Saltar para o conteúdo

Socratismos

19 Dezembro, 2008

No debate parlamentar de quarta-feira passada, o primeiro-ministro indicou que «Segundo dados do Banco de Portugal [BdP], o crédito concedido às empresas não financeiras subiu 11% em Outubro [face a período homólogo de 2007] e, em Novembro, temos notícia de que este nível se mantém»(DE).

11% de aumento no crédito concedido. Então, a que propósito são as suas outras declarações, dois dias antes em que dizia «Julgo que este é o momento adequado para fazer um apelo aos bancos para que reforcem as suas políticas de crédito». E as disparatadas ameaças de Teixeira dos Santos? E porque disse Sócrates, ao anunciar o aumento de mil milhões de euros do capital da CGD, que este se destinava a «emprestar dinheiro à nossa economia» e não disse a verdade, que tal aumento deriva da obrigação legal que o governo impôs de aumento de rácios e para a absorção do prejuízo do BPP à custa dos contribuintes? 

Em que é que ficamos? Aumentou ou não significativamente o crédito concedido ou está-se perante um situação de retracção na concessão de crédito? Em qual das duas declarações está  o governo a enganar os portugueses?

26 comentários leave one →
  1. 19 Dezembro, 2008 12:46

    Tu mesmo o dizes: socratismos. É mesmo para o Povo não perceber. Na confusão, passa o que é de perceber.

    Gostar

  2. Mr. Hyde permalink
    19 Dezembro, 2008 13:30

    Pronto, o Gabriel foi chateado pela sogra.

    Gostar

  3. Anónimo permalink
    19 Dezembro, 2008 13:31

    Mas as medidas já não foram tomadas?
    O outro dia também andava para aí uma notica a dizer que o credito internacional não estava assim tão mal… bolas, depois de tantos milhoes se estivesse mal era mesmo uma desgraça!

    Mas que esta crise não se entende e parece que ainda não disseram tudo ou inventaram parece. O mundo está maluco.

    Gostar

  4. 19 Dezembro, 2008 13:42

    Se o estatuto dos Açores, retira a autoridade do PR, nomeadamente de fazer a guerra e paz, então, porque o PSD não votou CONTRA.

    Coisas que eu não percebo

    Gostar

  5. Anónimo permalink
    19 Dezembro, 2008 14:41

    porque o psd não existe.
    mas devia contratar o bruxo de fafe e um hipnotisador.

    Gostar

  6. Anónimo permalink
    19 Dezembro, 2008 14:44

    O governo só se mete em alhadas e trapalhadas, em ditos por não ditos. Ainda há poucas semanas 2009 seria o oásis, hoje já é Cabo das Tormentas. O Bartolomeu Dias do séc. XXI para desafiar o mostrengo chama-se Sócrates!!! Já não tenho pachorra para tanto dislate.

    Gostar

  7. Anónimo permalink
    19 Dezembro, 2008 14:50

    Anónimo 6, ainda há uns poucos mesitos as empresas de previsões diziam que o petroleo ia estar nos 150 euros antes do final do ano, como se o mundo estivesse a crescer a números nunca vistos. O petroleo já está a menos de 50.
    Os especuladores são uns tarados.

    Gostar

  8. 19 Dezembro, 2008 15:48

    A cada um a sua verdade; mas, para isso, para contentar todos os que ainda têm capacidade para acreditar nesta tralha, é necessário que em cada dia apareça uma nova versão do mesmo tema para agradar a todos os gostos. Mas há coisas da maior importância, face à crise que atravessamos, de que pouco se fala: o caso do preço do pão cuja matéria prima desceu 50 por cento e que, pasme~se! vai aumentar, afectando classes sociais muito fragilizadas. Sendo assim, por que não actua o Governo? Ou a indigência joga a seu favor porque lhe permite implementar as badaladas ajudas e alcandorar-se a salvador da pátria? Ah! e há ainda a promessa do regulador de que, quanto ao preço dos combustíveis, face à baixa do crud e do brent, traria notícias lá para a Primavera. Resolutos e objectivos náo haja dúvida.

    Gostar

  9. 19 Dezembro, 2008 16:08

    Saramago plagiou?

    Gostar

  10. 19 Dezembro, 2008 16:09

    http://www.saramagoplagiario.blogspot.com/

    Saramago plagiou?

    Gostar

  11. monárquico permalink
    19 Dezembro, 2008 16:35

    mas quem acredita no que diz o socrates ? a situação está descontrolada e já nem o teixeira dos santos acerta. trapalhadas era com o santana! o desgoverno continua até ao abismo , chamem o sampaio.

    Gostar

  12. José permalink
    19 Dezembro, 2008 16:37

    Anónimo:

    Vou escrever sobre o plágio no meu blog.

    Gostar

  13. rxc permalink
    19 Dezembro, 2008 16:58

    Sócrates: «Podia-se baixar os impostos, mas ninguém garante que as famílias vão gastar (mais dinheiro). O Estado tem aqui duas possibilidades. E se for o estado a investir, há gastos»
    I.e., em caso de dúvida, gasta-se e pronto!

    Ora aqui está em todo o seu esplendor a estratégia de desenvolvimento do país: gastar dinheiro dos contribuintes. Esses tarados, que se lhes fosse dada a oportunidade, iam poupar o dinheiro e, heresia das heresias, ter mais independência em relação ao monstro Estatal! E isso ninguém quer pois não? O que é bom é gastar o dinheiro das pessoas, seja lá como for.
    Fico à espera na CS dos ecos desta afirmação…

    Gostar

  14. a prima permalink
    19 Dezembro, 2008 17:30

    É patente a desorientação do pinóquio, do pior ministro das finanças da UE e da maior parte dos seus ministros. É só esperar mais um pouco, de preferência engatilhado. Estamos no olho do furacão. O olho é uma área quase circular de ventos comparavelmente calmos e tempo bom encontrado no centro de um ciclone tropical intenso. Embora os ventos sejam aparentemente calmos no eixo de rotação, podem ocorrer também ventos intensos nessa região (entre Fevereiro e Maio). Há pouca ou nenhuma precipitação e muitas vezes pode-se ver céu claro nessa região, o que induz em erro. Seu tamanho varia de 8 a 200km de diâmetro, entre Elvas e Alcochete. O olho é composto de ar que apresenta movimento levemente descendente (taxas de juro) enquanto que a parede tem um fluxo resultante ascendente
    (dívida externa galopante) de fortes correntes ascendentes e descendentes que vai levar à desorientação dos xuxas que precede a sua fuga nas mais diversas direcções.

    Gostar

  15. Anónimo permalink
    19 Dezembro, 2008 17:43

    Que tempos tão deprimentes. Até um optimista como eu neste fim de ano está a sucumbir. Já não se aguenta é tudo lamurias. Que stress… E vai ser o ano todo de 2009 nisto? Mas que grande nóia!

    Gostar

  16. a prima do picoiso permalink
    19 Dezembro, 2008 17:56

    A grande nóia é esta conforme o P Arroja explica com elegância
    no custo da trapalhice
    “A taxa de juro das obrigações do Estado alemão a dez anos está em 3%. Este é o preço que os investidores cobram ao Estado alemão para o financiar. A Alemanha é o baluarte da confiança na Europa. Todos os outros Estados europeus pagam mais de 3% para se financiarem, e a diferença é o spread (ver aqui). O spread para Portugal é 1%, isto é, o Estado português paga 4% ao ano (33% mais que a Alemanha) para se financiar a dez anos nos mercados internacionais e a Grécia, com um spread de 2.3%, paga mesmo 5.3%, quase o dobro da Alemanha.
    .
    O spread de 1% que neste momento se aplica a Portugal é uma medida da desconfiança relativa que os investidores nutrem por Portugal face à Alemanha e tem vindo a aumentar. A minha questão neste post é a seguinte: quanto custa anualmente aos portugueses essa desconfiança relativa? As contas são fáceis de fazer: basta aplicar o spread de 1% à dívida externa portuguesa que é de 344 mil milhões de euros (ver aqui). O resultado é 3.44 mil milhões de euros (cerca de 700 milhões de contos).
    Por outras palavras, por não serem pessoas tão fiáveis como são os alemães, os portugueses pagam anualmente aos seus credores estrangeiros um prémio de 3.44 mil milhões de euros, ou 2% do PIB. São 344 euros por cabeça e por ano, o custo da trapalhice”.

    Gostar

  17. ourição permalink
    19 Dezembro, 2008 18:01

    A fuga de um grande admirador do injinheiro. Outros se seguirão
    DECLARAÇÕES AO DIÁRIO ECONÓMICO 2008-12-19 17:13
    José Miguel Júdice não avança para a liderança da Privado Holding
    José Miguel Júdice não aceitou o convite da maioria dos accionistas da Privado Holding para avançar com uma lista única para os órgãos sociais da sociedade que controla o Banco Privado Português. Em declarações ao Diário Económico, Júdice nega que vá assumir a liderança da Privado Holding, depois da actual administração ter apresentado a demissão na assembleia geral que decorreu hoje.
    Bruno Proença
    O advogado confirmou que teve ontem uma reunião com os maiores accionistas – esteve presente mais de 60% do capital – e foi-lhe pedido para avançar para presidente da Privado Holding. “Fiquei muito honrado com o convite. Hoje, depois de reflectir, não pude aceitar”.

    Difícil de explicar é aquela parte da honra.

    Gostar

  18. mussulo permalink
    19 Dezembro, 2008 18:17

    Mugabe: “O Zimbabwe pertence-me” 19.12.2008 – 13h28
    O Presidente do Zimbabwe, Robert Mugabe, desafiou hoje os múltiplos apelos à sua demissão, face à crise humanitária no país, afirmando peremptoriamente que o Zimbabwe lhe pertence.
    Eh pá isto está bué de giro, abaixo os colonialistas.
    Muito inspirador para os vermes do rectângulo.
    “O Zaire pertence-me”
    “Angola pertence-me”
    “A Venezuela pertence-me”
    “Cuba pertence-me”
    “A Coreia do Norte”
    “A Rússia”
    e assim sucessivamente…

    Gostar

  19. ourição permalink
    19 Dezembro, 2008 18:21

    Xuxas: tirem o cavalinho da chuva que agora vão ter que estar até ao fim.
    “Cavaco recusa comentar possibilidade de dissolução da Assembleia sugerida por Eanes”.

    Gostar

  20. zé da burra permalink
    19 Dezembro, 2008 21:02

    Soros: “I think that the dark comes before dawn”.

    Gostar

  21. 20 Dezembro, 2008 02:12

    Não há como fugir ao chavão da esquerda: os lucros são particulares, os prejuizos colectivos. Isto aplica-se ao que se está a passar no mundo em geral, mas tem uma incidência particularmente vil em Portugal, onde a política está aberta e oficialmente na mão do dinheiro. Os bancos recebem dinheiro do estado a juro bonificado (sob a forma de aval, que é o mesmo que dinheiro), põe-no a render no “overnight” e, quando lhes der jeito, emprestam-no às empresas e particulares a um juro muito mais alto. O estado evidentemene que não vai controlar isto, pois não tem nem a competência nem o interesse em fazê-lo.E os pequenos depositantes nos bancos falidos estão em sério risco de ficar sem um tostão, pelos vistos. Esta depressão vai enriquecer muitas pessoas, podem ter a certeza.

    Gostar

  22. Socrates de Atenas permalink
    20 Dezembro, 2008 02:30

    Nem sei o que diga, a vergonha é tanta, as mentiras compulsivas deste governo fantoche abundam como ervas daninhas……….

    Gostar

  23. Socrates de Atenas permalink
    20 Dezembro, 2008 02:31

    São como uma praga de gafanhotos que tudo devora a sua passagem.

    Gostar

  24. Isabel Coutinho permalink
    22 Dezembro, 2008 15:05

    Só uma coisinha para terminar este glorioso ano de 2008 (e talvez para antecipar o próximo):

    Vocês continuam mesmo a acreditar no neo-liberalismo?

    Um Bom Natal para todos

    Isabel Coutinho

    Gostar

Trackbacks

  1. bancodedados » Blog Archive » Socratismos
  2. Socratismos | Splog

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: