Saltar para o conteúdo

“Não lembra ao diabo” *

9 Agosto, 2009
by

Quando se faz uma lei o perigo maior está nos seus efeitos encobertos, os que não foram adivinhados.
A UE está a finalizar uma Directiva sobre a igualdade que quer ver aplicada em 2011. Acontece que uma boa ideia – a não discriminação – pode gerar os piores resultados. Há receios de que essa Directiva possa excluir qualquer iniciativa que um dado grupo social julgue nociva. Por exemplo, os grupos ateístas poderão tentar proibir a exibição de arte sacra em museus por a terem como discriminatória.
A Igreja já protestou – e com razão. Bem sei que a lei deve ser sempre cumprida mas com inteligência, como ensinou um enorme jurista, Jhering. Só que a lucidez da lei deve caber, primeiro, a quem a faz já que é arriscado confiar apenas em quem a executa.

* Correio da Manhã, 5.VIII.2009.

22 comentários leave one →
  1. 9 Agosto, 2009 16:26

    para quando uma ASAE da cultura, da filosofia e da religião?

    Gostar

  2. lucklucky permalink
    9 Agosto, 2009 17:30

    “Acontece que uma boa ideia – a não discriminação – pode gerar os piores resultados.”

    A Discriminação é só a nossa natureza. É que nos mantém vivos e que nos permite evoluir,escolher. Há é Discriminação errada.

    Pois Cãodeguarda provávelmente neste momento em várias ditaduras já deve existir mais liberdade que certas Democracias.

    O grande combate político futuro vai ser contra a tirânia da Democracia.

    Gostar

  3. Kolchak permalink
    9 Agosto, 2009 17:36

    Uma destas semanas ouvi um padre jesuíta, de que infelizmente me não recordo o nome, explicar uma situação que parece estar a ocorrer na Dinamarca.
    Desde a Reforma, os dinamarqueses têm, ao que suponho, uma Igreja nacional, cujo chefe é o Rei (neste caso a Rainha!).
    Há alguns anos atrás, o Estado dinamarquês aceitou o casamento (?!) civil de pessoas do memo sexo. A Igreja da Dinamarca manifestou-se, naturalmente, contra a decisão, que teve de acatar com a disciplina caraterística do protestantismo europeu.
    Pois bem, agora a luta do lobby «gay» dinamarquês, virou-se para outro objectivo: quer-se que seja obrigatório para a Igreja da Dinamarca, celebrar casamentos (?!) cristãos (???) entre pessoas do mesmo sexo.
    A Igreja da Dinamarca é, como é óbvio, contra a ideia. O problema é que quem financia a a Igreja dinamarquesa é o Estado e, segundo os «gays» da Dinamarca, se a Igreja se continuar a opor, o financiamento deve acabar…!

    Gostar

  4. Anónimo permalink
    9 Agosto, 2009 17:46

    Estamos em Portugal. Uma das características desta Nação é terem leis que não passam. Não são para ser cumpridas. E todos (incluindo politicos) acham isso natural. Por isso não há que preocupar…

    Gostar

  5. Carlos III permalink
    9 Agosto, 2009 19:11

    A Democracia levada aos seus extremos destrói-se a ela própria.

    Gostar

  6. Anonimo permalink
    9 Agosto, 2009 20:03

    Estes soundbytes do CAA, plagiados com certeza de um qualquer periodico europeu, devem ter aqui o mesmo numero de leitores que tem no excelso Correio da Manha… uns 10 leitores, max…

    Uma pura perda de tempo.

    Gostar

  7. António Mira permalink
    9 Agosto, 2009 20:19

    .

    A indiscriminação pode ter consequências graves e lucklucky tem muita razão quando diz que o grande combate político do futuro vai ser contra a tirania da democracia.
    Também é verdade que há ditaduras com mais liberdade que certas democracias. Portugal é um bom exemplo disso pois havia mais liberdade com a ditamole do Estado Novo do que com a democracia partidocrátia a que estamos submetidos depois do malvado 25 de Abril.
    A primeira consequência da abrilada foi a brutal baixa de produção e a perda de emprego; antes arranjava-se trabalho de um dia para o outro e sem cunhas, depois, pouco a pouco, foi deixando de haver trabalho e agora não há – ou antes, há para novos socialistas, brasileiros ou para os desgraçados que vão ganhar menos de 500 euros. É a geração dos 500.
    Ora aí está: o Povo discrimina os políticos e a tropa por nos terem trazido esta miséria.
    Outro exemplo. Esta partidocracia corporativa só dá trabalho, dinheiro e benesses para os da cor. Quem não “chucha nisto” não leva nada. E os socialistas são fanáticos, mais do que os comunistas. São descriminadores a todos os títulos. Em tempos, tive que trabalhar com alguns. É muito pouco saudável.

    Nuno

    Gostar

  8. Xico permalink
    9 Agosto, 2009 20:34

    Também eu me assusto com a sanha totalitárias de igualar tudo e todos.
    Mas também me assusta a falta de memória.
    Consigo criticar o estado novo no seu contexto histórico, sem grandes diabolizações, mas daí a fazer comparações como o António Mira faz chega a ser insultuoso.
    Se havia tanto emprego porque fomos encher as américas e as franças? Se até havia as colónias!?

    Gostar

  9. maria permalink
    9 Agosto, 2009 20:50

    È só para contrariar o anónimo das 8.03

    Gostar

  10. Alfacinha permalink
    9 Agosto, 2009 21:41

    .

    A esta hora está o CAA a roer as unhas. Aos 43 minutos da primeira parte, um tripeiro preto amandou umas tods num gajo vestido de amarelo que até doeu a mim que estava a ver TV. <o sacana não pediu desculpa ao desgraçado que levou a charlatada nem levou cartãozito amarelo. Aquele árbitro já está a contar para os prémios: ou putas ou dinheiro.

    Gostar

  11. permalink
    9 Agosto, 2009 21:59

    E posts sobre futebol? Não? Que chatice.

    Gostar

  12. Alfacinha permalink
    9 Agosto, 2009 22:03

    .

    Mas aos 46,5 minutos, já na 2ª parte, há uma caldeirada do camandro, empurrões e tudo a seguir a um tripeiro ter tropeçado num amarelo. Pronto! O apito dá mais um amarelo a um amarelo e aumenta a conta a receber.
    É sempre a aviar!
    Mais u dia de sofrimento para o CAA. Coitado!

    Gostar

  13. Alfacinha permalink
    9 Agosto, 2009 22:06

    .

    Olha, agora o Puârto meteu um golo. Ca gana choriço de merda!
    Da-se!

    Gostar

  14. JJPereira permalink
    9 Agosto, 2009 22:36

    E há a certeza de a “U”E se aguentar até essa data?…

    Gostar

  15. Alfacinha permalink
    9 Agosto, 2009 22:46

    .

    Olha, CAA! O Pingo da Bosta vai aumentar as cotas. Estás lixado e mal paga. O Puârto tem que amealhar para pagar aos árbitros.
    Isto é que é uma puorra, carago!

    Gostar

  16. essagora permalink
    9 Agosto, 2009 23:35

    “Há receios de que essa Directiva possa excluir qualquer iniciativa que um dado grupo social julgue nociva.” (…) “A Igreja já protestou”

    Parece-me que a posição da da igreja em relação a essa iniciativa se pode considerar “um dado grupo social (que a) julgue nociva”. Logo, para ser coerente, a própria lei não pode ser aprovada!
    🙂

    Gostar

  17. Anti-Alfaças permalink
    10 Agosto, 2009 08:55

    Oh Zé… mete nívea!!!

    Nesta altura o CAA deve estar a rebular-se de tanto se rir das tuas figuras tristes…

    Gostar

  18. 10 Agosto, 2009 09:33

    Os comediantes, por Mário Crespo no seu melhor:

    “Ao pedir a um cunhado médico que lhe engessasse o braço antes de uma prova judicial de caligrafia que o poderia incriminar, António Preto mostrou ter um nervo raro. Com este impressionante número, Preto definiu-se como homem e como político. Ao tentar impô-lo ao país como parlamentar da República, Manuela Ferreira Leite define-se como política e como cidadã. Mesmo numa época de grande ridículo e roubalheira, Preto distinguiu-se pelo arrojo e criatividade. Só pode ter sido por isso que Manuela Ferreira Leite não resistiu a incluir um derradeiro arguido na sua lista de favoritos para abrilhantar um elenco parlamentar que, agora sim, promete momentos de arrebatadora jovialidade em São Bento.

    À tribunícia narrativa de costumes de Pacheco Pereira e à estonteante fleuma de João de Deus Pinheiro, vai juntar-se António Preto com o seu engenho e arte capazes de frustrar o mais justiceiro dos investigadores. Se alguma vez chegar a ser intimado a sentar-se no banco dos réus, já o estou a ver a ir ter com o seu habitual fornecedor de imobilizadores clínicos para o convencer a fazer-lhe um paralisador sacro-escrotal que o impeça de se sentar onde quer que seja, tribunal ou bancada parlamentar.

    Se o convocarem para prestar declarações, logo aparecerá com um imobilizador maxilo-masséter-digástrico que o remeterá ao mais profundo mutismo, contemplando impávido com os olhos divertidos de profundo humorista os esforços inglórios do poder judicial para o apanhar, enquanto sorve, por uma palhinha apertada nos lábios, batidos nutritivos com a segurança dos imunes impunes.

    Em dramatismo, o braço engessado de Preto destrona os cornos de Pinho. Com esta escolha, Manuela Ferreira Leite veio lembrar-nos que também há no PSD comediantes de grande calibre capazes de tornar a monotonia legislativa no arraial caleidoscópico de animação que está a fazer do Canal Parlamento um conteúdo prime em qualquer pacote de Cabo.

    Que são os invulgares familiares de José Sócrates, o seu estranho tio ou o seu temível primo que aprende golpes de mão fatais na China, quando comparados com um transformista que ilude com tanta facilidade a perícia judiciária? António Preto é mesmo melhor que Vale e Azevedo em recursos dilatórios e excede todos os outros arguidos da nossa praça com as suas qualidades naturais para o burlesco melodramático.

    Entre arguidos, António Preto é um primo inter pares. Ao fazer tão arrojada escolha para o elenco político que propõe ao país como solução para a nossa crise de valores, Manuela Ferreira Leite só pode querer corrigir a percepção que o eleitorado possa ter de que ela é uma cinzentona sem espírito de humor e que o seu grupo parlamentar vai ser o nacional bocejo.

    A líder social-democrata respondeu às marcantes investidas de Pinho com as inimitáveis braçadas de Preto. Arguidos na vida política há muitos, mas como António Preto há só um. Quem o tem, tão fresco e irreverente como na primeira investigação judicial, é Manuela Ferreira Leite e o seu PSD. Karl Marx, na introdução à Crítica da Filosofia do Direito de Hegel, escreve que “a fase final na história de um sistema político é a comédia”. Com estas listas do PSD e com a inspiração guionística de António Preto, Ferreira Leite está a escrever o último acto.”

    http://jn.sapo.pt/Opiniao/default.aspx?opiniao=M%E1rio%20Crespo

    Gostar

  19. Confucio permalink
    10 Agosto, 2009 11:33

    Essa dos ateus poderem pedir a proibição de arte sacra nos museus não lembra nem ao diabo. Eheheheh!! O que eu me fartei de rir.

    Então e os religiosos a tentar impedir os ateus de exibirem obras que eles considerem blasfemas? Aqui sim é que está o perigo.

    Gostar

  20. dói muito? isso passa permalink
    10 Agosto, 2009 11:43

    A arte é sempre arte, seja católica ou judia, ou muçulmana, ou ateia… e a religião que vá prá igreja rezar o terço que é para isso que se gastam esses milhões todos a construir santuários da treta. Toca a rezar pelas alminhas dos inocentes do BPN, BPP, Bcc…

    Gostar

  21. Jose Simoes permalink
    10 Agosto, 2009 14:33

    “Por exemplo, os grupos ateístas poderão tentar proibir a exibição de arte sacra em museus por a terem como discriminatória”.

    Coisa que os crentes nunca se tinhma lembrado.

    José Simões

    Gostar

  22. Marafado de Buliquei-me permalink
    10 Agosto, 2009 14:48

    Atão … e ninguém reza pelo Isaltino dos recursos ?

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: