Saltar para o conteúdo

Regulação bancária

10 Outubro, 2008

Rodrigo Moita de Deus defende que o problema não é o facto de a banca não ser regulada. O Rodrigo reconhece que é. O problema é a qualidade e o tipo de regulação a que a banca esteve sujeita. Ou seja, o Rodrigo está a reconhecer que não existe nenhuma filosofia liberal de laissez-faire no sector da banca. O que existe é uma filosofia estatista de comando e controlo. E, claro, essa filosofia estatista de comando e controlo não produziu os resultados que é suposto produzir. Mas pelos vistos existe uma regulação ideal que funciona, mesmo perante situações novas para as quais essa regulação não foi concebida. Por onde andará ela?

9 comentários leave one →
  1. Luís Lavoura permalink
    10 Outubro, 2008 11:27

    Existe uma regulação ideal que funciona, tal como existem tribunais ideais que funcionam, tal como existe uma polícia ideal que funciona, e tal como existem umas Forças Armadas ideias que funcionam.

    Em todas as funções do Estado se concebe um ideal que funciona, embora se reconheça que, na prática, muitas vezes esse ideal só parcialmente é atingido.

    Creio que até o mais clássico dos liberais reconhece isto.

    Gostar

  2. 10 Outubro, 2008 11:31

    JM, o austriaco, ainda não percebeu que o problema foi de excesso de crédito ?

    Cá está, ou não é austriaco ou só vai perceber dentro de meia-dúzia de posts… Aposto na 1ª. O JM é apenas um neo-liberal deslumbrado e superficial.

    Gostar

  3. 10 Outubro, 2008 11:32

    Whats the difference between a banker and a pigeon?

    A pigeon can still make a deposit on a Ferrari

    Gostar

  4. JoaoMiranda permalink*
    10 Outubro, 2008 11:41

    ««JM, o austriaco, ainda não percebeu que o problema foi de excesso de crédito ?»»

    Recomendo-lhe a leitura dos arquivos do Blasfémias. E já agora, recomendo-lhe que assine com o seu próprio nome quando fizer esses comentários pessoais.

    Gostar

  5. António Parente permalink
    10 Outubro, 2008 12:04

    João Miranda

    A revista The Economist resumiu de uma forma brihante o que se passa hoje com a intervenção estatal: “Não é socialismo, é pragmatismo”.

    Gostar

  6. JoaoMiranda permalink*
    10 Outubro, 2008 12:14

    ««A revista The Economist resumiu de uma forma brihante o que se passa hoje com a intervenção estatal: “Não é socialismo, é pragmatismo”.»»

    A CRISE FINANCEIRA E O PRAGMATISMO

    Gostar

  7. 10 Outubro, 2008 12:17

    “Não é socialismo, é pragmatismo”.

    Pragmatismo: doutrina filosófica que adopta como critério da verdade a utilidade prática, identificando o verdadeiro com o útil.

    Para socialistas, a intervenção estatal é uma utilidade prática…

    Gostar

  8. António Parente permalink
    10 Outubro, 2008 13:37

    Faltou o link, João Miranda.

    Gostar

  9. 10 Outubro, 2008 14:14

    “Não é socialismo, é pragmatismo”.

    Um bom exemplo, de pragmatismo.

    “A factura começa a surgir. Ao princípio a poderosa máquina de propaganda do Governo foi dizendo que o almoço era grátis e o país, anestesiado, acreditou. Agora, começam a aparecer as facturas para pagar. E, claro, quem vai pagar será o contribuinte. As Câmaras Municipais são intimadas a assumir mais um custo fixo e, de custo em custo, vão ficando todas na situação da Câmara de Lisboa: falidas e ingovernáveis. Não é pouca coisa assumir os custos da assinatura anual de Internet. Dá 20 euros mensais por aluno. Uma Câmara Municipal que assuma os custos da assinatura anual de 500 alunos, fica com uma despesa adicional fixa de 125 mil euros. Meu Deus! 125 mil euros que vão direitinhos para os cofres da TMN, Zon, Optimuas e Vodafone! Ainda por cima, a maior parte dessas 500 assinaturas de Internet nunca chegarão a ser usadas, simplesmente porque as crianças de 6 e 7 anos de idade vão preferir brincar a estarem a navegar na Net. Razão têm aqueles que afirmam ser José Sócrates mais do que um primeiro-ministro: é sobretudo um promotor da Zon, TMN, Vodafone e Optimus.”

    http://www.profblog.org/2008/10/quem-paga-o-migalhes-so-as-cmaras-por.html

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: