Saltar para o conteúdo

Medindo o valor da Liberdade de Expressão

27 Fevereiro, 2009

O valor que as pessoas atribuem à Liberdade de Expressão não se mede pela tolerância em relação a ideias populares. Mede-se pela tolerância em relação a ideias impopulares. Recentemente, um bispo foi expulso da Argentina por negar o Holocausto. Ninguém protestou.

Anúncios
38 comentários leave one →
  1. 27 Fevereiro, 2009 13:17

    Pois. Ninguém protestou porque são tolerantes.

    Gostar

  2. 27 Fevereiro, 2009 13:23

    E deviam ter protestado??

    Falata a tal solidaridade de que falava um ex-Presidente aqui:
    http://ovalordasideias.blogspot.com/2009/02/jorge-sampaio-e-solidariedade-na-uniao.html

    Gostar

  3. 27 Fevereiro, 2009 13:27

    Concordo…

    Gostar

  4. Anónimo permalink
    27 Fevereiro, 2009 13:31

    O Papa já disse que a desculpa não chegava.
    Não sei o que o papa quer que ele faça mais. Se calhar quer mesmo que deixe de ser bispo?

    Gostar

  5. 27 Fevereiro, 2009 14:25

    Bem observado. Tivesse ele negado os crimes do regime soviético, ninguém o expulsava em mais nenhum lado não ser na própria Rússia.
    Anónimo 4 já não foi bom para o dito bispo ter-lhe sido retirada a excomunhão?

    Gostar

  6. 27 Fevereiro, 2009 14:35

    O tal de bispo, sabe-se agora que a expulsão por ter negado o holocausto foi apenas um pretexto. Havia suspeitas de que o bispo comia carne na Quaresma.

    Gostar

  7. 27 Fevereiro, 2009 15:08

    Eu li post do Carlos Santos, para lhe dizer o Carlos Tavares não foi aluno destes tempos, foi aluno em que funciona as “sebentas”! cuja verdade era induscutivel . temos economistas desses tempos, alguns dos quais dão aulas outros estão em postos chaves da administração e nada dizem e nada fazem o Tavares é um deles.

    O estudo da economia, como ciencia social, deve-se em causa a grande feitas, por isso, a perspectiva do ex Presidente, o “papel da divida publica” faz todo o cabimento e não é Prof de Economia, longe disso, ate nem deu Matematica.

    O País, tem sido governado sem o minimo de estimulo a criatividade, quando aparece alguem com alguma “critica” é logo varrido dos Olimpos, é disso exemplo, os seguidores do Prof Cavaco Silva, breus e obtusos como nabos de hortaliça.

    Triste País quando s louros vão para esses “sabichões”.

    Devia de haver um apelo á imaginação, nada é estanque e tudo modifica.

    Somos gavernados por pessoas a caminho dos 70 anos.

    Valha-nos Deus

    Gostar

  8. Alfredo permalink
    27 Fevereiro, 2009 15:10

    O bispo devia ter direito a negar os factos históricos que quiser.
    Tal como tem direito a negar os factos científicos, defender a existência de milagres, etc…

    Concordo que a expulsão foi uma violação da sua liberdade de expressão, mas entendo que este caso não tem a mesma gravidade que por exemplo o das caricaturas de Maomet, ou dos homicídios/tentativas de quem escreve livros e faz filmes.

    Quem dera que as ameças sobre a liberdade de expressão fossem tão ténues, que esse assunto fosse prioritário.

    Gostar

  9. Nuspirit permalink
    27 Fevereiro, 2009 15:20

    A liberdade de expressão tem limites. Antes de mais não pode deixar de respeitar o direito à honra e ao bom nome. Depois é preciso que exista uma compensação entre o bem e o mal. O relativismo, onde tudo se equivale, é perigoso. Fazer a apologia da pedofilia, por exemplo, deve ser proibido.

    Gostar

  10. Alfredo permalink
    27 Fevereiro, 2009 15:23

    Nuspirit:

    Mas qualquer um deve ser livre de afirmar ou negar factos históricos. Isto parece-me claro.

    Gostar

  11. Anónimo permalink
    27 Fevereiro, 2009 15:23

    Só se protesta quando são os judeus os ofendidos , é bem.

    Gostar

  12. Anónimo permalink
    27 Fevereiro, 2009 15:34

    Por falar em loucos:

    Similar to what was announced after the Buffalo crash, anti-gay organisation Westboro Baptist Church has announced it will try to disturb the funerals of the deceased in the Amsterdam crash. The article says that “[Westboro] are convinced that this is God’s punishment for the gay-friendly Netherlands”.
    http://www.volkskrant.nl/binnenland/article1156166.ece/Homohaters_willen_uitvaarten_vliegcrash_verstoren

    Gostar

  13. caramelo permalink
    27 Fevereiro, 2009 15:42

    “Ninguém protestou”

    Pois, é a liberdade de protestar ou não protestar, que também faz parte da liberdade de expressão.

    E ó JM, onde é que está o seu manifesto contra a expulsão desse mártir da liberdade de expressão, para quem quiser ir lá assinar?

    Gostar

  14. Nuspirit permalink
    27 Fevereiro, 2009 15:45

    “Mas qualquer um deve ser livre de afirmar ou negar factos históricos. Isto parece-me claro.”

    Concordo. A Argentina no que a liberdade de expressão diz respeito ainda tem um longo caminho a percorrer.

    Gostar

  15. Nuspirit permalink
    27 Fevereiro, 2009 15:46

    “Pois, é a liberdade de protestar ou não protestar, que também faz parte da liberdade de expressão.”

    Muito bem, caro Caramelo.

    Gostar

  16. caramelo permalink
    27 Fevereiro, 2009 15:50

    12.

    Eu, como não sou propriamente fanático da Igreja da Liberdade de Expressão, não iria protestar com muita veemência se surgisse um grupo contrário a atirar-lhes ovos podres (melancias, melancias) para os calar. Sou mau.

    Gostar

  17. Perigoso pró-Israelita permalink
    27 Fevereiro, 2009 16:21

    “A liberdade de expressão tem limites. Antes de mais não pode deixar de respeitar o direito à honra e ao bom nome. Depois é preciso que exista uma compensação entre o bem e o mal. O relativismo, onde tudo se equivale, é perigoso. Fazer a apologia da pedofilia, por exemplo, deve ser proibido.”

    A existir de facto, a liberdade de expressão não tem limites.
    Que é isso do bom nome e honra? Cada um considera-me imbecil se o entender, e partilha tal opinião com quem quiser. Quer denegrir a minha imagem? Tem todo o direito.
    Bem e o mal? Huum… Posso colocar a Igreja e o FCP no campo do Mal?
    Já agora, a Lolita e seus “derivados” podem ser entendidos como apologia da pedofilia, não?!

    Gostar

  18. caramelo permalink
    27 Fevereiro, 2009 16:33

    “Quer denegrir a minha imagem? Tem todo o direito.”

    Ah Trigue, assim é que é falar!

    Gostar

  19. 27 Fevereiro, 2009 16:49

    JoaoMiranda, não há tolerância possível perante o nazismo e a negação do genocídio de um povo, e do massacre de milhões de civis russos, polacos, alemães, ciganos, sérvios, etc. A liberdade de expressão TEM limites. Por isso é que eu posso livremente dizer que a tua opinião é ridícula, mas não posso começar a lançar boatos sobre ti e sobre a tua família, sob pena de crime de difamação. Percebeste? Claro que percebeste, esse é que é o problema. Tem vergonha!

    Gostar

  20. Perigoso pró-Israelita permalink
    27 Fevereiro, 2009 17:02

    Se eu disser que os nazis mataram 6 milhões de judeus, não há problema. Mas se disser que foram 5 milhões já há? E ? E 3? Ou 856.432 mil? 30 mil? 500? Zero?

    Qual é o número a partir do qual não se nega o Holocausto?

    Gostar

  21. Perigoso pró-Israelita permalink
    27 Fevereiro, 2009 17:03

    obviamente aquele “mil” está a mais…

    Gostar

  22. OLP permalink
    27 Fevereiro, 2009 17:30

    Não faz mal nenhum….se for presidente do Irão ou um qualquer islamofascista que o negue será louvado e recebido por todo o mundo como um grande libertador e lutador desses opressores ocidentais burgueses e ainda por cima infiéis.

    Gostar

  23. 27 Fevereiro, 2009 17:33

    Concordo com o João Miranda. Todo o ser humano tem o direito à estupidez, desde que essa estupidez não ponha em causa o outro.
    A liberdade de expressão tem limites? Claro que tem, é a liberdade do outro. Mas o bispo acaso foi julgado e condenado à luz de alguma lei que proteja a liberdade de outrem, antes de ter sido “convidado” a pôr-se ao fresco?!
    A Argentina tem um longo caminho?! Não me lixem … modernaços países da UE têm leis que proíbem a negação do holocausto, em vez de terem a negação do genocídio (lato sensu), porque eles próprios reconhecem o perigo deste tipo de leis. Outros países como Espanha e Portugal festejam de quando em vez o genocídio dos povos indígenas, ao qual chamam “descobrimentos”. A França ainda tentou dar ares de imparcialidade e acrescentar o genocídio arménio (curiosamente, a negação do genocídio arménio dá menos anos de pildra do que a negação do holocausto … é o rating).

    Pondo as coisas em pratos limpos. Não me choca que a negação de um genocídio possa ser punido em tribunal pelos danos morais que causa a terceiros. Mas é complicado legislar sobre isso. Primeiro não se pode pôr a “verdade” no Código Penal!! Isso é para ser feito no tribunal!! Depois todo e qualquer genocídio deve poder ser aceite. Finalmente têm que haver vítimas a queixar-se.

    Cumprimentos

    Gostar

  24. Draguinho permalink
    27 Fevereiro, 2009 18:46

    «(…) Mede-se pela tolerância em relação a ideias impopulares.(…)»

    Essa de que A NEGAÇÃO DO HOLOCAUSTO É UMA IDEIA, é nova.

    Gostar

  25. Euroliberal permalink
    27 Fevereiro, 2009 21:01

    Também se mede pela censura dos comentários discordantes… e nesse campeonato o CAA apaga que se farta. Enfim…faltas de gentlemanship…

    Gostar

  26. Confucio permalink
    27 Fevereiro, 2009 21:26

    Eu também sou dos que acham que até os cães devem ter a liberdade de virem ladrar à minha janela mas se o homem não protestou, porque carga de água é que ia eu protestar?
    E mais, parece que a primeira coisa que o tipo fez assim que chegou a Inglaterra, foi pedir perdão a todos a quem tinha ofendido.

    P.S.: ó Euroliberal, meu escravo de Mafona, se o CAA te censurou os comentários foi porque, de certeza, pisaste alguma bosta de camelo e salpicaste o pessoal todo de merda. Já pensaste em enviar uma queixa para a ERC?

    Gostar

  27. Perigoso pró-Israelita permalink
    27 Fevereiro, 2009 23:00

    “Também se mede pela censura dos comentários discordantes… e nesse campeonato o CAA apaga que se farta. Enfim…faltas de gentlemanship…”

    “De facto, O CAA envergonha o Blasfémias com as suas razzias censórias. Não se integra no espírito do blogue…Está a mais…”

    Então o CAA faz censura aos comentários discordantes, mas deixa passar estes que denunciariam isso mesmo?! Por favor…

    Gostar

  28. 27 Fevereiro, 2009 23:19

    Por esse ser um “assunto tabu” para os países que perfilham a matriz cultural da civilização ocidental.

    Gostar

  29. Pi-Erre permalink
    28 Fevereiro, 2009 10:09

    Quero que o bispo se f.da

    Gostar

  30. 28 Fevereiro, 2009 17:30

    Por acaso alguém disse alguma coisa sobre o assunto, logo a 19 de Fev.:

    http://averomundo-jcm.blogspot.com/2009/02/o-preco-da-liberdade.html

    Gostar

  31. Draguinho permalink
    28 Fevereiro, 2009 19:57

    «O governo argentino expulsou o bispo Richard Williamson do país. E apesar de a personagem ser abjecta, não acho nada bem.»

    Assim é outra coisa. Eu também não acho bem, mas não confundo mentiras com ideias.

    Gostar

  32. anti-liberal permalink
    1 Março, 2009 03:52

    Liberdade de opinião? Só se for fundamentada…

    Nuno

    Gostar

  33. PNR permalink
    1 Março, 2009 11:49

    João Miranda, não se admire com isso, na Europa (sobretudo Alemanha) quase todos os anos há pessoas que são condenadas a penas de prisão efectivas pelo “crime de negar o holocausto” – ainda esta semana foi mais um: Horst Mahler (procure no Google).

    Nesta tal “democracia da liberdade” mais vale ser corrupto do que se dizer aquilo que se pensa!!!

    (Pelo menos não se vai preso, leva-se pena de multa de 5.000 euros relativa a crimes de 200.000)

    Gostar

  34. 1 Março, 2009 18:32

    Não acho errado ter expulso esse bispo asqueroso por causa do mais que devido significado dos milhões de pessoas que morreram, logo a negação deve ser duramente criticada.

    Gostar

  35. 1 Março, 2009 18:48

    Aliás, é completamente diferente de retirar livros das livrarias/bibliotecas ou retirar um cartaz jocoso.

    Gostar

  36. Anónimo permalink
    12 Março, 2009 18:36

    CALÉM – SE

    Gostar

  37. 5 Outubro, 2011 16:09

    A expulsão foi exagerada, mas a negação do holocausto nazista tem e deve ser duramente criticada.

    Gostar

Trackbacks

  1. A expulsão do Bispo Williamson da Argentina e a liberdade de expressão « O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: