinheiro? Sócrates, António Costa & Lda (Lula da Silva, Dilma) encheram os bolsos e eu tenho que pagar a mesma para trás. Não é assim? Isto é melhor do que qualquer “vaca voadora”. Chamar a isto democracia é um crime. O Saramago, esse asno comunista, que escrevia livros engraçados, mas não sabia pensar bem, nunca achou isto preocupante. Ele queria mais vigarice, esse fdp.

    Quando o grande racista Obama apareceu e governou, a dívida pública (nos EUA) explodiu explosões de explosões de explosões e assim para a frente. Poucos acreditam. E mesmo aqueless que sabem, têm dificuldades aceitar tal impertinência e crime. Para onde foi o dinheiro? Para o bolso dele, de Biden e do filho de Biden e muito mais. E para financiar só (!) os guerreiros dele, os tal activistas, dos quais muitos não trabalham e querem-nos educar, para também sermos ladrões, como eles.

    Obama discriminou a oposição!! Faz a todos pagarem a dívida para trás (gargalhadas!!), mas deu quase todo o dinheiro só aos amigos dele. Ao Irão deu biliões de euros, de borla, sem contrapartida, esse porco e racista Obama. A mim, não me quis dar nada, nadinha.

    O BCE em Francoforte é controlado pela seita podre e criminosa, que tem a sua sede em Lisboa, no Largo do Rato. Não só, mas também. O génio do Vítor Constâncio, o maçónico, está sempre bem disposto, quando é para burlar e enganar. Eles produzem tanta nota como necessário. O dinheiro nunca mais vai acabar tão depressa no Largo do Rato.

    E a situação, ainda é muito boa, muito. Ainda há muito espaço para piorar a situação. A nossa constituição é das dez mais reles deste mundo. Deram-nos no 25 de Abril uma constituição, que não vale um corno. O progresso socialista é enorme. Grandes passos sempre para trás. Mas eles negam, porque adoram mentir.

    O socialismo nunca funcionou e leva sempre ao comunismo, ao fascismo total.

    Eles enchem os bolsos e “eu” tenho que pagar a factura. Isto é um crime. Mas para eles é o perpetuum mobile!

    Em Espanha na mesma. O novo cavalo e porco socialista, Pedro Sanchez, que odeia cristãos, do PeeeeeSSeee espanhol (PSOE), que deixou desenterrar um herói, faz tal igual. Ele aumenta a dívida e só dá aos dele. Para a oposição que não lhe queira beijar o rabo, nadinha ou o menos possível. Tal igual, os socialistas.

    Isto já foi patentado, faz muitos, muitos anos. É a genialidade do ateu, que sabe, que não há castigo, diz ele, “pensa” ele, viver à custa do próximo e fazer pagar a ele a boa vida do ladrão.

    O ateu adora mentir e mente como lhe apetece.

    Lei da gravidade financeira:
    A esquerda a nível mundial não tem um único “economista” competente. Nenhum. E Keynes foi um dos maiores ladrões nesse sentido. E pior: Keynes ia ao cu dos homens com práticas sexuais anormais. E das mulheres também.

    Fábrica? Qual fábrica. Destruição 2030!! DESTRUIÇÃO!! A cantiga velha dos burros do costume.

    P.S.:
    E pior. Da dívida pública portuguesa, qual a porção (de dívida acumulada) das dez empresas do sector do Estado mais reles e mais corruptas e mais incompetetentes? Assentem-se, antes de escutar a resposta correcta, para não depois tombarem para o chão.

    P.P.S.:
    Ainda há tanto a dizer. Essa coisa do combate ao clima, por eu ser “culpado”, já custou só à Alemanha de hoje, pelo menos, no mínimo, 160 biliões de Euros (cento e sessenta mil milhões). No mínimo. Sem contabilizar os efeitos secundários (de-industrialização, e muitas outras coisas, etc.). À custa dos pobres, e a favor dos que já são ricos, como o Soros, Al Gore, Zorrinho, e como a canalho do costume se chama.

    Não, o capitalismo é inocente. Isto é socialismo, comunismo. Porque foram os tal sindicatos conduzidos por ladrões e burros (CDU, PCP), que arruinaram este país.

    Gostar

  4. lucklucky permalink
    18 Outubro, 2019 19:08

    A Dívida Publica deve mudar de nome : Dívida Política

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: