Saltar para o conteúdo

Analogias ou imitações * (com Adenda)

5 Maio, 2008
by

Em Setembro de 2004 o PS fez a sua escolha em directas. Manuel Alegre era o revivalismo da esquerda, feito de baladas fora de época e de romagens aos cemitérios – locais, aliás, onde as suas ideias pareciam fazer mais sentido. João Soares era um filho do partido, com uma imagem muito cultivada de modernaço habituado aos corredores do poder. Depois vinha Sócrates. Tinha pouco currículo. Também era um menino do partido, onde se tinha feito gente. Mas sem pedigree político. Nem preparação especial ou profissional. A sua experiência de vida limitava-se àquilo que o ‘aparelhês’ lhe tinha oferecido. É certo que já tinha sido ministro – só que de Guterres, naquele que foi o pior Governo que a nossa democracia consentiu.
Mas percebeu-se logo uma fronteira: Alegre e Soares representavam o passado; Sócrates era o candidato de um PS novo, capaz de atrair eleitores que raramente preferiam os socialistas.
Agora, nas directas do PSD, as coisas podem não ser muito diferentes. Ferreira Leite e Santana Lopes são a repetição de soluções já ensaiadas num arrepiante déjà vu. De modos distintos, simbolizam aquilo que o PSD foi desde 1995: um partido sem ideias, emaranhado em lutas intestinas obsessivamente fulanizadas e com péssimos resultados governativos.
Passos Coelho é o único que mostra alguma inovação ideológica no discurso e na atitude. Só ele faz pensar que, após as directas, o seu partido pode virar a triste página em que está. Tal como Sócrates em 2004.

* Heresias, Correio da Manhã, 4.V.2008

ADENDA: Já depois deste artigo, li estas declarações de Passos Coelho. Tal como escrevi aqui, face à possibilidade de vitória o grande perigo é que PPC procure ser igual aos seus adversários. O centralismo está outra vez na moda, desta vez na versão perfidamente chamada ‘descentralização política’ – o que significa que o Governo central mantém os poderes administrativos intactos enquanto oferece alguns rebuçados de vago cariz político. Nesse modelo, Portugal permaneceria como o país mais centralizado da Europa. O que PPC vem defender é a manutenção do status quo. Nem mais nem menos.

23 comentários leave one →
  1. jonnie permalink
    5 Maio, 2008 00:12

    imitacoes ou analogias sem adenda.

    Gostar

  2. 5 Maio, 2008 00:28

    E se PPC ganhasse, será que os barões o deixariam em paz? Pelo que aconteceu com Menezes, parece-me que não…há demasiados barões, há demasiada gente agarrada ao passado, há demasiada gente com medo da mudança. Porque será? Têm medo de ver derrubado o seu estatuto, ou têm medo de sangue novo?

    Gostar

  3. José Barros permalink
    5 Maio, 2008 00:43

    Passos Coelho ainda não me convenceu e já dificilmente me convencerá. O sinal foi dado com a indicação do filho de Menezes para mandatário da juventude. Depois disso, foram os famosos “dez valores” que é suposto o candidato defender e que mais não são do que vacuidades de quem não se quer comprometer com nenhuma medida em concreto. De seguida, pessoas da candidatura apresentam como ideologia uma salada de frutas em que o liberalismo aparece de mãos dadas com a herança social democrata. Enfim, acredite quem quiser, mas a mim parece-me que Passos Coelho está hesitante entre o poder obtido às costas de Menezes (com o que isso implica de cedências tacticistas) e uma derrota honrada que podia lançar sementes para o futuro. Não tenho grandes dúvidas de que escolherá a primeira hipótese.

    Gostar

  4. 5 Maio, 2008 00:46

    CAA,
    Este é só para chamar a atenção aos comentários 59 e 60 do post anterior. Desculpe o abuso!mas j+á agora gostava de opinião avisada…
    Já agora: o pior governo que a nossa democracia consentiu foi o segundo de Guterres ou o Único de Santana Lopes?

    Gostar

  5. Amadeus permalink
    5 Maio, 2008 01:58

    Não li. Mas como estava a cagar, deu-me vontade de vir comentar um post aqui. Agora vou limpar o cu. Obrigado.

    Gostar

  6. Ruben permalink
    5 Maio, 2008 02:49

    .
    Sangue novo, o NOVO, não tem nada a ver com gente mais ou menos jovem de idade. Basta constatar no exemplo comparativo citado no texto de gente nova de idade mas incapaz de saír do VELHO.

    Gostar

  7. lucklucky permalink
    5 Maio, 2008 07:18

    O autorefresh arruína os posts.

    Gostar

  8. lucklucky permalink
    5 Maio, 2008 07:24

    Estranho estes regionalistas que só tentam convencer os poderes dos benefícios regionalização em vez das populações. Regionalização Centralista é o que querem.

    Os regionalistas em vez de convencerem a população a chamarem a si o poder e a clamarem que uma parte dos impostos deve ir para um centro de poder mais próximo, não, parecem querer mais uma Região Autónoma.

    Gostar

  9. 5 Maio, 2008 09:22

    Caro CAA,

    Devia ler bem este post e os respectivos links dinamarqueses

    http://norteamos.blogspot.com/2008/03/ao-cuidado-de-lfmenezes-ganhar-2009-via.html

    Para chegar à vitória, os regionalistas nacionais precisam de um curso de técnicas de comunicação à moda dos centralistas.

    Gostar

  10. tina permalink
    5 Maio, 2008 09:23

    Muito bem escrito, muito exacto. O problema é que Passos Coelho tem muito menos experiência do que Sócrates tinha quando foi eleito. É por isso que, e apesar de tudo, ainda me sinto mais confiante com MFL.

    Lucklucky, diga lá o endereço do seu blogue.

    Gostar

  11. balde-de-cal permalink
    5 Maio, 2008 09:51

    A CORJA. TODOS JUNTOS PARA PARECEREM MAIS

    Gostar

  12. 5 Maio, 2008 09:58

    “Já agora: o pior governo que a nossa democracia consentiu foi o segundo de Guterres ou o Único de Santana Lopes?”

    Curioso, é que o governo de Flopes, que esteve quatro meses no poder, porque um PR decidiu endigitá-lo, consegue ser o pior governo para alguns!

    Curioso, é que o dito PR, o mais insípido da III República, quatro meses após endigitá-lo, o destitui!

    E depois, acham que isto não é dirigido por “forças da conspiração”!
    ————————————
    É tudo “mais do mesmo”.

    Gostar

  13. lucklucky permalink
    5 Maio, 2008 10:07

    “Lucklucky, diga lá o endereço do seu blogue.”

    Não tenho blogue.

    Gostar

  14. 5 Maio, 2008 10:28

    indigitar….

    Gostar

  15. 5 Maio, 2008 11:25

    Dinis,

    «Já agora: o pior governo que a nossa democracia consentiu foi o segundo de Guterres ou o Único de Santana Lopes?»

    Foram os dois de Guterres. O de Santana durou seis meses até ser demitido (o resto do tempo foi de mera gestão), deu muito ruído mas a maior parte dele foi artificialmente gerado. Guterres esteve no poder desde 1995 até finais de 2001 e Portugal espatifou-se. Durão e Ferreira Leite mudaram a retórica mas continuaram a senda dos maus resultados.

    Gostar

  16. 5 Maio, 2008 11:47

    Os maus resultados do Governo de Durão têm circunstâncias que não podem ser ignoradas: naquela altura precisávamos MESMO de ter menos de 3%, o que obrigou o Governo a tomar medidas pouco produtivas mas imprescindíveis.

    PPC não é o Sócrates do PSD:

    1º Porque me parece melhor e menos vago do que Sócrates era;

    2º Porque no campo político tem menos experiência e taxa de reconhecimento nula (até Ontem);

    Sócrates foi considerado um óptimo Ministro do Guterrismo, uma esperança, um líder ambiental. Não foi necessárimente assim, mas era a imagem que tinha, as pessoas conheciam-no e confiavam nele. E chega ao poder numa situação extraordinária.

    Gostar

  17. tina permalink
    5 Maio, 2008 11:47

    Lucklucky, então porque é que aparece a silhueta de uma cara ao lado do seu nome?

    Gostar

  18. lucklucky permalink
    5 Maio, 2008 14:24

    Não faço ideia. Também vejo a silhueta na maioria das pessoas aqui. Só aqueles com o nome a bold é que têm link para blogue.

    Gostar

  19. Tribunus permalink
    5 Maio, 2008 17:10

    Socrates já tinha a aescola da malandrice do guterees o Paços, coitado precia de sentir o calor da politica mais perto,
    mas poderá um bom ministro!

    Gostar

  20. 5 Maio, 2008 17:41

    Bom, este vai ser um pouco longo.Vai ter que ser.Santana Lopes foi indigitado nos termos da CRP e foi demitido nos termos da CRP. O PR foi claro, “estva em causa o regular funcionamento das instituições democrtaticas”. Isto é, para os meus amigos, um PM que põe em causa o regular funcionamento das instituições democráticas, consegue esta extraordinária façanha de não ser o “pior governante que a democracia consentiu”! O facto de o ter feito em apenas 4 meses, é na opinão de alguns, causa de exclusão de responsabilidade, é curioso, porque para outros (moi meme) só revelou a veriginosa personalidade do Senhor? Acresce que, se SL não foi o pior governante que a democracia consentiu, então, logicamente Jorge Sampaio, foi o pior PR que a democracia consentiu, porque usou da “bomba atómica” (CAA sabe o que isto quer dizer) quando não o devia ter feito? É isso?
    Se é, diga-se…

    Gostar

  21. 5 Maio, 2008 17:42

    vertiginosa

    Gostar

  22. 5 Maio, 2008 18:08

    Dinis,

    «Acresce que, se SL não foi o pior governante que a democracia consentiu, então, logicamente Jorge Sampaio, foi o pior PR que a democracia consentiu, porque usou da “bomba atómica” (CAA sabe o que isto quer dizer) quando não o devia ter feito? É isso?
    Se é, diga-se…»

    Já o disse e redisse em todo o lado, blogues, jornais, TV’s , e em vários momentos.

    Gostar

  23. 5 Maio, 2008 18:21

    CAA,

    Opss,sendo assim,perdi uma boa oportunidade de estar calado. Só procurava coerêcia de raciocínio. Ei-lo!

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

<span>%d</span> bloggers like this: