Skip to content

Não fique pelo diagnóstico, senhora!

29 Julho, 2009
by

Manuela Ferreira Leite tem carradas de razão quando afirma:

Eu discordo completamente que sejam tomadas em relação ao sistema fiscal medidas discricionárias, como, por exemplo, uma que foi anunciada ultimamente e que tem a ver com a tal linguagem dos ricos e dos pobres, dizendo que em relação aos ricos se vai retirar determinado tipo de benefícios, de deduções fiscais, e em relação aos outros provavelmente não.

Mal vai o país se começa a olhar para os chamados ricos com olhos de menos consideração. Eu em relação aos ricos há apenas um sentimento que tenho e que é: tenho pena de não o ser. Fora disso, o país só progride, só todos têm vantagem que existam ricos. É bom que eles existam, é bom que dêem muitas festas, que comprem muitas coisas, porque isso dá postos de trabalho a dezenas de pessoas.

Se nós entramos numa fase em que aquilo que é considerado rico é algo que deve começar a ser esbatido, ou seja, todos a ficarem iguais, nós caminhamos seriamente para uma senda de empobrecimento (…).

Só que… “esqueceu-se” de algo bem mais importante que os benefícios e deduções fiscais: a progressividade nos impostos directos, a coisa mais escabrosa que alguma vez se inventou.

Mais importante ainda, “esqueceu-se” de propôr a flat tax, com isenção até um determinado nível de rendimento, acompanhada da integral extinção de toda a panóplia de benefícios e deduções. Em prol do crescimento económico e da simplificação e equidade fiscais.

Anúncios
61 comentários leave one →
  1. JP Ribeiro permalink
    29 Julho, 2009 20:12

    Não conhecia esta frase de MFL mas aplaudo. Já é tempo de o país respeitar os ricos em vez de os invejar e querer destruir. A mentalidade anti-rico é própria do terceiro mundo populista, miserabilista, onde só prosperam bloquistas e os demais comunistas.

    Gostar

  2. inthelimbo permalink
    29 Julho, 2009 20:14

    keep on dreaming. infelizmente isso nunca vai acontecer. portugal… ja foi. eu ja fui.

    Gostar

  3. 29 Julho, 2009 20:19

    E introduzir uma colecta mínima em cada sector de actividade para não serem os redimentos do trabalho dependente a sustentarem o Estado.
    Algo como o Pagamento Especial por Conta que ela criou há anos.

    Gostar

  4. o santo permalink
    29 Julho, 2009 20:27

    A cada dia que passa estamos mais perto de um golpe de estado da direita marcelista.

    Gostar

  5. 29 Julho, 2009 20:27

    O problema não é existirem ricos… sempre os houve e sempre os haverá!!!
    A questão é, como se enriquece???
    Ser amigo, afilhado ou parente de um líder político!!!
    Recebendo “presentes” para olhar noutra direcção!!!
    Montar uma empresa, para receber subsídios e fechá-la quando estes terminam!!!
    Ser rico com o dinheiro dos contribuintes!!!
    Isso é o que me choca… Porque quem é rico, fruto do seu trabalho árduo e honesto, só merece o meu respeito, admiração e louvor… Mas esses nem MFL, nem Socas os deixam prosperar e proliferar!!!

    Gostar

  6. João de Braga permalink
    29 Julho, 2009 20:33

    Em Portugal, principalmente esta rapaziada de esquerda, tem o discurso (só o discurso) de nivelar o nível económico dos cidadãos. Ora, daquilo que conhecemos do socialismo, e principalmente do comunismo, eles até conseguiram nivelar as coisas…mas por baixo! Terão os cidadãos trabalhadores e empreendedores que pagar vidas de ócio de grande parte da nossa sociedade???? Se trabalhando temos as mesmas regalias do preguiçoso do do vizinho do lado, valerá a pena trabalhar e investir???? Um país que incita à preguiça nunca será um país rico!!!!

    Gostar

  7. per caso permalink
    29 Julho, 2009 20:52

    Preocupado, ihihi, com a diferença, esse LR…
    Que é que você ainda quer tirar aos pobres, ‘outros’, como diz, valha-me deus?!
    E rico, embora, bastaria que o dissesse, assim:

    – Eu sou L e eu sou rico, de LR, solteiro e bonito!

    Gostar

  8. Anónimo permalink
    29 Julho, 2009 21:10

    Há assuntos em que a direita acha que smos todos iguais: nos impostos! fixe!

    Gostar

  9. 29 Julho, 2009 21:32

    POIS DIAGNÓSTICO…A ÚNICA CURA ERA ESTA..MAS NÃO COM ESSA SENHORA..CHIÇA…

    Gostar

  10. 29 Julho, 2009 21:43

    Olá,

    A análise ao debate entre António Costa e Pedro Santana Lopes já está no blogue que se está a tornar um verdadeiro fenómeno de popularidade, o Interjeicoes.

    Leiam esta e outras crónicas humorísticas, principalmente, sobre política em: interjeicoes.blogspot.com

    Gostar

  11. Anónimo permalink
    29 Julho, 2009 21:46

    esqueceu-se também de uma coisa : ele até temos de tirar licença para pescar , para pescar à linha!! nossa , ele é licenças para lá e para cá , algumas tão idiotas como a da pesca , e não é preciso tirar licença para ter filhos? a médio prazo acabava-se logo com uma carrada de futuros meninos ao deus dará. é que penso que se a coisa é a ponzi , os ponziados temos uma palavra a dizer sobre os meninos/crescidos que estamos dispostos a sustentar.

    Gostar

  12. Zeta Draco permalink
    29 Julho, 2009 22:09

    #12, o maior esquema ponzi que por aí anda é a Segurança(?) Social, não sei se já alguém se apercebeu disso. Ao Madoff ainda o puseram na cadeia; agora ao Sócrates…

    Gostar

  13. alfcinha permalink
    29 Julho, 2009 22:24

    .

    Qualquer governo que não seja da esquerdalhada é que nos pode safar.

    Gostar

  14. Anónimo permalink
    29 Julho, 2009 22:27

    a velha disse que tributava o hiato. vou comprar ditongo à vela.

    Gostar

  15. Lisboeta permalink
    29 Julho, 2009 22:32

    Alfacinha és um burro do caralho

    tu ainda vives na ilusão que o PSD é um partido de direita, ou mesmo de centro direita, ou até mesmo do centro ?

    Cresce, o PSD é um ninho de mamões sem ideologia definida.

    Gostar

  16. per caso permalink
    29 Julho, 2009 22:44

    E o mal não está no facto de haver ricos, em si mesmo, é sabido, mas considere-se a quantidade de pobres necessária à criação de um rico, A Garret, como em quantos e quantos rebentados precisam de despender, ao fim-de-semana, a sua maquia, no euromilhões, para um ou dois excêntricos, estúpidos quanto excessivos.

    O mesmo que há muito se dá entre os peixes, dos quais os maiores, é sabido, precisam de abocanhar, como as baleias, milhões de pequenos, de uma bocada. A Vieira. Que ainda que dêem trabalho e deles se alimentem uns poucos, rémulas, almeidas, alfaiates e dentistas, em preparos de limpeza, arranjos de boca e da pele, como dos restos, são uns predadores formidáveis. Donde chega a entender-se o desbaste que japonas e mediterrâneos fazem sobre os glutões, baleias, tubarões, grandes atuns, sem falta do bacalhau, para se temer que ainda desapareçam. E por se evitar tal desastre, há que salvaguardar medidas, mais cortar no ganho imenso dos banqueiros que na parca alimentação das petingas.

    Gostar

  17. Anónimo permalink
    29 Julho, 2009 22:46

    “Qualquer governo que não seja da esquerdalhada é que nos pode safar.”

    de ir parar à cadeia. o pessoal da roubalheira é da mesma opinião.

    Gostar

  18. per caso permalink
    29 Julho, 2009 23:00

    #16
    “Cresce, o PSD é um ninho de mamões sem ideologia definida.”

    O PSD, como o seu irmão directo, o PS, desde que atirou à gaveta os restos que o impediam de competir à gamela inteira do poder, sem apertos de ideologia.

    Gostar

  19. Zé Leitão permalink
    29 Julho, 2009 23:17

    Os ricos e os políticos que paguem a crise. É demasiado simples. Quem não é rico vai pagar o quê, com que dinheiro?
    Os ricos se pagarem algum, ainda ficam com bastante, o suficiente para …”darem muitas festas e comprarem muitas coisas”… ???????!!!!!!!!!!
    O problema é que, se os ricos não pagarem a crise a bem, pagarão com altíssimos juros ………. a mal… o que será uma grande merda como imaginarão fácilmente. Nessa altura, pagarão muitos justos pelos pecadores. Mas é assim a vida. Quando as coisas chegam a um determinado ponto, só podem é rebentar.
    Infelizmente os nossos governantes na sua clarividência, preferem fingir que os males do Mundo não existem, e qualquer coisinha que “não esteja tão bem”, não é nem será nunca da sua responsabilidade.
    Portanto, digo eu, preparem-se para a porrada e preparem os vossos filhos.

    Gostar

  20. Alberto Pereira Borges permalink
    29 Julho, 2009 23:19

    A velhinha, ao que parece, ganhou, antes de assumir a presidência do PSD, mais de 200000euros num só ano. Bem sei que isso não é propriamente ser “rico” (onceito que aliás sempre foi difícil de definir), mas para a maioria dos portugueses, que num ano bom ganham entre 8000 e 15000euros, a MFL é considerada “rica” e eles só têm pena de não ser como essa adorável velhinha…

    Gostar

  21. 29 Julho, 2009 23:24

    “… preciso tirar licença para ter filhos?”

    É mesmo isso que eles vão fazer… é da praxe.

    Gostar

  22. caaii permalink
    29 Julho, 2009 23:28

    ainda acham que um flat rate tem o mesmo peso para quem ganha 400 e para quem ganha 4000? a ideia chega a ser obscena

    Gostar

  23. 29 Julho, 2009 23:33

    Tive um familiar (já falecido) que foi um dos dez mais bem pagos gestores do seu tempo. Uma vez perguntei-lhe porque é que sendo um gestor de tal gabarito não era rico.

    Respondeu-me que para se ser verdadeiramente rico era preciso ser-se um filho da p…

    Gostar

  24. José Barros permalink
    30 Julho, 2009 00:17

    E o que é engraçado é que “rico” para os efeitos da cobrança fiscal deste PS é fazer-se parte de um casal que receba mais de 5000 Euros por mês. Ou seja, o tipo de pessoa que, tendo filhos, anda provavelmente a pagar o empréstimo da casa – porque não a comprou a uma offshore – e a escola ou universidade dos filhos, não sonhando sequer com iates ou casas de férias.

    Gostar

  25. 30 Julho, 2009 00:48

    Os direitinhas andam muito, muito, assanhados. Com a vitória do Paulinho Ranger como cereja no topo do bolo passou-lhes a vergonha toda. Pelos comentários, muito se borram também de medo que voltem aí os comunas para lhes azucrinar o juízo e lhes façam xixi na piscina. Deve ser uma frustração Pachequiana qualquer.

    Explicar a esta senhora e áos seus fãs porque permitir o enriquecimento de uns quantos causa o empobrecimento de outros começa a parecer-se com ter que explicar porque motivo dois mais dois são quatro. Quando estamos no meio de uma crise gerada pela drenagem de riqueza dos mercados para esta ir parar aos bolsos de poucos este tipo de conversa tem tendência a causar urticária. Almeida Garrett já o explicou de forma suficientemente clara há século e meio. Marx também. Até o raio do Henry Ford, um dos maiores capitalistas de todos os tempos percebeu mais depressa do que os outros que se riram dele até lhes ter entrado a crise de 1929 pelo traseiro acima.

    Esta gaja resumiu nesta treta de discurso toda a podridão do nosso querido mundo do capital: que se fodam os pobrezinhos, as seguranças sociais, os desempregados e mais o raio que os parta, o que importa é ilusão de poder ser rico. Sim, isso mesmo. Que se dane a democracia e mais o conceito de estado para a maioria e justiça social. O capitalismo atira-nos telemóveis, carros de luxo, spas mais caros que ordenados e a ilusão de que um dia podemos ter glamour a sair-nos pelo nariz como ranho e vendemo-nos como putas a esta canalha: os protegidos a quem nunca chega a crise, os brasonados e outros queques e betos, aos vigaristas e espertalhões que fazem leis e ditam a economia tanto quanto ditam a justiça.

    Parece de que precisamos mesmo é de voltar a sentir fominha como há cem anos atrás para que percebamos o que é, afinal, realmente importante. Qualquer tipo de classe média ou abaixo que vote nesta cabra e séquito é BURRO. É BURRO por ser ele a pagar a crise enquanto vê o mercado dos artigos de luxo florescer porque aos ricos nada lhes falta; é BURRO duas vezes porque lhe falta o dinheiro para bens essenciais mas endivida-se para compar o luxo que o capitalismo lhe atira como vantagens desde que nasceu; é BURRO três vezes por pensar que deixar uns tipos enriquecer mais do que merecem lhe vai trazer, a ele, prosperidade. É um ASNO por hipotecar o seu futuro e o dos filhos por gadgets, lâmpadas fluorescentes debaixo do carro e gajas com tetas de silicone.

    A História, pelos vistos, existe para ser esquecida, como a matemática. Sorte é existir a estatística: um gajo como um frango, outro morre de fome mas não faz mal que no mundo civilizado toda a gente tem direito a meio frango.

    Acham que a riqueza cai do céu aos trambolhões? Ela tem que vir de algum lado. Para uns terem a mais, outros têm de menos, a grande diferença entre agora e o século XIX vem do facto de a fronteira entre a soberba e a miséria se ter deslocado do interior dos países para fora deles. Pode ser, mesmo assim, que a crise mude esse aspecto, se assim continuar. Nunca se sabe, continuem a aumentar o número de desempregados até na nossa velha Europa e pode ser que os famélicos da terra surjam entre nós outra vez. Como a fome é a maior força de revolta que a História alguma vez conheceu, talvez um dia acordemos com uma à porta que a Globalização vai fazer dos bolcheviques a porra dos meninos do coro de Viena.

    Abram os olhitos e vejam bem em quem vão votar. A estes laranjitas caiu-lhes despudoradamente a máscara: até o artista do Sá Carneiro teria vergonha, no seu tempo, de atirar alarvidades destas quando esquerda/direita ainda diziam algo à nossa sociedade e muito gente ainda andava a pão e água à custa do Botas & Companhia. Já agora: recomendo algumas fotografias antigas, é muito engraçado ver o Belmiro e outras múmias já sobejamente conhecidas à mesa do Estado Novo. Talvez isso abra alguns olhitos.

    O que mais mete raiva é esta treta de partido “socialista” que se diz ter por cá. Enfiaram o conceito de “cada homem deve receber exactamente o que merece de acordo com a sua responsabilidade, mérito e formação” numa gaveta e agora andam a brincar aos estados sociais. Com políticas de tapa-buraco para idiota ver.

    P.S. Até os américas já começaram a perceber. E o que temos nós por cá? Sarkozys, Merkels, Berlusconis, Chernes, um ex-JSD no poder e uma laranjita á espera de o tomar. Se calhar merecemos o que temos.

    Gostar

  26. Pi-Erre permalink
    30 Julho, 2009 01:14

    Ela esqueceu-se de que é necessário reduzir substancialmente a intromissão do Estado na economia para que o país possa finalmente crescer.

    Gostar

  27. 30 Julho, 2009 01:23

    Finalmente, algum líder político percebe que o “ódio ao rico” faz parte da maior instituição nacional em Portugal: a inveja!

    A questão não deve ser invejar a riqueza, mas ter nojo da forma como algum enriquecimento é obtido! Esta – sim! – é a questão central!

    MFL sabe – e o país também – que apenas com o capital é possível criar riqueza, fazer progredir o país e acabar com a pobreza fatal a que a esquerda descamisada (e a caviar também) condenam este país …

    Gostar

  28. 30 Julho, 2009 01:59

    #28:

    Ao contrário do que sugeriu a senhora, o capital útil para o desenvolvimento é o que está nas empresas (para o investimento privado), nos impostos (para o investimento público). O luxo, como sugeriu aquela aventesma serve para limpar o traseiro e dizer que cheira a rosas. Não serve para rigorosamente corno. É dinheiro morto, riqueza estagnada. A bacana não percebe, os direitinhas também não. O resto do povo que sonha ser o Champas (ou algum familiar vivo, entenda-se) fecha os olhos e finge que dois mais dois são seis.

    Gostar

  29. 30 Julho, 2009 02:01

    A todos os que apoiam as sábias palavras da Criatura Leite sugiro que trabalhem um anito nas caixas do J. Martins. Depois falamos do “ódio aos ricos”.

    Gostar

  30. Amonino permalink
    30 Julho, 2009 02:35

    .
    IMPOSTO UNICO NACIONAL só sobre o Consumo. Quem mais ou melhor ou mais luxuoso consome MAIS PAGA. Cessar toda a tributção sobre o RENDIMENTO. Acabar com a charada dos demais Impostos (IRS, IRC, IMI, IMT, ICombustiveis, IA etc)afinal todos pagos pelo Consumidor final embutidos no preço final dos Produtos.
    .
    Este Imposto Nacional Unico só sobre o Consumo é a unica forma de acabar com a monumental fuga fiscal da Corrupção e adjacentes que são mais de 20% do PIB nacional segundo divulgado publicamente. A propagandeada fuga fiscal dos zes dos anzois ou das PME são peanuts insignificantes.
    .
    O actual sistema fiscal ‘faz de conta’ autoriza, isenta na prática, que TODA a Corrupção e adjacentes não paguem grande parte da carga fiscal por exemplo IRS ou nem paga nenhum imposto. Adicionado ao “Subsidio-Direccionado só para os ‘ungidos’ ” vicia todas as regras da concorrencia entre Empresas sendo POrtugal actualmente um tecido económico empresarial ‘faz de contá’
    .
    É simples quem tem dinheiro, ganho de que forma fôr, gasta-o no Consumo e o Imposto Justo é ‘caçado’ aqui com o IMPOSTO NACIONAL UNICO só sobre o Consumo acabando com o resto dos Impostos. Se poupar em vez de gastar aumenta as reservas nacionais para Portugal pedir menos emprestado ao estrangeiro.
    .
    Até ao momento nenhum Partido propôs no seu Programa Eleitoral a solução da charada fiscal nacional que gravemente está a ser instrumentalizado pela nova pide bolchevique para a ditadura sobre o eleitorado, para a perseguição, represália e eliminação das Liberdades, Garantias e Privacidade de qualquer Português, seja solteiro, casado, divorciado, empregado ou funcionário publico.
    .
    Gravissimo ao nivel Empresarial por escancarar qualquer Empresa sediada em Portugal à espionagem quer da concorrência quer de interesses competitivos internacionais desmantelando a capacidade exportadora portuguesa.
    .
    A Esquerda sustentar esta situação é compreensivel e inteligente. Mas a Direita ou os que se dizem não marxistas …..
    .
    Liberalismo avançado com Direitos Sociais intocados.
    .

    Gostar

  31. 30 Julho, 2009 02:48

    # 26 Caríssimo Harpad

    Sábias palavras… Mas o povo vive hipnotizado com os shoppings, com o consumo desnecessário “em suaves prestações mensais”!!!
    Nenhuma pessoa que “profere”, tais alarvidades vive com 400 euros/mês, quando muito escraviza pessoas por esse valor!
    O problema dos políticos até Setubro, é que nenhum partido sabe para onde vão os votos…
    O PS espera ganhar (O cenário de maioria apenas admissível em caso de coligação!)…
    O PSD depois da ténue vitória nas Europeias, espera também ganhar…Mas Rangel vs Vital é diferente de Socas vs MFL… não me parece…
    O CDS PP vai com quem lhe estender a mão, se é que alguém terá a ousadia de a estender!!!
    O Bloco de Esquerda quer se consolidar como 3ª força política e ganhar vantagem, para forçar a aliança com o PS na almejada maioria…
    O PCP tenta ir no encalço do Bloco… Mas a cassete está gasta… Ficará um pouco acima do CDS PP!
    O que me intriga é o cenário de abstenção… Será esta situação de crise grave o suficiente para levar os Portugueses a votar???
    Claro que a classe política não pensou no que vem depois das eleições… A CRISE!!!
    O que importa agora é ganhar tacho e poleiro para todos… depois mais 4 anitos do mesmo!!!
    Se o salário de um deputado fosse 450 Euros/mês, sem assessores, sem reformas chorudas e sem ajudas de custo, será que se verificava toda esta azáfama eleitoral??? Será que alguém quereria o lugar??? e por 1000 Euros/ mês, aceitavam???Não, pois não… Assim vai Portugal…

    Gostar

  32. 30 Julho, 2009 02:53

    O Nostradamus da Madeira quer alteração Constitucional para “comunas”… Estará ele com medo que lhe caia um “Bloco” em cima???

    Gostar

  33. Anónimo permalink
    30 Julho, 2009 09:40

    O psd = pcp na técnica. Incentiva o ódio e a chacota. Vão emrecer o ricochete se ganharem e tudo o que o pcp lhes possa fazer.

    Gostar

  34. Paulo Nunes permalink
    30 Julho, 2009 10:24

    Ainda assim, ainda que não simpatize com a pessoa, a MFL não deixa de ter razão. O ódio aos “ricos” e aos “patrões” está enraizado nos portugueses.
    Não tarda muito voltamos ao tempo do pós 25 de Abril, em que vi três tipos aos pontapés a um Mercedes. Unicamente porque era um Mercedes.
    Desta maneira, já lá vamos chegar outra vez.

    Gostar

  35. Pi-Erre permalink
    30 Julho, 2009 10:45

    “A todos os que apoiam as sábias palavras da Criatura Leite sugiro que trabalhem um anito nas caixas do J. Martins. Depois falamos do “ódio aos ricos”.”

    Ó Harpad, não seria melhor ires trabalhar uns anitos nas fábricas de charutos do Fidel?

    Gostar

  36. Anónimo permalink
    30 Julho, 2009 11:07

    “Não tarda muito voltamos ao tempo do pós 25 de Abril, em que vi três tipos aos pontapés a um Mercedes. Unicamente porque era um Mercedes.”

    do que tu te foste lembrar. pois, olha, eu já vi quatro tipos aos pontapés a um preto. unicamente porque não era azul.

    Gostar

  37. Anónimo permalink
    30 Julho, 2009 11:07

    #35 – já que estamos a ver coisas, lembras-te da matrícula?

    Gostar

  38. 30 Julho, 2009 12:01

    Só dois comentários, a-propósito:

    1 – «Ser rico é glorioso!» – apregoavam os dirigentes chineses, depois de lhes passar a genica da Revolução Cultural.

    2 – Quanto à afirmação
    «É bom que eles existam, é bom que dêem muitas festas, que comprem muitas coisas, porque isso dá postos de trabalho a dezenas de pessoas»,
    recorde-se que a criação de postos de trabalho não pode ser um argumento vale-tudo.

    Já Marx recordava que os criminosos, devido à sua actividade de “produtores de crimes”, criam imensos postos de trabalho:

    Legisladores, polícias, advogados, juízes, fabricantes de armas e fechaduras, construtores de prisões e de tribunais, professores de Direito…
    De facto, rara é a actividade económica que não tem postos de trabalho criados por eles.

    Gostar

  39. 30 Julho, 2009 12:09

    Caríssimo Harpad

    Volta e meia venho a este “vomitório” disfarçado de blogue político, com a mesma curiosidade, imagino, que antigamente se iria a uma feira ver os desgraçados com alguma deficiência rara, ou mesmo a um manicómio ver os “maluquinhos.

    Eu sei que é degradante ver tanta miséria como a que abunda quer nos “postes” quer nas caixas de comentários, mas, em certa medida, acaba também por ser de alguma forma reconfortante, a certeza de que, ao menos, não somos como eles.

    Vem isto a propósito de, na caixa de comentários de uma posta de LR (inteligentíssima como é seu timbre, cof.cof.) ter visto o seu comentário que obviamente destoa como qualquer pérola destoa numa pocilga.

    É que o facto é mesmo esse, caro Harpad, o amigo mandou ma carrada de colares de pérolas, para uma pocilga imunda e os seus habitantes naturalmente não só não reconhecem, como nem agradecem e vai ver ainda ficam bravos.

    O que vale é que são inofensivos e o mais que são capazes é de espalhar mais e mais porcaria…

    Não se gaste aqui, caro Harpad, faça como eu, venha volta e meia vê-los, atire-lhes para cima qualquer porcaria, que eles comem tudo com o mesmo gosto.

    E a gente ri-se

    Gostar

  40. berto permalink
    30 Julho, 2009 12:15

    Com políticos tão inteligentes e com tiradas deste tipo já se percebe porque é que Portugal não passa da cepa-torta. Esta escumalha que faz do poder a sua casa de alterne não sabe nem quer saber o que se passa para lá dos seus arrogantes umbigos. Nunca trabalharam numa empresa do Belmiro nem do Jerónimo Martins, nunca conheceram chantagem patronal nem desemprego, nunca esperaram meses ou anos por uma consulta médica, nunca tiveram de ir trabalhar uma semana depois de um parto senão adeus emprego, nunca trabalharam 12 horas por dia a ganhar o ordenado mínimo, e depois dizem que os tugas sentem ódio e inveja dos ricos, que lhes pontapeiam os mercedes (o que mais se vê por aí são mercedes com marcas de botas cardadas), que são preguiçosos, não gostam de trabalhar, e mais a treta do costume.
    Pois, e a culpa ou é do Sócrates, ou do Cavaco, ou do Mário Soares, ou do Cunhal, ou do Louçã, ou do Barroso, ou da Ferreira Leite, ou do Guterres, ou do Salazar, e talvez mesmo do Afonso Henriques.
    Depende do lado para onde se vira o/a aspirante a gerente do bordel. O que nos vale é que os que enriqueceram nestes últimos anos trazem todos uma auréola de santo.
    Que inveja que eu tenho!

    Gostar

  41. 30 Julho, 2009 14:15

    Os ricos trabalham mais se tiverem mais dinheiro e os pobres se tiverem menos.

    Gostar

  42. lucklucky permalink
    30 Julho, 2009 15:05

    ” Esta escumalha que faz do poder a sua casa de alterne não sabe nem quer saber o que se passa para lá dos seus arrogantes umbigos. Nunca trabalharam numa empresa do Belmiro nem do Jerónimo Martins, nunca conheceram chantagem patronal nem desemprego, nunca esperaram meses ou anos por uma consulta médica, nunca tiveram de ir trabalhar uma semana depois de um parto senão adeus emprego, nunca trabalharam 12 horas por dia a ganhar o ordenado mínimo, e depois dizem que os tugas sentem ódio e inveja dos ricos, que lhes pontapeiam os mercedes (o que mais se vê por aí são mercedes com marcas de botas cardadas), que são preguiçosos, não gostam de trabalhar, e mais a treta do costume.”

    Resumindo… A Educação Pública produz idiotas que a única coisa que conseguem fazer é ganhar o ordenado mínimo. Num parágrafo, você sem querer deitou a baixo a sua ideologia esquerdista.

    Que tal ir ver as contas e verificar que por exemplo 15% das pessoas pagam 85% do IRS. O seu patético Estado Social vive á conta dos “ricos” que já agora nem são muito ricos. Eles vão embora e finito, kaput, acabou.
    E nessa altura acabou a dívida crescente que já vai em 100% do PIB, já ninguém irá mais emprestar dinheiro aos Madoff Sociais que na prática é o que a Esquerda é em menor a grau a Direita Socialista que temos. Meta uma coisa na cabeça a 3a República é um esquema de Ponzi.

    http://oinsurgente.org/2009/07/29/progressividade-fiscal-4/

    Gostar

  43. Alyescka permalink
    30 Julho, 2009 15:08

    Baixamos assim tanto a bitola da nossa exigência? Cinco mil euros será um rendimento assim tão indecoroso, ao preço a que a vida está?
    E de quem estamos a falar? De um singular? De um casal? De um casal com um filho ou com dois?
    Os encargos variam consoante o quadro familiar e cinco mil euros podem muito bem ser o rendimento justo de uma família da mais pura classe média. A mesma que politicas governamentais de anos tem vindo a exterminar!
    Escrevo, é claro, daquela que pode pagar o carro, a casa, o colégio dos filhos e fazer um almoço de vez em quando fora de casa. Talvez nem lhe fique dinheiro para as contas-poupança dos vários bancos que guardam fortunas, têm lucros monstruosos e pouco ou nada investem.
    Dizer que se é rico com cinco mil euros no bolso é pernicioso porque isso é admitir que os ricos são, afinal, muito pobres. E não são! A esses, com milhões, desembolsar mais uns trocos para os impostos não custa.
    Manuela Ferreira Leite erra na forma: assume que se é rico com cinco mil euros no bolso em vez de se bater pelo não agravamento dos impostos para valores desta ordem de grandeza e cai na armadilha de falar de ricos e de pobres.
    Estão o virar uns contra os outros, a dividir para reinar.
    Pessoalmente não tenho nada contra ricos. Desde que invistam! Para ajudar os todos, que somos nós, a ter dignidade de uma vida sem faltas das mais elementares.

    Gostar

  44. JP Ribeiro permalink
    30 Julho, 2009 16:04

    Harpad: “Explicar a esta senhora e áos seus fãs porque permitir o enriquecimento de uns quantos causa o empobrecimento de outros começa a parecer-se com ter que explicar porque motivo dois mais dois são quatro”.

    Esta frase, totalmente errada, explica toda uma filosofia de vida baseada na ignorância da economia e do funcionamento dos mercados.

    O enriquecimento de uns só causava o empobrecimento dos outros nas sociedades tribais de caçadores-colectores, há cerca de 15.000 anos atrás. O aparecimento da agricultura, e mais tarde das cidades com a especialização do trabalho, provaram ser possível o enriquecimento de todos à custa de ninguém. Senão a sociedade moderna seria milhões de vezes mais rica que a sociedade primitiva à custa do empobrecimento de que pobres?

    Gostar

  45. berto permalink
    30 Julho, 2009 16:13

    lucklucky :

    A sua tese não invalida o que eu escrevi. É verdade que 15% paga 85% do bolo total do IRS. Que a maioria desses 15% nem sequer são ricos, longe disso. O ódio e inveja que a Ferreira Leite se refere é aos portugueses que são mesmo ricos, e como certamente sabe muitos deles não pagam em impostos o que a sua fortuna pessoal mereceria no caso de haver justiça fiscal. Claro que o valor desta cobrança seria residual, mas o problema é o sentimento de injustiça motivado pelo que se sabe de falcatruas e meios pouco legais de criar riqueza pessoal. E junte a isso a quem tem de aturar diáriamente filhos da puta e tem de se calar para não perder o emprego.
    Enquanto isso os políticos vão atirando merda uns aos outros enquanto os verdadeiros culpados da tragédia rebolam de riso.

    Gostar

  46. Tribunus permalink
    30 Julho, 2009 16:48

    Em poRTUGAL ENRIQUECE-SE A ROUBAR….DAS MAIS VARIADAS FORMAS, COM PADRINHOS, SEM PADRINHOS, DESDE A ABRILADA OS ECONOMISTAS QUE BUSQUEM A RAZÃO DE TANTO ENREQUECIMENTO ILICITO!

    Gostar

  47. 30 Julho, 2009 16:54

    Meus Caros

    Ideologias à parte (e preconceitos, valha a verdade) julgo que podemos chegar a este “compromisso”:

    – Nós precisamos de investimento para fazer avançar o país

    – As pessoas com mais dinheiro são as que têm mais capital disponível para investir (já que o dinheiro lhes sobre para a sua sobrevivência – falta, portanto, a vontade, a oportunidade e a criação de possibilidades, nomeadamente em sede fiscal)

    – Se as hostilizarmos e vilipendiarmos elas vão para o “lado de lá” (bem mais atractivo fiscalmente e com mais “Estado Social”)

    – As pessoas que são pobres ou que vivem nesse limiar podem, cada vez mais, com as armas de formação profissional, da sociedade de informação e outras, tentar ultrapassar esse fosso (apesar de sabermos que nem sempre “são rosas”)

    – o Estado Social está falido porque não pode ser sustentado, APENAS, pelas contribuições da população activa que, como sabemos, é cada vez menor. LOGO: dê-se possibilidade aos cidadões de fazerem Segurança Social Privada em condições (PPR’s, Seguros e outras aplicações mais vantajosas ao nível de juros e ganhos)

    – Manuela Ferreira Leite sabe, bem melhor que o ignorante-convencido de José Sócrates (note-se que, normalmente, as pessoas mais abestalhadas e ignorantes são as mais presunçosas e vaidosonas) como lidar com estes problemas: aliviar o “espartilho fiscal” que Portugal vive e que sufoca a produção de riqueza (valha a verdade que MFL não está isenta de culpas nesta muralha fiscal, mas fez aquilo que, na altura, a generalidade dos especialistas reconheceu ser neceessário)

    Julgo que os Portugueses começam a perceber quem é a personalidade mais competente, honesta e franca com os portugueses neste caldo eleitoral

    Gostar

  48. KSELIXE permalink
    30 Julho, 2009 17:37

    Esta de uma Presidente de um partido SOCIAL-DEMOCRATA(!!!)sair em defesa dos ricos no País mais desigual da Europa, com os gestores mais bem pagos do Mundo, e a maior % de pobres da UE é de se lhe tirar o chapéu… Não se referiu aos empreendedores ou empresários motores da criação de riqueza para todos e por isso dignos de apreço. Referiu-se aos ricos, tout-court, e às dezenas de postos de trabalho que criam e, já agora, como se dizia atrás, o crime também cria postos de trabalho. Esperemos por 5ª feira para se conhecer a “interpretação autêntica” de tais “sábias” palavras.
    Será que só temos alternativa, para PM, entre um mentiroso puro e uma desmiolada senil ? Se sim prefiro um país ingovernável do que governado por tais espécimens
    Lembro aos meninos liberais e licenciados em gestão nas católicas e outros antros que tais que quem nasceu com talento não tem mérito e quem nasceu fracamente dotado não tem culpa de tal infelicidade e isto está muito esquecido…

    Gostar

  49. Anónimo permalink
    30 Julho, 2009 17:42

    o lambe botas volta a atacar com o salmo 4:54

    Gostar

  50. 30 Julho, 2009 17:57

    esta senhora ainda nao atracou e ja esta quase a ilibar o banco de portugal no caso do bpn,,,,,estao a ver o tiro…..

    Gostar

  51. Anónimo permalink
    30 Julho, 2009 19:36

    para LR ter a flat tax vai ter que votar CDS!

    Gostar

  52. 30 Julho, 2009 20:05

    Luckyluck
    O post que cita incorre num erro que é o de misturar a percentagem de classe média-alta real com “classe média-alta fiscal”. Ora são coisas diferentes e os números apresentados carecem de fundamento. Até admito que conterão alguma verdade porém só com o que lá é dito não o podemos afirmar.

    Gostar

  53. João Fernandes permalink
    30 Julho, 2009 20:22

    Margaret Thatcher ilustrou muitíssimo bem este conceito de nivelamento por baixo (22 de Novembro de 1990, ora vejam:

    Cumprimentos

    Gostar

  54. António Fiúza permalink
    30 Julho, 2009 20:28

    Quem ganha muito dinheiro tem sorte. Mesmo que roube (altamente provável), tem sorte por não ser preso. O mérito é uma treta que faz parte da sorte. Assim sendo, é muito justo que quem tem mais sorte e ganha desproporcionadamente mais do que os outros pague progressivamente mais impostos do que os outros.

    De qualquer modo admito que a taxa única possa ter alguma virtude que desconheço. Portanto, pergunto se há algum país em que isso aconteça e em que as pessoas sejam mais felizes do que nos outros países.

    Gostar

  55. António Fiúza permalink
    30 Julho, 2009 20:31

    #48
    o Estado Social está falido porque não pode ser sustentado, APENAS, pelas contribuições da população activa que, como sabemos, é cada vez menor. LOGO: dê-se possibilidade aos cidadões de fazerem Segurança Social Privada em condições (PPR’s, Seguros e outras aplicações mais vantajosas ao nível de juros e ganhos)

    confia nalgum banco ou afim? eu não! quando der por ela o meu dinheiro está no bolso deles!

    Gostar

  56. Soldado Raso permalink
    30 Julho, 2009 22:46

    Ouvi dizer que os ricos estão mais pobres.
    Finalmente. Os ricos estão a pagar a crise !

    Gostar

  57. 31 Julho, 2009 00:48

    #36: Eu trabalho em ciência. Acabo o mês com zero na conta, não tenho qualquer esperança de carreira nem sou grande fã do Fidel. Há muitos com eu por aí, a contribuir para as gloriosas estatísticas da superior formação académica dos lusos e europeus em geral e tudo o que ganho é satisfação com o meu trabalho. Não me parece que vá aprender grande coisa em fábricas de charutos. Experimente o cavalheiro trocar comigo e garanto-lhe que verá o mundo com olhitos diferentes.

    #45: No tempo das cavernas quem tinha fome comia o que quer que seja que crescesse numa árvore ou no lombo de um animal. Hoje quem tem fome tem que ter dinheiro para o comprar. Talvez o meu amigo perceba tanto de antropologia e de história quanto eu de economia. Ou talvez de botânica, já que segundo as teorias liberais a riqueza deve crescer em arbutos e por isso é que 6.2 mil milhões de pessoas podem todos ser ricos. Só não o conseguem porque são uns incapazes de merda. Estranho, não é? O pessoal de África morre de fome e nós enriquecemos a retirar-lhes as riquezas do chão. Se calhar isso é enriquecer à custa de retirar riqueza aos outros. Só a título de exemplo. Ou será antes um exemplo de caça-recolecção?…

    #40: Precisamente e obrigado.

    Gostar

  58. António Fiúza permalink
    31 Julho, 2009 13:57

    #45

    O capitalismo cria riqueza. Uns pategos tentaram criar um sistema diferente e foi o desastre que se viu. Mas a riqueza que o capitalismo cria fica nas mãos de poucos. Poucos ricos e muitos pobres. Se esses poucos ricos forem bem formados, se perceberem que foi por sorte que isso aconteceu, e por azar dos pobres, se tiverem uma coisa que se chama moral, colaboram numa distribuição decente da riqueza. Quanto mais não seja, para que não haja tensões sociais, para que os seus olhos não tenham de ver o nojo que é a pobreza, para que a sua própria vida seja melhor, se é que se importam com o que acontece à sua volta e querem viver tranquilos. O problema é que a moral é uma coisa muito mal distribuida, como todas as qualidades humanas.

    Gostar

  59. Tribunus permalink
    31 Julho, 2009 18:53

    Todos que aparecem no Banco alimentar, são mesmo pobres? existe um criterio de seleção? ou è uma teta de uma vaca?
    Pensem nisto!

    Gostar

  60. 31 Julho, 2009 19:03

    ” É bom que eles existam, é bom que dêem muitas festas, que comprem muitas coisas, porque isso dá postos de trabalho a dezenas de pessoas.”

    Harpard, concordo em parte com a sua observação. (Depende um bocado de como é a festa… :))

    Naturalmente que uma festa de vez em quando não faz mal a ninguém, mas a frase é tão absurda. Seria lógica que ela falasse de os ricos criarem postos de trabalho com empresas, por exemplo. Ou bem estar com trabalho altamente especializado.
    Ou que seriam eles que poderiam financiar bons projectos para o País.
    Ou riqueza intelectual, cultural, artística, qualquer coisa assim.
    Mas não. A frase é quase absurda no contexto da situação que se discute em Portugal. Os ricos colaboram para o País porque dão festas. É bizarro.

    (Há essa palavra em português ou não? Não me posso permitir ir de férias, e o Português sofre…)

    “Que comprem muitas coisas” – aos estrangeiros?

    Como se construiu a riqueza na Holanda foi com os impostos muito altos “aos ricos”, e resultou muito bem.

    Agora vou postar este comentário. Mas a discussão aqui acabou. Então eu vou fazer um postal na Ilha sobre isto.
    Mas não sei se é já hoje.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: